1º estudo de ciências – 7º ano – setembro

2.871 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

1º estudo de ciências – 7º ano – setembro

  1. 1. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 1º Estudo de Ciências Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 1 -Pluricelulares Reino Animal -Eucariontes Todos -Heterótrofos -Endotérmicos (regulam a temperatura corporal) -Ectotérmicos (não regulam a temperatura corporal) -Maioria apresenta capacidade de locomoção -Outros são sésseis (fixos no substrato) REINO ANIMALIA Vertebrados Invertebrados (possuem coluna vertebral) (não possuem coluna vertebral)  Filo dos Poríferos  Filo dos Cnidários  Filo dos Platelmintos  Filo dos Nematódeos  Filo dos Moluscos  Filo dos Anelídeos  Filo dos Equinodermos  Filo dos Artrópodes  Filo dos Cordados -Classe dos peixes -Classe dos anfíbios -Classe dos répteis -Classe das aves -Classe dos mamíferos
  2. 2. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 Filo dos Poríferos Características:  Corpo revestido por poros;  Aquáticos, sendo a maioria marinhos;  Sésseis (fixos no substrato); 2  Considerados animais filtradores. Ex.: Esponjas. Estrutura do corpo das esponjas  Ósculo (saída da água)  Poros/ óstio (entrada de água)  Coanócitos – células dinoflageladas que revestem o corpo das esponjas e realizam a digestão e respiração por difusão, assim como excretam substâncias.  Cavidade central/ átrio (interior da esponja)  Células epidérmicas revestem o corpo da esponja. Alimentação, trocas gasosas e excreção de substâncias  Ocorrem por meio da difusão nos coanócitos.  Alimentam-se de detritos microscópicos da água.  Depois de excretar as substâncias, elas vão “embora” por meio do ósculo.
  3. 3. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 Reprodução  Sexuada São hermafroditas (possuem os dois gametas num mesmo indivíduo), mas não realizam autofecundação. Os espermatozoides são lançados no átrio e saem pelo ósculo para fecundar outra esponja, que permite a formação de uma lavra que se fixa no ambiente. 3  Assexuada Brotamento: a partir dos brotos que formam outra esponja na mesma estrutura da esponja que originou o broto. Regeneração: parte da esponja cai e forma outra esponja (regeneração de partes perdidas do corpo). Regeneração Filo dos Cnidários Características:  Apresentam células que produzem substâncias urticantes;  São aquáticos, sendo a maioria marinhos;  Sésseis (Ex.: anêmona do mar, hidra e corais);  Vida livre (Ex.: águas-vias e caravelas).
  4. 4. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 Estrutura do corpo dos cnidários Estrutura básica: Pólipo – séssil Medusa – vida livre 4 tentáculo -Tentáculos – possuem cnidoblastos (células que produzem substâncias urticantes). -Boca – abertura por onde entra água (alimentação excreto de resíduos). Digestão  feita por células especializadas (paralisação da presa através dos cnidoblastos). Respiração  através da epiderme (pele) e células especializadas. Reprodução  Assexuada -Brotamento ou regeneração.  Sexuada -Fecundação interna ou externa. -Alternância de gerações (geração de pólipos e medusas). Os pólipos (fixos no substrato) reproduzem-se assexuadamente formando as medusas e as medusas (vida livre) reproduzem-se sexuadamente formando os pólipos.
  5. 5. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 Diferenciando: Cnidários e Poríferos Os cnidários têm, ao contrário dos poríferos:       5 Tecidos verdadeiros Células urticantes Tentáculos Boca Sistema nervoso Sistema digestório bem simples Filo dos Platelmintos Características: Seres de vida livre – não dependem de outro ser para sobreviver, não parasita. -Vermes de corpo achatado; -Vida livre: planária; -Parasitas: esquistossomo e tênia. Parasitas – dependem de outro ser para sobreviver causando, muitas vezes, doenças em seu hospedeiro. Planária Estrutura: apresentam ocelos (falsos olhos) sensíveis a luz (fotossensíveis); não apresentam sistema digestório completo (alimentação e eliminação dos excretos ocorrem pela boca). Apresentam capacidade de regeneração. Reprodução: são hermafroditas
  6. 6. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 (possuem os gametas feminino e masculino).  Sexuada - não realizam autofecundação. Dois indivíduos se encontram e os dois são fecundados e botam ovos.  Assexuada - por bipartição (uma planária se divide em duas). Esquistossomo 6 -Shistosomo mansoni (esquistossomo) causa a esquistossomose; -O macho possui um canal longitudinal, que aloja a fêmea; -As larvas são de vida livre, ciliadas e podem penetrar a pele dos hospedeiros; Ciclo de vida Ovos  miracídios (pequenas larvas)  penetram em caramujos  larvas aquáticas (cercárias)  penetração da larva pela pele do ser humano  formação do verme adulto nas veias do intestino  reprodução e eliminação dos ovos pelas fezes.
