LD_12_Portfolio

123 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
123
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

LD_12_Portfolio

  1. 1. 76 L+D 77 L+D Um dos pioneirosna profissão de lighting designer de arquitetura, responsável pelo arrojado projeto de iluminação do Parque do Flamengo, inaugurado em 1965/66, no Rio de Janeiro, o arquiteto americano Richard Kelly (1910- 1977) é tema de uma importante exposição inaugurada no dia 8 de fevereiro em Estocolmo. A capital sueca é a primeira cidade européia a receber a “Richard Kelly Selected Works”, mostra itinerante, que já passou por Nova York e de Estocol- mo segue para Berlim (15/03 – 01/04), Paris (26/04 – 10/05), Barcelona (14/06 – 30/06), Amsterdã (13/09 – 05/10), Londres (25/10 – 16/11) e Milão (19/11-18/12). Kelly colaborou em mais de 300 projetos de fundamental importância para a história da arquitetura moderna norte- americana, tais como a Torre Seagram, de Mies van der Rohe e Philip Johnson, a Casa de Vidro e o Lincoln Center, de Philip Jonhson, The Kimbell Art Museum e o Yale Center of British Art, ambos de Louis Kahn. Estes e outros projetos são apresentados na mostra por meio de detalhados diagramas de cálculo luminotécnico de luz artificial e natural, feitos à mão, e desenhos técnicos de luminárias. Originalmente concebida em 1993, pelos cura- dores Renee Cooley a Mathew Tanteri, a partir de materiais selecionados no Arquivo Richard Kelly, da Universidade de Yale, nos EUA, a mostra ganhou, em sua versão européia, novas fotos e textos explicativos. Segundo o arquiteto e lighting designer sueco, Jan Ejhed, presidente da European Lighting Design Association (ELDA+), que organiza a exposição em parceira com o fabricante de luminárias Erco, há pouco conhecimento sobre o trabalho de Richard Kelly na Europa e esta exposição ajudará a divulgar seu trabalho pelos países por onde passar. Para Jan, o Kimbell Museum é o projeto que melhor re- presenta as idéias de lighting design. A combinação de luz natural e artificial e a oportunidade de interferir no projeto arquitetônico em favor da luz natural representam a essência do trabalho do profissional desta área. Por Orlando Marques* O Jogo de Luzes de Richard Kelly portfolio EzraStoller
  2. 2. 78 L+D 79 L+D Trajetória Richard Kelly nasceu em 1910, em Zannesville, Ohio, EUA. Desde pequeno já se interessava pelo efeito da luz no ambiente. No teto de seu quarto, na casa de seus pais, Kelly criou o efeito de uma noite de céu estrelado com o uso de lampadinhas. Nas paredes, pôsteres de atrizes de Hollywood foram meticulosamente iluminados com fachos de luz rigorosamente controlados. Em 1928, Kelly foi para Nova York e se matriculou na Universidade Columbia, onde estudou Ciências e Literatura. No departamento de te- atro da universidade, atuou em diversas produções como iluminador e cenógrafo. Depois de formado, em 1932, Kelly trabalhou com uma pro- eminente designer de interiores. Em 1935, movido por um tenaz espírito empreendedor, ele abriu seu escritório de iluminação, onde projetava, vendia luminárias e prestava consultoria em projetos de iluminação. Desde o começo de sua carreira, Kelly rejeitou o acréscimo indiscri- minado de luminárias ao ambiente construído e defendeu o projeto de iluminação como parte do projeto de arquitetura desde os estudos iniciais. Para completar, desenhava luminárias especiais de acordo com o projeto em que trabalhava. Neste período, ele afirmava a importân- cia do uso de equipamentos de iluminação adequados para o novo vocabulário que se formava com o edifício moderno. Por não ter iniciado sua carreira já como arquiteto, Kelly enfrentou muitas dificuldades e até discriminação para fazer valer suas idéias. Em 1942, ele se viu forçado a fechar seu recém-aberto escritório e decidiu voltar a estudar, matriculando-se no curso de Arquitetura da Universi- dade de Yale. Kelly acreditava que, com o diploma de arquiteto, seria mais fácil legitimar suas idéias de arquitetura de iluminação. Em Yale, Kelly estudou com o renomado lighting designer de teatro Stanley McCandless, que o inspirou a formular seus princípios filosóficos referentes à luz e aos efeitos desta na percepção humana. Em 1944, ele se formou como arquiteto e, três anos depois, reabriu seu escritório. Desta vez, com total segurança para falar, tanto quando se tratava de luz natural quanto artificial, sobre “luz como arquitetura, em vocabulário arquitetônico”, como apontou Margaret Maile em 2002, em sua tese de mestrado sobre Kelly para o Bard Graduate Center. Nessa época, o arquiteto se declarou independente dos fabricantes de luminárias e dos escritórios de engenharia elétrica. Desta forma, os clientes evitariam “pagar duas vezes pelo mesmo serviço”, primeiramente para o engenheiro elétrico, e em seguida para o lighting designer. < Torre Seagram (Nova York, 1957) de Mies van der Rohe e Philip Johnson. Projeto ícone da arquitetura moderna. Kelly interfere na escolha dos materiais de revestimento do lobby para criar, por meio de sistema de iluminação “wall washer” de luminárias embutidas no teto, a sensação de que o prédio flutua Glass House (New Cannan, Connecticut, 1948/49) de Philip Johnson: com vidro no lugar de paredes de alvenaria, uma das marcas da arquitetura moderna, Kelly ilumina o interior com luminárias embutidas no piso do perímetro externo da casa, apontadas para o teto, criando o que ele chamou de Ambient Luminescence ou Luz Ambiente EzraStoller
