COMUNICADO
 
O momento que vivemos marcado principalmente: pelo trabalho  precário  e 
desemprego  estruturante, geradores...
Constantemente é questionado o
estado social e diminuídos os
apoios, quando estes foram uma
solução imediata para muitos
h...
Sentimo-nos indignados porque
cresce na União Europeia da
liberdade, da democracia e da carta
social a ideia de que a imig...
Apesar das realidades, dos
fazedores de opinião pública e das
estruturas do poder nos fazerem
crer que não há outro caminh...
• De uma União Europeia forte, que aposte no desenvolvimento
democrático, social e equitativo, como sempre foram os seus
p...
Como movimentos operários cristãos propomo-nos:
• Incentivar as comunidades cristãs a terem mais presente na sua
reflexão ...
Lisboa, 29 de Outubro de 2010
As equipas executivas da JOC e da LOC/MTC
SECRETARIADO NACIONAL DA LOC/MTC
Av. Sidónio Pais,...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

.

418 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
418
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
114
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

.

  1. 1. COMUNICADO   O momento que vivemos marcado principalmente: pelo trabalho  precário  e  desemprego  estruturante, geradores de muitas angústias  e  incertezas  na  vida  dos trabalhadores, dos jovens e das famílias; pela situação económica e social e as políticas neoliberais que visam o emagrecimento do estado através dos cortes  nas  despesas  sociais, motivaram uma reflexão conjunta da JOC  –  Juventude  Operária  Católica e da LOC/MTC  –  Liga  Operária  Católica/Movimento  de  Trabalhadores Cristãos, a qual tornamos pública. LOC/MTC Movimento de Trabalhadores Cristãos
  2. 2. Constantemente é questionado o estado social e diminuídos os apoios, quando estes foram uma solução imediata para muitos homens e mulheres que, ao fim de muitos anos de trabalho produtivo e criador de riqueza se viram sem trabalho. Para milhares de trabalhadores e de outros cidadãos mais pobres, são o subsídio de desemprego ou o precário rendimento de inserção social que lhes permite continuar a sobreviver nesta sociedade. Vivendo num tempo de grande evolução tecnológica e científica, com algum progresso económico e social, constatamos o acentuar escandaloso das desigualdades, que tem provocado um aumento da pobreza e da exclusão social. Sublinha-se ainda a baixa produtividade, a corrupção e a economia paralela como factores que agravam ainda mais a situação. Deste modo continuamos a assistir a um desenvolvimento económico sem regras nem ética, onde muita da riqueza criada vem da especulação financeira.
  3. 3. Sentimo-nos indignados porque cresce na União Europeia da liberdade, da democracia e da carta social a ideia de que a imigração é também causa dos problemas económicos e do aumento dos conflitos sociais, levando a um crescente sentimento xenófobo, quando as realidades e as estatísticas comprovam o grande contributo dos imigrantes no desenvolvimento económico, no crescimento demográfico e na riqueza da diversidade cultural. É inadmissível que sejam os bancos e o poder económico a impor as regras dos financiamentos das dívidas públicas e privadas com as incertezas e as especulações que continuamos a assistir. As principais vítimas destes usurpadores de riqueza não produtiva e insustentável, são os países que enfrentam actualmente dificuldades financeiras, com défices orçamentais e dívida pública, mas os mais sacrificados são os trabalhadores e as populações mais pobres.
  4. 4. Apesar das realidades, dos fazedores de opinião pública e das estruturas do poder nos fazerem crer que não há outro caminho, nós reafirmamos com convicção que é possível e viável outro modelo de desenvolvimento mais justo que visa em primeiro lugar a dignidade da pessoa e não o lucro. Provam-no a história do movimento operário, o contributo dos trabalhadores e a nossa fé sustentada no projecto de Deus para a humanidade. Para alterar o actual modelo de desenvolvimento e criar uma nova ordem mundial, como referiu o papa Bento XVI aquando do despoletar da crise económica, necessitamos:
  5. 5. • De uma União Europeia forte, que aposte no desenvolvimento democrático, social e equitativo, como sempre foram os seus princípios; que crie regulamentação e vigilância sobre os capitais e as offshore; que se revejam também os altos salários e as reformas dos cargos públicos e privados. • De concretizar uma democracia mais participativa, principalmente nas autarquias e nas comunidades, de forma a serem encontradas respostas concretas e eficazes para as dificuldades e pobreza com que nos confrontamos. • De rever urgentemente os nossos níveis de consumo, tanto do estado, como dos privados e principalmente das famílias. Por isso reprovamos a medida tomada, que incentiva a abertura dos estabelecimentos comerciais ao Domingo.
  6. 6. Como movimentos operários cristãos propomo-nos: • Incentivar as comunidades cristãs a terem mais presente na sua reflexão e acção pastoral aquilo que são as angústias e anseios dos trabalhadores, dos jovens e desempregados a fim de contribuírem, à luz do Evangelho e do Ensino Social da Igreja, para uma sociedade mais humanizada. • Apelar aos militantes dos movimentos operários cristãos para participar nas estruturas sindicais, sociais e eclesiais, no sentido de fazer destes, espaços de denúncia e busca de propostas de acção que levem a uma transformação fazendo renascer a esperança dos trabalhadores. • Sensibilizar os trabalhadores, jovens, desempregados e reformados a viverem efectivamente a sua cidadania em todas as possíveis expressões que contribuam para a dignificação da pessoa.
  7. 7. Lisboa, 29 de Outubro de 2010 As equipas executivas da JOC e da LOC/MTC SECRETARIADO NACIONAL DA LOC/MTC Av. Sidónio Pais, 20 – 4º Dto. 1050-215 LISBOA E-mail: loc@sapo.pt SECRETARIADO NACIONAL DA JOC Praça da Estrela, 12 – 1º. 1200-667 LISBOA E-mail: nacional@jocportugal.org

×