1
Programa de Postgrado en Antropología Social FHyCS
Etnografia em instituições estatais
Profa. Ana Paula Mendes de Mirand...
2
Parte I – A constituição de um campo de pesquisa: diálogos entre a antropologia, a política
e o direito
1ª sessão – Pode...
3
HERZFELD, Michael. Intimidade cultural: poética social no Estado-Nação. Lisboa: Edições
70, 2008. (cap. 1, 2 e 5).
HINSH...
4
CARDOSO DE OLIVEIRA, Luis Roberto. 2008. Existe violência sem agressão moral? Revista
Brasileira de Ciências Sociais, 23...
5
KANT DE LIMA, Roberto. A Polícia da Cidade do Rio de Janeiro: Seus Dilemas e Paradoxos.
Rio de Janeiro, Forense, 1995. (...
6
MIRANDA, Ana Paula Mendes de. Fisco e cartórios: exemplos de burocracia à brasileira In:
Antropologia e Direito: temas j...
7
PIRES, Lênin. Esculhamba, mas não esculacha!: uma etnografia dos usos urbanos dos trens
da Central do Brasil. Niterói, R...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

“Etnografia em instituições estatais”

776 visualizações

Publicada em

“Etnografia em instituições estatais”
Prof. Dra. Ana Paula Mendes de Miranda
Fecha: del 07 al 18 de julio
Horario: de 16 a 19hrs

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
776
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

“Etnografia em instituições estatais”

