1
OTÁVIO LUCIANO CAMARGO SALES DE MAGALHÃES
Freguesias esquecidas: “cidades” do século XIX que nunca se tornaram
cidades –...
2
RESUMO
Trata-se do estudo de três localidades no Sul de Minas Gerais: Douradinho, Córrego
do Ouro e Barranco Alto, que p...
3
ABSTRACT
It is the study of three locations in the South of Minas Gerais: Douradinho, Gold
Stream and Barranco Alto, who...
4
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO .....................................................................................................
5
6
1. INTRODUÇÃO
A unidade básica da província de Minas Gerais não era o município, mas sim
a freguesia, ou o distrito, que...
7
Mapa gerado no site http://www.der.mg.gov.br/mapa-rodoviario
1.1 Objetivo
Analisar, com base em estatísticas e documenta...
8
1.3 Objeto de Estudo
O estudo tratará do distrito como unidade básica do Estado durante o Império,
abarcando a criação d...
9
1.5 Hipóteses do trabalho
A hipótese de trabalho é de que os motivos de que essas freguesias jamais
se tornaram municípi...
10
2 REVISÃO DE LITERATURA
2.1 Definição de Distrito e Município hoje
A palavra “município” aparece 239 vezes na Constitui...
11
logradouros públicos menos importantes (ruas), asfaltamento
das vias locais, a fiscalização do trânsito nos logradouros...
12
1834, as velhas Câmaras passaram a se subordinar às
Assembleias Provinciais.
Todavia, durante o centralizador período i...
13
capitais e estâncias hidrominerais eram nomeados pelos seus
respectivos governadores ou, nos municípios declarados de
i...
14
2.2 O Distrito como unidade Básica de Minas Gerais e as Câmaras Municipais
como instituições poderosas
Até 1938 a divis...
15
automaticamente era elevada à categoria de cidade. Em 1925 toda sede de
município passou a automaticamente ter categori...
16
2.3 As criações de municípios e distritos em Minas Gerais
No passado cada estado e cada época davam aos municípios ou a...
17
desmembrava do seu território, chegando a gastar 10 anos para realização da
instalação dos municípios.
As Câmaras Munic...
18
A Unidade de Gestão GD3 consiste em uma sub-bacia do
Rio Grande, abrangendo praticamente todo o reservatório da
Usina H...
19
mais quentes, quando as máximas diárias variam em torno de
28 e 30ºC.
A Unidade de Gestão GD3 constitui uma importante ...
20
Mapa adaptado de http://comites.igam.mg.gov.br/comites-estaduais/bacia-do-rio-
grande/gd3-cbh-do-entorno-do-reservatori...
21
cidade; o segundo, por ser o distrito onde se localiza a principal barragem da Usina
de Furnas, e onde fica o principal...
22
Cabo Verde por um curto tempo foi distrito de Jacuí (e não de Caldas, como
foi a maior parte do tempo). Alguns distrito...
23
3 METODOLOGIA
Inicialmente se pretendia visitar os cartórios de paz ainda existentes nas três
localidades e entrevistar...
24
Quanto ao conceito de História, pautamos em concepções modernas,
baseada nos Annales, e na História Nova (inspirando-se...
25
4 RESULTADOS E DISCUSSÃO
No Almanach de Veiga de 1874, p.41, Douradinho e Córrego do Ouro já
constam como distritos na ...
26
As eleições para deputados eram indiretas (época pré-Lei Saraiva), e o
Colégio Eleitoral de Alfenas (p.46) possuía 40 e...
27
4.1 Douradinho ontem e hoje
Colocada no centro de uma ridente colina, cercada de
outras não menos aprazíveis porém meno...
28
Gerada pelo http://licht.io.inf.br/mg_mapas/mapa/cgi/iga_comeco1024.htm
Reza a tradição que os mais antigos povoadores ...
29
de 1874 passou novamente para o município de Campanha, onde foi retirada pela
Lei 2684, de 30 de novembro de 1880, quan...
30
O almanaque de 1884 também cita como poeta da cidade Joaquim Theophilo
da Trindade, considerado:
“o cantor das Tardes d...
31
Foto do Facebook Distrito de Douradinho Machado / MG (autor desconhecido)
Centro Educacional Vovó Guiomar. Foto: Facebo...
32
EE de Douradinho. Foto: Facebook Distrito de Douradinho Machado / MG
Ponte Cordislândia/Douradinho. Foto: Facebook Dist...
33
Cena da Praça Central. Foto: Facebook Distrito de Douradinho Machado / MG
4.2 Córrego do Ouro ontem e hoje
Situado em u...
34
Gerada pelo http://licht.io.inf.br/mg_mapas/mapa/cgi/iga_comeco1024.htm
O Almanaque de 1874 oferece poucas informações ...
35
Outra figura de destaque na localidade era Miguel Corrêa Lourenço, falecido
em 1880, o já citado alferes Job Alves de F...
36
horas de educação); que a EM Pedro Júlio, possui 86 alunos na Pré-Escola e 47 nos
anos iniciais do ensino fundamental; ...
37
Vista Parcial do distrito. Foto da Prefeitura Municipal.
Segundo o site oficial da Prefeitura Municipal de Campos Gerai...
38
4.3 Barranco Alto ontem e hoje
A povoação está colocada no declive de uma formosa
colina, mas é edificada com lamentáve...
39
Por cerca de 1840 começou a fundação do Barranco Ato nas terras de Anna
Joaquina Marques, viúva de José Marques, edific...
40
Interessante notar que o Almanaque de 1884, após narrar a dificuldade de
trânsito com a cheia, diz que Barranco Alto es...
41
Com o passar dos anos o povoado de Barranco Alto foi
decaindo com a passagem da monocultura do café para a
criação de g...
42
Foto de “Alfenas Nossa História”
Foto de “Alfenas Nossa História”
43
Foto de “Alfenas Nossa História”
Barranco Alto, segundo o IBGE em 2010 tinha 1.157 habitantes, sendo 382
na zona urbana...
44
Vista Aérea de Barranco Alto. Fonte: Alfenasnossahistoria
Vista Aérea de Barranco Alto. Fonte: Minasacontece
45
Mapa do Distrito - Google
46
5 CONCLUSÃO
Esse trabalho apenas apresentou a evolução da concepção de unidade
básica do estado de Minas Gerais, aprese...
47
6 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
COSTA, Joaquim Ribeiro. Toponímia de Minas Gerais com estudo da Divisão
Territorial Admi...
48
ANEXO I - ALMANACH SUL-MINEIRO PARA 1874 (EXCERTOS)
Excertos de Veiga (1874):
49
50
51
52
53
54
55
ANEXO II - ALMANACH SUL-MINEIRO PARA 1884 (EXCERTOS)
56
57
58
59
60
61
62
63
64
65
66
67
ANEXO III - OUTRAS INFORMAÇÕES DO ALMANACH
Lista de Assinantes do Almanach de 1884
Em Barranco Alto havia um único assi...
68
69
População em 1874. Censo de 1º de agosto de 1873, com as 72 freguesias do Sul
de Minas, e total de 383.393 habitantes.
...
70
Douradinho 3.089
Carmo do Rio Claro 5.715
Santa Rita de Cássia (Santa Rita de
Caldas)
2.893
Campestre 4.550
S. Sebastiã...
71
Itajubá 4.740
Vargem Grande (Brasópolis) 4.946
Soledade de Itajubá (Soledade de
Minas)
5.181
Pirangussú 3.003
S. José d...
72
ANEXO IV - POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS, BAIRROS E DISTRITOS DO SUL
DE MINAS
(POPULAÇÃO TOTAL)
Variável = População residen...
73
Carmo da Cachoeira - MG 11.836
Carmo de Minas - MG 13.750
Carmo do Rio Claro - MG 20.426
Carvalhópolis - MG 3.341
Carva...
74
Lambari - MG 19.554
Liberdade - MG 5.346
Machado - MG 38.688
Maria da Fé - MG 14.216
Marmelópolis - MG 2.968
Minduri - ...
75
Seritinga - MG 1.789
Serrania - MG 7.542
Serranos - MG 1.995
Silvianópolis - MG 6.027
Soledade de Minas - MG 5.676
Toco...
76
São Bartolomeu de Minas - Cabo Verde - MG 1.501
Cachoeira de Minas - Cachoeira de Minas - MG 9.428
Itaim - Cachoeira de...
77
Divisa Nova - Divisa Nova - MG 5.763
Dom Viçoso - Dom Viçoso - MG 2.994
Elói Mendes - Elói Mendes - MG 25.220
Espírito ...
78
Munhoz - Munhoz - MG 6.257
Muzambinho - Muzambinho - MG 20.430
Natércia - Natércia - MG 4.658
Nova Resende - Nova Resen...
79
São Sebastião do Rio Verde - São Sebastião do Rio Verde - MG 2.110
São Tomás de Aquino - São Tomás de Aquino - MG 7.093...
80
Coimbras - Passos - MG 7.203
Polivalente - Passos - MG 2.568
Santa Luzia - Passos - MG 8.895
Bela Vista - Passos - MG 6...
81
Barcelona - Varginha - MG 7.635
Santa Maria - Varginha - MG 3.766
Vargem - Varginha - MG 2.099
Cidade Nova - Varginha -...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

FREGUESIAS ESQUECIDAS: “CIDADES” DO SÉCULO XIX QUE NUNCA SE TORNARAM CIDADES

1.186 visualizações

Publicada em

Trata-se de um trabalho monográfico de Conclusão de Curso apresentado à UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC, em 17/10/2015 para a Pós Graduação Lato Sensu - Especialização - em Ciência e Tecnologia, sob orientação do Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro. Pólo de São João da Boa Vista. Trata-se do estudo de 3 localidades no Sul de Minas: Douradinho, Córrego do Ouro e Barranco Alto, que possuíam status de unidade básica do estado: os distritos, mas, jamais chegaram a tornar-se municípios. Trata-se de uma pesquisa que inicialmente explica o status de Município e de Distrito, servindo de ponto inicial para as investigações

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.186
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

FREGUESIAS ESQUECIDAS: “CIDADES” DO SÉCULO XIX QUE NUNCA SE TORNARAM CIDADES

  1. 1. 1 OTÁVIO LUCIANO CAMARGO SALES DE MAGALHÃES Freguesias esquecidas: “cidades” do século XIX que nunca se tornaram cidades – a mudança da concepção da unidade básica da federação Trabalho de conclusão de curso apresentado à Universidade Federal do ABC Paulista – UFABC para obtenção do título de especialista em Ciência e Tecnologia. Área de Concentração: O Mundo e suas Representações. Orientador: Prof. Dr. Anderson Orsari Santo André 2015
  2. 2. 2 RESUMO Trata-se do estudo de três localidades no Sul de Minas Gerais: Douradinho, Córrego do Ouro e Barranco Alto, que possuíam status de unidade básica do estado de Minas Gerais no século XIX, os distritos, mas, jamais chegaram a tornar-se distritos. Trata-se de uma pesquisa que inicialmente explica o status de Município e depois o status de Distrito, e, após isso descreve as três localidades, servindo de ponto inicial para indagações sobre os motivos que essas localidades jamais se tornaram municípios. Palavras Chave: Distrito, Município, Minas Gerais, Genealogia dos Municípios, Almanaque Sul Mineiro, Douradinho, Córrego do Ouro, Barranco Alto.
  3. 3. 3 ABSTRACT It is the study of three locations in the South of Minas Gerais: Douradinho, Gold Stream and Barranco Alto, who had basic unit status of the state of Minas Gerais in the nineteenth century, the districts, but never got to become districts . It is a search that initially explains the municipality of status and then the District status, and after that describes the three locations, serving as a starting point for inquiries on the grounds that these locations would never have become municipalities. Keywords: State, County, Texas, Genealogy municipalities, South Almanac Miner, Douradinho, Gold Stream, Barranco Alto.