  7. 7. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 Tênia -Teníase (solitária) – presença do verme adulto no intestino; -Cisticercose – presença da larva na musculatura; -São hermafroditas e realizam autofecundação (rep. sexuada); -Formadas por uma cabeça ou escólex e vários anéis (proglotes); 7 Ciclo de vida Larvas na musculatura dos hospedeiros intermediários  desenvolvimento da larva  ser humano ingere a carne malcozida e contaminada  tênia prende-se na parede do intestino e alimenta-se dos nutrientes ingeridos pela pessoa  eliminação dos ovos pelas fezes. Taenia Solium Taenia Saginata (hospedeiro intermediário  porco) (hospedeiro intermediário  boi)
  8. 8. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 Filo dos Nematelmintos Características: Estrutura: vermes de corpo cilíndrico e alongado; podem ser de vida livre ou ser parasitas; apresentam variados tamanhos. 8 Reprodução: Dimorfismo sexual (reprodução sexuada). Fecundação interna (espermatozoide dentro da fêmea). Desenvolvimento direto (não apresenta fase larval) ou indireto (apresenta fase larval). Ascaris Lumbricoides -Causa a ascaridíase; -As fêmeas são maiores que os machos; -A contaminação acontece pela água ou por alimentos contaminados; -Sintomas: náuseas, cólicas abdominais, diarreia, reações alérgicas e obstrução intestinal. Ancylostoma duenale -Causa amarelão (ancilostomose – doença do personagem “Zeca Tatu”); -A larva, presente no solo pela contaminação por meio das fezes, penetra na pele do ser humano. Após passar pela circulação, o verme fixa-se no intestino, de forma que causa sangramentos no mesmo, que são imperceptíveis (causando anemia); Outras verminoses -Oxyurus vermicularis → responsável pela oxiurose (coceira no ânus); -Wuchereria bancrotti → causador da filariose ou elefantíase (a partir da picada de um mosquito).
  9. 9. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 Filo dos Moluscos Características:  Animais de corpo mole e úmido que geralmente é protegido por uma concha externa.  Encontrados em ambientes aquáticos e terrestres úmidos 9  Exemplos: lesmas, caracóis, mexilhões, ostras, lulas e polvos. Estrutura: Caracol -Cabeça → boca e rádula (língua que capta detritos do substrato). -Massa visceral → fica envolvida pela concha e é formada pelos órgãos vitais. - Pé → auxilia na locomoção. Proteção contra predadores -Caracóis, mexilhões, ostras e caramujos - concha calcária; -Polvos e lulas - jato de tinta. Respiração e alimentação: -Sistema digestório completo (boca, cavidade bucal, esôfago, estômago, intestino e ânus); -Respiração pulmonar ou branquial.
  10. 10. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 CLASSES: GASTRÓPODES Caramujos, caracóis e lesmas CEFALÓPODES BIVALVES Polvo, lula e náutilo Ostras e mexilhões Possuem pés bem desenvolvidos na região ventral que secretam muco para facilitar o deslocamento. São univalves o caracol e o caramujo (possuem apenas uma valva – concha) Possuem “pés modificados” (tentáculos) na cabeça. Os tentáculos auxiliam na captura da presa. Lula e o polvo possuem o jato de tinta como defesa. Possuem duas valvas (cada uma das peças que compõem uma concha), por isso “bivalve”. Alimentação Herbívoros, carnívoros, onívoros ou detritívoros (comem detritos). Carnívoros. Carnívoros ou onívoros Ambiente Solo úmido e em água doce. Água salgada. Água doce e salgada. Hermafroditas mas não realizam autofecundação. Reprodução sexuada com fecundação externa. Respiração por brânquias. Reprodução sexuada com fecundação externa. Respiração por brânquias. Características 10 Reprodução e Respiração Imagens Filo dos Anelídeos Características:  Animais de corpo alongado, cilíndrico e segmentado (anéis músculos que auxiliam na locomoção). A maioria das espécies possuem cerdas (filamentos rígidos) que auxiliam na locomoção;  Existem espécies marinhas, terrestres e de água doce;  São classificados em: oligoquetas (poucas cerdas); poliquetas (várias cerdas) e hirudíneos (não possuem cerdas).
