SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013

1º Estudo de Interpretação de Texto
Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013
Conteúdo
1. A Narrativa Heroica (herói clássico, contemporâneo e antiherói);
2. Principais tipos de narrador (observador e personagem);
3. Interpretação de Textos;
4. Livro de Férias: “As Crônicas de Nárnia: Príncipe Cáspian”.
1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013

1. A NARRATIVA HERÓICA
O Herói
Os heróis, é claro, têm a ideia de lutar pelo
bem. Seu caráter é de não ser humano, no sentido de
que não cometem erros, têm poderes e são perfeitos.
Um exemplo de herói clássico é o Super-Homem,
pois não é humano, têm super poderes, é perfeito e
faz o bem.

O Anti-herói
Como o herói, a ideia de ser anti-herói é lutar pelo bem. Porém,
existem diferenças entre esses dois tipos de heroísmo, pois o anti-herói se
caracteriza por ser um herói com defeitos, humano, que apresenta
impasses (Situação embaraçosa da qual é difícil sair bem).
Um exemplo de anti-herói é o Batman, um humano, tem defeitos e
tem um dilema (situação embaraçosa entre duas soluções fatais, ambas
difíceis ou penosas).
Outro exemplo é Dom Quixote, pois ele era louco, suas ideias de
defender os pobres e oprimidos, ser cortês, ter honra, e ter o
cristianismo como religião era estranho em sua época, porém percebemos
que estes seriam os ideiais (elevações dos ideiais) que deveríamos seguir.
1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013

O anti-herói é um “protagonista de uma obra sem as qualidades e
virtudes do herói clássico; o anti-herói é a personagem típica da novela
picaresca espanhola, uma personagem de pouco caráter, cínica e astuta.”
(anti-herói. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-04-28].Disponível na
www: <URL: http://www.infopedia.pt/$anti-heroi>.)

Herói contemporâneo
É um herói do dia-a-dia, do cotidiano, que em geral é um herói oculto,
não valorizado, mas é real.
Exemplos de heróis do cotidiano são os nossos pais, os bombeiros,
médicos professores, etc.

O HERÓI
1.

Indivíduo que se destaca por um ato de extraordinária coragem,

valentia, força de caráter, ou outra qualidade considerada notável.
2.

aquele que é admirado por qualquer motivo, constituindo o centro

das atenções.
3.

CINEMA, LITERATURA - protagonista.

4.

MITOLOGIA - personagem nascida de um ser divino e outro mortal.

(Do grego héros, «chefe», pelo latim herōe -, «herói; homem célebre»).
herói In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-04-28].
Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/lingua-portuguesa/her%C3%B3i>.
1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013

-O herói, anti-herói e o herói contemporâneo são diferentes do
antagonista. Eles lutam pelo BEM.

2. PRINCIPAIS TIPOS DE NARRADOR
o

Narrador observador = fatos narrados em 3ª pessoa. O
narrador não participa da história. Narra de forma neutra.

o

Narrador personagem = fatos narrados em 1ª pessoa. O
narrador participa da história. Dá a sua opinião diante das
situações.

-Ao ler os textos a seguir, observe que tipo de narrador é usado
nas narrativas.
1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013

3. INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS
É preciso se levantar cedo?
A partir do momento em que a lógica popular desenrola diante
de nós sua sequência de surpresas, é inevitável que vejamos surgir a
figura do grande contador de histórias turco, Nasreddin Hodja. Ele é
o mestre nessa matéria. Aos seus olhos a vida é um despropósito
coerente, ao qual é fundamental que nós nos acomodemos.
Deste modo, quando era jovem ainda, seu pai um dia lhe disse:
– Você devia se levantar cedo, meu filho.
– E por quê, pai?
– Porque é um hábito muito bom. Um dia eu me levantei ao
amanhecer e encontrei um saco de ouro no meu caminho.
– Alguém o tinha perdido na véspera, à noite?
– Não, não – disse o pai. – Ele não estava lá na noite
anterior. Senão eu teria percebido ao voltar para casa.
– Então – disse Nasreddin –, o homem que perdeu o ouro
tinha se levantando ainda mais cedo. Você está vendo que esse
negócio de levantar cedo não é bom para todo mundo.

(CARRIÈRE, Jean-Claude. O círculo dos mentirosos: contos
filosóficos do mundo inteiro. São Paulo: Códex, 2004.)
QUESTÕES
1- O diálogo entre pai e filho permite entender que
(A) pai e filho não se dão bem.
(B) pai e filho têm os mesmos hábitos.
(C) pai e filho encontraram um saco de ouro.
(D) pai e filho pensam de forma diferente.

