SlideShare uma empresa Scribd logo
PROGRAMA NACIONAL DE
MOSCAS-DAS- FRUTAS
P Á T R I A E D U C A D O R A
Plano de Defesa Agropecuária (PDA)
Promover e implantar programas e ações de defesa
agropecuária contribuindo para o desenvolvimento
sustentável do agronegócio brasileiro, possibilitando as
garantias para a preservação da vida e da saúde das
pessoas e dos animais, além da segurança alimentar e o
acesso a mercados.
http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/PDA2015_2020.pdf
Eixos do PDA
• Modernização e desburocratização
•
• Marco Regulatório
• Conhecimento e suporte estratégico
• Sustentabilidade
• Programas e projetos técnicos
• Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre
Aftosa – PNEFA
• Influenza Aviária e Doença de Newcastle
• Programa Nacional de Erradicação da Peste Suína Clássica –
PSC
• Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e
Tuberculose – PNCEBT
• Programa Nacional de Mosca-das-Frutas – PNMF
• Programa de Controle e Supressão do Bicudo do Algodoeiro
• Programa de Controle de Pragas em Citros
• Manter o controle dos demais programas zoofitossanitários
PROGRAMAS E PROJETOS TÉCNICOS
A Fruticultura é uma atividade economicamente e
socialmente importante e que precisa de políticas que
garantam sua sustentabilidade ao longo do tempo.
As Moscas-das-frutas são pragas agressivas e que
comprometem a qualidade e a disponibilidade de
alimentos para consumo in natura.
Justificativas para o PNCMF
Fruticultura Brasileira
3º
produtor
mundial
> 2
milhões de
hectares
> 5
milhões de
empregos
Principais Polos (% da produção)
Principais exportadores
4 Cítricos
Uva, manga, frutas tropicais
Manga, cítricos
Cítricos
Maçã
12
6
40
6
Principais Destinos 2014
Intercâmbio Comercial
2000-2013
0
200
400
600
800
1000
1200
2000 2003 2006 2009 2012
Exportações
Importações
X1.000.000USD
Market share em 2012
Produto Market share (%)
Bananas 0,3
Uvas 1,6
Maçãs 0,7
Laranjas 0,2
Castanha-de-caju 7,4
Limões e limas 2,6
Abacates 0,3
Goiabas, mangas, mangostões 7,3
Melões 8,5
Melancias 1,5
Culturas para as quais países importadores exigem garantias
quanto à infestação por moscas-das-frutas.
Pontos Favoráveis à exportação
• Diversidade de cultivos
• Produção na entressafra do Hemisfério Norte
• Grande aceitação de frutas tropicais/ exóticas
• Aumento crescente de frutos frescos na Comunidade
Europeia e América do Norte
Obstáculos à exportação
• Barreiras comerciais
• Exigências quanto a padrões de certificação
• Questões sanitárias: países importadores realizam
análise de risco para definir medidas fitossanitárias
que evitem a entrada de pragas de importância
econômica em seus territórios. Entre elas, moscas-
das-frutas são um risco significativo
Situação atual
• As exportações brasileiras de frutas frescas são
fortemente concentradas no continente europeu.
• Aumento de exportação para mercados mais
exigentes (EUA, Japão, Chile, por exemplo)
dependerá da melhoria de status fitossanitário.
Anastrepha
spp.
Bactrocera
carambolae
Ceratitis
capitata
[nativa] [ásiática] [africana]
Espécies de importância no
Brasil
Anastrepha spp.
A. fraterculus A. obliqua A. grandis
[maçã, pêssego, mamão,
citros, pera, goiaba, etc]
[manga, cajá-manga,
mamão, etc]
[melão, melancia,
abóbora]
UF com presença da praga
UF com presença da praga
Ceratitis capitata
Detectada no Brasil em 1901 (SP). Dispersou
