Genx&Y

4.630 visualizações

Publicada em

Para mais informações, contactar

pedro.rocha@oak-brands.com
tel: +351935094597

Publicada em: Negócios
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.630
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.867
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
233
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Genx&Y

  1. 1. GEN X E GEN Y PORTUGUESA OAK BRANDS JULHO 2009
  2. 2. PORQUÊ?
  3. 3. PORQUÊ? RELEVÂNCIA. Escolhemos estudar as Gerações X e Y portuguesas porque consideramos que o seu peso na sociedade portuguesa é crescente, ao nível social, económico e cultural. São gerações com acesso generalizado à informação, não experienciaram directamente o 25 de Abril, viveram e cresceram em diversas fases do Portugal Europeu, incluindo a do crescimento económico associado, entre outros recentes e transformadores eventos da sociedade portuguesa. O seu poder de escolha, procura, criação e divulgação de conteúdo, nas suas mais diversas formas, é até aqui único em Portugal e tornam-nas grandes influenciadores do consumo actual.
  4. 4. PORQUÊ? INFLUÊNCIA. Focamos o nosso estudo em pessoas com idades compreendidas entre os 23 e os 37 anos, de ambos os sexos, residentes em Lisboa e Porto, com acesso à internet, maior probabilidade de serem first movers relativamente a novos comportamentos e pela sua capacidade influenciadora do mainstream, on e offline. 80% dos inquiridos têm idade compreendida entre os 23 e os 37 anos. Foi nesta franja que nos focamos. Deste conjunto de inquiridos: – 55% estão compreendidos entre os 23 e os 30 anos de idade – 45% compreendidos entre os 31 e os 37 anos de idade; – 72% moram em Lisboa, 28% moram no Porto; – 58% são do sexo feminino, 42% são do sexo masculino.
  5. 5. DADOS 20 entrevistas offline, de forma a escolher as hipóteses a testar. Amostra escolhida: 200 inquiridos online. Inquéritos realizados entre as datas de 2 e 24 de junho de 2009 (via survs.com e e-mail) Tempo médio de resposta (online): 5 minutos
  6. 6. RECESSÃO? Source: ::strømbërg::
on flickr
  7. 7. RECESSÃO? A RECESSÃO É CULTURAL. A recessão actual constrange o consumo destas gerações. E, porque associada à falência de grandes instituições financeiras e privadas, tem reflexos estruturais ao nível da confiança nos órgãos políticos, empresas e marcas. Instala-se uma cultura de desconfiança face a tudo o que aparente ser corporativo, também porque estes consumidores reconhecem as mecânicas do marketing e tornam-se assim mais resistentes ao mesmo. A desconfiança face às corporações e, de uma forma geral, face ao “sistema” deixa de ser conjuntural e passa a ser estrutural, já que muitos parecem aproveitar o momento actual para questionar os seus padrões de consumo e re-orientá-los para o futuro, fazendo downgrading e procurando outros valores com que pautar a sua vida. Source: ::strømbërg::
on flickr
  8. 8. RECESSÃO? QUAL A ATITUDE QUE MELHOR DEFINE A TUA RELAÇÃO COM ACTUAL RECESSÃO? NÃO CREIO QUE A PRETENDO VIR A JÁ COMECEI A PASSEI A A CRISE AFECTOU RECESSÃO ME VÁ CONTAR CUSTOS CORTAR EM CONTROLAR -ME DE TAL AFECTAR NO FUTURO, SE A GASTOS GASTOS FORMA QUE JÁ RECESSÃO SE SUPÉRFULOS DIARIAMENTE REDUZI IMENSOS AGRAVAR GASTOS 17% 19% 41% 18% 4% 41% dos inquiridos admitiu já ter começado a cortar em gastos supérfluos. Uma tendência ainda mais evidente nas mulheres inquiridas (56%), em relação aos homens (34%). 18% dos inquiridos admitiu passar a controlar gastos de uma forma diária. A recessão obriga as pessoas a valorizarem mais o preço e a utilidade dos produtos face ao seu valor emocional. Source: ::strømbërg::
on flickr
  9. 9. RECESSÃO? QUAL A RESPOSTA QUE MELHOR DEFINE A ATITUDE QUE ESPERAS TOMAR DEPOIS DA CRISE? PRETENDO TORNAR-ME PRETENDO VOLTAR AOS A CRISE NÃO ME QUERO VOLTAR A MENOS DEPENDENTE DE MEUS ANTERIORES AFECTOU MUITO E A PODER COMPRAR AS MARCAS, PRODUTOS HÁBITOS DE CONSUMO RETOMA TAMBÉM NÃO COISAS QUE ABDIQUEI OU SERVIÇOS, MESMO DEPOIS DA CRISE VAI AFECTAR DE COMPRAR NESSA DEPOIS DA CRISE PASSAR ALTURA PASSAR 40% 3% 42% 15% 40% dos inquiridos pretende tornar-se menos dependentes de marcas, produtos ou serviços, mesmo depois da crise ter passado, o que aponta para uma mudança estrutural nos hábitos de consumo de uma grande franja da população. Contudo, há ainda 42% dos inquiridos que afirmaram não se sentir muito afectados pela crise, pelo que sentem que a retoma também não os irá afectar. É no entanto de assinalar que só 3% dos inquiridos pretende voltar aos seus anteriores hábitos de consumo depois da passagem da crise, o que sugere uma forte mudança de hábitos de consumo. Source: ::strømbërg::