2- O uso do vocábulo “então”, que abre a fala final de Nasreddin,
serve para que apresente ao seu pai
1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013

(A) a conclusão que tirou da resposta.

(B) a hora de encerrarem
aquela conversa.

(C) a justificativa para acordar mais tarde.

(D) a hipótese de

____________________________________________que estava com a razão.
O silêncio do rouxinol
[...]
Na época de Salomão, o melhor dos reis, um comprou um
rouxinol que possuía uma voz excepcional. Colocou-o numa gaiola em
que nada faltava ao pássaro e na qual ele cantava, horas a fio, para
encanto da vizinhança.
Certo dia, em que a gaiola havia sido transportada para uma
varanda, outro pássaro se aproximou, disse qualquer coisa ao rouxinol
e voou. A partir desse momento, o incomparável rouxinol emudeceu.
Desesperado, o homem levou seu pássaro à presença do
profeta Salomão, que conhecia a linguagem dos animais, e lhe pediu
que perguntasse ao pássaro o motivo de seu silêncio.
O rouxinol disse a Salomão:
– Antigamente eu não conhecia nem caçador, nem gaiola.
Depois me apresentaram a uma armadilha, com uma isca bem
apetitosa, e caí nela, levado pelo meu desejo. O caçador de pássaros
levou-me, vendeu-me no mercado, longe da minha família, e fui
parar na gaiola deste homem que aí está. Comecei a me lamentar
noite e dia, lamentos que este homem tomava por cantos de
gratidão e alegria. Até o dia em que outro pássaro veio me dizer:
“Pare de chorar, porque é por causa dos seus gemidos que eles o
mantêm nessa gaiola”. Então, decidi me calar.
Salomão traduziu essas poucas frases para o proprietário do
pássaro. O homem se perguntou: “De que adianta manter preso um
rouxinol, se ele não canta?”. E lhe devolveu a liberdade.
CARRIÈRE. Jean-Claude. O círculo dos mentirosos: contos filosóficos

do mundo inteiro. São Paulo: Códex, 2004.
1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013

QUESTÕES
3- O fato que gera o conflito na história é o pássaro
(A) possuir uma voz excepcional.

(B) ter emudecido.

(C) ser um rouxinol.

(D) encantar a vizinhança.

4- No trecho “...cantava, horas a fio, para encanto da multidão.”,
a expressão “horas a fio” tem o sentido de
(A) de vez em quando.

(B) durante muito tempo.

(C) pousado em um fio. (D) sem cobrar por isso.

5- A decisão de não mais cantar, comunicada pelo rouxinol a
Salomão, que a traduziu para o homem, teve, como consequência, o
homem
(A) não entender a tradução. (B) ficar desesperado.
(C) libertar o rouxinol.

(D) silenciar o rouxinol.

6- O trecho do texto que contém uma opinião é
(A) “Na época de Salomão, o melhor dos reis,...”.
(B) “Pediu que perguntasse ao pássaro o motivo de seu silêncio.”...
(C) “Comecei a me lamentar noite e dia,...”.
(D) “E lhe devolveu a liberdade.”.
1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013

(Gabarito)
1 - (D) pai e filho pensam de forma diferente.
2 - (A) a conclusão que tirou da resposta.
3 - (B) ter emudecido.
4 - (B) durante muito tempo.
5 - (C) libertar o rouxinol.
6 - (A) “Na época de Salomão, o melhor dos reis,...”.

4. COMENTÁRIOS SOBRE O LIVRO “O PRÍNCIPE
CASPIAN”
(Este livro foi escrito por Clive Staples Lewis).
O livro faz parte da coleção “As Crônicas de Nárnia”
- 1º O Sobrinho do Mago
- 2º O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa
- 3º O Cavalo e seu Menino
- 4º O Príncipe Cáspian
- 5º A Viagem do Peregrino da Alvorada
- 6º A Cadeira de Prata
- 7º A Última Batalha

Crônica
o

Cronos (tempo)

o

Contar a história de uma nação desde seu Nascimento

O livro começa a história com “Era uma vez” o que determina: um
passado remoto (longínquo), perene (válida para qualquer tempo).
1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013