  4. 4. 4 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................6 1.1 Objetivo ...........................................................................................................................7 1.2 Objetivos Específicos....................................................................................................7 1.3 Objeto de Estudo ...........................................................................................................8 1.4 Justificativa .....................................................................................................................8 1.5 Hipóteses do trabalho ...................................................................................................9 2 REVISÃO DE LITERATURA........................................................................................ 10 2.1 Definição de Distrito e Município hoje ..................................................................... 10 2.2 O Distrito como unidade Básica de Minas Gerais e as Câmaras Municipais como instituições poderosas ........................................................................................... 14 2.3 As criações de municípios e distritos em Minas Gerais....................................... 16 2.4 O Contexto Regional.................................................................................................. 17 2.5 Algumas questões regionais sobre criação de municípios e distritos ............... 20 3 METODOLOGIA ............................................................................................................ 23 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO................................................................................... 25 4.1 Douradinho ontem e hoje .......................................................................................... 27 4.2 Córrego do Ouro ontem e hoje................................................................................. 33 4.3 Barranco Alto ontem e hoje ...................................................................................... 38 5 CONCLUSÃO................................................................................................................. 46 6 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS........................................................................ 47 ANEXO I - ALMANACH SUL-MINEIRO PARA 1874 (EXCERTOS) ........................ 48 ANEXO II - ALMANACH SUL-MINEIRO PARA 1884 (EXCERTOS) ....................... 55 ANEXO III - OUTRAS INFORMAÇÕES DO ALMANACH.......................................... 67 ANEXO IV - POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS, BAIRROS E DISTRITOS DO SUL DE MINAS .......................................................................................................................... 72
  5. 5. 5
  6. 6. 6 1. INTRODUÇÃO A unidade básica da província de Minas Gerais não era o município, mas sim a freguesia, ou o distrito, que quase sempre eram as mesmas unidades (freguesia era a sede de uma paróquia, e distrito de um juizado de passa). As freguesias e distritos possuíam um certo status na composição dos estados, sendo que os municípios eram apenas sedes administrativas, onde havia uma Câmara Municipal. Analisando o Sul de Minas Gerais, quase todas as freguesias do século XIX se tornaram municípios independentes, porém, isso não é regra. No Sudoeste de Minas, as localidades de Douradinho, Córrego do Ouro, Barranco Alto e Babilônia, nunca se tornaram municípios, enquanto outras localidades, como Itaú de Minas, Juruaia e Bandeira do Sul, que sequer existiam como povoação, hoje são municípios independentes. O distrito não independente mais antigo de Minas Gerais é Cachoeira do Campo, mais importante distrito de Ouro Preto, criado como paróquia (freguesia) em 16 de fevereiro de 1724 e distrito em 3 de abril de 1840, porém, é compreensível a manutenção deste local como distrito, pois é parte importante do turismo em Ouro Preto. Douradinho já existia em 1813 como curato, e, em 1840 se fala em transferência da paróquia de Douradinho para Carmo da Escaramuça (Paraguaçu), sem falar em anterior criação, e, finalmente, sendo criada a paróquia em Douradinho em 30 de novembro de 1842. O que nos estranha é que Douradinho foi criado como distrito em 1842, já sendo povoado em 1813. Bandeira do Sul foi criada como distrito em 27 de dezembro de 1948, mais de 106 anos depois, e, se tornou independente como município em 1962! E ser distrito em 1842 era muito mais “forte” do que ser distrito em 1948, quando essa categoria já havia sido banalizada. Qual seria a explicação para tal fenômeno? Não sabemos e não vamos conseguir responder, mas, o fechamento das linhas ferroviárias e o alagamento da Represa de Furnas podem nos dar luzes para as respostas, mas, não é isso que esse trabalho pretende responder. Esse trabalho apenas pretende analisar três localidades: Douradinho, Córrego do Ouro e Barranco Alto, localidades que já eram distritos de paz e freguesia no século XIX e jamais se tornaram municípios independentes. Os porquês precisavam ser analisados em outros trabalhos de nível bastante superior ao presente. Hoje são três localidades simples, sem acesso asfáltico e com poucas perspectivas de crescimento, porém, não dá para esquecer o papel importante que já tiveram na história mineira.
  7. 7. 7 Mapa gerado no site http://www.der.mg.gov.br/mapa-rodoviario 1.1 Objetivo Analisar, com base em estatísticas e documentação, três unidades básicas do estado como freguesias e distritos estabelecidos no século XIX que não se tornaram municípios após a ressignificação do sentido de distrito e município na década de 30 no século XX. 1.2 Objetivos Específicos - Estudar o status do distrito e do município no decorrer do tempo, do Brasil Colônia aos dias de Hoje. - Analisar a criação das freguesias e distritos no Sudoeste de Minas até os anos 30 do século XX. - Analisar a história das localidades de Douradinho, Córrego do Ouro e Barranco Alto, criados como distritos no século XIX.
  8. 8. 8 1.3 Objeto de Estudo O estudo tratará do distrito como unidade básica do Estado durante o Império, abarcando a criação de Douradinho, Córrego do Ouro e Barranco Alto e verificará por quais motivos essas unidades jamais se tornaram municípios. 1.4 Justificativa No Império e na República Velha os municípios eram grandes extensões territoriais comandadas por uma Câmara Municipal. A sede do município era uma cidade ou uma vila, que eram status diferenciados para a mesma sede municipal. Esses municípios possuíam várias freguesias (paróquias) e distritos, e esses eram a unidade básica do Estado, pois, muitas vezes a vila que era sede municipal era menos populosa que esses distritos e era comum serem transferidas as sedes dos municípios de um distrito para o outro. Por isso, a data inicial da criação de uma cidade fundada o século XIX e início do século XX deveria ser quando essa se tornou um distrito e não quando se emancipou, pois, os conceitos de emancipação variaram muito no tempo. Douradinho, Córrego do Ouro e Barranco Alto, no início do século XX já eram freguesias antigas, possuíam juízo de paz, vigário, eleitores membros dos colégios e toda estrutura dos demais distritos, inclusive constando de forma autônoma nos almanaques da época. Porém, esses nunca se tornaram municípios, hoje sendo meros distritos de Machado, Campos Gerais e Alfenas, respectivamente. Num universo de quase oitenta municípios do Sul de Minas esses três são casos únicos, e, os motivos que fizeram essas localidades jamais se tornarem municípios. Isso cabe uma investigação. Aliás, tal investigação permitirá aos pesquisadores compreender a presença dessas localidades naqueles almanaques, documentos oficiais, em jornais e na legislação mineira sem maiores embaraços.
  9. 9. 9 1.5 Hipóteses do trabalho A hipótese de trabalho é de que os motivos de que essas freguesias jamais se tornaram municípios deve-se aos condicionantes políticos, geográficos e de interesses econômicos, tanto dessas localidades quanto de outros municípios dos quais essas eram jurisdicionadas. Não comprovaremos e nem tentaremos buscar as explicações, mas, o fim das Ferrovias e o alagamento do Rio Sapucaí e afluentes para formação da Represa de Furnas podem dar luzes para o não crescimento das localidades.
  10. 10. 10 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Definição de Distrito e Município hoje A palavra “município” aparece 239 vezes na Constituição Federal de 1988, sem que seja feita qualquer definição formal, porém, do Art. 18, deduz-se que é um ente autônomo que faz parte da federação: “A organização político-administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos autônomos, nos termos desta Constituição.” A Constituição Federal cita apenas uma vez sobre os distritos em seu corpo. No Art. 30, da competência dos municípios, consta no inciso IV: “criar, organizar e suprimir distritos, observada a legislação estadual”. Sobre municípios, diz a Wikipédia (acessada em 12.10.2015, 21h33): Um município é uma subdivisão administrativa de uso geral, ao contrário de um distrito, que tem fins especiais. O termo é derivado do francês municipalité e do latim municipium, antiga designação romana. É um território dotado de personalidade jurídica e de certa autonomia, constituído por órgãos administrativos e políticos. Quando o território é designado pelo termo municipalidade, muitas vezes se implica que ele não tem, de fato, personalidade jurídica. Mais detalhadamente, a mesma enciclopédia nos dá luzes sobre o que seria um município e suas subdivisões, os distritos, no decorrer do tempo: No Brasil, o município é a menor unidade político- administrativa existente, sendo todo o território nacional dividido em municípios, à exceção do Distrito Federal e do arquipélago de Fernando de Noronha, que é um distrito estadual de Pernambuco. (...) No caso do Brasil, o município é formado pela Prefeitura (órgão executivo) e pela Câmara municipal (órgão legislativo), sendo considerado um terceiro ente federativo; (...) Já entre os antigos romanos, era a cidade que tinha o privilégio de governar- se segundo as suas próprias leis, porém, nem todos os habitantes possuíam os mesmos direitos. É o município quem cuida diretamente de vários aspectos práticos da vida da população, como registro de imóveis, de
  11. 11. 11 logradouros públicos menos importantes (ruas), asfaltamento das vias locais, a fiscalização do trânsito nos logradouros sob sua jurisdição, embora a legislação do trânsito seja federal. Provê também o ensino básico em suas escolas. Mantém postos de saúde para a sua população. Controla e fiscaliza o transporte público municipal (táxis, ônibus urbanos e outros meios de transporte coletivo). Provê e/ou fiscaliza a coleta de lixo domiciliar. Controla e fiscaliza as feiras livres. As subdivisões administrativas do município, os distritos, são circunscrições submetidas ao poder da Prefeitura. Em muitos municípios, estes possuem pouca importância, e às vezes, nem mesmo existem. Normalmente um município só se subdivide em distritos quando dentro dele existem povoamentos expressivos em termos populacionais, mas que estão afastados da área urbana principal. Em geral, estes distritos, enquanto não forem integrados pelo crescimento natural da cidade, tendem a querer se transformar em novos municípios. Os bairros são subdivisões praticamente universais, e muito embora possam ser considerados análogos às freguesias portuguesas, quase sempre têm papel cultural e de localização geográfica, sendo politicamente nulos. Em todo caso, seja como for efetuada a administração municipal, o poder político executivo é exclusivamente do prefeito, sendo todos os outros auxiliares de sua indicação (cargos de confiança). No Brasil, o município teve por base jurídica as Ordenações reinóis durante o período colonial. Sabe-se que o poder local na colônia portuguesa fazia-se representar através de Câmaras Municipais eleitas pela sociedade, embora fossem notavelmente influenciadas pelos interesses das elites fundiárias e, obviamente, não conheciam a moderna divisão dos poderes, visto que as mesmas autoridades exerciam funções de qualquer natureza. Embora a Constituição Imperial de 1824 tivesse reconhecido com muito apreço o poder local, ao instituir as Câmaras Municipais em todas as cidades e vilas existentes, bem como as que se criassem no futuro, segundo dispunha o seu artigo 167, pôde-se verificar que o mesmo não foi contemplado pela Lei Regulamentar promulgada em 1º de outubro de 1828. Tal norma estabeleceu uma certa tutela sobre os municípios e não somente os esvaziou politicamente, como limitou as funções de suas Câmaras. Com o Ato Adicional de 12 de agosto de
  12. 12. 12 1834, as velhas Câmaras passaram a se subordinar às Assembleias Provinciais. Todavia, durante o centralizador período imperial, o Brasil, a exemplo de Portugal, conheceu um tipo organização infra- municipal – as Freguesias. Também denominadas Paróquias, tais entidades estavam intimamente ligadas à estrutura eclesiástica (na época o Brasil tinha o catolicismo como religião oficial) e de alguma maneira representavam as inúmeras comunidades espalhadas pelos municípios. A primeira Constituição Republicana de 1891 foi omissa quanto à autonomia do poder local, pois caberia às constituições estaduais cuidarem do assunto. Surgiu com isso o centralismo político dos governadores estaduais, os quais costumavam intervir nas eleições municipais e até mesmo indicar quem exerceria o cargo de prefeito, prevalecendo-se muitas das vezes da penúria orçamentária e do uso da força policial. A Constituição brasileira de 1934 conferiu à autonomia municipal amplitude e firmeza. O seu artigo 13 contemplou a defesa do "peculiar interesse" local, a eletividade dos prefeitos e vereadores, a decretação dos seus impostos e a organização dos seus serviços. Porém, sabe-se que a durabilidade da segunda Carta republicana não foi suficiente para se avaliar quais seriam os resultados das mudanças introduzidas. O golpe de 10 de novembro de 1937 implantou um sistema de centralismo político nacional que, inevitavelmente, feriu de maneira frontal a autonomia dos Municípios e cassou a eletividade dos prefeitos. O Decreto Lei n.º 1.202 de 8 de abril de 1939, em seu artigo 5º, estabeleceu a tutela administrativa através da criação de um departamento específico para "assistir" os Estados e Municípios e, sobretudo, exercer o rígido controle sobre os seus atos. Com a redemocratização do país após o fim da Segunda Guerra Mundial, as aspirações municipalistas foram contempladas pela Constituição de 1946. A autonomia local foi então restaurada e fortalecida, já que houve uma equitativa distribuição dos poderes e a descentralização política, de modo a não comprometer a Federação, nem ferir a autonomia estadual e municipal. Após o Golpe de 1964, a Constituição de 1967 e a sua Emenda de 1969, embora tivessem mantido o regime federativo, foram indiscutivelmente centralizadoras. Os prefeitos das
  13. 13. 13 capitais e estâncias hidrominerais eram nomeados pelos seus respectivos governadores ou, nos municípios declarados de interesse da soberania nacional, indicados diretamente pelo Presidente da República, o qual era indiretamente eleito. Somente os vereadores das capitais e de cidades com população acima de 100 mil habitantes é que podiam ser remunerados. Já na Constituição promulgada em 5 de outubro de 1988, o município alcançou finalmente o patamar de terceiro ente da federação e teve a sua autonomia ampliada sob os aspectos político, administrativo e financeiro, segundo ficou estabelecido nos artigos 29 a 31, 156, 158 e 159. Além de ser um marco no desenvolvimento histórico nacional, o município brasileiro atual, segundo a concepção de alguns juristas, tem as características mais progressistas sob o aspecto institucional. Isto porque talvez não se encontre em outro lugar do mundo uma instituição com as mesmas características do que o município brasileiro que tornou-se o terceiro ente federativo, embora até hoje dependente do repasse de recursos estaduais e federais. Atualmente, o Brasil possui 5 570 municípios em 27 unidades da Federação. Segundo estimativa realizada pelo IBGE para 1º de julho de 2014, o menos populoso é Serra da Saudade, no estado de Minas Gerais, com 822 habitantes e o mais populoso é São Paulo, no estado de São Paulo, com 11.895.893 habitantes. Mas nem sempre foi assim, e, cada estado possuía uma espécie diferente de divisão em município e distritos – não havia padrão. Nos Estados Unidos, por exemplo, não existe padrão. Dos 50 estados, 48 são divididos em condados (county), mas outros dois, o Alasca, é dividido em distritos (boroughs), e a Louisiania é dividida em paróquias (parishes). Em alguns estados os condados são divididos em municipalidades, e há casos onde uma única cidade é composta de vários condados (o caso de Nova Iorque).
