DOCUMENTO SÍNTESE        Setembro / 2009
ÍNDICE                                                               3.       ESTUDOS AMBIENTAIS                          ...
3.7.4.     Cronograma e Prazo de Execução                     78   3.13.4.    Cronograma e Prazo de Execução              ...
5.2.1.     Sistema de Pedagiamento                                              126   7.3.1.    Objeto                    ...
APRESENTAÇÃO               5 de 205
A Odebrecht Investimentos em Infra-estrutura Ltda. (“Odebrecht”), como Agente Empreendedor,vem apresentar o Relatório Fina...
ÁREA DE ABRANGÊNCIA                                                                             RESUMO DO PROJETOLigação r...
1.   PREMISSAS DE MODELAGEM                              8 de 205
1.        PREMISSAS DE MODELAGEMOs Serviços a serem prestados na Concessão de Serviço Público devem atender "as condiçõesd...
Em algumas Rodovias há uma estrutura de pedagiamento e pesagem nem sempre                      das Parcerias Público-Priva...
1.6.        Política TarifáriaPara o cálculo das tarifas de pedágio permanece o conceito de tarifa quilométrica, quecorres...
2.   ESTUDOS DE ENGENHARIA                             12 de 205
2.1.   Estudos de TraçadoA ligação rodoviária proposta a ser implantada em região de baixa densidade de ocupaçãourbana, cr...
Para a definição e estudo do traçado foram consideradas as seguintes premissas:                         de Engenharia S.A....
•    RS-118                                                                                   •     Vegetação    •    BR-3...
km do final do trecho, sendo 3,1 km em estrada com revestimento primário e 4,1 km em rodovia                          LE -...
Principais Quantitativos (baseados no Projeto Final de Engenharia da RS-118 elaborado pela       2.1.2.4. Rodovias Concorr...
leva ao ponto onde ocorre o entroncamento com a RS-010, conforme apresentado nas fotos a                                  ...
nome passando a chamar-se Av. João Corrêa. Caracterizada como uma das principais vias do       BR 116, como uma primeira e...
número de faixas em cada pista varia, adequando-se as demandas locais e aos acessos dosestacionamentos (mais dois acessos,...
Área de interseção da RS-010 com a via de acesso a Av. Unisinos                                                           ...
2.2.   Estudo de Engenharia da RS-0102.2.1. Estudos TopográficosOs Estudos Topográficos para a fase de Anteprojeto foram e...
Etapas do Apoio Terrestre                                                                               •      Apoio Plani...
2.2.2.2. Clima e Vegetação                                                                       Os primeiros compõem-se d...
aspecto    melafirico,   aparecendo   vesículas    e   amígdalas      com     freqüência    alongada    De maneira geral o...
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
ERS 010 PLANO  FUNCIONAL COMPLETO
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ERS 010 PLANO FUNCIONAL COMPLETO

4.530 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.530
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ERS 010 PLANO FUNCIONAL COMPLETO

  1. 1. DOCUMENTO SÍNTESE Setembro / 2009
  2. 2. ÍNDICE 3. ESTUDOS AMBIENTAIS 66APRESENTAÇÃO 5 3.1. PROCEDIMENTOS DO LICENCIAMENTO 68ÁREA DE ABRANGÊNCIA 7 3.2. SOLICITAÇÃO DE LP 69RESUMO DO PROJETO 7 3.2.1. Objetivo 691. PREMISSAS DE MODELAGEM 8 3.2.3. Plano de Ação e Metodologia 691.1. PREMISSAS OPERACIONAIS 9 3.2.3. Escopo dos Serviços para Solicitação de LP 691.2. MODERNIZAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS 10 3.2.4. Materiais e Recursos Necessários 691.3. MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DAS RODOVIAS 10 3.2.5. Cronograma e Prazo de Execução 69 3.2.6. Resultado Esperado 691.4. MODELAGEM DE CONCESSÃO 10 3.3. ELABORAÇÃO DOS ESTUDOS AMBIENTAIS – EIA/RIMA 701.5. PRAZO DA CONCESSÃO 101.6. POLÍTICA TARIFÁRIA 11 3.3.1. Objetivo 702. ESTUDOS DE ENGENHARIA 12 3.3.1. Plano de Ação e Metodologia 70 3.3.2. Escopo dos Serviços 702.1. ESTUDOS DE TRAÇADO 13 3.4. PREPARAÇÃO E PARTICIPAÇÃO EM AUDIÊNCIA PÚBLICA 752.1.1. Levantamento de Dados da Malha Existente 142.1.2. Levantamento de Dados de Projetos e Situação Atual 15 3.4.1. Objetivo 75 3.4.2. Plano de Ação e Metodologia 752.2. ESTUDO DE ENGENHARIA DA RS-010 22 3.4.3. Escopo dos Serviços 752.2.1. Estudos Topográficos 22 3.4.4. Materiais e Recursos Necessários 752.2.2. Estudos Geológicos 23 3.4.5. Cronograma e Prazo de Execução 752.2.3. Estudos Geotécnicos 25 3.4.6. Resultado Esperado 752.2.4. Estudos Hidrológicos 27 3.5. ACOMPANHAMENTO DA LP 762.2.5. Interferências com Áreas Especiais 302.2.4. Plano Diretor e Diretrizes Viárias 33 3.5.1. Objetivo 762.2.5. Anteprojeto 38 3.5.2. Plano de Ação e Metodologia 76 3.5.3. Materiais e Recursos Necessários 762.3. ESTUDOS DE ENGENHARIA – BR-386 47 3.5.4. Cronograma e Prazo de Execução 762.3.1. Estudos de Traçado 47 3.5.5. Resultado Esperado 762.3.2. Coleta e Compilação de Dados 47 3.6. ATENDIMENTO ÀS EXIGÊNCIAS DE LI E ELABORAÇÃO DO PBA 772.4. ESTUDOS DE ENGENHARIA – EXTENSÃO DA RS-240 58 3.6.1. Objetivo 772.4.1. Estudos de Traçado 58 3.6.2. Plano de Ação e Metodologia 772.5. ESTIMATIVAS DE CUSTOS 60 3.6.3. Escopo dos serviços 772.5.1 Atualização do Orçamento Original 60 3.6.4. Materiais e Recursos Necessários 772.5.2. Custos com Desapropriações 61 3.6.5. Cronograma e Prazo de Execução 772.5.3. Variantes de Traçado 63 3.6.6. Resultado Esperado 772.5.4 Acessos e Prolongamentos 63 3.7. SOLICITAÇÃO DE LI 782.6. COMENTÁRIOS FINAIS 64 3.7.1. Objetivo 782.6.1. Visão Geral do Estudo 64 3.7.2. Plano de Ação e Metodologia 782.6.2. Prolongamentos e Variantes 64 3.7.3. Materiais e Recursos Necessários 78 2 de 205
  3. 3. 3.7.4. Cronograma e Prazo de Execução 78 3.13.4. Cronograma e Prazo de Execução 843.7.5. Resultado Esperado 78 3.13.5. Resultado Esperado 843.8. ACOMPANHAMENTO DO PROCESSO DE LI 79 3.14. REUNIÕES DE PLANEJAMENTO/DEFINIÇÕES 853.8.1. Objetivo 79 3.14.1. Objetivo 853.8.2. Plano de Ação e Metodologia 79 3.14.2. Plano de Ação e Metodologia 853.8.3. Materiais e Recursos Necessários 79 3.14.3. Materiais e Recursos Necessários 853.8.4. Cronograma e Prazo de Execução 79 3.14.4. Cronograma e Prazo de Execução 853.8.5. Resultado Esperado 79 3.14.5. Resultado Esperado 853.9. ELABORAÇÃO DOS PROJETOS EXECUTIVOS DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS 3.15. CRONOGRAMA GERAL 86DO PBA/REVISÃO 80 3.16. CUSTOS DO LICENCIAMENTO 873.9.1. Objetivo 80 4. ESTUDOS DE TRÁFEGO 883.9.2. Plano de Ação e Metodologia 80 4.1. METODOLOGIA UTILIZADA 903.9.3. Materiais e Recursos Necessários 80 4.1.1. Para a Determinação das Pesquisas se Tráfego 903.9.4. Cronograma e Prazo de Execução 80 4.1.2. Para Determinação do VDM – Volume Diário Médio 913.9.5. Resultado Esperado 80 4.1.3. Para Determinação dos Fatores de Expansão 913.10. EXECUÇÃO DO PBA DURANTE O PERÍODO DE OBRAS 81 4.1.4. Para a Estimativa de Fuga 913.10.1. Objetivo 81 4.1.5. Para Definição do Crescimento do Volume de Tráfego 933.10.2. Plano de Ação e