on flickr
  10. 10. RECESSÃO? ACREDITO QUE IREI RECEBER UMA REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL QUANDO DEIXAR DE TRABALHAR CONCORDO – 32% / NÃO CONCORDO – 43% / INDIFERENTE – 25% Notas: Entre os 23 e os 30 anos de idade, 30% dos inquiridos acreditam vir a receber uma reforma da segurança social, enquanto que no grupo etário entre os 31 e os 37 apenas 13% acreditam nessa hipótese. Aponta para uma desconfiança face ao cumprimento do direito à reforma enquanto providenciado pela segurança social e pelo futuro do sistema público. CONFIO NA ÉTICA DE GESTÃO DAS EMPRESAS CONCORDO – 8% / NÃO CONCORDO – 54% / INDIFERENTE – 37% Notas: Independente do sexo e idade. Source: ::strømbërg::
on flickr
  11. 11. RECESSÃO? CONFIO NA BOA GESTÃO DO ORGÃOS POLÍTICOS CONCORDO – 4% / NÃO CONCORDO – 75% / INDIFERENTE – 21% Notas: É de assinalar que, entre os inquiridos compreendidos na faixa etária entre os 31-37 anos de idade, 0% dos mesmos afirmaram confiar nos órgãos políticos. ACREDITO NA CAPACIDADE DOS NOSSOS LÍDERES POLÍTICOS PARA MELHORAR A SITUAÇÃO ACTUAL CONCORDO –11% / NÃO CONCORDO – 74% / INDIFERENTE – 15% Notas: 71% dos inquiridos compreendidos entre os 23-30 anos de idade não concordam com a afirmação, face a 82% dos inquiridos de idades entre os 31-37 anos que também discordam da mesma. Source: ::strømbërg::
on flickr
  12. 12. RECESSÃO? ACREDITO QUE AS MARCAS TÊM EM CONTA AS MINHAS NECESSIDADES QUANDO DESENVOLVEM OS SEUS PRODUTOS E SERVIÇOS CONCORDO – 32% / NÃO CONCORDO – 46% / INDIFERENTE – 23% Notas: Os homens (51%) são os que mais discordam da afirmação, face a 38% das mulheres, que também discordam que as marcas têm em conta as suas necessidades no desenvolvimento de produtos e serviços. Source: ::strømbërg::
on flickr
  13. 13. RECESSÃO? INSIGHT. – Algumas pessoas parecem compreender que não necessitam de alguns tipos de produtos durante a crise e que continuarão a não os utilizar quando a crise passar. Para alguns, a recessão deixa de ser conjuntural e passa a ser estrutural, através do downgrading. – Há grande desconfiança na comunicação das marcas. – Há uma vacinação crescente face a políticas de marketing. – As pessoas não confiam nas grandes corporações, sejam elas públicas, privadas ou políticas. – O valor da “discrição” torna-se mais relevante face ao da “ostentação”, dado o impacto da crise na vida pública das pessoas. Ícones reveladores da consciência do seu portador (ecológicos ou sociais) tornam-se mais relevantes, ainda que não ofusquem por completo os que simbolizam o status social do mesmo. Source: ::strømbërg::
on flickr
  14. 14. RECESSÃO? WHAT TO DO? Transparência – processos transparentes de comunicação e desenvolvimento de produto beneficiam a história de algumas marcas. Tornam-nas mais humanas, mais inclusivas e capazes de gerar a confiança e valor necessário para satisfazer alguns consumidores. Não minta – novas plataformas de comunicação permitem espalhar mensagens muito rapidamente, com especial incidência nas negativas. Se uma marca é uma promessa, o não cumprimento da mesma pode destruí-la. Eco-iconic – Ser verde é actualmente um ícon de status social com o qual as pessoas gostam de se identificar. Os produtos e comunicações de marca devem associar-se a esta característica, de forma a servirem de ícones deste estilo de vida – desde que verdadeiros, porque o greenwashing é um fenómeno cada vez mais observado e delatado pelos consumidores. Source: ::strømbërg::
on flickr
  15. 15. RECESSÃO? WHAT TO DO? Desfragmente a corporação em rostos humanos – As pessoas preferem confiar nos seus semelhantes em vez de corporações. Os profissionais da sua marca devem ser os seus principais embaixadores. Potencie os seus trabalhadores, através de processos de cultura empresarial, de forma a que os consumidores se relacionem e identifiquem com eles – pessoas – em vez do aspecto mais corporativo e pouco humano da marca. Dialogue nos termos e plataformas dos consumidores – A marca não lhe pertence a si, mas sim às pessoas. Estude e defina o seu tom de voz e dialogue com as pessoas nas plataformas onde eles habitam – on e offline – de forma a ser mais relevante nas suas vidas. Source: ::strømbërg::
on flickr
  16. 16. LEALDADE?
