SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
Eu, esposa de pastor
?
Divisão Sul-Americana - 1o
trimestre 2017
Os desafios da esposa de
pastor na Janela 10/40
Ser
Expectativa x Realidade:
experiência de esposa de
pastor aspirante
Área Feminina da Associação Ministerial
Revista Trimestral
Ano 17 – No
65 – Janeiro-Março de 2016
Jornalista Responsável
Silaine Bohry – registro profissional 3568/DF
Editoração
Felipe Lemos e Silaine Bohry
Coordenação geral AFAM-DSA
Marli Peyerl
Se­cre­tá­ria DSA
Miriam Oliveira Galo da Luz
Lí­de­res da AFAM – Uniões Bra­si­lei­ras
União Cen­tral Bra­si­lei­ra: Irene Lisboa
União Cen­tro-Oes­te Bra­si­lei­ra: EleniWordell
União Leste Bra­si­lei­ra: Marília Dantas
União Nor­des­te Bra­si­lei­ra: Rosário Costa e Silva
União Nor­oes­te Bra­si­lei­ra: Analu Zahn
União Nor­te-Bra­si­lei­ra: Cleonice Campos Santiago
União Sudeste Bra­si­lei­ra: Sara M. Guimarães Lima
União Sul-Bra­si­lei­ra: Denise Lopes
Visite o site: http://www.igrejaadventista.org.br
E-mail da Redação: afam.dsa@dsa.org.br
Diagramação, impressão
e acabamento:
Chefe de arte
Marcelo de Souza
Projeto gráfico
Vilma Baldin
Programação visual
Milena Ribeiro
Capa
Ilustração Paula Lobo
sobre foto de pablocalvog; Piotr Marcinski | Fotolia
7820/35634
ISSN: 2236-7896
Tiragem: 4.704 exemplares
AFAM: Marca Registrada no
Instituto Nacional de Propriedade Industrial.
Todos os direitos reservados. 	
Não é permitida a reprodução total
ou parcial de matérias deste periódico
sem autorização por escrito dos editores.
AFAM
DIVISÃO SUL-AMERICANA
Editorial
©
antishock;
Jadehawk
|
Fotolia
Com carinho,
Marli Peyerl
Recentemente, em uma das visitas ministeriais, ouvi um
lindo testemunho de uma esposa de pastor, que dizia: “Eu
sempre sonhei me casar com um pastor”. Achei interessante sua
história e a maneira como Deus conduziu sua vida e permitiu
que esse sonho fosse realizado. Emocionada e, com lágrimas nos
olhos, ela concluiu dizendo: Sou uma mulher feliz, pois Deus ou-
viu minhas orações e hoje desenvolvo um abençoado ministério
ao lado do meu esposo.
Que testesmunho lindo e inspirador, porém, nem todas as
mulheres pediram a Deus para se casar com um pastor, no en-
tanto, hoje fazem parte desse ministério e são felizes também.
Ellen White escreveu: “A esposa de um pastor pode ser a
mais bem-sucedida ajudadora e uma grande bênção a seu marido
ou um obstáculo em sua obra. Depende muito da esposa se seu
marido subirá dia a dia em sua esfera de utilidade ou se descerá
ao nível vulgar” – O Lar Adventista, página 355.
Que responsabilidade Deus nos concedeu! O sucesso do minis-
tério pastoral depende em grande parte do apoio da esposa do mi-
nistro. Essa mulher pode ser uma bênção ou obstáculo em sua obra.
Satanás tem trabalhado incansavelmente para destruir o ministério
dos pastores e infelizmente tem usado a esposa para esse fim.
Solene é sua vocação e suas companheiras podem ser-lhes uma
grande bênção ou uma grande maldição. Elas os podem animar
quando desalentados, confortar quando deprimidos, e estimulá-los
a olhar para cima e a confiar plenamente em Deus quando lhes
desfalece a fé. Ou podem tomar a direção contrária, olhar ao lado
sombrio, pensar que lhes cabe um tempo de provas, sem exercitar
nenhuma fé em Deus…”. (Testemunho Seletos, volume 1, página 37)
Que Deus nos ajude a ser uma bênção, a enfrentar os de-
safios do ministério sempre. A revista que você tem em mãos
quer contribuir para esse crescimento na certeza de que Deus
também nos chamou para esse sagrado ministério. Que nossa
resposta diante desse chamado sempre seja: “Eis me aqui, envia-
-me a mim”. Isaías 6:8.
Boa leitura!!
3
AF
AM
Janeiro-Março
2017
14
4
16
8
4
12
Índice
2 Editorial
4 Mensagem
Paixão por Deus
6 Para crianças
Marcela aprende a ser paciente
7 Testemunhando
Poderoso para
fazer infinitamente mais
8 Cuidando de sua saúde
Quando a doença chega
12 Nossos dias
Eu, esposa de pastor?
14 Vida familiar
Os desafio da esposa de pastor na janela10/40
16 Vida espiritual
Ser
18 Minha jornada
Expectativa x realidade: a experiência
de uma esposa de pastor aspirante
Mensagem
4
AF
AM
Janeiro-Março
2017
Paixão por
A
Associação Ministerial, em todo o território da
Divisão Sul Americana, define a experiência pas-
toral com quatro expressões nominais objetivas:
paixão por Deus;
paixão pela família;
paixão pela igreja;
paixão pela missão.
Creio que essas quatro expressões também devem de-
finir a experiência ministerial de toda esposa de pastor.
Ela deve amar ardentemente a Deus, a família, a igreja
e a missão.
A esposa do pastor precisa se envolver com o ministé-
rio como uma pessoa que está apaixonada e deve nutrir
em sua vida as mesmas paixões do esposo.
Quero estimular as esposas de pastor a desenvolve-
rem, diariamente, certo tipo de paixão por Deus, porque
creio que o começo para as outras paixões do ministério
passa primariamente por esse tipo de paixão.
Estar apaixonado por Deus é uma experiência que,
em certo sentido, se assemelha a amar intensamente
alguém da família. Uma das principais características
desse amor, senão a principal, é o desejo de estar todo o
tempo buscando a pessoa amada. Em linguagem bíblica,
aquele que tem paixão por Deus dedica-se intensamente
a buscá-Lo.
O profeta insta conosco: “Busquem o Senhor enquanto
é possível achá-Lo. Clamem por Ele enquanto está per-
to”. Isaías 55:6. Este texto nos ensina que Deus existe
e está acessível a todos que O buscam, mas precisamos
buscá-Lo com discernimento e sinceridade por que, no
que diz respeito ao plano salvação, sempre haverá a ne-
cessidade de que a reação humana seja favorável.
Quando encontro alguém que confessa algum medo
de pecar, de ofender a Deus, de transgredir os manda-
mentos ou de se perder, costumo sugerir a essa pessoa
que dirija suas energias para outro alvo. A maior preocu-
pação do cristão deve ser buscar a Deus incansavelmente
e incessantemente e não viver cheio de fobias espirituais.
Outro texto que julgo apropriado para explorar esse
tema é Hebreus 11:6. Ele nos ajuda a entender que essa
busca também exige fé. “Sem fé é impossível agradar a
Deus, pois quem se aproxima de Deus precisa crer que
Ele existe e que recompensa aqueles que O buscam”. Se
fôssemos transformar esse verso numa pergunta, tería-
mos: Por que é impossível agradar a Deus senão tiver-
mos fé? E a resposta seria: Porque aquele que não tem
fé não se aproxima de Deus como alguém que realmente
está necessitado. Quem busca a Deus deve crer que Ele
está perto e que é possível achá-Lo. Quem busca a Deus,
deve fazer disso a primeira e mais importante iniciativa
de sua vida. Quem busca a Deus deve fazer da oração
e do estudo da Bíblia sua primeira ocupação e não os
últimos recursos.
Em Tiago 4:8 há uma causa e uma consequência:
“Chegai-vos para Deus, e Ele se chegará para vós...”.
Outra relação semelhante encontra-se em Zacarias 1:3:
Deus
©
weerapat1003
|
Fotolia
5
AF
AM
Janeiro-Março
2017
“Tornai-vos para mim, diz o Senhor dos Exércitos, e Eu
me tornarei para vós outros...” . A ideia predominante nos
dois versos é que a nossa felicidade depende de uma de-
cisão.
Em Jeremias 29:11 a 13 encontramos o modo de fazer
essa relação acontecer: a busca por Deus deve ser feita
“de todo o coração”. E nesse texto, “coração” indica sin-
ceridade; “de todo” indica a intensidade.
O poeta Davi aborda essa intensidade com as seguin-
tes palavras: “Como a corça busca por águas correntes, a
minha alma anseia por ti, ó Deus. A minha alma tem
sede de Deus, do Deus vivo. Quando poderei entrar para
apresentar-me a Deus?” (Salmo 42:1 - 2).
Certamente essa é a declaração de alguém plenamen-
te apaixonado por Deus.
Mas, enfim, como é que a corça suspira e anseia pelas
águas? É com desespero. Correndo, buscando e farejando.
Com sede. A corça tem um olfato privilegiado para loca-
lizar a fonte certa. Uma corça sedenta e exausta caminha
pelo deserto. Logo, o animal avista a imagem de um len-
çol d’água sobre a areia. Começa a correr, desesperada, ao
encontro da única substância que pode matar sua sede. A
corça é um animal de pequena estatura, arisco e de cos-
tume migratório. A corça não suporta o confinamento.
É um animal dotado de olfato privilegiado que lhe pos-
sibilita sentir cheiro de água a quilômetros de distância.
É capaz ainda de perceber, metros abaixo da superfície, 
a existência de um lençol freático.
Em regiões desérticas da África e do Oriente Médio,
empresas constroem quilômetros de aquedutos sobre a
superfície terrestre e as corças sedentas assim que pres-
sentem a água jorrando pelo interior dos dutos, correm
por cima das tubulações na tentativa de encontrarem
a nascente, ou então um possível local por onde essas
águas possam ser alcançadas.
E nós? Estamos desesperados por Deus? Temos sede
de Sua presença? Temos corrido, buscado e nos empe-
nhado por mais dEle em nossas vidas? Temos buscado na
fonte certa, diariamente? Ou temos nos contentado com
a mediocridade do nosso “confinamento”?
Cada ser humano pode ter o seu próprio “confina-
mento”. Coisas que nos prendem e nos impedem de sair
em busca da água fresca que tanto precisamos. Pode ser
pessoas, situações ou até mesmo “pequenos reinos” que
construímos para nós mesmos: (“meu emprego”, “meu
ministério”, “minha realização pessoal” etc.).
Precisamos, como a corça, sair e correr. Precisamos de
olfato aguçado para ir na fonte certa, que é Cristo. Afinal
de contas, existem fontes sem água (II Pedro 2:17), e nu-
vens sem água (Judas 1:12). Lembremos das palavras do
Mestre: “quem tem sede, venha; e quem quiser, receba
de graça a água da vida” (Apocalipse 22:17).
Creio que a comparação de Davi pode servir de parâ-
metro para nossa própria busca.
Em Mateus 7:7 e 8 percebemos que essa busca por
Deus exige a perseverança do pedir até receber, do bus-
car até achar e do bater até que a porta seja aberta.
Pedir, buscar e bater são três palavras que, nesse tex-
to, indicam propósito e determinação.
Outro texto que se relaciona com esse tema é II
Crônicas 7:14: “Se o meu povo, que se chama pelo meu
nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afas-
tar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdo-
arei o seu pecado e curarei a sua terra”. Ele evidencia
que a primeira condição apresentada pelo próprio Senhor
para aquele que quer buscá-Lo e encontrá-Lo é a hu-
mildade. “Se o meu povo se humilhar, dos céus eu ou-
virei”. A Bíblia diz que “Deus se opõe aos orgulhosos,
mas concede graça aos humildes” (Provérbios 3:34). A
ideia presente nesses versos é a oração contínua aliada ao
arrependimento sincero. Logo, para buscarmos a Deus e
O encontrarmos, precisamos de humildade, arrependi-
mento, confissão e mudança.
Após esses princípios, resta-nos ainda uma pergunta:
por que alguém buscaria a Deus? Em outras palavras,
quais os benefícios da busca a Deus? O salmista estava
à procura de Deus porque necessitava desesperadamen-
te dEle e tinha consciência disso. Apenas Deus poderia
saciar a sede de sua alma. Buscar a Deus é a maior expe-
riência que uma pessoa pode ter.
Costumamos pensar na palavra paixão com certo ar de
preconceito, julgamos que paixão é um tipo de amor des-
compensado, irrefletido e irresponsável. Recentemente li
a seguinte frase: “O amor é como um oceano, largo e
profundo, a paixão é como um riacho, raso e estreito”. Na
verdade, a palavra paixão identifica o amor num estágio
de busca intensa. Estar apaixonado é estar determina-
do por alguém. É possível ver esse tipo de amor-paixão
na vida e na experiência de vários personagens bíblicos,
principalmente na dos que fazem parte da galeria da fé,
em Hebreus 11:1 a 40. Finalmente, quero estimular cada
esposa de pastor a buscar esse tipo de amor com a inten-
sidade da paixão, certa de que essa busca, como o fogo
em um incêndio, a tomará por completo e, além disso,
se alastrará e atingirá sua família, a igreja e a missão.
Pr. Jair Gois é Ministerial da União
Centro-Oeste Brasileira.
“[…] sean pacientes
con todos”
1 Tesalonicenses
5:14, NVI
6
AF
AM
Janeiro-Março
2017
Para crianças
A dona Carmem convidou as crianças da vizinhança para ouvirem lindas
histórias, na “Hora Feliz”. Depois de alguns dias, começaram a vir as crianças
menores e também as maiores. Todas amavam as histórias.
O problema ocorreu quando a Marcela e seu irmão mais novo brigaram.
Certo dia, no término da história, a Marcela se irritou tanto com o irmão, Jaime,
que começou a gritar: “Não me perturbe mais! Saia do meu lado! Eu não gosto de você!”
A dona Carmem ficou triste ao ver como a menina tratava o irmão. Ela esperou que todas as
crianças saíssem para então conversar com a Marcela, que se queixava dizendo que o Jaime
sempre a irritava porque queria estar com ela o tempo todo, comer o que ela comia,... e ela já
estava muito cansada de tudo isso.
― Marcela, seu irmão faz isso porque gosta de você e quer imitá-la. Ele ainda é muito
pequeno e não percebe que seu comportamento a irrita. Ele ainda não entende. Você deve ser
como Jesus. Ele sempre foi paciente e segue sendo, mesmo quando erramos. Ele nos perdoa
sempre, embora cometamos os mesmos erros. Você se lembra de que alguns dias atrás você
disse quer queria ser como Jesus? Uma forma de ser igual a Ele é sendo paciente. Quando
o Jaime a irritar, lembre-se de Jesus e procure imitá-Lo ― a dona Carmem fez uma pausa e
seguiu dizendo: ― Quero ver se você conseguirá fazer isso nas próximas semanas. Está bem?
No dia seguinte a Marcela estava colorindo um livro quando a Elisa a chamou para brincar. Ela pensou
em brincar um pouco e então voltar para seguir colorindo e assim deixou tudo sobre a mesa. As amigas
brincaram a manhã toda. Ao voltar para o almoço, a Marcela foi pegar o livro e viu que o Jaime havia
colorido quase todas as páginas.
Furiosa, ela e correu até ele. A mamãe chegou a tempo de evitar que ela batesse no irmão. Irada, a
menina disse palavras agressivas.
Depois do almoço, a Marcela se lembrou do conselho da dona Carmem. Mas como era difícil ser
paciente com o Jaime! Então, decidiu fazer algo melhor. Foi até o irmão e lhe disse:
― Estou triste pelo que eu fiz. Peço que você me perdoe por ter gritado com você. A culpa foi minha
por não ter guardado o livro e os lápis de cor antes de sair para brincar.
O Jaime mal podia acreditar que a irmã estivesse falando com ele de forma amorosa, e ficou aliviado.
Durante a semana, a Marcela se lembrou de ser paciente com o Jaime, várias vezes. Algumas
outras ela se esqueceu, mas estava aprendendo.
Várias semanas depois, ela esperou que as crianças saíssem, depois da história da “Hora
Feliz”, para falar com a dona Carmem.
― Eu agora sempre trato o Jaime com paciência. Percebi que ele está se comportando
melhor e não mais mexe nas minhas coisas. Acho que o seu conselho está sendo muito bom.
― Marcela, sem dúvida você está ensinando seu irmão a melhorar. Quanto mais bondosa
você for com ele, mais ele responderá de forma positiva. É muito bom que você esteja se
esforçando para ser como Jesus.
PACIENTE
APRENDE A
MARCELA
SER
6
AF
AM
Janeiro-Março
2017
©
eri
|
Fotolia
AF
AM
Janeiro-Março
2017
7
Testemunhando
“Vós sois as Minhas testemunhas”
(Isaías 43:10)
A
pós o primeiro ano de ministério, trabalhando co-
mo auxiliar de uma grande igreja, pois meu esposo
recebeu o chamado para pastorear nosso primeiro
distrito de igrejas. Que alegria! Fora o sonho de cuidar do re-
banho que nos levara a amar e escolher o ministério pastoral.
Iríamos para uma cidade bem pequena e afastada, a
quatrocentos quilômetros da capital, sem nenhum gran-
de centro por perto. Embora tenha poucos habitantes, ali
existe um adventismo vibrante, com leigos envolvidos na
missão e uma igreja que cresce.
Uma semana depois da chegada de nossa mudança,
pegamos nosso carro popular para fazer uma viagem à
cidade de Campinas. Ali, na mais conceituada univer-
sidade pública na área de estudos linguísticos do Brasil,
defendi meu mestrado em Linguística Aplicada, que foi
aprovado com louvor.
No caminho de volta, não pude deixar de pensar no que
me aguardava no aspecto profissional. Enquanto crescia,
meus pais me incentivaram a dar meu melhor e me pro-
porcionaram todas as oportunidades que puderam. Um
presente dado por Deus foi a aprovação no disputado pro-
grama de mestrado antes de finalizar a graduação e ainda
como aluna bolsista, recebendo para pesquisar.
Pude cursar as disciplinas e colher os dados enquanto meu
esposo terminava o curso de Teologia. Apresentei o trabalho
em importantes congressos da área. Participei com um capí-
tulo em um livro. Tudo se encaminhava muito bem, para que,
após a defesa, eu começasse a lecionar em uma boa institui-
ção de ensino superior ou continuasse a jornada acadêmica
por meio de um doutorado. Mas nada disso fazia o menor
sentido morando em um lugar tão pequenino e afastado.
Ao voltarmos, descobri que havia um cargo novo na
área de ensino da prefeitura que parecia perfeito para
mim. Tinha tudo que ver com aquilo que eu havia pes-
quisado no mestrado. Sem dúvida, eu era a pessoa mais
qualificada. Todos achavam isso. Mas havia um proble-
ma. Para esse tipo de cargo, era necessário que eu tivesse
feito a inscrição no ano anterior, algo impossível, já que