Metodologia 81 4.2. CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL 953.10.3. Materiais e Recursos Necessários 81 4.2.1. Volumes e Composição do Tráfego Atual 953.10.4. Cronograma e Prazo de Execução 81 4.2.2. Caracterização dos Usuários 953.10.5. Resultado Esperado 81 4.3. LEVANTAMENTO DE CAMPO 983.11. SOLICITAÇÃO DE LO 82 4.4. DEFINIÇÃO DA REDE VIÁRIA 993.11.1. Objetivo 823.11.2. Plano de Ação e Metodologia 82 4.4.1. Montagem das Redes de Simulação e Caracterização dos Links e Centróides 993.11.3. Materiais e Recursos Necessários 82 4.5. ALOCAÇÃO DAS MATRIZES NAS REDES DE SIMULAÇÃO 1003.11.4. Cronograma e Prazo de Execução 82 4.6. VERIFICAÇÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO 1213.11.5. Resultado Esperado 82 5. PADRÕES E CUSTOS OPERACIONAIS 1223.12. ACOMPANHAMENTO DA SOLICITAÇÃO DE LO 83 5.1. CONCEITOS BÁSICOS DOS ELEMENTOS INTEGRANTES DA CONCESSÃO 1233.12.1. Objetivo 83 5.1.1. Operação Rodoviária 1233.12.2. Plano de Ação e Metodologia 83 5.1.2. Manutenção e Conservação 1243.12.3. Materiais e Recursos Necessários 83 5.1.3. Pedágio 1243.12.5. Cronograma e Prazo de Execução 83 5.1.4. Pesagem 1243.12.6. Resultado Esperado 83 5,1.5. Comunicação com o usuário 1253.13. MONITORAMENTO DAS CONDICIONANTES DA LO 84 5.1.6. Gerenciamento de Investimentos 125 5.1.7. Processos Administrativos 1253.13.1. Objetivo 84 5.1.8. Overhead 1253.13.2. Plano de Ação e Metodologia 843.13.3. Materiais e Recursos Necessários 84 5.2. PARÂMETROS OPERACIONAIS 126 3 de 205
  4. 4. 5.2.1. Sistema de Pedagiamento 126 7.3.1. Objeto 1925.2.2. Sistema de Pesagem 126 7.3.2. Partes no Contrato 1925.2.3. Serviços de Atendimento aos Usuários 127 7.3.3. Legislação Aplicável 1935.2.4. Estrutura Organizacional 127 7.3.4. Metas da Concessão Patrocinada e Desempenho do Parceiro Privado 1935.2.5. Veículos e Equipamentos 128 7.3.5. Prazo e Prorrogação da PPP 1945.3. MODELO OPERACIONAL PROPOSTO 129 7.3.6. Valor da Contratação 194 7.3.7. Ressarcimento dos Custos com os Estudos Autorizados pela Administração Pública 1945.3.1. Centro de Controle Operacional - CCO 131 7.3.8. Disposições sobre a SPE 1945.3.2. Sistema de Arrecadação de Pedágio 132 7.3.9. Bens Integrantes da PPP 1955.3.3. Sistema de Pesagem de Veículos Comerciais 132 7.3.10. Desapropriação 1955.3.4. Serviço de Atendimento ao Usuário - SAU 133 7.3.11. Elaboração dos Projetos 1955.3.5. Equipamentos 135 7.3.12. Condições de Execução das Obras e Prestação dos Serviços 1966. ANALISE ECONÔMICO-FINANCEIRA 138 7.3.13. Obtenção de Financiamento 1966.1. ALTERNATIVAS ANALISADAS E RESULTADOS 139 7.3.14. Tarifas de Pedágio 1966.1.1. Resumo dos Resultados Econômico-financeiros 140 7.3.15. Contraprestação Pecuniária 1976.2. ESTIMATIVA DA RECEITA 165 7.3.16. Garantia de Pagamento da Contraprestação 198 7.3.17. Receitas Complementares, Acessórias, Alternativas ou de Projetos Associados 1986.2.1. Início de Cobrança de Pedágio 167 7.3.18. Equilíbrio Econômico-Financeiro 1996.3. MODELO OPERACIONAL E ESTIMATIVA DE CUSTOS E DESPESAS 168 7.3.19. Revisão do Contrato 1996.3.1. Modelo Operacional 168 7.3.20. Compartilhamento dos Ganhos Econômicos pela Redução do Risco de Crédito 2006.3.2. Estimativa de Custos e Despesas 169 7.3.21. Direitos e Obrigações das Partes 2006.4. ESTIMATIVA DE INVESTIMENTOS EM OBRAS E EQUIPAMENTOS 174 7.3.22. Direitos e Obrigações dos Usuários 200 7.3.23. Seguros e Garantias 2016.4.1. Estimativa de Investimentos com Ampliação Principal e Demais Obras 174 7.3.24. Fiscalização e Penalidades 2016.4.2. Estimativa de Investimentos com Equipamentos 176 7.3.25. Causas Excludentes de Responsabilidade 2016.4.3. Estimativa de Investimentos com Aquisição de Veículos 176 7.3.26. Intervenção 2026.4.4. Desapropriações 177 7.3.27. Casos de Extinção da PPP e Respectivas Indenizações 2026.4.5. Conserva Especial 177 7.3.28. Reversão dos Bens 2036.5. CONCLUSÕES 178 7.3.29. Valores Decorrentes de Regulação e Fiscalização 2037. MODELAGEM DA CONCESSÃO 183 7.3.30. Responsabilidade e Proteção Ambiental 2037.1. PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS: MODALIDADES 185 7.3.31. Mecanismos de Solução de Divergências 2047.1.1. Concessão Patrocinada 1857.1.2. Concessão Administrativa 1867.1.3. Sugestão: PPP – Concessão Patrocinada 1867.2. REQUISITOS E PROCEDIMENTOS 1877.2.1. Autorização para a Contratação da PPP 1877.2.2. Atendimento aos Requisitos Legais 1887.2.3. Licitação – Modalidade Concorrência 1907.3. CONTEÚDO DOS DOCUMENTOS 192 4 de 205
  5. 5. APRESENTAÇÃO 5 de 205
  6. 6. A Odebrecht Investimentos em Infra-estrutura Ltda. (“Odebrecht”), como Agente Empreendedor,vem apresentar o Relatório Final dos Estudos de Viabilidade voltados à Concepção e aoDesenvolvimento de uma Solução em Regime de Concessão através de Parceria Público-Privada, para a Ligação Rodoviária na Porção Leste da BR-116, incluindo a Via Leste e SistemaViário Lindeiro.O projeto da ligação viária a leste da BR-116 – VIA LESTE, com 40 km, constituirá um novoeixo de integração metropolitana, cuja estrutura melhor integrará os municípios situados aonorte de Porto Alegre, terá papel preponderante na indução do desenvolvimento regional.Capítulo 1 – Premissas de ModelagemCapítulo 2 – Estudos de EngenhariaCapítulo 3 – Estudos AmbientaisCapítulo 4 – Estudos de TráfegoCapítulo 5 - Padrões e Custos OperacionaisCapítulo 6 – Analise Econômico-financeiraCapítulo 7 – Modelagem da Concessão 6 de 205
  7. 7. ÁREA DE ABRANGÊNCIA RESUMO DO PROJETOLigação rodoviária proposta a ser implantada em região de baixa densidade de ocupação Para a elaboração dos Estudos de Viabilidade e Modelagem para a Implantação do Segmentourbana, cruzando os Municípios de: Gravataí, Esteio, Novo Hamburgo e São Leopoldo, Leste do Anel Rodoviário Metropolitano, estão previstas as seguintes atividades, conformecorrespondente ao segmento leste do “Anel Rodoviário Metropolitano” e Sistema Viário Lindeiro proposta:entre Porto Alegre e Novo Hamburgo. − Estado da Malha Rodoviária Existente: Levantamento quantitativo e qualitativo de elementos rodoviários existentes das rodovias que poderão integrar a malha a ser objeto de Concessão. − Estudos de Traçado: Definição de traçado da nova ligação pelo segmento Leste do Anel Rodoviário Metropolitano com base nas diretrizes definidas pelo Governo. − Projeto Básico da Via Leste: Definição das características geométricas e funcionais da Nova Ligação Rodoviária. − Estudo de Tráfego: estudo de tráfego com a projeção de tráfego, ao longo da concessão; − Estudos Ambientais: principais condicionantes e restrições ambientais na região e áreas abrangidas pelas rodovias integrantes do estudo; − Estrutura Operacional: especificações e o dimensionamento da estrutura operacional: recursos humanos, materiais e tecnológicos / equipamentos de automação rodoviária; − Conservação de Rotina: especificações e estimativa de custos anuais: pista, acostamento,O empreendimento tal como concebido originalmente, possui três trechos a serem implantados, dispositivos de drenagem e faixa de domínio;totalizando uma extensão de 40 quilômetros, com Latitude 29º58’02” e Longitude 51º08’22”. − Manutenção Periódica ou Preventiva: especificações e estimativa de custos anuais: pista, acostamento, dispositivos de drenagem e faixa de domínio; − Estimativa de Investimentos: identificação dos investimentos necessários; − Estimativa de Custos: consolidação dos custos para administração, planejamento, gestão e para operação e conservação da rodovia; − Determinação da Tarifa: estimativa de receita, proveniente da cobrança de tarifa; − Avaliação Econômico-financeira: avaliação das condições de atratividade do empreendimento - "Project Finance"; − Modelagem de Contratação: alternativas de Concessão em regime de Parceria Público Privada - PPP. 7 de 205