Comentários
É possível observar que a coleção das Crônicas de Nárnia,
uma simbologia religiosa cristã. Talvez, para facilitar o
ensinamento da religião de forma divertida e em que o
compreendimento é mais simples.
Aslam, de certa forma, representa Deus, é ele que cria
Nárnia. Essa história, essa gênese, é narrada no primeiro livro.
O Leão também é sacrificado e depois ressuscita, coisa que
acontece na vida de Cristo.
Existem vários sentidos do livro “O Príncipe Cáspian”,
um dos observados é a lição da Fé, porque muitos animais
falantes não deixaram de acreditar na antiga história de Aslam
(dos grandes reis), também acontecem muitas “conversões” a
respeito da história dos grandes reis. Trumpkin, que não
acreditava nessas histórias, converteu-se ao conhecer Aslam. O
próprio Cáspian também, pois acreditava um pouco incerto,
não tinha total fé nisso, ele só tinha gosto pela história. Se
pararmos para pensar, talvez encontremos vários, e isso para
cada livro.

BOM ESTUDO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Simulado 7. (port. 5º ano)
Simulado 7. (port. 5º ano)Simulado 7. (port. 5º ano)
Simulado 7. (port. 5º ano)Cidinha Paulo
 
Atividade de leitura e interpretação 9º ano
Atividade de leitura e interpretação 9º anoAtividade de leitura e interpretação 9º ano
Atividade de leitura e interpretação 9º anoGeija Fortunato
 
Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade Olivier Fausti Olivier
 
Palavras homónimas
Palavras homónimasPalavras homónimas
Palavras homónimasRute Almeida
 
Atividade de Língua Portuguesa - Revisão Prova Brasil - 5º ano
Atividade de  Língua Portuguesa - Revisão Prova Brasil - 5º anoAtividade de  Língua Portuguesa - Revisão Prova Brasil - 5º ano
Atividade de Língua Portuguesa - Revisão Prova Brasil - 5º anoMary Alvarenga
 
7º ano vi5 gabarito
7º ano   vi5 gabarito7º ano   vi5 gabarito
7º ano vi5 gabaritoKarla Costa
 
Avaliação de Língua Portuguesa _alfabetização
Avaliação de Língua Portuguesa _alfabetizaçãoAvaliação de Língua Portuguesa _alfabetização
Avaliação de Língua Portuguesa _alfabetizaçãoIsa ...
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4GernciadeProduodeMat
 
Simulado língua portuguesa 9º ano - SAEPE
Simulado língua portuguesa 9º ano - SAEPESimulado língua portuguesa 9º ano - SAEPE
Simulado língua portuguesa 9º ano - SAEPEMarcia Oliveira
 
A onça e o macaco
A onça e o macacoA onça e o macaco
A onça e o macacoRose Tavares
 
Conto de suspense e atividade.
Conto  de suspense e  atividade.Conto  de suspense e  atividade.
Conto de suspense e atividade.Mary Alvarenga
 

Mais procurados (20)

D13 (5º ano l.p.)
D13 (5º ano   l.p.)D13 (5º ano   l.p.)
D13 (5º ano l.p.)
 
Produção textual
Produção textual Produção textual
Produção textual
 
Prova folclore
Prova folcloreProva folclore
Prova folclore
 
Atividades de por análise de propaganda
Atividades de por análise de propagandaAtividades de por análise de propaganda
Atividades de por análise de propaganda
 
Trava língua O Rato -
Trava língua O Rato - Trava língua O Rato -
Trava língua O Rato -
 
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANOINTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
 
Simulado 7. (port. 5º ano)
Simulado 7. (port. 5º ano)Simulado 7. (port. 5º ano)
Simulado 7. (port. 5º ano)
 
Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano ...
   Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano     ...   Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano     ...
Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano ...
 
Atividade de leitura e interpretação 9º ano
Atividade de leitura e interpretação 9º anoAtividade de leitura e interpretação 9º ano
Atividade de leitura e interpretação 9º ano
 
Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade
 
atividade-literatura-de-cordel-celpe
atividade-literatura-de-cordel-celpeatividade-literatura-de-cordel-celpe
atividade-literatura-de-cordel-celpe
 
Palavras homónimas
Palavras homónimasPalavras homónimas
Palavras homónimas
 
Atividade de Língua Portuguesa - Revisão Prova Brasil - 5º ano
Atividade de  Língua Portuguesa - Revisão Prova Brasil - 5º anoAtividade de  Língua Portuguesa - Revisão Prova Brasil - 5º ano
Atividade de Língua Portuguesa - Revisão Prova Brasil - 5º ano
 
7º ano vi5 gabarito
7º ano   vi5 gabarito7º ano   vi5 gabarito
7º ano vi5 gabarito
 