  14. 14. 14 2.2 O Distrito como unidade Básica de Minas Gerais e as Câmaras Municipais como instituições poderosas Até 1938 a divisão essencial do estado de Minas Gerais não era em municípios, mas em distritos. Vários distritos se organizavam em estruturas superpoderosas chamadas Câmaras Municipais, que tinham atribuições inclusive de nomear o juiz, realizar prisões, criar impostos, realizar eleições e realizar confiscos. O distrito era uma divisão cível, e, para cada distrito se instalava uma paróquia (ou freguesia), sendo que esta possuía várias atribuições governamentais. A Lei Estadual 2, de 14 de setembro de 1891, declarou que o “distrito” é a base a organização administrativa do Estado. Até então existe uma dificuldade da separação de distrito e freguesia, que, quase eram a mesma estrutura. O IBGE divulga até hoje informações equivocadas sobre as leis de criação de distritos, confundindo a lei que criou o distrito e a lei que criou a freguesia/paróquia. As dificuldades com nomenclaturas como Termo, categoria de vila e cidade, etc, fizeram com que muitas informações incorretas prosperassem. Nossa tabela pode ter muitos erros. As Câmaras Municipais eram instaladas nos distritos que eram elevados à categoria de Vila. Isso era uma particularidade mineira. Em alguns estados era exigido que se elevasse à categoria de Cidade. Era denominado Município um conjunto de distritos autônomos. A Câmara Municipal era o órgão jurisdicional que exercia autoridade política como poder executivo, legislativo e judiciário. Até 1930 as Câmaras Municipais possuíam essa tríplice competência, tendo as competências judiciárias progressivamente reduzidas das Câmaras Municipais. É importante destacar que a Câmara Municipal entre 1824 e 1930 não eram as mesmas frágeis Câmaras Municipais de hoje, que, apesar de tudo, mantém nomenclaturas similares. A Câmara Municipal era uma instituição que hoje se equipara à Prefeitura Municipal. Os distritos eram administrados por um Juiz de Paz, que, até 1938 possuíam um poder muito grande, na solução de pequenas lides na realização de partilhas e inventários, no registro civil, em certas autorizações, etc. Também possuía uma atribuição de convocar o efetivo da Guarda Nacional para defender os interesses dos distritos, o que, poucas vezes aconteceu, tendo em vista que a Guarda Nacional era composta de pessoas ricas, em geral fidalgos. As Câmaras Municipais administravam os municípios, e estes poderiam ter categoria de Vila ou de Cidade. Caso tivessem categoria de Vila, a cidade não teria um Juiz de Direito, apenas um Juiz Municipal e de Órfãos. Ser cidade não obrigava a ser Comarca, mas implicava em ser um Termo (uma circunscrição eleitoral de hierarquia inferior a Comarca). A partir de 1892, se fosse sede de Comarca
  15. 15. 15 automaticamente era elevada à categoria de cidade. Em 1925 toda sede de município passou a automaticamente ter categoria de cidade, e, os distritos, categoria de vila. As circunscrições administrativas eram chamadas de Municípios, as circunscrições judiciárias tinham outros nomes, de Termo e de Comarca. Em geral, Comarca era um conjunto de municípios, e, tinha nome diferente do seu município sede. Muitas vezes a comarca tinha um nome arbitrário ou o nome de um município que a compunha e não era sua sede. Termo Judiciário ou simplesmente Termo era uma circunscrição judiciária, mas, em Minas Gerais, os termos passaram em pouco tempo corresponder a uma única comarca. O uso Termo era utilizado praticamente como sinônimo de Território, tendo em vista que pouco era utilizado o nome Município, que, em geral era entendido como o órgão que administrava um conjunto de distritos. Elevar a categoria de cidade, na prática, especialmente antes de 1892, só mudava no número de funcionários públicos que o município tinha direito de nomear. A vila nomeava menos funcionários que a cidade. Em 1892, se fosse Comarca se tornava automaticamente cidade. A partir de 1938, vila passou a ser a área urbana central do distrito, e cidade passou a ser a área urbana central do distrito sede do município. Em geral falamos que o distrito é a vila. Ex: dizemos que São Bartolomeu é um distrito de Cabo Verde, e pensamos em São Bartolomeu apenas naquela região urbana, e não nas fazendas ao redor, como, por exemplo, o Cambuí. O bairro Cambuí, do município de Cabo Verde, faz parte do distrito de São Bartolomeu. O distrito de São Bartolomeu inclui zona urbana e zona rural. Isso é assim em qualquer distrito. Importante ressaltar que em 1925 com a Lei 893, toda sede de município tornou-se automaticamente cidade, passando a não mais fazer sentido falar em categoria de cidade. Todos municípios do país, a partir de 1938, com exceção da capital paulista, possuem um distrito sede homônimo. Então existe um distrito chamado Muzambinho e outro chamado Cabo Verde, sendo distrito sedes, são chamados de cidade. Era comum até 1938 ser utilizado o nome “distrito da cidade”, mas também houve “distrito da vila”. Em 1938 os distritos perderam sua força e atribuição, e a unidade básica passou a ser o município. Em 1988 o município foi elevado à categoria de Unidade da Federação de forma que se tornou muito difícil criar um município.
  16. 16. 16 2.3 As criações de municípios e distritos em Minas Gerais No passado cada estado e cada época davam aos municípios ou aos estados a competência de criar um distrito. Entre 1901 e 1962 a competência de criar distritos era estadual, em lei periódica (antes de 10 em 10 anos, depois de 5 em 5 anos). A partir de 1988 a competência de criar distritos, muito simplificada, foi transferida aos municípios, criando aberrações, como a recente criação do Moçambo como distrito de Muzambinho – por sinal o menor distrito entre todos os que estudaremos nesse artigo, e que serviu para desmoralizar mais ainda o conceito de distrito (o Moçambo possui apenas 2 ruas, cada uma com cerca de 100 metros). Apesar de existirem algumas exceções (como criação de algumas estâncias turísticas e a resolução do problema de conflito de divisas com o Espírito Santo), os municípios e distritos entres 1901 e 1962 foram pelas seguintes leis: Norma Legal Distritos Criados Municípios Criados Lei 319, de 16 de setembro de 1901 - 12 Lei 556, de 30 de agosto de 1911 65 40 Lei 843, de 7 de setembro de 1923 97 36 Decreto-Lei 148, de 7 de dezembro de 1938 67 71 Decreto-Lei 1.058, de 31 de dezembro de 1943 39 28 Lei 336, de 27 de dezembro de 1948 118 72 Lei 1.039, de 12 de dezembro de 1953 113 97 Lei 2.763, de 30 de dezembro de 1962 133 237 Tabela adaptada de Costa (1970) Além de serem criados os municípios, eles precisavam ser instalados, com a nomeação da primeira Câmara Municipal eleita. A partir de 1948 os municípios eram instalados após a realização da próxima eleição municipal realizada em todo o país, no dia da posse dos eleitos. Antes, cada município definia a data daqueles que se
  17. 17. 17 desmembrava do seu território, chegando a gastar 10 anos para realização da instalação dos municípios. As Câmaras Municipais até 1930 eram compostas de vereadores, sendo pelo menos um de cada distrito (chamados vereadores especiais, e os outros, vereadores gerais). Também possuíam outras figuras como o Secretário (que era o oficial responsável pela administração), o Procurador (uma espécie de tesoureiro) e funcionários de hierarquia inferior, como Fiscais, Delegados, Alinhadores (manter as ruas da forma correta), Zeladores de Água ou Cemitérios, Porteiros-Contínuos, Arquivista, Almoxarife, etc. Um dos vereadores, eleito Presidente da Câmara, em geral era o Agente Executivo Municipal, porém, por um tempo foi permitido que eles nomeassem outra pessoa para o cargo Executivo. Por um tempo o cargo de Juiz Municipal também era nomeado pela Câmara (em Muzambinho, o primeiro juiz foi Cesário Coimbra, que era chefe do legislativo e executivo também). É incorreto dizer que as Câmaras Municipais eram “parlamentaristas”, pois, não há qualquer paralelo com aquela estrutura. Era um esquema rígido demais para essa comparação. Durante um curto período de tempo também existiram os Conselhos Distritais, em cada distrito, com um Agente Executivo Distrital, o que, em pouco tempo foi abolido. 2.4 O Contexto Regional A região estudada é o Sul de Minas Gerais, especificamente uma região pertencente ao Entorno do Lago de Furnas. A Bacia Hidrográfica do Entorno do Lago de Furnas, nomeada pelo IGAM como GD3 possui uma área de 16.507 km2, composta de 84 municípios, com população de 842.260, que equivale a 3% da população da Grande São Paulo. Escolhemos o critério da Bacia de Furnas para localizar os distritos estudados, mas poderíamos utilizar de outros critérios, como as microrregiões do IBGE ou as divisões de planejamento do estado de Minas Gerais. Sobre a região, descrevemos o que o site do IGAM nos diz: Esta unidade compreende uma área de aproximadamente 16.507 km2, composta por 48 municípios com uma população estimada de 842.260 de habitantes (IBGE – 2009). Apenas 21 deles encontram-se integralmente inseridos nos limites territoriais da unidade o restante participa de mais de um comitê de bacia.