nem sequer morávamos ali ainda. Foi frustrante.
O que eu não sabia, naquela ocasião, era dos planos
incríveis que Deus tinha para mim naquela cidadezinha
do interior. Ali passamos quatro anos. Aprendi tanta coisa
que não caberia em apenas uma página de papel. Desde
dizer sim à pregação da Palavra no púlpito até o privilégio
de estudar a Bíblia com alguém e presenciar com emoção a
mudança de vida e o batismo. Fiz amigos para a vida inteira.
Mas os planos de Deus não se confinaram à área mi-
nisterial e dos relacionamentos. Só isso já teria sido bri-
lhante e memorável. Mas a verdade é que, no silêncio da
cidade pequena, o Senhor tinha planos profissionais para
mim também. Ali recebi o convite para traduzir Ainda
que caiam os céus. E depois dessa história inspiradora
de fé em meio a tantas adversidades, veio a tradução de
Tempo de esperança, livro missionário do pastor Mark
Finley, e muitos outros se seguiram, bem como o convite
para escrever a inspiração juvenil de 2016.
E por meio dessas tantas bênçãos das quais não sou
merecedora, o Senhor me mostrou o verdadeiro significa-
do do “Ide”. Posso ir sem medo, para onde Deus enviar,
sabendo que Ele já cuidou de cada detalhe. Ele faz surgir
oportunidades extraordinárias onde parece não existir
nenhuma. Ele dá plenitude, crescimento e satisfação em
todas as áreas da vida, conforme Sua soberana vontade.
Ele “é  poderoso  para fazer infinitamente mais do que
tudo quanto pedimos ou pensamos” (Efésios 3:20).
Não sei o que Deus reserva para sua vida. É possível
que, ao lado da caminhada ministerial, Ele tenha sonhos
profissionais traçados ainda melhores do que você imagi-
na. Ou não. Talvez agora seja o momento de se despedir
do que parece uma oportunidade extraordinária, quem
sabe um emprego, cargo ou concurso. Conheço as emo-
ções conflitantes. Mas gostaria de convidá-la a confiar
no Deus que tem os melhores pensamentos a seu respei-
to, para lhe dar o fim que você deseja (Jeremias 29:11).
Sempre vale a pena. Ele a surpreenderá.
Cecília Eller Nascimento é
Tradutora, mestre em Linguística Aplicada,
esposa do pastor Hassani Nascimento, ­
departamental
de Jovens, Música e Comunicação da Associação
Planalto Central, mãe do João Eduardo e da Amanda.
mais
Poderoso para fazer
infinitamente
©
peshkova
|
Fotolia
AF
AM
Janeiro-Março
2017
Cuidando da
Saúde
sua
8
Quando a
doença ch
N
asci em um lar não adventista, mas conheci o
Senhor nos melhores momentos de minha ado-
lescência. Fui batizada aos 13 anos. Mesmo an-
tes de meu batismo, eu sentia a presença de Deus em mi-
nha vida, sentia Seu cuidado e Seu grande amor por mim.
Graças ao fato de Deus ter tocado o coração de minha
mãe, eu pude mudar de uma escola católica para uma lin-
da instituição adventista e assim continuei meus estudos
até me formar (professora e formada em administração
educacional).
Enquanto ainda estudava, conheci um rapaz maravi-
lhoso que amava a Deus assim como eu e que tinha a
certeza do chamado do Senhor para ser pastor. Eu tinha
muito medo de não poder ser uma boa esposa de pas-
tor, mas depois de muita oração aceitei me casar com ele
e aprendi que Deus não somente chama o pastor, mas
também a esposa. Louvado seja O NOME DE DEUS!
Deus nos abençoou com dois lindos filhos, Paulo e
Misael – um presente maravilhoso.
Estávamos trabalhando no distrito de Trinidad – Beni,
na zona oriental da Bolívia, quando senti fortes dores na
mama direita. Então, fui ao médico com meu esposo, e,
depois de muitos exames, disseram-me que eu tinha um
tumor e que não poderia ser atendida naquela localidade
pois não contavam com especialistas ou equipamentos
adequados. Meu marido ligou para a Missão, e nos mu-
daram para a cidade de Cochabamba. Foram feitos novos
exames, e, embora eu não soubesse realmente qual era o
problema, apeguei-me ao Senhor. Fui operada de emer-
gência, porque os resultados diziam que o câncer era de
nível três e que avançava com rapidez. Senti a mão de
Deus guiando tudo e agradeci muito ao Senhor porque a
igreja se preocupa com nossa saúde. Que bênção receber
essa ajuda médica nos momentos de necessidade!
Depois da cirurgia, passei por oito quimioterapias. Saí
de cada uma delas caminhando, com um sorriso no ros-
to. Meu médico me perguntava: “Quem é o seu Deus?
Porque os medicamentos que lhe administro provocam
danos ao corpo dos pacientes, mas parece que não a
afetam”. Eu respondia que tenho um Deus maravilhoso
que cuida de mim e que muitas pessoas estavam orando
por minha saúde. Agradeço a cada uma dessas pessoas
que oraram com muita fé para que eu pudesse melho-
rar. Mesmo assim, tudo em meu corpo mudou – meu
aspecto físico ficou desfigurado, meus cabelos caíram e
também as sobrancelhas e cílios, fazendo com que eu li-
teralmente parecesse outra pessoa, a tal ponto que, para
fazer um trâmite, tentaram pegar minhas impressões di-
gitais, mas não puderam.
hega
AF
AM
Janeiro-Março
2017
9
©
Photographee.eu
|
Fotolia
10
AF
AM
Janeiro-Março
2017
Às vezes, eu sentia que já não podia mais suportar e
ouvia a voz animadora de meu marido me dizendo que
me amava mais do que nunca e que Deus estava ao meu
lado, sustentando-me com Seus braços de amor. Sei que
essas palavras vinham do Senhor naqueles momentos
e agradecia muito a meu amoroso Deus pelo lindo pre-
sente que era meu marido, esse servo do Senhor. Que
privilégio é ter um pastor em casa! Eu agradecia a Deus
por minha família que sempre estava ao meu lado; por
meus filhos que amadureceram muito nesse período;
por meus amigos e pastores que me visitavam; pelos
irmãos da igreja, em muitas partes do mundo, porque eu
recebia mensagens de muitos lugares que me diziam que
estavam orando por mim. Esses momentos de desespe-
ro duravam pouco, pois a paz que somente os filhos de
Deus podem experimentar invadia meu ser e eu dizia
para mim mesma: “Tenho que me achar bonita, pois sou
filha de Deus, e Ele tem cuidado de mim”. Comprei uma
peruca, cílios postiços e delineei minha sobrancelha.
Continuei trabalhando para o Senhor, frequentando a
igreja e não deixava de assistir aos cultos. Eu via que
muitas pessoas sofriam muito mais do que eu e que de-
vemos ajudá-las.
Já passaram dois anos e oito meses desde minha últi-
ma quimioterapia. Sou grata ao Senhor por ter tido mi-
sericórdia de mim e porque sei que não devo temer o
futuro, porque Seus braços poderosos me sustentam a
cada dia.
Viviana Rojas de Cervantes é esposa
de pastor do Distrito CEAB, Cochabamba
– Bolívia, – Missão Boliviana Central
Senti a mão de Deus guiando tudo e agradeci muito ao Senhor
porque a igreja se preocupa com nossa saúde.
©
Photographee.eu
|
Fotolia
AF
AM
Janeiro-Março
2017
11
2017
Programa da Igreja
COMUNICAÇÃO
DIVISÃO SUL-AMERICANA
FEVEREIRO
MARÇO
09-18
18
Programa 10 Dias de Oração e 10 Horas
de Jejum / Dia Mundial de Oração
Dia Mundial do Jovem Adventista
AF
AM
Janeiro-Março
2017
11
Crédito
12
AF
AM
Janeiro-Março
2017
Nossos
Dias
Quando criança, embora não sonhando ser es-
posa de pastor, havia um fogo dentro de mim
que me motivava a me preparar para ser mis-
sionária. Foram inúmeras as vezes em que brincava com
minhas bonecas, sendo eu a professora, ensinando as
crianças carentes e necessitadas de países distantes.
Em minha infância, tive experiências que marcaram
minha vida espiritual. Sonhava com a vinda de Jesus.
Na minha igreja, eram muitos os sermões que faziam
alusão a essa bendita esperança. Meu coração ardia com
o desejo de me encontrar com meu amante Salvador.
Meus pais, muito esforçados em seu trabalho no
campo, fizeram todo o esforço possível para minha edu-
cação e de meus três irmãos mais velhos, em institui-
ções adventistas. A grande aspiração deles era ver os
quatro filhos sendo missionários e servindo ao Senhor.
Enquanto cursava o terceiro ano do ensino médio, as
circunstâncias circunjacentes, somadas a algumas ex-
periências vividas, fizeram com que fossem totalmente
mudados os sonhos daquela menina que não pensava
em outra coisa além de ser professora.
Enfermeira! Isso é o que eu haveria de ser. Ao concluir
o último ano do ensino médio, eu estava muito segura
e feliz com a profissão escolhida. Entrei na faculdade,
feliz, confiante e cheia de esperança. Três anos depois,
recebi o prêmio. Agora era uma enfermeira universitária.
No início do segundo ano da faculdade, conheci um
jovem que queria ser missionário e que acreditava que
se casasse com uma enfermeira isso poderia ajudá-lo a
ser melhor missionário. Ele estava iniciando o curso de
Teologia! Será que esse jovem é o amor de minha vida? – eu
me perguntava. Eu serei esposa de pastor? Comecei a orar
ardorosamente e, dois meses depois de nos conhecermos, a
resposta foi “sim” àquele jovem de cabelos ruivos ondulados.
À medida que nos conhecíamos mais, Carlos e eu,
com emoção observávamos que tínhamos muitas coisas
em comum: ser missionários, trabalhar aonde quer que
o Senhor nos chamasse e servir aos sofredores, desespe-
rançados, entre muitas outras coisas.
Recebi um convite para trabalhar no Sanatório
Adventista do Plata. Agora poderiam se cumprir os
EU, ESPOSA DE PASTOR?
13
AF
AM
Janeiro-Março
2017
sonhos de me casar”. E meu marido poderia concluir seu
curso enquanto eu iniciava o trabalho como enfermeira.
Eu amava essa profissão. O que mais gostava era a co-
municação pessoal com cada paciente, podendo assim
compartilhar o amor de Jesus; e mais do que meros trata-
mentos físicos, levá-los a sentir que o Médico dos médi-
cos estava pronto para aliviar seus sofrimentos.
No último ano do curso de meu marido, recebe-
mos um chamado para servir na Associação Argentina
Central, para sermos responsáveis pelo Distrito em
San Luis; mas antes do término do ano, recebemos
outro convite. Ir como missionários para o Amazonas,
e trabalhar em uma das lanchas Luzeiro. Que tremen-
do desafio! Oramos muito, pois críamos que, com uma
bebê recém-nascida, seria muito difícil! Mas Deus co-
locou em nosso coração a convicção de aceitar o de-
safio, visto que ambos sentíamos o chamado para o
campo missionário.
Deus Se encarregou de tudo e permitiu que servís-
semos no Amazonas. A vida não foi fácil, mas foi mui-
to abençoada! Sentíamos a mão de Senhor a cada dia, e
dependíamos dEle constantemente! Sozinhos, no meio
da selva, mas certos da companhia do Senhor! Foram
muitos os milagres vividos e uma escola para a vida toda!
Hoje, olhando para trás, embora não estivesse em
meus planos ser esposa de pastor, posso escrever com
convicção que o ministério é maravilhoso! E ainda mais
quando compartilhado com a pessoa a quem você ama.
Passaram os anos. Servimos em vários distritos, as-
sociações e até mesmo na Universidade Adventista do
Plata, onde atuei como capelã e professora da Escola de
Enfermagem. Ali pude ver que os alunos de Teologia ti-
nham dificuldade para encontrar uma jovem disposta a
ser esposa de pastor; parecia que muitas jovens não esta-
vam dispostas a isso.
Em várias ocasiões, jovens estudantes se aproximavam
de mim e perguntavam: “Como é ser esposa de pastor?
Para mim parece algo impossível!” – elas diziam. Então,
com paciência e carinho eu lhes fazia basicamente qua-
tro perguntas:
Você ama o Senhor Jesus e se sente amada por Ele?
Você deseja servi-Lo?
Você ama as pessoas?
Você tem espírito missionário?
São muitas as perguntas que surgem entre as esposas
de pastor que estão no início da tarefa pastoral, mas que-
ro lhe dizer, querida amiga, que ser esposa de pastor não
significa ser uma supermulher. O que o Senhor Jesus e a
igreja esperam é que você ame a seu marido e o ajude a
ser feliz. Que você lute para que seu lar seja o lugar mais
atraente para ele! E que, ao voltar para casa, ele encon-
tre uma amiga e companheira. Seu marido necessita de
você, ainda que mesmo apenas para abraçá-lo, para lhe
dizer que o ama, que o admira e que ora por ele. Em
algumas oportunidades, o melhor que você pode fazer é
sentar-se e ouvi-lo com paciência e ternura.
Se você for uma filha fiel ao Senhor, irá se sentir
feliz de ajudar na igreja, de acordo com os dons que
Deus lhe concedeu e, talvez, nas áreas em que seu
marido não pode atuar. É muito bom compartilhar do
ministério! Sentir-se parte do fazer discípulos do reba-
nho! Ser autênticas! Doar-se inteiramente ao serviço
ao próximo.
Haverá etapas na vida em que você poderá dedicar
mais tempo ao serviço da igreja a que você ama e, em
outros momentos, quando os filhos são pequenos, por
exemplo, nos quais não poderá acompanhar seu marido
tanto quanto gostaria. Não se esqueça de que o primeiro
campo missionário é sua própria família.
Ajude seu marido a equilibrar seu tempo. Veja que
ele cresça espiritualmente. Não permita que ele saia de
casa sem primeiro ter dedicado tempo para estar com
o Senhor. Ajude seu marido a administrar de tal forma
as horas de cada dia a fim de poder brincar com os fi-
lhos e ouvir-lhes as perguntas e poder respondê-las a fim
de que não busquem as respostas em lugares errados.
Será indispensável que você lembre a seu marido que
sua primeira igreja é o lar, onde ele é o pastor, dirigindo
diariamente o culto da família. É claro que, quando ele
estiver viajando ou não puder estar presente, essa será a
sua responsabilidade.
A felicidade no ministério depende, em grande me-
dida, da atitude mental. Cultive, pois, pensamentos po-
sitivos. Agradeça ao Senhor e à igreja pelos privilégios
que você tem. Não se detenha a criticar e a observar as
coisas desagradáveis do ministério. O pensamento é a
nobre função da mente. É o atributo superior dos seres
racionais. Mas se pode pensar de diversas formas: com a
mente sã ou doentia; com mente disciplinada ou desor-
denada; com mente positiva ou negativa. Habituar-se a
pensar de forma construtiva é condição imprescindível
para triunfar e ser feliz. Os bons pensamentos são os me-
lhores companheiros na viagem da vida.
Graciela Hein é diretora do Ministério da
Criança e do Adolescente da Igreja Adventista na
América do Sul. É casada com o pastor Carlos Hein,
ministerial da Divisão Sul-Americana.
©
vgstudio
|
Fotolia
14
AF
AM
Janeiro-Março
2017
Vida
Familiar
O
s desafios de ser esposa de pastor na janela
10/40 são muitos. Mal havíamos estudado as
línguas locais, por um ano, e já nos foi solici-
tado liderar.
Lembro-me que no primeiro sábado na igreja, eu es-
tava muito emocionada. Aprontei minha família cedo,
e felizes nos dirigimos ao local. Antes de chegarmos,
imaginei que, por ser um templo com mais de 50 anos,
encontraria as irmãs do Ministério da Mulher dando as
boas-vindas aos visitantes, à porta da igreja; que haveria
uma classe para as crianças com os materiais necessá-
rios... tudo o que a esposa do pastor anela encontrar para
poder trabalhar na nova igreja. Grande foi minha sur-
presa ao ver menos de dez membros locais no templo, e
sem os materiais necessários. A despeito de tudo, foi um
sábado especial e estamos agradecidos ao Senhor.
Depois de falar com as irmãs, dei-me conta de uma
realidade de minha igreja: não havia recursos materiais
para nossa área de trabalho, visto que esses ministé-
rios sempre foram relegados e não obtive apoio para
começar a trabalhar. Ajoelhei-me em oração; derramei
minha alma perante o Senhor e Ele me fortaleceu.
Perguntei a mim mesma: Como começar? O que fa-
zer? “O método de Cristo”, foi a resposta que me veio à
mente naquele momento.
Juntamente com meu marido e minha filha pequena,
visitamos cada um dos membros, ministrando às suas
necessidades. Comíamos juntos, brincávamos juntos,
chorávamos juntos e orávamos para que Deus nos con-
duzisse no caminho. Os resultados vão chegando lenta-
mente, talvez mais lento do que esperávamos. Porém,
a cada dia vemos que o método de Cristo nunca falha.
Nosso desafio como casal é motivar os poucos membros
JANELA
10/40
Os desafios da esposa de pastor na
a trabalharem unidos no mesmo propósito missionário.
Não tem sido fácil. Seguimos preocupados com cada
um deles e não temos a menor dúvida de que Deus
Se manifestou e os resultados começam a surgir, mas
o desafio segue sendo grande, especialmente em uma
sociedade onde a mulher ainda ocupa um papel des-
criminado e muito inferior. As mulheres, neste lado do
mundo, não têm poder de decisão e sempre estão sujei-
tas ao homem da casa e, ao mesmo tempo, são presas
das expectativas impossíveis da sociedade muçulmana.
Seus direitos são muito limitados, e assim não há como
garantir que haja um Ministério da Mulher muito ativo.
Na verdade, as mulheres que se reúnem nos sábados
conosco são maravilhosas, mas muitas delas não po-
dem ser membros regulares. A cultura aqui é diferente
em todos os aspectos e temos de aprender a trabalhar
com o que está ao nosso alcance. Algumas mulheres
enfrentarão problemas gravíssimos caso seus familia-
res tomem conhecimento de que elas frequentam uma
igreja cristã; este é um dos tantos desafios para nós,
esposa de pastor, que neste lado do mundo necessita-
mos inculcar uma fé tão grande por meio do exemplo
©
George
Kolonias
|
Fotolia
15
AF
AM
Janeiro-Março
2017
Sou ciente de que tenho um longo caminho para per-
correr, para aprender com os altos e baixos e para de-
pender totalmente de Deus e o tempo todo. Gosto de
um dos parágrafos escritos por Ellen G. White, no livro
Filhas de Deus, p. 9, que diz: “Mulheres de firme princípio