  8. 8. 1. PREMISSAS DE MODELAGEM 8 de 205
  9. 9. 1. PREMISSAS DE MODELAGEMOs Serviços a serem prestados na Concessão de Serviço Público devem atender "as condiçõesde regularidade, continuidade, eficiência, segurança, atualidade, generalidade, cortesia na suaprestação e modicidade das tarifas" (parágrafo 1º - Art. 6º da Lei 8.987/95)Todo o modelo será formulado para a definição de parâmetros técnicos na adequada execuçãodos serviços delegados, com mecanismos de avaliação, tanto pelo Poder Concedente, comopelo próprio usuário, garantindo o controle de sua qualidade e efetividade.A Concessão da Via Leste está voltada para a viabilização do investimento, o que deve ser umapremissa do modelo, em função das exigências do projeto e da capacidade de absorção pelatarifa.1.1. Premissas OperacionaisAs rodovias gerenciadas por Concessionárias no Estado do Rio Grande do Sul apresentamServiço de Atendimento ao Usuário - SAU, com estrutura de serviços de:− Inspeção de Tráfego e Monitoramento de Vias;− Guincho e Assistência ao Usuário;− Primeiros Socorros - Resgate e Ambulância;− Locais de parada com segurança, serviços essências com sanitários, fraldário, local de descanso e produtos de conveniência e lanches. Fonte: ABCR 9 de 205
  10. 10. Em algumas Rodovias há uma estrutura de pedagiamento e pesagem nem sempre das Parcerias Público-Privadas (PPP), na modalidade patrocinada ou administrativa, em queoperacionais. busca-se, complementarmente às receitas de pedágio, a contraprestação pública de forma a manter-se um nível tarifário adequado à capacidade de pagamento pelo usuário da futuraO policiamento e fiscalização do trânsito são realizados pela Polícia Militar Rodoviária que rodovia.dispõe de postos de controle localizados na faixa de domínio junto às pistas das Rodovias. Para a viabilização do projeto será analisada alternativa de modulação em fases de implantaçãoAs Concessões de Rodovias no caso brasileiro são em geral, sobre estruturas existentes, as para a estrutura viária proposta, de forma a minimizar os efeitos dos investimentos iniciais doquais deverão receber investimentos de recuperação, modernização e ampliação, além projeto.daqueles necessários ao atendimento dos padrões operacionais estipulados para efeito doatendimento ao "serviço adequado". Esta condição torna-se ainda mais aplicável à medida que trata-se de um projeto tipo “green field”, ou seja, uma implantação de uma rodovia onde não há qualquer infra-estrutura existente,1.2. Modernização e Novas Tecnologias constituindo-se numa ligação nova, cujas incertezas do tráfego a ser captado ampliam aDescrição da estrutura de comunicação e monitoramento para a modernização e novas complexidade do empreendimento.tecnologias de controle da operação de tráfego: 1.5. Prazo da Concessão− Call Box e 0800; Em empreendimentos de concessão rodoviária, tem-se adotado na maioria dos casos− Fibra Ótica; brasileiros o prazo de 25 a 35 anos para a duração do contrato, como aquele que melhor resultado traz para a formulação de uma equação econômico-financeira equilibrada, face aos− Painéis de Mensagem Variável – PMV; investimentos exigidos neste tipo de concessão e os níveis tarifários previstos, sendo então− Câmeras de monitoramento – CFTV; neste caso formulados para os dois prazos.− Radiocomunicação.1.3. Manutenção e Conservação das RodoviasRefere-se a todos os processos relacionados ao planejamento, execução e monitoramento,acompanhamento e fiscalização de atividades relacionadas à manutenção e conservação darodovia, em termos:− Da pista de rolamento: Pavimentação e Drenagem;− Da sinalização vertical e horizontal;− De obras-de-arte (bueiros, pontes, viadutos e outras);− Pesagem de veículos comerciais - pesagem como controle de peso e medida preventiva na manutenção do pavimento; e− Da faixa de domínio (Limpeza e roçada taludes, capina e outros).1.4. Modelagem de ConcessãoA implementação do empreendimento proposto deverá estar baseado na legislação que trata 10 de 205
  11. 11. 1.6. Política TarifáriaPara o cálculo das tarifas de pedágio permanece o conceito de tarifa quilométrica, quecorresponde a um valor por quilômetro, fixado pelo Governo, variando, apenas, em função detrês fatores: extensão percorrida; categoria das rodovias e categoria dos veículos.Quanto às categorias de veículos diferenciados para efeito da cobrança da tarifa, o modeloadotado no Estado do Rio Grande do Sul segue o mesmo critério utilizado nos demais sistemasconcedidos no País, ou seja, um veículo leve (automóvel ou utilitário) paga uma tarifa básica, eo veículo comercial (caminhão e ônibus) paga uma tarifa básica por eixo. Fator Classe Descrição multiplicador 1 Veículos de Passeio e Utilitários c/ 2 Eixos 2 2 Veículos Comerciais c/ 2 Eixos 2 3 Veículos Comerciais c/ 3 Eixos 3 4 Veículos Comerciais c/ 4 Eixos 4 5 Veículos Comerciais c/ 5 Eixos 5 6 Veículos Comerciais c/ 6 Eixos 6 7 Veículos de Passeio e Utilitários c/ 2 Eixos, Reboque c/ 1 Eixo 2 8 Veículos de Passeio e Utilitários c/ 2 Eixos, Reboque c/ 2 Eixos 2 9 Veículos Comerciais c/ 7 Eixos 7 10 Veículos Comerciais c/ 8 Eixos 8 11 Veículos Comerciais c/ 9 Eixos 9 Fonte: ABCRA Via Leste contará com pedagiamento manual e automático, que proporcionará ao percursomais rapidez e segurança, através do pagamento eletrônico. 11 de 205
  12. 12. 2. ESTUDOS DE ENGENHARIA 12 de 205
  13. 13. 2.1. Estudos de TraçadoA ligação rodoviária proposta a ser implantada em região de baixa densidade de ocupaçãourbana, cruzando os Municípios de: Gravataí, Esteio, Novo Hamburgo e São Leopoldo,correspondente ao segmento leste do “Anel Rodoviário Metropolitano” e Sistema Viário Lindeiroentre Porto Alegre e Novo Hamburgo. 13 de 205