  11. 11. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 CLASSES:   Oligoquetas  Minhocas Poucas cerdas 11    Poliquetas Nereidas Muitas cerdas Hirudíneos Sanguessugas     Sistema digestório completo (boca e ânus); Sistema circulatório fechado; Respiração cutânea (pela pele); Hermafroditas mas não realizam autofecundação; Clitelo – maior segmento, auxilia na reprodução. Apresentam em cada segmento um par de projeções laterais, de quais saem as cerdas; Ambientes marinhos; Vida livre ou sésseis. Apresentam substâncias anticoagulantes e anestésicas; Água doce. Sem cerdas Filo dos Artrópodes Características:  Apresenta o maior número de espécies que habitam todos os tipos de ambiente (aéreo, terrestre, marinho, e de água doce);  Presença de apêndices articulados (pernas antenas, e peças bucais);
  12. 12. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013  Apresentam exoesqueleto (esqueleto externo) de quitina;  Processo de muda ou ecdise (troca do exoesqueleto);  Classificados em Insetos, Aracnídeos, Crustáceos e Miriápodes (Diplópodes e Quilópodes). CLASSES Insetos 12 Estrutura: apresentam corpo dividido em três partes: cabeça, tórax e abdome; um par de antenas (sensorial); três pares de pernas articuladas; um ou dois pares de asas; abdome segmentado e sem apêndices (estruturas a mais). Aparelhos bucais: - Aparelho Mastigador → cortar alimentos sólidos (em formiga, besouros, gafanhotos e cupins). - Aparelho Sugador → apresenta o aspecto de um tubo e permite a sucção de alimentos líquidos, como sangue e néctar (em borboletas, mosquitos e percevejos). Pode ser chamado de Aparelho Picador. - Aparelho Lambedor → absorção de alimentos líquidos como mel ou néctar (abelhas e mamangavas). Tipos de desenvolvimento dos insetos: -Metamorfose → pode ser completa (tem fase larval) ou incompleta (não tem fase larval). Incompleta ex.: gafanhotos e baratas. Completa ex.: abelhas, formigas e borboletas. -Desenvolvimento direto → os ovos originam indivíduos idênticos ao adulto, ou seja, do modo como nasce, tem as mesmas estruturas de quando adulto.
  13. 13. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 Aracnídeos Estrutura: apresentam quatro pares de pernas; corpo dividido em cefalotórax (cabeça e tórax juntos); apresentam um par de apêndices (estruturas extras) em forma de pinça (pedipalpos) e um par de apêndices menores (quelíceras). Alimentação e respiração: sistema digestório adaptado para 13 alimentos líquidos (faringe-estômago: bomba de sucção). Respiração traqueal (pequenos orifícios no animal que fazem as trocas gasosas) ou por pulmões foliáceos. Reprodução: sexuada com fecundação interna; a maioria é ovípara, mas os ácaros e escorpiões são vivíparos (desenvolvimento no corpo materno); desenvolvimento direto sem estado larval. Exemplos: escorpiões, aranhas e ácaros. Escorpiões Quelíceras – inoculadoras de veneno, ajudam a captar o alimento. Pedipalpos – pinças que ajudam na captura de alimentos. Presença de um ferrão longo e segmentado na extremidade do abdome Abdome longo e segmentado dividido em pré-abdome e pós-abdome Apresentam pedipalpos e quelíceras São carnívoros
  14. 14. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 Crustáceos Estrutura: exoesqueleto rígido (quitina calcificada); corpo dividido em cefalotórax e abdome. Respiração: branquial. Ambiente: geralmente aquático de água doce ou marinha. Alguns 14 crustáceos são sésseis (como as cracas e lepas). Exemplos: camarão, siri, lagosta, cracas, lepas, caranguejos, tatuíra, tatuzinho-de-quintal, barata-de-praia, etc. Miriópodes Caracterizados por terem grande quantidade de pernas ao longo do corpo. Quilópodes Diplópodes Um par de pernas por segmento Carnívoros Movimentos rápidos Não se enrolam Secção corporal (corpo segmentado) achatada Um par de antenas longas Forcípulas (espécie de quelíceras) inoculadoras de veneno  Pequenos Ex.: lacraia, centopeia.               Dois pares de pernas por segmento Herbívoros Movimentos lentos Enrolam-se em espiral Secção corporal circular Sem forcípulas (possuem glândulas repugnatórias) Grande número de segmentos Ex.: piolho-de-cobra.
  15. 15. 1º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Setembro – 3º trimestre – 2013 Filo dos Equinodermos Características:  Exclusivamente marinhos;  Possuem o corpo recoberto por espinhos calcários;  Possuem simetria radial; 15  Sistema digestório completo;  Apresentam capacidade de regeneração. Reprodução e respiração:  Locomoção e trocas gasosas por meio dos pés ambulacrários;  Reprodução sexuada. Os pés ambulacrários se comunicam com um sistema de canais. Quando a água do mar circula no interior desses canais, os pés incham e promovem o deslocamento. Ex.: estrela-do-mar, bolacha-da-praia, ouriço-do-mar, pepino-do-mar e líro-do-mar. BOM ESTUDO! Ref. Bibliográficas: Jornadas. CIE, Carnevalle, Maíra Rosa – Editora Saraiva (1ª edição).

×