e decidido caráter são necessárias, mulheres que creem es-
tarmos, sem dúvida, vivendo nos últimos dias, e que temos
a última solene mensagem de advertência para ser dada
ao mundo. Devem sentir que estão empenhadas numa im-
portante obra ao espalharem os raios de luz que o Céu tem
derramado sobre elas. Quando o amor de Deus e de Sua
verdade é um princípio permanente, elas não permitirão
que coisa alguma lhes impeça o cumprimento do dever ou
as desencoraje em seu trabalho”.
Ser esposa de pastor nunca é fácil, mas é um privilé-
gio. Deus a escolheu entre todas as mulheres para pro-
clamar o evangelho da paz (Efésios 6:15), por isso, como
gratidão, compete-nos fazer o melhor que pudermos para
que Jesus volte logo, entregando-Lhe nossos dons e ta-
lentos. “E será pregado este evangelho do reino por todo
o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá
o fim” – Mateus 24:14.
Prezadas amigas, vivemos em tempos desafiantes.
Revistamo-nos de toda a armadura de Deus, para que
possamos permanecer firmes contra as ciladas do diabo
(Efésios 6:10, 11) e sairmos vitoriosas. Permaneçamos
preparadas, trabalhando para fazer avançar nosso lar e
igreja. Peço suas orações, em especial, por todas as es-
posas de pastor, por nossos maridos e pelas pessoas que
vivem na janela 10/40, e também pelos próximos projetos
de trabalho para alcançar nossos irmãos muçulmanos
com a mensagem dos três anjos. Que Deus as abençoe.
Não mencionamos o nome do país por questões de
segurança dos missionários e estratégia da igreja.
Hellen Azo é enfermeira, esposa de pastor e atua
com o marido como missionária na janela 10/40
e da Palavra. Nossa tarefa é ouvi-las, compreendê-las,
orar com elas, ajudá-las em tudo o que for necessário e
alentá-las a seguirem firmes, a despeito das tribulações
que estejam enfrentando.
Outro desafio neste
país é o precon-
ceito das pessoas
quando tomam
conhecimento que so-
mos cristãos, visto que
pensam que todos levamos uma
vida libertina, como o que veem nos
filmes de Hollywood, mas quando se
inteiram que somos diferentes, que não
ingerimos bebidas alcoólicas, que não
comemos carne de porco, que somos mo-
nogâmicos e que seguimos um estilo de vida
saudável e moral, elas se interessam em nos ou-
vir e até aceitam nosso convite para desen-
volver alguma atividade social juntos,
embora muitos deles, inicialmen-
te, interpretem, de acordo com
sua religião, que se relacionar
com infiéis como nós, não
é permitido. É incrível,
somente o método de
Cristo!
Há algum tem-
po, um homem não
adventista deste país
começou a frequentar a igreja e quando pergun-
tado por sua esposa, ele respondeu que ela não
podia vir com ele à igreja porque trabalhava aos sá-
bados. Ele, aposentado, vinha todos os sábados e de-
pois ia à classe bíblica. Meu marido e eu começamos
a visitá-lo em sua casa e conhecemos a esposa. Fiquei
muito feliz por eles, depois de comermos juntos muitas
vezes e estabelecermos amizade com o casal. Certo sá-
bado, a esposa nos surpreendeu e veio à igreja com o
marido. Aproximamo-nos rapidamente e lhe demos as
boas-vindas. Então ela nos contou que impôs em seu
centro de trabalho a necessidade de ter os sábados li-
vres, para não pedir demissão. Claro, ela não mencionou
que era para frequentar a igreja aos sábados, como é de
se esperar neste país; mas agora ela assiste fielmente e
está se preparando na classe bíblica para ser em breve
batizada, pela graça de Deus. Como esposa de pastor
aqui, outro desafio é conectar-me com as mulheres para
estabelecer laços de amizade e assim poder lhes mostrar
o amor de Jesus.
Ser esposa de
pastor nunca é
fácil, mas é
um privilégio.
16
AF
AM
Janeiro-Março
2017
SER
Vida
espiritual
E
u não poderia iniciar este artigo sem primei-
ro prestar homenagem a minha amada esposa!
Concluímos nossos estudos e recebemos o con-
vite para irmos trabalhar como missionários nas lanchas
“Luzeiro” do Amazonas, em 1979. Permanecemos ali até
1983. Você consegue imaginar? ... Fácil? ... Agradável? ...
Emocionante? Este último, sem dúvida, muito emocionan-
te, mas não necessariamente fácil e muito menos agradável
para uma jovem cheia de ideais e desejos de crescer pro-
fissionalmente como enfermeira universitária. Hoje devo
reconhecer que a verdadeira “missionária” foi a Graciela.
Quanto a mim, talvez eu tenha sido mais “aventureiro”.
Graças a ela eu me transformei em um “missionário”.
Os anos se passaram. Trabalhamos em vários países
e ainda hoje minha esposa segue sendo uma grande aju-
dadora, inspiração e bênção. Mais de uma vez parei para
pensar em como teria sido meu ministério sem a Graciela.
Quando penso nela, penso nas milhares de esposas, em
todo o território da Divisão Sul-Americana. Esposas que
acompanham, ajudam e abençoam o ministério de seu
marido. Penso naquelas que servem em lugares inóspi-
tos, nas periferias, nos centros urbanos onde o trabalho é
difícil; nas cidades pequenas ou nas grandes metrópoles,
mas sempre com a maravilhosa atitude de servir a Deus,
à humanidade e à igreja, permanecendo ao lado do amado
marido pastor.
Por que no parágrafo acima escrevi “grande maioria”
e não todas? A resposta se encontra em uma citação de
Ellen White que diz: “A esposa de um pastor pode ser
a mais bem-sucedida ajudadora e uma grande bênção a
seu marido ou um estorvo em sua obra. Depende muito
da esposa se seu marido subirá dia a dia em sua esfe-
ra de utilidade ou se descerá ao nível vulgar” – O Lar
Adventista, p. 355. Do que depende para que seja uma
bem-sucedida ajudadora ou um estorvo?
Em algumas ocasiões, as esposas de pastor ouvem que
devem realizar atividades tais como reuniões pré-trimes-
trais da Escola Sabatina do Departamento da Criança,
conselheira de alguns departamentos, etc., etc., etc. Para
seremos bem honestos, devemos reconhecer que a espo-
sa do pastor não é a pastora; ela é a esposa do pastor.
É claro que, como esposa de pastor, supõe-se que ela tam-
bém é membro da igreja e, como tal, tem prazer em servir
à igreja, cumprindo a missão de salvar almas, não apenas
por ser a esposa do pastor, mas porque é filha de Deus.
Voltemos à pergunta que fizemos ao concluir a cita-
ção de Ellen White: “Do que depende para que seja uma
bem-sucedida ajudadora ou um estorvo?” Talvez você es-
teja questionando: O que a esposa de pastor deve ou não
fazer? Eu prefiro perguntar: O que ela deve ser em vez de
fazer? A seguir, apresento seis sugestões com base nas
orientações de Ellen White para as esposas de pastor.
Seja uma mulher com vida espiritual profunda.
Querida esposa de pastor, lembre-se, em primeiro lugar, de
que você é filha de Deus. “Buscai, pois, em primeiro lugar, o
seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acres-
centadas” (Mt 6:33). “A esposa do ministro deve viver uma vida
devota e de oração. [...] Se tão-somente se apoiassem confian-
temente, com confiança infantil, em Deus, e concentrassem
em Jesus suas afeições, recebendo sua vida de Cristo, a videira
viva, que soma de bem não poderiam elas realizar, que auxílio
poderiam ser a outros, que apoio para seus maridos! E que
recompensa não seria a sua afinal!” – Evangelismo, p. 675.
Uma relação profunda com Jesus, por parte da esposa
de pastor, é muito mais importante que simplesmente fazer
coisas na igreja.
©
Olena
Zaskochenko
|
Fotolia
17
AF
AM
Janeiro-Março
2017
Cultive espírito de contentamento, de abne-
gação. Você não tem ideia do quanto irá ajudar seu mari-
do no ministério ao cultivar espírito alegre. Essa alegria não
apenas será bênção para os irmãos da igreja, mas também
para seu marido. Não permita que o descontentamento
ocupe o seu coração. Ellen White diz: “Foi-me apresentada
a vida de Cristo. Quando Sua abnegação e Seu sacrifício
são comparados com as provas e sofrimentos das esposas
de alguns pastores, isso faz com que tudo o que possam
elas chamar de sacrifício seja reduzido à insignificância. Se
a esposa do pastor profere palavras de descontentamento
e desânimo, a influência que exercerá sobre o marido é
desencorajadora e tende a debilitá-lo no trabalho, espe-
cialmente se seu sucesso depender das influências que
o rodeiam. [...]— Testemunhos para a Igreja, v. 1, p. 451.
Cuide de si mesma. Cultive um espírito agra-
dável. “[...] há muitas vezes uma grande falha por parte
da esposa. Ela não envida decididos esforços para con-
trolar seu próprio espírito e tornar feliz o lar. Há muitas
vezes irritabilidade e desnecessárias queixas da parte dela.
O marido volta para casa, de seu trabalho, cansado e per-
plexo, e depara um sobrecenho cerrado em vez de palavras
animosas, encorajadoras. Ele não é mais que humano, e
suas afeições se afastam da esposa; ele perde o amor ao
lar, sua vereda se ensombra, e destrói-se-lhe o ânimo” –
Mente, Caráter e Personalidade, v. 1, p. 161.
Seja a secretária ministerial mais eficaz. Sem
dúvida, seu marido necessita de um secretário ministerial
que o ouça, que o avalie e que o ajude; mas é importante que
você saiba que não há melhor secretário ministerial do que
a esposa de pastor. Aqui, novamente, recorro a Ellen White
que diz que “A esposa do pastor, seus filhos e os que estão
empregados como auxiliares em sua família são o juiz mais
bem qualificado de sua piedade” – O Lar Adventista, página
354. Se é assim, e não duvido que seja, isso significa que não
há outra pessoa mais capacitada para ajudar o marido a ser
um bom pastor. Deus colocou na mulher a capacidade de
falar com tal ternura e firmeza que pode levar o marido a ser
melhor ministro – Testemunhos Seletos, volume 1, página 37.
Os pastores trabalhamos diariamente com coisas sagra-
das. Corremos o risco de perder o verdadeiro sentido da
solenidade de nosso trabalho. Nossas amadas esposas nos
devem fazer recordar, diariamente, da santidade de nossa
vocação. Embora possa lhe parecer estranho, permita-me
dizer-lhe que “Se você conseguir levar seu marido, pastor, ao
Céu, você realizou um grande trabalho missionário”.
Com brandura, ternura e oração e, acima de tudo, por
seu exemplo, ajude seu marido a ter “paixão por Deus”.
Não “permita” que ele saia para trabalhar sem primei-
ro ter tido um encontro pessoal com Jesus, a cada dia.
Ninguém melhor do que você para fazer de seu marido
um “verdadeiro pastor”.
Lembre a seu marido que sua primeira igre-
ja é o lar. “Não é tanto a religião do púlpito quanto a
da família que revela nosso verdadeiro caráter. A esposa
do pastor, seus filhos e os que estão empregados como
auxiliares em sua família são o juiz mais bem qualificado
de sua piedade. Um homem bom será uma bênção a sua
casa. Esposa, filhos e empregados serão o melhor para
sua religião” – O Lar Adventista, p. 354. “Coisa alguma
pode desculpar o pastor de negligenciar o círculo interior,
pelo mais amplo círculo externo. O bem-estar espiritual
de sua família vem em primeiro lugar. No dia do final
ajuste de contas, Deus há de perguntar que fez ele para
atrair para Cristo aqueles que tomou a responsabilidade de
trazer ao mundo. O grande bem, feito a outros, não pode
cancelar o débito que ele tem para com Deus, quanto a
cuidar dos próprios filhos” – Obreiros Evangélicos, p. 204.
Somente a fiel esposa de pastor, com muita oração, com
ternura e com atitude positiva pode ajudar o marido a ter
bem clara a ordem de prioridades: 1 – paixão por Deus;
2 – paixão pela família; 3 – paixão pela igreja; e, então,
4 – paixão pelas almas.
Ajude seu marido a dar tudo para salvar
as almas. Anime-o a ser diligente no cumprimento da
missão. Seu marido deve colocar Deus em primeiro lugar
e, imediatamente depois, cuidar de sua família, brincar
com os filhos e leva-los ao Céu. Porém, você deve ajudar
seu marido a se lembrar de que ele é pastor e que deve ser
fiel na administração do tempo e que deve sair para traba-
lhar em prol dos perdidos e dos membros da igreja, dedi-
cando diariamente de sete a oito horas para tal. “Alguns
ministros são facilmente distraídos de sua obra. Ficam
desanimados, ou são afastados pelos laços de família, e
deixam um interesse crescente extinguir-se por falta de
atenção. Mal se pode calcular o prejuízo sofrido pela causa
por essa forma” – Obreiros Evangélicos, 371. “Uma mulher
verdadeiramente convertida exercerá poderosa influência,
transformadora, para o bem. Ligada ao marido ela o pode
ajudar em seu trabalho” – Evangelismo, p. 467.
Recapitulando. Não se preocupe tanto com o fazer,
antes, preocupe-se com o ser. Seja uma mulher com vida
espiritual profunda. Cultive espírito de contentamento, de
abnegação. Cuide de si mesma. Cultive um espírito agra-
dável. Seja o secretário ministerial mais eficaz. Lembre a
seu marido de que sua primeira igreja é o lar. Ajude seu
marido a dar tudo de si para a salvação das almas.
Pr. Carlos Hein,
é secretário Ministerial – D.S.A
AF
AM
Janeiro-Março
2017
C
riar expectativas a respeito de algo ou alguém, e ter
de aprender a lidar com as desilusões e frustrações
no decorrer da vida é algo natural e inerente ao ser
humano. Entretanto, creio que esse processo acontece de
maneira mais intensa na vida da esposa de um pastor. Afinal,
muitas são mudanças pelas quais frequentemente passamos.
Mudança de igreja, distrito, cidade, estado e, até mesmo, mu-
dança para outro país. A cada recomeço iniciamos um novo
ciclo de expectativas. Além das nossas próprias expectativas,
precisamos ainda nos esforçar no intuito de corresponder às
expectativas que são criadas a nosso respeito. Expectativas
do nosso esposo, dos filhos, da comunidade, da igreja, do
local onde trabalhamos, etc. Nesses poucos anos de minis-
tério tenho experimentado, em minha vida diária, o quanto
é desafiadora a tarefa de administrar tudo isso.
Quando nos casamos em 2012, meu esposo cursava o
último ano do seminário. À semelhança da maioria dos
alunos, morávamos em uma pequena e aconchegante qui-
tinete, nas redondezas do colégio. Eu havia me formado
no ano anterior e lecionava em uma escola da rede pública
na cidade vizinha. Além dos compromissos acadêmicos e
profissionais da semana, aos sábados, saíamos cedinho e
passávamos o dia na igreja onde meu esposo servia como
pastor estagiário. O domingo era o único dia de que eu
dispunha para colocar a casa em ordem, planejar as aulas
da semana e realizar as demais tarefas. Esse período foi
produtivo, porém estressante. Paralelamente a tudo isso,
estávamos na expectativa do nosso chamado. Apesar de
ter a certeza de que Deus estava conduzindo nossa vida,
constantemente ficávamos pensando para onde Deus nos
enviaria. “Será que serei uma boa esposa de pastor? Será
que tenho o perfil que atenda os desafios desta missão?” As
expectativas e ansiedades eram muitas. Mas, independente
para onde fôssemos chamados para servir, eu almejava ser
uma esposa de pastor dinâmica, participativa e auxiliar
meu esposo no que fosse necessário. Mesmo sabendo das
responsabilidades que precisaríamos desempenhar, eu acre-
ditava que nossa rotina poderia desacelerar um pouco para
que pudéssemos desfrutar mais da companhia um do outro.
Finalmente o chamado chegou! Fomos enviados como
auxiliar do pastor de uma grande igreja no Brasil. Essa
realidade mudou todas as minhas expectativas. Como es-
posa de pastor assistente, eu estava ali para auxiliar e não
para tomar a frente das coisas. Por ser uma igreja grande,
os ministérios caminhavam sozinhos, e mão de obra para
liderar e realizar o trabalho não faltava. Precisava, então,
encontrar o meu espaço. Tudo era muito novo para mim.
Cidade, pessoas, igreja e escola novas.
Por vezes, mesmo estando rodeada de muitas pesso-
as, sentia-me sozinha. E não demorou muito para que a
nova rotina tomasse forma e para minha surpresa, tão
intensa quanto a que vivemos naquele último ano no
colégio. Lembro-me de uma situação, logo nos primeiros
meses, quando uma esposa de pastor mais experiente,
indagou-me a respeito de como eu me sentia como es-
posa de pastor. E sem precisar pensar muito, respondi a
ela que, a impressão que eu tinha é que não estava rea-
lizando nenhum dos meus papeis satisfatoriamente. As
tarefas domésticas, frequentemente, se acumulavam; o
cansaço da rotina profissional muitas vezes me fazia ce-
der à tentação de ficar em casa e deixar de acompanhar
meu esposo em alguns compromissos e, até mesmo, aos
cultos. Dessa maneira, os momentos a sós, como casal,
também estavam cada vez mais raros devido à nossa
correria. Eu imaginei que teria mais tempo para acom-
panhá-lo, mas agora o meu tempo de solidão ficou ainda
maior. Entretanto, com a ajuda e a misericórdia de Deus,
conforme os meses se passaram as coisas, aos poucos,
foram se ajustando. Mas, preciso admitir que esses pri-
meiros meses foram um tanto frustrantes e desafiadores.
Na próxima edição, falarei mais sobre o trabalho na
igreja e outros detalhes interessantes.
Sanjeli Goularte Castro
Esposa do pastor Cleuber Almeida Castro,
Missionários na China no Projeto Missionários
para o mundo – DSA
Revisado por Mariazinha Coelho
18
Minha
jornada
experiência de esposa de pastor aspirante (parte1)
x
Expectativa realidade:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Crescer em cristo juniores
Crescer em cristo   junioresCrescer em cristo   juniores
Crescer em cristo junioresSandra Fuso
 