  14. 14. Para a definição e estudo do traçado foram consideradas as seguintes premissas: de Engenharia S.A., para o Departamento Nacional de Estradas de Rodagem – DNER, março/2001.− Estado da Malha Rodoviária Existente: Levantamento quantitativo e qualitativo de elementos rodoviários existentes das rodovias integrantes da malha objeto de Concessão. Sobre os traçados originais foram avaliadas as alterações ocorridas na ocupação do solo,− Estudos de Traçado: Definição de traçado da nova ligação pelo segmento Leste do Anel informações junto às administrações dos Municípios atingidos, localizações de APA´s e APP´s e Rodoviário Metropolitano com base nas diretrizes definidas pelo Governo. possibilidades de redução nos custos de implantação. Estes estudos apresentam a análise das alternativas desenvolvidas para o Plano Funcional,Para o desenvolvimento do traçado preliminar da Via Leste e de novas ligações com a BR-116, onde constam as avaliações sobre as limitações encontradas a nível ambiental, executivo eforam realizadas avaliações dos Planos Diretores dos Municípios, identificação de APP - Área financeiro.de Preservação Permanente, APAS – Área de Preservação Ambiental e propriedades inseridasna área de influência direta do projeto. Nas alternativas de traçado utilizaram-se imagens de satélite obtidas através do Software Google Earth, onde se lançou um traçado preliminar, para discussões e aprimoramentos.O estudo considera as seguintes características gerais para a Via Leste: Foram realizadas reuniões com as diversas prefeituras por onde o traçado proposto se− Classe da Rodovia: 0; desenvolve, buscando-se avaliar e compatibilizar o traçado às necessidades sociais e de− Velocidade Diretriz: 100 km/h; desenvolvimento de cada Município. Também foi apresentado o traçado aos órgãos públicos responsáveis pela administração do sistema viário visando a definição das características− Greide – Rampa Máxima de Norma: 4%; técnicas a serem adotadas para os diferentes tipos de interferências entre a rodovia planejada e− Pista de Rolamento: 2 x 7,50 m; as existentes.− Acostamentos: Externo - 2 x 2,50 m, Interno – 2 x 1,00 m; A identificação das áreas de reservas, parques, APA´s, foi elaborada com especial cuidado, ressaltando a caracterização destas áreas, alertando e identificando situações possam− Plataforma de Aterro: 39,00 m; inviabilizar ou possam vir a causar dificuldades na implantação da rodovia.− Plataforma de Corte: 40,00 m; 2.1.1. Levantamento de Dados da Malha Existente− Faixa de Domínio: 100,00 m. O sistema constitui-se de três rodovias Norte-Sul e cinco rodovias Leste Oeste, descritas a seguir como convergentes ou concorrentes. Consideradas convergentes as rodovias comOs trabalhos foram desenvolvidos com base nos seguintes documentos, sendo estes a origem cruzamentos com a RS-010 e concorrentes as paralelas, a saber:dos quantitativos utilizados para avaliação atualizada dos custos: Norte-Sul – Concorrentes: • Anteprojeto de Engenharia Rodoviária – Alternativas à BR-116, desenvolvido pela ETEL • BR-116, existente - Estudos Técnicos Ltda para o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem do Rio Grande do Sul – DAER/RS, dezembro/2002. • RS-448 Rodovia do Parque, em fase de projeto para o DNIT • Projeto da Rodovia RST/386 desenvolvido pela SD Consultoria e Engenharia Ltda., para • RS-010 – em situação de anteprojeto, o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem do Rio Grande do Sul – DAER/RS, novembro/1997. Leste-Oeste – Convergentes: • Estudos Preliminares de Traçado e Plano Funcional de Alternativa para a Ligação • RS-239 Rodoviária Novo Hamburgo – Porto Alegre, desenvolvido pela STE - Serviços Técnicos • RS-240 14 de 205
  15. 15. • RS-118 • Vegetação • BR-386 A cobertura vegetal dominante na região era dos campos limpos (gramíneas) e secundariamente matas ciliares nas depressões e margem dos rios. Os campos encontrados • BR-290 são designados “paleáceos” e “subarbustivos”.Outros Acessos avaliados: • Geologia • Av. João Correa/São Borja – São Leopoldo à RS-010 a. Formação Serra Geral – Encontram-se basaltos a leste e a norte do final da rodovia em • Av. UNISINOS – São Leopoldo à RS-010 estudo. Nestas ocorrências estão as pedreiras indicadas no projeto, para utilização nas obras OAC, OAE e pavimentação.2.1.2. Levantamento de Dados de Projetos e Situação Atual b. Formação Botucatu – Os lotes 2 e 3 da RS 010 cruzam esta formação, sendo que mais2.1.2.1. RS-010 de 50% da extensão do lote 2 está sobre o arenito Botucatu. O início e o final do lote 3 estáCaracterísticas da região de implantação da rodovia sobre esta rocha, formada por antigas dunas eólicas. Esta formação é caracterizada porConsiderações baseadas em visita ao campo e anteprojeto da ETEL arenitos eólicos de cor vermelha, rosa e esbranquiçada. Apresentam matriz uniforme com • Clima monótona sucessão de camadas. c. Formação Rosário do Sul – Compreende um pacote de sedimentos argilosos, siltosos eClima subtropical úmido. Temperaturas oscilando entre 3ºC e 18ºC nos meses frios e acima de arenosos em cores predominantemente vermelhas e rosadas e subsidiariamente amareladas.22ºC nos meses quentes. Apresentam grande variação de textura, tanto vertical quanto lateral, caracterizando um formatoUmidade relativa entre 69 e 82%. lenticular.Precipitação pluviométrica anual é de 1290,2 mm com chuvas regulares durante o ano, com d. Depósitos fluviais: Os depósitos fluviais recentes ocorrem principalmente nas várzeas deaumento moderado nos meses de inverno e início da primavera. inundação dos rios Gravataí e Sinos. São sedimentos argilosos com elevado teor de matériaGeadas não são muito comuns com registros de 3 a 5 ocorrências anuais. orgânica, com espessuras variáveis em torno de 10m.A insolação anual média é de 2.244,6 horas com um mínimo de 136 horas em junho e 245,2 São encontrados depósitos fluviais de menos importância nas várzeas dos Arroios Brigadeiro ehoras em dezembro. Sapucaia. • GeotecniaOs ventos predominantes são de leste-sudeste, com intensidade de 2 a 4m/s.• Geomorfologia a. Pedreiras: - Foram identificadas no anteprojeto da ETEL duas ocorrências de material pétreo, passíveis de exploração para utilização nas obras da RS-010. São formados por rochaO traçado da RS 010 insere-se na Depressão Central Gaúcha, que se constitui na grande Calha basáltica.Fluvial do Estado onde se estabeleceram os cursos baixo e médio dos rios Caí, Sinos, Taquarie Gravataí. P-01 - Para os lotes 01 e 02: Pedreira pertencente à Mineração Vera Cruz, do grupo Zandoná localizado no bairro Santa Tecla, no município de Sapucaia do Sul a 10,7 km do final do lote 01.No tocante à Geologia, a Depressão Central é constituída pela seqüência sedimentar, Em relação ao lote 02, a pedreira está a 7,5 km do km 17+850 em estrada com revestimentoabrangendo os sedimentos basais gondwânicos até os arenitos eólicos da Formação Botucatu. primário.Os afloramentos areníticos são praticamente contínuos na direção leste-oeste. Os rios da regiãosão típicos de planície com amplos meandros e largas bacias de inundação. P-02 - Para o lote 03: Pedreira pertencente à Prefeitura Municipal de Sapiranga, localizada a 7,2 15 de 205
