Crim crítica

3.554 visualizações

Publicada em

Aula Profª Patricia Melhem

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.554
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
102
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Crim crítica

  1. 1. CRIMINOLOGIA CRÍTICA
  2. 2. Teoria Crítica, Radical ou Nova Criminologia Mais uma teoria do conflito. 1970 – EUA e Inglaterra Nasce como reação à Criminologia tradicional, voltada à formação de técnicos para trabalhar com o crime. Apresenta-se claramente como Criminologia marxista.
  3. 3. Teoria Crítica, Radical ou Nova Criminologia
  4. 4. Teoria Crítica, Radical ou Nova Criminologia Pode-se dizer que se trata da Criminologia da Criminologia, questionando principalmente o objeto e a finalidade da investigação criminológica.
  5. 5. Teoria Crítica, Radical ou Nova Criminologia O delito é fenômeno dependente do modo de produção capitalista. A solução do crime depende da eliminação da exploração econômica e opressão política de classe. (*Lélio Braga Calhau relembra a existência do crime mesmo em países socialistas)
  6. 7. Teoria Crítica, Radical ou Nova Criminologia O enfoque macrosociológico se desloca do comportamento desviante para os mecanismos de controle. Análise dos sistemas penais vigentes.
  7. 8. Teoria Crítica, Radical ou Nova Criminologia Estende ao Direito Penal a crítica marxista ao Direito em geral. A lei penal é também um estrutura que depende do modo de produção. Definir alguém como criminoso possibilita controlá-lo.
  8. 9. Teoria Crítica, Radical ou Nova Criminologia Abandona o paradigma etiológico e um modelo estático de análise do comportamento desviante. Questiona as estatísticas como instrumento para se conhecer a realidade do crime.
  9. 10. Teoria Crítica, Radical ou Nova Criminologia O problema criminal é insolúvel em uma sociedade capitalista. Não é necessário defender a sociedade contra o crime e sim defender o homem contra este tipo de sociedade.
  10. 11. Teoria Crítica, Radical ou Nova Criminologia Proporcionou o surgimento do Neo-realismo de Esquerda, do Direito Penal Mínimo e Abolicionismo Penal.
  11. 12. Teoria Crítica, Radical ou Nova Criminologia Direito penal mínimo: - os minimalistas desejam reduzir o Direito Penal, com simpatia pelos infratores. - pensar na criminalidade que atinge os oprimidos. - transformar a sociedade. - contrair o sistema. - pregam princípios como a Fragmentariedade e Subsidiariedade do Direito Penal, Princípio da Intervenção Mínimo, da Insignificância, da Adequação Social, como forma de assegurar direitos humanos fundamentais.
  12. 13. Abolicionismo: - dizem que o Direito Penal apenas legitima e reproduz desigualdades e injustiças sociais. Louk Hulsman e Nils Christie. - razões para abolir o DP: 1) Já vivemos em uma sociedade sem direito penal – cifra negra. 2) Sistema anômico. 3) Sistema seletivo e estigmatizante. 4) Sistema burocrata. 5) Falsa concepção da sociedade: não há consenso dentro dela. 6) Vê-se o homem como inimigo. 7) O sistema se opõe à estrutura geral da sociedade civil. 8) A vítima não interessa ao sistema penal. 9) O sistema é máquina que produz dor inutilmente. 10) A pena não reabilita, é ilegítima, cada novo crime demonstra isso. Não intimida. Só serve para mostrar a ação do Estado.
  13. 14. JUSTIÇA RESTAURATIVA

×