Livro derrubando as fortalezas
Livro derrubando as fortalezasLivro derrubando as fortalezas
Livro derrubando as fortalezasROSANGELA LISBOA
 
Práticas espirituais
Práticas espirituaisPráticas espirituais
Práticas espirituaisCassio Felipe
 
7296943 john-bevere-a-uncao-profetica
7296943 john-bevere-a-uncao-profetica7296943 john-bevere-a-uncao-profetica
7296943 john-bevere-a-uncao-profeticaantonio ferreira
 
Soluções para os Problemas da Vida
Soluções para os Problemas da VidaSoluções para os Problemas da Vida
Soluções para os Problemas da Vidaprantoniocarlos
 
A divina visão
A divina visãoA divina visão
A divina visãoHelio Cruz
 
Mergulhando no Espírito e Compreendendo a Fé
Mergulhando no Espírito e Compreendendo a FéMergulhando no Espírito e Compreendendo a Fé
Mergulhando no Espírito e Compreendendo a Féwww.osEXgays.com
 
Apostila de estudos sobre louvor
Apostila de estudos sobre louvorApostila de estudos sobre louvor
Apostila de estudos sobre louvorleandro faistauer
 
Paul y. cho orando com jesus
Paul y. cho   orando com jesusPaul y. cho   orando com jesus
Paul y. cho orando com jesusLuiza Dayana
 
Escudo de oração texto
Escudo de oração   textoEscudo de oração   texto
Escudo de oração textoAlice Sugawara
 
A construção de um mundo melhor
A construção de um mundo melhorA construção de um mundo melhor
A construção de um mundo melhorHelio Cruz
 
Mahech chavda o poder secreto do jejum e da oração
Mahech chavda   o poder secreto do jejum e da oraçãoMahech chavda   o poder secreto do jejum e da oração
Mahech chavda o poder secreto do jejum e da oraçãoMidia Jornalismo
 
Vocacional franciscano
Vocacional franciscanoVocacional franciscano
Vocacional franciscanoEdione Mercês
 
Aula EBD - Adoração que agrada a Deus
Aula EBD - Adoração que agrada a DeusAula EBD - Adoração que agrada a Deus
Aula EBD - Adoração que agrada a DeusDilsilei Monteiro
 
David paul yonggi cho o espirito santo meu companheiro
David paul yonggi cho   o espirito santo meu companheiroDavid paul yonggi cho   o espirito santo meu companheiro
David paul yonggi cho o espirito santo meu companheirojeverlu
 

Mais procurados (20)

Crescer em cristo juniores
Crescer em cristo   junioresCrescer em cristo   juniores
Crescer em cristo juniores
 
Livro derrubando as fortalezas
Livro derrubando as fortalezasLivro derrubando as fortalezas
Livro derrubando as fortalezas
 
Graça Derramada
Graça DerramadaGraça Derramada
Graça Derramada
 
Práticas espirituais
Práticas espirituaisPráticas espirituais
Práticas espirituais
 
7296943 john-bevere-a-uncao-profetica
7296943 john-bevere-a-uncao-profetica7296943 john-bevere-a-uncao-profetica
7296943 john-bevere-a-uncao-profetica
 
Projeto Amigos de Deus
Projeto Amigos de DeusProjeto Amigos de Deus
Projeto Amigos de Deus
 
Soluções para os Problemas da Vida
Soluções para os Problemas da VidaSoluções para os Problemas da Vida
Soluções para os Problemas da Vida
 
A. W. Tozer
A. W. TozerA. W. Tozer
A. W. Tozer
 
Adoração que agrada a deus
Adoração que agrada a deusAdoração que agrada a deus
Adoração que agrada a deus
 
A divina visão
A divina visãoA divina visão
A divina visão
 
Mergulhando no Espírito e Compreendendo a Fé
Mergulhando no Espírito e Compreendendo a FéMergulhando no Espírito e Compreendendo a Fé
Mergulhando no Espírito e Compreendendo a Fé
 
Apostila de estudos sobre louvor
Apostila de estudos sobre louvorApostila de estudos sobre louvor
Apostila de estudos sobre louvor
 
Paul y. cho orando com jesus
Paul y. cho   orando com jesusPaul y. cho   orando com jesus
Paul y. cho orando com jesus
 
Escudo de oração texto
Escudo de oração   textoEscudo de oração   texto
Escudo de oração texto
 
A construção de um mundo melhor
A construção de um mundo melhorA construção de um mundo melhor
A construção de um mundo melhor
 
Mahech chavda o poder secreto do jejum e da oração
Mahech chavda   o poder secreto do jejum e da oraçãoMahech chavda   o poder secreto do jejum e da oração
Mahech chavda o poder secreto do jejum e da oração
 
Vocacional franciscano
Vocacional franciscanoVocacional franciscano
Vocacional franciscano
 
ORAR PELO BRASIL
ORAR PELO BRASIL ORAR PELO BRASIL
ORAR PELO BRASIL
 
Aula EBD - Adoração que agrada a Deus
Aula EBD - Adoração que agrada a DeusAula EBD - Adoração que agrada a Deus
Aula EBD - Adoração que agrada a Deus
 
David paul yonggi cho o espirito santo meu companheiro
David paul yonggi cho   o espirito santo meu companheiroDavid paul yonggi cho   o espirito santo meu companheiro
David paul yonggi cho o espirito santo meu companheiro
 

Semelhante a 1 t2017

O Fruto do Espírito
O Fruto do EspíritoO Fruto do Espírito
O Fruto do Espíritofsouza40
 
A EXPERIÊNCIA DE CHARLES FINNEY
A EXPERIÊNCIA DE CHARLES FINNEYA EXPERIÊNCIA DE CHARLES FINNEY
A EXPERIÊNCIA DE CHARLES FINNEYmudancadevidaja
 
A ExperiêNcia De Charles Finney
A ExperiêNcia De Charles FinneyA ExperiêNcia De Charles Finney
A ExperiêNcia De Charles Finneymudancadevida
 
Manual moças 2014 completo
Manual moças 2014 completoManual moças 2014 completo
Manual moças 2014 completoDartagnan Freire
 
Boletim Jovem Novembro 2014
Boletim Jovem Novembro 2014Boletim Jovem Novembro 2014
Boletim Jovem Novembro 2014willams
 
O poder secreto do jejum e da oração
O poder secreto do jejum e da oraçãoO poder secreto do jejum e da oração
O poder secreto do jejum e da oraçãoLuiza Dayana
 
Especial Comunhão Relacionamento e Missão
Especial Comunhão Relacionamento e MissãoEspecial Comunhão Relacionamento e Missão
Especial Comunhão Relacionamento e Missãouniaolestebrasileira
 