  16. 16. km do final do trecho, sendo 3,1 km em estrada com revestimento primário e 4,1 km em rodovia LE - km LD - kmpavimentada. 1,50 – 9,30 1,40 – 9,50b. Empréstimos para Terraplenagem: Os lotes 01 e 02 atravessam várzeas de grandes 10,2 – 12,8 11,2 – 12,7dimensões, com remoção considerável de solos moles. Para reposição das remoções, bermas,aterros, encontros de pontes e alças dos viadutos, será necessário a importação de material do 12,9 – 15,8 12,8 – 15,8lote 02 onde haverá cortes de alturas consideráveis e concentração de empréstimos e jazidas 16,7 – 18,3 16,7 – 18,3adequadas, em qualidade e quantidade para suprir as necessidades dos lotes adjacentes. 18,4 – 19,7 18,4 – 19,7• Túnel 19,9 – 21,5 20,0 – 21,5Considerando os dados estudados pela ETEL, no anteprojeto da RS 010, nas proximidades dosmorros Sapucaia e Pedreira, optou o projetista por um túnel de 380m de extensão, evitandocorte da ordem de 30m e rampas de aproximadamente de 7%, além de atender às − Passarelas: 02recomendações da Secretaria Estadual de Meio Ambiente no tocante a Áreas Protegidas. − Viadutos: 082.1.2.2. RS-118 97,50 x 10,90 sobre trensurb km 1,00Rodovia estadual com obras de Restauração e Duplicação contratadas e em andamento. Nãoprevê viaduto no futuro cruzamento com a RS-010. 2x 48,00 x 10,90 sobre Av. República km 3,60I – DUPLICAÇÃO 22,4 Km 74,87 x 11,00 sobre Av. Frederico Ritter km 9,80Principais Quantitativos (baseados no Projeto Final de Engenharia da RS-118 elaborado pela 41,00 x 10,90 Estrada Santa Tecla km 12,80STE): 42,80 x 10,90 sobre RS-020 km 16,30− Terraplenagem DMT 5,2 km 332.000 m³ 2x 41,00 x 10,90 Estrada para Itacolomi km 9,30 DMT 2,7 km 441.000m³ 45,15 x 11,40 Av. Dorival Oliveira km 19,80− Brita Graduada – 108.780 m³ 2x 49,46 x 10,90 Acesso Distrito Industrial Gravataí− Macadame Seco – 40.800 m³ − Pontes:− CBUQ – 28.045 ton− Concreto rolado – 28.600 m³ 28,72 x 10,90 sobre Arroio Barnabé km 16,50 41,05 x 10,90 sobre Arroio Sapucaia km 8,40− Placa de Concreto – 46.060 m³ 2x 41,50 x 10,6 sobre Arroio Sapucaia km 8,40 (ruas− Aço – 400.910 kg laterais)II – RESTAURAÇÃO 22,4 KM− Ruas Laterais: 16 de 205
  17. 17. Principais Quantitativos (baseados no Projeto Final de Engenharia da RS-118 elaborado pela 2.1.2.4. Rodovias Concorrentes à RS-010STE): BR 116 – Concorrerá com o VDM previsto para a RS-010, porque não terá pedágio.− Trincamento, quebra, demolição, remoção e reposição de placas de concreto simples 6.030 A rodovia, em geral, apresenta boas condições, atualmente têm como principais pontos m³ negativos: o alto VDM, provocando deterioração acentuada do pavimento, exigindo manutenção mais freqüente; pontos de estrangulamento, função da não existência de ruas laterais em− Concreto betuminoso usinado a quente – 12.640 m³ alguns segmentos, levando o trânsito local para as pistas da rodovia; a existência de semáforos− Placas de concreto de cimento Portland - 27.190 m³ em alguns cruzamentos, como no acesso à Sapucaia do Sul e à Av. Unisinos, aumentando o tempo de percurso e o risco de acidentes.− Aço e tela soldada – 787.430 kg Em face da situação atual da rodovia, mais especificamente cita-se os limites físicos impostosA solução adotada para a restauração da pista existente é complexa, consistindo de: pela urbanização de seu entorno, ações que visem o aumento de sua capacidade implicam ema. Setores que exteriorizem instabilidade, afundamentos, quebras graves, deficiência projetos com altos custos de implantação e que necessitam de intervenções sobre a rodovia,estrutural significativa sofrerão reparos de demolição e reconstrução, quebra e assentamento, levando ao aumento dos transtornos gerados pelo alto VDM atual. Com isso, entende-se quetrincamento e assentamento e injeção de solo-cimento. para a melhora no tráfego atual, a solução mais adequada é a implantação de uma nova rodovia que promova a ligação entre os municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre.b. Trechos considerados muito deteriorados (> 20% de placas destruídos) receberão umacamada superposta de concreto estruturalmente armado, não aderido, de 14 cm de espessura, RS 448 – Rodovia do Parque. Concorrerá com a RS 010, porque o prolongamento da BR 386com espessura, com barras de transferência e assentada sobre o pavimento regularizado com até a RS 118/RS 010 está sendo vetado pela municipalidade de Canoas.uma camada separadora de 4,0 cm de CBUQ. 2.1.2.5. Acesso pela Av. João Correa/São Borjac. Trechos com menos de 20% de placas destruídas receberão uma camada de concreto Este acesso pode ser caracterizado em dois segmentos distintos, o primeiro urbano e altamentesimples, não aderido, de espessura variável de acordo com o método AASHTO/93 e do corpo ocupado e o segundo, rural com baixa taxa de ocupação. O primeiro segmento refere-se a Av.de Engenheiros USA, dotados de barras de transferência e ligação sobre uma camada João Corrêa, que têm como prolongamento a Av. São Borja com aproximadamente 3 km.regularizadora de CBUQ de 4 cm. O segmento seguinte, de aproximadamente 4 km, segue por uma área industrial, com menord. Placas executadas sobre áreas com trincamento severo receberão armadura ocupação, acessando em seguida uma área com características rurais com baixa taxa dedescontínua de tela soldada. Os acostamentos receberão base de BGS revestida com 5,0 cm ocupação nas áreas adjacentes a via.de CBUQ.2.1.2.3. Outras Rodovias Convergentes à RS 010BR 290 – Rodovia concedida pelo DNIT à CONCEPA, constituída por duas pistas com trêsfaixas de transito cada. Não requer intervenções. Haverá interferência no Trevo de acesso à RS010.RS 239 – Rodovia com Pedágio Comunitário explorado pelo Estado, constituída por duas pistascom duas faixas de transito cada. Não requer intervenção. Haverá interferência no Trevo deentroncamento com a RS 010 17 de 205
  18. 18. leva ao ponto onde ocorre o entroncamento com a RS-010, conforme apresentado nas fotos a seguir. Entroncamento da RS-010 com o prolongamento da Av. São Borja Vista Geral da Área Urbana Av. São Borja – segmento industrial Vista Geral da Área RuralO segmento final da Av. São Borja localiza-se em uma área com ocupação industrial bastanteacentuada, e ao longo de seu desenvolvimento, em direção a Av. João Corrêa, ocorre àtransição para zona com ocupação densamente urbanizada, caracterizada por moradias,escolas e incontáveis estabelecimentos comerciais. Av. São Borja – sentido Leste Oeste Av. São Borja – sentido Oeste LesteO gabarito neste segmento (zona industrial) é de cerca de 30 metros, contemplando umaavenida com duas pistas, canteiro central e passeios. O segmento que parte da Av. São Borja Nas proximidades do trecho onde ocorre o cruzamento com a linha da Trensurb a via muda de 18 de 205