Avaliação de Língua Portuguesa _alfabetização
Avaliação de Língua Portuguesa _alfabetizaçãoAvaliação de Língua Portuguesa _alfabetização
Avaliação de Língua Portuguesa _alfabetização
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
 
Simulado língua portuguesa 9º ano - SAEPE
Simulado língua portuguesa 9º ano - SAEPESimulado língua portuguesa 9º ano - SAEPE
Simulado língua portuguesa 9º ano - SAEPE
 
A onça e o macaco
A onça e o macacoA onça e o macaco
A onça e o macaco
 
Conto de suspense e atividade.
Conto  de suspense e  atividade.Conto  de suspense e  atividade.
Conto de suspense e atividade.
 
Notícia gênero textual
Notícia gênero textualNotícia gênero textual
Notícia gênero textual
 

Semelhante a 1º estudo de interpretação de texto - 7º ano

Fazenda Modelo - Chico Buarque - Considerações.pptx
Fazenda Modelo  - Chico Buarque  - Considerações.pptxFazenda Modelo  - Chico Buarque  - Considerações.pptx
Fazenda Modelo - Chico Buarque - Considerações.pptxCrisBiagio
 
Fábula - Texto Narrativo.pdf
Fábula - Texto Narrativo.pdfFábula - Texto Narrativo.pdf
Fábula - Texto Narrativo.pdfIgor71257
 
03 narracao ficcional ii
03   narracao ficcional ii03   narracao ficcional ii
03 narracao ficcional iimarcelocaxias
 
Ficha de leitura do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.
Ficha de leitura do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.Ficha de leitura do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.
Ficha de leitura do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.Gabriela Gomes
 
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...weleslima
 
o que aprendi sobre contos, organização, estrutura
o que aprendi sobre contos, organização, estruturao que aprendi sobre contos, organização, estrutura
o que aprendi sobre contos, organização, estruturassuser784e30
 
Simulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabaritoSimulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabaritoRoseli Aparecida Tavares
 
Alçapão para gigantes, de Péricles Prade
Alçapão para gigantes, de Péricles PradeAlçapão para gigantes, de Péricles Prade
Alçapão para gigantes, de Péricles PradeBlogPP
 
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertTrabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertDoug Petrova
 
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaModernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaTamara Amaral
 
Narracao
NarracaoNarracao
NarracaoDior FG
 

Semelhante a 1º estudo de interpretação de texto - 7º ano (20)

Fazenda Modelo - Chico Buarque - Considerações.pptx
Fazenda Modelo  - Chico Buarque  - Considerações.pptxFazenda Modelo  - Chico Buarque  - Considerações.pptx
Fazenda Modelo - Chico Buarque - Considerações.pptx
 
Fábula - Texto Narrativo.pdf
Fábula - Texto Narrativo.pdfFábula - Texto Narrativo.pdf
Fábula - Texto Narrativo.pdf
 
6º ano reda cem - 6.3
6º ano   reda cem - 6.36º ano   reda cem - 6.3
6º ano reda cem - 6.3
 
03 narracao ficcional ii
03   narracao ficcional ii03   narracao ficcional ii
03 narracao ficcional ii
 
Ficha de leitura do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.
Ficha de leitura do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.Ficha de leitura do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.
Ficha de leitura do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.
 
Narracao
NarracaoNarracao
Narracao
 
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
 
Foco narrativo.pptx
Foco narrativo.pptxFoco narrativo.pptx
Foco narrativo.pptx
 
o que aprendi sobre contos, organização, estrutura
o que aprendi sobre contos, organização, estruturao que aprendi sobre contos, organização, estrutura
o que aprendi sobre contos, organização, estrutura
 
Gênero textual narrativo do Ensino Médio: conto
Gênero textual narrativo do Ensino Médio: contoGênero textual narrativo do Ensino Médio: conto
Gênero textual narrativo do Ensino Médio: conto
 
Narracao
NarracaoNarracao
Narracao
 
Simulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabaritoSimulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabarito
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESAAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
 
Alçapão para gigantes, de Péricles Prade
Alçapão para gigantes, de Péricles PradeAlçapão para gigantes, de Péricles Prade
Alçapão para gigantes, de Péricles Prade
 
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertTrabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
 
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaModernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
 
Aquisições - Biblioteca D. Luís de Loureiro
Aquisições - Biblioteca D. Luís de LoureiroAquisições - Biblioteca D. Luís de Loureiro
Aquisições - Biblioteca D. Luís de Loureiro
 