ÍDOLOS DO CORAÇÃO - FITZPATRICK.PDF
ÍDOLOS DO CORAÇÃO - FITZPATRICK.PDFÍDOLOS DO CORAÇÃO - FITZPATRICK.PDF
ÍDOLOS DO CORAÇÃO - FITZPATRICK.PDFCleideCristina9
 
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagresA oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagresSandra Regina De Souza
 
Devocional para seu casamento
Devocional para seu casamentoDevocional para seu casamento
Devocional para seu casamentoLuh Rosa
 
Abra meus olhos para que eu possa contemplar
Abra meus olhos para que eu possa contemplarAbra meus olhos para que eu possa contemplar
Abra meus olhos para que eu possa contemplarSheimon Mim
 
É possível ser santo
É possível ser santoÉ possível ser santo
É possível ser santojb1955
 
Viver para deus
Viver para deusViver para deus
Viver para deusHelio Cruz
 
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagresA oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagresAngela Venancio
 

Semelhante a 1 t2017 (20)

O Fruto do Espírito
O Fruto do EspíritoO Fruto do Espírito
O Fruto do Espírito
 
A EXPERIÊNCIA DE CHARLES FINNEY
A EXPERIÊNCIA DE CHARLES FINNEYA EXPERIÊNCIA DE CHARLES FINNEY
A EXPERIÊNCIA DE CHARLES FINNEY
 
A ExperiêNcia De Charles Finney
A ExperiêNcia De Charles FinneyA ExperiêNcia De Charles Finney
A ExperiêNcia De Charles Finney
 
FRASES PONDERÁVEIS EVANGÉLICAS
FRASES PONDERÁVEIS EVANGÉLICASFRASES PONDERÁVEIS EVANGÉLICAS
FRASES PONDERÁVEIS EVANGÉLICAS
 
Manual moças 2014 completo
Manual moças 2014 completoManual moças 2014 completo
Manual moças 2014 completo
 
Boletim Jovem Novembro 2014
Boletim Jovem Novembro 2014Boletim Jovem Novembro 2014
Boletim Jovem Novembro 2014
 
O poder secreto do jejum e da oração
O poder secreto do jejum e da oraçãoO poder secreto do jejum e da oração
O poder secreto do jejum e da oração
 
O poder liberador do perdão
O poder liberador do perdãoO poder liberador do perdão
O poder liberador do perdão
 
Especial Comunhão Relacionamento e Missão
Especial Comunhão Relacionamento e MissãoEspecial Comunhão Relacionamento e Missão
Especial Comunhão Relacionamento e Missão
 
Amadurecimento cristão
Amadurecimento cristãoAmadurecimento cristão
Amadurecimento cristão
 
3º dia da novena
3º dia da novena3º dia da novena
3º dia da novena
 
ÍDOLOS DO CORAÇÃO - FITZPATRICK.PDF
ÍDOLOS DO CORAÇÃO - FITZPATRICK.PDFÍDOLOS DO CORAÇÃO - FITZPATRICK.PDF
ÍDOLOS DO CORAÇÃO - FITZPATRICK.PDF
 
Evangelização (1)
Evangelização (1)Evangelização (1)
Evangelização (1)
 
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagresA oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
 
Diamica dons espirito
Diamica dons espiritoDiamica dons espirito
Diamica dons espirito
 
Devocional para seu casamento
Devocional para seu casamentoDevocional para seu casamento
Devocional para seu casamento
 
Abra meus olhos para que eu possa contemplar
Abra meus olhos para que eu possa contemplarAbra meus olhos para que eu possa contemplar
Abra meus olhos para que eu possa contemplar
 
É possível ser santo
É possível ser santoÉ possível ser santo
É possível ser santo
 
Viver para deus
Viver para deusViver para deus
Viver para deus
 
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagresA oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
A oracao operdaoacuraumaampliacaodeumcursoemmilagres
 

Mais de OsvaldoVunge2

Secretaria_A Caminho da Excelência.pptx
Secretaria_A Caminho da Excelência.pptxSecretaria_A Caminho da Excelência.pptx
Secretaria_A Caminho da Excelência.pptxOsvaldoVunge2
 
IGREJA ADVENTISTA_PORQUÊ UM MANUAL DA IGREJA?
IGREJA ADVENTISTA_PORQUÊ UM MANUAL DA IGREJA?IGREJA ADVENTISTA_PORQUÊ UM MANUAL DA IGREJA?
IGREJA ADVENTISTA_PORQUÊ UM MANUAL DA IGREJA?OsvaldoVunge2
 
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdflivreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdfOsvaldoVunge2
 
folheto-igreja-acolhedora_2017.pdf
folheto-igreja-acolhedora_2017.pdffolheto-igreja-acolhedora_2017.pdf
folheto-igreja-acolhedora_2017.pdfOsvaldoVunge2
 
REVISTA_IASD no Mundo.pdf
REVISTA_IASD no Mundo.pdfREVISTA_IASD no Mundo.pdf
REVISTA_IASD no Mundo.pdfOsvaldoVunge2
 
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdfOsvaldoVunge2
 
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdfOsvaldoVunge2
 
REVISTA_IASD no Mundo.pdf
REVISTA_IASD no Mundo.pdfREVISTA_IASD no Mundo.pdf
REVISTA_IASD no Mundo.pdfOsvaldoVunge2
 
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdflivreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdfOsvaldoVunge2
 
MINISTÉRIO DA RECEPÇÃO_UNA.pptx
MINISTÉRIO DA RECEPÇÃO_UNA.pptxMINISTÉRIO DA RECEPÇÃO_UNA.pptx
MINISTÉRIO DA RECEPÇÃO_UNA.pptxOsvaldoVunge2
 
IgrejaReceptiva.pptx
IgrejaReceptiva.pptxIgrejaReceptiva.pptx
IgrejaReceptiva.pptxOsvaldoVunge2
 
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdflivreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdfOsvaldoVunge2
 
folheto-igreja-acolhedora_2017.pdf
folheto-igreja-acolhedora_2017.pdffolheto-igreja-acolhedora_2017.pdf
folheto-igreja-acolhedora_2017.pdfOsvaldoVunge2
 
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdfOsvaldoVunge2
 
REVISTA_IASD no Mundo.pdf
REVISTA_IASD no Mundo.pdfREVISTA_IASD no Mundo.pdf
REVISTA_IASD no Mundo.pdfOsvaldoVunge2
 
A GRANDE COMISSÃO.pptx
A GRANDE COMISSÃO.pptxA GRANDE COMISSÃO.pptx
A GRANDE COMISSÃO.pptxOsvaldoVunge2
 
Guia para Secretaria de Igreja 2018.pdf
Guia para Secretaria de Igreja 2018.pdfGuia para Secretaria de Igreja 2018.pdf
Guia para Secretaria de Igreja 2018.pdfOsvaldoVunge2
 

Mais de OsvaldoVunge2 (20)

Secretaria_A Caminho da Excelência.pptx
Secretaria_A Caminho da Excelência.pptxSecretaria_A Caminho da Excelência.pptx
Secretaria_A Caminho da Excelência.pptx
 
IGREJA ADVENTISTA_PORQUÊ UM MANUAL DA IGREJA?
IGREJA ADVENTISTA_PORQUÊ UM MANUAL DA IGREJA?IGREJA ADVENTISTA_PORQUÊ UM MANUAL DA IGREJA?
IGREJA ADVENTISTA_PORQUÊ UM MANUAL DA IGREJA?
 
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdflivreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
 
folheto-igreja-acolhedora_2017.pdf
folheto-igreja-acolhedora_2017.pdffolheto-igreja-acolhedora_2017.pdf
folheto-igreja-acolhedora_2017.pdf
 
REVISTA_IASD no Mundo.pdf
REVISTA_IASD no Mundo.pdfREVISTA_IASD no Mundo.pdf
REVISTA_IASD no Mundo.pdf
 
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
 
escola_sabatina.pdf
escola_sabatina.pdfescola_sabatina.pdf
escola_sabatina.pdf
 
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
 
REVISTA_IASD no Mundo.pdf
REVISTA_IASD no Mundo.pdfREVISTA_IASD no Mundo.pdf
REVISTA_IASD no Mundo.pdf
 
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdflivreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
 
MINISTÉRIO DA RECEPÇÃO_UNA.pptx
MINISTÉRIO DA RECEPÇÃO_UNA.pptxMINISTÉRIO DA RECEPÇÃO_UNA.pptx
MINISTÉRIO DA RECEPÇÃO_UNA.pptx
 
Recepcao.pptx
Recepcao.pptxRecepcao.pptx
Recepcao.pptx
 
IgrejaReceptiva.pptx
IgrejaReceptiva.pptxIgrejaReceptiva.pptx
IgrejaReceptiva.pptx
 
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdflivreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
 
folheto-igreja-acolhedora_2017.pdf
folheto-igreja-acolhedora_2017.pdffolheto-igreja-acolhedora_2017.pdf
folheto-igreja-acolhedora_2017.pdf
 
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
01 - Plantando igrejas que plantam igrejas (1).pdf
 
REVISTA_IASD no Mundo.pdf
REVISTA_IASD no Mundo.pdfREVISTA_IASD no Mundo.pdf
REVISTA_IASD no Mundo.pdf
 
27 - FAMÍLIA.ppt
27 - FAMÍLIA.ppt27 - FAMÍLIA.ppt
27 - FAMÍLIA.ppt
 
A GRANDE COMISSÃO.pptx
A GRANDE COMISSÃO.pptxA GRANDE COMISSÃO.pptx
A GRANDE COMISSÃO.pptx
 
Guia para Secretaria de Igreja 2018.pdf
Guia para Secretaria de Igreja 2018.pdfGuia para Secretaria de Igreja 2018.pdf
Guia para Secretaria de Igreja 2018.pdf
 

Último

Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 

Último (11)

Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 

1 t2017

  • 1. Eu, esposa de pastor ? Divisão Sul-Americana - 1o trimestre 2017 Os desafios da esposa de pastor na Janela 10/40 Ser Expectativa x Realidade: experiência de esposa de pastor aspirante
  • 2. Área Feminina da Associação Ministerial Revista Trimestral Ano 17 – No 65 – Janeiro-Março de 2016 Jornalista Responsável Silaine Bohry – registro profissional 3568/DF Editoração Felipe Lemos e Silaine Bohry Coordenação geral AFAM-DSA Marli Peyerl Se­cre­tá­ria DSA Miriam Oliveira Galo da Luz Lí­de­res da AFAM – Uniões Bra­si­lei­ras União Cen­tral Bra­si­lei­ra: Irene Lisboa União Cen­tro-Oes­te Bra­si­lei­ra: EleniWordell União Leste Bra­si­lei­ra: Marília Dantas União Nor­des­te Bra­si­lei­ra: Rosário Costa e Silva União Nor­oes­te Bra­si­lei­ra: Analu Zahn União Nor­te-Bra­si­lei­ra: Cleonice Campos Santiago União Sudeste Bra­si­lei­ra: Sara M. Guimarães Lima União Sul-Bra­si­lei­ra: Denise Lopes Visite o site: http://www.igrejaadventista.org.br E-mail da Redação: afam.dsa@dsa.org.br Diagramação, impressão e acabamento: Chefe de arte Marcelo de Souza Projeto gráfico Vilma Baldin Programação visual Milena Ribeiro Capa Ilustração Paula Lobo sobre foto de pablocalvog; Piotr Marcinski | Fotolia 7820/35634 ISSN: 2236-7896 Tiragem: 4.704 exemplares AFAM: Marca Registrada no Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução total ou parcial de matérias deste periódico sem autorização por escrito dos editores. AFAM DIVISÃO SUL-AMERICANA Editorial © antishock; Jadehawk | Fotolia Com carinho, Marli Peyerl Recentemente, em uma das visitas ministeriais, ouvi um lindo testemunho de uma esposa de pastor, que dizia: “Eu sempre sonhei me casar com um pastor”. Achei interessante sua história e a maneira como Deus conduziu sua vida e permitiu que esse sonho fosse realizado. Emocionada e, com lágrimas nos olhos, ela concluiu dizendo: Sou uma mulher feliz, pois Deus ou- viu minhas orações e hoje desenvolvo um abençoado ministério ao lado do meu esposo. Que testesmunho lindo e inspirador, porém, nem todas as mulheres pediram a Deus para se casar com um pastor, no en- tanto, hoje fazem parte desse ministério e são felizes também. Ellen White escreveu: “A esposa de um pastor pode ser a mais bem-sucedida ajudadora e uma grande bênção a seu marido ou um obstáculo em sua obra. Depende muito da esposa se seu marido subirá dia a dia em sua esfera de utilidade ou se descerá ao nível vulgar” – O Lar Adventista, página 355. Que responsabilidade Deus nos concedeu! O sucesso do minis- tério pastoral depende em grande parte do apoio da esposa do mi- nistro. Essa mulher pode ser uma bênção ou obstáculo em sua obra. Satanás tem trabalhado incansavelmente para destruir o ministério dos pastores e infelizmente tem usado a esposa para esse fim. Solene é sua vocação e suas companheiras podem ser-lhes uma grande bênção ou uma grande maldição. Elas os podem animar quando desalentados, confortar quando deprimidos, e estimulá-los a olhar para cima e a confiar plenamente em Deus quando lhes desfalece a fé. Ou podem tomar a direção contrária, olhar ao lado sombrio, pensar que lhes cabe um tempo de provas, sem exercitar nenhuma fé em Deus…”. (Testemunho Seletos, volume 1, página 37) Que Deus nos ajude a ser uma bênção, a enfrentar os de- safios do ministério sempre. A revista que você tem em mãos quer contribuir para esse crescimento na certeza de que Deus também nos chamou para esse sagrado ministério. Que nossa resposta diante desse chamado sempre seja: “Eis me aqui, envia- -me a mim”. Isaías 6:8. Boa leitura!!
  • 3. 3 AF AM Janeiro-Março 2017 14 4 16 8 4 12 Índice 2 Editorial 4 Mensagem Paixão por Deus 6 Para crianças Marcela aprende a ser paciente 7 Testemunhando Poderoso para fazer infinitamente mais 8 Cuidando de sua saúde Quando a doença chega 12 Nossos dias Eu, esposa de pastor? 14 Vida familiar Os desafio da esposa de pastor na janela10/40 16 Vida espiritual Ser 18 Minha jornada Expectativa x realidade: a experiência de uma esposa de pastor aspirante
  • 4. Mensagem 4 AF AM Janeiro-Março 2017 Paixão por A Associação Ministerial, em todo o território da Divisão Sul Americana, define a experiência pas- toral com quatro expressões nominais objetivas: paixão por Deus; paixão pela família; paixão pela igreja; paixão pela missão. Creio que essas quatro expressões também devem de- finir a experiência ministerial de toda esposa de pastor. Ela deve amar ardentemente a Deus, a família, a igreja e a missão. A esposa do pastor precisa se envolver com o ministé- rio como uma pessoa que está apaixonada e deve nutrir em sua vida as mesmas paixões do esposo. Quero estimular as esposas de pastor a desenvolve- rem, diariamente, certo tipo de paixão por Deus, porque creio que o começo para as outras paixões do ministério passa primariamente por esse tipo de paixão. Estar apaixonado por Deus é uma experiência que, em certo sentido, se assemelha a amar intensamente alguém da família. Uma das principais características desse amor, senão a principal, é o desejo de estar todo o tempo buscando a pessoa amada. Em linguagem bíblica, aquele que tem paixão por Deus dedica-se intensamente a buscá-Lo. O profeta insta conosco: “Busquem o Senhor enquanto é possível achá-Lo. Clamem por Ele enquanto está per- to”. Isaías 55:6. Este texto nos ensina que Deus existe e está acessível a todos que O buscam, mas precisamos buscá-Lo com discernimento e sinceridade por que, no que diz respeito ao plano salvação, sempre haverá a ne- cessidade de que a reação humana seja favorável. Quando encontro alguém que confessa algum medo de pecar, de ofender a Deus, de transgredir os manda- mentos ou de se perder, costumo sugerir a essa pessoa que dirija suas energias para outro alvo. A maior preocu- pação do cristão deve ser buscar a Deus incansavelmente e incessantemente e não viver cheio de fobias espirituais. Outro texto que julgo apropriado para explorar esse tema é Hebreus 11:6. Ele nos ajuda a entender que essa busca também exige fé. “Sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem se aproxima de Deus precisa crer que Ele existe e que recompensa aqueles que O buscam”. Se fôssemos transformar esse verso numa pergunta, tería- mos: Por que é impossível agradar a Deus senão tiver- mos fé? E a resposta seria: Porque aquele que não tem fé não se aproxima de Deus como alguém que realmente está necessitado. Quem busca a Deus deve crer que Ele está perto e que é possível achá-Lo. Quem busca a Deus, deve fazer disso a primeira e mais importante iniciativa de sua vida. Quem busca a Deus deve fazer da oração e do estudo da Bíblia sua primeira ocupação e não os últimos recursos. Em Tiago 4:8 há uma causa e uma consequência: “Chegai-vos para Deus, e Ele se chegará para vós...”. Outra relação semelhante encontra-se em Zacarias 1:3: Deus © weerapat1003 | Fotolia
  • 5. 5 AF AM Janeiro-Março 2017 “Tornai-vos para mim, diz o Senhor dos Exércitos, e Eu me tornarei para vós outros...” . A ideia predominante nos dois versos é que a nossa felicidade depende de uma de- cisão. Em Jeremias 29:11 a 13 encontramos o modo de fazer essa relação acontecer: a busca por Deus deve ser feita “de todo o coração”. E nesse texto, “coração” indica sin- ceridade; “de todo” indica a intensidade. O poeta Davi aborda essa intensidade com as seguin- tes palavras: “Como a corça busca por águas correntes, a minha alma anseia por ti, ó Deus. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando poderei entrar para apresentar-me a Deus?” (Salmo 42:1 - 2). Certamente essa é a declaração de alguém plenamen- te apaixonado por Deus. Mas, enfim, como é que a corça suspira e anseia pelas águas? É com desespero. Correndo, buscando e farejando. Com sede. A corça tem um olfato privilegiado para loca- lizar a fonte certa. Uma corça sedenta e exausta caminha pelo deserto. Logo, o animal avista a imagem de um len- çol d’água sobre a areia. Começa a correr, desesperada, ao encontro da única substância que pode matar sua sede. A corça é um animal de pequena estatura, arisco e de cos- tume migratório. A corça não suporta o confinamento. É um animal dotado de olfato privilegiado que lhe pos- sibilita sentir cheiro de água a quilômetros de distância. É capaz ainda de perceber, metros abaixo da superfície,  a existência de um lençol freático. Em regiões desérticas da África e do Oriente Médio, empresas constroem quilômetros de aquedutos sobre a superfície terrestre e as corças sedentas assim que pres- sentem a água jorrando pelo interior dos dutos, correm por cima das tubulações na tentativa de encontrarem a nascente, ou então um possível local por onde essas águas possam ser alcançadas. E nós? Estamos desesperados por Deus? Temos sede de Sua presença? Temos corrido, buscado e nos empe- nhado por mais dEle em nossas vidas? Temos buscado na fonte certa, diariamente? Ou temos nos contentado com a mediocridade do nosso “confinamento”? Cada ser humano pode ter o seu próprio “confina- mento”. Coisas que nos prendem e nos impedem de sair em busca da água fresca que tanto precisamos. Pode ser pessoas, situações ou até mesmo “pequenos reinos” que construímos para nós mesmos: (“meu emprego”, “meu ministério”, “minha realização pessoal” etc.). Precisamos, como a corça, sair e correr. Precisamos de olfato aguçado para ir na fonte certa, que é Cristo. Afinal de contas, existem fontes sem água (II Pedro 2:17), e nu- vens sem água (Judas 1:12). Lembremos das palavras do Mestre: “quem tem sede, venha; e quem quiser, receba de graça a água da vida” (Apocalipse 22:17). Creio que a comparação de Davi pode servir de parâ- metro para nossa própria busca. Em Mateus 7:7 e 8 percebemos que essa busca por Deus exige a perseverança do pedir até receber, do bus- car até achar e do bater até que a porta seja aberta. Pedir, buscar e bater são três palavras que, nesse tex- to, indicam propósito e determinação. Outro texto que se relaciona com esse tema é II Crônicas 7:14: “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afas- tar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdo- arei o seu pecado e curarei a sua terra”. Ele evidencia que a primeira condição apresentada pelo próprio Senhor para aquele que quer buscá-Lo e encontrá-Lo é a hu- mildade. “Se o meu povo se humilhar, dos céus eu ou- virei”. A Bíblia diz que “Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes” (Provérbios 3:34). A ideia presente nesses versos é a oração contínua aliada ao arrependimento sincero. Logo, para buscarmos a Deus e O encontrarmos, precisamos de humildade, arrependi- mento, confissão e mudança. Após esses princípios, resta-nos ainda uma pergunta: por que alguém buscaria a Deus? Em outras palavras, quais os benefícios da busca a Deus? O salmista estava à procura de Deus porque necessitava desesperadamen- te dEle e tinha consciência disso. Apenas Deus poderia saciar a sede de sua alma. Buscar a Deus é a maior expe- riência que uma pessoa pode ter. Costumamos pensar na palavra paixão com certo ar de preconceito, julgamos que paixão é um tipo de amor des- compensado, irrefletido e irresponsável. Recentemente li a seguinte frase: “O amor é como um oceano, largo e profundo, a paixão é como um riacho, raso e estreito”. Na verdade, a palavra paixão identifica o amor num estágio de busca intensa. Estar apaixonado é estar determina- do por alguém. É possível ver esse tipo de amor-paixão na vida e na experiência de vários personagens bíblicos, principalmente na dos que fazem parte da galeria da fé, em Hebreus 11:1 a 40. Finalmente, quero estimular cada esposa de pastor a buscar esse tipo de amor com a inten- sidade da paixão, certa de que essa busca, como o fogo em um incêndio, a tomará por completo e, além disso, se alastrará e atingirá sua família, a igreja e a missão. Pr. Jair Gois é Ministerial da União Centro-Oeste Brasileira.
  • 6. “[…] sean pacientes con todos” 1 Tesalonicenses 5:14, NVI 6 AF AM Janeiro-Março 2017 Para crianças A dona Carmem convidou as crianças da vizinhança para ouvirem lindas histórias, na “Hora Feliz”. Depois de alguns dias, começaram a vir as crianças menores e também as maiores. Todas amavam as histórias. O problema ocorreu quando a Marcela e seu irmão mais novo brigaram. Certo dia, no término da história, a Marcela se irritou tanto com o irmão, Jaime, que começou a gritar: “Não me perturbe mais! Saia do meu lado! Eu não gosto de você!” A dona Carmem ficou triste ao ver como a menina tratava o irmão. Ela esperou que todas as crianças saíssem para então conversar com a Marcela, que se queixava dizendo que o Jaime sempre a irritava porque queria estar com ela o tempo todo, comer o que ela comia,... e ela já estava muito cansada de tudo isso. ― Marcela, seu irmão faz isso porque gosta de você e quer imitá-la. Ele ainda é muito pequeno e não percebe que seu comportamento a irrita. Ele ainda não entende. Você deve ser como Jesus. Ele sempre foi paciente e segue sendo, mesmo quando erramos. Ele nos perdoa sempre, embora cometamos os mesmos erros. Você se lembra de que alguns dias atrás você disse quer queria ser como Jesus? Uma forma de ser igual a Ele é sendo paciente. Quando o Jaime a irritar, lembre-se de Jesus e procure imitá-Lo ― a dona Carmem fez uma pausa e seguiu dizendo: ― Quero ver se você conseguirá fazer isso nas próximas semanas. Está bem? No dia seguinte a Marcela estava colorindo um livro quando a Elisa a chamou para brincar. Ela pensou em brincar um pouco e então voltar para seguir colorindo e assim deixou tudo sobre a mesa. As amigas brincaram a manhã toda. Ao voltar para o almoço, a Marcela foi pegar o livro e viu que o Jaime havia colorido quase todas as páginas. Furiosa, ela e correu até ele. A mamãe chegou a tempo de evitar que ela batesse no irmão. Irada, a menina disse palavras agressivas. Depois do almoço, a Marcela se lembrou do conselho da dona Carmem. Mas como era difícil ser paciente com o Jaime! Então, decidiu fazer algo melhor. Foi até o irmão e lhe disse: ― Estou triste pelo que eu fiz. Peço que você me perdoe por ter gritado com você. A culpa foi minha por não ter guardado o livro e os lápis de cor antes de sair para brincar. O Jaime mal podia acreditar que a irmã estivesse falando com ele de forma amorosa, e ficou aliviado. Durante a semana, a Marcela se lembrou de ser paciente com o Jaime, várias vezes. Algumas outras ela se esqueceu, mas estava aprendendo. Várias semanas depois, ela esperou que as crianças saíssem, depois da história da “Hora Feliz”, para falar com a dona Carmem. ― Eu agora sempre trato o Jaime com paciência. Percebi que ele está se comportando melhor e não mais mexe nas minhas coisas. Acho que o seu conselho está sendo muito bom. ― Marcela, sem dúvida você está ensinando seu irmão a melhorar. Quanto mais bondosa você for com ele, mais ele responderá de forma positiva. É muito bom que você esteja se esforçando para ser como Jesus. PACIENTE APRENDE A MARCELA SER 6 AF AM Janeiro-Março 2017 © eri | Fotolia
