Sessão Científica Bolsista Hannah Lira - 2014.2

355 visualizações

Publicada em

Artigo Consultado:Accuracy of implant placement in the posterior maxilla as related to 2 types of surgical guides: A pilot study in the human cadaver.

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sessão Científica Bolsista Hannah Lira - 2014.2

  1. 1. Noharet R, Pettersson A, Bourgeois D. Accuracy of implant placement in the posterior maxilla as related to 2 types of surgical guides: A pilot study in the human cadaver. J Prosthet Dent. 2014 Sep;112(3):526-32. Salvador, 2014 Bolsista: Hannah Lira
  2. 2. Introdução ₪ A análise de pequenos volumes de osso residual foi facilitada pelo progresso no campo da imagem em 3D – Permite o planejamento de implantes com maior precisão do que a imagem em 2D ₪ A dificuldade do uso das imagens 3D surge quando o cirurgião tenta transferir o planejamento virtual para o sítio cirúrgico – A precisão dessa transferência é importante para evitar as complicações Não osseointegração Migração do implante para o seio Sinusite Harris et al., 2002 González-García et al., 2012
  3. 3. Introdução ₪ Métodos cirúrgicos para transferência: – Cirurgia à mão livre – Cirurgia guiada por computador – Cirurgia navegada por computador Tan et al., 2008; Di Giacomo et al., 2005; Walton et al., 2001 • Uso de software para planejamento de implantes • Guia radiográfico • Guia de cirurgia estático que reproduz a posição virtual do implante diretamente calculado a partir de dados tomográficos • Não permite modificação intra-operatória da posição do implante • Utilização de um sistema cirúrgico de navegação que reproduz a posição do implante virtual diretamente calculado através de dados tomográficos e permite mudanças intra-operatórias da posição do implante
  4. 4. Introdução Google Imagens
  5. 5. Introdução Google Imagens
  6. 6. Introdução ₪ Região posterior do maxila – Má qualidade e quantidade de osso residual e pobre acesso – Técnicas de reconstrução (elevação/enxerto de seio) x Utilização de implantes curtos (8 mm ou menos) ou angulados. Van Assche et al., 2010; Van Steenberghe et al., 2005. Podem apresentar riscos e complicações, incluindo perfuração do assoalho do seio e sinusite Tratamento rápido, menos caro, e associado com morbidade reduzida
  7. 7. Objetivo ₪ Comparar a precisão da colocação de implante com cirurgia guiada por computador e cirurgia à mão livre na região posterior de maxilas atróficas. – Hipótese nula: o tipo de cirurgia não tem qualquer efeito na precisão da colocação de implantes
  8. 8. Materiais e métodos ₪ Cadáveres humanos parcialmente desdentados – Número de espécimes: 6 – Laboratório de Anatomia Funcional Departamento da Universidade Paris, França – Características dos cadáveres: o Não tiveram grandes doenças infecciosas o Região posterior da maxila desdentada bilateralmente (2-4 dentes perdidos e classe I Kennedy) o Não haviam raízes residuais ou implantes o Os dentes na região anterior estavam bem conservados e sem mobilidade o Crista residual osso superior a 6 mm de largura o Osso de volume compatível com a colocação de implantes sem enxerto
  9. 9. Materiais e métodos FH (Cirurgia à mão livre A BF GS (Cirurgia Guiada) C DE
  10. 10. Materiais e métodos Moldagem Enceramento Guia radiográfico Marcação com guta percha TC (Guia + Cadáver)
  11. 11. Materiais e métodos ₪ Software (NobelClinician; Nobel Biocare): preparação e plano de tratamento para todos os espécimes ₪ Todos os implantes incluídos no do estudo foram cônicos (NobelSpeedy Groovy [conexão hexágono externo]; Nobel Biocare) e tinham um diâmetro de 4 mm
  12. 12. Materiais e métodos ₪ Grupo FH – Guias radiográficos  Modelos cirúrgicos – Técnica cirúrgica à mão livre: o Broca de 2 mm  assegurar profundidade e o ângulo correspondente o Brocas subseqüentes ₪ Grupo GS – Guia cirúrgico obtido por estereolitografia  Software NobelClinician; Nobel Biocare – Técnica cirúrgica guiada por computadorO mesmo cirurgião (6 anos de experiência), realizou todas as seis cirurgias. Não houve complicações durante as cirurgias.
  13. 13. Materiais e métodos ₪ Após a instalação dos implantes – 2ª TC com configurações idênticas – Os dados da TC pré-operatória e pós-operatória foram cruzados baseadas na unidade voxel (3D  profundidade) ₪ O software calculou o desvio entre a posição planejada e a posição real do implante
  14. 14. Materiais e métodos ₪ A precisão foi avaliada por 4 parâmetros de resultados: plataforma, ápice, ângulo e profundidade. ₪ Resultados 39 implantes - 19 colocados com cirurgia guiada - 20 colocados à mão livre - 12 implantes com comprimento de 7 mm - 27 implantes com comprimento de 10 mm Teste não paramétrico de Kolmogorov Smirnov e Análise Multivariada
  15. 15. Materiais e métodos ₪ Pontos de corte
  16. 16. Resultados ₪ Desvio PLATAFORMA x ÁPICE x ÂNGULO x PROFUNDIDADE – Maior precisão pela técnica de cirurgia guiada por computador – Não houve diferença significativa para a profundidade
  17. 17. Resultados ₪ A cirurgia guiada foi mais precisa do que a cirurgia à mão livre quando levamos em conta o menor desvio do ápice, plataforma e ângulo.
  18. 18. Discussão
  19. 19. Discussão ₪ Outros estudos utilizaram cadáveres humano à base de formol – Amolecimento ósseo devido à desmineralização da formalina, o que pode afetar a colocação do implante ₪ Cadáveres congelados – Condições clínicas melhores – Alteração das propriedades da mucosa Influenciar no posicionamento e na estabilidade do guia, não importando qual técnica foi utilizada. Os resultados finais podem ser afetado. ₪ Petterson et al., 2010 – Estudo semelhante in vivo – Resultados similares Van Assche et al., 2010; Van Steenberghe et al., 2005. Tan et al., 2008; Di Giacomo et al., 2005; Walton et al., 2001
  20. 20. Conclusão ₪ A técnica de cirurgia guiada mostrou resultados significativamente melhores pelos 3 critérios de precisão (plataforma, ápice e ângulo). ₪ A precisão da transferência do planejamento virtual para o sítio cirúrgico é importante.
  21. 21. Referências
  22. 22. Referências

×