1
ÍNDICE
INTRODUÇÃO..........................................................................................................
2
INTRODUÇÃO
Como é sabido, a publicação de A Origem das Espécies teve um impacto muito
para além da esfera da Biologia. M...
3
A ORIGEM DAS ESPÉCIES
Muito se tem escrito com grande profundidade sobre a vida e obra de Charles
Darwin, ao que não é a...
4
É sabido, por exemplo, que Charles Darwin pretendia que a sexta edição fosse uma
edição popular e muito menos dispendios...
5
Assim, a evolução permite compreender distribuição geográfica das espécies.
Imagem retirada do livro "Biologia 11" da Ar...
6
metabólicas comuns para além da síntese proteica como os processos respiratórios e
modos de atuação das enzimas. O facto...
7
estes estudos podem ser ainda mais precisos estudando a própria fonte dessa
informação.
Fig. 1 - Comparação entre o nº d...
8
O grau de hibridação é proporcional ao grau de parentesco entre as
espécies.
Fig. 2 - Hibridação de uma molécula de DNA....
9
As ideais em que este argumento se baseia, são as seguintes:
 A célula é a unidade básica, estrutural dos seres vivos, ...
10
CONCLUSÃO
Em conclusão, todos os seres vivos são constituídos por células, que apresentam
a mesma morfologia e a mesma ...
11
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 http://bioterra-catarina.blogspot.com/2010/01/argumentos-favor-do-
evolucionismo_8069.html...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A origem das espécies

