Sessão Científica Bolsista Carolina - 2015.1

200 visualizações

Publicada em

Artigo Consultado: Contribution of malocclusion and female facial attractiveness to smile esthetics evaluated by eye tracking.

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sessão Científica Bolsista Carolina - 2015.1

  1. 1. CONTRIBUIÇÃO DA MÁ OCLUSÃO E DA ATRATIVIDADE FACIAL FEMININA PARA A ESTÉTICA DO SORRISO AVALIADA POR RASTREADOR VISUAL Salvador, 2015 Richards RM, Fields Jr. HW; Beck FM; Firestone AR; Walther DB; Rosenstiel S; Sacksteder JM. Contribution of malocclusion and female facial attractiveness to smile esthetics evaluated by eye tracking. American Journal of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics. V: 147, Issue 4, 472–482: April 2015. Bolsista: Carolina Rodrigues
  2. 2. INTRODUÇÃO → Falta de consenso na literatura sobre o peso atrativo/visual que os dentes e a boca possuem diante do perfil facial: Quem possui um peso maior na atratividade: a face como um todo ou a boca e os dentes? Apesar da incerteza, a maioria das pessoas procuram o tratamento ortodôntico, principalmente para melhorar a estética. Salvia J, Algozzine R, Sheare J. (1977); Shaw W. (1981); Shaw W, Rees G, Dawe M, Charles C. (1985); Ostler S, Kiyak H. (1991); Tatarunaite E, Playle R, Hood K, Shaw W, Richmond S. (2005); Kiekens R, Maltha J, van't Hof M. (2006); Jokela M. (2009).
  3. 3. INTRODUÇÃO
  4. 4. INTRODUÇÃO → Movimentos oculares conhecidos como saccades: Podem ser mensurados e classificados de acordo com um rastreador visual O cérebro registra informações apenas durante as fixações de movimento dos olhos. Ao registrar a localização e duração das fixações, é possível saber o que a pessoa considera mais pertinente. Berlyne D. (1958;) Yarbus A. (1967); Loftus G, Mackworth N. (1978); Fisher DF, Karsh R, Breitenbach F, Barnette D. (1983); Corbetta M, Akbudak E, Conturo T, Snyder AZ, Ollinger JM, Drury HA.(1998). → Foi criada uma outra abordagem sobre o estudo da percepção facial para determinar o que os espectadores realmente olham quando se apresentam diante de diferentes imagens faciais. Esta abordagem fornece um método direto e objetivo para avaliar o que é considerado como uma característica facial importante para um espectador. Shimojo S, Simion C, Shimojo E, Scheier C. (2003); Sütterlin B, Brunner TA, Opwis K. (2008).
  5. 5. INTRODUÇÃO O rosto é livre de anomalias ou possui expressão neutra? Fixação nos olhos, nariz e boca Diferenças raciais e étnicas entre os observadores e as imagens visualizadas Althoff R, Cohen N. (1999) ;; Hills PJ, Pake JM. (2013). UTILIZAÇÃO DO RASTREAMENTO OCULAR NA ODONTOLOGIA: Estudo em fissuras lábio-palatinas; Pacientes após o tratamento ortodôntico Meyer-Marcotty P, Gerdes A, Reuther T, Stellzig-Eisenhauer A, Alpers G. (2010). Hickman L, Firestone A, Beck F, Speer S. (2010)
  6. 6. OBJETIVO → O objetivo deste estudo foi determinar se a atratividade dental e facial afeta a atenção visual dos examinadores/participantes e se pode alterar a hierarquia da atenção visual voltada para a face humana.
  7. 7. MATERIAIS E MÉTODOSAPROVADO PELO Comitê de Ética da Ohio State University Passos preliminares foram necessários para criar as imagens compostas com diferentes níveis de atratividade facial e dental utilizada neste estudo. Imagens faciais foram obtidas pela busca de voluntários (18-30 anos de idade) com base na disponibilidade no campus universitário (n = 207). Dois retratos faciais frontais (1 mostrando os lábios mas não os dentes, e um com um sorriso confiante) de cada pessoa foram feitas usando uma câmera Modelos que foram julgados com uma distração significativa foram eliminados.
  8. 8. MATERIAIS E MÉTODOS → 36 adultos jovens sem experiência profissional na odontologia classificaram 199 imagens faciais com os lábios unidos mas sem mostrar os dentes e as imagens mostrando o sorriso. Classificação por nível de atratividade As imagens foram projetadas em ordem aleatória 41 imagens (20,6%) foram repetidas em ordem aleatória para determinar a confiabilidade.→ As imagens foram classificadas com base na média de atratividade. O primeiro grupo teve uma média inferior a 1,5 (pouco atraente); o segundo grupo teve escores perto de 2 (1,8-2,4), denotando a atratividade média; e o terceiro grupo teve classificações iguais ou superiores a 2,5 (atraentes).