  19. 19. nome passando a chamar-se Av. João Corrêa. Caracterizada como uma das principais vias do BR 116, como uma primeira etapa, deve considerar um gabarito para mão dupla, com ruasmunicípio de São Leopoldo, de comércio intenso, escolas, tráfego lento e acentuado movimento laterais calçadas e ciclovia, como condicionantes mínimas para obras do porte do projeto dade pedestres é também um dos principais pontos de acesso à BR 116. A Av. João Corrêa, RS-010, resultando em um gabarito de cerca de 45,0 metros.devido a sua forte urbanização, apresenta inúmeros cruzamentos semaforizados e, em seu Conclusãocanteiro central, uma rede de drenagem urbana que esta sendo canalizada com a implantação O encaixe da Av. João Corrêa com a BR-116, onde hoje se encontra o viaduto longitudinal àde galerias. rodovia, demandaria a implantação de alças de acesso e saída para torná-lo operacionalmente viável, no entanto, tais alterações precisariam ser desenvolvidas utilizando as vias urbanas adjacentes ao entroncamento, as quais necessitariam fortes intervenções em termos de estrutura e sinalização por estarem em uma área altamente urbanizada. A implantação do gabarito entendido como mínimo necessário, não apresenta disponibilidade para implantação devido ao alto grau de urbanização das áreas lindeiras a via. Fato que demandaria um elevado investimento em desapropriações além de gerar um desequilíbrio na estrutura urbana local, afetando o comércio e os moradores desta área. A utilização da Av. São Borja / João Corrêa como alternativa de ligação da RS-010 à BR-116, Av. João Corrêa – junto ao cruzamento da Av. João Corrêa – galeria de drenagem apresenta grandes dificuldades para sua implantação principalmente devido à alta urbanização linha do Trensurb sob o canteiro central dos terrenos adjacentes as vias, principalmente no segmento final, já como Av. João Corrêa, onde o tráfego urbano intenso e a necessidade de manter-se o acesso entre os dois lados daA interseção com a BR 116 não conta com alças para facilitar o acesso do tráfego BR 116 avenida tornam a implantação de uma via de ligação com a BR-116 desaconselhável. Aliado aosentido sul, assim como originado na Av. João Corrêa para acessar a BR116 para o sul. exposto, a necessidade de implantação de um gabarito que contemple pistas de trânsito rápido, ruas laterais e ciclovias acaba por impactar diretamente na estrutura urbana já consolidada ao longo desta via, reforçando a dificuldade de uso desta como alternativa para ligação a RS-010. 2.1.2.6 Acesso pela Av. UNISINOS A ligação utilizando a Av. Unisinos, hoje, apresenta em seu segmento junto a BR 116 um ponto de bastante tráfego, principalmente em função do cruzamento semaforizado existente no local. Esta via, como cita seu nome, é a principal via de acesso a Universidade do Rio dos Sinos – Unisinos, a qual também serve como acesso a diversas unidades do Ministério do Exército e de acesso secundário ao município de São Leopoldo. A Av. Unisinos apresenta em seu segmento inicial, com cerca de 600 metros, duas pistas com, no mínimo, duas faixas de rolamento, separadas por um canteiro central, tendo como limite a sul uma área bastante urbanizada, e ao norte limita-se com vasta área verde de propriedade do Ministério do Exército. O segmento seguinte, com cerca de 1.000 metros, que tem como balizador de seu início oEntende-se que o projeto necessário a tornar apta para o escoamento alternativo de tráfego à acesso a um dos estacionamentos da Universidade. Ao longo de seu desenvolvimento o 19 de 205
  20. 20. número de faixas em cada pista varia, adequando-se as demandas locais e aos acessos dosestacionamentos (mais dois acessos, além do primeiro já citado).O terceiro segmento, com cerca de 900 metros, é marcado por ter como um de seus principaislimitantes novas áreas do Ministério do Exército, tendo como ponto final a Estação Unisinos doTrensurb. Este segmento também apresenta ao longo de seu desenvolvimento uma rótulasemaforizada, de intenso tráfego urbano. Av. Mauá limitantes a Leste e final do segmento pavimentado Na mesma posição da foto anterior, mas orientado para o Norte, tem-se a Oeste a Estação Unisinos e a linha da Trensurb como limitantes e ao Leste uma área intensamente urbanizada, com um comércio local bastante intenso. Seguindo na direção Norte, tem-se a cerca de 400 metros da Av. Unisinos a transposição sob da linha da Trensurb, permitindo assim à conversão à direita em direção a RS-010. Este ponto tem sua largura limitada em 20 metros devido à Av. Unisinos – vista da Estação Unisinos do Trensurb estrutura da linha da Trensurb. A partir deste ponto é possível acessar o lado Leste da Av. Mauá, o qual permitiria a ligação á RS-010.A foto a seguir apresenta o encaixe da Av. Unisinos com a Av. Mauá, sentido Norte Sul. O Adiante são apresentadas, nas fotos, as condições da Av. Mauá pelo lado Leste da linha dasegmento pavimentado estende-se por cerca de 1.000 metros, tendo como limitante a Leste um Trensurb, onde se identifica a intensa ocupação residencial dos terrenos.valão e a linha da Transurb, e a Oeste limita-se com diversos lotes residenciais e comerciais. Aolongo deste segmento encontram-se diversas passarelas sobre a linha da Trensurb, nãohavendo transposição para veículos. Av. Mauá lado Leste, sentidos - Sul Norte Av. Mauá lado Leste - Norte Sul Av. Mauá sentido Norte Sul Av. Mauá sentido Sul Norte, partindo da Av.Unisinos 20 de 205
  21. 21. Área de interseção da RS-010 com a via de acesso a Av. Unisinos Conclusão: A implantação de uma ligação entre a RS-010 e a BR-116 através da Av. Unisinos apresenta Vista Geral da Av. Unisinos situações similares às apresentadas na opção de ligação utilizando a Av. São Borja / João Corrêa. A necessidade de transposição da linha da Trensurb, a alta urbanização das vias e oPara atender a demanda de uma rota provisória para o fluxo oriundo da RS 010 em direção a alto tráfego em função Universidade são fatores adversos a sua viabilidade.BR-116, além da necessidade de alargamento das plataformas disponíveis entre o final da Av.Unisinos e a ligação com a RS-010 (apresentada nas fotos adiante) seria necessário criar uma A transposição da linha da Trensurb ao término da Av. Unisinos necessita da implantação detransposição a linha da Trensurb. A referida obra-de-arte especial servirá como viaduto para uma obra-de-arte especial, pois a travessia existente não tem capacidade de atender aotransposição de vias paralelas sobre a linha da Trensurb. aumento do tráfego que seria gerado, além do mais, existirá a necessidade de ampliação das vias marginais, implicando em inúmeras desapropriações por tratar-se de áreas bastanteO Segmento inicial (entre a BR-116 e a Estação Unisinos) apresenta uma boa estrutura, tanto a urbanizadas.nível de pistas como em termos de largura das faixas, no entanto, para atender o incrementogerado pela incorporação do tráfego da RS-010, seria necessária a verificação da estrutura do Os pontos de cruzamentos urbanos necessitarão de reformulações, e com isso, necessitarãopavimento e a revisão do sistema viário, pois neste segmento, em função dos horários de ampliar suas áreas, impactando novamente sobre as áreas vizinhas, gerando novasentrada e saída da Universidade, ocorre a saturação da capacidade da via. Está sendo desapropriações.projetado para o encontro da Av. Unisinos com a BR-116 a implantação de um viaduto Mesmo com a implantação do viaduto em projeto para o entroncamento da Av. Unisinos com atransversal a rodovia, eliminando com isso aos cruzamentos semaforizados, possibilitando um BR-116, haverá o problema com o ordenamento do tráfego, pois as demandas da Universidadedeslocamento ininterrupto. provocam ondas de pico com tráfego intenso na via, fato que leva a necessidade de ampliação da estrutura existente e da necessidade de implantação de semáforos para garantir a segurança dos deslocamentos. O uso de traçados alternativos, aproveitando parcialmente a Av. Unisinos, são possibilidades avaliadas, mas de maneira análoga ao traçado original, estes necessitam ter em seu desenvolvimento grandes áreas de desapropriação e obras-de-arte especiais para os cruzamentos urbanos e sobre a linha da Trensurb. 21 de 205
