Sessão Científica Bolsista Luana Martins 2015.2

179 visualizações

Publicada em

Impacto Econômico Mundial de Doenças Dentárias - LISTL S., GALLOWAY J., MOSSEY P.A., MARCENES W. Global Economic Impact in Dental Diseases. Journal of Dental Research, Vol. xxx, p. 1-7, 2015.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
179
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sessão Científica Bolsista Luana Martins 2015.2

  1. 1. LISTL S., GALLOWAY J., MOSSEY P.A., MARCENES W. Global Economic Impact in Dental Diseases. Journal of Dental Research, Vol. xxx, p. 1-7, 2015. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Luana Rosário Martins Salvador – BA – Brasil Setembro. 2015
  2. 2. • Identificar o ônus econômico de uma doença é útil para compreender o montante máximo de recursos que poderia ser salvo ou adquirido se que esta fosse parcial ou totalmente erradicada. (Rice 1967) • Descrever a magnitude do impacto econômico das doenças dentárias sobre a sociedade pode fornecer informações relevantes às políticas de saúde pública.  No contexto de saúde bucal e cuidado, essas informações têm sido limitadas. • Embora a OMS estime que as doenças orais são o 4º grupo de doenças mais caro para tratar na maioria dos países industrializados, a análise foi feita apenas para alguns países e seus custos diretos. (Petersen 2003)
  3. 3. • Em média, 5% das despesas em saúde têm sido direcionadas ao tratamento de doenças orais. Quando o tratamento é uma consequência onerosa de doenças bucais, pode implicar outros benefícios econômicos. (Organization for Economic Co-operation and Development (OECD), 2013) • Custo benefício de uma intervenção: identifica a disposição de uma população a pagar para reduzir o risco de invalidez ou morte devido a doenças. (Bloom et al., 2012) • O objetivo à investigação futura foi estimar os custos globais (diretos e indiretos) de doenças orais. (Mossey e Petersen, 2014) OBJETIVOS: - Produzir estimativas comparáveis da ônus econômico das 3 condições bucais mais prevalentes; - Consolidar os dados econômicos sobre o custos diretos e indiretos dessas condições; - Gerar estimativas consistentes para todos os países onde os dados estão disponíveis e fornecer estimativas para todas as 21 regiões do mundo.
  4. 4. • Estimar os custos atuais de doenças dentárias no mundo. • Estimativa dos custos  consenso entre os autores. • 2010 - definido como o período primário para estimar os impactos econômicos globais de doenças dentárias  BIP 2010. Custos Diretos Gastos gerais para os cuidados de saúde dentária Incluem despesas públicas e privadas Custos Indiretos Perda de produtividade por 3 condições orais mais comuns: - Cárie não tratada na dentição decídua e permanente; - Periodontite severa; - Perda de múltiplos dentes.
  5. 5. • Seleção dos estudos:  identificar despesa anual (2010 ou ano mais próximo) nacional específica do país para ambulatórios odontológicos. • Busca eletrônica: - OMS: Banco de dados das despesas em saúde global: http://www.who.int/health- accounts/ghed/en/ - OECD: https://data.oecd.org/ - FDI - Atlas de saúde oral: http://issuu.com/myriadeditions/docs/flipbook_oral_health - Plataforma para Melhor Saúde Oral na Europa: http://www.oralhealthplatform.eu - Conselho Europeu de Chief Dental Officers: http://www.cecdo.org/ - Organização de Pesquisa Intergovernamental: http://www.uia.org/igosearch - Google (Pesquisa não-padronizada): http://www.google.com  Estimativas dos Custos Diretos Descritores pesquisados: -“despesa(s)”, -“custo(s)”, -“os custos do tratamento” combinado com “dentista“, -“dentário”, -“dentista”, -“saúde bucal”, -“cuidados de saúde oral”, -“serviços de saúde bucal”, ou “cuidados dentários”.
  6. 6. • 187 países  66 selecionados. (Murray et al. , 2012) • Buscas individuais foram feitas com o respectivo “[nome do país]” como um termo de pesquisa adicional. • Plataformas utilizadas: MEDLINE via PubMed, EMBASE via OVID, LILACS via BIREME, dentre outras.  Estimativas dos Custos Diretos • Relatos representativos de cada país; • Despesas para serviços odontológicos: • Classificação Internacional de Contas de Saúde; • Gastos anuais relatados entre 2000 e 2014, e despesas como valores absolutos monetários ou % do PIB. Critérios de Inclusão • Relatos não-representativos de toda a população de um país ou de partes limitadas de despesas dentárias; • Ex.: apenas gastos privados ou apenas do governo. Critérios de Exclusão (OCDE 2000)
  7. 7. • Valor de PIB per capita em 2010 (FMI 2011) e DALY estimada de cárie não tratada, periodontite grave e perda de múltiplos dentes (<9 dentes) em 187 países. (Marcenes et al., 2013) • Valor do PIB de cada país  agregados no PIB 2010 das 21 regiões e ponderado para os tamanhos das populações de cada país. • Em caso de falta de informações, valores complementares foram extraídos de dados da ONU. (Organização das Nações Unidas, 2015)  Análises  Microsoft Excel (v. 14.0.7015.1000).  Estimativa dos Custos Indiretos Esperança de vida corrigida por incapacidade (DALY) - número de anos que determinado indivíduo pode esperar viver de forma saudável, sem limitações ou incapacidades
  8. 8.  Custos Diretos – Custo dos Tratamentos 82% dos gastos em países de alta renda
  9. 9.  Custos Indiretos
  10. 10. • Tratamentos com custo direto custaram US$ 298bi em 2010  4,6% das despesas globais em saúde. (WHO; 2012) • Custos indiretos (perda de produtividade) estimados em US$ 144bi. • Custos diretos e indiretos somaram um impacto econômico de US$ 442bi apenas em 2010; 83% dos custos diretos foram de países de alta renda. • O estudo sugere que custos indiretos representam perdas econômicas no grupo das 10 causas de morte mais frequentes no mundo. 44% das perdas de produtividade por perda de múltiplos dentes; 38 % - periodontite severa; 17% - cárie não tratada (dentição permanente).
  11. 11. • Para estimar os custos diretos, informações relevantes foram identificadas em apenas 66 de 187 países (35%). • Os resultados enfatizam considerável incerteza na estimativa de custos globais de doenças dentárias.  Na ausência de informações mais completas, as estimativas de despesas globais podem sofrer viéses.
  12. 12. • Limitações de dados e metodologias disponíveis  resultados sugerem que o ônus econômico global das doenças dentárias somaram US$ 442bi em 2010, sendo US$ 298bi atribuídos aos custos diretos e US$ 144bi, aos indiretos. • Os custos das condições bucais podem ser muito maiores do que as condições dentárias, não sendo incluídos no estudo. • Mais pesquisas sobre o custo das condições bucais devem ser realizadas. • Melhorias na saúde bucal da população podem implicar benefícios econômicos consideráveis, não só na redução dos custos de tratamento, mas pelo menor número de perdas de produtividade no mercado de trabalho.

×