para todo o país
Praga importantíssima nos perímetros
irrigados do Vale do São Francisco (BA, PE)
Impacto econômico para o Brasil: USD 242
milhões/ano
> 200 plantas hospedeiras, tais como
acerola, manga, caqui, pêssego, uva, citros,
etc
Bactrocera carambolae
Detectada no Brasil em 1996 (AP).
Atualmente, presente também em
Roraima e localidades restritas do Pará
Praga quarentenária presente
> 50 plantas hospedeiras, tais como
carambola, jambo, citros, acerola,
manga, abacate, cajá, etc)
UF com presença da praga
Programa Nacional de
Combate a Mosca das Frutas
Instrução Normativa Nº 24/2015
Institui o PNCMF.
Objetivo do PNCMF: “estabelecer a política
fitossanitária para a prevenção, controle e
erradicação das moscas-das-frutas de
importância econômica e quarentenária para o
Brasil e para os mercados importadores de frutas
brasileiras”
Instrução Normativa Nº 24/2015
Subprogramas:
• Bactrocera carambolae
• Anastrepha spp. (A. grandis, A. fraterculus, A. obliqua)
• Ceratitis capitata
• Outras espécies de importância econômica e
quarentenária
Vigilância
Prevenção, controle e erradicação
Estabelecimento e manutenção de ALP
Estabelecimento e manutenção de ABP
SMR
Planos de contingência
APF
Controle de trânsito
Grupos de Emergência Fitossanitária
Pesquisa
Outros mecanismos
PNMF
Estratégias
Vigilância
Prevenção, controle e erradicação
Estabelecimento e manutenção de ALP
Estabelecimento e manutenção de ABP
SMR
Planos de contingência
APF
Controle de trânsito
Grupos de Emergência Fitossanitária
Pesquisa
Outros mecanismos
PNMF
Estratégias
 Atividades e projetos de educação fitossanitária
 Capacitação: FFAs, fiscais e agentes estaduais, RTs,
produtores e demais agentes
Áreas prioritárias
Municípios que tenham recebido reconhecimento oficial
de:
- Área livre de praga
- Área de baixa prevalência
- Área sob medidas integradas em um enfoque de
sistema para manejo de risco
- Outros, a critério da Secretaria de Defesa
Agropecuária
Governança
DSV/SDA
Subprograma de B. carambolae
Subprograma de Anastrepha spp.
Subprograma de Ceratitis capitata
Subprograma de outras moscas-das-frutas
Comitê Técnico-científico
Comitê Técnico-científico
Comitê Técnico-científico
Comitê Técnico-científico
Governança
DSV/SDA OEDSVs
Subprograma de B. carambolae
Subprograma de Anastrepha spp.
Subprograma de Ceratitis capitata
Subprograma de outras moscas-das-frutas
convênios
Comitê Técnico-científico
Comitê Técnico-científico
Comitê Técnico-científico
Comitê Técnico-científico
Governança
DSV/SDA
Grupos Técnicos
nos Estados
Entidades federais
Entidades estaduais
Entidades municipais
Iniciativa privada
Governança
DSV/SDA Fórum Nacional
Grupos Técnicos
nos Estados
Entidades federais
Entidades estaduais
Entidades municipais
Iniciativa privada
Acompanhamento
Forum Nacional: Avaliação periódica visando o aperfeiçoamento do
programa.
Participantes:
• Representantes dos comitês técnico-científicos dos quatro
subprogramas
• Representantes dos grupos técnicos de âmbito estadual
• Instituições representativas do setor produtivo
• Outras entidades relevantes
Considerações Finais
• Existe uma grande expertise em pesquisa instalada
no Brasil  oportunidade para inovação
• Diversas iniciativas federais, estaduais e privadas
pré-existentes  necessidade de alinhar e otimizar
esforços e recursos.
Obrigado
www.agricultura.gov.br
P Á T R I A E D U C A D O R A