Lendas
LendasLendas
Lendas
 
O principezinho
O principezinhoO principezinho
O principezinho
 
Narracao
NarracaoNarracao
Narracao
 

Mais de Luiza Collet

Revisão A06_Dor Torácica na Emergência.pdf
Revisão A06_Dor Torácica na Emergência.pdfRevisão A06_Dor Torácica na Emergência.pdf
Revisão A06_Dor Torácica na Emergência.pdfLuiza Collet
 
3rd revision of english - 7th grade – 2nd quarter
3rd revision of english - 7th grade – 2nd quarter3rd revision of english - 7th grade – 2nd quarter
3rd revision of english - 7th grade – 2nd quarterLuiza Collet
 
3ºestudo de história – 7º ano - abril
3ºestudo de história – 7º ano - abril3ºestudo de história – 7º ano - abril
3ºestudo de história – 7º ano - abrilLuiza Collet
 
3º estudo de gramática - 7º ano – agosto
3º estudo de gramática - 7º ano  – agosto3º estudo de gramática - 7º ano  – agosto
3º estudo de gramática - 7º ano – agostoLuiza Collet
 
3º estudo de ciências - 7º ano – novembro
3º estudo de ciências - 7º ano – novembro3º estudo de ciências - 7º ano – novembro
3º estudo de ciências - 7º ano – novembroLuiza Collet
 
3rd revision of english – 7th grade/ 8th grade – 1st quarter
3rd revision of english – 7th grade/ 8th grade – 1st quarter3rd revision of english – 7th grade/ 8th grade – 1st quarter
3rd revision of english – 7th grade/ 8th grade – 1st quarterLuiza Collet
 
3º estudo de ciências – 7º ano – abril
3º estudo de ciências – 7º ano –  abril3º estudo de ciências – 7º ano –  abril
3º estudo de ciências – 7º ano – abrilLuiza Collet
 
2revisión de español – 7º ano – abril
2revisión de español – 7º ano – abril2revisión de español – 7º ano – abril
2revisión de español – 7º ano – abrilLuiza Collet
 
2ºestudo de história - 7º ano – março - 1º trimestre – 2013
2ºestudo de história - 7º ano – março - 1º trimestre – 20132ºestudo de história - 7º ano – março - 1º trimestre – 2013
2ºestudo de história - 7º ano – março - 1º trimestre – 2013Luiza Collet
 
2º estudo de gramática - 7º ano - março e abril
2º estudo de gramática - 7º ano - março e abril 2º estudo de gramática - 7º ano - março e abril
2º estudo de gramática - 7º ano - março e abril Luiza Collet
 
2º estudo de gramática - 7º ano – junho
2º estudo de gramática - 7º ano – junho2º estudo de gramática - 7º ano – junho
2º estudo de gramática - 7º ano – junhoLuiza Collet
 
3º estudo de ciências - 7º ano – agosto
3º estudo de ciências - 7º ano – agosto3º estudo de ciências - 7º ano – agosto
3º estudo de ciências - 7º ano – agostoLuiza Collet
 
2º estudo de ciências – 7º ano - outubro
2º estudo de ciências  – 7º ano - outubro 2º estudo de ciências  – 7º ano - outubro
2º estudo de ciências – 7º ano - outubro Luiza Collet
 
2º estudo de ciências - 7º ano – março
2º estudo de ciências - 7º ano – março2º estudo de ciências - 7º ano – março
2º estudo de ciências - 7º ano – marçoLuiza Collet
 
2º estudo de ciências – 7º ano – maio
2º estudo de ciências – 7º ano – maio2º estudo de ciências – 7º ano – maio
2º estudo de ciências – 7º ano – maioLuiza Collet
 
2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 3rd quarter
2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 3rd quarter2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 3rd quarter
2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 3rd quarterLuiza Collet
 
2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 1st quarter
2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 1st quarter2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 1st quarter
2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 1st quarterLuiza Collet
 
2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre
2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre
2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestreLuiza Collet
 
2ª revisión de español - octubre - 7º año
2ª  revisión de español  - octubre - 7º año2ª  revisión de español  - octubre - 7º año
2ª revisión de español - octubre - 7º añoLuiza Collet
 
2ª revisión de español - agosto - 7º año
2ª  revisión de español  - agosto - 7º año2ª  revisión de español  - agosto - 7º año
2ª revisión de español - agosto - 7º añoLuiza Collet
 

Mais de Luiza Collet (20)