  1. 1. 1 Programa de Postgrado en Antropología Social FHyCS Etnografia em instituições estatais Profa. Ana Paula Mendes de Miranda Proposta: O seminário tem como objetivo realizar uma reflexão crítica sobre o trabalho de campo e as diversas estratégias metodológicas utilizadas na construção das pesquisas antropológicas em instituições estatais. Tomando por base os referenciais teóricos da Antropologia Política e Jurídica, o seminário será divido em duas partes. A primeira priorizará uma discussão conceitual sobre alguns temas de pesquisa mais amplos, por exemplo, Estado, poder e burocracia. Na segunda parte, pretende-se explorar diferentes dimensões das práticas de pesquisa, da análise de categorias que organizam o estudo de instituições estatais e das formas de escrita a fim de fornecer ferramentas para os trabalhos em andamento, priorizando a análise das racionalidades e sensibilidades jurídicas, tomando por referência pesquisas etnográficas realizadas por investigadores brasileiros e argentinos, integrantes do Instituto de Estudos em Administração Institucional de Conflitos da Universidade Federal Fluminense (InEAC-UFF), voltadas às temáticas dos conflitos, das violências e suas distintas formas de administração; os sistemas classificatórios de distintos grupos profissionais (policiais, magistrados, guardas municipais) e suas consequências na administração institucional de conflitos; a publicização e (in)visibilização das demandas de direitos e reconhecimento no espaço público; e as modalidades e dispositivos de socialização política e de qualificação da ação pública. Uma dimensão importante da proposta está relacionada à análise de estratégias metodológicas utilizadas na construção das etnografias, visando compreender os processos de contextualização da realização da pesquisa de campo e as especificidades da produção do texto etnográfico, características desta área de investigação. As referências bibliográficas podem ser alteradas ao longo do curso, conforme o interesse dos estudantes. Optei por relacionar uma bibliografia mais ampla para cada sessão tendo em vista o interesse de uma maior interlocução acerca das temáticas propostas. Como se trata de um curso concentrado não será discutida toda a bibliografia. Para cada sessão haverá a indicação de uma leitura prioritária.
  2. 2. 2 Parte I – A constituição de um campo de pesquisa: diálogos entre a antropologia, a política e o direito 1ª sessão – Poder, política e Estado - 07/07/14 ABRAMS, Philip. Notes on the difficulty of studing the State. Journal of Historical Sociology, v. 1, n.1, mar. 1988, p. 58-89. CLASTRES, Pierre. A Sociedade Contra o Estado. Porto: Afrontamento, 1975. COHEN, Abner. “Political Anthropology: The Analysis of the Symbolism of Power Relations”, Man New Series, vol4, n.2, pp.215-235. Royal Anthropological Institute of Great Britain and Ireland.,1969. Disponível em http://www.jstor.org/stable/2799569 EVANS-PRITCHARD, E. & FORTES, M. Sistemas políticos africanos. Lisboa: Calouste Gulbekian, 1981. (Notas aos editores, Prefácio e Introdução). GUSTERSON, Hugh. Studying up revisited. PoLAR – Political and Legal Anthropology Review, v. 20, n.1, May, 1997, p. 114-119. NADER, Laura. Up the anthropologist: perspectives gained from studying up. In: DELL H. Hymes (Ed.) Reinventing Anthropology. New York, Pantheon Books, 1972, p. 284-311. MIRANDA, Ana Paula M. Antropologia, Estado Moderno e Poder: perspectivas e desafios de um campo em construção. Revista Avá, Posadas, n.7, jun. 2005, p. 128-146. WOLF, Eric. Facing Power-Old Insights, New Questions. In: VINCENT, Joan. The Anthropology of Politics: a reader in ethnography, theory, and critique. Malden/ Oxford/ Victoria: Blackwell Publishing, 2009. 2ª sessão – Burocracias e políticas públicas - 08/07/14 ABÉLÈS, Marc. Anthropologie de L’État. Paris: Armand Colin, 1990. (Introduction, 1 – L’ obsession de l’ État, 2- L’ État en perspective) BOURDIEU, Pierre. “Espíritos do Estado: gênese e estrutura do campo burocrático”. In: __________. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996. FOUCAULT, Michel. A governamentabilidade. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 9ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979. HERZFELD, Michael. The Social Production of Indifference: Exploring the symbolic roots of western bureaucreacy. Chicago: Univ. of Chicago Press, 1992. (introd., cap. 1)
