Avaliação paciente grave

1.743 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.743
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
90
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Avaliação paciente grave

  1. 1. Dra. Patrícia Zen Fisioterapeuta
  2. 2. Sinais Vitais  Avaliação da Temperatura Tempo : Oral ----------- 5 a 10 minutos Axilar --------- 10 minutos Normalidade: 37
  3. 3. Sinais e Sintomas  Pirexia (febre) Mal-etar geral, dor de cabeça, Frequência Respiratória e Cardíaca elevadas, calafrios, piloereção, perda do apetite, náusea, insônia, pele pálida, irritabilidade, agitação, sudorese, sede, fraqueza.
  4. 4. Avaliação do pulso periférico Frequência Cardíaca (FC): número de batimentos por minutos (bpm) Normal no Adulto: 60 a 80 bpm Ritmo: intervalo entre os batimentos Normal: regular e constante
  5. 5. Volume: quantidade de sangue comprimida pela artéria durante cada contração ventricular Qualidade: (ou sensação da parede arterial) Normal: liso, elástico, macio, flexível, retilíneo. Com a idade tornam-se endurecidos e menos elásticos. FC máxima: 220 homem 210 mulher
  6. 6.  Avaliação da Frequência Respiratória (FR) Frequência: respirações por minuto (rpm) Contar inspirações ou expirações Normal no adulto: 12 18 rpm Padrão: normal/paradoxal Ritmo: regular ou irregular
  7. 7.  Ausculta Pulmonar Som normal: Murmúrio Vesicular Murmúrio vesicular presente - M Murmúrio vesicular diminuído - M Murmúrio vesicular aumentado - M
  8. 8. Sons Patológicos Sibilo: assobio ( acontece mais na insp.) Ar passando pelos brônquios estreitados Ex: Asma e Enfizema. Ronco: som grave, sinal de secreção nas traquéias e brônquios. Estertor: sons crepitantes, borbulhantes ou estalidos, secreção mais fluida.
  9. 9. Alterações do nível de consciência  Sonolência: indivíduos que despertam sob leve estímulo.  Torpor: indivíduos que apresentam comprometimento da fala e diminuição das atividades físicas e mentais.  Coma: ausência de consciência e da capacidade de despertar. Indivíduo encontra-se completamente irresponsivo.
  10. 10. COMA Recuperação da Consciência Morte Encefálica
  11. 11. Exame do Paciente Comatoso  Postura do corpo e dos membros  Presença de movimentos espontâneos em um ou nos dois lados do corpo  Posição da cabeça e dos olhos  Ritmo e frequência respiratória
  12. 12. Exame Clínico  Avaliação pupilas Miose (contração) / Midríase (dilatação) Isocórica / Anisocória Reflexo fotomotor (fotoreagentes)
  13. 13. ESCALAS NEUROLÓGICAS Padronizam a avaliação neurológica de uma maneira objetiva, reprodutível e universal.  Escala de coma – Glasgow  Escala de Ramsay (sedados)
  14. 14. ESCALA DE GLASGOW (3 – 15)  ABERTURA OCULAR  RESPOSTA VERBAL  RESPOSTA MOTORA
  15. 15. ABERTURA OCULAR  4 - Abertura ocular espontânea  3 - Abertura ocular ao estímulo verbal  2 - Abertura ocular ao estímulo doloroso  1 - Ausência de abertura ocular
  16. 16. Estímulo doloroso
  17. 17. RESPOSTA VERBAL  5 - Orientado O paciente responde coerentemente e apropriadamente às perguntas sobre seu nome e idade, onde está, a data etc.  4 - Desorientado O paciente responde às perguntas coerentemente mas há alguma desorientação e confusão
  18. 18.  3 - Palavras inapropriadas Fala aleatória, mas sem troca conversacional  2 - Sons ininteligíveis Gemendo, sem articular palavras  1 - Ausente
  19. 19. RESPOSTA MOTORA  6 - Obedece ordens verbais O paciente faz coisas simples quando lhe é ordenado  5 - Localiza estímulo doloroso  4 - Retirada inespecífica à dor
  20. 20.  3 - Padrão flexor à dor Decorticação
  21. 21.  2 - Padrão extensor à dor Descerebração  1 - Sem resposta motora
  22. 22. ESCALA DE GLASGOW  3 - 8 = Grave Necessidade de intubação imediata  9 - 13 = Moderado  14 - 15 = Leve
  23. 23. ESCALA DE RAMSAY O objetivo é avaliar o grau de sedação de pacientes em uso de fármacos sedativos.  Nela estão contemplados dois tipos de situações: pacientes acordados e inconscientes.
  24. 24.  Grau 1 - Paciente ansioso, agitado, colabora e atende  Grau 2 - Cooperativo, orientado, tranqüilo colabora e atende  Grau 3 - Sonolento, atendendo aos comandos
  25. 25.  Grau 4 - Dormindo, responde rapidamente ao estímulo doloroso ou ao estímulo sonoro vigoroso  Grau 5 - Dormindo, responde lentamente ao estímulo doloroso ou ao estímulo sonoro vigoroso  Grau 6 - Dormindo, sem resposta
  26. 26. Força Muscular  Monoparesia / Monoplegia  Paraparesia / Paraplegia  Hemiparesia / Hemiplegia  Proporcionada  Desproporcionada  Tetrapresia / Tetraplegia  Diparesia / Diplegia
  27. 27. Anamnese  Entrevista  Coleta de dados - História da doença atual (HDA) - História da doença pregressa (HDP) - História de uso de medicamentos (HDM) - Histórico familiar (HFAL)
  28. 28. Inspeção Observar:  Cateter  Oxigenoterapia  Acesso venoso central ou periférico  Acoplado ou não ao VM  Escaras
  29. 29. Inspeção  Cor da pele - CIANOSE: indica hipoxemia - PALIDEZ: anemia ou doença crônica  Baqueteamento digital ( espessamento da carne que fica sob as unhas dos dedos das mãos e dos pés. A unha curva para baixo, de maneira semelhante ao formato da parte redonda de uma colher voltada para baixo).  Causada por DPOC, fibrose cística.
  30. 30. Palpação  Avaliar presença de edemas
  31. 31.  FIM

×