  18. 18. 18 A Unidade de Gestão GD3 consiste em uma sub-bacia do Rio Grande, abrangendo praticamente todo o reservatório da Usina Hidroelétrica de Furnas (UHE FURNAS). Desta forma, a hidrografia desta unidade de gestão é composta pelo reservatório, abastecido por rios de maior porte, como o Rio Grande, Rio Sapucaí, Rio do Jacaré e Rio Verde, que não fazem parte da unidade de gestão e diversos rios de pequeno e médio porte integralmente localizados nos limites da unidade, configurando a rede de drenagem. Municípios que compõem a Bacia Hidrográfica do Entorno do lago de Furnas: Aguanil; Alfenas; Alpinópolis; Alterosa; Areado; Boa Esperança; Botelhos; Cabo Verde; Camacho; Campestre; Campo Belo; Campo do Meio; Campos Gerais; Cana Verde; Candeias; Capitólio; Carmo do Rio Claro; Conceição da Aparecida; Congonhal; Coqueiral; Córrego Fundo; Cristais; Divisa Nova; Espírito Santo do Dourado; Fama; Formiga; Guapé; Guaxupé; Ilicínea; Ipuiúna; Itapecerica; Juruaia; Machado; Monte Belo; Muzambinho; Nepomuceno; Nova Resende; Paraguaçu; Perdões; Pimenta; Poço Fundo; Santa Rita de Caldas; Santana da Vargem; São João da Mata; São José da Barra; São Pedro da União; Serrania; Três Pontas; Vargem Bonita. Características ambientais: A região da Unidade de Gestão GD3 compreende uma complexa associação de rochas cristalinas com idades de formação distintas e intensamente deformadas por eventos tectônicos que ao longo do tempo foram arrasados e recobertos por depósitos aluvionares. Observam-se quatro unidades geomorfológicas regionais: Planalto Centro Sul Mineiro a Nordeste, Planalto Alto Rio Grande a Sudeste, Planalto de Poços de Caldas a Sul e Serra da Canastra a Noroeste (IBGE, 2006). A configuração tectônica regional, sustentada por rochas metamórficas de diversas gêneses, implica em forte controle estrutural do relevo. Com altitudes variando entre 1.479 e 748 m. O clima predominante é o tropical de altitude, que se caracteriza por ser mesotérmico, úmido, com chuvas torrenciais. Esse clima também apresenta como característica importante temperaturas amenas com poucas variações, além de chuvas no verão e seca no inverno. As temperaturas médias anuais oscilam entre 21 e 23ºC. O verão e a primavera são os períodos
  19. 19. 19 mais quentes, quando as máximas diárias variam em torno de 28 e 30ºC. A Unidade de Gestão GD3 constitui uma importante área polimetálica e de minerais industriais, possuindo também importantes mananciais de água. Estão cadastradas 739 ocorrências minerais, totalizando 37 bens minerais que podem ser classificados em: metais ferrosos; rochas e minerais industriais; agrominerais; gemas; metais nobres; metais-base (DNPM/ CPRM 2009). A área em questão se insere na faixa de transição entre os Chapadões Tropicais Interiores com Cerrados e Florestas- Galeria e o Domínio de Mares de Morros Florestados. Ocorrem três Domínios Fitogeográficos: Domínio Atlântico, Domínio do Cerrado e Domínio da Caatinga. Os Remanescentes Florestais encontrados na área da Unidade de Gestão GD3 consistem em formações florestais (primárias e secundárias) de Floresta Estacional Semidecidual Montana, Campo, Campo Rupestre e Campo Cerrado encontrados nos Domínios Atlântico e Cerrado. Foram registradas 141 espécies de vertebrados terrestres. Características socioeconômicas: É importante destacar que a participação percentual dos setores econômicos varia entre os municípios. Dos 48 municípios que formam a bacia hidrográfica, 15 (31,3%) tem nas atividades agropecuárias sua principal fonte de riqueza, nos restantes 33 municípios a principal atividade econômica é o setor serviço. As atividades desenvolvidas por este setor estão estreitamente relacionadas com as atividades agropecuárias. Fonte: PLANO DIRETOR DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ENTORNO DO LAGO DE FURNAS – DIAGNÓSTICO DA UNIDADE DE GESTÃO GD3 – Fundação de Pesquisa e Assessoramento à Indústria – FUPAI/ Centro de Excelência em Eficiência Energética – EXCEN – 2009.
  20. 20. 20 Mapa adaptado de http://comites.igam.mg.gov.br/comites-estaduais/bacia-do-rio- grande/gd3-cbh-do-entorno-do-reservatorio-de-furnas 2.5 Algumas questões regionais sobre criação de municípios e distritos Note que até 1938 os distritos eram a unidade básica do estado. Alguns distritos criados antes dessa data perderam muito de sua força por não conseguirem se tornar municípios, como Barranco Alto, Douradinho e Córrego do Ouro, que possuíam um status de subdivisão de Minas Gerais, e hoje são meros distritos (como o pequenino Moçambo, criado em 2015 no município de Muzambinho, cidade onde vive o autor desse trabalho). Na região escolhida, que corresponde a 30% do Sul de Minas, apenas seis distritos foram criados na vigência da Constituição Federal de 1988 (incluindo Moçambo), mas esse número deve aumentar com a flexibilização dos critérios utilizados para ser distrito no estado de Minas Gerais. Já a criação do município, cada vez mais dura, após 1962 apenas dois municípios foram criados, em 1987, Itaú de Minas, e em 1995, São José da Barra. O primeiro se tornou município pelo crescimento da gigantesca fábrica de cimentos Itaú – uma das mais importantes do país na área, do grupo Votorantim, naquela
  21. 21. 21 cidade; o segundo, por ser o distrito onde se localiza a principal barragem da Usina de Furnas, e onde fica o principal acampamento dessa empresa, fornecedora de 30% da energia elétrica brasileira. Algumas distorções são curiosas. Douradinho se tornou um distrito, com juiz de paz e tudo mais, em 1846. Teve Conselho Distrital e tudo mais. Até hoje é um mero distrito de Machado. Córrego do Ouro (1868), Barranco Alto (1873) e Babilônia (1876), sob as mesmas condições (ainda que com outras denominações), até hoje são distritos respectivamente de Campos Gerais, Alfenas e Delfinópolis. Bandeira do Sul (1948), Itaú de Minas (1943) e São Bento Abade (1938) se tornaram distritos muito tempo depois e já são municípios. Note que entre a criação do distrito de Douradinho (1846) e Bandeira do Sul (1948) foram 102 anos. Outra coisa importante era que existiam distritos não contíguos, distritos cuja sede ficava no território de outro e outras aberrações, sendo que essas citadas não em nossa região, mas existiam. Também aconteceram inversões territoriais, como por exemplo, o atual distrito da Barrânia, que era distrito do município de Cabo Verde e hoje é do município de Caconde (SP), e ainda, o povoado de São Benedito das Areias, que era um bairro rural de Monte Santo de Minas, e hoje é um distrito de Mococa (MG). Também eram suprimidos municípios já existentes (chamadas transferência de sede), onde a Câmara Municipal saía de um município e ia para outo. Aconteceu com Cabo Verde e Caldas. A Câmara de Caldas foi transferida para Cabo Verde, e Caldas deixou de ser sede municipal (o município de Caldas foi suprimido, dizem). Pouco tempo depois, a Câmara voltou para Caldas, tendo em vista, que jamais chegou a ser instalada em Cabo Verde. Por isso, tanto Cabo Verde quando Caldas possuem duas datas de emancipação. Cabo Verde comemora a segunda, e Caldas comemora a primeira. Jacuí também foi suprimido, mudando a Câmara lá instalada para São Sebastião do Paraíso. Isso aconteceu de fato. Houve então, duas emancipações de Jacuí. Transferências de distritos de um município para o outro também era comum, principalmente em emancipações. Muzambinho quando foi emancipado de Cabo Verde, incorporou as freguesias de Guaxupé e Guaranésia (com outros nomes), que eram distritos de São Sebastião do Paraíso. Quando Muzambinho perdeu Guaxupé, para compensar a perda, o distrito de Monte Belo, que pertencia a Cabo Verde, foi transferido para Muzambinho.
  22. 22. 22 Cabo Verde por um curto tempo foi distrito de Jacuí (e não de Caldas, como foi a maior parte do tempo). Alguns distritos chegaram a participar de vários municípios. Quando se fala em comarca a situação se complica. Algumas comarcas foram suprimidas e reestabelecidas de formas sucessivas, alterando-se de formas algumas vezes aleatórias. Existe até hoje em Minas Gerais Comarcas entre municípios não-contíguos. No caso de Muzambinho, é um raro caso que desde que a Comarca foi instalada nunca deixou de ser. Primeiramente fazia parte da Comarca de Muzambinho os termos de Muzambinho e São Sebastião do Paraíso (ou seja, aquela grande e importante cidade estava vinculada à Muzambinho). Posteriormente, fazia parte da Comarca de Muzambinho, Cabo Verde. Depois, Nova Resende e seus distritos de Alpinópolis e Bom Jesus da Penha. Depois, os distritos emancipados de Muzambinho (Monte Belo e Juruaia).
  23. 23. 23 3 METODOLOGIA Inicialmente se pretendia visitar os cartórios de paz ainda existentes nas três localidades e entrevistar moradores, porém, as três localidades estudadas: Douradinho, Barranco Alto e Córrego do Ouro, não possuem acesso asfáltico, e, para acessarmos Barranco Alto precisamos atravessar a represa de Furnas de Balsa. A pesquisa foi feita com base em Revisão Bibliográfica analisada de forma crítica, investigando informações disponibilizadas em bancos de dados confiáveis. A compreensão do significado de distrito e município se baseia na extensa pesquisa de Joaquim Ribeiro da Costa, considerada a mais conceituada obra de genealogia municipal do estado de Minas Gerais. São desta obra que retiramos os dados estatísticos e geográficos, bem como as referências à legislação. O livro de Costa foi adquirido pelo autor pela Internet em sua versão original de 1972, o possuindo na íntegra. Todas as leis citadas por Joaquim Ribeiro da Costa foram verificadas no portal da Assembléia Legislativa de Minas Gerais. As informações sobre como era Barranco Alto, Córrego do Ouro e Douradinho na atualidade se basearam em bancos de dados oficiais do IGA, IBGE, entre outras fontes governamentais e não-governamentais. Já as informações do passado se basearam nas obras de Bernardino Saturnino da Veiga, erudito autor do Almanach Sul Mineiro, publicado em 1874 e depois em 1884. Veiga era bibliotecário da Biblioteca Pública do município de Campanha, o que na época era posição de extremo prestígio. Também extraímos informações do Almanak Administrativo Civil e Industrial da Província de Minas Gerais de autoria de Antônio de Assis Martins, sendo essa obra menos detalhada e mais esparsa. A íntegra dos livros de Veiga encontramos na Hemeroteca Digital Brasileira, da Biblioteca Nacional. Já os livros de Martins estão disponível nos livros de domínio público do Google Books em banco de dados organizado nos Estados Unidos. As transcrições, com exceção dos nomes próprios, foram atualizados para Ortografia adotada a partir de 1971. Os nomes próprios foram conservados e não atualizados segundo a onomástica por opção do autor.
  24. 24. 24 Quanto ao conceito de História, pautamos em concepções modernas, baseada nos Annales, e na História Nova (inspirando-se em idéias de Ferdinand Braudel), mesclando com algumas idéias da história cultural de Carlo Ginzburg, especialmente no trato da micro-história.
  25. 25. 25 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO No Almanach de Veiga de 1874, p.41, Douradinho e Córrego do Ouro já constam como distritos na divisão do estado de Minas Gerais. Todos os outros distritos do Sul de Minas que constavam da mesma lista se tornaram municípios independentes, e, diversos na época sequer eram distritos, mas meros arraiais (e hoje são localidades com prefeito, Câmara Municipal, etc). Sobre Córrego do Ouro consta a informação de que a freguesia havia sido criada por Lei Municipal em 1873, mas ainda não instalada, situação idêntica à de outras freguesias como Luminárias, Santa Bárbara das Canoas (Guaranésia), etc. Veja: São Joaquim da Serra Negra é a atual Alterosa, Carmo da Escaramuça, Paraguaçú, Carmo do Campo Grande é Campos Gerais e Machadinho é Carvalhópolis. Note que hoje Douradinho é distrito de Machado, mas na época, ambos eram distritos de Alfenas, onde havia a Câmara Municipal. Igualmente Córrego do Ouro, na época distrito de Três Pontas tão como Campos Gerais, hoje cidade a qual “pertence”. Douradinho também aparece na Comarca Eclesiástica de Alfenas, p. 43. Todas cidades da lista abaixo se tornaram independentes, exceto Douradinho, e, note que, todas elas eram consideradas como se iguais fossem.
  26. 26. 26 As eleições para deputados eram indiretas (época pré-Lei Saraiva), e o Colégio Eleitoral de Alfenas (p.46) possuía 40 eleitores, sendo 8 de Douradinho, um número expressivo para uma localidade que nunca se tornara uma cidade. Do Colégio de Alfenas, Machado tinha 5 votos, São Joaquim (Alterosa) tinha 9 votos, Douradinho tinha 8 votos e Carmo da Escaramuça (Paraguaçu) tinha 4 votos. Note que hoje Douradinho é distrito de Machado, mas na época possuía mais eleitores para escolha dos políticos representantes do que a cidade a qual hoje está vinculada. (Aliás, a mesma quantidade de votantes que Varginha). O Almanaque de 1884, na página 65, já apresenta os três distritos que estudamos como freguesias, sendo Douradinho vinculado à Machado, S. João do Barranco Alto vinculado à Alfenas e Córrego do Ouro vinculado à Três Pontas. O mesmo almanaque já apresenta as eleições em distritos diferenciados dos anteriores, pois, fora implantada as eleições diretas, extinguindo os colégios eleitorais. O 13º distrito, com sede em Campanha constava Douradinho com 37 eleitores, Barranco Alto, 15 eleitores, Córrego do Ouro 22 eleitores. Para título de comparação, Campanha tinha 170 eleitores, Três Corações, 72 eleitores, Machado, 59 eleitores, Carvalhópolis (então Machadinho), 83 eleitores, Varginha, 66 eleitores, Alfenas, 108 eleitores e Lavras 198 eleitores era a cidade com maior número de eleitores.