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Controle biológico no Brasil
Controle biológico no BrasilControle biológico no Brasil
Controle biológico no BrasilNetNexusBrasil
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasGeagra UFG
 
Inseticidas 1
Inseticidas 1 Inseticidas 1
Inseticidas 1 Geagra UFG
 
Fitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropecFitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropecEmbrapa Milho e Sorgo
 
Efeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasil
Efeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasilEfeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasil
Efeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasilJoão Siqueira da Mata
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseGeagra UFG
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIROGeagra UFG
 
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da sojaPosicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da sojaGeagra UFG
 
Inseticidas - Carbamatos e Piretróides
Inseticidas - Carbamatos e PiretróidesInseticidas - Carbamatos e Piretróides
Inseticidas - Carbamatos e PiretróidesGETA - UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na sojaGeagra UFG
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoGeagra UFG
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutasKiller Max
 
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHOBIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHOGeagra UFG
 
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de CultivoBanana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de CultivoSavio Marinho
 

Mais procurados (20)

Controle biológico no Brasil
Controle biológico no BrasilControle biológico no Brasil
Controle biológico no Brasil
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
 
Inseticidas 1
Inseticidas 1 Inseticidas 1
Inseticidas 1
 
Fitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropecFitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropec
 
Efeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasil
Efeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasilEfeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasil
Efeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasil
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
 
Introdução a agronomia
Introdução a agronomiaIntrodução a agronomia
Introdução a agronomia
 
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da sojaPosicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Inseticidas - Carbamatos e Piretróides
Inseticidas - Carbamatos e PiretróidesInseticidas - Carbamatos e Piretróides
Inseticidas - Carbamatos e Piretróides
 
Herbicidas
HerbicidasHerbicidas
Herbicidas
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no Algodão
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutas
 
Pulverização
PulverizaçãoPulverização
Pulverização
 
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHOBIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
 
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de CultivoBanana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
 

Semelhante a Programa Nacional de Moscas-das-Frutas

Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...Oxya Agro e Biociências
 
Dr. Marcus Coelho - Indisponibilidade de produtos registrados para controle d...
Dr. Marcus Coelho - Indisponibilidade de produtos registrados para controle d...Dr. Marcus Coelho - Indisponibilidade de produtos registrados para controle d...
Dr. Marcus Coelho - Indisponibilidade de produtos registrados para controle d...Oxya Agro e Biociências
 
II WSF, São Paulo - Aldo Malavasi - Organização de sistemas de defesa sanitár...
II WSF, São Paulo - Aldo Malavasi - Organização de sistemas de defesa sanitár...II WSF, São Paulo - Aldo Malavasi - Organização de sistemas de defesa sanitár...
II WSF, São Paulo - Aldo Malavasi - Organização de sistemas de defesa sanitár...Oxya Agro e Biociências
 
analise de riscos de alimentos-3.ppt
analise de riscos de alimentos-3.pptanalise de riscos de alimentos-3.ppt
analise de riscos de alimentos-3.pptAlvaroSArruda
 
A nova política fitossanitária para Brasil
A nova política fitossanitária para  BrasilA nova política fitossanitária para  Brasil
A nova política fitossanitária para BrasilOxya Agro e Biociências
 
I WSF, Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...
I WSF,  Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...I WSF,  Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...
I WSF, Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...Oxya Agro e Biociências
 
Defesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o Brasil
Defesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o BrasilDefesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o Brasil
Defesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o BrasilIzabella Menezes
 
V WSF, Juazeiro - LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A MOSCAS-DAS-FRUTAS
V WSF, Juazeiro -  LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A  MOSCAS-DAS-FRUTASV WSF, Juazeiro -  LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A  MOSCAS-DAS-FRUTAS
V WSF, Juazeiro - LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A MOSCAS-DAS-FRUTASOxya Agro e Biociências
 
A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivas
A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivasA Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivas
A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivasCristiane Assis
 
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...Oxya Agro e Biociências
 
Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...
Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...
Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...Amílcar Duarte
 
TECNICAS DE IRRIGACAO PARA AGRICULTORES DE PEQUENA ESCALA.pdf
TECNICAS DE IRRIGACAO PARA AGRICULTORES DE PEQUENA ESCALA.pdfTECNICAS DE IRRIGACAO PARA AGRICULTORES DE PEQUENA ESCALA.pdf
TECNICAS DE IRRIGACAO PARA AGRICULTORES DE PEQUENA ESCALA.pdfssuserf3f334
 
Aula de Vigilância Sanitária de Medicamentos.pdf
Aula de Vigilância Sanitária de Medicamentos.pdfAula de Vigilância Sanitária de Medicamentos.pdf
Aula de Vigilância Sanitária de Medicamentos.pdfDouglasReis84
 