213 visualizações

Publicada em

Matéria de Biologia

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

A origem das espécies

  1. 1. 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO................................................................................................................ 2 A ORIGEM DAS ESPÉCIES........................................................................................... 3 ARGUMENTOS BIOGEOGRÁFICOS........................................................................... 4 ARGUMENTOS BIOQUÍMICOS................................................................................... 5 ANÁLISE DAS PROTEÍNAS ......................................................................................... 6 ANÁLISE DO DNA......................................................................................................... 7 REAÇÕES IMUNOLÓGICAS / DADOS SOROLÓGICOS. ......................................... 8 AS IDEAIS EM QUE ESTE ARGUMENTO SE BASEIA, SÃO AS SEGUINTES:..... 9 CONCLUSÃO................................................................................................................ 10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ........................................................................... 11
  2. 2. 2 INTRODUÇÃO Como é sabido, a publicação de A Origem das Espécies teve um impacto muito para além da esfera da Biologia. Muitos leitores acreditavam que esta obra desafiava as concepções religiosas mais profundas. No entanto, Charles Darwin foi sempre um homem respeitado e uma das figuras científicas mais veneradas do seu tempo, inclusivamente no seu país natal. Como tal, foi sepultado na Abadia de Westminster, em Londres, em 1882, uma honra raramente concedida a homens de Ciência. Desde então, a Biologia Evolutiva floresceu e desenvolveu-se a ponto de, em 1973, Theodosius Dobzhansky escrever: “Nada em biologia faz sentido excepto à luz da evolução”. Nos nossos dias, a comparação em várias espécies, incluindo a humana, de um dado gene, órgão, ou sistema, é comummente praticada a fim de se tentar solucionar os mais variados problemas nas áreas da Biologia e da Medicina.
  3. 3. 3 A ORIGEM DAS ESPÉCIES Muito se tem escrito com grande profundidade sobre a vida e obra de Charles Darwin, ao que não é alheio o facto de, para muitos autores, A Origem das Espécies ser um dos mais importantes livros científicos alguma vez escrito. Por esta razão, é uma honra para qualquer investigador prefaciar a tradução em português de uma obra que dispensa qualquer prefácio. Enquanto obra científica, A Origem das Espécies é peculiar. Note-se que a primeira edição, publicada a 24 de Novembro de 1859, tinha um título diferente, Sobre a Origem das Espécies através da Selecção Natural, ou a Preservação das Raças Favorecidas na Luta pela Sobrevivência. No entanto, o aspecto mais importante deste trabalho científico será porventura o carácter de resumo necessariamente imperfeito que o próprio autor atribui na introdução. São muitas as alusões espalhadas por toda a obra a dados e conclusões que Darwin tenciona publicar em data oportuna. Teve várias edições, todas elas – sem surpresa para um trabalho continuamente em construção – com correcções e alterações significativas introduzidas pelo autor. A expressão “sobrevivência do mais apto”, por exemplo, ocorre pela primeira vez apenas na quinta edição. A sexta edição inglesa de 1872, a última exaustivamente revista pelo autor, inclui um capítulo totalmente novo, que Darwin aproveita como espaço para dar resposta a múltiplas críticas. Em 1876, Darwin fez ainda algumas correcções à sexta edição; é esta a edição aqui traduzida. O seu carácter de resumo talvez justifique a ausência das muitas tabelas, figuras, gráficos e equações matemáticas que se espera encontrar em qualquer texto científico. A ausência de uma linguagem científica especializada em muito terá contribuído para o interesse mostrado por um público não especialista relativamente ao seu conteúdo. Note-se, a título de exemplo, que a segunda edição (a de maior tiragem) foi de 3.000 exemplares, e que durante a vida do autor foram publicadas traduções em onze línguas. Talvez Darwin tenha feito um esforço deliberado neste sentido.
  4. 4. 4 É sabido, por exemplo, que Charles Darwin pretendia que a sexta edição fosse uma edição popular e muito menos dispendiosa do que a primeira. Mas não só. Porque tudo faz mais sentido à luz da evolução das ideias, aconselho a leitura de A Origem das Espécies a todos os especialistas e não especialistas que sempre tenham querido entender como nasce e como se apresenta com uma clareza surpreendente uma teoria revolucionária. ARGUMENTOS BIOGEOGRÁFICOS A Biogeografia analisa a distribuição geológica dos seres vivos. Esta ciência conclui que as espécies tendem a ser tanto mais semelhantes quanto maior é a sua proximidade física e, por outro lado, quanto mais isoladas, maiores são as diferenças entre si, mesmo que as condições ambientais sejam semelhantes. Darwin teve oportunidade de verificar esta situação ao conhecer as ilhas de Cabo Verde e o arquipélogo das Galápagos. Outro exemplo que apoia a concepção evolucionista relaciona-se com os mamíferos australianos. Neste continente, os mamíferos são significativamente diferentes dos mamiferos dos restantes coninentes. Actualmente, todos os mamíferos australianos são marsupiais (nascem num estado embrionário e completam o seu desenvolvimento no interior de uma bolsa materna), não existindo mamíferos placentários (todo o desenvolvimento embrioário tem lugar no útero materno), à excepção dos que foram introduzidos pelo Homem. Há cerca de 200 M.a., a Austrália estava ligada aos restantes continentes, formando a Pangeia. Por isso, o mamíferos podiam deslocar-se por todo este supercontinente. Mas, após a separação dos continentes, os mamíferos evoluíram independentemente. Enquanto na Austrália os marsupiais persistiram e diversificaram- se, nas restantes regiões do Mundo sofreram intensa competição tendo, quase, desaparecido.
  5. 5. 5 Assim, a evolução permite compreender distribuição geográfica das espécies. Imagem retirada do livro "Biologia 11" da Areal. ARGUMENTOS BIOQUÍMICOS Durante muitos anos, a Paleontologia, a Anatomia Comparada e a Embriologia foram as principais fontes de dados que permitiram estabelecer relações de parentesco entre os seres vivos, constituindo, assim, argumentos a favor do evolucionismo. Nos últimos anos, os estudos de natureza bioquímica vieram dar um impulso notável à argumentação evolucionista, não só quantitativamente mas também qualitativamente. As provas bioquímicas apoiam a evolução na medida em que reforçam a ideia de origem comum dos diferentes grupos de seres vivos. Os argumentos bioquímicos baseiam-se no facto de todos os seres vivos serem constituídos pelos mesmo tipos de biomoléculas (proteínas, lípidos, glícidos, ácidos nucleicos, aminoácidos), pelo DNA e RNA serem centrais no mecanismo global de produção de proteínas onde intervém um código genético universal, a universalidade do ATP como energia biológica utilizada pelas células e a existência de outras vias