  3. 3. 3 HERZFELD, Michael. Intimidade cultural: poética social no Estado-Nação. Lisboa: Edições 70, 2008. (cap. 1, 2 e 5). HINSHAW, Robert E. Anthropology, administration, and public policy. Annual Review of Anthropology, 1980, 9:497-522. NUGENT, David. Governing States. NUGENT, David & VINCET, Joan (Ed.). A companion to the Anthropology of Politics. London: Blackwell Publishing, 2007. TEIXEIRA, Carla e SOUZA LIMA, Antonio Carlos de. A Antropologia da Administração e da Governança no Brasil: Área temática ou Ponto de Dispersão? DUARTE, Luiz Fernando Dias (org). Horizontes das Ciências Sociais no Brasil: Antropologia. São Paulo: ANPOCS, 2010. WEBER, Max. “"Burocracia" . In: WEBER, Max. Ensaios de sociologia. 4ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979. 3ª sessão – Situações sociais e agência - 09/07/14 DAS, Veena e POOLE, Deborah (ed.). Anthropology in the Margins of the State.Santa Fe: Star Press, 2004.(Cap. 1 e 11). FRANKBERG, Ronald. “The Bridge” Revisited. In: Vincent, Joan. The Anthropology of Politics: a reader in ethnography, theory, and critique. Malden/ Oxford/ Victoria: Blackwell Publishing, 2009. GLUCKMAN, Max. Análise de uma situação social na Zululândia moderna. In: FELDMAN- BIANCO, Bela (org.) Antropologia das Sociedades Contemporâneas – Métodos. São Paulo: Global, 1987. (pp. 237-364) ORTNER, Sherry. Uma atualização da teoria da prática & Poder e projetos: reflexões sobre a agência. In: Grossi, Miriam Pilar et. alli. Conferências e Diálogos. Saberes e Práticas Antropológicas. Blumenau, SC: Nova Letra, 2007 4ª sessão - Igualdade, Direitos, Cidadania e Ativismo - 10/07/14 BERGER, Peter. “On the Obsolescence of the Concept of Honor”, in S. Hauerwas & A. MacIntire (orgs.) Revisions: Changing Perspectives in Moral Philosophy, Indiana: University of Notre Dame Press, 1983. CARDOSO DE OLIVEIRA, Luís Roberto. (2011). Concepções de igualdade e cidadania. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCAR, n.1, p. 35-48. CARDOSO DE OLIVEIRA, Luís Roberto. (2011). “A dimensão simbólica dos direitos e a análise de conflitos”. Revista de Antropologia, 53 (2), pp. 451-473.
  4. 4. 4 CARDOSO DE OLIVEIRA, Luis Roberto. 2008. Existe violência sem agressão moral? Revista Brasileira de Ciências Sociais, 23(67). São Paulo: Anpocs, pp. 135-146. MOTA, Fábio Reis & FREIRE, Letícia Luna. 2011. O direito de não ter direitos: a dimensão moral do reconhecimento na promoção da cidadania. In: Contemporânea: Revista de Sociologia da UFSCAR, vol. 1, 2011. TISCORNIA, Sofia. Activismo de los derechos humanos y burocracias estatales. El caso Walter Bulacio. Buenos Aires: Editores del Puerto y el Centro de Estudios Legales y Sociales (CELS), 2010. (introd., primeira parte). 5ª sessão – Conflitos, harmonia e violência - 11/07/14 KANT DE LIMA, R. 2010. Sensibilidades jurídicas, saber e poder: bases culturais de alguns aspectos do direito brasileiro em uma perspectiva comparada. Anuário Antropológico, 2009-2, p. 25-51. NADER, Laura. Harmony ideology: justice and control in a Zapotec Mountain Village. California: Stanford University Press, 1990 (cap. 14). NADER, Laura. Harmonia coerciva. A economia política dos modelos jurídicos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 26, ano 9, out. 1994. KANT DE LIMA, R., MISSE, M., MIRANDA, A. P. M. (2000), Violência, Criminalidade, Segurança Pública e Justiça Criminal no Brasil: uma Bibliografia, BIB - Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, 50, pp. 45-123. Parte II – O trabalho de campo em instituições estatais 6ª sessão – Polícias e Guardas Municipais - 14/07/14 CUNHA, Neiva Vieira & MELLO, Marco Antonio da Silva. Novos Conflitos na Cidade: A UPP e o Processo de Urbanização na Favela. In: DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, 4(3), 2011. GUEDES, Simoni Lahud. O sistema classificatório das ocorrências na Polícia Militar do Rio de Janeiro e a organização da experiência policial: uma análise preliminar. In.: PINTO, Andréia Soares & RIBEIRO, Ludmila Mendonça Lopes (orgs.). A análise criminal e o planejamento operacional. Rio de Janeiro: Riosegurança, 2008.
  5. 5. 5 KANT DE LIMA, Roberto. A Polícia da Cidade do Rio de Janeiro: Seus Dilemas e Paradoxos. Rio de Janeiro, Forense, 1995. (Cap. 3 e 4) MIRANDA, Ana Paula Mendes de e PITA, Maria Victoria. O que as cifras cifram? Reflexões comparativas sobre as políticas de produção de registros estatísticos criminais sobre mortes violentas nas áreas metropolitanas do Rio de Janeiro e de Buenos Aires. In: KANT DE LIMA, Roberto, EILBAUM, Lucía, PIRES, Lenin. Burocracias, direitos e conflitos: pesquisas comparadas em Antropologia do Direito. Rio de Janeiro: Garamond, 2011. MIRANDA, Ana Paula Mendes de, OLIVEIRA, Marcela B., PAES, Vivian F. A reinvenção da "Cartorialização": análise do trabalho policial em registros de ocorrência e inquéritos policiais em "Delegacias Legais" referentes a homicídios dolosos na cidade do Rio de Janeiro. Segurança, Justiça e Cidadania, v.4, p.119 – 152, 2010. MIRANDA, Ana Paula Mendes de; MOUZINHO, Glaucia Maria Pontes; MELLO, Kátia Sento Sé. Os conflitos de rua entre a Guarda Municipal e os ´camelôs`. Comum, Rio de Janeiro, v. 8, p. 39-65, 2003. SIRIMARCO, Mariana (comp.) Estudiar la policia: la mirada de las ciencias sociales sobre la institución policial. Buenos Aires: Teseo, 2010. (introduction; cap. 1). 