Revisão A06_Dor Torácica na Emergência.pdf
Revisão A06_Dor Torácica na Emergência.pdfRevisão A06_Dor Torácica na Emergência.pdf
Revisão A06_Dor Torácica na Emergência.pdf
 
3rd revision of english - 7th grade – 2nd quarter
3rd revision of english - 7th grade – 2nd quarter3rd revision of english - 7th grade – 2nd quarter
3rd revision of english - 7th grade – 2nd quarter
 
3ºestudo de história – 7º ano - abril
3ºestudo de história – 7º ano - abril3ºestudo de história – 7º ano - abril
3ºestudo de história – 7º ano - abril
 
3º estudo de gramática - 7º ano – agosto
3º estudo de gramática - 7º ano  – agosto3º estudo de gramática - 7º ano  – agosto
3º estudo de gramática - 7º ano – agosto
 
3º estudo de ciências - 7º ano – novembro
3º estudo de ciências - 7º ano – novembro3º estudo de ciências - 7º ano – novembro
3º estudo de ciências - 7º ano – novembro
 
3rd revision of english – 7th grade/ 8th grade – 1st quarter
3rd revision of english – 7th grade/ 8th grade – 1st quarter3rd revision of english – 7th grade/ 8th grade – 1st quarter
3rd revision of english – 7th grade/ 8th grade – 1st quarter
 
3º estudo de ciências – 7º ano – abril
3º estudo de ciências – 7º ano –  abril3º estudo de ciências – 7º ano –  abril
3º estudo de ciências – 7º ano – abril
 
2revisión de español – 7º ano – abril
2revisión de español – 7º ano – abril2revisión de español – 7º ano – abril
2revisión de español – 7º ano – abril
 
2ºestudo de história - 7º ano – março - 1º trimestre – 2013
2ºestudo de história - 7º ano – março - 1º trimestre – 20132ºestudo de história - 7º ano – março - 1º trimestre – 2013
2ºestudo de história - 7º ano – março - 1º trimestre – 2013
 
2º estudo de gramática - 7º ano - março e abril
2º estudo de gramática - 7º ano - março e abril 2º estudo de gramática - 7º ano - março e abril
2º estudo de gramática - 7º ano - março e abril
 
2º estudo de gramática - 7º ano – junho
2º estudo de gramática - 7º ano – junho2º estudo de gramática - 7º ano – junho
2º estudo de gramática - 7º ano – junho
 
3º estudo de ciências - 7º ano – agosto
3º estudo de ciências - 7º ano – agosto3º estudo de ciências - 7º ano – agosto
3º estudo de ciências - 7º ano – agosto
 
2º estudo de ciências – 7º ano - outubro
2º estudo de ciências  – 7º ano - outubro 2º estudo de ciências  – 7º ano - outubro
2º estudo de ciências – 7º ano - outubro
 
2º estudo de ciências - 7º ano – março
2º estudo de ciências - 7º ano – março2º estudo de ciências - 7º ano – março
2º estudo de ciências - 7º ano – março
 
2º estudo de ciências – 7º ano – maio
2º estudo de ciências – 7º ano – maio2º estudo de ciências – 7º ano – maio
2º estudo de ciências – 7º ano – maio
 
2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 3rd quarter
2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 3rd quarter2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 3rd quarter
2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 3rd quarter
 
2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 1st quarter
2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 1st quarter2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 1st quarter
2nd revision of english - 7th grade/ 8th grade – 1st quarter
 
2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre
2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre
2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre
 
2ª revisión de español - octubre - 7º año
2ª  revisión de español  - octubre - 7º año2ª  revisión de español  - octubre - 7º año
2ª revisión de español - octubre - 7º año
 
2ª revisión de español - agosto - 7º año
2ª  revisión de español  - agosto - 7º año2ª  revisión de español  - agosto - 7º año
2ª revisión de español - agosto - 7º año
 

Último

As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 

Último (20)

