Métodos de extinção de incêndios

15.726 visualizações

Publicada em

Métodos de extinção de incêndios.tipos de extintores, equipamentos de segurança.

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.726
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
326
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Métodos de extinção de incêndios

  1. 1. Extinção de um incêndio O processo de extinção de um incêndio, se dá a partir do momento em que se conhece o conceito do chamado triângulo do fogo. Conhecido o triângulo, o fogo só existirá quando estiverem presentes os três elementos básicos e essenciais a combustão. Portanto para extinguir o fogo, basta desfazer o triângulo retirando um dos seus componentes (Combustível, Comburente ou Calor).
  2. 2. Atualmente, devido a novos estudos sobre o assunto foi acrescentado uma nova composição ao triângulo, a reação em cadeia, o qual passou a ser denominado tetraedro do fogo.
  3. 3. Métodos de extinção Existem quatro métodos de extinção de um incêndio: 1º Método: Retirada do Material Combustível 2º Método: Abafamento 3º Método: Resfriamento 4º Método: Extinção da reação em cadeia
  4. 4. Retirada do combustível É o método de extinção mais simples na sua realização, pois, é executado com a força física e não exige aparelhos especializados. Consiste na retirada, diminuição ou interrupção com suficiente margem de segurança o campo de propagação do fogo. Como por exemplo, do emprego deste tipo de extinção em combustíveis sólidos, citamos o praticado nos casos de incêndios em matas, onde os bombeiros trabalham para que não ocorra a propagação do incêndio. Com a extinção em líquidos e gases podemos citar o fechamento de registros de paragem de fluxo.
  5. 5. Abafamento O Abafamento ou controle do comburente é um dos métodos de extinção mais difíceis, devido ao fato de poder ser utilizado em pequenos incêndios, com o auxilio de tampas de vasilhas, panos, cobertores, extintores com espuma química, etc.
  6. 6. Resfriamento O Resfriamento é o processo de absorção e o controle do calor, e é o método de extinção mais usado. Consiste em roubar calor do material incendiado. O agente extintor mais usado para combater incêndios por resfriamento é a água. A água além de existir em abundância na natureza possui a maior capacidade de absorção de calor.
  7. 7. Extinção da reação em cadeia Além dos três métodos de extinção de incêndio já vistos, verificamos o fenômeno da combustão do fogo e a importância da Reação em Cadeia, processo químico e físico, contínuo e progressivo do fogo, onde concluímos ser o quarto elemento de extinção de incêndio. Atualmente agentes extintores modernos (halogenados, pós químicos, etc.) têm ação extintora efetiva, pois a extinção se faz agindo na área desse novo método de extinção, como extinção química, uma ação extintora química. A ação altamente eficiente na extinção de incêndio, com alto fator de inibição do fogo com determinados agentes extintores, produzidos por compostos halogenados e sais alcalinos, nunca foi exatamente explicado pela ação e método de abafamento, quer através da ação física de cobertura do próprio agente ou pelos produtos resultantes de sua combustão (como no caso do bicarbonato de sódio). Assim chegamos a conclusão de que a única teoria capaz de explicar a ação dos referidos agentes é a extinção de natureza química. Portanto, a eficiência dos agentes extintores halogenados e dos sais alcalinos só é aplicada através de uma reação química desses agentes com os produtos intermediários e derivados da cadeia de reação da combustão (radicais ativos e livres). Esta reação química na cadeia de combustão interrompe e revoluciona a reação em cadeia do fogo e consequentemente, fazendo cessar a combustão química, apagando o fogo.
  8. 8. Agentes extintores de incêndio São denominados agentes extintores de incêndio quaisquer produtos utilizados na extinção de princípios (até 1,0 m3 de fogo), pequenos (de 1,0 a 10,0 m3 de fogo), médios (de 10,0 a 100,0 m3 de fogo) e grandes incêndios (mais de 100,0 m3 de fogo). Os agentes extintores de incêndio na prática são armazenados e utilizados por equipamentos e instalações de combate a incêndio, ou seja: unidades extintoras (extintores) ou carretas; unidades estacionárias; viaturas e engenhos de combate a incêndio; e, instalações fixas automáticas ou sob comando de combate a incêndio. São agentes extintores de incêndio: 1.Água 2.Espuma 3.Dióxido de Carbono (CO2) 4.Substância química 5.Agentes Halogenados
  9. 9. 1º Água A água é a substância mais difundida na natureza, pois ¾ de nosso planeta e constituído de água salgada e doce. É o agente extintor de incêndio mais antigo e utilizado. Extinguimos os incêndios pelos métodos de resfriamento, abafamento, emulsificação e diluição. Empregamos também a água para extinguir incêndio: como borrifo de água; névoa de água; e, vapor de água. 2º Espuma A rigor a espuma seria mais uma das formas de aplicação de água, pois ela é constituída por um aglomerado de bolhas de ar ou gás (CO2) formadas de películas de água. A espuma como agente extintor extingue o incêndio pelo método de abafamento.
  10. 10. 3º Dióxido de Carbono (CO2) Vem sendo utilizado há muitos anos para extinção de incêndios em líquidos inflamáveis, gases e em equipamentos elétricos energizados. O gás carbono deve ser usado para extinção de incêndios especiais, onde é exigido um meio extintor não condutor de eletricidade ou que não deixe resíduo, ou que não tenha ação prejudicial sobre o equipamento elétrico/eletrônico. O agente CO2 é recomendado para combater incêndios de Classe B – líquidos ou gases inflamáveis e incêndios de Classe C – combustíveis energizados/elétricos. Vantajoso, também, para proteção em áreas onde se processa comida, laboratórios e áreas de impressão. Não devem ser usados ao ar livre ou em áreas com correntes de ar, visto que o agente se dissipará rapidamente.
  11. 11. 4º Substância Química 4.1 Substância química seca – O pó químico seco multiuso (á base de fosfato de amônia, bicarbonato de sódio e bicarbonato de potássio) é indicado para o uso em incêndios de Classe A – sólidos e fibrosos em geral, de Classe B – líquidos ou gases inflamáveis e de Classe C – combustíveis energizados/elétricos. O cloreto de sódio ou pó seco à base de cobre é muito utilizado em incêndios que envolvam metais combustíveis. 4.2 Substância química úmida – São agentes extintores à base de ácido cítrico ou lácteo que transformam o óleo de cozinha em uma substância saponácea, abafando o incêndio. São aplicados em sistemas de supressão de incêndio em cozinhas e em locais onde existam óleo de cozinha, gorduras e graxa.
  12. 12. 5º Agentes Halogenados Os agentes extintores halogenados são hidrocarbonetos que tiveram um ou mais átomos de hidrogênio substituídos por átomos halogênios. Os halogênios mais comuns são: flúor, cloro, bromo e iodo. Não deixam resíduos após seu uso. A maior utilização dos hallons é na área de equipamentos elétricos/eletrônicos, motores de navios, motores de aviões, aeronaves, locais onde por motivos de difícil acesso e limpeza não são desejados resíduos após o uso do agente extintor. Os extintores portáteis de hallon 1211 são listados para incêndios de Classe A e B, comprovadamente são mais eficientes que os de CO2 para combate a incêndios de Classe C – combustíveis energizados/elétricos, porque têm um alcance maior (distância) e requerem uma menor concentração do agente extintor. Os de hallon 1301, por sua vez são utilizados na extinção de incêndios em superfície como os dos líquidos inflamáveis de Classe B e na maioria dos incêndios em combustíveis sólidos de Classe A, tão efetivos quanto os de CO2. Importante: O hallon 1211 e o hallon 1301 estão incluídos como substâncias que agridem a natureza, agride a camada de ozônio, pelo Protocolo de Montreal, assinado em 16 de setembro de 1987. Como resultado, o seu uso é restrito na maioria dos países.
  13. 13. Extintor de incêndio Os extintores de incêndio são aparelhos, e na maioria das vezes leva o nome do agente extintor que está contido dentro dele, para utilização imediata e rápida, muito necessários à proteção contra incêndio ainda no início do fogo (princípios de incêndio). Existem aparelhos extintores de incêndio manuais ou portáteis e sobre rodas, especialmente construídos para extinção do incêndio ainda na fase de princípio de incêndio. São fabricados em vários e diferentes tipos e tamanhos, segundo suas características, para uma ou mais classes de incêndio. Poderão ser apresentados com pressão interna, pressão injetada, etc. Devem ser instalados em locais bem visíveis, de fácil acesso e sem nenhuma obstrução. Deve existir sinalização aérea e no piso.
  14. 14. Tipos de extintores de incêndio Extintor de Carga Líquida Este extintor é indicado unicamente para extinção de princípios de incêndio de Classe A, combustíveis sólidos. Apaga o fogo pelo método de resfriamento. Extintor de Espuma O extintor de espuma é indicado para princípios de incêndio em líquidos inflamáveis de classe B e por seu agente extintor ser à base de água, apaga também princípios de incêndio de classe A, combustíveis sólidos. Não é recomendado para princípios de incêndio em materiais energizados de classe C e nem para princípios de incêndio em metais pirofóricos de classe D. Extintor de Pó Químico Os extintores de pó químico com carga de bicarbonato de sódio e bicarbonato de potássio são recomendados (método extinção química) para princípios de incêndio de classes B e C. Muito recomendado para uso e proteção em aviões e veículos.
  15. 15. Extintor de Hidrocarbonetos Halogenados Todos os extintores de hallon são pressurizados. Podem ser indicados para combate a princípios de incêndio de classe A. São também ótimos aparelhos extintores para princípios de incêndios em líquidos inflamáveis de classe B e por não conduzirem eletricidade para princípios de incêndio em equipamentos elétrico com energia, de classe C. Não são recomendados para princípios de incêndio em metais combustíveis de classe D. Muito recomendado para uso e proteção em aviões e veículos. Extintor de Dióxido de Carbono (CO2) Os extintores de dióxido de carbono apagam o fogo pela expulsão do oxigênio ambiente (método por abafamento). Não são recomendados para extinção de princípios de incêndio de classe A. O aparelho extintor é muito eficiente na extinção de princípios de incêndio de classe B, pois apaga pelo método de abafamento. O fato de o gás carbono não ser condutor de eletricidade, além de outras qualidades faz com que seja esse extintor preferido para princípios de incêndio em equipamentos elétricos de classe C.
  16. 16. Dispositivos de Segurança
  17. 17. Sprinkler Sprinklers são projetados para serem acionados em temperaturas pré-determinadas, lançando água para extinguir um foco de incêndio.
  18. 18. Sprinkler Não obrigatório Indústrias Shopping Centers Edifícios Comerciais Depósitos HospitaisHospitaisHotelaria Não obrigatório Obrigatório >30m Obrigatório >23m Obrigatório >23m Obrigatório >23m
  19. 19. Ocorrências de incêndios estruturais noticiados em 2013
  20. 20. Acionadores manuais Baseados na observação humana do princípio de incêndio, para posteriormente enviar alerta para uma central de alarme, que por sua vez envia sinais de alerta para sinalizadores audiovisuais como sirenes e luzes de emergência 
  21. 21. Detectores de fumaça Todos os detectores de fumaça têm duas partes básicas: um sensor para sentir a fumaça e uma campainha eletrônica bem alta para acordar as pessoas.
  22. 22. Mangueira de água Mangueiras de Incêndio destinam-se a conduzir a água, que é utilizada na extinção de um princípio de incêndio ou de um incêndio.
  23. 23. Iluminação, placas, extintores e portas de emergência
  24. 24. 1º QB Alunos: Mateus Ferreira Paulo Henrique Kauê Guilherme Karli Lucas

×