As férias do menino nicolau

393 visualizações

Publicada em

1º CICLO

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
393
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As férias do menino nicolau

  1. 1. Unidade 3 Ficha de trabalho sobre Conhecimento Explícito da Língua I Lê o texto que se segue. As férias do Menino Nicolau Não sabia o que havia de fazer até chegar à hora da partida, e a minha mãe não ficou nada satisfeita quando eu esvaziei a mala para tirar os berlindes que estavam no fundo. – O miúdo não para quieto – disse a minha mãe ao meu pai. – Afinal, talvez fosse 5 preferível irmos já. – Mas ainda falta uma hora e meia para a partida – respondeu o meu pai. – Ora! Se chegarmos com antecedência apanhamos o cais vazio e evitam-se os encontrões e toda aquela confusão. (…) Metemo-nos no carro e partimos. Por duas vezes, porque da primeira esquecemo- 10 -nos da mala em casa. Na estação, toda a gente tinha chegado com antecedência. Havia pessoas por toda a parte, a gritar e a fazer barulho. Não foi fácil arranjar um lugar para estacionar o carro, que acabou por ficar muito longe da estação. Esperámos pelo meu pai, que entretanto teve de voltar ao carro para ir buscar a mala, pois julgava que a minha 15 mãe ficara com ela. Na estação, o meu pai recomendou-nos que não nos afastásse- mos uns dos outros para não nos perdermos. Entretanto, dirigiu-se a um senhor far- dado, que era muito engraçado porque tinha a cara toda vermelha e o boné à banda. – Podia indicar-me onde fica o cais número 11, por favor? – perguntou o meu pai. – Fica entre o cais número dez e o número doze – respondeu o senhor. – Pelo 20 menos ficava, da última vez que lá passei. SEMPÉ e GOSCINNY, 2006. As Férias do Menino Nicolau. Lisboa: Teorema (texto adaptado e com supressões) 1. Identifica o intruso nos conjuntos de palavras seguintes, tendo em conta as classes de palavras: a. hora, partida, mãe, ficou, berlindes; c. sabia, chegar, não, esvaziei, chegarmos; b. satisfeita, quieto, preferível, pai, vazio; d. a, um, meu, cara, minha. 1.1. Justifica as tuas opções.
  2. 2. 62
  3. 3. Ficha de trabalho sobre Conhecimento Explícito da Língua • Unidade 3 2. Atenta nas palavras seguintes e coloca-as no respetivo lugar no quadro: senhor número Determinante Quantificador 2.1. Refere as subclasses dos determinantes e dos nomes presentes na lista de palavras. 3. Indica um nome coletivo que designe o conjunto de pessoas que se encontrava na estação. 4. Relê a frase que se segue: “Esperámos pelo meu pai, que entretanto teve de voltar ao car- ro para ir buscar a mala, pois julgava que a minha mãe ficara com ela.” (ll. 13-15) 4.1. Sublinha todas as formas verbais e identifica o tempo, o modo e a pessoa de cada uma delas (se possível). 4.2. Reescreve a frase no futuro. 5. Atenta na frase seguinte: “O miúdo não para quieto (…).” (l. 4) 5.1. Escreve uma frase em que utilizes uma palavra homógrafa da sublinhada. 6. Identifica a função sintática de todos os elementos que constituem a frase: A minha mãe disse muitas coisas ao meu pai. 6.1. Reescreve a frase substituindo as expressões sublinhadas por pronomes. 6.2. Reescreve a frase iniciando-a por “Eu e a minha mãe”. 6.2.1. Classifica o sujeito desta última frase. 63 cais fardado Preposiçã o à aquela dez doze n a ao para uns co m vermelh a em engraçado Nom e Simples Contraída Adjetiv o