As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 

1º estudo de interpretação de texto - 7º ano

  • 1. 1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013 1º Estudo de Interpretação de Texto Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013 Conteúdo 1. A Narrativa Heroica (herói clássico, contemporâneo e antiherói); 2. Principais tipos de narrador (observador e personagem); 3. Interpretação de Textos; 4. Livro de Férias: “As Crônicas de Nárnia: Príncipe Cáspian”.
  • 2. 1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013 1. A NARRATIVA HERÓICA O Herói Os heróis, é claro, têm a ideia de lutar pelo bem. Seu caráter é de não ser humano, no sentido de que não cometem erros, têm poderes e são perfeitos. Um exemplo de herói clássico é o Super-Homem, pois não é humano, têm super poderes, é perfeito e faz o bem. O Anti-herói Como o herói, a ideia de ser anti-herói é lutar pelo bem. Porém, existem diferenças entre esses dois tipos de heroísmo, pois o anti-herói se caracteriza por ser um herói com defeitos, humano, que apresenta impasses (Situação embaraçosa da qual é difícil sair bem). Um exemplo de anti-herói é o Batman, um humano, tem defeitos e tem um dilema (situação embaraçosa entre duas soluções fatais, ambas difíceis ou penosas). Outro exemplo é Dom Quixote, pois ele era louco, suas ideias de defender os pobres e oprimidos, ser cortês, ter honra, e ter o cristianismo como religião era estranho em sua época, porém percebemos que estes seriam os ideiais (elevações dos ideiais) que deveríamos seguir.
  • 3. 1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013 O anti-herói é um “protagonista de uma obra sem as qualidades e virtudes do herói clássico; o anti-herói é a personagem típica da novela picaresca espanhola, uma personagem de pouco caráter, cínica e astuta.” (anti-herói. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-04-28].Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/$anti-heroi>.) Herói contemporâneo É um herói do dia-a-dia, do cotidiano, que em geral é um herói oculto, não valorizado, mas é real. Exemplos de heróis do cotidiano são os nossos pais, os bombeiros, médicos professores, etc. O HERÓI 1. Indivíduo que se destaca por um ato de extraordinária coragem, valentia, força de caráter, ou outra qualidade considerada notável. 2. aquele que é admirado por qualquer motivo, constituindo o centro das atenções. 3. CINEMA, LITERATURA - protagonista. 4. MITOLOGIA - personagem nascida de um ser divino e outro mortal. (Do grego héros, «chefe», pelo latim herōe -, «herói; homem célebre»). herói In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-04-28]. Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/lingua-portuguesa/her%C3%B3i>.
  • 4. 1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013 -O herói, anti-herói e o herói contemporâneo são diferentes do antagonista. Eles lutam pelo BEM. 2. PRINCIPAIS TIPOS DE NARRADOR o Narrador observador = fatos narrados em 3ª pessoa. O narrador não participa da história. Narra de forma neutra. o Narrador personagem = fatos narrados em 1ª pessoa. O narrador participa da história. Dá a sua opinião diante das situações. -Ao ler os textos a seguir, observe que tipo de narrador é usado nas narrativas.
  • 5. 1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013 3. INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS É preciso se levantar cedo? A partir do momento em que a lógica popular desenrola diante de nós sua sequência de surpresas, é inevitável que vejamos surgir a figura do grande contador de histórias turco, Nasreddin Hodja. Ele é o mestre nessa matéria. Aos seus olhos a vida é um despropósito coerente, ao qual é fundamental que nós nos acomodemos. Deste modo, quando era jovem ainda, seu pai um dia lhe disse: – Você devia se levantar cedo, meu filho. – E por quê, pai? – Porque é um hábito muito bom. Um dia eu me levantei ao amanhecer e encontrei um saco de ouro no meu caminho. – Alguém o tinha perdido na véspera, à noite? – Não, não – disse o pai. – Ele não estava lá na noite anterior. Senão eu teria percebido ao voltar para casa. – Então – disse Nasreddin –, o homem que perdeu o ouro tinha se levantando ainda mais cedo. Você está vendo que esse negócio de levantar cedo não é bom para todo mundo. (CARRIÈRE, Jean-Claude. O círculo dos mentirosos: contos filosóficos do mundo inteiro. São Paulo: Códex, 2004.) QUESTÕES 1- O diálogo entre pai e filho permite entender que (A) pai e filho não se dão bem. (B) pai e filho têm os mesmos hábitos. (C) pai e filho encontraram um saco de ouro. (D) pai e filho pensam de forma diferente. 2- O uso do vocábulo “então”, que abre a fala final de Nasreddin, serve para que apresente ao seu pai