  17. 17. LEALDADE? A LEALDADE TEM LIMITES. Dos consumidores mais leais aos mais cínicos face às marcas, todos estão mais conscientes de custos. E a probabilidade de deixarem de consumir determinados produtos ou passarem a consumir “marcas brancas” é tão maior quanto menor for o apelo da marca – quanto mais próximo um produto for percepccionado de uma commodity, maior a probabilidade de ser trocado por um produto complementar mais barato. Ainda assim, as pessoas afirmam ser fiéis às marcas preferidas, demonstrando o poder da mesma na decisão de compra. Simplesmente, e face às conclusões anteriores, o apelo da marca pode ser também construído segundo valores de utilidade e usabilidade – também o benefício emocional pode ser construído racionalmente, sendo tangibilizável.
  18. 18. LEALDADE? CONTINUO FIEL ÀS MINHAS MARCAS PREFERIDAS CONCORDO – 47% / NÃO CONCORDO – 33% / INDIFERENTE – 20% Notas: O grupo compreendido entre os 23 e os 30 anos de idade é bastante mais fiel às suas marcas preferidas - 50% destes inquiridos concordam com a afirmação, face a 35% dos inquiridos do grupo etário entre os 31-37 que concordam com a mesma. 58% dos homens afirmam continuar fiéis às suas marcas, face a 38% das inquiridas do sexo feminino que concorda com a essa afirmação. CONSUMO O MESMO TIPO DE PRODUTOS, SUBSTITUINDO-OS POR MARCAS MAIS BARATAS CONCORDO – 63% / NÃO CONCORDO – 12% / INDIFERENTE – 25% Notas: 79% das mulheres responderam estar dispostas a substituir produtos por marcas mais baratas, vs 57% dos homens que responderam concordar com a afirmação.
  19. 19. LEALDADE? INSIGHT. – Ainda se é fiel às marcas preferidas. As marcas que definem um produto ou uma categoria têm menos probabilidade de ser trocadas. – Quanto menor o valor de uma marca, maior a probabilidade de ser trocada por uma similar, mais barata – quem concorre unicamente através da variável preço tem grande probabilidade de ser trocado. – Da pós-racionalização à racionalização – se, em alturas de crescimento económico, os consumidores pós-racionalizavam acerca das suas escolhas de consumo – tomadas com base em variáveis emocionais, mas depois fundamentadas racionalmente – é cada vez mais importante para algumas marcas justificarem a sua eleição por parte do consumidor, adicionando valor real à sua oferta.
  20. 20. LEALDADE? WHAT TO DO? Justifique a sua relevância – Ao atribuir mais benefícios ao consumidor do que as marcas concorrentes, via utilidade, via desenvolvimento de produto e não concentrando todos os esforços somente na comunicação. Gere utilidade para o consumidor – ao tornar-se útil, na sua categoria / produto / serviço / história, tornar-se-á relevante e diferenciador. E será beneficiado no processo de escolha do consumidor, porque, para além de emocionalmente adicionar valor à sua marca, gerará mais uma razão para ser escolhido por ele.