  4. 4. Fichas de trabalho sobre Conhecimento Explícito da Língua II 1. Completa o excerto que se segue com os graus dos adjetivos indicados entre parênteses. Não te esqueças de ter em atenção a concordância de género e número dos adjetivos com os nomes que caracterizam. Era uma vez um comerciante (rico no superlativo absoluto analítico). Tinha seis filhos, três rapazes e três raparigas; e, como era um homem inteligente, nada poupou na educação das crianças, tendo-lhes dado (bom no superlativo rela- tivo de superioridade) professores. As filhas eram (bonito no superlativo absoluto analítico); mas (novo no superlativo relativo de superioridade), em especial, despertava a admi- ração de todos e, quando era pequena, só lhe chamavam “a bela menina”, de tal modo que o nome lhe ficou, o que causava muita inveja às irmãs. Além de (bonito no comparativo de superioridade) as irmãs, esta menina era também (bom no comparativo de superioridade) elas. As duas mais velhas eram (orgulhoso no superlativo absoluto analítico), por serem ricas: armavam-se em grandes damas e não queriam receber as visitas das outras filhas de comerciantes; só desejavam para sua companhia gente importante. Iam todos os dias passear ao baile e ao teatro e troçavam da mais nova, que passava (grande no superlativo relativo de superioridade) parte do tempo a ler bons livros. Como se sabia que estas meninas eram muito ricas, vários foram os grandes comerciantes que as pediram em casamento; mas as duas mais velhas respondiam que nunca se casariam, a menos que encontrassem um duque ou, pelo menos, um conde. Bela – que, como lhes disse, era o nome da mais nova – agradeceu muito sinceramente aos que queriam casar com ela, mas disse-lhes que era (novo no superlativo absoluto analítico) e que queria fazer companhia ao pai durante mais alguns anos. Jeanne-Marie Leprince de BEAUMONT, 2005. A Bela e o Monstro. Col. Oficina dos Sonhos. Porto: Porto Editora (texto adaptado e com supressões) 1.1. Escreve os adjetivos seguintes no grau superlativo absoluto sintético. Superlativo Superlativo absoluto sintético absoluto sintético “rico” “inteligente” “nova” “pequena” “orgulhosas” “grandes” 2. Lê as frases seguintes: Esta menina era também melhor do que elas. Não queriam receber visitas das outras filhas mas apenas da sua menina preferida. 2.1. Refere a classe e a subclasse das palavras sublinhadas. 2.1.1. Reescreve as frases substituindo o grupo nominal a que pertencem por pronomes. 5 1 0 1 5
  5. 5. 64
  6. 6. Ficha de trabalho sobre Conhecimento Explícito da Língua • Unidade 3 3. Observa, agora, a frase transcrita do excerto. “Como se sabia que estas meninas eram muito ricas, vários foram os grandes comerciantes que as pediram em casamento (…)” (ll. 15-16) 3.1. Refere a classe e a subclasse a que pertence a palavra sublinhada. 3.1.1. Identifica a expressão a que ela se refere. 4. Atenta na palavra “casamento”. 4.1. Identifica os elementos que a formam. 4.2. Classifica a palavra, tendo em conta o seu processo de formação. 4.3. Refere outras palavras da família de casa. 5. Assinala como verdadeiras (V) ou falsas (F) as afirmações seguintes. Afirmações V F a. A frase “Era uma vez um comerciante muito rico.” (l. 1) é uma frase complexa. b. A frase “As filhas eram muito bonitas; mas a mais nova, em especial, despertava a admiração de todos (…)” (ll. 5-7) é uma frase simples. c. “e (…) só lhe chamavam ‘a bela menina’” (l. 7) é uma oração coordenada copulativa. d. A frase “Iam todos os dias ao baile e ao teatro e troçavam da mais nova (…).” (l. 13) contém uma oração coordenada copulativa. 5.1. Corrige as afirmações falsas. 6. Lê a frase que se segue. “Tinha seis filhos, três rapazes e três raparigas (…) e nada poupou na educação das crianças.” (ll. 2-3) 6.1. Circunda as formas verbais que são o núcleo do predicado. 6.2. Refere a classe e a subclasse a que pertence a palavra sublinhada. 6.3. Classifica a oração introduzida por esta palavra. 6 5
  7. 7. DF5LP-05

×