  27. 27. 27 4.1 Douradinho ontem e hoje Colocada no centro de uma ridente colina, cercada de outras não menos aprazíveis porém menores ondulações de terra, - esta povoação, situada assim em um belo local e embalsamada sempre pelas virações das verdejantes e floridas campinas que a circundam, desperta todavia no espírito de quem a vê melancólicas cismas e desalentadoras cogitações. O silêncio que a envolve como se fora uma gélida mortalha, a quietação quase tumular em que jazem imersas suas habitações, cujo aspecto sombrio não se casa com a natureza ridente do sítio, tudo leva no ânimo de quem a contempla a convicção de que semelhante estado anuncia ausência de vida e progresso, vida e progressos que a erguerão certamente um dia à altura da civilização e de seus destinos. Vendo banhar-lhe as plantas um grande rio, artéria de comércio importantíssima, tendo em seu seio terras ubérrimas e possuindo uma população morigerada, de ótima índole, gênio hospitaleiro e sentimentos patrióticos e piedosos, - nada por certo consola a freguesia de São João Batista do Douradinho de seu atual e melancólico estado, senão uma bem fundada esperança de que o futuro saberá aproveitar os elementos de prosperidade que a mão dadivosa da Providência por aí espalhou, e que até hoje tem sido desgraçadamente tão descurados e esquecidos pelos homens. (Veiga, 1874).
  28. 28. 28 Gerada pelo http://licht.io.inf.br/mg_mapas/mapa/cgi/iga_comeco1024.htm Reza a tradição que os mais antigos povoadores de Douradinho eram Maria Leite e seus irmãos, que após a morte de seu pai, Silvestre Leite, afogado no rio Sapucaí, mandaram enterrá-lo no local onde hoje está a Igreja Matriz, assinalando o lugar com uma cruz. Após construírem algumas habitações e planejarem a povoação doaram o patrimônio para construção da vila. Veiga (1874) afirma que não se sabe quando a povoação ocorreu, pois não há informações: “Em que ano, porém, isto ocorreu, não o diz a tradição nem nos informarão aqueles à quem consultados, como os mais conhecedores da origem e história do lugar”. Em 19 de outubro de 1813, ainda na colônia, foi criado por Alvará, o Curato de S. João Batista de Douradinho Em 15 de março de 1840, pela Lei 168 foi transferida a paróquia para N. S. do Carmo da Escaramuça (e não se fala da criação da paróquia anteriormente). A Lei 239, de 30 de novembro de 1842 elevou o curato à freguesia (paróquia), pertencendo ao termo de Campanha. A Lei 1206, de 9 de agosto de 1864, transferiu a paróquia para Alfenas. A Lei 2084, de 24 de dezembro
  29. 29. 29 de 1874 passou novamente para o município de Campanha, onde foi retirada pela Lei 2684, de 30 de novembro de 1880, quando criou-se o município de Machado, anexando-se Douradinho como sua freguesia. O nome era Santo João Batista do Douradinho até a Lei 843, de 7 de setembro de 1923, quando o nome foi alterado para Douradinho apenas. Em Veiga (1874) descreve-se: “A ½ légua desta passa o rio Sapucahy, cujas margens são cobertas de excelentes matas de cultura. Há também muitos e ótimos campos para a criação de gados, que é feita em não pequena escala. Cultiva-se na freguesia a cana de açúcar, o café e o fumo. Alguma quantidade deste, os porcos, carneiros e bois constituem a exportação do lugar”, mostrando que havia pecuária e agricultura no local desde remoto tempo, mas, em seguida diz que estão ausentes na localidade água potável e estradas. Sobre a falta de estradas, Veiga (1874) ainda afirma que é algo comum em todo o sul de Minas, dizendo que estradas seriam importantes para tirar a freguesia da quase segregação que vive do resto do mundo, alegando ser essa a causa principal do seu longo estacionamento e marasmo. O Almanaque de 1874 ainda mostra que não havia nenhum filho de Douradinho cursando estudos superiores. Havia no local uma escola pública de primeiras letras para o sexo masculino, sendo única aula paga pela província no local, com média de 50 alunos. Já o Almanaque de 1884 diz que a aula pública de instrução primária encontrava-se vaga, e havia uma escola particular para meninas dirigida pela professora Emerenciana Pereira. Segundo o Almanaque de 1874 havia 8 eleitores no Colégio de Alfenas, 5º distrito eleitoral, sendo 355 votantes. O correio passava de 6 em 6 dias, na linha que vai de Campanha até Alfenas. Já o almanaque de 1874 afirma que o estafeta que vai de Machado até Alfenas, de quatro em quatro dias, nem sempre passa por Douradinho. Já o Almanaque de 1884, Veiga alega que metade do território de Douradinho foi passado para o de Retiro, e, a Igreja passa dificuldades, precisando o pároco receber de suas “ovelhas” 800$ anuais, sendo que a província pela última vez ajudou a paróquia há 25 anos, com 1.000$ para as obras da Matriz. O autor também diz que falta a construção de um dos muros do Cemitério, que está fechado com cerca de madeira em uma das faces. Também estima que 2.000$ resolveria o problema da água potável. Estima-se a área da freguesia em 40 alqueiras e importação anual de 20:000$000. O almanaque ainda apresenta preços das matas, campos, madeiras, do trabalho dos agricultores, tecidos, ovos, leite, lenha, pedra, cal de Lavras, frangos, carneiros, etc. Alguns dados são apresentados em 1884, como a presença de uma banda de música, 40 casas (sendo 10 construídas nos últimos anos) com aluguel de 5$ a 6$ mensais. Afirma-se existirem no local dois ou três “morféticos” (leprosos).
  30. 30. 30 O almanaque de 1884 também cita como poeta da cidade Joaquim Theophilo da Trindade, considerado: “o cantor das Tardes de Primavera, o poeta da Vargem, produções de esplendidas belezas, publicadas no Monitor Sul- Mineiro1 e transcritas por numerosos jornais no império, inclusive o Jornal do Comércio da Corte; talentoso peregrino, imaginação distintíssima, que passou em tristes e penosos sofrimentos na curta existência, cerrando os olhos ao mundo, que para ele foi tão cruel, em 19 de fevereiro de 1878, em casa do prestante tenente-coronel Flávio Secundo de Salles, que o tratou com carinho de pai” (VEIGA, 1884) Afirma Veiga (1884) que as barcas que navegam o Sapucahy que vêm de Itajubá gastam 12 a 20 dias de viagem, fazendo comércio de sal. Douradinho Hoje Douradinho, segundo o IBGE 2010 tinha 1.693 habitantes, sendo 1.083 na zona urbana e 610 na zona rural. O distrito sede do município de Machado, por sua vez possuí 30.985 habitantes na zona urbana e apenas 6.010 na zona rural. O distrito possui o Centro de Educação Infantil Municipal Vovó Guiomar, na Praça Belo Horizonte, atendendo 47 crianças na Creche e 28 na Pré-Escola em 2015, todos em Tempo Integral (mais de 7 horas de duração); já a EE de Douradinho tem 84 alunos nos anos iniciais do Ensino Fundamental e 93 nos anos finais, e mais 40 alunos no Ensino Médio, segundo dados do INEP/Dataescolabrasil. O distrito fica a 30 km da sede do município em Machado, e está mais próximo de Cordislândia e de Carvalhópolis do que de Machado. 1 Influente jornal sul-mineiro, editado em Campanha.
  31. 31. 31 Foto do Facebook Distrito de Douradinho Machado / MG (autor desconhecido) Centro Educacional Vovó Guiomar. Foto: Facebook Distrito de Douradinho Machado / MG
  32. 32. 32 EE de Douradinho. Foto: Facebook Distrito de Douradinho Machado / MG Ponte Cordislândia/Douradinho. Foto: Facebook Distrito de Douradinho Machado / MG
  33. 33. 33 Cena da Praça Central. Foto: Facebook Distrito de Douradinho Machado / MG 4.2 Córrego do Ouro ontem e hoje Situado em uma aprasível colina, cercado de ubérrimas terras e possuindo uma população laboriosa e pacífica, o Córrego do Ouro promete prosperar em futuro bem próximo. (VEIGA, 1874)
  34. 34. 34 Gerada pelo http://licht.io.inf.br/mg_mapas/mapa/cgi/iga_comeco1024.htm O Almanaque de 1874 oferece poucas informações sobre o Córrego do Ouro, que na época era distrito de Três Pontas (hoje é distrito de Campos Gerais), dizendo localizar-se a 5 e meia léguas de Três Pontas, “risonho e florecente lugar”. O distrito foi criado pela Lei 1473, de 9 de junho de 1868, e a freguesia pela Lei 2.002, de 1º de outubro de 1873, no município de Três Pontas. Foi incorporada ao município de Campos Gerais em 16 de setembro de 1901, pela Lei 319. A doação do patrimônio da localidade, considerada no Almanaque de 1884 como “insignificante patrimônio”, foi doada por Job Alves de Figueiredo, que inclusive auxiliava a construção de casas em suas posses não doadas, cuja padroeira era Nossa Senhora do Rosário. Na localidade, já em 1884 existia uma Igreja com duas torres, 60 casas espalhadas por três ruas e duas praças (da matriz e da cadeia). A localidade se localizava em local elevado o que na época (1884) dificultava o abastecimento de água.
  35. 35. 35 Outra figura de destaque na localidade era Miguel Corrêa Lourenço, falecido em 1880, o já citado alferes Job Alves de Figueiredo (com 72 anos em 1884), Manoel Thomaz de Oliveira, Joaquim Antônio de Souza Paiva e Antônio Aves de Figueiredo, este último, que iniciou a construção de uma cadeia cujos alicerces já estavam prontos na época do almanaque de 1884, contando essa cadeia com auxílio da Câmara Municipal de Três Pontas em 100$. O primeiro vigário foi Manoel Esteves Balanzuela Lyra, ficando lá três anos, sucedido por José Correa de Carvalho, esse último responsável pela conservação “decente” do cemitério. Em 1884 haviam duas escolas primárias para ambos os sexos, sendo 26 alunos na escola masculina e 20 alunas na escola feminina. Não havia em 1884 linha de correio. Havia apenas uma pessoa que foi vítima de “morphéa” (lepra) no local, sem epidemias assoladas. O relevo é montanhoso, na época do Almanaque de 1884 quase todo coberto de matas “em sua maior parte estregadas”, o que dificultava a extração de madeiras pra construção. A principal cultura na época era a cana, mas existia um começo de plantação de café em 30.000 pés em excelentes condições, e também fumo e algodão. Além de gado de corte, queijos, pedra de sabão, etc. Além da fábrica de vinho do português Luciano Veiga da Silva. Parte da freguesia era dividida pelo rio Sapucaí e pelo riacho Araras com 10 metros de largura e meio metro de profundidade. Hoje tudo se tornou Represa de Furnas. Na época tais rios ficavam varzeados e chegavam a subir até 6 metros. Pelo Rio Sapucaí, em terras de Córrego do Ouro, passavam barcas conduzindo sal de Varginha até Carmo do Rio Claro. Nas proximidades da localidade havia o bairro de Coqueiros com 30 casas, com pequenos lavradores, e uma aula particular de instrução primária com mais de 20 alunos regido pelo professor João da Costa Lima. Córrego do Ouro Hoje Córrego do Ouro, segundo o IBGE, em 2010 totalizava 3.794 habitantes, e tinha 2.464 habitantes na zona urbana (mais populoso que muito município) e 1.330 na zona rural. O município sede do distrito, Campos Gerais, possui 16.692 habitantes na zona urbana e 7.114 na zona rural. Veja que o distrito representa alto percentual em relação à sua sede. Indica o Dataescolabrasil, no Censo Escolar de 2015, que a Creche Municipal Dona Maria Carmo Coelho Vieira, possui 97 crianças em tempo integral (mais de 7
  36. 36. 36 horas de educação); que a EM Pedro Júlio, possui 86 alunos na Pré-Escola e 47 nos anos iniciais do ensino fundamental; e a EE Pe. Antônio Vieira possui 258 alunos nos anos iniciais, 328 alunos nos anos finais e 154 no ensino médio. Vista aérea de Córrego do Ouro. Foto da Prefeitura Muncipal. Córrego do Ouro. Uma das ruas. Foto da Prefeitura Municipal.
  37. 37. 37 Vista Parcial do distrito. Foto da Prefeitura Municipal. Segundo o site oficial da Prefeitura Municipal de Campos Gerais, publicado em 9 de janeiro de 2014, o distrito possuía limpeza pública permanente (inclusive nos terrenos baldios), coleta de lixo três vezes por semana, canalização da rede de esgoto em 110 metros de rede, projetos sociais, Telecentro comunitário, equipamento, pontes novas sobre os ribeirões Santo Antônio e Araras. Também havia sido contratado um médico geriatra e um fisioterapeuta para a localidade, além de transporte diário de pacientes para Alfenas. Além da construção de uma Creche do Pró-Infância orçada em R$ 1.573.687,25. Creche Pró-Infância em fase de finalização em 2014.