Analise de risco do welker
Analise de risco do welkerAnalise de risco do welker
Analise de risco do welkerHaena Luiza
 
II WSF, São Paulo - Evaldo VIlela - Sociedade Brasileira de Defesa Agropecuária
II WSF, São Paulo - Evaldo VIlela - Sociedade Brasileira de Defesa AgropecuáriaII WSF, São Paulo - Evaldo VIlela - Sociedade Brasileira de Defesa Agropecuária
II WSF, São Paulo - Evaldo VIlela - Sociedade Brasileira de Defesa AgropecuáriaOxya Agro e Biociências
 
Vigilância Sanitária Animal em Fronteiras
Vigilância Sanitária Animal em FronteirasVigilância Sanitária Animal em Fronteiras
Vigilância Sanitária Animal em FronteirasCristiane Assis
 
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...Cristiane Assis
 

Semelhante a Programa Nacional de Moscas-das-Frutas (20)

Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
 
Dr. Marcus Coelho - Indisponibilidade de produtos registrados para controle d...
Dr. Marcus Coelho - Indisponibilidade de produtos registrados para controle d...Dr. Marcus Coelho - Indisponibilidade de produtos registrados para controle d...
Dr. Marcus Coelho - Indisponibilidade de produtos registrados para controle d...
 
II WSF, São Paulo - Aldo Malavasi - Organização de sistemas de defesa sanitár...
II WSF, São Paulo - Aldo Malavasi - Organização de sistemas de defesa sanitár...II WSF, São Paulo - Aldo Malavasi - Organização de sistemas de defesa sanitár...
II WSF, São Paulo - Aldo Malavasi - Organização de sistemas de defesa sanitár...
 
analise de riscos de alimentos-3.ppt
analise de riscos de alimentos-3.pptanalise de riscos de alimentos-3.ppt
analise de riscos de alimentos-3.ppt
 
A nova política fitossanitária para Brasil
A nova política fitossanitária para  BrasilA nova política fitossanitária para  Brasil
A nova política fitossanitária para Brasil
 
I WSF, Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...
I WSF,  Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...I WSF,  Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...
I WSF, Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...
 
Defesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o Brasil
Defesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o BrasilDefesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o Brasil
Defesa Agropecuária: A nova política fitossanitária para o Brasil
 
V WSF, Juazeiro - LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A MOSCAS-DAS-FRUTAS
V WSF, Juazeiro -  LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A  MOSCAS-DAS-FRUTASV WSF, Juazeiro -  LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A  MOSCAS-DAS-FRUTAS
V WSF, Juazeiro - LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A MOSCAS-DAS-FRUTAS
 
A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivas
A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivasA Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivas
A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivas
 
Produção Integrada de Banana
Produção Integrada de BananaProdução Integrada de Banana
Produção Integrada de Banana
 
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
 
Ladislau Martin
Ladislau MartinLadislau Martin
Ladislau Martin
 
Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...
Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...
Áreas de gestão fitossanitária para Ceratitis capitata e Trioza erytreae. Nov...
 
TECNICAS DE IRRIGACAO PARA AGRICULTORES DE PEQUENA ESCALA.pdf
TECNICAS DE IRRIGACAO PARA AGRICULTORES DE PEQUENA ESCALA.pdfTECNICAS DE IRRIGACAO PARA AGRICULTORES DE PEQUENA ESCALA.pdf
TECNICAS DE IRRIGACAO PARA AGRICULTORES DE PEQUENA ESCALA.pdf
 
Aula de Vigilância Sanitária de Medicamentos.pdf
Aula de Vigilância Sanitária de Medicamentos.pdfAula de Vigilância Sanitária de Medicamentos.pdf
Aula de Vigilância Sanitária de Medicamentos.pdf
 
Boas práticas na panificação 2004 marjorie stemlerveiga
Boas práticas na panificação 2004 marjorie stemlerveigaBoas práticas na panificação 2004 marjorie stemlerveiga
Boas práticas na panificação 2004 marjorie stemlerveiga
 
Analise de risco do welker
Analise de risco do welkerAnalise de risco do welker
Analise de risco do welker
 
