BOLETIM DO PAE ABRIL 2016

431 visualizações

Publicada em

INFORMATIVO DO PAE

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
431
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

BOLETIM DO PAE ABRIL 2016

  1. 1. 1 Disse Jesus: “Deixo-vos a paz, a Minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá”. Lamentavelmente, so- mos educados numa cultura de guerra (violência) e não de paz. Os heróis da infância cibernáutica, em sua maioria, são guerreiros, saqueadores e sangui- nários. As histórias em quadrinhos e os videogames sempre estão repletos de sensualismo e de vio- lência. Urge criarmos uma cultura de não- violência, de paz. Não essa “paz” conquistada por convenções legais ou diplomáticas, porém aquela oriunda de uma convicção profunda, íntima, que o verda- deiro homem de bem externa em cada gesto, cada palavra, cada pensamento ou cada decisão. Segundo o dicionário “Aurélio”, a paz pode ser definida como ausência de lutas, de violências ou de perturba- ções sociais; pode ser tranquilidade pública. Pode ser, ainda, ausência de conflitos íntimos, ou seja, tranquilida- de de alma. O dicionário também con- ceitua paz como situação de um país que não está em guerra com outro, ou, ainda, restabelecimento de relações amigáveis entre países beligerantes com a cessação de hostilidades etc. Como podemos perceber, para o dicionarista, a paz é tranquilidade pública, sem perturbações sociais, mas é, também, a ausência de con- flitos íntimos, é equilíbrio interior, e aí está a definição mais importante. Jesus declarou que nos daria a Sua paz, que deixaria para nós a Sua paz, e, neste instante em que a Humanidade tanto se desentende, a busca dela tem sido um delírio constante. Em verdade, a nossa paz, quase sempre, é construída com a infeli- cidade alheia. Por isso, temos que dar a nossa paz para o semelhante e não retê-la, sendo o único beneficiado. Dentre as possibilidades da con- quista da harmonia íntima, é na cari- dade que devemos procurar a paz do coração, o contentamento da alma, o remédio para as aflições da vida. A cari- dade bem compreendida é mais impor- tante do que os fenômenos mediúnicos, do que as pesquisas científicas, do que a fé, do que a esmola, do que o sacri- fício. Quem diz isso é Paulo de Tarso Informativo Mensal do Posto de Assistência Espírita - Ano II, Número 10 - Abril de 2016. Editorial Jorge Hessen
  2. 2. 2 Livro: O Consolador / Psicografia: Chico Xavier / FEB Questão 185 Quais as características de uma boa ação? A boa ação é sempre aquela que visa o bem de ou- trem e de quantos lhe cercam o esforço na vida. Nesse problema, o critério do bem geral deve ser a essência de qual- quer atitude. A melhor ação pode, às vezes, padecer a incompreensão alheia, no instante em que é exteriorizada, mas será sempre vitoriosa, a qualquer tempo, pelo benefício prestado ao indivíduo ou à coletividade. Questão 187 Qual a atitude mental que mais favorecerá o nosso êxito espiritual nos trabalhos do mundo? Essa atitude deve ser a que vos é ensinada pela Lei Divina, na reen- carnação em que vos encontrais, isto é, a do esquecimento de todo o mal, para recordar apenas o bem e a sagrada oportunidade de trabalho e edifi- cação, no patrimônio eterno do tempo. Esquecer o mal é aniquilá-lo, e perdoar a quem o pratica é ensinar o amor, conquistando afeições sinceras e preciosas. Daí a necessidade do perdão, no mundo, para que o incêndio do mal possa ser exterminado, devolvendo-se a paz legítima aos corações. Refletindo com EmmanuelRefletindo com Emmanuel aos coríntios, ouçamo-lo: “Ainda que eu falasse línguas, as dos homens e as dos anjos, se eu não tivesse a caridade, seria como um bronze que soa ou como um címbalo que tine. Ainda que eu tives- se o dom das profecias, o conhecimen- to de todos os mistérios e de todas as ciências, ainda que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tivesse a caridade, eu nada seria. Ainda que eu distribuísse todos os meus bens aos famintos, ainda que entregasse o meu corpo às chamas, se não tivesse a caridade, isso nada me adiantaria”. Nesse dramático contexto da violência imperante em todos os re- cantos, ao Espiritismo está reservada a tarefa de alargar os horizontes das propostas de pacificação nos domínios da alma, contribuindo para a solução dos enigmas que atormentam o ho- mem contemporâneo, projetando luz nas questões, quase que indecifráveis do destino e do sofrimento humano. Jamais olvidemos que é impos- sível deter a paz em estado íntimo de guerra, sem a observância dos desíg- nios divinos, sintetizados no Evangelho e desdobrados ao nível da cultura con- temporânea pela Terceira Revelação.
  3. 3. 3 Sábado - 18 horas 02/04 - Jorge Hessen (PAE) 09/04 - André Luiz (Voluntários da Paz) 16/04 - Sidney Paula (FEB) 23/04 - Nilo Moroni (FEDF) 30/04 - Carlos Sá (FEB) ............ Espaço da Codificação ............ “O Livro dos Espíritos” - (Parte Terceria - Cap. X) Da Lei de Liberdade 840. Será atentar contra a liberdade de consciência por óbi- ces a crenças capazes de causar perturbações à socieda- de? “Podem reprimir-se os atos, mas a crença íntima é ina- cessível.” Reprimir os atos exteriores de uma crença, quando acar- retam qualquer prejuízo a terceiros, não é atentar contra a liberdade de consciência, pois que essa repressão em nada tira à crença a liberdade, que ela conserva integral. 841. Para respeitar a liberdade de consciência, dever-se-á deixar que se propa- guem doutrinas perniciosas, ou poder-se-á, sem atentar contra aquela liberda- de, procurar trazer ao caminho da verdade os que se transviaram obedecendo a falsos princípios? “Certamente que podeis e até deveis; mas, ensinai, a exemplo de Jesus, servindo-vos da brandura e da persuasão e não da força, o que seria pior do que a crença daquele a quem desejaríeis convencer. Se alguma coisa se pode impor, é o bem e a fraternidade. Mas não cremos que o melhor meio de fazê-los admitidos seja obrar com violência. A convicção não se impõe.” 842. Por que indícios se poderá reconhecer, entre todas as doutrinas que ali- mentam a pretensão de ser a expressão única da verdade, a que tem o direito de se apresentar como tal? “Será aquela que mais homens de bem e menos hipócritas fizer, isto é, pela prática da lei de amor na sua maior pureza e na sua mais ampla aplicação. Esse o sinal por que reconhecereis que uma doutrina é boa, visto que toda doutrina que tiver por efeito semear a desunião e estabelecer uma linha de separação entre os filhos de Deus não pode deixar de ser falsa e perniciosa.” Quarta-feira - 20 horas 06/04 - Uilian Carlos (PAE) 13/04 - Cirne Ferreira (FEB) 20/04 - Maria Omilta (PAE) 27/04 - Arildo Marques (Bezerra de Menezes) Quadro de Reuniões Públicas e Expositores do Mês de Abril
  4. 4. 4 Conselho Diretor - Presidente: Wilson Barbosa / Vice-Presidente: Jorge Hessen Secretária: Diomarsi G. Souza / 2.º Secretário: Josias da Silva Melo / Tesoureiro: João Batista de Souza Conselho Fiscal - JoséAmin Cury Nasser, Francisco S. de Sousa e Marcos Marques Editores - Jorge Hessen e FabianoAugusto QNM 40 AE 02, Taguatinga Norte - Telefone: (61) 3491-2552 Associe-se e colabore com o PAE! Expediente O Movimento Espírita, infelizmente, ainda não reflete a pureza dos ensi- namentos transmitidos pelos espíritos superiores, liderados por Jesus, para o processo de libertação das consciências. Ele é conduzido por homens falíveis e, nas suas práticas, não deve ser confundido com o conteúdo moral, filosófico e científico da Doutrina. Assim, é necessário fazer distinção entre Movimento Espírita e Espiritismo, para não cairmos nas armadilhas dos que lutam contra a Verdade. Considerando o expressivo aumento dos adeptos e simpatizantes do Espiritismo, afirmamos, sem enganos, que o mesmo cresce em número e perde em qualidade, fenômeno comum, compreensível e temporário. Com o crescimento, surgem, fruto da incúria e do orgulho humano, ten- dências e agrupamentos com teses paralelas e confusas em relação aos en- sinamentos codificados por Kardec. Alguns aceitam apenas parte da Doutrina outros incluem princípios e práticas oriundas de religiões tradicionais e de tera- pias duvidosas. Neste contexto, muitos não aceitam Emmanuel ou André Luiz, outros dispensam a caridade como roteiro iluminativo e recusam o aspecto religioso da Doutrina. Grupos organizados e articulados que insistem em des- virtuar o Consolador. Quem somos para mudar o que nos foi enviado pelo Alto? Não é uma questão de submissão cega, o Espiritismo não impõe a sua crença, mas alte- rar o seu “núcleo duro” para atender anseios personalísticos é algo que não podemos permitir. Precisamos da atitude exata e fé operosa para mantermos o Espiritismo conectado com os dons das verdades cristãs para o efetivo cum- primento do seu papel entre os homens. Portanto, a pluralidade de opiniões dentro do Movimento, defendida por alguns, pode estar contaminada com o vírus da dissensão. Oremos e vigiemos! Se a adequada unificação do Movimento, sem a institucionalização típica das religiões tradicionais, está distante, sejamos fraternos com os seus adver- sários e leais à Doutrina na defesa sublime dos interesses divinos. Fabiano Augusto Unificação ou pluralidade? “Meus discípulos serão reconhecidos por muito se amarem.” (Jo, 13:35)

×