  22. 22. 2.2. Estudo de Engenharia da RS-0102.2.1. Estudos TopográficosOs Estudos Topográficos para a fase de Anteprojeto foram elaborados com base em dadosobtidos a partir de mapeamento aerofotogramétrico efetuado recentemente na faixa definidapara o desenvolvimento do traçado da RS-010 no trecho compreendido entre a BR-290 e a RS-239.Os serviços técnicos de mapeamento aerofotogramétrico foram contratados pela ConsultoraETEL com a empresa AEROMAPA S.A. – Cartografia, Informática e Projetos e constou dasseguintes fases: - Cobertura aerofotogramétrica na escala 1:20.000; - Apoio terrestre planialtimétrico e nivelamento geométrico; - Aerotriangulação analítica; - Restituição fotogramétrica digital para confecção da base cartográfica da área, na escala 1:5.000 com curvas de nível equidistantes de 2 em 2 metros; - Geração de ortofotos digitais coloridas na escala 1:5.000.O desenvolvimento dos trabalhos objeto do presente estudo obedeceu à seguinte cronologia:Cobertura AerofotogramétricaEm julho/2002 foi efetuado vôo abrangendo uma faixa definida pela diretriz previamenteestudada nas cartas 1:50.000 do S.G.E.A cobertura da faixa traduziu-se em um conjunto de 39 fotos coloridas na escala 1:20.000,distribuídas em 4 faixas de vôo.Apoio TerrestreDando prosseguimento às atividades necessárias à execução do mapeamento planialtimétricodigital em escala 1:5.000, compreendendo as malhas planimétrica a altimétrica para uso atual efuturo, e determinação de pontos de apoio fotogramétrico para aerotriangulação, foramdesenvolvidos nos meses de julho e agosto/2002 os serviços de apoio terrestre planimétrico enivelamento geométrico nas seguintes etapas: 22 de 205
  23. 23. Etapas do Apoio Terrestre • Apoio Planimétrico Suplementar • Transporte de Coordenadas A partir do estabelecimento dos apoios básicos planimétrico e altimétrico, foram determinadas as coordenadas dos demais pontos denominados de pontos suplementares.Efetuadas a partir da Rede Geodésica do IBGE até a área dos trabalhos, conduzidos segundométodos de posicionamento, com determinação de coordenadas e altitudes dos pontos de Tratam-se de pontos foto identificáveis denominados “HV”, numerados de 1021 a 1040.apoio fotogramétricos utilizando o sistema GPS. Sua distribuição, ao longo da área de abrangência do projeto, foi indicada em esquema • Apoio Básico Planimétrico representativo de todos os pontos utilizados na fase de apoio terrestre.A poligonal básica planimétrica foi estabelecida à partir do vértice de 1ª ordem do IBGE, 2.2.2. Estudos Geológicosdenominado SAT – 90954, localizado no município de Nova Santa Rita, e do marco IBGE 1271, Os Estudos Geológicos foram conduzidos segundo metodologia condicionada às peculiaridadesno município de Dois Irmãos. do trecho.A partir destes vértices foi estabelecida uma poligonal básica para o eixo leste, representada 2.2.2.1. Geomorfologiapor 74 marcos de concreto, estando estes marcos aos pares e intervisíveis, separados por uma Sob o ponto de vista fisiográfico a região seccionada pela Rodovia RS-010, trecho Entr. BR-290distância aproximada de 1.000m. Os marcos de concreto implantados receberam a - Entr. RS-239 está inteiramente inserida no grande domínio geomorfológico do Estadodenominação de “MR” (Marco de Referência) e foram numerados de 41 a 77. Os pares destes denominado Depressão Central Gaúcha. Trata-se de uma depressão periférica, localizada entremarcos receberam a denominação de MRA” (Marco de Azimute) e foram numerados de 41-A a a Escarpa da Serra Geral, a norte e oeste, os flancos da Serra do Sudeste, a sul e a leste, e a77-A, servindo de pontos de azimute dos marcos implantados. Planície Litorânea, a nordeste.Estes marcos também foram utilizados como apoio à realização do nivelamento geométrico. A Depressão Central se constituí na grande Calha Fluvial do Estado, onde se estabeleceram os • Apoio Básico e Suplementar Altimétrico cursos baixo e médio dos rios Caí, Sinos, Jacuí, Taquarí e Gravataí.Este apoio que forneceu pontos para a aerotriangulação e restituição foi determinado pelo A Depressão Central é constituída pela seqüência sedimentar que abrange desde osmétodo de nivelamento e contranivelamento geométrico e GPS. Para este fim foram utilizados sedimentos basais gondwânicos até os arenitos eólicos da Formação Botucatu.os seguintes pontos: As camadas sedimentares apresentam mergulho regional para norte, distribuindo-se em• RNS da rede fundamental do IBGE, denominadas de RN 1776X e RN 1776H; seqüência uniforme, em áreas aflorantes quase contínuas, de direção geral leste-oeste.• RNS implantadas na região pela Aeromapa S/A, denominadas de RN 01 e RN 02; No Período Quaternário aconteceram várias transgressões marinhas que atingiram as calhas• Marcos implantados na região pela Aeromapa S/A, denominados de MR-41 à MR-77 e MR- dos rios Jacuí, Sinos, Caí e Gravataí, com deposição de sedimentos arenosos. Esses 41A à MR-77A. sedimentos foram erodidos pelas águas fluviais, exceto aqueles depositados em áreas maisAs RNS e os marcos descritos constituiram a base para a rede de nivelamento geométrico, elevadas, atingidas pelas transgressões de maior vulto.sendo que as linhas de nivelamento partiram e chegaram em RNS distintas e foram medidas Posteriormente, se depositaram sedimentos aluviais, tanto nas calhas dos rios como nascom nivelamento e contranivelamento. Além da linha básica de nivelamento composta pelas planícies de inundação, assumindo a área seu aspecto definitivo.referências de nível, o apoio básico altimétrico contou ainda com a utilização de pontos Os rios atuais são típicos de planícies, com amplos meandros e largas bacias de inundação.descritos no item seguinte. Foi estabelecido como tolerância a precisão altimétrica para ocircuito de 10mm, sendo “K” o comprimento da linha em quilômetros. 23 de 205