7ª sessão – Justiça, mediação e violência de gênero - 15/07/14 AMORIM, Maria Stella. Despenalização e penalização da violência contra a mulher brasileira. In: Revista da Seção Judiciária do Rio de Janeiro, v. 22, p. 111-128, 2008. AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli. Sistema Penal e Violência de Gênero: análise sociojurídica da Lei 11.34/06. In: Revista Sociedade e Estado, 23(1). Brasília, 2008. BAPTISTA, Bárbara Gomes Lupetti & MELLO, Kátia Sento Sé. Mediação e Conciliação no Judiciário: dilemas e significados. In: DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, Rio de Janeiro, 4(1), 2011. EILBAUM, Lucia. “O bairro fala”- Conflitos, Moralidades e Justiça no Conurbano Bonaerense. São Paulo: Hucitec, 2012. LIMA, Lana Lage da Gama & SOUZA, Suellen André de. Representações de Gênero e Atendimento Policial a Mulheres Vítimas de Violência. In: Revista Internacional Interdisciplinar - INTERthesis. PPGICH/ Universidade Federal de Santa Catarina, 2010. SIMIÃO, Daniel Schroeter. Representando corpo e violência: a invenção da violência doméstica em Timor-Leste. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, 22(60). São Paulo, 2006. 8ª sessão – Cobrança de Impostos - 16/07/14
  6. 6. 6 MIRANDA, Ana Paula Mendes de. Fisco e cartórios: exemplos de burocracia à brasileira In: Antropologia e Direito: temas jurídico-antropológicos para debates jurídicos. Florianópolis: Nova Letra, 2010. MIRANDA, Ana Paula Mendes de. De bacharéis a autoridades: os rituais de passagens dos auditores-fiscais. Teoria e Pesquisa, 40-41, jan.jul. 2002, p. 207-245. MIRANDA, Ana Paula Mendes de. Soltando o Leão: observações sobre as práticas de fiscalização do imposto de renda. Cadernos de Campo (USP). , v.8, p.29 - 44, 1999. PINTO, Gabriela. Maria da Rocha. Os caminhos do leão: uma etnografia do processo de cobrança do imposto de renda. Niterói: UFF, 2006. (introd.) 9ª sessão – Escola e Mídia - 17/07/14 MAIA, Bóris. “Matéria de caderno”: jocosidade de evitação nas aulas de ensino religioso em uma escola pública. In: GUEDES, Simoni Lahud e CIPINIUK, Tatiana Arnaud (org.) Abordagens etnográficas sobre educação: adentrando os muros das escolas. Niterói: Alternativa, 2014. MAIA, Bóris. Vida de escola: autoridade, carisma e performance em uma escola pública. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - PPGA, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2014. MIRANDA, Ana Paula Mendes de. Escola: “Oficina das almas” ou dos cidadãos? Controvérsias contemporâneas em torno da educação moral religiosa em Portugal. In: GUEDES, Simoni Lahud e CIPINIUK, Tatiana Arnaud (org.) Abordagens etnográficas sobre educação: adentrando os muros das escolas. Niterói: Alternativa, 2014. SILVA, Edilson Márcio A. 2010. Notícias da violência urbana: um estudo antropológico. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense. 10ª sessão – Demandas por reconhecimento de direitos (18/07/14) FREIRE, Letícia de Luna. Mobilizações coletivas em contexto de megaeventos esportivos no Rio de Janeiro. O Social em Questão, v. 29, p. 101-127, 2013. MIRANDA, Ana Paula Mendes de. A busca por direitos: possibilidades e limites da participação social na democratização do Estado. Caruso, Haydée et al (org.) Polícia, Estado e Sociedade: práticas e saberes latino-americanos. Rio de Janeiro: Publit, 2007, p. 417-443. MIRANDA, Ana Paula Mendes de. 2010. Entre o privado e o público: considerações sobre a (in) criminação da intolerância religiosa no Rio de Janeiro. Anuário Antropológico, 2009 - 2, p. 125-152.
  7. 7. 7 PIRES, Lênin. Esculhamba, mas não esculacha!: uma etnografia dos usos urbanos dos trens da Central do Brasil. Niterói, RJ: Editora da UFF, 2011. PITA, Maria Victoria. Las formas de la protesta. Violencia policial y familiares de gatillo fácil. In: TISCORNIA, Sofia; KANT DE LIMA, Roberto e EILBAUM, Lucía (org). Burocracias penales, administración institucional de conflictos y ciudadania: experiência comparada entre Brasil y Argentina. Buenos Aires: Antropofagia, 2009. Bibliografia complementar: ABELES, Marc & JEUDY, Henri-Pierre. Anthropologie du politique. Paris: Armand Colin, 1997. BALANDIER, Georges. O Poder em Cena. Brasília: UNB, 1980. BLACK, Mary & METZGER, Duane. 1965. Ethnographic description and the Study of Law. American Anthropologist, 67, 141-165. CASTRO, Celso & LEIRNER, Piero de Camargo. Antropologia dos militares: reflexões sobre pesquisas de campo. Rio de Janeiro: FGV, 2009. SOUZA LIMA, Antonio Carlos de (org.). Gestar e gerir: estudos para uma antropologia da administração pública no Brasil. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002. TROUILLOT, Michel-Rolph. The Anthropology of the state in the age of globalization : close encounters of the deceptive kind. Current Anthropology, v. 42, n. 1, feb. 2001, 125-138. VINCENT, Joan. Political Anthropology. BARNARD, Alan & SPENCER, Jonathan. Encyclopedia of Social and Cultural Anthropology. London/New York: Routledge, 1996. FALLERS, Lloyd. Bantu bureaucracy - a century of political evolution among the Basoga of Uganda. 2 ed. Chicago: Univ. of Chicago Press, 1967. FONSECA, Claudia & BRITES, Jurema. Etnografias da participação. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006. MARSHALL, T. H. 1967. Cidadania, classe social e status. Rio de Janeiro: Zahar.

×