  6. 6. 6 metabólicas comuns para além da síntese proteica como os processos respiratórios e modos de atuação das enzimas. O facto de haver semelhanças quer no que respeita as biomoléculas quer no que respeita aos mecanismos vitais das células, pode ser relacionado com uma provável origem comum. Assim as variações entre seres apresentam uma gradação, sugerindo uma continuidade evolutiva (quanto mais afastados filogeneticamente se encontrarem dois organismos, mais diferem na sequência de DNA, na sequência de proteínas e, portanto, nos processos metabólicos que essas proteínas controlam). Como tal existem 3 processos que permitam fazer uma comparação bioquímica entre seres (e consequentemente estabelecer uma relação filogenética) sendo estes: ANÁLISE DAS PROTEÍNAS As proteínas são as moléculas mais numerosas no corpo dos seres vivos, condicionando, com a sua sequência de aminoácidos específica, as características fenotípicas desses mesmos seres. Deste modo, é de prever que quanto maior for a semelhança entre as proteínas de indivíduos de diferentes espécies, maior é também o seu grau de parentesco. Estudos sobre a molécula da insulina, uma hormona produzida pelo pâncreas formada por duas cadeias polipeptídicas, revelaram que as várias moléculas características das espécies teriam derivado, por pequenas mutações, de um ancestral comum. Exemplo: A molécula de insulina dos Mamíferos considerados (homem, boi, porco, cavalo e carneiro) é formada por 51 aminoácidos. A cadeia A desta molécula difere, no máximo 3 aminoácidos de uma animal para outro. Este facto, sugere a existência de uma molécula ancestral comum. Isto é, se duas espécies apresentam sequências de genes e de aminoácidos muito próximas, muito provavelmente essas sequências foram copiadas a partir de um ancestral comum. Estudo semelhante foi realizado com o citocromo C, uma proteína respiratória que se encontra em todos os seres aeróbios. No decurso da evolução, mutações alteraram aminoácidos em determinadas posições mas todas as espécies têm uma estrutura e função semelhantes. Assim, a ideia de Darwin de que todas espécies estariam ligadas por árvores filogenéticas tem apoio neste tipo de estudo pois mesmo entre seres tão distantes evolutivamente como o Homem e uma bactéria podem ser encontradas proteínas comuns. As proteínas são produtos da informação contida no DNA, pelo que
  7. 7. 7 estes estudos podem ser ainda mais precisos estudando a própria fonte dessa informação. Fig. 1 - Comparação entre o nº de aminoácidos de alguns animais com a evolução ao longo do tempo. ANÁLISE DO DNA Outra forma de estimar a proximidade entre espécies é analisando o DNA, através da hibridação do mesmo. Nesta técnica, procede-se inicialmente á desnaturação das cadeias de DNA. Essas cadeias “desenroladas” são recombinadas com outras de espécie diferente, previamente isoladas e marcadas radiactivamente e espera-se que ocorra o emparelhamento. Quanto mais rápida for a formação de moléculas híbridas e quanto maior for a quantidade de bases complementares, mais próximas serão as espécies do ponto de vista filogenético.
  8. 8. 8 O grau de hibridação é proporcional ao grau de parentesco entre as espécies. Fig. 2 - Hibridação de uma molécula de DNA. REAÇÕES IMUNOLÓGICAS / DADOS SOROLÓGICOS. É também possível estabelecer um grau de parentesco entre diferentes grupos de animais são a partir de dados sorológicos que se baseiam-se nas reacções específicas entre anti-genes e anticorpos, através da interpretação dos mecanismos de aglutinação. As células dos animais possuem antigenes e anticorpos. O sistema imunitário de um qualquer indivíduo reconhece como estranhas proteínas diferentes das suas, respondendo com a produção de anticorpos específicos. Os anticorpos são proteínas produzidas nos leucócitos, como resposta à introdução no meio interno de um indivíduo de uma substância estranha, o antigene. A reacção antigene-anticorpo é específica, ou seja, as duas moléculas são complementares, daí resultando a inactivação do antigene e a formação de um precipitado visível. Deste modo, quanto maior for a diferença entre os anti-genes de duas espécies, menor é o grau de parentesco. ARGUMENTOS CITOLÓGICOS Este argumento, sendo considerado o segundo grande princípio da Biologia do século XIX, foi apresentado pelos cientistas Schleiden e Schawnn em 1839. Ambos os cientistas propuseram ''que todos os animais e plantas são formados por pequenas unidades fundamentais designadas células''.
  9. 9. 9 As ideais em que este argumento se baseia, são as seguintes:  A célula é a unidade básica, estrutural dos seres vivos, isto é, todos os seres vivos são constituidos por células.  A célula é a unidade fisiológica de um ser vivo, isto é, as reacções que ocorrem ao nível da célula.  A célula é a unidade reprodutora, isto é, uma célula tem origem noutra célula pré-existente.  A célula é a unidade transmissora das características hereditárias. Os mecanismos celulares, tais como a meiose e a mitose, são semelhantes em qualquer célula, logo, em qualquer ser vivo.
  10. 10. 10 CONCLUSÃO Em conclusão, todos os seres vivos são constituídos por células, que apresentam a mesma morfologia e a mesma fisiologia, significando assim que todos os seres vivos evoluíram da mesma célula procariótica ou eucariótica. Convém realçar que se analisaram apenas alguns argumentos e que, por outro lado, esta análise foi efetuada de forma compartimentada. Na realidade, na reconstituição do processo evolutivo há necessidade de recorrer, ao mesmo tempo, ao maior número possível de dados obtidos nas diferentes áreas do conhecimento. Para além da Paleontologia, da Anatomia Comparada e da Citologia, também a Embriologia e, sobretudo, a Bioquímica fornecem, actualmente, argumentos essenciais que apoiam o evolucionismo.
  11. 11. 11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  http://bioterra-catarina.blogspot.com/2010/01/argumentos-favor-do- evolucionismo_8069.html  http://www.netxplica.com/  Terra, Universo de Vida - Biologia - 11º Ano, Porto Editora http://maisbiogeologia.blogspot.com/2008/12/argumentos-do- evolucionismo.html  http://11biogeogondomar.blogspot.com/2010/09/hibridacao-de-dna-uma- revolucao-na.html http://teoriaevolucionistadelamarck.blogspot.com/2008/03/argumentos- bioqumicos.html  http://11biogeogondomar.blogspot.com/2010/09/hibridacao-de-dna-uma- revolucao-na.html  http://sites.google.com/site/geologiaebiologia/citolgicos  http://www.ajudaalunos.com/cn/capi6.htm  http://www.simbiotica.org/argumentosevolucao.htm

×