  9. 9. MATERIAIS E MÉTODOS→ A próxima etapa envolveu a coleta de imagens das dentições: Índice de Tratamento Ortodôntico (IOTN): Componente Estético (AC) A cada uma das imagens frontais dentárias foi atribuído um grau AC-IOTN (1-10) por um investigador (MRR) Todas as imagens foram avaliadas por ortodontistas experientes para confirmar o grau de atratividade dental, conforme definido pelo AC-IOTN. Os 3 níveis de atratividade facial foram combinados com uma fissura labial unilateral reparada. Isto foi feito para estabelecer a validade do método de rastreamento ocular para a região oral da face.
  10. 10. MATERIAIS E MÉTODOS
  11. 11. MATERIAIS E MÉTODOS Todas as imagens faciais pouco atraentes tiveram um ranking de atratividade inferior a 1,40. As faces consideradas normais ou dentro do padrão de atratividade variaram em classificação 1,90-2,11, e os rostos atraentes tiveram classificações superiores a 2,60.
  12. 12. MATERIAIS E MÉTODOS Áreas de interesse do rosto foram definidos, onde o olhar do participante parou por 80 ms ou mais ao ver cada imagem(a fixação) : Estas áreas foram testa, cabelos, sobrancelhas, olhos, nariz, boca, fenda (se houvesse), bochechas, queixo e orelhas.
  13. 13. MATERIAIS E MÉTODOS → 78 participantes recrutados: Critérios e inclusão e exclusão Depois de obtido o consentimento, os participantes foram posicionados no eye tracker (EyeLink 1000; SR Research) e calibrados Após o rastreamento, os participantes foram convidados a preencher um pequeno questionário perguntando qual o recurso facial eles olharam primeiro e, em seguida, eles também foram convidados a responder voluntariamente sobre dados demográficos, incluindo idade, sexo e etnia. Apenas os modelos brancos foram usados em uma tentativa de eliminar a variável da etnia porque diferentes grupos étnicos têm características faciais e variadas.
  14. 14. RESULTADOS
  15. 15. RESULTADOS
  16. 16. RESULTADOS
  17. 17. RESULTADOS
  18. 18. RESULTADOS
  19. 19. DISCUSSÃO Hickman et al. (2010) A localização da primeira fixação na imagem utilizando-se o rastreador visual não foi confiável. Esse estudo também mostrou pouca confiabilidade para as medidas de área referentes ao número máximo de fixações (densidade de fixação) e área de duração máxima de fixação. → Neste estudo, os valores de confiabilidade para a área de densidade e área de duração da fixação foram classificadas como moderada a muito boa.
  20. 20. DISCUSSÃO → Em um estudo recente com participantes brancos e negros foi observado que os olhos e o nariz eram visualizados com mais frequência do que a boca pelos participantes brancos e negros respectivamente. Hills PJ, Pake JM (2013) → Neste estudo, os olhos foram a característica facial mais proeminente, seguido, consecutivamente, pela boca. Roberts et al. (2015) → Embora outros pesquisadores relatem que os olhos são secundários em relação à região oral na determinação da atratividade facial como um todo, não tem sido atribuído à boca importância primária significante. Terry et al. (1977); Tatarunaite et al. (2005); Kiekens et al. (2006) → Neste estudo, os resultados também mostram uma interação significativa entre a área do rosto e o nível de atratividade facial e dental. Roberts et al. (2015)
  21. 21. DISCUSSÃO → Neste estudo, a boca ganhou equivalência estatística com os olhos em qualquer IOTN 7 ou 10. Roberts et al. (2015) → Chang et al (2011) também descobriram que a atratividade facial afeta características do sorriso; → Sütterlin et al (2008) pesquisa com características atraentes e poucos atraentes; → Meyer-Marcotty et al (2010) pesquisa com pacientes que repararam fendas nasolabiais cirurgicamente
  22. 22. 1. Eye Tracking (Rastreador visual) é um método confiável e objetivo para avaliação da atenção visual dos traços faciais; 2. Os olhos constituem a característica facial que mais chama a atenção, seguido pela boca, tanto em duração quanto em número de fixações. CONCLUSÃO
  23. 23. 3. O grau de atratividade do sorriso afetou a forma como o público olhou para rostos analisados em questão , e o nível de atratividade facial era um fator independente para modificar esse comportamento. CONCLUSÃO
  24. 24. 4. Isoladamente (sem envolvimento nasal) uma fissura labial unilateral reparada e com dentes atraentes tem menos efeito na atenção visual dos telespectadores do que a boca com um sorriso desinteressante sem uma fenda nasolabial CONCLUSÃO
  25. 25. 5. O sexo do espectador afetou a atenção dada às diferentes áreas faciais para duração e fixações. CONCLUSÃO
  26. 26. CONCLUSÃO
  27. 27. REFERÊNCIAS
  28. 28. REFERÊNCIAS
  29. 29. REFERÊNCIAS

×