Um drama cada vez mais frequente
nas escolas!
O QUE SE ENTENDE POR BULLYING?
O termo inglês “bullying” pode ser traduzido, em
português, por intimidação. É uma forma de...
QUAIS OS TIPOS DE BULLYING?
• Verbal: chamar nomes, ser sarcástico, lançar calúnias
ou gozar com alguma característica par...
ALGUNS SINAIS DE BULLYING:
A criança que está a ser vítima de bullying pode:
• Estar assustada ou não ter vontade de ir pa...
O QUE É QUE A ESCOLA DEVE FAZER?
A escola tem um papel fundamental, tanto ao nível da prevenção
como da intervenção.
É imp...
PROCEDIMENTOS DE INTERVENÇÃO DE UM PROFESSOR:
Numa situação de bullying deverá:
-Falar com os alunos envolvidos num espaço...
MITOS E REALIDADES:
Mito: O Bullying é uma fase que faz parte da vida. Todas as crianças
conseguem ultrapassar essa fase.
...
Fixa Técnica:
Retirado do site:
www.amcv.org.pt
Telf: +351 21 3802162 | Fax: + 351 21 3802169
espaco.criancas@amcv.org.pt ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

BULLYING

1.223 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Carreiras, Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

BULLYING

  1. 1. Um drama cada vez mais frequente nas escolas!
  2. 2. O QUE SE ENTENDE POR BULLYING? O termo inglês “bullying” pode ser traduzido, em português, por intimidação. É uma forma de violência entre pares, geralmente crianças ou jovens, com a intenção de magoar a outra pessoa. A maioria das situações de intimidação ocorre em contexto escolar (recreios, casas de banho, refeitórios e salas de aula) ou no percurso entre a casa e a escola. Habitualmente acontece quando não existem adultos por perto. Assim, é fundamental que os pais, familiares e a escola estejam sensibilizados e aprofundem o seu conhecimento acerca deste tema.
  3. 3. QUAIS OS TIPOS DE BULLYING? • Verbal: chamar nomes, ser sarcástico, lançar calúnias ou gozar com alguma característica particular do outro (“gordo”; “caixa de óculos”; “trinca-espinhas”) • Físico: puxar, pontapear, bater, beliscar ou outro tipo de violência física; • Emocional: excluir, atormentar, ameaçar, manipular, amedrontar, chantagear, ridicularizar, ignorar; • Racista: toda a ofensa que resulte da cor da pele, de diferenças culturais, étnicas ou religiosas; • Cyberbullying: utilizar tecnologias de informação e comunicação (Internet ou telemóvel) para hostilizar, deliberada e repetidamente, uma pessoa, com o intuito de a magoar;
  4. 4. ALGUNS SINAIS DE BULLYING: A criança que está a ser vítima de bullying pode: • Estar assustada ou não ter vontade de ir para a escola • Apresentar fracos resultados escolares • Isolar-se • Começar a gaguejar • Mostrar angústia • Deixar de comer • Tornar-se agressiva • Deixar de ter as suas economias (ou estas irem desaparecendo) • “Perder”, constantemente, o almoço ou outros bens • Começar a roubar dinheiro • Ter medo de falar sobre o que se está a passar • Ter pesadelos • Tentar fugir • Tentar o suicídio Estes sinais podem indicar outro tipo de violência, contudo, o bullying deve ser tido em consideração. As manifestações são diferentes de criança para criança, podendo, em alguns casos, ser pouco visíveis ou mesmo passarem despercebidas, sem que isso signifique menor gravidade.
  5. 5. O QUE É QUE A ESCOLA DEVE FAZER? A escola tem um papel fundamental, tanto ao nível da prevenção como da intervenção. É importante ter presente que: -Todos somos responsáveis por promover um ambiente seguro para todos os alunos, para que estes possam desenvolver-se numa atmosfera descontraída e segura. -O bullying e outros tipos de comportamentos violentos são inaceitáveis. -Todos os profissionais, governantes, alunos e pais devem ter uma compreensão do bullying. -Devem ser postos em prática e disseminados procedimentos para relatar acontecimentos intimidatórios. - Todos os alunos devem ser informadas acerca da importância de contar a um adulto que estão a ser intimidadas e saber que se deve lidar com estes incidentes de uma forma imediata e eficaz.
  6. 6. PROCEDIMENTOS DE INTERVENÇÃO DE UM PROFESSOR: Numa situação de bullying deverá: -Falar com os alunos envolvidos num espaço tranquilo e seguro. - Relatar os incidentes á direcção da escola. - Os pais das crianças envolvidas devem ser informados e deve ser pedido para comparecerem numa reunião para discutir o problema. - Se for necessário e apropriado, a polícia ou Ministério Público(Tribunais) devem ser consultados. -O comportamento intimidador e os traços ameaçadores devem parar imediatamente. -Deve ser feita uma tentativa para apoiar o/a intimidador/a na alteração o seu comportamento. - O/a intimidador/a deve pedir desculpa e ser responsabilizado/a pelo seu comportamento. - Em situações mais graves deve ser considerada a suspensão ou mesmo a expulsão. - Se possível, as crianças ou jovens devem reconciliar-se.
  7. 7. MITOS E REALIDADES: Mito: O Bullying é uma fase que faz parte da vida. Todas as crianças conseguem ultrapassar essa fase. Realidade: O bullying não é “normal” ou um comportamento socialmente aceitável. Aceitar tal comportamento é conferir mais poder aos/às intimidadores/as. Mito: Se a criança ou jovem contar a alguém, será pior, uma vez que a intimidação aumentará. Realidade: Estudos demonstram que o bullying só pára quando os adultos e pares são envolvidos. Mito: O bullying é um problema da escola e só os/as professores/as é que se devem preocupar. Realidade: O bullying é um problema social que, por vezes, pode ocorrer, também, fora da escola, nomeadamente na rua, centros comerciais, campos de férias e, mesmo, com adultos, nos locais de trabalho. Mito: As pessoas que intimidam nascem assim. Realidade: O bullying é um comportamento aprendido e os comportamentos podem ser mudados.
  8. 8. Fixa Técnica: Retirado do site: www.amcv.org.pt Telf: +351 21 3802162 | Fax: + 351 21 3802169 espaco.criancas@amcv.org.pt | www.amcv.org.pt Este texto foi sujeito a adaptações elaboradas por: João Miguel Pereira joaofreigil@hotmail.com

×