  • 7. AF AM Janeiro-Março 2017 7 Testemunhando “Vós sois as Minhas testemunhas” (Isaías 43:10) A pós o primeiro ano de ministério, trabalhando co- mo auxiliar de uma grande igreja, pois meu esposo recebeu o chamado para pastorear nosso primeiro distrito de igrejas. Que alegria! Fora o sonho de cuidar do re- banho que nos levara a amar e escolher o ministério pastoral. Iríamos para uma cidade bem pequena e afastada, a quatrocentos quilômetros da capital, sem nenhum gran- de centro por perto. Embora tenha poucos habitantes, ali existe um adventismo vibrante, com leigos envolvidos na missão e uma igreja que cresce. Uma semana depois da chegada de nossa mudança, pegamos nosso carro popular para fazer uma viagem à cidade de Campinas. Ali, na mais conceituada univer- sidade pública na área de estudos linguísticos do Brasil, defendi meu mestrado em Linguística Aplicada, que foi aprovado com louvor. No caminho de volta, não pude deixar de pensar no que me aguardava no aspecto profissional. Enquanto crescia, meus pais me incentivaram a dar meu melhor e me pro- porcionaram todas as oportunidades que puderam. Um presente dado por Deus foi a aprovação no disputado pro- grama de mestrado antes de finalizar a graduação e ainda como aluna bolsista, recebendo para pesquisar. Pude cursar as disciplinas e colher os dados enquanto meu esposo terminava o curso de Teologia. Apresentei o trabalho em importantes congressos da área. Participei com um capí- tulo em um livro. Tudo se encaminhava muito bem, para que, após a defesa, eu começasse a lecionar em uma boa institui- ção de ensino superior ou continuasse a jornada acadêmica por meio de um doutorado. Mas nada disso fazia o menor sentido morando em um lugar tão pequenino e afastado. Ao voltarmos, descobri que havia um cargo novo na área de ensino da prefeitura que parecia perfeito para mim. Tinha tudo que ver com aquilo que eu havia pes- quisado no mestrado. Sem dúvida, eu era a pessoa mais qualificada. Todos achavam isso. Mas havia um proble- ma. Para esse tipo de cargo, era necessário que eu tivesse feito a inscrição no ano anterior, algo impossível, já que nem sequer morávamos ali ainda. Foi frustrante. O que eu não sabia, naquela ocasião, era dos planos incríveis que Deus tinha para mim naquela cidadezinha do interior. Ali passamos quatro anos. Aprendi tanta coisa que não caberia em apenas uma página de papel. Desde dizer sim à pregação da Palavra no púlpito até o privilégio de estudar a Bíblia com alguém e presenciar com emoção a mudança de vida e o batismo. Fiz amigos para a vida inteira. Mas os planos de Deus não se confinaram à área mi- nisterial e dos relacionamentos. Só isso já teria sido bri- lhante e memorável. Mas a verdade é que, no silêncio da cidade pequena, o Senhor tinha planos profissionais para mim também. Ali recebi o convite para traduzir Ainda que caiam os céus. E depois dessa história inspiradora de fé em meio a tantas adversidades, veio a tradução de Tempo de esperança, livro missionário do pastor Mark Finley, e muitos outros se seguiram, bem como o convite para escrever a inspiração juvenil de 2016. E por meio dessas tantas bênçãos das quais não sou merecedora, o Senhor me mostrou o verdadeiro significa- do do “Ide”. Posso ir sem medo, para onde Deus enviar, sabendo que Ele já cuidou de cada detalhe. Ele faz surgir oportunidades extraordinárias onde parece não existir nenhuma. Ele dá plenitude, crescimento e satisfação em todas as áreas da vida, conforme Sua soberana vontade. Ele “é  poderoso  para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos” (Efésios 3:20). Não sei o que Deus reserva para sua vida. É possível que, ao lado da caminhada ministerial, Ele tenha sonhos profissionais traçados ainda melhores do que você imagi- na. Ou não. Talvez agora seja o momento de se despedir do que parece uma oportunidade extraordinária, quem sabe um emprego, cargo ou concurso. Conheço as emo- ções conflitantes. Mas gostaria de convidá-la a confiar no Deus que tem os melhores pensamentos a seu respei- to, para lhe dar o fim que você deseja (Jeremias 29:11). Sempre vale a pena. Ele a surpreenderá. Cecília Eller Nascimento é Tradutora, mestre em Linguística Aplicada, esposa do pastor Hassani Nascimento, ­ departamental de Jovens, Música e Comunicação da Associação Planalto Central, mãe do João Eduardo e da Amanda. mais Poderoso para fazer infinitamente © peshkova | Fotolia
  • 9. N asci em um lar não adventista, mas conheci o Senhor nos melhores momentos de minha ado- lescência. Fui batizada aos 13 anos. Mesmo an- tes de meu batismo, eu sentia a presença de Deus em mi- nha vida, sentia Seu cuidado e Seu grande amor por mim. Graças ao fato de Deus ter tocado o coração de minha mãe, eu pude mudar de uma escola católica para uma lin- da instituição adventista e assim continuei meus estudos até me formar (professora e formada em administração educacional). Enquanto ainda estudava, conheci um rapaz maravi- lhoso que amava a Deus assim como eu e que tinha a certeza do chamado do Senhor para ser pastor. Eu tinha muito medo de não poder ser uma boa esposa de pas- tor, mas depois de muita oração aceitei me casar com ele e aprendi que Deus não somente chama o pastor, mas também a esposa. Louvado seja O NOME DE DEUS! Deus nos abençoou com dois lindos filhos, Paulo e Misael – um presente maravilhoso. Estávamos trabalhando no distrito de Trinidad – Beni, na zona oriental da Bolívia, quando senti fortes dores na mama direita. Então, fui ao médico com meu esposo, e, depois de muitos exames, disseram-me que eu tinha um tumor e que não poderia ser atendida naquela localidade pois não contavam com especialistas ou equipamentos adequados. Meu marido ligou para a Missão, e nos mu- daram para a cidade de Cochabamba. Foram feitos novos exames, e, embora eu não soubesse realmente qual era o problema, apeguei-me ao Senhor. Fui operada de emer- gência, porque os resultados diziam que o câncer era de nível três e que avançava com rapidez. Senti a mão de Deus guiando tudo e agradeci muito ao Senhor porque a igreja se preocupa com nossa saúde. Que bênção receber essa ajuda médica nos momentos de necessidade! Depois da cirurgia, passei por oito quimioterapias. Saí de cada uma delas caminhando, com um sorriso no ros- to. Meu médico me perguntava: “Quem é o seu Deus? Porque os medicamentos que lhe administro provocam danos ao corpo dos pacientes, mas parece que não a afetam”. Eu respondia que tenho um Deus maravilhoso que cuida de mim e que muitas pessoas estavam orando por minha saúde. Agradeço a cada uma dessas pessoas que oraram com muita fé para que eu pudesse melho- rar. Mesmo assim, tudo em meu corpo mudou – meu aspecto físico ficou desfigurado, meus cabelos caíram e também as sobrancelhas e cílios, fazendo com que eu li- teralmente parecesse outra pessoa, a tal ponto que, para fazer um trâmite, tentaram pegar minhas impressões di- gitais, mas não puderam. hega AF AM Janeiro-Março 2017 9 © Photographee.eu | Fotolia
  • 10. 10 AF AM Janeiro-Março 2017 Às vezes, eu sentia que já não podia mais suportar e ouvia a voz animadora de meu marido me dizendo que me amava mais do que nunca e que Deus estava ao meu lado, sustentando-me com Seus braços de amor. Sei que essas palavras vinham do Senhor naqueles momentos e agradecia muito a meu amoroso Deus pelo lindo pre- sente que era meu marido, esse servo do Senhor. Que privilégio é ter um pastor em casa! Eu agradecia a Deus por minha família que sempre estava ao meu lado; por meus filhos que amadureceram muito nesse período; por meus amigos e pastores que me visitavam; pelos irmãos da igreja, em muitas partes do mundo, porque eu recebia mensagens de muitos lugares que me diziam que estavam orando por mim. Esses momentos de desespe- ro duravam pouco, pois a paz que somente os filhos de Deus podem experimentar invadia meu ser e eu dizia para mim mesma: “Tenho que me achar bonita, pois sou filha de Deus, e Ele tem cuidado de mim”. Comprei uma peruca, cílios postiços e delineei minha sobrancelha. Continuei trabalhando para o Senhor, frequentando a igreja e não deixava de assistir aos cultos. Eu via que muitas pessoas sofriam muito mais do que eu e que de- vemos ajudá-las. Já passaram dois anos e oito meses desde minha últi- ma quimioterapia. Sou grata ao Senhor por ter tido mi- sericórdia de mim e porque sei que não devo temer o futuro, porque Seus braços poderosos me sustentam a cada dia. Viviana Rojas de Cervantes é esposa de pastor do Distrito CEAB, Cochabamba – Bolívia, – Missão Boliviana Central Senti a mão de Deus guiando tudo e agradeci muito ao Senhor porque a igreja se preocupa com nossa saúde. © Photographee.eu | Fotolia
  • 11. AF AM Janeiro-Março 2017 11 2017 Programa da Igreja COMUNICAÇÃO DIVISÃO SUL-AMERICANA FEVEREIRO MARÇO 09-18 18 Programa 10 Dias de Oração e 10 Horas de Jejum / Dia Mundial de Oração Dia Mundial do Jovem Adventista AF AM Janeiro-Março 2017 11
  • 12. Crédito 12 AF AM Janeiro-Março 2017 Nossos Dias Quando criança, embora não sonhando ser es- posa de pastor, havia um fogo dentro de mim que me motivava a me preparar para ser mis- sionária. Foram inúmeras as vezes em que brincava com minhas bonecas, sendo eu a professora, ensinando as crianças carentes e necessitadas de países distantes. Em minha infância, tive experiências que marcaram minha vida espiritual. Sonhava com a vinda de Jesus. Na minha igreja, eram muitos os sermões que faziam alusão a essa bendita esperança. Meu coração ardia com o desejo de me encontrar com meu amante Salvador. Meus pais, muito esforçados em seu trabalho no campo, fizeram todo o esforço possível para minha edu- cação e de meus três irmãos mais velhos, em institui- ções adventistas. A grande aspiração deles era ver os quatro filhos sendo missionários e servindo ao Senhor. Enquanto cursava o terceiro ano do ensino médio, as circunstâncias circunjacentes, somadas a algumas ex- periências vividas, fizeram com que fossem totalmente mudados os sonhos daquela menina que não pensava em outra coisa além de ser professora. Enfermeira! Isso é o que eu haveria de ser. Ao concluir o último ano do ensino médio, eu estava muito segura e feliz com a profissão escolhida. Entrei na faculdade, feliz, confiante e cheia de esperança. Três anos depois, recebi o prêmio. Agora era uma enfermeira universitária. No início do segundo ano da faculdade, conheci um jovem que queria ser missionário e que acreditava que se casasse com uma enfermeira isso poderia ajudá-lo a ser melhor missionário. Ele estava iniciando o curso de Teologia! Será que esse jovem é o amor de minha vida? – eu me perguntava. Eu serei esposa de pastor? Comecei a orar ardorosamente e, dois meses depois de nos conhecermos, a resposta foi “sim” àquele jovem de cabelos ruivos ondulados. À medida que nos conhecíamos mais, Carlos e eu, com emoção observávamos que tínhamos muitas coisas em comum: ser missionários, trabalhar aonde quer que o Senhor nos chamasse e servir aos sofredores, desespe- rançados, entre muitas outras coisas. Recebi um convite para trabalhar no Sanatório Adventista do Plata. Agora poderiam se cumprir os EU, ESPOSA DE PASTOR?
  • 13. 13 AF AM Janeiro-Março 2017 sonhos de me casar”. E meu marido poderia concluir seu curso enquanto eu iniciava o trabalho como enfermeira. Eu amava essa profissão. O que mais gostava era a co- municação pessoal com cada paciente, podendo assim compartilhar o amor de Jesus; e mais do que meros trata- mentos físicos, levá-los a sentir que o Médico dos médi- cos estava pronto para aliviar seus sofrimentos. No último ano do curso de meu marido, recebe- mos um chamado para servir na Associação Argentina Central, para sermos responsáveis pelo Distrito em San Luis; mas antes do término do ano, recebemos outro convite. Ir como missionários para o Amazonas, e trabalhar em uma das lanchas Luzeiro. Que tremen- do desafio! Oramos muito, pois críamos que, com uma bebê recém-nascida, seria muito difícil! Mas Deus co- locou em nosso coração a convicção de aceitar o de- safio, visto que ambos sentíamos o chamado para o campo missionário. Deus Se encarregou de tudo e permitiu que servís- semos no Amazonas. A vida não foi fácil, mas foi mui- to abençoada! Sentíamos a mão de Senhor a cada dia, e dependíamos dEle constantemente! Sozinhos, no meio da selva, mas certos da companhia do Senhor! Foram muitos os milagres vividos e uma escola para a vida toda! Hoje, olhando para trás, embora não estivesse em meus planos ser esposa de pastor, posso escrever com convicção que o ministério é maravilhoso! E ainda mais quando compartilhado com a pessoa a quem você ama. Passaram os anos. Servimos em vários distritos, as- sociações e até mesmo na Universidade Adventista do Plata, onde atuei como capelã e professora da Escola de Enfermagem. Ali pude ver que os alunos de Teologia ti- nham dificuldade para encontrar uma jovem disposta a ser esposa de pastor; parecia que muitas jovens não esta- vam dispostas a isso. Em várias ocasiões, jovens estudantes se aproximavam de mim e perguntavam: “Como é ser esposa de pastor? Para mim parece algo impossível!” – elas diziam. Então, com paciência e carinho eu lhes fazia basicamente qua- tro perguntas: Você ama o Senhor Jesus e se sente amada por Ele? Você deseja servi-Lo? Você ama as pessoas? Você tem espírito missionário? São muitas as perguntas que surgem entre as esposas de pastor que estão no início da tarefa pastoral, mas que- ro lhe dizer, querida amiga, que ser esposa de pastor não significa ser uma supermulher. O que o Senhor Jesus e a igreja esperam é que você ame a seu marido e o ajude a ser feliz. Que você lute para que seu lar seja o lugar mais atraente para ele! E que, ao voltar para casa, ele encon- tre uma amiga e companheira. Seu marido necessita de você, ainda que mesmo apenas para abraçá-lo, para lhe dizer que o ama, que o admira e que ora por ele. Em algumas oportunidades, o melhor que você pode fazer é sentar-se e ouvi-lo com paciência e ternura. Se você for uma filha fiel ao Senhor, irá se sentir feliz de ajudar na igreja, de acordo com os dons que Deus lhe concedeu e, talvez, nas áreas em que seu marido não pode atuar. É muito bom compartilhar do ministério! Sentir-se parte do fazer discípulos do reba- nho! Ser autênticas! Doar-se inteiramente ao serviço ao próximo. Haverá etapas na vida em que você poderá dedicar mais tempo ao serviço da igreja a que você ama e, em outros momentos, quando os filhos são pequenos, por exemplo, nos quais não poderá acompanhar seu marido tanto quanto gostaria. Não se esqueça de que o primeiro campo missionário é sua própria família. Ajude seu marido a equilibrar seu tempo. Veja que ele cresça espiritualmente. Não permita que ele saia de casa sem primeiro ter dedicado tempo para estar com o Senhor. Ajude seu marido a administrar de tal forma as horas de cada dia a fim de poder brincar com os fi- lhos e ouvir-lhes as perguntas e poder respondê-las a fim de que não busquem as respostas em lugares errados. Será indispensável que você lembre a seu marido que sua primeira igreja é o lar, onde ele é o pastor, dirigindo diariamente o culto da família. É claro que, quando ele estiver viajando ou não puder estar presente, essa será a sua responsabilidade. A felicidade no ministério depende, em grande me- dida, da atitude mental. Cultive, pois, pensamentos po- sitivos. Agradeça ao Senhor e à igreja pelos privilégios que você tem. Não se detenha a criticar e a observar as coisas desagradáveis do ministério. O pensamento é a nobre função da mente. É o atributo superior dos seres racionais. Mas se pode pensar de diversas formas: com a mente sã ou doentia; com mente disciplinada ou desor- denada; com mente positiva ou negativa. Habituar-se a pensar de forma construtiva é condição imprescindível para triunfar e ser feliz. Os bons pensamentos são os me- lhores companheiros na viagem da vida. Graciela Hein é diretora do Ministério da Criança e do Adolescente da Igreja Adventista na América do Sul. É casada com o pastor Carlos Hein, ministerial da Divisão Sul-Americana. © vgstudio | Fotolia
  • 14. 14 AF AM Janeiro-Março 2017 Vida Familiar O s desafios de ser esposa de pastor na janela 10/40 são muitos. Mal havíamos estudado as línguas locais, por um ano, e já nos foi solici- tado liderar. Lembro-me que no primeiro sábado na igreja, eu es- tava muito emocionada. Aprontei minha família cedo, e felizes nos dirigimos ao local. Antes de chegarmos, imaginei que, por ser um templo com mais de 50 anos, encontraria as irmãs do Ministério da Mulher dando as boas-vindas aos visitantes, à porta da igreja; que haveria uma classe para as crianças com os materiais necessá- rios... tudo o que a esposa do pastor anela encontrar para poder trabalhar na nova igreja. Grande foi minha sur- presa ao ver menos de dez membros locais no templo, e sem os materiais necessários. A despeito de tudo, foi um sábado especial e estamos agradecidos ao Senhor. Depois de falar com as irmãs, dei-me conta de uma realidade de minha igreja: não havia recursos materiais para nossa área de trabalho, visto que esses ministé- rios sempre foram relegados e não obtive apoio para começar a trabalhar. Ajoelhei-me em oração; derramei minha alma perante o Senhor e Ele me fortaleceu. Perguntei a mim mesma: Como começar? O que fa- zer? “O método de Cristo”, foi a resposta que me veio à mente naquele momento. Juntamente com meu marido e minha filha pequena, visitamos cada um dos membros, ministrando às suas necessidades. Comíamos juntos, brincávamos juntos, chorávamos juntos e orávamos para que Deus nos con- duzisse no caminho. Os resultados vão chegando lenta- mente, talvez mais lento do que esperávamos. Porém, a cada dia vemos que o método de Cristo nunca falha. Nosso desafio como casal é motivar os poucos membros JANELA 10/40 Os desafios da esposa de pastor na a trabalharem unidos no mesmo propósito missionário. Não tem sido fácil. Seguimos preocupados com cada um deles e não temos a menor dúvida de que Deus Se manifestou e os resultados começam a surgir, mas o desafio segue sendo grande, especialmente em uma sociedade onde a mulher ainda ocupa um papel des- criminado e muito inferior. As mulheres, neste lado do mundo, não têm poder de decisão e sempre estão sujei- tas ao homem da casa e, ao mesmo tempo, são presas das expectativas impossíveis da sociedade muçulmana. Seus direitos são muito limitados, e assim não há como garantir que haja um Ministério da Mulher muito ativo. Na verdade, as mulheres que se reúnem nos sábados conosco são maravilhosas, mas muitas delas não po- dem ser membros regulares. A cultura aqui é diferente em todos os aspectos e temos de aprender a trabalhar com o que está ao nosso alcance. Algumas mulheres enfrentarão problemas gravíssimos caso seus familia- res tomem conhecimento de que elas frequentam uma igreja cristã; este é um dos tantos desafios para nós, esposa de pastor, que neste lado do mundo necessita- mos inculcar uma fé tão grande por meio do exemplo © George Kolonias | Fotolia