  38. 38. 38 4.3 Barranco Alto ontem e hoje A povoação está colocada no declive de uma formosa colina, mas é edificada com lamentável desordem. Tem um cemitério em mal estado, e conta 50 casas de telhas e vinte e tantas de sapé. Nenhuma aula pública existe para instrução da mocidade. Há, porém, uma escola particular com a frequência de 9 alunos. Um ribeirão que passa perto da localidade é que a abastece d’água, pois na povoação não há fontes. A freguesia não é muito tranquila, pois, infelizmente são nela frequentes os distúrbios, não sendo em pequeno número os assassinatos cometidos aí nos últimos dez anos. Talvez por estar habituado à desordem, armou-se o povo turbulento em Agosto de 1882, e procurou criminosamente impedir os trabalhos da junta do alistamento militar, não trazendo felizmente consequências deploráveis esse condenável procedimento. (VEIGA, 1884) Gerada pelo http://licht.io.inf.br/mg_mapas/mapa/cgi/iga_comeco1024.htm
  39. 39. 39 Por cerca de 1840 começou a fundação do Barranco Ato nas terras de Anna Joaquina Marques, viúva de José Marques, edificadas as primeiras construções por José Marques e João Marques filhos destes primeiros. Estes construíram a pequena capela para São João Batista. A localidade não crescia pois não havia nenhum terreno público até que D. Anna Quitéria do Nascimento doou alguns terrenos para edificações. Em seguida outros proprietários também doaram terrenos para as edificações, com destaque de Antônio da Silva Ferraz, Antônio Aleixo da Silva e João Alves de Lima. O nome Barranco Alto se dá às elevadas barrancas do rio Sapucahy, no porto da freguesia, que, segundo o Almanaque de 1884, estava a ¼ de légua de distância. O Almanaque de 1884 também diz que a localidade estava em progressiva decadência, porém, há 10 anos, começou a reerguer-se. O cidadão João Alves de Lima levou para a cidade o padre Antônio Rocha que ficou por lá por 2 anos, sendo substituído por Paschoal de Luna que ficou lá 5 anos. Em seguida, por 2 anos, Luiz Cândido de Souza. Se tornou distrito em 1º de dezembro de 1873, pela Le 2.042. Em 24 de dezembro de 1874, pela Lei 2.087, São João do Retiro do Barranco Alto foi elevado à paróquia, pertencente à comarca eclesiástica de Alfenas. Passou a chamar Barranco Alto apenas em 9 de novembro de 1924, pela Lei 860. Não havia abastecimento de água na cidade, mas, um ribeirão límpido que passava próximo do povoado antes de desaguar no Sapucaí. Não havendo auxílio do governo o aluguel das casas da povoação girava em 60% por ano, tendo a população aumentado em 10 ou 12 morféticos (leprosos) segundo Veiga (1884). O patrimônio do local era de 20 alqueires, havendo bastante terra devoluta. A freguesia importava 20:000$, e a arroba era paga por 4$. Fazia divisa com os rios Sapucaí, Cabo Verde e outros córregos, atualmente alagados pela Represa de Furnas. O Cabo Verde desaguava em Barranco Alto com todas as águas deste e de seus afluentes para o Sapucaí. Em 1884 havia produção de alimentos e pouca produção de cana, café e algodão. Hoje o café é produzido em larga escala na localidade, que ainda pertence ao município de Alfenas, e dele é separada pela Represa de Furnas sem ligações terrestres. Relata-se no mesmo almanaque que no período de chuvas o Sapucaí erguia 16 palmos e parecia que Barranco Alto era “uma ilha em meio de grande lago” (uma península, na verdade). Esse fato dificultava o trânsito.
  40. 40. 40 Interessante notar que o Almanaque de 1884, após narrar a dificuldade de trânsito com a cheia, diz que Barranco Alto estava no centro da estrada de São Joaquim (Alterosa) para Três Pontas, de Alfenas para Passos e Carmo do Rio Claro. Hoje tais estradas inexistem, pois foram alagadas pela Represa de Furnas. Aliás, por sinal, não existe nenhum acesso asfáltico para a localidade. O almanaque explica que é necessário construir uma ponte sobre o Sapucaí no porto da povoação e “Os viajantes para transporem o rio são forçados a se utilizarem de uma velha barca, pagando 200 réis pela passagem de cada animal”. Até hoje atravessar o Rio (atualmente Represa de Furnas), é necessário utilizar-se de Balsas pagas, e, alguns estudantes são transportados até a sede do município com lanchas escolares. O correio do local está no trecho Alfenas-Passos, e passa de 8 em 8 dias. Fala-se no bairro Manda Saia, com 50 casas espalhadas e distância de ¾ de légua. Tal bairro existe até hoje, e lá havia uma escola rural administrada pelo mesmo dirigente da atual escola do bairro Barranco Alto. Barranco Alto Hoje Anos depois da fundação de Alfenas os mineiros fundaram nas Barrancas do rio Sapucaí, a 43 quilômetros da cidade do Vieiras, o Retiro de São João Batista, que nos idos de 1888 passou a ser denominado de Barranco Alto. O local, agradável, de ótimo clima e de boa água, tornou-se distrito de Alfenas e na década de 1940 desenvolveu-se, chegando a contar com Agência dos Correios, com Agência do Banco Financial da Produção SA, e com vários estabelecimentos comerciais, além de uma fábrica de laticínios, orgulho do prefeito Romeu Vieira, um dos descendentes mais politizados do fundador de Alfenas. O transporte de mercadorias para Barranco Alto que fervilhava de gente era feito por via fluvial, através dos vapores que cortavam o Sapucaí, majestoso e sereno e também por carros de boi. Os passageiros usavam a velha jardineira do Batista que fazia a Linha de Alfenas a Carmo do Rio Claro, passando pelo povoado de Barranco Alto. Onde o Padre Clodomiro de Mesquita Reis inovava os costumes da Igreja, usando auto-falante, no templo cristão, para divulgar as notícias, as músicas cantadas por Chico Viola, Carlos Galhardo, Vicente Celestino e também os hinos patrióticos.
  41. 41. 41 Com o passar dos anos o povoado de Barranco Alto foi decaindo com a passagem da monocultura do café para a criação de gado. “Onde entrava o pé do boi saia o pé do homem”. Com a saída do ruralista do campo o povoado sofreu as consequências. Os comerciantes encerraram suas atividades por falta de consumidores e o Banco Financial fechou a sua agência. O mesmo aconteceu com o Correio e Barranco Alto foi rapidamente se transformando em um local abandonado. Quando represaram e rio e fizeram a represa de Furnas, muitos perderam terras, casas e resolveram ir para Alfenas. Atualmente Barranco Alto tem posto de saúde, igrejas, cartório, posto do correio, mercearias, padarias, bares, restaurante e escola que atende a Educação Infantil, Ensino Fundamental completo e Ensino Médio. O local é tranquilo e as pessoas que ali residem são hospitaleiras e muito atenciosas. De: http://alfenasnossahistoria.xpg.uol.com.br/barrancoalto.html Foto de “Alfenas Nossa História”
  42. 42. 42 Foto de “Alfenas Nossa História” Foto de “Alfenas Nossa História”
  43. 43. 43 Foto de “Alfenas Nossa História” Barranco Alto, segundo o IBGE em 2010 tinha 1.157 habitantes, sendo 382 na zona urbana e 775 na zona rural, um número bastante inferior aos dados do século XIX. Já o distrito sede de Alfenas possuía 68.794 habitantes na zona urbana e 3.823 na zona rural, sendo portanto, Barranco Alto, isolado geograficamente e com pouca força política devido ao baixo porcentual populacional em relação ao município sede. A força política precária fez com que o distrito fosse asfaltado apenas em 2012, e apenas em parte da cidade. Imaginem uma povoação antiga e povoada sem pavimentação em qualquer uma de suas ruas em pleno século XXI! A região é turística e o Barranco Alto se tornou uma verdadeira península, por se encontrar no antigo entroncamento dos Rios Cabo Verde e Rio Sapucaí, sendo alagados pelo Lago de Furnas. Hoje os estudantes da localidade são servidos por lanchas escolares. Segundo o Dataescolabrasil, no Censo Escolar de 2015, a EM Abrão Adolpho Engel, possuía 20 alunos na Pré-Escola, 47 alunos nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e 86 nos anos finais, além de atender três classes de Ensino Médio, anexas da EE Judith Vianna, localizada no distrito sede.
  44. 44. 44 Vista Aérea de Barranco Alto. Fonte: Alfenasnossahistoria Vista Aérea de Barranco Alto. Fonte: Minasacontece
  45. 45. 45 Mapa do Distrito - Google
  46. 46. 46 5 CONCLUSÃO Esse trabalho apenas apresentou a evolução da concepção de unidade básica do estado de Minas Gerais, apresentando Douradinho, Córrego do Ouro e Barranco Alto, com seus contextos históricos e a atual situação de cada localidade no presente ano de 2015. É notável que tratavam-se de unidades importantes de Minas Gerais, mas hoje são apenas pequeninos distritos, sem importância no contexto estadual, por não terem prefeito, Câmara Municipal, e sequer via asfáltica. Vimos que algumas localidades como Douradinho e Córrego do Ouro são bastante populosos, mais do que o comum para um distrito, e, Barranco Alto, pouco populoso, é importante geograficamente. As hipóteses sobre a não transformação dessas unidades em municípios, como ocorreu com localidades formadas mais de um século depois, podem ter várias explicações, como o fim da expansão ferroviária, a localização geográfica não privilegiada de cada distrito e o alagamento da represa de Furnas nos anos 60, assuntos que devem ser explorados em outras pesquisas.
  47. 47. 47 6 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COSTA, Joaquim Ribeiro. Toponímia de Minas Gerais com estudo da Divisão Territorial Administrativa. Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado, 1970. MARTINS, Antonio de Assis; OLIVEIRA, HARQUES Almanak Administrativo Civil e Industrial da Província de Minas Gerais para o anno de 1865. Ouro Preto: Província de Minas Gerais, 1864. MARTINS, Antonio de Assis. Almanak Administrativo Civil e Industrial da Província de Minas Gerais do ano de 1874 para servir no de 1875. Ouro Preto: Província de Minas Gerais, 1874 MARTINS, Antonio de Assis. Almanak Administrativo Civil e Industrial da Província de Minas Gerais do ano de 1872 para servir no de 1873. Ouro Preto: Província de Minas Gerais, 1873. VEIGA, Bernardo Saturnino. Almanach Sul-Mineiro para 1874. Campanha: Monitor Sul-Mineiro: 1874. VEIGA, Bernardo Saturnino. Almanak Sul-Mineiro para 1884. Campanha: Monitor Sul-Mineiro: 1884.