  24. 24. 2.2.2.2. Clima e Vegetação Os primeiros compõem-se de gramíneas eretas e robustas, sendo que as gramíneas plumosasSegundo o sistema de Köeppen, o tipo fundamental de clima da região é o cf e a variedade e algumas plantas da família das compostas chegam a formar grupos quase puros. Já osespecífica, cfa, isto é, clima subtropical úmido, sem estiagens. A temperatura média do mês “subarbustivos” são mais baixos e apresentam uma probreza bem maior quanto aos seusmais quente é superior a 22ºC e a do mês mais frio oscila entre 3ºC e 18ºC. componentes.A movimentação das massas de ar é o principal fator de variação de temperatura na região, As ervas e subarbustos possuem pequena altura, de colmos ou caules quase sempre deitadoscuja média é de aproximadamente 19,3ºC, variando entre os valores mensais médios de 24,6ºC e folhas aderentes ao solo.e 13,8ºC, respectivamente nos meses de janeiro e julho. Os campos “subarbustivos” localizam-se, de preferência, nas encostas e nas partes maisA precipitação pluviométrica anual na região é de, aproximadamente, 1.288mm. As chuvas elevadas e secas das lombadas, enquanto os “paleáceos”, são freqüentes nas baixadas ecaem regularmente durante o ano e as diferenças entre os valores mensais extremos não são regiões mais planas e protegidas dos ventos.significativos, embora as maiores precipitações ocorram nos meses de inverno e início de As matas ciliares são as vegetações ribeirinhas de caráter maior ou menor higrófilo, formandoprimavera. cordão estrito ao longo das curvas d’água ou em áreas alagadiças.A umidade relativa do ar apresenta a média anual de 77%, com variações mensais médias Em geral são formadas por várias espécies arbóreas e arbustivas. As mais comumenteentre 72% e 83%, respectivamente, nos meses de janeiro e junho. encontradas são: salgueiro, branquilho, corticeira, sarandi, angico e maricás.A insolação anual média na região é de 2.303 horas, com um valor mínimo de 143 horas em 2.2.2.3. Geologiajunho e máximo de 254 horas em dezembro. A coluna estratigráfica da região abrangente pode ser resumida como segue:O fenômeno da geada é pouco comum na região, registrando-se em média seis dias ao ano ERA PERÍODO IDADE GRUPO FORMAÇÃO(um no outono e cinco no inverno). Cenozóica Quaternário Holoceno - Depósitos Aluviais RecentesOs nevoeiros ocorrem com freqüência na região, principalmente entre os meses de abril eagosto. O número médio de ocorrências, durante o ano, é de 64. Mesozóica Juro-cretáceo São Bento Serra GeralAs elevadas temperaturas que ocorrem durante alguns meses aceleram a evaporação e, no Jurássico São Bento Botucatuverão, determinam defict hidrométrico. A evaporação potencial apresenta um valor anual de Mesozóica Triásico São Bento Rosário do Sul932mm para a região em foco.Considerando a média anual, predominam na região ventos leste-sudeste, com intensidade de2 a 4m/s. Os ventos mais fortes (acima de 4m/s) são pouco freqüentes e, quando ocorrem, • Formação Serra Geralsopram do leste. Na região em estudo os basaltos encontram-se a leste e a norte do final da rodovia em estudo.O tipo de cobertura vegetal dominante na região é a dos campos limpos (gramíneas) e, Nestas ocorrências estão localizadas as duas pedreiras indicadas no projeto, a serem utilizadassecundariamente, matas ciliares nas depressões e nas margens dos arroios. na pavimentação, drenagem, OAE etc.A ocorrência de campos está intimamente ligada à característica suave da topografia da região. São rochas efusivas de coloração cinza-escura a preta acinzentada.Os campos encontrados nesta área são designados por “paleáceos” e “subarbustivos”. Nos derrames mais espessos a zona central é maciça, micro-cristalina, fraturada por juntas subverticais de contração dividindo a rocha em colinas. A parte superior do derrame tem 24 de 205
  25. 25. aspecto melafirico, aparecendo vesículas e amígdalas com freqüência alongada De maneira geral os sedimentos da Formação Rosário do Sul constituem colinas alongadas,horizontalmente com maior porcentagem de matéria vítrea na rocha. sem grandes desníveis topográficos e dissecados por correntes de drenagem secundárias, queAs amígdalas são parcial ou inteiramente preenchidas por quartzo, calcita, zeolítas. se encaixam formando pequenas planícies do tipo alveolar.A zona basal dos derrames apresenta aspectos semelhantes, porém com espessuras e Os materiais desta formação poderão ser utilizados no Projeto de Terraplenagem. As argilas para a camada superior e os siltes e areias para os corpos de aterros.quantidades de amígdalas mais reduzidas. • Depósitos Fluviais e Leques AluviaisOs materiais mais indicados para a execução de obras rodoviárias são os basaltosequigranulares, que são fortemente diaclasados vertical e horizontalmente. Os Depósitos Fluviais recentes ocorrem principalmente na várzea de inundação dos rios Gravataí e do Sinos; são sedimentos argilosos com elevado teor de matéria orgânica e • Formação Botucatu espessuras máximas em torno de 6,00m.Os lotes 02 e 03 da RS-010 cruzam esta formação, sendo que mais de 50% da extensão do Depósitos fluviais de menor importância são encontrados nas várzeas dos arroios Brigadeiro eLote 02 está sobre o Arenito Botucatu. O inicio e o final do Lote 03 também estão sobre esta Sapucaia. Esses depósitos apresentam misturas de argilas e areias e uma coesão maisrocha formada por antigas dunas eólicas. elevada, que não causarão maiores prejuízos à implantação do trecho em tela.A Formação Botucatu é caracterizada por arenitos eólicos de coloração vermelha, rosa a 2.2.3. Estudos Geotécnicosesbranquiçada, sendo finos a médios, quartzosos, friáveis devido a matriz reduzida, Os principais documentos consultados para o estudo das características geotécnicas ao longoapresentando grãos foscos e geralmente bem arredondados. Os feldspatos raramente do traçado da rodovia RS-010 foram os seguintes:ultrapassam 5% e a impregnação dos pigmentos ferruginosos é responsável pela cor ecimentação. - Mapa Geológico do Estado do Rio Grande do Sul (Edição de 1989), escala 1:500.000, publicado pelo 1º Distrito do DNPM - Departamento Nacional da Produção Mineral.A principal característica destes arenitos é a ausência da variação litológica, constituindo umamonótona sucessão de camadas nas quais persistem, de modo geral, as mesmas propriedades - Fotos aéreas coloridas, escala 1:25.000, do Levantamento Aerofotogramétrico do Estado.texturais, estruturais e mineralógicas, constituindo um empilhamento de cunhas arenosas com - Levantamento de Recursos Naturais - Volume 33. Fundação Instituto Brasileiro deprolongamento maior na direção do vento. Os estratos ou lâminas de uma unidade mostram-se Geografia e Estatística - IBGE. Rio de Janeiro, 1989.cruzados em relação aos das cunhas vizinhas (estratificação cruzada). - Cartas do Ministério do Exército – Departamento de Engenharia e Comunicações. • Formação Rosário do Sul • Folhas SH.22-V-D-VI-4, MI-2970/4. São Leopoldo, Escala 1:50.000 1980Compreende um pacote de sedimentos argilosos, siltosos e arenosos, em cores • Folhas SH.22-V-D-VII-2, MI-2970/2. Novo Hamburgo, Escala 1:50.000 1980predominantemente vermelhas e rosadas, e subsidiariamente amareladas. A seguir, foi realizada uma interpretação expedita de fotografias aéreas coloridas na escalaOs sedimentos da Formação Rosário do Sul apresentam grande variação de textura, tanto 1:20.000 de 2002. Foram estudados e interpretados os aspectos geológicos, geomorfológicos evertical como lateral, caracterizando assim um formato lenticular. pedológicos.Com o intemperismo, ocorre um enriquecimento em argila nas proximidades da superfície do A partir desses mapas, onde também foram indicadas as alternativas de traçado a nível deterreno. As cores originais são o vermelho e o marrom. Por lixiviação, devido a presença de planejamento, foi programada visita de campo, para reconhecer as diversas unidadeságua subterrânea, há uma descoloração dos sedimentos, que passam a apresentar cortes cinza previamente delimitadas, adaptando as cartas de serviço às reais condições de campo, visandoe amarelo. fornecer subsídios aos Estudos Geotécnicos. 25 de 205

×