  3. 3. 80 L+D 81 L+D *Orlando Marques, arquiteto e lighting designer, é aluno do curso Master in Architectural Lighting Design na KTH-Royal Institute of Techonology de Estocolmo, Suécia, e trabalhou como coordenador de Projetos no escritório Franco & Fortes Lighting Design. orlandomarques@hotmail.com Kelly e a noite de luar intenso no Rio A passagem de Kelly pelo Brasil em dezembro de 1964 é um importante – e curioso – capítulo da biografia de Lota Macedo Soares, entusiasta da arquitetura e do urbanismo que esteve à frente do planejamento do Parque do Flamengo, no Rio de Janeiro. No livro “Flores Raras e Banalíssimas” (Rocco), a escritora Carmen Lúcia de Oliveira conta que, ao chegar a hora de projetar a iluminação do parque, Lota não se conformou com a pro- posta de meramente transformá-lo em “um paliteiro, com 1.800 postes, de acordo com os recursos da indústria de luminária nacional”. Ela pediu a Reidy que consultasse seu amigo Phillip Johnson, um dos mais renomados arquitetos norte-americanos. Johnson recomendou Kelly, um grande especialista em iluminação – conta Carmen, que em seu livro narra a luta de Lota para fazer prevalecer o projeto de Kelly. “Foi mérito dessa mulher acolher e prestigiar o grande arquiteto, que dispôs de um invulgar cenário para concretizar sua visão arrojada e precursora.” Kelly obteve um efeito de “noite de luar intenso”, cita Carmen em seu livro, usando 112 postes, de 45m, com projetores dotados de lâmpadas de vapor de mercúrio de 1000 watts e envolvidos por tambores antio- fuscantes, que ressaltavam o contorno da vegetação, sem revelar a fonte luminosa. Carmen afirma que a magia visual de Kelly contribui para a avaliação enfaticamente positiva que o parque recebe até hoje. Mas ela ressalva que o resultado, na época, não foi apreciado por todos: “Caetano Veloso disse que era um frio palmeiral de cimento. Bur- le Marx taxou-o de Abajurlândia e rompeu com Lota pelos jornais”, completa Carmen. Addison Kelly, filha do arquiteto, e que também já realizou projetos no Brasil, lembra que seu pai tinha um bom relacionamento com o então governador da Guanabara, Carlos Lacerda, e que, além da obra no Rio, trabalhou com Burle Marx e Oscar Niemeyer, e fez também projetos em Brasília. “Meu pai tinha grande admiração pelo Brasil e, ao menos até alguns anos atrás, a iluminação do Parque do Flamengo permanecia essencialmente igual à que ele tinha em mente”.  AlbertoJacob As imagens acima e na página anterior exibem a iluminação do Parque do Flamengo, destacando as luminárias projetadas por Kelly. Acima, os desenhos técnicos das luminárias (retirados das pranchas originais) mostram os anéis e suportes em liga estrutural de alumínio Princípios Filosóficos Numa conferência na Faculdade de Design da Universidade do Es- tado da Carolina do Norte, nos EUA, Kelly deu uma palestra intitulada “Iluminação como Parte Integral da Arquitetura”, e introduziu os três elementos que ele chamou de Focal Glow, Ambient Luminescence e Play of Brilliants, que podem ser traduzidos como “O Impacto da Energia da Luz: Luz de Destaque, Luz Ambiente e Jogo de Luzes”. Segundo Kelly, esses seriam os ingredientes básicos que a iluminação poderia adicionar ao ambiente construído. Kelly comparou o Focal Glow ao fogo da fogueira e ao foco de luz que acompanha um ator no palco. E, ainda, à luz que ilumina o lugar preferido de leitura de uma pessoa. “É o raio de sol no fundo do vale, o facho da lanterna nos degraus da escada. O focal Glow reúne elementos distintos, vende os pro- dutos de uma vitrine, separa o que é importante do banal, ajuda as pessoas a ver o detalhe das coisas. Às vezes produz diversos focos de atenção. Quanto maior o número de focos, mais ele se aproxima do segundo elemento básico de luz.” O arquiteto definiu este segundo elemento, a Ambient Luminescence, como a luz ininterrupta de uma manhã de neve num descampado, que produz um ambiente sem sombras, diminui a forma e o volume, e reduz também a importância das pessoas e das coisas. “É a luz da névoa em mar aberto, é a neblina do crepúsculo sobre um rio caudaloso, em que margem, água e céu se confundem. É a luz no domo do teatro antes do espetáculo começar. É uma galeria de arte com as paredes nuas, é um teto translúcido e um piso branco. E é também tudo o que conhecemos como luz indireta.” Play of Brilliants é como a Times Square, de Nova York, à noite, comparou Kelly. “É o salão de baile com lustres de cristal. É o sol batendo na fonte. É uma caixinha de diamantes aberta numa gruta. É a cidade grande à noite vista de cima. É uma árvore do lado de fora da sua janela entrelaçada nos raios de sol. Play of Brilliants excita o nervo óptico e estimula o corpo e o espírito, abre o apetite, desperta a curiosidade. Distrai e entretém.” AlbertoJacob

×