1E.M. R. C.DDDiiilllúúúvvviiiooo UUUnnniiivvveeerrrsssaaalllSegundo diversas mitologias, o Dilúvio foi uma terrívelinundaç...
2Noé respondia: “Esta é a minha arca. Vai ter uma porta de lado,um tecto, uma janela e três conveses.”“Deus disse-me para ...
3Pouco a pouco, as águas desceram. A arca ficou empoleirada nummonte chamado Ararat. Noé olhou para fora, para ver quandos...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Diluvio universal

298 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
298
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diluvio universal

  1. 1. 1E.M. R. C.DDDiiilllúúúvvviiiooo UUUnnniiivvveeerrrsssaaalllSegundo diversas mitologias, o Dilúvio foi uma terrívelinundação que teria coberto todo o mundo, ou ao menos terrasantigas de determinados povos. Para a civilização ocidental, ahistória mais conhecida a respeito do Dilúvio é a da Arca de Noé,segundo a tradição judaico-cristã. O Dilúvio também é descrito emfontes americanas, asiáticas, sumérias, assírias, arménias, egípciase persas, entre outras…De momento, vamos descrever o episódio bíblico: “A Arca deNoé”.Há muitos, muitos anos, havia um homem chamado Noé. Era umhomem bom, que amava Deus.Um dia, Noé começou a cortartroncos de árvores em tábuas. Aspessoas paravam ao lado dele paraver o que estava a fazer. Noé nãotinha dito a ninguém porque é que eleestava a cortar os troncos. A mulhere os filhos também não sabiam.Finalmente, passados alguns dias, verificaram que ele estava afazer um barco grande e forte.“Como é que há-de flutuar, quando não há água nas redondezas?”“Para que serve?”, perguntava a família de Noé.
  2. 2. 2Noé respondia: “Esta é a minha arca. Vai ter uma porta de lado,um tecto, uma janela e três conveses.”“Deus disse-me para fazer a arca”, disse Noé à sua mulher. “Elevai mandar a chuva cair e cobrir a terra. Todos os seres vivosmorrerão, porque o seu povo foi mau. Temos de entrar para a arcacom os nossos filhos e os filhos deles. Temos de levar connosco umpar de animais de cada espécie. A arca flutuará sobre a água e tudoo que leva dentro estará emsegurança.”“Vamos precisar de comida paratodas as pessoas e animais”, disse amulher de Noé. E foi assim queNoé, a mulher e os seus três filhoscomeçaram a fazer planos para aestadia na arca. Puseram sacos decereais e de sal no convés da arca.Encheram barris de água frescapara beber. Dentro da arca,colocaram palha e feno para os animais.Ao aproximar-se a chuva, Noé fechou as portas. Nesse momento,o céu cobriu-se de grandes nuvens negras e a chuva começou a cair.Choveu durante dias seguidos, até que toda a terra ficou coberta deágua. A chuva caiu durante quarenta dias e quarenta noites. Aarca foi subindo, flutuando no cimo das águasFinalmente a chuva parou e soprou um forte vento. A terra ficoucoberta de água durante cinco meses. Havia muito pouco espaçopara os animais. Noé e a sua família esperavam pacientemente quea água baixasse.
  3. 3. 3Pouco a pouco, as águas desceram. A arca ficou empoleirada nummonte chamado Ararat. Noé olhou para fora, para ver quandoseria possível saírem em segurança.Noé decidiu enviar um corvo, mas ele não regressou. “Esperareimais algum tempo” disse Noé.Uma semana depois, Noéenviou uma pomba. Mas apombinha voltou à arca, poissabia que ali havia comida.Esperou mais sete dias e decidiuenviar a pomba novamente. Aocair da noite, Noé viu a pombade volta. Trazia no bico umafolha de oliveira. Noé esperouainda mais algum tempo. Sete dias depois, enviou novamente apomba, que não regressou. “Agora já podemos sair da arca”, disseele.Abriram a porta. Noé e a família saíram da arca. Os animaisficaram felizes por se verem novamente livres. Deus salvara Noé etoda a sua família do Dilúvio. E eles deram graças a Deus.Atravessando o céu de lado a lado, via-se um lindo arco-íris. Era osinal dado por Deus de que nunca mais inundaria o mundo.

×