  48. 48. 48 ANEXO I - ALMANACH SUL-MINEIRO PARA 1874 (EXCERTOS) Excertos de Veiga (1874):
  49. 49. 49
  50. 50. 50
  51. 51. 51
  52. 52. 52
  53. 53. 53
  54. 54. 54
  55. 55. 55 ANEXO II - ALMANACH SUL-MINEIRO PARA 1884 (EXCERTOS)
  56. 56. 56
  57. 57. 57
  58. 58. 58
  59. 59. 59
  60. 60. 60
  61. 61. 61
  62. 62. 62
  63. 63. 63
  64. 64. 64
  65. 65. 65
  66. 66. 66
  67. 67. 67 ANEXO III - OUTRAS INFORMAÇÕES DO ALMANACH Lista de Assinantes do Almanach de 1884 Em Barranco Alto havia um único assinante João Alves de Lima. Em Douradinho eram assinantes José de Arimathéa Moraes e Manoel Alves Pereira. Em Córrego do Ouro eram assinantes o Alferes Job Alves de Figueiredo, o Vigário José Corrêa de Carvalho, Luciano Veiga da Silva e Zeferino José de Moraes. Listagem de Eleitores em 1884
  68. 68. 68
  69. 69. 69 População em 1874. Censo de 1º de agosto de 1873, com as 72 freguesias do Sul de Minas, e total de 383.393 habitantes. Campanha 7.546 Águas Virtuosas (Lambari) 2.823 Lambary (Jesuânia) 2.408 Mutuca (Elói Mendes) 4.513 Rio Verde (Três Corações) 3.154 S. Gonçalo (do Sapucaí) 7.077 Machadinho (Carvalhópolis) 3.216 Santa Rita do Sapucahy 5.391 Três Pontas 10.770 Campo Grande (Campos Gerais) 6.171 Varginha 7.195 Cachoeira (Carmo da Cachoeira) 5.410 Boa Esperança 10.456 Coqueiros (Coqueiral) 3.614 Agua-pé (Guapé) 6.407 Lavras 11.327 S. João Nepomuceno (Nepomuceno) 6.413 Perdões 8.660 Alfenas 4.600 S. Joaquim (Alterosa) 6.809 Areado 4.057 Conceição da Boa Vista (Divisa Nova) 2.876 Machado 3.950 Carmo da Escaramuça (Paraguaçu) 2.800
  70. 70. 70 Douradinho 3.089 Carmo do Rio Claro 5.715 Santa Rita de Cássia (Santa Rita de Caldas) 2.893 Campestre 4.550 S. Sebastião do Jaguary (Andradas) 3.139 Cabo Verde 4.806 Santa Rita do Rio Claro (Nova Resende) 3.762 Muzambinho 4.919 Guaxupé 4.451 Passos 7.653 Ventania (Alpinópolis) 4.188 Santa Rita de Cássia de Passos (Cássia) 2.051 São Sebastião do Paraíso 7.616 Monte Santo 7.361 Jaguary (Camanducaia) 3.368 Cambuhy 2.264 Campo Mystico (Bueno Brandão) 5.058 S. José de Tolledo (Toledo) 1.564 Santa Rita da Extrema (Extrema) 3.394 Ouro Fino 9.197 Jacotinga 4.351 Pouso Alegre 7.339 Borda da Matta 5.563 Estiva 4.967 Sant’Anna do Sapucahy (Silvianópolis) 9.698
  71. 71. 71 Itajubá 4.740 Vargem Grande (Brasópolis) 4.946 Soledade de Itajubá (Soledade de Minas) 5.181 Pirangussú 3.003 S. José do Paraíso (Paraisópolis) 10.176 Capivary (Consolação) 3.411 S. João Baptista das Cachoeiras (Cachoeira de Minas) 7.948 Christina 5.104 Virgínia 3.872 Carmo do Rio Verde (Carmo de Minas) 5.488 Santa Catharina (Natércia) 4.959 S. Sebastião da Pedra Branca (Pedralva) 4.989 Pouso Alto 7.062 S. José do Picú (Itamonte) 3.787 Passa Quatro 3.385 Baependy 15.668 S. Thomé (das Letras) 3.932 Conceição do Rio Verde 3.019 Ayuruoca 4.262 Alagôa 2.558 Bocaina 5.167 Livramento (Liberdade) 1.953 Serranos 2.734 Nomes atuais daquelas freguesias de acordo com Costa (1970)
  72. 72. 72 ANEXO IV - POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS, BAIRROS E DISTRITOS DO SUL DE MINAS (POPULAÇÃO TOTAL) Variável = População residente (Pessoas) Situação do domicílio = Total Sexo = Total Idade = Total Condição no domicílio e o compartilhamento da responsabilidade pelo domicílio = Total Ano = 2010 Brasil, Município, Distrito, Subdistrito e Bairro Brasil 190.755.799 Aiuruoca - MG 6.162 Alagoa - MG 2.709 Albertina - MG 2.913 Alfenas - MG 73.774 Alpinópolis - MG 18.488 Alterosa - MG 13.717 Andradas - MG 37.270 Andrelândia - MG 12.173 Arantina - MG 2.823 Arceburgo - MG 9.509 Areado - MG 13.731 Baependi - MG 18.307 Bandeira do Sul - MG 5.338 Boa Esperança - MG 38.516 Bocaina de Minas - MG 5.007 Bom Jardim de Minas - MG 6.501 Bom Jesus da Penha - MG 3.887 Bom Repouso - MG 10.457 Borda da Mata - MG 17.118 Botelhos - MG 14.920 Brazópolis - MG 14.661 Bueno Brandão - MG 10.892 Cabo Verde - MG 13.823 Cachoeira de Minas - MG 11.034 Caldas - MG 13.633 Camanducaia - MG 21.080 Cambuí - MG 26.488 Cambuquira - MG 12.602 Campanha - MG 15.433 Campestre - MG 20.686 Campo do Meio - MG 11.476 Campos Gerais - MG 27.600 Capetinga - MG 7.089 Capitólio - MG 8.183 Careaçu - MG 6.298
  73. 73. 73 Carmo da Cachoeira - MG 11.836 Carmo de Minas - MG 13.750 Carmo do Rio Claro - MG 20.426 Carvalhópolis - MG 3.341 Carvalhos - MG 4.556 Cássia - MG 17.412 Caxambu - MG 21.705 Claraval - MG 4.542 Conceição da Aparecida - MG 9.820 Conceição das Pedras - MG 2.749 Conceição do Rio Verde - MG 12.949 Conceição dos Ouros - MG 10.388 Congonhal - MG 10.468 Consolação - MG 1.727 Coqueiral - MG 9.289 Cordislândia - MG 3.435 Córrego do Bom Jesus - MG 3.730 Cristina - MG 10.210 Cruzília - MG 14.591 Delfim Moreira - MG 7.971 Delfinópolis - MG 6.830 Divisa Nova - MG 5.763 Dom Viçoso - MG 2.994 Elói Mendes - MG 25.220 Espírito Santo do Dourado - MG 4.429 Estiva - MG 10.845 Extrema - MG 28.599 Fama - MG 2.350 Fortaleza de Minas - MG 4.098 Gonçalves - MG 4.220 Guapé - MG 13.872 Guaranésia - MG 18.714 Guaxupé - MG 49.430 Heliodora - MG 6.121 Ibiraci - MG 12.176 Ibitiúra de Minas - MG 3.382 Ilicínea - MG 11.488 Inconfidentes - MG 6.908 Ipuiúna - MG 9.521 Itajubá - MG 90.658 Itamogi - MG 10.349 Itamonte - MG 14.003 Itanhandu - MG 14.175 Itapeva - MG 8.664 Itaú de Minas - MG 14.945 Jacuí - MG 7.502 Jacutinga - MG 22.772 Jesuânia - MG 4.768 Juruaia - MG 9.238
  74. 74. 74 Lambari - MG 19.554 Liberdade - MG 5.346 Machado - MG 38.688 Maria da Fé - MG 14.216 Marmelópolis - MG 2.968 Minduri - MG 3.840 Monsenhor Paulo - MG 8.161 Monte Belo - MG 13.061 Monte Santo de Minas - MG 21.234 Monte Sião - MG 21.203 Munhoz - MG 6.257 Muzambinho - MG 20.430 Natércia - MG 4.658 Nova Resende - MG 15.374 Olímpio Noronha - MG 2.533 Ouro Fino - MG 31.568 Paraguaçu - MG 20.245 Paraisópolis - MG 19.379 Passa Quatro - MG 15.582 Passa-Vinte - MG 2.079 Passos - MG 106.290 Pedralva - MG 11.467 Piranguçu - MG 5.217 Piranguinho - MG 8.016 Poço Fundo - MG 15.959 Poços de Caldas - MG 152.435 Pouso Alegre - MG 130.615 Pouso Alto - MG 6.213 Pratápolis - MG 8.807 Santana da Vargem - MG 7.231 Santa Rita de Caldas - MG 9.027 Santa Rita do Sapucaí - MG 37.754 São Bento Abade - MG 4.577 São Gonçalo do Sapucaí - MG 23.906 São João Batista do Glória - MG 6.887 São João da Mata - MG 2.731 São José da Barra - MG 6.778 São José do Alegre - MG 3.996 São Lourenço - MG 41.657 São Pedro da União - MG 5.040 São Sebastião da Bela Vista - MG 4.948 São Sebastião do Paraíso - MG 64.980 São Sebastião do Rio Verde - MG 2.110 São Tomás de Aquino - MG 7.093 São Thomé das Letras - MG 6.655 São Vicente de Minas - MG 7.008 Sapucaí-Mirim - MG 6.241 Senador Amaral - MG 5.219 Senador José Bento - MG 1.868
  75. 75. 75 Seritinga - MG 1.789 Serrania - MG 7.542 Serranos - MG 1.995 Silvianópolis - MG 6.027 Soledade de Minas - MG 5.676 Tocos do Moji - MG 3.950 Toledo - MG 5.764 Três Corações - MG 72.765 Três Pontas - MG 53.860 Turvolândia - MG 4.658 Varginha - MG 123.081 Virgínia - MG 8.623 Wenceslau Braz - MG 2.553 Aiuruoca - Aiuruoca - MG 6.162 Alagoa - Alagoa - MG 2.709 Albertina - Albertina - MG 2.913 Alfenas - Alfenas - MG 72.617 Barranco Alto - Alfenas - MG 1.157 Alpinópolis - Alpinópolis - MG 18.488 Alterosa - Alterosa - MG 11.394 Divino Espírito Santo - Alterosa - MG 2.323 Andradas - Andradas - MG 34.006 Gramínea - Andradas - MG 2.492 Campestrinho - Andradas - MG 772 Andrelândia - Andrelândia - MG 12.173 Arantina - Arantina - MG 2.823 Arceburgo - Arceburgo - MG 9.509 Areado - Areado - MG 13.731 Baependi - Baependi - MG 18.307 Bandeira do Sul - Bandeira do Sul - MG 5.338 Boa Esperança - Boa Esperança - MG 38.516 Bocaina de Minas - Bocaina de Minas - MG 2.778 Mirantão - Bocaina de Minas - MG 2.229 Bom Jardim de Minas - Bom Jardim de Minas - MG 5.820 Tabuão - Bom Jardim de Minas - MG 681 Bom Jesus da Penha - Bom Jesus da Penha - MG 3.887 Bom Repouso - Bom Repouso - MG 10.457 Borda da Mata - Borda da Mata - MG 13.223 Cervo - Borda da Mata - MG 2.239 Sertãozinho - Borda da Mata - MG 1.656 Botelhos - Botelhos - MG 11.708 Palmeiral - Botelhos - MG 2.318 São Gonçalo de Botelhos - Botelhos - MG 894 Brazópolis - Brazópolis - MG 11.282 Dias - Brazópolis - MG 2.010 Luminosa - Brazópolis - MG 1.369 Bueno Brandão - Bueno Brandão - MG 10.892 Cabo Verde - Cabo Verde - MG 9.407 Serra dos Lemes - Cabo Verde - MG 2.915
  76. 76. 76 São Bartolomeu de Minas - Cabo Verde - MG 1.501 Cachoeira de Minas - Cachoeira de Minas - MG 9.428 Itaim - Cachoeira de Minas - MG 1.606 Caldas - Caldas - MG 9.142 Laranjeiras de Caldas - Caldas - MG 1.267 Santana de Caldas - Caldas - MG 1.075 São Pedro de Caldas - Caldas - MG 2.149 Camanducaia - Camanducaia - MG 15.531 Monte Verde - Camanducaia - MG 4.132 São Mateus de Minas - Camanducaia - MG 1.417 Cambuí - Cambuí - MG 26.488 Cambuquira - Cambuquira - MG 12.602 Campanha - Campanha - MG 15.433 Campestre - Campestre - MG 20.686 Campo do Meio - Campo do Meio - MG 11.476 Campos Gerais - Campos Gerais - MG 23.806 Córrego do Ouro - Campos Gerais - MG 3.794 Capetinga - Capetinga - MG 5.857 Goianases - Capetinga - MG 1.232 Capitólio - Capitólio - MG 8.183 Careaçu - Careaçu - MG 6.298 Carmo da Cachoeira - Carmo da Cachoeira - MG 11.268 Palmital do Cervo - Carmo da Cachoeira - MG 568 Carmo de Minas - Carmo de Minas - MG 13.750 Carmo do Rio Claro - Carmo do Rio Claro - MG 19.205 Itaci - Carmo do Rio Claro - MG 1.221 Carvalhópolis - Carvalhópolis - MG 3.341 Carvalhos - Carvalhos - MG 4.245 Franceses - Carvalhos - MG 311 Cássia - Cássia - MG 17.412 Caxambu - Caxambu - MG 21.705 Claraval - Claraval - MG 4.542 Conceição da Aparecida - Conceição da Aparecida - MG 9.820 Conceição das Pedras - Conceição das Pedras - MG 2.749 Conceição do Rio Verde - Conceição do Rio Verde - MG 12.435 Águas de Contendas - Conceição do Rio Verde - MG 514 Conceição dos Ouros - Conceição dos Ouros - MG 10.388 Congonhal - Congonhal - MG 10.468 Consolação - Consolação - MG 1.727 Coqueiral - Coqueiral - MG 8.296 Frei Eustáquio - Coqueiral - MG 993 Cordislândia - Cordislândia - MG 3.435 Córrego do Bom Jesus - Córrego do Bom Jesus - MG 3.730 Cristina - Cristina - MG 10.210 Cruzília - Cruzília - MG 14.591 Delfim Moreira - Delfim Moreira - MG 7.971 Delfinópolis - Delfinópolis - MG 4.458 Babilônia - Delfinópolis - MG 1.404 Olhos D'Água da Canastra - Delfinópolis - MG 968