  • 6. 1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013 (A) a conclusão que tirou da resposta. (B) a hora de encerrarem aquela conversa. (C) a justificativa para acordar mais tarde. (D) a hipótese de ____________________________________________que estava com a razão. O silêncio do rouxinol [...] Na época de Salomão, o melhor dos reis, um comprou um rouxinol que possuía uma voz excepcional. Colocou-o numa gaiola em que nada faltava ao pássaro e na qual ele cantava, horas a fio, para encanto da vizinhança. Certo dia, em que a gaiola havia sido transportada para uma varanda, outro pássaro se aproximou, disse qualquer coisa ao rouxinol e voou. A partir desse momento, o incomparável rouxinol emudeceu. Desesperado, o homem levou seu pássaro à presença do profeta Salomão, que conhecia a linguagem dos animais, e lhe pediu que perguntasse ao pássaro o motivo de seu silêncio. O rouxinol disse a Salomão: – Antigamente eu não conhecia nem caçador, nem gaiola. Depois me apresentaram a uma armadilha, com uma isca bem apetitosa, e caí nela, levado pelo meu desejo. O caçador de pássaros levou-me, vendeu-me no mercado, longe da minha família, e fui parar na gaiola deste homem que aí está. Comecei a me lamentar noite e dia, lamentos que este homem tomava por cantos de gratidão e alegria. Até o dia em que outro pássaro veio me dizer: “Pare de chorar, porque é por causa dos seus gemidos que eles o mantêm nessa gaiola”. Então, decidi me calar. Salomão traduziu essas poucas frases para o proprietário do pássaro. O homem se perguntou: “De que adianta manter preso um rouxinol, se ele não canta?”. E lhe devolveu a liberdade. CARRIÈRE. Jean-Claude. O círculo dos mentirosos: contos filosóficos do mundo inteiro. São Paulo: Códex, 2004.
  • 7. 1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013 QUESTÕES 3- O fato que gera o conflito na história é o pássaro (A) possuir uma voz excepcional. (B) ter emudecido. (C) ser um rouxinol. (D) encantar a vizinhança. 4- No trecho “...cantava, horas a fio, para encanto da multidão.”, a expressão “horas a fio” tem o sentido de (A) de vez em quando. (B) durante muito tempo. (C) pousado em um fio. (D) sem cobrar por isso. 5- A decisão de não mais cantar, comunicada pelo rouxinol a Salomão, que a traduziu para o homem, teve, como consequência, o homem (A) não entender a tradução. (B) ficar desesperado. (C) libertar o rouxinol. (D) silenciar o rouxinol. 6- O trecho do texto que contém uma opinião é (A) “Na época de Salomão, o melhor dos reis,...”. (B) “Pediu que perguntasse ao pássaro o motivo de seu silêncio.”... (C) “Comecei a me lamentar noite e dia,...”. (D) “E lhe devolveu a liberdade.”.
  • 8. 1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013 (Gabarito) 1 - (D) pai e filho pensam de forma diferente. 2 - (A) a conclusão que tirou da resposta. 3 - (B) ter emudecido. 4 - (B) durante muito tempo. 5 - (C) libertar o rouxinol. 6 - (A) “Na época de Salomão, o melhor dos reis,...”. 4. COMENTÁRIOS SOBRE O LIVRO “O PRÍNCIPE CASPIAN” (Este livro foi escrito por Clive Staples Lewis). O livro faz parte da coleção “As Crônicas de Nárnia” - 1º O Sobrinho do Mago - 2º O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa - 3º O Cavalo e seu Menino - 4º O Príncipe Cáspian - 5º A Viagem do Peregrino da Alvorada - 6º A Cadeira de Prata - 7º A Última Batalha Crônica o Cronos (tempo) o Contar a história de uma nação desde seu Nascimento O livro começa a história com “Era uma vez” o que determina: um passado remoto (longínquo), perene (válida para qualquer tempo).
  • 9. 1º Estudo de Interpretação de Texto - Luiza Collet - 7º ano - 1º trimestre - 2013 Comentários É possível observar que a coleção das Crônicas de Nárnia, uma simbologia religiosa cristã. Talvez, para facilitar o ensinamento da religião de forma divertida e em que o compreendimento é mais simples. Aslam, de certa forma, representa Deus, é ele que cria Nárnia. Essa história, essa gênese, é narrada no primeiro livro. O Leão também é sacrificado e depois ressuscita, coisa que acontece na vida de Cristo. Existem vários sentidos do livro “O Príncipe Cáspian”, um dos observados é a lição da Fé, porque muitos animais falantes não deixaram de acreditar na antiga história de Aslam (dos grandes reis), também acontecem muitas “conversões” a respeito da história dos grandes reis. Trumpkin, que não acreditava nessas histórias, converteu-se ao conhecer Aslam. O próprio Cáspian também, pois acreditava um pouco incerto, não tinha total fé nisso, ele só tinha gosto pela história. Se pararmos para pensar, talvez encontremos vários, e isso para cada livro. BOM ESTUDO!