II WSF, São Paulo - Evaldo VIlela - Sociedade Brasileira de Defesa Agropecuária
II WSF, São Paulo - Evaldo VIlela - Sociedade Brasileira de Defesa AgropecuáriaII WSF, São Paulo - Evaldo VIlela - Sociedade Brasileira de Defesa Agropecuária
II WSF, São Paulo - Evaldo VIlela - Sociedade Brasileira de Defesa Agropecuária
 
Vigilância Sanitária Animal em Fronteiras
Vigilância Sanitária Animal em FronteirasVigilância Sanitária Animal em Fronteiras
Vigilância Sanitária Animal em Fronteiras
 
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
 

Mais de PNMF

Viabilidade econômica de programas de combate a moscas-das-frutas no mundo
Viabilidade econômica de programas de combate a moscas-das-frutas no mundoViabilidade econômica de programas de combate a moscas-das-frutas no mundo
Viabilidade econômica de programas de combate a moscas-das-frutas no mundoPNMF
 
Emprego da captura massal e iscas tóxicas para o manejo de moscas-das-frutas:...
Emprego da captura massal e iscas tóxicas para o manejo de moscas-das-frutas:...Emprego da captura massal e iscas tóxicas para o manejo de moscas-das-frutas:...
Emprego da captura massal e iscas tóxicas para o manejo de moscas-das-frutas:...PNMF
 
Ferramentas para Modelagem da Distribuição de Espécies (MDE)
Ferramentas para Modelagem da Distribuição de Espécies (MDE)Ferramentas para Modelagem da Distribuição de Espécies (MDE)
Ferramentas para Modelagem da Distribuição de Espécies (MDE)PNMF
 
Minuta de Projeto Executivo
Minuta de Projeto ExecutivoMinuta de Projeto Executivo
Minuta de Projeto ExecutivoPNMF
 
Controle de moscas-das-frutas em área ampla
Controle de moscas-das-frutas em área amplaControle de moscas-das-frutas em área ampla
Controle de moscas-das-frutas em área amplaPNMF
 
Inovações tecnológicas para o manejo sustentável das moscas-das-frutas (INCT ...
Inovações tecnológicas para o manejo sustentável das moscas-das-frutas (INCT ...Inovações tecnológicas para o manejo sustentável das moscas-das-frutas (INCT ...
Inovações tecnológicas para o manejo sustentável das moscas-das-frutas (INCT ...PNMF
 
Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...
Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...
Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...PNMF
 
Fruticultura Brasileira: patrimônio a preservar
Fruticultura Brasileira: patrimônio a preservarFruticultura Brasileira: patrimônio a preservar
Fruticultura Brasileira: patrimônio a preservarPNMF
 
Área de Proteção Fitossanitária - a experiência argentina
Área de Proteção Fitossanitária - a experiência argentinaÁrea de Proteção Fitossanitária - a experiência argentina
Área de Proteção Fitossanitária - a experiência argentinaPNMF
 
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no BrasilManejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no BrasilPNMF
 

Mais de PNMF (10)

Viabilidade econômica de programas de combate a moscas-das-frutas no mundo
Viabilidade econômica de programas de combate a moscas-das-frutas no mundoViabilidade econômica de programas de combate a moscas-das-frutas no mundo
Viabilidade econômica de programas de combate a moscas-das-frutas no mundo
 
Emprego da captura massal e iscas tóxicas para o manejo de moscas-das-frutas:...
Emprego da captura massal e iscas tóxicas para o manejo de moscas-das-frutas:...Emprego da captura massal e iscas tóxicas para o manejo de moscas-das-frutas:...
Emprego da captura massal e iscas tóxicas para o manejo de moscas-das-frutas:...
 
Ferramentas para Modelagem da Distribuição de Espécies (MDE)
Ferramentas para Modelagem da Distribuição de Espécies (MDE)Ferramentas para Modelagem da Distribuição de Espécies (MDE)
Ferramentas para Modelagem da Distribuição de Espécies (MDE)
 
Minuta de Projeto Executivo
Minuta de Projeto ExecutivoMinuta de Projeto Executivo
Minuta de Projeto Executivo
 
Controle de moscas-das-frutas em área ampla
Controle de moscas-das-frutas em área amplaControle de moscas-das-frutas em área ampla
Controle de moscas-das-frutas em área ampla
 
Inovações tecnológicas para o manejo sustentável das moscas-das-frutas (INCT ...
Inovações tecnológicas para o manejo sustentável das moscas-das-frutas (INCT ...Inovações tecnológicas para o manejo sustentável das moscas-das-frutas (INCT ...
Inovações tecnológicas para o manejo sustentável das moscas-das-frutas (INCT ...
 
Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...
Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...
Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...
 
Fruticultura Brasileira: patrimônio a preservar
Fruticultura Brasileira: patrimônio a preservarFruticultura Brasileira: patrimônio a preservar
Fruticultura Brasileira: patrimônio a preservar
 
Área de Proteção Fitossanitária - a experiência argentina
Área de Proteção Fitossanitária - a experiência argentinaÁrea de Proteção Fitossanitária - a experiência argentina
Área de Proteção Fitossanitária - a experiência argentina
 
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no BrasilManejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
 

Programa Nacional de Moscas-das-Frutas

  • 1. PROGRAMA NACIONAL DE MOSCAS-DAS- FRUTAS P Á T R I A E D U C A D O R A
  • 2. Plano de Defesa Agropecuária (PDA) Promover e implantar programas e ações de defesa agropecuária contribuindo para o desenvolvimento sustentável do agronegócio brasileiro, possibilitando as garantias para a preservação da vida e da saúde das pessoas e dos animais, além da segurança alimentar e o acesso a mercados. http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/PDA2015_2020.pdf
  • 3. Eixos do PDA • Modernização e desburocratização • • Marco Regulatório • Conhecimento e suporte estratégico • Sustentabilidade • Programas e projetos técnicos
  • 4. • Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa – PNEFA • Influenza Aviária e Doença de Newcastle • Programa Nacional de Erradicação da Peste Suína Clássica – PSC • Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose – PNCEBT • Programa Nacional de Mosca-das-Frutas – PNMF • Programa de Controle e Supressão do Bicudo do Algodoeiro • Programa de Controle de Pragas em Citros • Manter o controle dos demais programas zoofitossanitários PROGRAMAS E PROJETOS TÉCNICOS
  • 5. A Fruticultura é uma atividade economicamente e socialmente importante e que precisa de políticas que garantam sua sustentabilidade ao longo do tempo. As Moscas-das-frutas são pragas agressivas e que comprometem a qualidade e a disponibilidade de alimentos para consumo in natura. Justificativas para o PNCMF
  • 6. Fruticultura Brasileira 3º produtor mundial > 2 milhões de hectares > 5 milhões de empregos Principais Polos (% da produção) Principais exportadores 4 Cítricos Uva, manga, frutas tropicais Manga, cítricos Cítricos Maçã 12 6 40 6
  • 8. Intercâmbio Comercial 2000-2013 0 200 400 600 800 1000 1200 2000 2003 2006 2009 2012 Exportações Importações X1.000.000USD
  • 9. Market share em 2012 Produto Market share (%) Bananas 0,3 Uvas 1,6 Maçãs 0,7 Laranjas 0,2 Castanha-de-caju 7,4 Limões e limas 2,6 Abacates 0,3 Goiabas, mangas, mangostões 7,3 Melões 8,5 Melancias 1,5 Culturas para as quais países importadores exigem garantias quanto à infestação por moscas-das-frutas.
  • 10. Pontos Favoráveis à exportação • Diversidade de cultivos • Produção na entressafra do Hemisfério Norte • Grande aceitação de frutas tropicais/ exóticas • Aumento crescente de frutos frescos na Comunidade Europeia e América do Norte
  • 11. Obstáculos à exportação • Barreiras comerciais • Exigências quanto a padrões de certificação • Questões sanitárias: países importadores realizam análise de risco para definir medidas fitossanitárias que evitem a entrada de pragas de importância econômica em seus territórios. Entre elas, moscas- das-frutas são um risco significativo
  • 12. Situação atual • As exportações brasileiras de frutas frescas são fortemente concentradas no continente europeu. • Aumento de exportação para mercados mais exigentes (EUA, Japão, Chile, por exemplo) dependerá da melhoria de status fitossanitário.
  • 14. Anastrepha spp. A. fraterculus A. obliqua A. grandis [maçã, pêssego, mamão, citros, pera, goiaba, etc] [manga, cajá-manga, mamão, etc] [melão, melancia, abóbora] UF com presença da praga
  • 15. UF com presença da praga Ceratitis capitata Detectada no Brasil em 1901 (SP). Dispersou para todo o país Praga importantíssima nos perímetros irrigados do Vale do São Francisco (BA, PE) Impacto econômico para o Brasil: USD 242 milhões/ano > 200 plantas hospedeiras, tais como acerola, manga, caqui, pêssego, uva, citros, etc
  • 16. Bactrocera carambolae Detectada no Brasil em 1996 (AP). Atualmente, presente também em Roraima e localidades restritas do Pará Praga quarentenária presente > 50 plantas hospedeiras, tais como carambola, jambo, citros, acerola, manga, abacate, cajá, etc) UF com presença da praga
  • 17.
  • 18. Programa Nacional de Combate a Mosca das Frutas
  • 19. Instrução Normativa Nº 24/2015 Institui o PNCMF. Objetivo do PNCMF: “estabelecer a política fitossanitária para a prevenção, controle e erradicação das moscas-das-frutas de importância econômica e quarentenária para o Brasil e para os mercados importadores de frutas brasileiras”
  • 20. Instrução Normativa Nº 24/2015 Subprogramas: • Bactrocera carambolae • Anastrepha spp. (A. grandis, A. fraterculus, A. obliqua) • Ceratitis capitata • Outras espécies de importância econômica e quarentenária
  • 21. Vigilância Prevenção, controle e erradicação Estabelecimento e manutenção de ALP Estabelecimento e manutenção de ABP SMR Planos de contingência APF Controle de trânsito Grupos de Emergência Fitossanitária Pesquisa Outros mecanismos PNMF Estratégias
  • 22. Vigilância Prevenção, controle e erradicação Estabelecimento e manutenção de ALP Estabelecimento e manutenção de ABP SMR Planos de contingência APF Controle de trânsito Grupos de Emergência Fitossanitária Pesquisa Outros mecanismos PNMF Estratégias  Atividades e projetos de educação fitossanitária  Capacitação: FFAs, fiscais e agentes estaduais, RTs, produtores e demais agentes
  • 23. Áreas prioritárias Municípios que tenham recebido reconhecimento oficial de: - Área livre de praga - Área de baixa prevalência - Área sob medidas integradas em um enfoque de sistema para manejo de risco - Outros, a critério da Secretaria de Defesa Agropecuária
  • 24. Governança DSV/SDA Subprograma de B. carambolae Subprograma de Anastrepha spp. Subprograma de Ceratitis capitata Subprograma de outras moscas-das-frutas Comitê Técnico-científico Comitê Técnico-científico Comitê Técnico-científico Comitê Técnico-científico
  • 25. Governança DSV/SDA OEDSVs Subprograma de B. carambolae Subprograma de Anastrepha spp. Subprograma de Ceratitis capitata Subprograma de outras moscas-das-frutas convênios Comitê Técnico-científico Comitê Técnico-científico Comitê Técnico-científico Comitê Técnico-científico
  • 26. Governança DSV/SDA Grupos Técnicos nos Estados Entidades federais Entidades estaduais Entidades municipais Iniciativa privada
  • 27. Governança DSV/SDA Fórum Nacional Grupos Técnicos nos Estados Entidades federais Entidades estaduais Entidades municipais Iniciativa privada
  • 28. Acompanhamento Forum Nacional: Avaliação periódica visando o aperfeiçoamento do programa. Participantes: • Representantes dos comitês técnico-científicos dos quatro subprogramas • Representantes dos grupos técnicos de âmbito estadual • Instituições representativas do setor produtivo • Outras entidades relevantes
  • 29. Considerações Finais • Existe uma grande expertise em pesquisa instalada no Brasil  oportunidade para inovação • Diversas iniciativas federais, estaduais e privadas pré-existentes  necessidade de alinhar e otimizar esforços e recursos.
  • 30. Obrigado www.agricultura.gov.br P Á T R I A E D U C A D O R A