  77. 77. 77 Divisa Nova - Divisa Nova - MG 5.763 Dom Viçoso - Dom Viçoso - MG 2.994 Elói Mendes - Elói Mendes - MG 25.220 Espírito Santo do Dourado - Espírito Santo do Dourado - MG 4.429 Estiva - Estiva - MG 9.297 Pântano - Estiva - MG 1.548 Extrema - Extrema - MG 28.599 Fama - Fama - MG 2.350 Fortaleza de Minas - Fortaleza de Minas - MG 4.098 Gonçalves - Gonçalves - MG 4.220 Guapé - Guapé - MG 13.185 Araúna - Guapé - MG 687 Guaranésia - Guaranésia - MG 16.840 Santa Cruz do Prata - Guaranésia - MG 1.874 Guaxupé - Guaxupé - MG 49.430 Heliodora - Heliodora - MG 6.121 Ibiraci - Ibiraci - MG 12.176 Ibitiúra de Minas - Ibitiúra de Minas - MG 3.382 Ilicínea - Ilicínea - MG 11.488 Inconfidentes - Inconfidentes - MG 6.908 Ipuiúna - Ipuiúna - MG 9.521 Itajubá - Itajubá - MG 89.377 Lourenço Velho - Itajubá - MG 1.281 Itamogi - Itamogi - MG 10.349 Itamonte - Itamonte - MG 14.003 Itanhandu - Itanhandu - MG 14.175 Itapeva - Itapeva - MG 8.664 Itaú de Minas - Itaú de Minas - MG 14.945 Jacuí - Jacuí - MG 7.502 Jacutinga - Jacutinga - MG 20.780 São Sebastião dos Robertos - Jacutinga - MG 987 Sapucaí - Jacutinga - MG 1.005 Jesuânia - Jesuânia - MG 4.768 Juruaia - Juruaia - MG 9.238 Lambari - Lambari - MG 19.554 Liberdade - Liberdade - MG 5.346 Machado - Machado - MG 36.995 Douradinho - Machado - MG 1.693 Maria da Fé - Maria da Fé - MG 12.932 Pintos Negreiros - Maria da Fé - MG 1.284 Marmelópolis - Marmelópolis - MG 2.968 Minduri - Minduri - MG 3.840 Monsenhor Paulo - Monsenhor Paulo - MG 8.161 Monte Belo - Monte Belo - MG 10.209 Juréia - Monte Belo - MG 1.689 Santa Cruz da Aparecida - Monte Belo - MG 1.163 Monte Santo de Minas - Monte Santo de Minas - MG 19.101 Milagre - Monte Santo de Minas - MG 2.133 Monte Sião - Monte Sião - MG 21.203
  78. 78. 78 Munhoz - Munhoz - MG 6.257 Muzambinho - Muzambinho - MG 20.430 Natércia - Natércia - MG 4.658 Nova Resende - Nova Resende - MG 13.437 Petúnia - Nova Resende - MG 1.937 Olímpio Noronha - Olímpio Noronha - MG 2.533 Ouro Fino - Ouro Fino - MG 28.377 Crisólia - Ouro Fino - MG 1.770 São José do Mato Dentro - Ouro Fino - MG 1.421 Paraguaçu - Paraguaçu - MG 19.257 Guaipava - Paraguaçu - MG 988 Paraisópolis - Paraisópolis - MG 18.172 Costas - Paraisópolis - MG 1.207 Passa Quatro - Passa Quatro - MG 11.895 Pé do Morro - Passa Quatro - MG 1.642 Pinheirinhos - Passa Quatro - MG 2.045 Passa-Vinte - Passa-Vinte - MG 2.079 Passos - Passos - MG 106.290 Pedralva - Pedralva - MG 11.467 Piranguçu - Piranguçu - MG 5.217 Piranguinho - Piranguinho - MG 4.899 Olegário Maciel - Piranguinho - MG 1.410 Santa Bárbara do Sapucaí - Piranguinho - MG 1.707 Poço Fundo - Poço Fundo - MG 14.564 Paiolinho - Poço Fundo - MG 1.395 Poços de Caldas - Poços de Caldas - MG 152.435 Pouso Alegre - Pouso Alegre - MG 127.854 Sao José do Pântano - Pouso Alegre - MG 2.761 Pouso Alto - Pouso Alto - MG 4.689 Santana do Capivari - Pouso Alto - MG 1.524 Pratápolis - Pratápolis - MG 8.807 Santana da Vargem - Santana da Vargem - MG 7.231 Santa Rita de Caldas - Santa Rita de Caldas - MG 7.159 Pião - Santa Rita de Caldas - MG 629 São Bento de Caldas - Santa Rita de Caldas - MG 1.239 Santa Rita do Sapucaí - Santa Rita do Sapucaí - MG 37.754 São Bento Abade - São Bento Abade - MG 4.577 São Gonçalo do Sapucaí - São Gonçalo do Sapucaí - MG 21.544 Ferreiras - São Gonçalo do Sapucaí - MG 933 Ribeiros - São Gonçalo do Sapucaí - MG 1.429 São João Batista do Glória - São João Batista do Glória - MG 6.887 São João da Mata - São João da Mata - MG 2.731 São José da Barra - São José da Barra - MG 6.778 São José do Alegre - São José do Alegre - MG 3.996 São Lourenço - São Lourenço - MG 41.657 São Pedro da União - São Pedro da União - MG 5.040 São Sebastião da Bela Vista - São Sebastião da Bela Vista - MG 4.948 São Sebastião do Paraíso - São Sebastião do Paraíso - MG 63.051 Guardinha - São Sebastião do Paraíso - MG 1.929
  79. 79. 79 São Sebastião do Rio Verde - São Sebastião do Rio Verde - MG 2.110 São Tomás de Aquino - São Tomás de Aquino - MG 7.093 São Thomé das Letras - São Thomé das Letras - MG 6.655 São Vicente de Minas - São Vicente de Minas - MG 7.008 Sapucaí-Mirim - Sapucaí-Mirim - MG 6.241 Senador Amaral - Senador Amaral - MG 2.960 Ponte Segura - Senador Amaral - MG 2.259 Senador José Bento - Senador José Bento - MG 1.868 Seritinga - Seritinga - MG 1.789 Serrania - Serrania - MG 7.542 Serranos - Serranos - MG 1.995 Silvianópolis - Silvianópolis - MG 6.027 Soledade de Minas - Soledade de Minas - MG 5.676 Tocos do Moji - Tocos do Moji - MG 3.950 Toledo - Toledo - MG 5.764 Três Corações - Três Corações - MG 72.765 Três Pontas - Três Pontas - MG 51.227 Pontalete - Três Pontas - MG 2.633 Turvolândia - Turvolândia - MG 4.658 Varginha - Varginha - MG 123.081 Virgínia - Virgínia - MG 8.623 Wenceslau Braz - Wenceslau Braz - MG 1.956 Itererê - Wenceslau Braz - MG 597 Barra - Delfim Moreira - Delfim Moreira - MG 1.268 1 Subdistrito - Itajubá - Itajubá - MG 52.737 Piedade - Itajubá - Itajubá - MG 13.360 Quadrante Central - Pouso Alegre - Pouso Alegre - MG 4.578 Quadrante Nordeste - Pouso Alegre - Pouso Alegre - MG 30.640 Quadrante Centro-Sul - Pouso Alegre - Pouso Alegre - MG 11.116 Quadrante Sudeste - Pouso Alegre - Pouso Alegre - MG 20.069 Quadrante Sudoeste - Pouso Alegre - Pouso Alegre - MG 12.022 Quadrante Noroeste - Pouso Alegre - Pouso Alegre - MG 40.570 Quadrante Industrial - Pouso Alegre - Pouso Alegre - MG 22 Rosário - Areado - MG 3.292 São Vicente - Areado - MG 1.483 Centro - Passos - MG 5.212 São Francisco - Passos - MG 7.071 Penha - Passos - MG 7.131 Santa Casa - Passos - MG 1.886 Canjeranus - Passos - MG 3.061 São Benedito - Passos - MG 3.159 Belo Horizonte - Passos - MG 6.070 Nossa Senhora das Graças - Passos - MG 2.930 Muarama - Passos - MG 4.270 Universitário - Passos - MG 40 Aeroporto - Passos - MG 127 Cohab - Passos - MG 11.896 Vila São José - Passos - MG 201 Califórnia - Passos - MG 6.436
  80. 80. 80 Coimbras - Passos - MG 7.203 Polivalente - Passos - MG 2.568 Santa Luzia - Passos - MG 8.895 Bela Vista - Passos - MG 6.664 Jardim Colégio de Passos - Passos - MG 2.160 Vila Rica - Passos - MG 4.641 Aclimação - Passos - MG 3.876 Nossa Senhora Aparecida - Passos - MG 3.729 João Paulo II - Passos - MG 1.616 Região Urbana Homogênea I - Poços de Caldas - MG 869 Região Urbana Homogênea II - Poços de Caldas - MG 760 Região Urbana Homogênea III - Poços de Caldas - MG 9.041 Região Urbana Homogênea IV - Poços de Caldas - MG 8.604 Região Urbana Homogênea V - Poços de Caldas - MG 3.115 Região Urbana Homogênea VI - Poços de Caldas - MG 2.050 Região Urbana Homogênea VII - Poços de Caldas - MG 881 Região Urbana Homogênea VIII - Poços de Caldas - MG 7.009 Região Urbana Homogênea IX - Poços de Caldas - MG 3.993 Região Urbana Homogênea X - Poços de Caldas - MG 9.709 Região Urbana Homogênea XI - Poços de Caldas - MG 4.594 Região Urbana Homogênea XII - Poços de Caldas - MG 16.456 Região Urbana Homogênea XIII - Poços de Caldas - MG 11.415 Região Urbana Homogênea XIV - Poços de Caldas - MG 3.373 Região Urbana Homogênea XV - Poços de Caldas - MG 7.647 Região Urbana Homogênea XVI - Poços de Caldas - MG 1.408 Região Urbana Homogênea XVII - Poços de Caldas - MG 6.546 Região Urbana Homogênea XVIII - Poços de Caldas - MG 11.433 Região Urbana Homogênea XIX - Poços de Caldas - MG 7.833 Região Urbana Homogênea XX - Poços de Caldas - MG 2.534 Região Urbana Homogênea XXI - Poços de Caldas - MG 1.448 Região Urbana Homogênea XXII - Poços de Caldas - MG 13.339 Região Urbana Homogênea XXIII - Poços de Caldas - MG 1.468 Região Urbana Homogênea XXIV - Poços de Caldas - MG 5.134 Região Urbana Homogênea XXV - Poços de Caldas - MG 747 Região Urbana Homogênea XXVI - Poços de Caldas - MG 34 Região Urbana Homogênea XXVII - Poços de Caldas - MG 668 Centro - Varginha - MG 4.813 Floresta - Varginha - MG 4.764 Jardim Andere - Varginha - MG 2.475 Vale dos Ipês - Varginha - MG 500 Santa Luíza - Varginha - MG 1.308 Canaã - Varginha - MG 4.151 Fátima - Varginha - MG 5.668 Catanduvas - Varginha - MG 3.587 Vila Pinto - Varginha - MG 1.991 Bela Vista - Varginha - MG 1.470 Boa Vista - Varginha - MG 2.621 Bom Pastor - Varginha - MG 5.753 Campos Elíseos - Varginha - MG 5.167
  81. 81. 81 Barcelona - Varginha - MG 7.635 Santa Maria - Varginha - MG 3.766 Vargem - Varginha - MG 2.099 Cidade Nova - Varginha - MG 6.322 Santana - Varginha - MG 5.215 Sion - Varginha - MG 10.977 Padre Vitor - Varginha - MG 2.385 Damasco - Varginha - MG 4.190 Centenário - Varginha - MG 5.098 Rezende - Varginha - MG 2.122 Distrito Industrial Cláudio Galvão Nogueira - Varginha - MG 68 Parque de Exposições - Varginha - MG 1.590 Imaculada Conceição - Varginha - MG 4.408 Urupês - Varginha - MG 1.253 Industrial Miguel de Luca - Varginha - MG 2.147 Industrial JK - Varginha - MG 1.049 Aeroporto - Varginha - MG 71 Condomínio Ilha das Orquídeas - Varginha - MG 254 Parque Mariela - Varginha - MG 942 Jardim Áurea - Varginha - MG 1.096 Área Urbana XXXI - Parque Rinaldo - Varginha - MG 2.121 Área Urbana XXX-Corcetti - Varginha - MG 4.902 Área Urbana XVII - Pinheiros - Varginha - MG 3.867 Condomínio Lagamar - Varginha – MG 27 Fonte: IBGE

×