  • 15. 15 AF AM Janeiro-Março 2017 Sou ciente de que tenho um longo caminho para per- correr, para aprender com os altos e baixos e para de- pender totalmente de Deus e o tempo todo. Gosto de um dos parágrafos escritos por Ellen G. White, no livro Filhas de Deus, p. 9, que diz: “Mulheres de firme princípio e decidido caráter são necessárias, mulheres que creem es- tarmos, sem dúvida, vivendo nos últimos dias, e que temos a última solene mensagem de advertência para ser dada ao mundo. Devem sentir que estão empenhadas numa im- portante obra ao espalharem os raios de luz que o Céu tem derramado sobre elas. Quando o amor de Deus e de Sua verdade é um princípio permanente, elas não permitirão que coisa alguma lhes impeça o cumprimento do dever ou as desencoraje em seu trabalho”. Ser esposa de pastor nunca é fácil, mas é um privilé- gio. Deus a escolheu entre todas as mulheres para pro- clamar o evangelho da paz (Efésios 6:15), por isso, como gratidão, compete-nos fazer o melhor que pudermos para que Jesus volte logo, entregando-Lhe nossos dons e ta- lentos. “E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim” – Mateus 24:14. Prezadas amigas, vivemos em tempos desafiantes. Revistamo-nos de toda a armadura de Deus, para que possamos permanecer firmes contra as ciladas do diabo (Efésios 6:10, 11) e sairmos vitoriosas. Permaneçamos preparadas, trabalhando para fazer avançar nosso lar e igreja. Peço suas orações, em especial, por todas as es- posas de pastor, por nossos maridos e pelas pessoas que vivem na janela 10/40, e também pelos próximos projetos de trabalho para alcançar nossos irmãos muçulmanos com a mensagem dos três anjos. Que Deus as abençoe. Não mencionamos o nome do país por questões de segurança dos missionários e estratégia da igreja. Hellen Azo é enfermeira, esposa de pastor e atua com o marido como missionária na janela 10/40 e da Palavra. Nossa tarefa é ouvi-las, compreendê-las, orar com elas, ajudá-las em tudo o que for necessário e alentá-las a seguirem firmes, a despeito das tribulações que estejam enfrentando. Outro desafio neste país é o precon- ceito das pessoas quando tomam conhecimento que so- mos cristãos, visto que pensam que todos levamos uma vida libertina, como o que veem nos filmes de Hollywood, mas quando se inteiram que somos diferentes, que não ingerimos bebidas alcoólicas, que não comemos carne de porco, que somos mo- nogâmicos e que seguimos um estilo de vida saudável e moral, elas se interessam em nos ou- vir e até aceitam nosso convite para desen- volver alguma atividade social juntos, embora muitos deles, inicialmen- te, interpretem, de acordo com sua religião, que se relacionar com infiéis como nós, não é permitido. É incrível, somente o método de Cristo! Há algum tem- po, um homem não adventista deste país começou a frequentar a igreja e quando pergun- tado por sua esposa, ele respondeu que ela não podia vir com ele à igreja porque trabalhava aos sá- bados. Ele, aposentado, vinha todos os sábados e de- pois ia à classe bíblica. Meu marido e eu começamos a visitá-lo em sua casa e conhecemos a esposa. Fiquei muito feliz por eles, depois de comermos juntos muitas vezes e estabelecermos amizade com o casal. Certo sá- bado, a esposa nos surpreendeu e veio à igreja com o marido. Aproximamo-nos rapidamente e lhe demos as boas-vindas. Então ela nos contou que impôs em seu centro de trabalho a necessidade de ter os sábados li- vres, para não pedir demissão. Claro, ela não mencionou que era para frequentar a igreja aos sábados, como é de se esperar neste país; mas agora ela assiste fielmente e está se preparando na classe bíblica para ser em breve batizada, pela graça de Deus. Como esposa de pastor aqui, outro desafio é conectar-me com as mulheres para estabelecer laços de amizade e assim poder lhes mostrar o amor de Jesus. Ser esposa de pastor nunca é fácil, mas é um privilégio.
  • 16. 16 AF AM Janeiro-Março 2017 SER Vida espiritual E u não poderia iniciar este artigo sem primei- ro prestar homenagem a minha amada esposa! Concluímos nossos estudos e recebemos o con- vite para irmos trabalhar como missionários nas lanchas “Luzeiro” do Amazonas, em 1979. Permanecemos ali até 1983. Você consegue imaginar? ... Fácil? ... Agradável? ... Emocionante? Este último, sem dúvida, muito emocionan- te, mas não necessariamente fácil e muito menos agradável para uma jovem cheia de ideais e desejos de crescer pro- fissionalmente como enfermeira universitária. Hoje devo reconhecer que a verdadeira “missionária” foi a Graciela. Quanto a mim, talvez eu tenha sido mais “aventureiro”. Graças a ela eu me transformei em um “missionário”. Os anos se passaram. Trabalhamos em vários países e ainda hoje minha esposa segue sendo uma grande aju- dadora, inspiração e bênção. Mais de uma vez parei para pensar em como teria sido meu ministério sem a Graciela. Quando penso nela, penso nas milhares de esposas, em todo o território da Divisão Sul-Americana. Esposas que acompanham, ajudam e abençoam o ministério de seu marido. Penso naquelas que servem em lugares inóspi- tos, nas periferias, nos centros urbanos onde o trabalho é difícil; nas cidades pequenas ou nas grandes metrópoles, mas sempre com a maravilhosa atitude de servir a Deus, à humanidade e à igreja, permanecendo ao lado do amado marido pastor. Por que no parágrafo acima escrevi “grande maioria” e não todas? A resposta se encontra em uma citação de Ellen White que diz: “A esposa de um pastor pode ser a mais bem-sucedida ajudadora e uma grande bênção a seu marido ou um estorvo em sua obra. Depende muito da esposa se seu marido subirá dia a dia em sua esfe- ra de utilidade ou se descerá ao nível vulgar” – O Lar Adventista, p. 355. Do que depende para que seja uma bem-sucedida ajudadora ou um estorvo? Em algumas ocasiões, as esposas de pastor ouvem que devem realizar atividades tais como reuniões pré-trimes- trais da Escola Sabatina do Departamento da Criança, conselheira de alguns departamentos, etc., etc., etc. Para seremos bem honestos, devemos reconhecer que a espo- sa do pastor não é a pastora; ela é a esposa do pastor. É claro que, como esposa de pastor, supõe-se que ela tam- bém é membro da igreja e, como tal, tem prazer em servir à igreja, cumprindo a missão de salvar almas, não apenas por ser a esposa do pastor, mas porque é filha de Deus. Voltemos à pergunta que fizemos ao concluir a cita- ção de Ellen White: “Do que depende para que seja uma bem-sucedida ajudadora ou um estorvo?” Talvez você es- teja questionando: O que a esposa de pastor deve ou não fazer? Eu prefiro perguntar: O que ela deve ser em vez de fazer? A seguir, apresento seis sugestões com base nas orientações de Ellen White para as esposas de pastor. Seja uma mulher com vida espiritual profunda. Querida esposa de pastor, lembre-se, em primeiro lugar, de que você é filha de Deus. “Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acres- centadas” (Mt 6:33). “A esposa do ministro deve viver uma vida devota e de oração. [...] Se tão-somente se apoiassem confian- temente, com confiança infantil, em Deus, e concentrassem em Jesus suas afeições, recebendo sua vida de Cristo, a videira viva, que soma de bem não poderiam elas realizar, que auxílio poderiam ser a outros, que apoio para seus maridos! E que recompensa não seria a sua afinal!” – Evangelismo, p. 675. Uma relação profunda com Jesus, por parte da esposa de pastor, é muito mais importante que simplesmente fazer coisas na igreja. © Olena Zaskochenko | Fotolia
  • 17. 17 AF AM Janeiro-Março 2017 Cultive espírito de contentamento, de abne- gação. Você não tem ideia do quanto irá ajudar seu mari- do no ministério ao cultivar espírito alegre. Essa alegria não apenas será bênção para os irmãos da igreja, mas também para seu marido. Não permita que o descontentamento ocupe o seu coração. Ellen White diz: “Foi-me apresentada a vida de Cristo. Quando Sua abnegação e Seu sacrifício são comparados com as provas e sofrimentos das esposas de alguns pastores, isso faz com que tudo o que possam elas chamar de sacrifício seja reduzido à insignificância. Se a esposa do pastor profere palavras de descontentamento e desânimo, a influência que exercerá sobre o marido é desencorajadora e tende a debilitá-lo no trabalho, espe- cialmente se seu sucesso depender das influências que o rodeiam. [...]— Testemunhos para a Igreja, v. 1, p. 451. Cuide de si mesma. Cultive um espírito agra- dável. “[...] há muitas vezes uma grande falha por parte da esposa. Ela não envida decididos esforços para con- trolar seu próprio espírito e tornar feliz o lar. Há muitas vezes irritabilidade e desnecessárias queixas da parte dela. O marido volta para casa, de seu trabalho, cansado e per- plexo, e depara um sobrecenho cerrado em vez de palavras animosas, encorajadoras. Ele não é mais que humano, e suas afeições se afastam da esposa; ele perde o amor ao lar, sua vereda se ensombra, e destrói-se-lhe o ânimo” – Mente, Caráter e Personalidade, v. 1, p. 161. Seja a secretária ministerial mais eficaz. Sem dúvida, seu marido necessita de um secretário ministerial que o ouça, que o avalie e que o ajude; mas é importante que você saiba que não há melhor secretário ministerial do que a esposa de pastor. Aqui, novamente, recorro a Ellen White que diz que “A esposa do pastor, seus filhos e os que estão empregados como auxiliares em sua família são o juiz mais bem qualificado de sua piedade” – O Lar Adventista, página 354. Se é assim, e não duvido que seja, isso significa que não há outra pessoa mais capacitada para ajudar o marido a ser um bom pastor. Deus colocou na mulher a capacidade de falar com tal ternura e firmeza que pode levar o marido a ser melhor ministro – Testemunhos Seletos, volume 1, página 37. Os pastores trabalhamos diariamente com coisas sagra- das. Corremos o risco de perder o verdadeiro sentido da solenidade de nosso trabalho. Nossas amadas esposas nos devem fazer recordar, diariamente, da santidade de nossa vocação. Embora possa lhe parecer estranho, permita-me dizer-lhe que “Se você conseguir levar seu marido, pastor, ao Céu, você realizou um grande trabalho missionário”. Com brandura, ternura e oração e, acima de tudo, por seu exemplo, ajude seu marido a ter “paixão por Deus”. Não “permita” que ele saia para trabalhar sem primei- ro ter tido um encontro pessoal com Jesus, a cada dia. Ninguém melhor do que você para fazer de seu marido um “verdadeiro pastor”. Lembre a seu marido que sua primeira igre- ja é o lar. “Não é tanto a religião do púlpito quanto a da família que revela nosso verdadeiro caráter. A esposa do pastor, seus filhos e os que estão empregados como auxiliares em sua família são o juiz mais bem qualificado de sua piedade. Um homem bom será uma bênção a sua casa. Esposa, filhos e empregados serão o melhor para sua religião” – O Lar Adventista, p. 354. “Coisa alguma pode desculpar o pastor de negligenciar o círculo interior, pelo mais amplo círculo externo. O bem-estar espiritual de sua família vem em primeiro lugar. No dia do final ajuste de contas, Deus há de perguntar que fez ele para atrair para Cristo aqueles que tomou a responsabilidade de trazer ao mundo. O grande bem, feito a outros, não pode cancelar o débito que ele tem para com Deus, quanto a cuidar dos próprios filhos” – Obreiros Evangélicos, p. 204. Somente a fiel esposa de pastor, com muita oração, com ternura e com atitude positiva pode ajudar o marido a ter bem clara a ordem de prioridades: 1 – paixão por Deus; 2 – paixão pela família; 3 – paixão pela igreja; e, então, 4 – paixão pelas almas. Ajude seu marido a dar tudo para salvar as almas. Anime-o a ser diligente no cumprimento da missão. Seu marido deve colocar Deus em primeiro lugar e, imediatamente depois, cuidar de sua família, brincar com os filhos e leva-los ao Céu. Porém, você deve ajudar seu marido a se lembrar de que ele é pastor e que deve ser fiel na administração do tempo e que deve sair para traba- lhar em prol dos perdidos e dos membros da igreja, dedi- cando diariamente de sete a oito horas para tal. “Alguns ministros são facilmente distraídos de sua obra. Ficam desanimados, ou são afastados pelos laços de família, e deixam um interesse crescente extinguir-se por falta de atenção. Mal se pode calcular o prejuízo sofrido pela causa por essa forma” – Obreiros Evangélicos, 371. “Uma mulher verdadeiramente convertida exercerá poderosa influência, transformadora, para o bem. Ligada ao marido ela o pode ajudar em seu trabalho” – Evangelismo, p. 467. Recapitulando. Não se preocupe tanto com o fazer, antes, preocupe-se com o ser. Seja uma mulher com vida espiritual profunda. Cultive espírito de contentamento, de abnegação. Cuide de si mesma. Cultive um espírito agra- dável. Seja o secretário ministerial mais eficaz. Lembre a seu marido de que sua primeira igreja é o lar. Ajude seu marido a dar tudo de si para a salvação das almas. Pr. Carlos Hein, é secretário Ministerial – D.S.A
  • 18. AF AM Janeiro-Março 2017 C riar expectativas a respeito de algo ou alguém, e ter de aprender a lidar com as desilusões e frustrações no decorrer da vida é algo natural e inerente ao ser humano. Entretanto, creio que esse processo acontece de maneira mais intensa na vida da esposa de um pastor. Afinal, muitas são mudanças pelas quais frequentemente passamos. Mudança de igreja, distrito, cidade, estado e, até mesmo, mu- dança para outro país. A cada recomeço iniciamos um novo ciclo de expectativas. Além das nossas próprias expectativas, precisamos ainda nos esforçar no intuito de corresponder às expectativas que são criadas a nosso respeito. Expectativas do nosso esposo, dos filhos, da comunidade, da igreja, do local onde trabalhamos, etc. Nesses poucos anos de minis- tério tenho experimentado, em minha vida diária, o quanto é desafiadora a tarefa de administrar tudo isso. Quando nos casamos em 2012, meu esposo cursava o último ano do seminário. À semelhança da maioria dos alunos, morávamos em uma pequena e aconchegante qui- tinete, nas redondezas do colégio. Eu havia me formado no ano anterior e lecionava em uma escola da rede pública na cidade vizinha. Além dos compromissos acadêmicos e profissionais da semana, aos sábados, saíamos cedinho e passávamos o dia na igreja onde meu esposo servia como pastor estagiário. O domingo era o único dia de que eu dispunha para colocar a casa em ordem, planejar as aulas da semana e realizar as demais tarefas. Esse período foi produtivo, porém estressante. Paralelamente a tudo isso, estávamos na expectativa do nosso chamado. Apesar de ter a certeza de que Deus estava conduzindo nossa vida, constantemente ficávamos pensando para onde Deus nos enviaria. “Será que serei uma boa esposa de pastor? Será que tenho o perfil que atenda os desafios desta missão?” As expectativas e ansiedades eram muitas. Mas, independente para onde fôssemos chamados para servir, eu almejava ser uma esposa de pastor dinâmica, participativa e auxiliar meu esposo no que fosse necessário. Mesmo sabendo das responsabilidades que precisaríamos desempenhar, eu acre- ditava que nossa rotina poderia desacelerar um pouco para que pudéssemos desfrutar mais da companhia um do outro. Finalmente o chamado chegou! Fomos enviados como auxiliar do pastor de uma grande igreja no Brasil. Essa realidade mudou todas as minhas expectativas. Como es- posa de pastor assistente, eu estava ali para auxiliar e não para tomar a frente das coisas. Por ser uma igreja grande, os ministérios caminhavam sozinhos, e mão de obra para liderar e realizar o trabalho não faltava. Precisava, então, encontrar o meu espaço. Tudo era muito novo para mim. Cidade, pessoas, igreja e escola novas. Por vezes, mesmo estando rodeada de muitas pesso- as, sentia-me sozinha. E não demorou muito para que a nova rotina tomasse forma e para minha surpresa, tão intensa quanto a que vivemos naquele último ano no colégio. Lembro-me de uma situação, logo nos primeiros meses, quando uma esposa de pastor mais experiente, indagou-me a respeito de como eu me sentia como es- posa de pastor. E sem precisar pensar muito, respondi a ela que, a impressão que eu tinha é que não estava rea- lizando nenhum dos meus papeis satisfatoriamente. As tarefas domésticas, frequentemente, se acumulavam; o cansaço da rotina profissional muitas vezes me fazia ce- der à tentação de ficar em casa e deixar de acompanhar meu esposo em alguns compromissos e, até mesmo, aos cultos. Dessa maneira, os momentos a sós, como casal, também estavam cada vez mais raros devido à nossa correria. Eu imaginei que teria mais tempo para acom- panhá-lo, mas agora o meu tempo de solidão ficou ainda maior. Entretanto, com a ajuda e a misericórdia de Deus, conforme os meses se passaram as coisas, aos poucos, foram se ajustando. Mas, preciso admitir que esses pri- meiros meses foram um tanto frustrantes e desafiadores. Na próxima edição, falarei mais sobre o trabalho na igreja e outros detalhes interessantes. Sanjeli Goularte Castro Esposa do pastor Cleuber Almeida Castro, Missionários na China no Projeto Missionários para o mundo – DSA Revisado por Mariazinha Coelho 18 Minha jornada experiência de esposa de pastor aspirante (parte1) x Expectativa realidade: