SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 58
Baixar para ler offline
O FEITICEIRO 
Lucas Zanella
Fraga chegou na cidade às treze e dezessete; o dia 
estava bonito, ensolarado e as nuvens muito bem 
dispersas no céu azul de Cármenes. Era uma quarta-feira 
e todos se sentavam em suas varandas, 
balançando-se em suas cadeiras. 
O velho Jacir estava mascando um palito de 
dente, por alguma razão achava aquilo bom, mas 
ninguém realmente compreendia o porquê dele 
fazer essas coisas malucas que faz. Era viúvo, a 
mulher havia morrido três anos atrás, nunca tiveram 
filhos. Vivia sozinho e todos achavam que ele já não 
batia muito bem das ideias. 
Não é a toa que um dos médicos da cidade 
grande, ao passar por lá quando ficou perdido na 
rua asfaltada, recomendou que ele tomasse um 
remédio que o próprio Jacir – nem se lembrava o 
nome. Na verdade, não se lembrava nem mesmo da 
conversa com o médico. Possuía setenta e quatro 
anos e a memória já começava a falhar, mesmo tão 
cedo.
A casa do outro lado da rua era habitada por 
Carolina e Jacobá, eram os mais novos na cidade, 
mudaram-se havia sete anos. Ninguém realmente 
sabia da existência da cidade, ela já não aparecia 
mais nos novos mapas. Alguns diriam que era uma 
cidade-fantasma, mas ela não poderia estar mais 
viva. 
- Você viu o garoto novo, Antônio? - Guides 
perguntou para um freguês enquanto limpava sua 
mesa com um pano encharcado de álcool. 
O bar não estava muito movimentado. Nunca 
era movimentado nas quartas-feiras. Nas segundas e 
terças, bebiam porque era o início da semana. Nas 
quintas e sextas, bebiam porque era quase o fim de 
semana. Nos sábados e domingos, bebiam porque 
era o final de semana. Mas as quartas eram calmas, 
como se fosse o único dia da semana em que tudo 
era zen, o único dia em que todos aceitavam que a 
semana havia começado e já estava para acabar, 
portanto ninguém bebia.
Todos haviam de ficar sóbrios por pelo menos 
24 horas na semana. E ficavam. 
E foi justamente num dia zen que Fraga 
chegou em Cármenes, como se soubesse que o dia 
estava calmo e aquilo o aborrecesse. Precisava 
mudar essa coisa maluca que todos chamavam de 
“tranquilidade”. 
- Que garoto novo? - Antônio demorou para 
responder. Primeiro esperou Guides limpar sua 
mesa, enquanto segurava o copo de cerveja no ar, 
depois o pousou, limpou a garganta e bebeu um 
gole. 
- Ora, como não o viu chegar? Se me perdeu 
a cena que Jacir fez, isso me faz pensar o que mais 
não perdeu enquanto esteve aqui - Guides 
respondeu enquanto começava a limpar o balcão. 
Estudiosos diriam que ela possui um 
transtorno obsessivo-compulsivo e que sente a 
necessidade de limpar tudo a todo momento. Uma 
terrível doença para alguém que trabalha num bar
ter. Antônio apenas diria que ela é uma “mulher 
para casar”, pois estava sempre limpando as mesas, 
as louças e o chão do bar. 
Antônio era o xerife da cidade, e não havia 
muita coisa que um xerife fazia lá. Basicamente, ele 
apenas ficava sentado em sua cadeira, atrás da sua 
escrivaninha, com os pés cruzados sobre a mesa e o 
chapéu preto de caubói caído no rosto, como se 
estivesse tentando esconder o fato de que estava 
dormindo. 
Durante toda a história da cidade, apenas uma 
pessoa foi presa, um garoto de vinte e tantos anos 
que foi preso porque roubou a casa da Dona 
Carmen. O xerife estava, como sempre, dormindo 
em sua cadeira. O garoto deu um jeito de escapar 
da sua cela - pra falar a verdade, as celas não eram 
nem mesmo boas o suficiente para prender alguém 
dentro delas - e fugir da cidade. Nunca mais foi 
visto, provavelmente partiu para uma cidade grande 
e está agora mesmo roubando de outras casas.
- Por falar nisso - Guides começou. Não 
haviam falado nisso , mas ela “ ” sempre inicia uma 
segunda parte de uma conversa dessa maneira -, o 
senhor não deveria estar no xerifério? 
Por alguma razão que ninguém sabia, a 
atendente do bar-hotel chamava a delegacia da 
cidade de xerifério. 
- Por falar nisso outra coisa - o xerife disse e 
depois percebeu que não entendeu o que havia dito. 
- Como a senhorita ficou sabendo da chegada dele? 
- Bom, eu tenho a única pousada da cidade - 
falou com um sotaque caipira que não lhe caía bem 
-, então ele se hospedou aqui! 
- E o que você estava falando sobre a briga 
dele com o velho Jacir? - perguntou o xerife. 
Guides o contou tudo nos mínimos detalhes, 
embora, como se não pudesse evitar, aumentou um 
ponto ou outro. Tal como aconteceu com todos os 
outros que começavam a contar o que havia 
acontecido para seus maridos, esposas e
companheiros. A própria Guides deixou algumas 
partes de fora, mas não por má intenção, e sim 
porque não acompanhou a discussão toda. 
Ninguém havia acompanhado, mas todos saíram de 
suas casas quando perceberam que os gritos não 
parariam tão cedo. Eis aqui o relato do que 
aconteceu, tal qual aconteceu. 
Fraga parou no início da cidade, logo após fazer a 
curva na estrada principal, que era a única asfaltada. 
Ele andou como se fosse o mais novo caubói da 
cidade e parou de repente, pondo as mãos no cinto. 
Jacir estava sentado na varanda de sua casa, 
mascando seu palito de dente, como faz todos os 
dias. Aquele dia não era como outro qualquer. O 
velho olhou para o lado e viu o homem em pé 
olhando para a cidade, como se fosse eu protetor ou 
destruidor. Fez um barulho com a garganta e cuspiu 
no chão. 
- Você não deveria estar aqui - gritou com
sua voz rouca e um pouco fina de velho. Fraga não 
pareceu se importar. - Essa cidade não é sua para 
destruir! 
- Cale a boca, velho! -- Fraga disse enquanto 
começava a andar até a frente da varanda da casa de 
Jacir. 
Os outros moradores começaram a sair de 
suas casas, um por um. Jacir os viu e decidiu deixá-los 
informados do que estava acontecendo. 
- Foi ele quem matou o pessoal de Ravéra - 
gritou para os vizinhos mais próximos. - Precisamos 
fazer algo, ele vai acabar matando nóis também! 
- Povo de Cármenes, não temam minha 
chegada. Por favor ignorem o velho aqui, nós nos 
conhecemos anos atrás e, por conta de um mal-entendido, 
ele passou a me odiar, nada que valha a 
pena ocupar espaço em suas memórias. Voltem para 
as suas casas, não se incomodem. 
E todos pareceram acreditar, pois começavam 
a entrar nas suas casas.
O velho, com sua cara enrugada e suas costas 
doídas, levantou-se da cadeira e ela pareceu soltar 
um grito estridente enquanto continuava a se 
balançar de trás para frente, como se o espírito 
invisível de uma garotinha estivesse nela se 
balançando. 
O velho Jacir pegou um rolo de papel que 
pousava numa mesinha de madeira ao lado da 
cadeira e balançou para o público que lhe restava. 
- Não acreditem nesse feiticeiro filho da mãe 
- gritou o mais alto que pode até começar a tossir - 
leiam o jornal, ele é procurado pela região toda e 
está se refugiando na nossa cidade. 
- Cale a boca, velho! - gritou pela primeira 
vez. - Pode não gostar de mim, mas exijo que pare 
de espalhar mentiras por todo lado. Isso não é coisa 
de gente decente. 
- E quem é você para falar de gente decente? 
- o velho Jacir desceu as escadas da sacada da casa e 
ficou cara a cara com Fraga, um homem alto,
vestindo um casaco preto, com botas e calças 
marrons e uma barba curta no rosto. 
- Eu sou um habitante de Meléas e mereço 
respeito – disse Fraga. 
- Tu não é habitante de Meléas coisa alguma 
- o velho tornou a gritar, alguns vizinhos 
continuavam do lado de fora apreciavam o show 
que Jacir dispunha. - É um cultivador do senhor das 
trevas, isso sim. É um habitante de seu reino de 
fogo e nada mais que isso. 
Meléas era o nome do estado onde viviam, e 
era um estado de respeito. Era verdade que muitos 
cultos adoravam o senhor das trevas, mas ninguém 
realmente ligava para eles, sendo que nenhum 
desses grupos de adoradores fazia algo além de se 
reunir para cantar músicas esquisitas que falavam 
sobre mortes e sacrifícios. 
Mas Fraga não estava em culto algum ou 
cantava aquelas cantigas satânicas que apenas o 
faziam rir. Ele era melhor que isso.
Sentia que não precisava fazer essas coisas 
ridículas para ser adorado pelo seu senhor. E por 
isso pensava que nada nem ninguém conseguia o 
derrotar. 
- Jacir, deixe o bom homem em paz - gritou 
um dos vizinhos, que tomava um mate amargo 
enquanto assistia a briga; o que era, para ele, o 
equivalente a um bom filme e um balde de pipoca. 
- Ele não é bom, Clemente! - gritou Jacir 
olhando para o vizinho no segundo andar da casa à 
frente da sua. 
Fraga, enquanto isso, saía de lá e entrava no 
bar. Guides, que agora já havia começado a 
acompanhar a briga, o olhou torto enquanto 
entrava, apenas porque sabia que Jacir não era 
mentiroso. Mas também, depois quando olhou o 
jornal, viu que não havia notícia alguma sobre 
procurado algum. 
É por isso que ela disse "sim" quando ele 
perguntou:
- Você possui algum quarto vago? - 
perguntou batendo a caneca agora cheia apenas 
com espuma na mesa, ele viu o aviso na parede, que 
falava sobre a hospedaria que funcionava no 
segundo andar do bar. 
- Sim, vai querer? - indagou Guides. 
- Por favor - respondeu e pagou logo de 
imediato, mostrando sua carteira cheia de deneres, 
mas não comentou sobre sua riqueza ou sobre 
como a conseguira. Tampouco explicou a razão de 
ter ido para uma cidade pequena quando, com todo 
aquele dinheiro, poderia estar num local grandioso 
como a Cidade dos Anjos. 
Guides o levou para o segundo andar, disse 
seu clássico "cuidado onde pisa" enquanto subiam a 
escada quebradiça e abriu a porta do quarto com a 
chave mestra. Entregou para o homem uma chave 
pequena que era a do quarto de número 3. Haviam 
três quartos em toda a pousada, e eles nunca 
estavam todos cheios ao mesmo tempo.
Não era muita gente que visitava a cidade, 
apenas aqueles que se perdiam no meio do caminho 
à Cidade dos Anjos ou aqueles que possuíam o 
carro quebrado no meio da pista e precisavam de 
um mecânico urgentemente. Ted era o único 
mecânico da cidade, e ele cobrava caro. 
Mas afinal, como não cobrar? Ninguém 
dentro da cidade possuía carro e era, talvez, uma vez 
por ano que alguém parava para ter seu carro 
concertado ou checado a fim de ver se estava tudo 
em ordem. Além de mecânico, também era 
encanador, a profissão que mais lhe dava dinheiro, 
porque os canos das casas não funcionavam direito - 
parte porque ele os arrumava com uma “data de 
validade”. Sendo que era o único encanador, era 
certo que tornariam a contratá-lo quando o cano 
estourasse novamente. E iria estourar. 
Não era fácil trabalhar em Cármenes. As 
únicas pessoas que ganhavam dinheiro de verdade 
eram os agricultores, que vendiam seus produtos
para os outros habitantes e para a cidade grande – 
onde ninguém sabia produzir merda alguma e 
compravam do pessoal do campo – e também 
Guides, que possuía o único bar da cidade, onde os 
agricultores iam para beber algo depois de um 
longo dia de trabalho debaixo do sol ardente. 
Guides ganhava cerca de vinte e sete deneres 
por dia, os agricultores ganhavam quarenta e nove 
deneres por mês. Ted cobrava, para consertar os 
canos, dez deneres, e trabalhava talvez uma ou duas 
vezes por mês. Logo, Guides era a mulher mais rica 
da cidade, embora a menos letrada. Mas certamente 
não tão rica quanto Fraga, visto que mesmo ela 
ficou surpresa ao ver toda aquela grana. 
- Pacote completo? - perguntou Guides 
enquanto contava o dinheiro. 
- Hã... claro - aceitou mesmo sem saber o que 
o pacote incluía ou quanto custava. 
Guides o devolveu uma pequena parte do 
punhado de deneres e guardou o restante no sutiã,
depois deu duas palmadinhas como se isso fizesse ele 
ficar mais seguro. 
Mais tarde, naquele mesmo dia, Fraga estava 
sentado em sua cama, encarando o nada, como se 
estivesse fazendo uma oração. Apenas observava a 
parede com fascínio e não sabia nem mesmo a razão 
de tamanho encanto. Levantou-se e abriu a janela, 
o dia estava acabando, já era de noitinha. 
Ele se escorou na janela e ficou observando 
todos abaixo dele. O velho Jacir, que ficava na casa 
ao lado, já não podia ser visto, pois provavelmente 
estava dormindo. Mas certamente começaria a 
incomodá-lo novamente. Fraga precisava dar um 
jeito no velho, mas não ainda. Agora precisava 
dormir para recuperar suas energias, depois poderia 
começar a fazer com aquela cidade o que fez com a 
anterior. 
Ouviu batidas na porta enquanto botava sua 
roupa de dormir, que era apenas uma longa blusa 
branca rasgada, não usava nada por baixo. Andou
até a porta ajustando a blusa e girou o trinco, 
observando o corredor e a visita através de uma 
fresta. 
- Olá, sinhô - uma moça jovem falou com 
sotaque carregado e logo empurrou a porta e se 
aconchegou na cama. 
- Que perturbação é essa? - ele perguntou 
ficando um pouco enfezado por conta da falta de 
privacidade. 
- O sinhô pediu o pacote completo - a moça 
puxou a coberta da cama para o lado e fez um gesto 
para que Fraga a acompanhasse. 
- Se eu soubesse o que o pacote completo 
continha, não o teria pedido - Fraga agarrou a 
garota pelo braço e ela reclamou da dor, ele a 
arrastou até fora do quarto. 
- Por favor, sinhô, se eu não fazê isso num 
ganho minha parte do dinheiro - o que soou como 
partinheiro vindo de sua boca. Ela se pôs para 
dentro do quarto novamente.
- Eu não ligo. Saia agora, antes que acabe 
sobrando para você! 
A garota vestia uma camisola branca curta, 
um pouco mais bem cuidada do que a blusa rasgada 
de Fraga, mas que também mostrava ter alguns anos 
de uso. A garota apenas balançou a cabeça em 
negação; Fraga não a queria ali, não estava na 
cidade para aquelas coisas, estava a trabalho, apenas 
iria conseguir vítimas para seu chefe, saquear as 
casas, matar aqueles que resistissem e então partir 
para a próxima. 
- Eu estou mandando! - agarrou a garota 
novamente pelo braço e a empurrou para fora do 
quarto novamente. 
- Não, por favor, eu preciso do dinheiro para 
minha mãe! - gritou a moça. 
Fraga pareceu se interessar de repente, 
largando o braço da moça e a deixando entrar no 
quarto. A moça entrou calmamente e Fraga a 
seguiu muito interessado no assunto.
- Ah. Por que não falou antes? O que há de 
errado com a sua mãe? 
- Ela tá duente, sinhô, preciso de dinheiro pra 
levar ela pra Cidade dos Anjos onde tem médicos 
bom. 
- Talvez isso nem mesmo seja necessário - ele 
falou com uma voz calma. - O que você estaria 
disposta a ceder pela vida de sua mãe? 
- Tudo, sinhô, tudo! 
- E que tal a sua própria? - perguntou 
gentilmente. A garota se afastou um pouco, estava 
sentada na cama e Fraga sentava também. - Sabe... 
eu faço negócios por um homem amigo meu, e 
posso garantir que ele fará a sua mãe ficar bem... por 
um preço. Ele virá buscar você em alguns anos, e 
você terá de ir com ele, ou então sua mãe morre, 
mas se fazer tudo como ele disser, ela viverá! 
Deu um sorriso esquisito e torto. A moça já 
não sabia o que responder.
- Táááá... - respondeu desconfiada. 
- Excelente - o homem comemorou. - 
Apenas vou precisar que assine um contrato com o 
meu mestre! 
- Ô senhor Fraga! - Guides gritou à porta do 
homem. 
- Não há razão para gritar, minha cara; é ou 
não é um bom dia hoje? - ele perguntou ao abrir a 
porta. 
Guides pôs a cabeça para dentro do quarto e 
notou Eloá deitada na cama do hóspede. 
- Vejo que gostou do que o pacote inclui - 
Guides sorriu para ele. 
- Ah, sim - Fraga olhou para a moça em sua 
cama e voltou seus olhos para Guides. - Posso dizer 
que achei... de matar! 
Sorriu para a mulher e fechou a porta, saindo
do quarto e acompanhando Guides enquanto 
desciam as escadas. 
- O café está servido, senhor. Se quiser pode 
sentar à mesa e juntar-se aos outros que vieram. 
- Claro, eu adoraria - Fraga disse. 
O bar estava cheio, afinal, era quase fim de 
semana, quinta-feira. Fraga olhou para o relógio e 
notou que era sete e meia da manhã. Havia uma 
mesa onde o café fora servido, uma xícara com café 
preto, uma jarra de leite gelado ao lado, junto de 
pão, presunto, queijo e manteiga. Não havia muita 
variedade do que comer, e por isso Fraga comeu o 
que viu. 
Tomou o café preto para acordar e logo pediu 
outro, então colocou leite e preparou um sanduíche 
com o pão, o presunto e a manteiga sobre a mesa. 
Desprezava queijo. Para ele, era algo do... ser cujo 
nome não deve ser pronunciado, porque seu patrão 
não gosta. O metre de Fraga sempre retira um 
pouco de dinheiro do pagamento do funcionário
quando ele diz o nome Dele. 
O dia aparentava estar calmo, pelo menos tão 
calmo quanto todos os outros dias da semana. 
Todos bebiam e gargalhavam enquanto contavam 
histórias uns para os outros. Você pensaria que, por 
ser uma cidade pequena onde nada nunca acontece, 
alguma hora não teriam mais histórias para contar, 
mas não. Eles sempre arranjavam um novo causo. 
Guides limpava as mesas daqueles que saíam e 
a caixa de som que ficava sobre o balcão gritava 
feito louca as músicas que tocavam na rádio da 
cidade grande - que não dava para ouvir muito bem 
porque o sinal era péssimo, mas todos pareciam 
gostar. Jacir entrou no bar dando socos na porta e 
viu que o cara que ele chamara de feiticeiro ainda 
estava na cidade. Isso o enfureceu tanto que não 
aguentou e preciso falar algo. 
- O que vocês tão fazendo? - ele gritou e 
girou em torno de si mesmo de maneira cômica, 
mas ninguém riu na hora. Estava a ponto de chorar.
- O que foi agora, Jacir? - perguntou um 
homem de cabelo longo que ia até os ombros. Era 
um cabelo dourado, como sua barba bem arrumada. 
O homem certamente havia visto a cena que 
o velho fizera no dia anterior. Fraga já sabia que o 
assunto era com ele e não estava nem um pouco a 
fim de enfrentar aquele velho. Desafio mesmo foi o 
rei de Florrika, que possuía uma multidão de 
guardas; Jacir seria apenas uma pequena medalha 
para colocar no fundo de sua estante de troféus. O 
velho era um nada, e Fraga não queria desperdiçar 
sua tão conquistada energia com alguém daquela 
laia. 
- Ele ainda está aqui - Jacir disse, o que soou 
como istáh. - Eu pensava que vocês fossem criar 
juízo e expulsar ele da cidade, mas parece que sou o 
único que realmente entende o que é que se deve 
fazer. 
- Jacir, deixe ele em paz, o que foi que o cara 
te fez? - o mesmo homem perguntou.
- Ora, Maninho, ele não me fez nada comigo, 
ele fez algo é com a outra cidade - gritou de volta 
Jacir. 
- É isso o que você diz - gritou um homem 
de voz grossa e cavanhaque preto do fundo do bar, 
era um pouco mais letrado e sua pronúncia quase 
tão correta quanto a de Fraga -, mas quando fui 
olhar o jornal não vi nada disso, não, Jacir. 
E é claro que não viu, não deu tempo. Jacir 
apenas viu a notícia porque havia lido o jornal antes 
de Fraga chegar e mudar a notícia para algo sobre 
um sequestro de irmãos na Cidade dos Anjos. 
A notícia de Fraga era a única que o jornal 
publicara que não falava sobre a Cidade, a única que 
dava importância às cidades menores. Portanto, não 
ver algo no jornal sobre um caso que aconteceu 
numa cidade menor não seria surpreendente. 
- O problema é que ele já está velho, não vê 
mais coisa com coisa - um homem à frente do com 
cavanhaque disse baixinho para ele. 
- Velho coisa nenhuma – véicoisniuma. –
Romero, não era você quem anteontem mesmo foi 
à minha casa me perguntar como trocar uma 
fechadura? Como me confiaria numa coisa dessas se 
eu fosse um velho que não sabe de nada? 
- É um bom argumento - Cavanhaque falou 
para Romero e Fraga virou a cabeça, já pensando 
que iria dar merda se todos começassem a ouvir o 
que o velho Jacir falava. 
- E você, Britinho, alguma vez eu já falei 
alguma mentira? Você me conhece desde que se 
mudou pra cidade, eu mesmo te arranjei uma casa 
aqui e agora tá dizendo que fiquei maluco? - Jacir 
gritou para um outro conhecido. 
Britinho, um homem de trinta e poucos anos, 
escondeu a cara, como se não quisesse dizer o que 
realmente pensava ou então estava com vergonha 
por ter se questionado sobre aquilo. Como poderia 
pensar que o amigo estava maluco? Pessoas que 
pensam isso não são amigas, tão mais pra inimigas. 
Bom, isso saiu de controle rapidamente! “ ”, pensou
Fraga enquanto era empurrado para a parede. Ele 
estava sobre o mini-palco onde bandas se 
apresentariam no bar caso houvessem bandas na 
cidade. Todos preferiam ouvir as músicas em má 
qualidade que passavam pelo rádio do que ouvir 
Antônio ou Guides cantarem com suas vozes de 
taquara rachada, e olha que isso é elogio. 
Jacir havia começado a falar de todos os 
favores que realizou para todos os que estavam no 
bar e, tal como dizem que de pouco em pouco a 
galinha enche o papo, de conversa em conversa, 
todos começaram a acreditar no que o velho dizia. 
Fraga tentou escapar antes que a vaca fosse para o 
brejo e começasse a montar acampamento, mas 
quando notou que não estava mais com a vantagem 
da briga já era tarde demais. Dois homens o 
agarraram pelos braços e o arrastaram para o centro 
do bar. 
Guides também não possuía controle da 
situação. Mas estava mais preocupada em continuar 
a receber o dinheiro por hospedar o homem do que
realmente salvá-lo do que quer que pudesse 
acontecer com o pobre coitado. 
- A gente precisa é tirar ele daqui! - gritou 
um homem no fim da grande bola de pessoas que 
circulava Fraga. 
- Bora jogar ele na estrada principal pra ir pra 
Cidade dos Anjos, aqui não é lugar pra esse 
feiticeiro. 
Malditos redatores “ ” xingou Fraga. Não 
gostava de ser chamado de feiticeiro, a palavra 
parecia diminuir suas habilidades. Um feiticeiro não 
seria capaz de falar com os mortos ou produzir todo 
tipo de maldição, um feiticeiro é capaz de fazer um 
Wingardium Leviosa e olhe lá. Mas os redatores de 
jornais pareciam insistir em chamá-lo de feiticeiro, 
mesmo sem sequer o conhecer. 
- Senhores, por favor - Fraga falou pela 
primeira vez. - Vocês realmente vão logo de cara ir 
julgando um homem que pouco conhecem? 
Perguntem à moça que ontem chegou em meu 
quarto, enviada por Guides. Eu a ajudei com seu
problema familiar, sou um mau homem? Mereço 
ser expulso desta pequena cidade que mal me 
conhece e logo me joga para fora? 
Os homens pareceram parar para pensar nas 
suas ações pela primeira vez em todas as suas vidas. 
- Se há alguém - continuou - que merece seu 
desprezo é este que está lhes jogando mentiras, o 
homem que, por conta de um desentendido por ele 
causado agora quer me ver longe. Um homem que 
engana o outro para seu próprio deleite é nada 
senão um charlatão. É por isso que eu vos digo pela 
primeira e última vez: não é comigo que devem se 
preocupar, é com ele - apontou para Jacir. - Pois se 
um homem pode enganar seu próximo com tanta 
facilidade, ele não é um homem confiável, ele é um 
homem que manipula a verdade a seu bem 
entender. Se há alguém que merece ser expulso ou 
preso é ele, meus senhores, e não eu. 
Todos voltaram seus olhares para Jacir, que 
começava a lentamente andar para trás enquanto 
protestava com não acreditem “ nele“s e “vocês me
conhecem s. Nenhum dos homens ” pareceu o ouvir, 
como se estivessem hipnotizados. 
- Não deixem que ele lhes enganem, pois são 
espertos. São inteligentes e sabem ver o que é certo 
e o que é errado - Fraga recuperava o poder e logo 
o calor do medo que antes sentia se tornava num 
frio prazer de controle. - Me conhecem há tão 
pouco tempo e já sabem que estou dos seus lados, 
nunca faria nada para lhes fazer mal, não sou um 
feiticeiro. ELE É! 
- Sim - responderam em uníssono. 
- Ele é o feiticeiro que conhecem, o homem 
que... George, não se lembra? Ele matou seu filho 
para que pudesse realizar um ritual satânico! 
Queimem esse anticristo filho da puta antes que ele 
queime vocês com o fogo do inferno sendo jogado 
em suas caras - gritava como um pastor numa 
missa. 
- Meu filhinho - o homem que se chamava 
George chorava com desprezo por Jacir. - Por que 
fez isso com ele?
- Eu não fiz, nada George, eu não fiz nada, 
por favor! - implorou Jacir. 
- Cale a boca, feiticeiro - gritou Fraga 
fazendo gestos como se estivesse livrando Jacir de 
um demônio que estava preso em seu corpo, como 
se jogasse água benta sobre a pele velha do homem. 
- Em nome do nosso Pai e nosso Senhor, 
você será condenado e sofrerá por toda a 
eternidade. 
- Amém - todos os homens gritaram 
Fraga riu baixinho. Todos os homens, como 
zumbis na busca por cérebros, andavam lentamente 
atrás de Jacir, que não corria, tanto por conta da 
idade quanto pelo fato de que pensava ainda ser 
possível convencer seus amigos de que Fraga era o 
malfeitor, e não ele. 
Mas Fraga possuía o dom da oratória, 
conseguia convencer qualquer pessoa de qualquer 
coisa. É por isso que tinha o chefe que tinha. Suas 
argumentações eram dignas daquele trabalho. 
Parecia um feiticeiro, com o perdão da palavra, pois
sua voz enganava todos aqueles que o ouviam. 
Como a sereia Iara, que enganava os pescadores por 
meio do seu canto, Fraga enganava os cultos e os 
estúpidos por meio de seu discurso. Um verdadeiro 
político. 
Não continuou a falar, pois já não era mais 
necessário. Os homens estavam cegos à razão e 
levavam Jacir à delegacia. Antônio, que estava 
dormindo em sua mesa, ficou surpreso ao ver todos 
os trabalhadores da cidade invadirem seu local de 
trabalho e descanso. 
- Posso saber qual o motivo dessa bagunça? - 
gritou para o povo enquanto ficava com sua mão 
pousada no coldre. 
- Jacir está nos enganando, xerife, ele deve di 
ficar preso! - falou um dos homens. 
- Pois bem, sob quais acusações, exatamente? 
- perguntou, como sendo o bom agente da lei que 
era. 
- Enganação, perturbação da paz púbica, 
xerife - o homem que falou tinha problemas com o
L , mas ninguém riu do fato “ ” de ele ter dito 
“púbica” em vez de “pública”. 
- Coloquem-no naquela cela ali, depois 
resolveremos todo esse caso! - Antônio disse 
tentando tomar controle da situação. O xerife 
esperou todos os homens passarem para dentro da 
delegacia até que viu um que conhecia e confiava. 
- Guilherme, você fica de vigia, não dá pra 
confiar nessas celas. 
- Como quiser, senhor xerife - Guilherme 
disse. 
Antônio ficou olhando todos jogarem Jacir 
para dentro da cela. O velho bateu na parede e caiu 
no chão duro e sujo, pois a cela nunca antes fora 
limpada. O xerife não fez nada do caso por 
enquanto, embora nenhum dos homens realmente 
parecesse estar são. 
Se estivessem bêbados, provavelmente iriam 
depois à delegacia para pedir a Antônio que 
libertasse Jacir, então isso poupar-lhe-ia o trabalho 
de investigar.
Investigar não era para Antônio, apenas leu 
sobre investigação uma vez, num parágrafo em um 
livro que seu neto lia durante uma visita da filha, 
duas semanas após a fuga do marido. Era uma 
história de um tal de Parrot, se não lhe falhava a 
memória. 
Jacir acordou na cela da prisão e, por um segundo, 
não entendeu por que estava lá, então se lembrou 
do que aconteceu. Olhou para fora da cela e viu que 
Guilherme estava lá, em pé, como se fosse um 
soldado. O xerife não era visto em lugar algum. 
Enquanto isso, Fraga continuava a procurar 
mais possíveis clientes. Andou pela cidade e 
procurou por todos os lados alguém que estava em 
aflitos. Não havia muita gente com problemas, no 
mais era a prostituta e ela seria a única cliente que 
acharia. Seu chefe não gostaria disso, ele prefere 
pelo menos cinco pessoas por cidade - e quando é 
cidade grande tem que ser no mínimo vinte. É, não 
era fácil a vida de Fraga.
Ninguém da cidade o olhava torto, mas 
ninguém era simpático com ele. Não porque não 
queriam, mas porque o próprio Fraga não queria, e 
ele lhes disse isso, embora não nessas palavras exatas. 
O homem andava pela cidade como se ela fosse 
dele, se sentindo o tal. 
Suas botas marrons levantavam poeira por 
onde passavam e seu chapéu preto o protegia do 
calor escaldante do sol. Decidiu entrar no bar para 
beber algo antes de continuar seu trabalho de 
escravo. 
- Bom dia, senhor Fraga - Guides o 
cumprimentou, estava limpando ainda mais mesas, 
parecia que nunca parava. 
- Bom dia, dona Guides - Fraga 
cumprimentou dando uma ajeitada no chapéu. 
- Vai querer uma cerveja? - perguntou 
quando já estava de volta ao balcão e ele já se 
sentava numa mesa limpa. 
- Sim, por favor. 
Guides pegou um copo grande de trás da
bancada e o pôs sob um grande barril, onde girou 
uma pequena peça e o líquido amarelado e muito 
espumado desceu à caneca. O copo bateu na mesa e 
Fraga tomou um gole grande. 
- Obrigado - disse depois de pousar 
novamente o copo grande na mesa. Fraga olhou 
melhor para Guides e notou que ela estava com 
uma expressão estranha na cara - Algo aconteceu? 
- Não, não é nada! - ela disse inocentemente. 
- Por favor, Guides. Posso não ser um 
entendido de mulher, mas sei quando uma tá 
preocupada com alguma coisa - é geralmente assim 
que ganho mais trabalho, ele não acrescentou. 
- O problema, Fraga, é que pensei que viria 
para a cidade apenas por algum tempo, até me 
estabilizar financeiramente e então partiria para a 
Cidade dos Anjos, onde poderia abrir um negócio 
de verdade, sabe? - falou sonhadora. - Mas agora faz 
mais de cinco anos que tô aqui nessa merda e parece 
que nunca vou sair. 
- Não deve desistir dos seus sonhos, Guides,
algum dia eles podem se realizar. 
- Mas sonhar é algo tão bobo; você tá sempre 
nas alturas, parece que tá querendo que a queda seja 
maior ainda. 
- Sonhar não é bobo, é apenas... humano! 
E de ser humano Fraga entendia. Podia ter 
seu chefe que lhe ajudava o máximo que podia 
porque Fraga era um bom funcionário, mas que era 
humano era. Possuía um corpo de carne e osso 
como qualquer um e pode morrer, quer queira, 
quer não queira. Claro que, ao morrer, iria para o 
lugar onde seu chefe mora. Mas mesmo que fosse 
para um bom lugar, viver sempre será melhor. 
É na vida onde temos cidades grandes e altas 
oportunidades de trabalho - como naquela vez em 
que Fraga invadiu um orfanato e conseguiu 
diversos trabalhos, pois lá ninguém tinha esperança, 
todos faziam qualquer acordo. Eventualmente o 
orfanato fechou porque não havia mais crianças lá. 
E eventualmente a funerária da cidade já estava 
cheia de enterros para realizar.
Você pode conseguir o que quer, mas tem de 
conseguir por si mesmo, ou então não vive tempo o 
suficiente para aproveitar. 
- Suponho que ocê tenha razão, Fraga - 
Guides concordou por fim, após um bom tempo 
refletindo sobre a frase dele enquanto esfregava o 
balcão. 
Fraga saíra de sua mesa e agora seu copo 
pousava no balcão de Guides, o homem estava 
sentado num banco alto que lhe possibilitava pousar 
os braços na madeira que apoiava seu copo. 
- E caso você não consiga isso tão logo 
quanto espera, talvez eu possa te ajudar, sabe... eu 
tenho uns contatos que podem te dar um avanço 
muito grande até o seu sucesso. 
- Pois me fale, homem - Guides pareceu se 
interessar de repente. 
- Não, não. Primeiro você precisa tentar 
sozinha, senão não tem o porquê conseguir. Se for 
pra pegar um atalho ao topo, melhor nem seguir 
por esse caminho.
- Suponho que ocê tenha razão - repetiu. 
- É claro que tenho. Sabe, eu vou passar na 
Cidade em algum tempo, vou dar uma procurada 
por você e espero que esteja lá, hein?! 
Guides deu um sorrisinho tímido. Não era 
bela, mas não era feia. Fraga não se importaria de 
aguentar aquela mulher pelo resto da sua vida caso 
fosse um simples trabalhador. Mas naquele emprego 
possuía dinheiro o suficiente para contratar as 
melhores prostitutas das cidades onde passava. 
Cármene era a única cidade onde as 
prostitutas não eram tão belas quanto o esperado. 
Sabia por experiência própria que as das cidades 
pequenas são as melhores, pois a cidade é pequena e 
elas não são rodadas demais, mas não aquela uma 
que foi em seu quarto. 
Fraga percebeu que aquela realmente tentava 
ajudar sua mãe, o cheiro de pecado era forte. Mas 
não era pecado para ele e seu chefe, apenas para o 
outro cara; para os dois aquilo era, entre diversas 
outras coisas, apenas um outro acaso da vida.
- Não chove mais - Guides falou como que 
para não deixar a conversa morrer, encarava o chão. 
- Perdão? - Fraga perguntou. 
- Disse que não chove mais - repetiu, agora 
deixando de encarar o além e olhando para Fraga, 
então jogando o pano molhado no balcão e 
tornando a limpá-lo. 
- Por que diz isso? 
- Porque a última chuva que aconteceu faz 
mais de uma semana, foi terrível. Caiu pedra do 
céu. 
Fraga pensou por um momento, sem saber o 
que ela dizia. 
- Ah, granizo! - entendeu. 
- Isso mesmo, essas pedras do demônio - 
xingou Guides. - Depois daquele dia não choveu 
mais, o que é um horror pras plantações, e as pedras 
ainda quase destruíram os quartos lá de cima. 
Também destruiu um monte de casas. 
- Essas chuvas parecem que vêm acontecendo 
bastante pela região - disse antes de dar outro gole
na caneca com um restinho de cerveja. 
Guides não viu o sorriso de Fraga. O homem 
sabia do porquê dessas chuvas, era a maneira que o 
outro cara achava para avisar o povo de uma região 
que o coletor do senhor das trevas está chegando. 
Primeiro ocorre a chuva de granizo, para preparar a 
população para o pior, então, uma semana depois, 
chega Fraga, já escolhendo quais são suas vítimas. 
Era incrível, na opinião dele, nenhum jornal 
ter percebido que isso sempre acontece antes dele 
chegar no local em questão, sendo que as chuvas 
estão sendo estudadas há algum tempo já. Elas não 
começaram há muito, pois Fraga apenas chegou 
naquela região de Meléas há pouco tempo. Menos 
de um ano. 
Mas as chuvas o acompanhavam, sempre 
alertando os habitantes, ou ao menos tentando. Para 
Fraga, seria mais prático o outro cara descer dos 
céus para avisar sobre a chegada, mas ele não fazia 
isso. Não se sabia o porquê. 
- Mas logo é verão - Fraga disse. - Deve
começar a chover em alguns dias. 
Assim que eu sair da cidade, para ser mais 
preciso, pensou. 
- Deus te ouça - Guides disse e olhou para os 
céus, fazendo um gesto de pedido que Fraga não 
entendeu, apenas porque, quando faz um pedido, 
ele não vai para os céus. 
Guides não notou que Fraga a lançara um 
olhar assassino ao falar o nome do outro cara. Ele 
mesmo é proibido de falar, bom, proibido não, mas 
é como se fosse. Passara tanto tempo chamando ele 
de outro cara que já começava “ ” a estranhar ouvir 
os outros o chamando daquele nome estranho e sem 
significado. 
O outro cara, é isso o que ele é. 
Os dois estavam conversando, o tempo 
passava rapidamente. Fraga não bebeu mais, 
precisava ficar sóbrio caso uma oportunidade 
batesse à sua porta. E uma porta bateu, a do bar. 
Uma mulher entrou correndo e logo se 
aproximou do balcão, usava um vestido curto
vermelho e seu cabelo estava preso em um coque. 
Olhava para trás desesperadamente e estava suada, 
como se tivesse corrido desde a Cidade dos Anjos 
até Cármene. 
- Por favor, preciso de ajuda - a mulher falou 
para Guides em engasgos. 
- O que aconteceu? - Guides perguntou, 
embora não a conhecesse. 
- Meu marido, ele tá me seguindo. Eu preciso 
me esconder em algum lugar! 
Guides olhou Fraga como se quisesse uma 
ajuda, mas ele não respondeu. O bar era dela, e se a 
mulher quisesse ajudar a outra, que ajudasse. 
- Entre aqui! - Guides levantou uma parte do 
balcão e a mulher entrou. 
- Obrigada - agradeceu ela. 
Guides a empurrou para baixo e encarou 
Fraga por um segundo, como se estivesse assustada 
e não soubesse se havia feito a coisa certa. Logo 
veio outro tapa na porta, desta vez mais forte. Fraga 
virou o pescoço e notou que era o marido, ou então
alguém muito furioso com a mulher que se 
escondia atrás do balcão. 
- Cadê ela? - gritou soltando saliva pelo ar. 
- De quem fala? - Fraga perguntou, achou 
que era melhor ele lidar com o homem do que a 
própria Guides fazer isso. 
- Da puta da minha mulher, Georgia, que 
estava com o Marciel, estava sim que eu vi! - 
pareceu estar defendendo sua causa num tribunal. 
- Ninguém está falando que ela não estava - 
Fraga tentou acalmá-lo. - Mas não vimos sua 
mulher aqui! 
Fraga ainda segurava sua caneca de cerveja, 
um restinho ainda menor do que antes. Falava 
calmamente, pois achava que isso amansaria a fera. 
O homem, que parecia estar bêbado, embora 
devesse ter bebido em outro bar ou em casa, pois 
não aparecera lá pela manhã, começou a revirar o 
salão todo atrás da esposa traíra. Jogou mesas e 
cadeiras no chão. Fraga deixou sua caneca no balcão 
e foi atrás do marido.
- Ei, acho melhor você ir embora, pois aquela 
mulher lá é a esposa do xerife! - Fraga mentiu 
parecendo ser um bom ator, ele apontava para 
Guides. O homem acreditou. 
- Não importa quem é quem, cadê minha 
mulher? - o homem jogou Fraga para o lado e ele 
caiu numa montanha de cadeiras, bateu as costas. 
O marido andou pisando firme até o balcão e 
gritou com Guides, que não respondeu nada 
porque estava assustada. Logo o maluco se apoiou 
no suporte de madeira e espiou por cima da 
bancada, viu sua mulher chorando agachada no 
chão duro do bar. 
- Achei você, sua vadia - sua voz foi 
aumentando de tom. 
- Não, por favor! - Georgia gritou em 
desespero. 
O marido iria agarrá-la e provavelmente a 
matar, mas antes que pudesse fazer isso foi agarrado 
por trás e jogado para o lado, embora não tivesse 
caído. Era Fraga, que havia se levantado e deixava
uma mão na coluna numa tentativa fútil de fazer a 
dor diminuir. 
- Eu disse que era melhor você sair daqui! - 
falou e correu para cima do homem. 
Fraga o agarrou e jogou para fora do bar, o 
marido caiu na estrada de chão e poeira foi jogada 
aos céus. O homem o olhou com desespero e 
levantou-se aos poucos, então saiu correndo de 
perto do bar. 
Fraga ficou lá por mais algum tempo, para o 
caso do maluco voltar. Pôs a cabeça de volta para 
dentro do bar e recebeu um abraço e um 
agradecimento de Georgia, que disse que era 
perseguida por seu marido durante todos os seus 
anos de casados, que ele a via com um Marciel 
imaginário e todo dia ela precisava correr para se 
esconder do marido maluco. Ele estava sempre 
bêbado, embora a mulher não soubesse de onde 
vinha a bebida. Ela disse que nunca teve coragem 
de contar ao xerife, mas Fraga a afirmou que era 
isso o que deveria fazer, e logo.
- Não, eu não posso aceitar - Georgia disse 
para Guides. 
- Por favor, eu insisto. Não é como se eu 
pudesse ficar sem fazer nada depois de ver o que 
quase aconteceu aqui. Se não fosse Fraga... Por 
favor, aceite. 
- Mas eu não tenho nem como te pagar. 
- Psst! - brincou Guides. - Não precisa pagar! 
Georgia falou com Guides e a mulher, tendo 
um bom coração, a ofereceu um dos quartos do 
segundo andar, não cobraria nada. Fraga pagou pela 
cerveja, apesar da insistência de Guides e saiu do bar 
com um aceno com a cabeça. 
O feiticeiro parou na frente de uma igreja e 
percebeu que havia algo ocorrendo lá dentro, um 
sermão, uma missa. 
Ele empurrou a porta e, embora tenha feito 
um tremendo barulho, ninguém olhou para trás, 
estavam focados no padre que parecia falar frases 
mais hipnotizantes que o próprio Fraga. Haviam
diversas fileiras de bancos marrons, onde diversos 
fiéis se sentavam. A igreja estava lotada e Fraga teve 
de ficar em pé ao lado da porta, escorado na parede 
como se fosse um garoto que só estava lá porque 
esperava a missa acabar para tacar fogo no local. 
Todos vestiam roupas levemente formais: as 
mulheres vestidos claros e os homens ternos, exceto 
aqueles que possuíam menos dinheiro que os 
demais, esses usavam apenas suas camisetas sujas que 
também usavam para o trabalho. 
O padre vestia uma longa túnica branca e 
balançava muito as mãos, como se o movimento 
fosse fazer sua voz ser transmitida com mais 
facilidade. O cabelo do homem era curto e preto, 
seu rosto um pouco arredondado, embora fosse 
magro como um palito, pelo que dava para 
perceber por conta da grossura de seus braços. 
Fraga continuava a mascar o palito em sua 
boca, o padre o olhava de hora em hora, parecia 
estar checando se ele não havia tacado fogo na 
igreja antes da hora de costume. O homem, em seus
trinta ou quarenta anos, ficava muito longe. A 
igreja era comprida demais para que ele reparasse 
em Fraga, para que realmente percebesse o que 
vestia e usava em seu pescoço, o símbolo daquele 
ser que o padre não gosta. 
- Irmãos - o padre gritou e o grito terminou 
num agudo alto. - Não devemos, sob hipótese 
alguma, ceder às tentativas que o senhor das trevas 
nos dá. Ele promete coisas que nunca irá cumprir, e 
tudo isso porque é o rei da mentira. Não confie 
nesse homem podre que lhes promete melhoras de 
vida, pois ele é egoísta e só pensa em sí próprio. 
DEUS é o caminho, a verdade e a vida. Amém. 
- Amém - disseram em uníssono. Dessa vez, 
Fraga não riu, mas seu rosto demonstrava desprezo. 
- Agora, irmãos, vamos rezar a oração que o 
Pai nos ensinou - sua voz foi diminuindo até que se 
calou, cruzou as mãos à sua frente e todos os fiéis 
fizeram o mesmo, começando a olhar para baixo. 
- Pai nosso que estais no céu - começaram a 
rezar e rezaram duas vezes mais, pois “o Diabo está
aqui conosco, eu o sinto, rezemos novamente” foi 
dito pelo padre outras duas vezes. 
- Ide em paz e que o Senhor vos acompanhe - 
o padre sorriu e fez um gesto delicado à porta, 
como se estivesse mandando o Senhor junto dos 
fiéis que começavam a sair da capela. 
- Graças a Deus – falaram todos antes de se 
levantarem e sair. 
Todos passavam por Fragas, mas ninguém se 
importava com sua presença, muitos nem sequer o 
conheciam. Os mais fiéis não iam ao bar e não 
estavam na hora da discussão do dia anterior porque 
estavam na igreja. Há missas quase todos os dias na 
cidade. 
O último saiu porta afora e o padre desceu do 
altar e andou até Fraga, o som de seus passos 
circulavam por toda a igreja, o piso era liso. Ele 
cruzou os braços antes de chegar, como se estivesse 
preparado para ouvir ou estivesse impedindo a 
entrada de o que quer que Fraga fosse falar. 
- Bom dia, meu filho - o padre falou para
Fraga de bom humor. 
- Bom dia, seu padre - respondeu. 
- O que queres aqui na minha humilde 
igreja? Vejo que espera uma resposta ou explicação. 
- Nada disso, não, senhor padre, só entrei 
aqui porque notei que havia algo acontecendo. 
- Entendo. Então não é de ir em igrejas? - 
perguntou o padre. 
- Digamos que não - Fraga respondeu. 
- Pois bem, mas saiba que isso lhe garante um 
lugar com o nosso Senhor, lá no paraíso - apontou 
para cima como se o paraíso ficasse no teto da 
igreja. 
- O problema, senhor, é que já tenho outro 
lugar marcado para ir! - Fraga respondeu dando um 
sorriso de canto de boca, o padre não notou. 
O que o bom homem notou, porém, foi 
muito pior. Fraga usava, pendurado no pescoço 
como um colar, o símbolo do pentagrama 
invertido. O colar era de ferro, assim como o 
símbolo. O padre deu uma olhada e fez o sinal da
cruz, tentando expulsar o demônio de dentro da 
casa do Senhor. 
- Creio que seja melhor se o senhor se 
retirasse - o padre falou educadamente. 
- Ah, mas justamente quando recém cheguei? 
- Minha igreja é local para pessoas de alma 
bondosa e pura, não para pessoas que usam o 
símbolo do capeta no pescoço - fez o sinal da cruz 
de novo para se livrar do mal-olhado. 
- Mas quem disse que eu quero ficar aqui 
dentro da sua igreja? - Fraga perguntou em uma 
voz fina enquanto, com a mão direta, acariciou o 
cabelo do padre. 
- Ótimo, então por favor se retire - repetiu. 
- O único problema, senhor padre, é que eu 
ganho pelas minhas ações, e não apenas pelos meus 
negócios - sorriu de maneira assassina. 
O padre o olhou esquisito, medrosamente. 
Pôs a mão no pescoço e puxou uma corda para 
cima, em sua ponta havia um crucifixo e nele o 
filho de seu Senhor. Fraga desviou o olhar.
O padre agarrou o crucifixo de tal maneira 
que sua mão chegava a ficar vermelha. Parecia, 
talvez, estar se punindo por ter permitido que um 
cultuador do homem de baixo entrasse na casa do 
Senhor. Não podia se dar chibatadas porque não era 
hora de se fazer isso ainda, então aquela era a única 
punição que podia se dar. 
Não podia maltratar o adorador porque isso 
não era coisa de um homem de puro coração. Só 
lhe restava a fé, e embora sua fé fosse forte o 
suficiente para mover montanhas, talvez pudesse 
não ser o suficiente para parar o ataque de Fraga. 
- O Senhor é meu Pastor - o padre repetiu 
religiosamente em sussurros, como se os únicos que 
pudessem ouvir fossem ele e seu próprio Deus. 
- Será que ele é? - perguntou Fraga e logo se 
pôs a rir. 
- Tu vais para o inferno, e lá serás torturado 
por desrespeito ao nosso Senhor, o único Senhor, 
aquele que mandou seu filho para que sofresse por 
nós, para que pagasse nossos pecados - o padre
continuou incansavelmente, Fraga já não parecia 
mais se importar com as constantes acusações. 
- Se queres falar de meu Senhor desta maneira 
- Fraga começou a dizer, usando o mesmo tom do 
padre -, ensinar-te-ei a não desrespeitá-lo, pois se o 
seu não lhe ajuda, o meu me dá forças para 
combater os desprezíveis como vós. 
O padre estava a um braço e meio de 
distância de Fraga, segurando seu crucifixo e 
rezando. Não rezava apenas por ele, rezava também 
por Fraga, afinal, era um cristão, e tinha esperanças 
de que todos tinham salvação, mesmo aqueles que, 
como Fraga, faziam as escolhas erradas. 
- Liberte sua alma e permita que veja a sua 
luz, meu Deus - o padre falou um pouco mais alto 
do que o resto de suas frases. 
Fraga estendeu o braço e fechou os olhos, 
começou a rezar tão forte quanto o padre. Mas 
enquanto o padre rezava pela alma de Fraga, o 
próprio rezava por outra coisa, por isso sua prece foi 
atendida. A alma do homem já estava podre, além
de vendida, não valia nada além de um mísero 
centavo que não era da época. Nem mesmo o 
Senhor do padre poderia o salvar, mas o Senhor de 
Fraga atenderia seu pedido com todo o prazer do 
mundo, afinal, é isso o que faz nos tempos livres. 
O padre apertava o crucifixo contra o peito e 
logo sua respiração ficou pesada. Lentamente seus 
órgãos foram parando de funcionar e ele já não 
respirava mais, sem deixar de, com seu último 
suspiro, pedir pela benção de todos da cidade. 
Não morreu, pois voltou logo depois, antes 
mesmo de cair no chão. Voltou dando fungadas 
fortes para que o ar entrasse em seus pulmões que 
brevemente voltaram a funcionar. Estava com suas 
mãos nos joelhos, encarando o chão como em uma 
oração esquisita. Recuperava seu fôlego e logo o 
diafragma prendeu durante a mesma respiração. 
A morte é algo a “ mais” para o Senhor de 
Fraga, o bom mesmo é a tortura, tanto que essa é a 
premissa de seu local de descanso. A tortura dá, para 
o Senhor de Fraga, mais prazer do que a morte, que
apenas termina. A vida termina na morte. A tortura 
pode durar para sempre. 
O padre pôs a mão no abdome e tentava 
respirar pela boca, a mantinha aberta para o caso de 
o ar resolver ser sorvido novamente. Logo o 
diafragma foi solto e o homem se pôs a ofegar 
novamente. Não sentiu que voltaria a ter sua 
respiração presa então aproveitou o ar puro de 
dentro da igreja. Seu estômago rebulhava e sua 
cabeça estourava em febre. 
- Por que fazes isso? - o padre perguntou 
ainda de cabeça vidrada no chão da capela. 
Fraga se aproximou até que sua boca estivesse 
na altura do ouvido do padre. Molhou os lábios e 
pareceu ter pensado durante um segundo no que 
falar. 
- Diversão - foi o que escolheu responder. 
- Você ainda tem salvação, meu filho - o 
padre tentou, pela última vez, libertar a alma de 
Fraga. 
- Não, senhor. VOCÊ ainda tem salvação. É
só aceitar meu Senhor como o seu Senhor e estará 
ao Seu lado, não sofrerá nem será punido, receberá 
luxúrias por toda a eternidade. 
- Esse não é o meu Senhor, e não deve ser o 
seu também! - o padre disse. 
Fraga fechou os olhos e pôs a mão na nuca do 
padre, apertando-a com força. O homem reclamou 
da dor, mas logo não a sentiu mais. O que acontecia 
era pior do que a própria dor. 
A lava de um vulcão parecia subir por sua 
garganta procurando pela boca, e finalmente a 
achou. O padre estava com os olhos abertos 
enquanto encarava o chão e viu o líquido vermelho 
sair pela boca e cair no piso bege da igreja. Seu 
sangue brilhava no soalho liso e inundado por sol. 
Sentiu que mais vinha e sentia dor. Seus 
pulmões, seus rins, seu diafragma e seu coração 
doía. O pequeno músculo que lhe dava vida lutava 
para realizar a sístole e diástole de sempre. 
Lentamente o coração parou de bater e permaneceu 
parado, mas o homem continuava em pé.
Nunca é um caso perdido até que o cérebro 
também tenha morrido, mas ele morria junto do 
resto do corpo. O padre pôs a outra mão na cabeça, 
enquanto a direta segurava o diafragma que 
apertava sua barriga. O cérebro parecia derreter e a 
febre aumentava. Logo o homem sentiu como se 
vomitasse o próprio órgão do sistema nervoso pela 
boca. 
No céu eu estarei ao “ lado do Senhor, serei 
cuidado pelos anjos que Lhe servem” o padre 
pensou, e pensou novamente enquanto vomitava 
seu próprio sangue. Tossia e o barulho de sua 
agonia só não era ouvido da rua porque parecia 
estar isolado apenas na igreja. 
- Escolha melhor na próxima vida, filho da 
puta - Fraga disse no ouvido do padre antes dele 
desmaiar no próprio vômito. 
- Eu escolhi o certo. Eu escolhi o certo - 
foram suas últimas palavras. 
A túnica branca estava encharcada de 
vermelho. E ninguém suspeitaria que o assassino
fora Fraga, pois ninguém realmente o notou parado 
à porta da igreja. Sairia de lá impune e poderia 
procurar por mais desesperados para conseguir as 
outras quatro pessoas que lhe faltavam. Mesmo que 
não conseguisse, sabia que o chefe estaria satisfeito 
depois daquela demonstração de seu poder e 
crueldade. 
Fraga esfregou as mãos nas calças e ajustou o casaco 
grande, então deu um peteleco no chapéu e abriu a 
porta da igreja para sair de lá. Foi recebido na 
cidade por uma pessoa que lhe era conhecida. 
O problema com guardas comuns é que eles 
dormem, e com as celas sendo fracas, é fácil para um 
preso sair de uma delas e aparecer com uma 
espingarda nas ruas da cidade. Fora isso o que Jacir 
fizera, apenas esperou Guilherme pisar na bola, saiu 
da cela e pegou a espingarda do xerife que não 
estava lá no momento, pois falava com Guides no 
bar. 
Jacir apontava a espingarda de cano prata para
Fraga, o velho usava uma camisa flanela de xadrez e 
calça bege. Seu cabelo era ralo e seus dentes pretos. 
- Isso aqui – içaki - não é lugar procê, 
feiticeiro filho da puta! - gritou e apertou o gatilho. 
A bala foi rápida demais para que Fraga 
desviasse. Ela passou direto pela sua testa, saindo do 
outro lado e levando o chapéu junto. O homem 
caiu de costas no chão duro da igreja e, quando os 
outros habitantes chegaram para ver o que 
acontecera, notaram padre Francisco caído no chão, 
deitado sobre seu próprio sangue.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PRIMEIRO CAPÍTULO DE "DEPOIS DA MEIA-NOITE"
PRIMEIRO CAPÍTULO DE "DEPOIS DA MEIA-NOITE"PRIMEIRO CAPÍTULO DE "DEPOIS DA MEIA-NOITE"
PRIMEIRO CAPÍTULO DE "DEPOIS DA MEIA-NOITE"
400200
 
3 érico veríssimo - o arquipélago vol. 1
3   érico veríssimo - o arquipélago vol. 13   érico veríssimo - o arquipélago vol. 1
3 érico veríssimo - o arquipélago vol. 1
Jerônimo Ferreira
 
Dilermando Reis
Dilermando ReisDilermando Reis
Dilermando Reis
Alisson S.
 
Anne mather -_prisioneira_da_desonra
Anne mather -_prisioneira_da_desonraAnne mather -_prisioneira_da_desonra
Anne mather -_prisioneira_da_desonra
Nancy Leal
 
Cheiro De Feijao
Cheiro De FeijaoCheiro De Feijao
Cheiro De Feijao
Top Cat
 

Mais procurados (20)

Pgrecolhidas
PgrecolhidasPgrecolhidas
Pgrecolhidas
 
MULATA NOTA DEZ
MULATA NOTA DEZMULATA NOTA DEZ
MULATA NOTA DEZ
 
A carta
A carta A carta
A carta
 
PRIMEIRO CAPÍTULO DE "DEPOIS DA MEIA-NOITE"
PRIMEIRO CAPÍTULO DE "DEPOIS DA MEIA-NOITE"PRIMEIRO CAPÍTULO DE "DEPOIS DA MEIA-NOITE"
PRIMEIRO CAPÍTULO DE "DEPOIS DA MEIA-NOITE"
 
3 érico veríssimo - o arquipélago vol. 1
3   érico veríssimo - o arquipélago vol. 13   érico veríssimo - o arquipélago vol. 1
3 érico veríssimo - o arquipélago vol. 1
 
Dilermando Reis
Dilermando ReisDilermando Reis
Dilermando Reis
 
Roda de leitores
Roda de leitoresRoda de leitores
Roda de leitores
 
ta
tata
ta
 
O sequestro
O sequestroO sequestro
O sequestro
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Vinganças
VingançasVinganças
Vinganças
 
Darling O ÓDIO DE UMA NAÇÃO
Darling O ÓDIO DE UMA NAÇÃODarling O ÓDIO DE UMA NAÇÃO
Darling O ÓDIO DE UMA NAÇÃO
 
Sarah morgan artimanhas do destino -autora otima
Sarah morgan   artimanhas do destino -autora otimaSarah morgan   artimanhas do destino -autora otima
Sarah morgan artimanhas do destino -autora otima
 
Rita Cadillac
Rita CadillacRita Cadillac
Rita Cadillac
 
Anne mather -_prisioneira_da_desonra
Anne mather -_prisioneira_da_desonraAnne mather -_prisioneira_da_desonra
Anne mather -_prisioneira_da_desonra
 
Cheiro De Feijao
Cheiro De FeijaoCheiro De Feijao
Cheiro De Feijao
 
Cheiro De Feijao, Estrelas E Sonhos
Cheiro De Feijao, Estrelas E SonhosCheiro De Feijao, Estrelas E Sonhos
Cheiro De Feijao, Estrelas E Sonhos
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Parte 3
Parte 3Parte 3
Parte 3
 
Lendas do Rock
Lendas do RockLendas do Rock
Lendas do Rock
 

Destaque

Cuento de Sala Naranja
Cuento de Sala NaranjaCuento de Sala Naranja
Cuento de Sala Naranja
blogdevon
 
I3rab Quran Darwish : Sourate 41 à 66
I3rab Quran Darwish : Sourate 41 à 66I3rab Quran Darwish : Sourate 41 à 66
I3rab Quran Darwish : Sourate 41 à 66
Mansour1
 
AbdelWahhid Salah sourate 37 à 44
AbdelWahhid Salah sourate 37 à 44AbdelWahhid Salah sourate 37 à 44
AbdelWahhid Salah sourate 37 à 44
Mansour1
 
Duck slope worksheet
Duck slope worksheetDuck slope worksheet
Duck slope worksheet
MsKendall
 
Tres Componentes Del Reino II Parte
Tres Componentes Del Reino II ParteTres Componentes Del Reino II Parte
Tres Componentes Del Reino II Parte
jenune
 
Ind ii prim-briefing to association of contractors et al -bahasa 27092013
Ind ii prim-briefing to association of contractors et al -bahasa 27092013Ind ii prim-briefing to association of contractors et al -bahasa 27092013
Ind ii prim-briefing to association of contractors et al -bahasa 27092013
Indonesia Infrastructure Initiative
 
Termodinâmica perfeito
Termodinâmica perfeitoTermodinâmica perfeito
Termodinâmica perfeito
Ana Plantadora
 
Sala Naranja conoce su cuerpo
Sala Naranja conoce su cuerpoSala Naranja conoce su cuerpo
Sala Naranja conoce su cuerpo
blogdevon
 

Destaque (20)

Blog julio
Blog  julioBlog  julio
Blog julio
 
The final edition of our mutual book
The final edition of our mutual bookThe final edition of our mutual book
The final edition of our mutual book
 
Cuento de Sala Naranja
Cuento de Sala NaranjaCuento de Sala Naranja
Cuento de Sala Naranja
 
Boletín mensual literatura_mayo
Boletín  mensual  literatura_mayoBoletín  mensual  literatura_mayo
Boletín mensual literatura_mayo
 
Web Form Design 讀書會 Ch9-11
Web Form Design 讀書會 Ch9-11Web Form Design 讀書會 Ch9-11
Web Form Design 讀書會 Ch9-11
 
I3rab Quran Darwish : Sourate 41 à 66
I3rab Quran Darwish : Sourate 41 à 66I3rab Quran Darwish : Sourate 41 à 66
I3rab Quran Darwish : Sourate 41 à 66
 
AbdelWahhid Salah sourate 37 à 44
AbdelWahhid Salah sourate 37 à 44AbdelWahhid Salah sourate 37 à 44
AbdelWahhid Salah sourate 37 à 44
 
Duck slope worksheet
Duck slope worksheetDuck slope worksheet
Duck slope worksheet
 
Tres Componentes Del Reino II Parte
Tres Componentes Del Reino II ParteTres Componentes Del Reino II Parte
Tres Componentes Del Reino II Parte
 
Cortiço ii
Cortiço iiCortiço ii
Cortiço ii
 
Recomendados da semana 13.05-19.05
Recomendados da semana 13.05-19.05Recomendados da semana 13.05-19.05
Recomendados da semana 13.05-19.05
 
Ultimas incorporacions na fonoteca maio 2013
Ultimas incorporacions na fonoteca maio  2013Ultimas incorporacions na fonoteca maio  2013
Ultimas incorporacions na fonoteca maio 2013
 
Ind ii prim-briefing to association of contractors et al -bahasa 27092013
Ind ii prim-briefing to association of contractors et al -bahasa 27092013Ind ii prim-briefing to association of contractors et al -bahasa 27092013
Ind ii prim-briefing to association of contractors et al -bahasa 27092013
 
Termodinâmica perfeito
Termodinâmica perfeitoTermodinâmica perfeito
Termodinâmica perfeito
 
Dự án nhà máy tái chế nhựa phế liệu
Dự án nhà máy tái chế nhựa phế liệuDự án nhà máy tái chế nhựa phế liệu
Dự án nhà máy tái chế nhựa phế liệu
 
Sala Naranja conoce su cuerpo
Sala Naranja conoce su cuerpoSala Naranja conoce su cuerpo
Sala Naranja conoce su cuerpo
 
Synthesis And Antibacterial Activity Of 3-[(3-Phenyl-5-Thioxo-1, 5-Dihydro-4h...
Synthesis And Antibacterial Activity Of 3-[(3-Phenyl-5-Thioxo-1, 5-Dihydro-4h...Synthesis And Antibacterial Activity Of 3-[(3-Phenyl-5-Thioxo-1, 5-Dihydro-4h...
Synthesis And Antibacterial Activity Of 3-[(3-Phenyl-5-Thioxo-1, 5-Dihydro-4h...
 
Jimmy css
Jimmy cssJimmy css
Jimmy css
 
Olakeasepowerpoint
OlakeasepowerpointOlakeasepowerpoint
Olakeasepowerpoint
 
Presentation fgd ppt indo - re
Presentation fgd ppt  indo - rePresentation fgd ppt  indo - re
Presentation fgd ppt indo - re
 

Semelhante a O Feiticeiro

Um rouxinol cantou... (a nightingale sang) barbara cartland-www.livros grat...
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang)   barbara cartland-www.livros grat...Um rouxinol cantou... (a nightingale sang)   barbara cartland-www.livros grat...
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang) barbara cartland-www.livros grat...
blackink55
 
Tijolo de seguranca carlos heitor cony
Tijolo de seguranca   carlos heitor conyTijolo de seguranca   carlos heitor cony
Tijolo de seguranca carlos heitor cony
Ariovaldo Cunha
 

Semelhante a O Feiticeiro (20)

Um rouxinol cantou... (a nightingale sang) barbara cartland-www.livros grat...
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang)   barbara cartland-www.livros grat...Um rouxinol cantou... (a nightingale sang)   barbara cartland-www.livros grat...
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang) barbara cartland-www.livros grat...
 
154 o caminho de damasco
154   o caminho de damasco154   o caminho de damasco
154 o caminho de damasco
 
Massacre em labeta cap 1
Massacre em labeta cap 1Massacre em labeta cap 1
Massacre em labeta cap 1
 
Massacre em labeta cap 1
Massacre em labeta cap 1Massacre em labeta cap 1
Massacre em labeta cap 1
 
Tijolo de seguranca carlos heitor cony
Tijolo de seguranca   carlos heitor conyTijolo de seguranca   carlos heitor cony
Tijolo de seguranca carlos heitor cony
 
Massacre em labeta cap.1
Massacre em labeta cap.1Massacre em labeta cap.1
Massacre em labeta cap.1
 
O tempo e o vento o retrato - erico verissimo
O tempo e o vento    o retrato  - erico verissimoO tempo e o vento    o retrato  - erico verissimo
O tempo e o vento o retrato - erico verissimo
 
TARADOS - Livro erotico
TARADOS - Livro eroticoTARADOS - Livro erotico
TARADOS - Livro erotico
 
Roteiro de atividades
Roteiro de atividadesRoteiro de atividades
Roteiro de atividades
 
Sr. Ardiloso Cortês - Galera Record Júnior
Sr. Ardiloso Cortês - Galera Record JúniorSr. Ardiloso Cortês - Galera Record Júnior
Sr. Ardiloso Cortês - Galera Record Júnior
 
esau.pdf
esau.pdfesau.pdf
esau.pdf
 
Esau e jaco
Esau e jacoEsau e jaco
Esau e jaco
 
Sombra
SombraSombra
Sombra
 
110
110110
110
 
115
115115
115
 
A árvore que dava dinheiro domingos pellegrin
A árvore que dava dinheiro   domingos pellegrinA árvore que dava dinheiro   domingos pellegrin
A árvore que dava dinheiro domingos pellegrin
 
Pegadas de sangue
Pegadas de sanguePegadas de sangue
Pegadas de sangue
 
Contos Tradicionais
Contos TradicionaisContos Tradicionais
Contos Tradicionais
 
A
AA
A
 
Ze grandao versus ze pequeno
Ze grandao versus ze pequenoZe grandao versus ze pequeno
Ze grandao versus ze pequeno
 

O Feiticeiro

  • 2. Fraga chegou na cidade às treze e dezessete; o dia estava bonito, ensolarado e as nuvens muito bem dispersas no céu azul de Cármenes. Era uma quarta-feira e todos se sentavam em suas varandas, balançando-se em suas cadeiras. O velho Jacir estava mascando um palito de dente, por alguma razão achava aquilo bom, mas ninguém realmente compreendia o porquê dele fazer essas coisas malucas que faz. Era viúvo, a mulher havia morrido três anos atrás, nunca tiveram filhos. Vivia sozinho e todos achavam que ele já não batia muito bem das ideias. Não é a toa que um dos médicos da cidade grande, ao passar por lá quando ficou perdido na rua asfaltada, recomendou que ele tomasse um remédio que o próprio Jacir – nem se lembrava o nome. Na verdade, não se lembrava nem mesmo da conversa com o médico. Possuía setenta e quatro anos e a memória já começava a falhar, mesmo tão cedo.
  • 3. A casa do outro lado da rua era habitada por Carolina e Jacobá, eram os mais novos na cidade, mudaram-se havia sete anos. Ninguém realmente sabia da existência da cidade, ela já não aparecia mais nos novos mapas. Alguns diriam que era uma cidade-fantasma, mas ela não poderia estar mais viva. - Você viu o garoto novo, Antônio? - Guides perguntou para um freguês enquanto limpava sua mesa com um pano encharcado de álcool. O bar não estava muito movimentado. Nunca era movimentado nas quartas-feiras. Nas segundas e terças, bebiam porque era o início da semana. Nas quintas e sextas, bebiam porque era quase o fim de semana. Nos sábados e domingos, bebiam porque era o final de semana. Mas as quartas eram calmas, como se fosse o único dia da semana em que tudo era zen, o único dia em que todos aceitavam que a semana havia começado e já estava para acabar, portanto ninguém bebia.
  • 4. Todos haviam de ficar sóbrios por pelo menos 24 horas na semana. E ficavam. E foi justamente num dia zen que Fraga chegou em Cármenes, como se soubesse que o dia estava calmo e aquilo o aborrecesse. Precisava mudar essa coisa maluca que todos chamavam de “tranquilidade”. - Que garoto novo? - Antônio demorou para responder. Primeiro esperou Guides limpar sua mesa, enquanto segurava o copo de cerveja no ar, depois o pousou, limpou a garganta e bebeu um gole. - Ora, como não o viu chegar? Se me perdeu a cena que Jacir fez, isso me faz pensar o que mais não perdeu enquanto esteve aqui - Guides respondeu enquanto começava a limpar o balcão. Estudiosos diriam que ela possui um transtorno obsessivo-compulsivo e que sente a necessidade de limpar tudo a todo momento. Uma terrível doença para alguém que trabalha num bar
  • 5. ter. Antônio apenas diria que ela é uma “mulher para casar”, pois estava sempre limpando as mesas, as louças e o chão do bar. Antônio era o xerife da cidade, e não havia muita coisa que um xerife fazia lá. Basicamente, ele apenas ficava sentado em sua cadeira, atrás da sua escrivaninha, com os pés cruzados sobre a mesa e o chapéu preto de caubói caído no rosto, como se estivesse tentando esconder o fato de que estava dormindo. Durante toda a história da cidade, apenas uma pessoa foi presa, um garoto de vinte e tantos anos que foi preso porque roubou a casa da Dona Carmen. O xerife estava, como sempre, dormindo em sua cadeira. O garoto deu um jeito de escapar da sua cela - pra falar a verdade, as celas não eram nem mesmo boas o suficiente para prender alguém dentro delas - e fugir da cidade. Nunca mais foi visto, provavelmente partiu para uma cidade grande e está agora mesmo roubando de outras casas.
  • 6. - Por falar nisso - Guides começou. Não haviam falado nisso , mas ela “ ” sempre inicia uma segunda parte de uma conversa dessa maneira -, o senhor não deveria estar no xerifério? Por alguma razão que ninguém sabia, a atendente do bar-hotel chamava a delegacia da cidade de xerifério. - Por falar nisso outra coisa - o xerife disse e depois percebeu que não entendeu o que havia dito. - Como a senhorita ficou sabendo da chegada dele? - Bom, eu tenho a única pousada da cidade - falou com um sotaque caipira que não lhe caía bem -, então ele se hospedou aqui! - E o que você estava falando sobre a briga dele com o velho Jacir? - perguntou o xerife. Guides o contou tudo nos mínimos detalhes, embora, como se não pudesse evitar, aumentou um ponto ou outro. Tal como aconteceu com todos os outros que começavam a contar o que havia acontecido para seus maridos, esposas e
  • 7. companheiros. A própria Guides deixou algumas partes de fora, mas não por má intenção, e sim porque não acompanhou a discussão toda. Ninguém havia acompanhado, mas todos saíram de suas casas quando perceberam que os gritos não parariam tão cedo. Eis aqui o relato do que aconteceu, tal qual aconteceu. Fraga parou no início da cidade, logo após fazer a curva na estrada principal, que era a única asfaltada. Ele andou como se fosse o mais novo caubói da cidade e parou de repente, pondo as mãos no cinto. Jacir estava sentado na varanda de sua casa, mascando seu palito de dente, como faz todos os dias. Aquele dia não era como outro qualquer. O velho olhou para o lado e viu o homem em pé olhando para a cidade, como se fosse eu protetor ou destruidor. Fez um barulho com a garganta e cuspiu no chão. - Você não deveria estar aqui - gritou com
  • 8. sua voz rouca e um pouco fina de velho. Fraga não pareceu se importar. - Essa cidade não é sua para destruir! - Cale a boca, velho! -- Fraga disse enquanto começava a andar até a frente da varanda da casa de Jacir. Os outros moradores começaram a sair de suas casas, um por um. Jacir os viu e decidiu deixá-los informados do que estava acontecendo. - Foi ele quem matou o pessoal de Ravéra - gritou para os vizinhos mais próximos. - Precisamos fazer algo, ele vai acabar matando nóis também! - Povo de Cármenes, não temam minha chegada. Por favor ignorem o velho aqui, nós nos conhecemos anos atrás e, por conta de um mal-entendido, ele passou a me odiar, nada que valha a pena ocupar espaço em suas memórias. Voltem para as suas casas, não se incomodem. E todos pareceram acreditar, pois começavam a entrar nas suas casas.
  • 9. O velho, com sua cara enrugada e suas costas doídas, levantou-se da cadeira e ela pareceu soltar um grito estridente enquanto continuava a se balançar de trás para frente, como se o espírito invisível de uma garotinha estivesse nela se balançando. O velho Jacir pegou um rolo de papel que pousava numa mesinha de madeira ao lado da cadeira e balançou para o público que lhe restava. - Não acreditem nesse feiticeiro filho da mãe - gritou o mais alto que pode até começar a tossir - leiam o jornal, ele é procurado pela região toda e está se refugiando na nossa cidade. - Cale a boca, velho! - gritou pela primeira vez. - Pode não gostar de mim, mas exijo que pare de espalhar mentiras por todo lado. Isso não é coisa de gente decente. - E quem é você para falar de gente decente? - o velho Jacir desceu as escadas da sacada da casa e ficou cara a cara com Fraga, um homem alto,
  • 10. vestindo um casaco preto, com botas e calças marrons e uma barba curta no rosto. - Eu sou um habitante de Meléas e mereço respeito – disse Fraga. - Tu não é habitante de Meléas coisa alguma - o velho tornou a gritar, alguns vizinhos continuavam do lado de fora apreciavam o show que Jacir dispunha. - É um cultivador do senhor das trevas, isso sim. É um habitante de seu reino de fogo e nada mais que isso. Meléas era o nome do estado onde viviam, e era um estado de respeito. Era verdade que muitos cultos adoravam o senhor das trevas, mas ninguém realmente ligava para eles, sendo que nenhum desses grupos de adoradores fazia algo além de se reunir para cantar músicas esquisitas que falavam sobre mortes e sacrifícios. Mas Fraga não estava em culto algum ou cantava aquelas cantigas satânicas que apenas o faziam rir. Ele era melhor que isso.
  • 11. Sentia que não precisava fazer essas coisas ridículas para ser adorado pelo seu senhor. E por isso pensava que nada nem ninguém conseguia o derrotar. - Jacir, deixe o bom homem em paz - gritou um dos vizinhos, que tomava um mate amargo enquanto assistia a briga; o que era, para ele, o equivalente a um bom filme e um balde de pipoca. - Ele não é bom, Clemente! - gritou Jacir olhando para o vizinho no segundo andar da casa à frente da sua. Fraga, enquanto isso, saía de lá e entrava no bar. Guides, que agora já havia começado a acompanhar a briga, o olhou torto enquanto entrava, apenas porque sabia que Jacir não era mentiroso. Mas também, depois quando olhou o jornal, viu que não havia notícia alguma sobre procurado algum. É por isso que ela disse "sim" quando ele perguntou:
  • 12. - Você possui algum quarto vago? - perguntou batendo a caneca agora cheia apenas com espuma na mesa, ele viu o aviso na parede, que falava sobre a hospedaria que funcionava no segundo andar do bar. - Sim, vai querer? - indagou Guides. - Por favor - respondeu e pagou logo de imediato, mostrando sua carteira cheia de deneres, mas não comentou sobre sua riqueza ou sobre como a conseguira. Tampouco explicou a razão de ter ido para uma cidade pequena quando, com todo aquele dinheiro, poderia estar num local grandioso como a Cidade dos Anjos. Guides o levou para o segundo andar, disse seu clássico "cuidado onde pisa" enquanto subiam a escada quebradiça e abriu a porta do quarto com a chave mestra. Entregou para o homem uma chave pequena que era a do quarto de número 3. Haviam três quartos em toda a pousada, e eles nunca estavam todos cheios ao mesmo tempo.
  • 13. Não era muita gente que visitava a cidade, apenas aqueles que se perdiam no meio do caminho à Cidade dos Anjos ou aqueles que possuíam o carro quebrado no meio da pista e precisavam de um mecânico urgentemente. Ted era o único mecânico da cidade, e ele cobrava caro. Mas afinal, como não cobrar? Ninguém dentro da cidade possuía carro e era, talvez, uma vez por ano que alguém parava para ter seu carro concertado ou checado a fim de ver se estava tudo em ordem. Além de mecânico, também era encanador, a profissão que mais lhe dava dinheiro, porque os canos das casas não funcionavam direito - parte porque ele os arrumava com uma “data de validade”. Sendo que era o único encanador, era certo que tornariam a contratá-lo quando o cano estourasse novamente. E iria estourar. Não era fácil trabalhar em Cármenes. As únicas pessoas que ganhavam dinheiro de verdade eram os agricultores, que vendiam seus produtos
  • 14. para os outros habitantes e para a cidade grande – onde ninguém sabia produzir merda alguma e compravam do pessoal do campo – e também Guides, que possuía o único bar da cidade, onde os agricultores iam para beber algo depois de um longo dia de trabalho debaixo do sol ardente. Guides ganhava cerca de vinte e sete deneres por dia, os agricultores ganhavam quarenta e nove deneres por mês. Ted cobrava, para consertar os canos, dez deneres, e trabalhava talvez uma ou duas vezes por mês. Logo, Guides era a mulher mais rica da cidade, embora a menos letrada. Mas certamente não tão rica quanto Fraga, visto que mesmo ela ficou surpresa ao ver toda aquela grana. - Pacote completo? - perguntou Guides enquanto contava o dinheiro. - Hã... claro - aceitou mesmo sem saber o que o pacote incluía ou quanto custava. Guides o devolveu uma pequena parte do punhado de deneres e guardou o restante no sutiã,
  • 15. depois deu duas palmadinhas como se isso fizesse ele ficar mais seguro. Mais tarde, naquele mesmo dia, Fraga estava sentado em sua cama, encarando o nada, como se estivesse fazendo uma oração. Apenas observava a parede com fascínio e não sabia nem mesmo a razão de tamanho encanto. Levantou-se e abriu a janela, o dia estava acabando, já era de noitinha. Ele se escorou na janela e ficou observando todos abaixo dele. O velho Jacir, que ficava na casa ao lado, já não podia ser visto, pois provavelmente estava dormindo. Mas certamente começaria a incomodá-lo novamente. Fraga precisava dar um jeito no velho, mas não ainda. Agora precisava dormir para recuperar suas energias, depois poderia começar a fazer com aquela cidade o que fez com a anterior. Ouviu batidas na porta enquanto botava sua roupa de dormir, que era apenas uma longa blusa branca rasgada, não usava nada por baixo. Andou
  • 16. até a porta ajustando a blusa e girou o trinco, observando o corredor e a visita através de uma fresta. - Olá, sinhô - uma moça jovem falou com sotaque carregado e logo empurrou a porta e se aconchegou na cama. - Que perturbação é essa? - ele perguntou ficando um pouco enfezado por conta da falta de privacidade. - O sinhô pediu o pacote completo - a moça puxou a coberta da cama para o lado e fez um gesto para que Fraga a acompanhasse. - Se eu soubesse o que o pacote completo continha, não o teria pedido - Fraga agarrou a garota pelo braço e ela reclamou da dor, ele a arrastou até fora do quarto. - Por favor, sinhô, se eu não fazê isso num ganho minha parte do dinheiro - o que soou como partinheiro vindo de sua boca. Ela se pôs para dentro do quarto novamente.
  • 17. - Eu não ligo. Saia agora, antes que acabe sobrando para você! A garota vestia uma camisola branca curta, um pouco mais bem cuidada do que a blusa rasgada de Fraga, mas que também mostrava ter alguns anos de uso. A garota apenas balançou a cabeça em negação; Fraga não a queria ali, não estava na cidade para aquelas coisas, estava a trabalho, apenas iria conseguir vítimas para seu chefe, saquear as casas, matar aqueles que resistissem e então partir para a próxima. - Eu estou mandando! - agarrou a garota novamente pelo braço e a empurrou para fora do quarto novamente. - Não, por favor, eu preciso do dinheiro para minha mãe! - gritou a moça. Fraga pareceu se interessar de repente, largando o braço da moça e a deixando entrar no quarto. A moça entrou calmamente e Fraga a seguiu muito interessado no assunto.
  • 18. - Ah. Por que não falou antes? O que há de errado com a sua mãe? - Ela tá duente, sinhô, preciso de dinheiro pra levar ela pra Cidade dos Anjos onde tem médicos bom. - Talvez isso nem mesmo seja necessário - ele falou com uma voz calma. - O que você estaria disposta a ceder pela vida de sua mãe? - Tudo, sinhô, tudo! - E que tal a sua própria? - perguntou gentilmente. A garota se afastou um pouco, estava sentada na cama e Fraga sentava também. - Sabe... eu faço negócios por um homem amigo meu, e posso garantir que ele fará a sua mãe ficar bem... por um preço. Ele virá buscar você em alguns anos, e você terá de ir com ele, ou então sua mãe morre, mas se fazer tudo como ele disser, ela viverá! Deu um sorriso esquisito e torto. A moça já não sabia o que responder.
  • 19. - Táááá... - respondeu desconfiada. - Excelente - o homem comemorou. - Apenas vou precisar que assine um contrato com o meu mestre! - Ô senhor Fraga! - Guides gritou à porta do homem. - Não há razão para gritar, minha cara; é ou não é um bom dia hoje? - ele perguntou ao abrir a porta. Guides pôs a cabeça para dentro do quarto e notou Eloá deitada na cama do hóspede. - Vejo que gostou do que o pacote inclui - Guides sorriu para ele. - Ah, sim - Fraga olhou para a moça em sua cama e voltou seus olhos para Guides. - Posso dizer que achei... de matar! Sorriu para a mulher e fechou a porta, saindo
  • 20. do quarto e acompanhando Guides enquanto desciam as escadas. - O café está servido, senhor. Se quiser pode sentar à mesa e juntar-se aos outros que vieram. - Claro, eu adoraria - Fraga disse. O bar estava cheio, afinal, era quase fim de semana, quinta-feira. Fraga olhou para o relógio e notou que era sete e meia da manhã. Havia uma mesa onde o café fora servido, uma xícara com café preto, uma jarra de leite gelado ao lado, junto de pão, presunto, queijo e manteiga. Não havia muita variedade do que comer, e por isso Fraga comeu o que viu. Tomou o café preto para acordar e logo pediu outro, então colocou leite e preparou um sanduíche com o pão, o presunto e a manteiga sobre a mesa. Desprezava queijo. Para ele, era algo do... ser cujo nome não deve ser pronunciado, porque seu patrão não gosta. O metre de Fraga sempre retira um pouco de dinheiro do pagamento do funcionário
  • 21. quando ele diz o nome Dele. O dia aparentava estar calmo, pelo menos tão calmo quanto todos os outros dias da semana. Todos bebiam e gargalhavam enquanto contavam histórias uns para os outros. Você pensaria que, por ser uma cidade pequena onde nada nunca acontece, alguma hora não teriam mais histórias para contar, mas não. Eles sempre arranjavam um novo causo. Guides limpava as mesas daqueles que saíam e a caixa de som que ficava sobre o balcão gritava feito louca as músicas que tocavam na rádio da cidade grande - que não dava para ouvir muito bem porque o sinal era péssimo, mas todos pareciam gostar. Jacir entrou no bar dando socos na porta e viu que o cara que ele chamara de feiticeiro ainda estava na cidade. Isso o enfureceu tanto que não aguentou e preciso falar algo. - O que vocês tão fazendo? - ele gritou e girou em torno de si mesmo de maneira cômica, mas ninguém riu na hora. Estava a ponto de chorar.
  • 22. - O que foi agora, Jacir? - perguntou um homem de cabelo longo que ia até os ombros. Era um cabelo dourado, como sua barba bem arrumada. O homem certamente havia visto a cena que o velho fizera no dia anterior. Fraga já sabia que o assunto era com ele e não estava nem um pouco a fim de enfrentar aquele velho. Desafio mesmo foi o rei de Florrika, que possuía uma multidão de guardas; Jacir seria apenas uma pequena medalha para colocar no fundo de sua estante de troféus. O velho era um nada, e Fraga não queria desperdiçar sua tão conquistada energia com alguém daquela laia. - Ele ainda está aqui - Jacir disse, o que soou como istáh. - Eu pensava que vocês fossem criar juízo e expulsar ele da cidade, mas parece que sou o único que realmente entende o que é que se deve fazer. - Jacir, deixe ele em paz, o que foi que o cara te fez? - o mesmo homem perguntou.
  • 23. - Ora, Maninho, ele não me fez nada comigo, ele fez algo é com a outra cidade - gritou de volta Jacir. - É isso o que você diz - gritou um homem de voz grossa e cavanhaque preto do fundo do bar, era um pouco mais letrado e sua pronúncia quase tão correta quanto a de Fraga -, mas quando fui olhar o jornal não vi nada disso, não, Jacir. E é claro que não viu, não deu tempo. Jacir apenas viu a notícia porque havia lido o jornal antes de Fraga chegar e mudar a notícia para algo sobre um sequestro de irmãos na Cidade dos Anjos. A notícia de Fraga era a única que o jornal publicara que não falava sobre a Cidade, a única que dava importância às cidades menores. Portanto, não ver algo no jornal sobre um caso que aconteceu numa cidade menor não seria surpreendente. - O problema é que ele já está velho, não vê mais coisa com coisa - um homem à frente do com cavanhaque disse baixinho para ele. - Velho coisa nenhuma – véicoisniuma. –
  • 24. Romero, não era você quem anteontem mesmo foi à minha casa me perguntar como trocar uma fechadura? Como me confiaria numa coisa dessas se eu fosse um velho que não sabe de nada? - É um bom argumento - Cavanhaque falou para Romero e Fraga virou a cabeça, já pensando que iria dar merda se todos começassem a ouvir o que o velho Jacir falava. - E você, Britinho, alguma vez eu já falei alguma mentira? Você me conhece desde que se mudou pra cidade, eu mesmo te arranjei uma casa aqui e agora tá dizendo que fiquei maluco? - Jacir gritou para um outro conhecido. Britinho, um homem de trinta e poucos anos, escondeu a cara, como se não quisesse dizer o que realmente pensava ou então estava com vergonha por ter se questionado sobre aquilo. Como poderia pensar que o amigo estava maluco? Pessoas que pensam isso não são amigas, tão mais pra inimigas. Bom, isso saiu de controle rapidamente! “ ”, pensou
  • 25. Fraga enquanto era empurrado para a parede. Ele estava sobre o mini-palco onde bandas se apresentariam no bar caso houvessem bandas na cidade. Todos preferiam ouvir as músicas em má qualidade que passavam pelo rádio do que ouvir Antônio ou Guides cantarem com suas vozes de taquara rachada, e olha que isso é elogio. Jacir havia começado a falar de todos os favores que realizou para todos os que estavam no bar e, tal como dizem que de pouco em pouco a galinha enche o papo, de conversa em conversa, todos começaram a acreditar no que o velho dizia. Fraga tentou escapar antes que a vaca fosse para o brejo e começasse a montar acampamento, mas quando notou que não estava mais com a vantagem da briga já era tarde demais. Dois homens o agarraram pelos braços e o arrastaram para o centro do bar. Guides também não possuía controle da situação. Mas estava mais preocupada em continuar a receber o dinheiro por hospedar o homem do que
  • 26. realmente salvá-lo do que quer que pudesse acontecer com o pobre coitado. - A gente precisa é tirar ele daqui! - gritou um homem no fim da grande bola de pessoas que circulava Fraga. - Bora jogar ele na estrada principal pra ir pra Cidade dos Anjos, aqui não é lugar pra esse feiticeiro. Malditos redatores “ ” xingou Fraga. Não gostava de ser chamado de feiticeiro, a palavra parecia diminuir suas habilidades. Um feiticeiro não seria capaz de falar com os mortos ou produzir todo tipo de maldição, um feiticeiro é capaz de fazer um Wingardium Leviosa e olhe lá. Mas os redatores de jornais pareciam insistir em chamá-lo de feiticeiro, mesmo sem sequer o conhecer. - Senhores, por favor - Fraga falou pela primeira vez. - Vocês realmente vão logo de cara ir julgando um homem que pouco conhecem? Perguntem à moça que ontem chegou em meu quarto, enviada por Guides. Eu a ajudei com seu
  • 27. problema familiar, sou um mau homem? Mereço ser expulso desta pequena cidade que mal me conhece e logo me joga para fora? Os homens pareceram parar para pensar nas suas ações pela primeira vez em todas as suas vidas. - Se há alguém - continuou - que merece seu desprezo é este que está lhes jogando mentiras, o homem que, por conta de um desentendido por ele causado agora quer me ver longe. Um homem que engana o outro para seu próprio deleite é nada senão um charlatão. É por isso que eu vos digo pela primeira e última vez: não é comigo que devem se preocupar, é com ele - apontou para Jacir. - Pois se um homem pode enganar seu próximo com tanta facilidade, ele não é um homem confiável, ele é um homem que manipula a verdade a seu bem entender. Se há alguém que merece ser expulso ou preso é ele, meus senhores, e não eu. Todos voltaram seus olhares para Jacir, que começava a lentamente andar para trás enquanto protestava com não acreditem “ nele“s e “vocês me
  • 28. conhecem s. Nenhum dos homens ” pareceu o ouvir, como se estivessem hipnotizados. - Não deixem que ele lhes enganem, pois são espertos. São inteligentes e sabem ver o que é certo e o que é errado - Fraga recuperava o poder e logo o calor do medo que antes sentia se tornava num frio prazer de controle. - Me conhecem há tão pouco tempo e já sabem que estou dos seus lados, nunca faria nada para lhes fazer mal, não sou um feiticeiro. ELE É! - Sim - responderam em uníssono. - Ele é o feiticeiro que conhecem, o homem que... George, não se lembra? Ele matou seu filho para que pudesse realizar um ritual satânico! Queimem esse anticristo filho da puta antes que ele queime vocês com o fogo do inferno sendo jogado em suas caras - gritava como um pastor numa missa. - Meu filhinho - o homem que se chamava George chorava com desprezo por Jacir. - Por que fez isso com ele?
  • 29. - Eu não fiz, nada George, eu não fiz nada, por favor! - implorou Jacir. - Cale a boca, feiticeiro - gritou Fraga fazendo gestos como se estivesse livrando Jacir de um demônio que estava preso em seu corpo, como se jogasse água benta sobre a pele velha do homem. - Em nome do nosso Pai e nosso Senhor, você será condenado e sofrerá por toda a eternidade. - Amém - todos os homens gritaram Fraga riu baixinho. Todos os homens, como zumbis na busca por cérebros, andavam lentamente atrás de Jacir, que não corria, tanto por conta da idade quanto pelo fato de que pensava ainda ser possível convencer seus amigos de que Fraga era o malfeitor, e não ele. Mas Fraga possuía o dom da oratória, conseguia convencer qualquer pessoa de qualquer coisa. É por isso que tinha o chefe que tinha. Suas argumentações eram dignas daquele trabalho. Parecia um feiticeiro, com o perdão da palavra, pois
  • 30. sua voz enganava todos aqueles que o ouviam. Como a sereia Iara, que enganava os pescadores por meio do seu canto, Fraga enganava os cultos e os estúpidos por meio de seu discurso. Um verdadeiro político. Não continuou a falar, pois já não era mais necessário. Os homens estavam cegos à razão e levavam Jacir à delegacia. Antônio, que estava dormindo em sua mesa, ficou surpreso ao ver todos os trabalhadores da cidade invadirem seu local de trabalho e descanso. - Posso saber qual o motivo dessa bagunça? - gritou para o povo enquanto ficava com sua mão pousada no coldre. - Jacir está nos enganando, xerife, ele deve di ficar preso! - falou um dos homens. - Pois bem, sob quais acusações, exatamente? - perguntou, como sendo o bom agente da lei que era. - Enganação, perturbação da paz púbica, xerife - o homem que falou tinha problemas com o
  • 31. L , mas ninguém riu do fato “ ” de ele ter dito “púbica” em vez de “pública”. - Coloquem-no naquela cela ali, depois resolveremos todo esse caso! - Antônio disse tentando tomar controle da situação. O xerife esperou todos os homens passarem para dentro da delegacia até que viu um que conhecia e confiava. - Guilherme, você fica de vigia, não dá pra confiar nessas celas. - Como quiser, senhor xerife - Guilherme disse. Antônio ficou olhando todos jogarem Jacir para dentro da cela. O velho bateu na parede e caiu no chão duro e sujo, pois a cela nunca antes fora limpada. O xerife não fez nada do caso por enquanto, embora nenhum dos homens realmente parecesse estar são. Se estivessem bêbados, provavelmente iriam depois à delegacia para pedir a Antônio que libertasse Jacir, então isso poupar-lhe-ia o trabalho de investigar.
  • 32. Investigar não era para Antônio, apenas leu sobre investigação uma vez, num parágrafo em um livro que seu neto lia durante uma visita da filha, duas semanas após a fuga do marido. Era uma história de um tal de Parrot, se não lhe falhava a memória. Jacir acordou na cela da prisão e, por um segundo, não entendeu por que estava lá, então se lembrou do que aconteceu. Olhou para fora da cela e viu que Guilherme estava lá, em pé, como se fosse um soldado. O xerife não era visto em lugar algum. Enquanto isso, Fraga continuava a procurar mais possíveis clientes. Andou pela cidade e procurou por todos os lados alguém que estava em aflitos. Não havia muita gente com problemas, no mais era a prostituta e ela seria a única cliente que acharia. Seu chefe não gostaria disso, ele prefere pelo menos cinco pessoas por cidade - e quando é cidade grande tem que ser no mínimo vinte. É, não era fácil a vida de Fraga.
  • 33. Ninguém da cidade o olhava torto, mas ninguém era simpático com ele. Não porque não queriam, mas porque o próprio Fraga não queria, e ele lhes disse isso, embora não nessas palavras exatas. O homem andava pela cidade como se ela fosse dele, se sentindo o tal. Suas botas marrons levantavam poeira por onde passavam e seu chapéu preto o protegia do calor escaldante do sol. Decidiu entrar no bar para beber algo antes de continuar seu trabalho de escravo. - Bom dia, senhor Fraga - Guides o cumprimentou, estava limpando ainda mais mesas, parecia que nunca parava. - Bom dia, dona Guides - Fraga cumprimentou dando uma ajeitada no chapéu. - Vai querer uma cerveja? - perguntou quando já estava de volta ao balcão e ele já se sentava numa mesa limpa. - Sim, por favor. Guides pegou um copo grande de trás da
  • 34. bancada e o pôs sob um grande barril, onde girou uma pequena peça e o líquido amarelado e muito espumado desceu à caneca. O copo bateu na mesa e Fraga tomou um gole grande. - Obrigado - disse depois de pousar novamente o copo grande na mesa. Fraga olhou melhor para Guides e notou que ela estava com uma expressão estranha na cara - Algo aconteceu? - Não, não é nada! - ela disse inocentemente. - Por favor, Guides. Posso não ser um entendido de mulher, mas sei quando uma tá preocupada com alguma coisa - é geralmente assim que ganho mais trabalho, ele não acrescentou. - O problema, Fraga, é que pensei que viria para a cidade apenas por algum tempo, até me estabilizar financeiramente e então partiria para a Cidade dos Anjos, onde poderia abrir um negócio de verdade, sabe? - falou sonhadora. - Mas agora faz mais de cinco anos que tô aqui nessa merda e parece que nunca vou sair. - Não deve desistir dos seus sonhos, Guides,
  • 35. algum dia eles podem se realizar. - Mas sonhar é algo tão bobo; você tá sempre nas alturas, parece que tá querendo que a queda seja maior ainda. - Sonhar não é bobo, é apenas... humano! E de ser humano Fraga entendia. Podia ter seu chefe que lhe ajudava o máximo que podia porque Fraga era um bom funcionário, mas que era humano era. Possuía um corpo de carne e osso como qualquer um e pode morrer, quer queira, quer não queira. Claro que, ao morrer, iria para o lugar onde seu chefe mora. Mas mesmo que fosse para um bom lugar, viver sempre será melhor. É na vida onde temos cidades grandes e altas oportunidades de trabalho - como naquela vez em que Fraga invadiu um orfanato e conseguiu diversos trabalhos, pois lá ninguém tinha esperança, todos faziam qualquer acordo. Eventualmente o orfanato fechou porque não havia mais crianças lá. E eventualmente a funerária da cidade já estava cheia de enterros para realizar.
  • 36. Você pode conseguir o que quer, mas tem de conseguir por si mesmo, ou então não vive tempo o suficiente para aproveitar. - Suponho que ocê tenha razão, Fraga - Guides concordou por fim, após um bom tempo refletindo sobre a frase dele enquanto esfregava o balcão. Fraga saíra de sua mesa e agora seu copo pousava no balcão de Guides, o homem estava sentado num banco alto que lhe possibilitava pousar os braços na madeira que apoiava seu copo. - E caso você não consiga isso tão logo quanto espera, talvez eu possa te ajudar, sabe... eu tenho uns contatos que podem te dar um avanço muito grande até o seu sucesso. - Pois me fale, homem - Guides pareceu se interessar de repente. - Não, não. Primeiro você precisa tentar sozinha, senão não tem o porquê conseguir. Se for pra pegar um atalho ao topo, melhor nem seguir por esse caminho.
  • 37. - Suponho que ocê tenha razão - repetiu. - É claro que tenho. Sabe, eu vou passar na Cidade em algum tempo, vou dar uma procurada por você e espero que esteja lá, hein?! Guides deu um sorrisinho tímido. Não era bela, mas não era feia. Fraga não se importaria de aguentar aquela mulher pelo resto da sua vida caso fosse um simples trabalhador. Mas naquele emprego possuía dinheiro o suficiente para contratar as melhores prostitutas das cidades onde passava. Cármene era a única cidade onde as prostitutas não eram tão belas quanto o esperado. Sabia por experiência própria que as das cidades pequenas são as melhores, pois a cidade é pequena e elas não são rodadas demais, mas não aquela uma que foi em seu quarto. Fraga percebeu que aquela realmente tentava ajudar sua mãe, o cheiro de pecado era forte. Mas não era pecado para ele e seu chefe, apenas para o outro cara; para os dois aquilo era, entre diversas outras coisas, apenas um outro acaso da vida.
  • 38. - Não chove mais - Guides falou como que para não deixar a conversa morrer, encarava o chão. - Perdão? - Fraga perguntou. - Disse que não chove mais - repetiu, agora deixando de encarar o além e olhando para Fraga, então jogando o pano molhado no balcão e tornando a limpá-lo. - Por que diz isso? - Porque a última chuva que aconteceu faz mais de uma semana, foi terrível. Caiu pedra do céu. Fraga pensou por um momento, sem saber o que ela dizia. - Ah, granizo! - entendeu. - Isso mesmo, essas pedras do demônio - xingou Guides. - Depois daquele dia não choveu mais, o que é um horror pras plantações, e as pedras ainda quase destruíram os quartos lá de cima. Também destruiu um monte de casas. - Essas chuvas parecem que vêm acontecendo bastante pela região - disse antes de dar outro gole
  • 39. na caneca com um restinho de cerveja. Guides não viu o sorriso de Fraga. O homem sabia do porquê dessas chuvas, era a maneira que o outro cara achava para avisar o povo de uma região que o coletor do senhor das trevas está chegando. Primeiro ocorre a chuva de granizo, para preparar a população para o pior, então, uma semana depois, chega Fraga, já escolhendo quais são suas vítimas. Era incrível, na opinião dele, nenhum jornal ter percebido que isso sempre acontece antes dele chegar no local em questão, sendo que as chuvas estão sendo estudadas há algum tempo já. Elas não começaram há muito, pois Fraga apenas chegou naquela região de Meléas há pouco tempo. Menos de um ano. Mas as chuvas o acompanhavam, sempre alertando os habitantes, ou ao menos tentando. Para Fraga, seria mais prático o outro cara descer dos céus para avisar sobre a chegada, mas ele não fazia isso. Não se sabia o porquê. - Mas logo é verão - Fraga disse. - Deve
  • 40. começar a chover em alguns dias. Assim que eu sair da cidade, para ser mais preciso, pensou. - Deus te ouça - Guides disse e olhou para os céus, fazendo um gesto de pedido que Fraga não entendeu, apenas porque, quando faz um pedido, ele não vai para os céus. Guides não notou que Fraga a lançara um olhar assassino ao falar o nome do outro cara. Ele mesmo é proibido de falar, bom, proibido não, mas é como se fosse. Passara tanto tempo chamando ele de outro cara que já começava “ ” a estranhar ouvir os outros o chamando daquele nome estranho e sem significado. O outro cara, é isso o que ele é. Os dois estavam conversando, o tempo passava rapidamente. Fraga não bebeu mais, precisava ficar sóbrio caso uma oportunidade batesse à sua porta. E uma porta bateu, a do bar. Uma mulher entrou correndo e logo se aproximou do balcão, usava um vestido curto
  • 41. vermelho e seu cabelo estava preso em um coque. Olhava para trás desesperadamente e estava suada, como se tivesse corrido desde a Cidade dos Anjos até Cármene. - Por favor, preciso de ajuda - a mulher falou para Guides em engasgos. - O que aconteceu? - Guides perguntou, embora não a conhecesse. - Meu marido, ele tá me seguindo. Eu preciso me esconder em algum lugar! Guides olhou Fraga como se quisesse uma ajuda, mas ele não respondeu. O bar era dela, e se a mulher quisesse ajudar a outra, que ajudasse. - Entre aqui! - Guides levantou uma parte do balcão e a mulher entrou. - Obrigada - agradeceu ela. Guides a empurrou para baixo e encarou Fraga por um segundo, como se estivesse assustada e não soubesse se havia feito a coisa certa. Logo veio outro tapa na porta, desta vez mais forte. Fraga virou o pescoço e notou que era o marido, ou então
  • 42. alguém muito furioso com a mulher que se escondia atrás do balcão. - Cadê ela? - gritou soltando saliva pelo ar. - De quem fala? - Fraga perguntou, achou que era melhor ele lidar com o homem do que a própria Guides fazer isso. - Da puta da minha mulher, Georgia, que estava com o Marciel, estava sim que eu vi! - pareceu estar defendendo sua causa num tribunal. - Ninguém está falando que ela não estava - Fraga tentou acalmá-lo. - Mas não vimos sua mulher aqui! Fraga ainda segurava sua caneca de cerveja, um restinho ainda menor do que antes. Falava calmamente, pois achava que isso amansaria a fera. O homem, que parecia estar bêbado, embora devesse ter bebido em outro bar ou em casa, pois não aparecera lá pela manhã, começou a revirar o salão todo atrás da esposa traíra. Jogou mesas e cadeiras no chão. Fraga deixou sua caneca no balcão e foi atrás do marido.
  • 43. - Ei, acho melhor você ir embora, pois aquela mulher lá é a esposa do xerife! - Fraga mentiu parecendo ser um bom ator, ele apontava para Guides. O homem acreditou. - Não importa quem é quem, cadê minha mulher? - o homem jogou Fraga para o lado e ele caiu numa montanha de cadeiras, bateu as costas. O marido andou pisando firme até o balcão e gritou com Guides, que não respondeu nada porque estava assustada. Logo o maluco se apoiou no suporte de madeira e espiou por cima da bancada, viu sua mulher chorando agachada no chão duro do bar. - Achei você, sua vadia - sua voz foi aumentando de tom. - Não, por favor! - Georgia gritou em desespero. O marido iria agarrá-la e provavelmente a matar, mas antes que pudesse fazer isso foi agarrado por trás e jogado para o lado, embora não tivesse caído. Era Fraga, que havia se levantado e deixava
  • 44. uma mão na coluna numa tentativa fútil de fazer a dor diminuir. - Eu disse que era melhor você sair daqui! - falou e correu para cima do homem. Fraga o agarrou e jogou para fora do bar, o marido caiu na estrada de chão e poeira foi jogada aos céus. O homem o olhou com desespero e levantou-se aos poucos, então saiu correndo de perto do bar. Fraga ficou lá por mais algum tempo, para o caso do maluco voltar. Pôs a cabeça de volta para dentro do bar e recebeu um abraço e um agradecimento de Georgia, que disse que era perseguida por seu marido durante todos os seus anos de casados, que ele a via com um Marciel imaginário e todo dia ela precisava correr para se esconder do marido maluco. Ele estava sempre bêbado, embora a mulher não soubesse de onde vinha a bebida. Ela disse que nunca teve coragem de contar ao xerife, mas Fraga a afirmou que era isso o que deveria fazer, e logo.
  • 45. - Não, eu não posso aceitar - Georgia disse para Guides. - Por favor, eu insisto. Não é como se eu pudesse ficar sem fazer nada depois de ver o que quase aconteceu aqui. Se não fosse Fraga... Por favor, aceite. - Mas eu não tenho nem como te pagar. - Psst! - brincou Guides. - Não precisa pagar! Georgia falou com Guides e a mulher, tendo um bom coração, a ofereceu um dos quartos do segundo andar, não cobraria nada. Fraga pagou pela cerveja, apesar da insistência de Guides e saiu do bar com um aceno com a cabeça. O feiticeiro parou na frente de uma igreja e percebeu que havia algo ocorrendo lá dentro, um sermão, uma missa. Ele empurrou a porta e, embora tenha feito um tremendo barulho, ninguém olhou para trás, estavam focados no padre que parecia falar frases mais hipnotizantes que o próprio Fraga. Haviam
  • 46. diversas fileiras de bancos marrons, onde diversos fiéis se sentavam. A igreja estava lotada e Fraga teve de ficar em pé ao lado da porta, escorado na parede como se fosse um garoto que só estava lá porque esperava a missa acabar para tacar fogo no local. Todos vestiam roupas levemente formais: as mulheres vestidos claros e os homens ternos, exceto aqueles que possuíam menos dinheiro que os demais, esses usavam apenas suas camisetas sujas que também usavam para o trabalho. O padre vestia uma longa túnica branca e balançava muito as mãos, como se o movimento fosse fazer sua voz ser transmitida com mais facilidade. O cabelo do homem era curto e preto, seu rosto um pouco arredondado, embora fosse magro como um palito, pelo que dava para perceber por conta da grossura de seus braços. Fraga continuava a mascar o palito em sua boca, o padre o olhava de hora em hora, parecia estar checando se ele não havia tacado fogo na igreja antes da hora de costume. O homem, em seus
  • 47. trinta ou quarenta anos, ficava muito longe. A igreja era comprida demais para que ele reparasse em Fraga, para que realmente percebesse o que vestia e usava em seu pescoço, o símbolo daquele ser que o padre não gosta. - Irmãos - o padre gritou e o grito terminou num agudo alto. - Não devemos, sob hipótese alguma, ceder às tentativas que o senhor das trevas nos dá. Ele promete coisas que nunca irá cumprir, e tudo isso porque é o rei da mentira. Não confie nesse homem podre que lhes promete melhoras de vida, pois ele é egoísta e só pensa em sí próprio. DEUS é o caminho, a verdade e a vida. Amém. - Amém - disseram em uníssono. Dessa vez, Fraga não riu, mas seu rosto demonstrava desprezo. - Agora, irmãos, vamos rezar a oração que o Pai nos ensinou - sua voz foi diminuindo até que se calou, cruzou as mãos à sua frente e todos os fiéis fizeram o mesmo, começando a olhar para baixo. - Pai nosso que estais no céu - começaram a rezar e rezaram duas vezes mais, pois “o Diabo está
  • 48. aqui conosco, eu o sinto, rezemos novamente” foi dito pelo padre outras duas vezes. - Ide em paz e que o Senhor vos acompanhe - o padre sorriu e fez um gesto delicado à porta, como se estivesse mandando o Senhor junto dos fiéis que começavam a sair da capela. - Graças a Deus – falaram todos antes de se levantarem e sair. Todos passavam por Fragas, mas ninguém se importava com sua presença, muitos nem sequer o conheciam. Os mais fiéis não iam ao bar e não estavam na hora da discussão do dia anterior porque estavam na igreja. Há missas quase todos os dias na cidade. O último saiu porta afora e o padre desceu do altar e andou até Fraga, o som de seus passos circulavam por toda a igreja, o piso era liso. Ele cruzou os braços antes de chegar, como se estivesse preparado para ouvir ou estivesse impedindo a entrada de o que quer que Fraga fosse falar. - Bom dia, meu filho - o padre falou para
  • 49. Fraga de bom humor. - Bom dia, seu padre - respondeu. - O que queres aqui na minha humilde igreja? Vejo que espera uma resposta ou explicação. - Nada disso, não, senhor padre, só entrei aqui porque notei que havia algo acontecendo. - Entendo. Então não é de ir em igrejas? - perguntou o padre. - Digamos que não - Fraga respondeu. - Pois bem, mas saiba que isso lhe garante um lugar com o nosso Senhor, lá no paraíso - apontou para cima como se o paraíso ficasse no teto da igreja. - O problema, senhor, é que já tenho outro lugar marcado para ir! - Fraga respondeu dando um sorriso de canto de boca, o padre não notou. O que o bom homem notou, porém, foi muito pior. Fraga usava, pendurado no pescoço como um colar, o símbolo do pentagrama invertido. O colar era de ferro, assim como o símbolo. O padre deu uma olhada e fez o sinal da
  • 50. cruz, tentando expulsar o demônio de dentro da casa do Senhor. - Creio que seja melhor se o senhor se retirasse - o padre falou educadamente. - Ah, mas justamente quando recém cheguei? - Minha igreja é local para pessoas de alma bondosa e pura, não para pessoas que usam o símbolo do capeta no pescoço - fez o sinal da cruz de novo para se livrar do mal-olhado. - Mas quem disse que eu quero ficar aqui dentro da sua igreja? - Fraga perguntou em uma voz fina enquanto, com a mão direta, acariciou o cabelo do padre. - Ótimo, então por favor se retire - repetiu. - O único problema, senhor padre, é que eu ganho pelas minhas ações, e não apenas pelos meus negócios - sorriu de maneira assassina. O padre o olhou esquisito, medrosamente. Pôs a mão no pescoço e puxou uma corda para cima, em sua ponta havia um crucifixo e nele o filho de seu Senhor. Fraga desviou o olhar.
  • 51. O padre agarrou o crucifixo de tal maneira que sua mão chegava a ficar vermelha. Parecia, talvez, estar se punindo por ter permitido que um cultuador do homem de baixo entrasse na casa do Senhor. Não podia se dar chibatadas porque não era hora de se fazer isso ainda, então aquela era a única punição que podia se dar. Não podia maltratar o adorador porque isso não era coisa de um homem de puro coração. Só lhe restava a fé, e embora sua fé fosse forte o suficiente para mover montanhas, talvez pudesse não ser o suficiente para parar o ataque de Fraga. - O Senhor é meu Pastor - o padre repetiu religiosamente em sussurros, como se os únicos que pudessem ouvir fossem ele e seu próprio Deus. - Será que ele é? - perguntou Fraga e logo se pôs a rir. - Tu vais para o inferno, e lá serás torturado por desrespeito ao nosso Senhor, o único Senhor, aquele que mandou seu filho para que sofresse por nós, para que pagasse nossos pecados - o padre
  • 52. continuou incansavelmente, Fraga já não parecia mais se importar com as constantes acusações. - Se queres falar de meu Senhor desta maneira - Fraga começou a dizer, usando o mesmo tom do padre -, ensinar-te-ei a não desrespeitá-lo, pois se o seu não lhe ajuda, o meu me dá forças para combater os desprezíveis como vós. O padre estava a um braço e meio de distância de Fraga, segurando seu crucifixo e rezando. Não rezava apenas por ele, rezava também por Fraga, afinal, era um cristão, e tinha esperanças de que todos tinham salvação, mesmo aqueles que, como Fraga, faziam as escolhas erradas. - Liberte sua alma e permita que veja a sua luz, meu Deus - o padre falou um pouco mais alto do que o resto de suas frases. Fraga estendeu o braço e fechou os olhos, começou a rezar tão forte quanto o padre. Mas enquanto o padre rezava pela alma de Fraga, o próprio rezava por outra coisa, por isso sua prece foi atendida. A alma do homem já estava podre, além
  • 53. de vendida, não valia nada além de um mísero centavo que não era da época. Nem mesmo o Senhor do padre poderia o salvar, mas o Senhor de Fraga atenderia seu pedido com todo o prazer do mundo, afinal, é isso o que faz nos tempos livres. O padre apertava o crucifixo contra o peito e logo sua respiração ficou pesada. Lentamente seus órgãos foram parando de funcionar e ele já não respirava mais, sem deixar de, com seu último suspiro, pedir pela benção de todos da cidade. Não morreu, pois voltou logo depois, antes mesmo de cair no chão. Voltou dando fungadas fortes para que o ar entrasse em seus pulmões que brevemente voltaram a funcionar. Estava com suas mãos nos joelhos, encarando o chão como em uma oração esquisita. Recuperava seu fôlego e logo o diafragma prendeu durante a mesma respiração. A morte é algo a “ mais” para o Senhor de Fraga, o bom mesmo é a tortura, tanto que essa é a premissa de seu local de descanso. A tortura dá, para o Senhor de Fraga, mais prazer do que a morte, que
  • 54. apenas termina. A vida termina na morte. A tortura pode durar para sempre. O padre pôs a mão no abdome e tentava respirar pela boca, a mantinha aberta para o caso de o ar resolver ser sorvido novamente. Logo o diafragma foi solto e o homem se pôs a ofegar novamente. Não sentiu que voltaria a ter sua respiração presa então aproveitou o ar puro de dentro da igreja. Seu estômago rebulhava e sua cabeça estourava em febre. - Por que fazes isso? - o padre perguntou ainda de cabeça vidrada no chão da capela. Fraga se aproximou até que sua boca estivesse na altura do ouvido do padre. Molhou os lábios e pareceu ter pensado durante um segundo no que falar. - Diversão - foi o que escolheu responder. - Você ainda tem salvação, meu filho - o padre tentou, pela última vez, libertar a alma de Fraga. - Não, senhor. VOCÊ ainda tem salvação. É
  • 55. só aceitar meu Senhor como o seu Senhor e estará ao Seu lado, não sofrerá nem será punido, receberá luxúrias por toda a eternidade. - Esse não é o meu Senhor, e não deve ser o seu também! - o padre disse. Fraga fechou os olhos e pôs a mão na nuca do padre, apertando-a com força. O homem reclamou da dor, mas logo não a sentiu mais. O que acontecia era pior do que a própria dor. A lava de um vulcão parecia subir por sua garganta procurando pela boca, e finalmente a achou. O padre estava com os olhos abertos enquanto encarava o chão e viu o líquido vermelho sair pela boca e cair no piso bege da igreja. Seu sangue brilhava no soalho liso e inundado por sol. Sentiu que mais vinha e sentia dor. Seus pulmões, seus rins, seu diafragma e seu coração doía. O pequeno músculo que lhe dava vida lutava para realizar a sístole e diástole de sempre. Lentamente o coração parou de bater e permaneceu parado, mas o homem continuava em pé.
  • 56. Nunca é um caso perdido até que o cérebro também tenha morrido, mas ele morria junto do resto do corpo. O padre pôs a outra mão na cabeça, enquanto a direta segurava o diafragma que apertava sua barriga. O cérebro parecia derreter e a febre aumentava. Logo o homem sentiu como se vomitasse o próprio órgão do sistema nervoso pela boca. No céu eu estarei ao “ lado do Senhor, serei cuidado pelos anjos que Lhe servem” o padre pensou, e pensou novamente enquanto vomitava seu próprio sangue. Tossia e o barulho de sua agonia só não era ouvido da rua porque parecia estar isolado apenas na igreja. - Escolha melhor na próxima vida, filho da puta - Fraga disse no ouvido do padre antes dele desmaiar no próprio vômito. - Eu escolhi o certo. Eu escolhi o certo - foram suas últimas palavras. A túnica branca estava encharcada de vermelho. E ninguém suspeitaria que o assassino
  • 57. fora Fraga, pois ninguém realmente o notou parado à porta da igreja. Sairia de lá impune e poderia procurar por mais desesperados para conseguir as outras quatro pessoas que lhe faltavam. Mesmo que não conseguisse, sabia que o chefe estaria satisfeito depois daquela demonstração de seu poder e crueldade. Fraga esfregou as mãos nas calças e ajustou o casaco grande, então deu um peteleco no chapéu e abriu a porta da igreja para sair de lá. Foi recebido na cidade por uma pessoa que lhe era conhecida. O problema com guardas comuns é que eles dormem, e com as celas sendo fracas, é fácil para um preso sair de uma delas e aparecer com uma espingarda nas ruas da cidade. Fora isso o que Jacir fizera, apenas esperou Guilherme pisar na bola, saiu da cela e pegou a espingarda do xerife que não estava lá no momento, pois falava com Guides no bar. Jacir apontava a espingarda de cano prata para
  • 58. Fraga, o velho usava uma camisa flanela de xadrez e calça bege. Seu cabelo era ralo e seus dentes pretos. - Isso aqui – içaki - não é lugar procê, feiticeiro filho da puta! - gritou e apertou o gatilho. A bala foi rápida demais para que Fraga desviasse. Ela passou direto pela sua testa, saindo do outro lado e levando o chapéu junto. O homem caiu de costas no chão duro da igreja e, quando os outros habitantes chegaram para ver o que acontecera, notaram padre Francisco caído no chão, deitado sobre seu próprio sangue.