  21. 21. ESCAPE? Source: Dustin Diaz on flickr
  22. 22. ESCAPE? GET ME OUT OF HERE. Face ao presente, o regresso ao passado e a tempos mais confortáveis e familiares, com paradigmas conhecidos, torna-se mais relevante. O valor emocional e confortável do passado recente é muito relevante para processos de decisão por parte das pessoas. Em contraponto, está o desejo para que o futuro venha depressa, para que “tudo isto mude”. De uma maneira ou de outra as pessoas não estão felizes em momentos conturbados. A vontade de mudança caracteriza estas gerações. A vontade de mudar de carreira profissioal agrega, em si, diversas mudanças – de hábitos, de localização, de conhecimentos – que acabam por ser a marca de uma geração em que a adaptação a diversas realidades profissionais e pessoais é marcante. Source: Dustin Diaz on flickr
  23. 23. ESCAPE? FAÇO TANTAS COISAS AO MESMO TEMPO QUE SINTO NÃO TER TEMPO PARA MIM CONCORDO – 48% / NÃO CONCORDO – 33% / INDIFERENTE – 18% Notas: 45% dos inquiridos com idades compreendidas entre os 23-30 concordam com a afirmação; entre a faixa etária dos 31 aos 37 anos, esse valor sobe para os 58%. SINTO QUE AS COISAS JÁ NÃO TÊM A AUTENTICIDADE OU TRANSPARÊNCIA COMO TINHAM HÁ 10 ANOS ATRÁS CONCORDO – 50% / NÃO CONCORDO – 20% / INDIFERENTE – 30% Notas: 48% dos inquiridos com idades compreendidas entre os 23-30 consideram que há 10 anos atrás as coisas eram mais autênticas e transparentes, em comparação ao grupo etário compreendido entre os 31-37, onde apenas 38% dos inquiridos concorda com a afirmação. Source: Dustin Diaz on flickr
  24. 24. ESCAPE? ESTOU DISPOSTO A PAGAR MAIS POR PRODUTOS QUE TENHAM UM VALOR NOSTÁLGICO CONCORDO – 38% / NÃO CONCORDO – 38% / INDIFERENTE – 24% Notas: Os homens (48%) estão mais dispostos a pagar por produtos com um valor nostálgico do que as mulheres (31%). Aliás, 41% das mulheres discordam desta afirmação. O grupo etário entre os 23-30 (52%) está mais disponível a pagar por produtos nostálgicos que os inquiridos compreendidos entre as idades 31-37. GOSTAVA DE MUDAR DE CARREIRA PROFISSIONAL CONCORDO – 35% / NÃO CONCORDO – 48% / INDIFERENTE – 17% Notas: Dos inquiridos compreendidos entre os 31-37 anos de idade, cerca de metade responderam concordar com a afirmação. Na faixa etária dos 23 aos 30 anos, 36% responderam que querem mudar de carreira. Source: Dustin Diaz on flickr
  25. 25. ESCAPE? NESTES TEMPOS DE INCERTEZA PREFIRO DIVERTIR-ME E NÃO ME PREOCUPAR COM A CRISE CONCORDO – 23% / NÃO CONCORDO – 38% / INDIFERENTE – 39% Notas: Os inquiridos de idade compreendida entre os 23 e os 30 anos de idade são mais propensos a não se preocuparem com a crise (27%) do que os compreendidos entre a faixa etária entre os 31 e os 37 anos de idade, onde apenas 13% afirmou concordar com a afirmação. TENHO UMA PREOCUPAÇÃO CADA VEZ MAIOR COM O MEU BEM ESTAR FÍSICO CONCORDO – 73% / NÃO CONCORDO – 6% / INDIFERENTE – 21% Notas: As mulheres estão mais preocupadas com o seu bem estar físico (83% concordam com a afirmação) do que os homens (70% concordam com a afirmação). Source: Dustin Diaz on flickr
  26. 26. ESCAPE? PASSO CADA VEZ MAIS TEMPO EM CASA SOZINHO OU A ENTRETER OS MEUS AMIGOS E FAMÍLIA CONCORDO – 37% / NÃO CONCORDO – 37% / INDIFERENTE – 26% Notas: As mulheres afirmam passar mais tempo em casa (45%), face aos 32% dos inquiridos do sexo masculino que responderam concordar com a afirmação. No que diz respeito à análise por idades, os jovens são os que têm menor predisposição para passar mais tempo em casa: dos inquiridos de idade compreendida entre os 23-30 anos, apenas 33% respondem concordar com a afirmação, e 42% que responderam não concordar com a afirmação. No grupo compreendido entre os 31-37 anos, 42% dos inquiridos concorda que passa cada vez mais tempo em casa, sozinho ou a entreter amigos e família. Source: Dustin Diaz on flickr
  27. 27. ESCAPE? INSIGHT. – O passado é confortável e conhecido, sendo uma característica influenciadora de decisões para para muitas pessoas, e uma forma de escapar temporariamente à incerteza presente. – Escapismo é uma forma relevante de lidar com o actual. A diversão e o transporte para outras realidades que não a nossa é ainda relevante para muitas marcas, produtos e acções de comunicação. – Apesar de tudo, o multitasking ainda é exigente para estas gerações e há que tornar e comunicar os benefícios de utilização dos produtos e serviços de uma forma mais fácil, simplificando processos. – A casa é um refúgio cada vez mais relevante, onde nada nos parece afectar. Os third spaces beneficiarão ao simular a mesma tranquilidade que nesse espaço. – Contra tendência relevante a considerar: o “não quero saber” face ao “ter que saber, todos os dias a quantas andamos”. Source: Dustin Diaz on flickr
  28. 28. ESCAPE? WHAT TO DO? Retro – Aroveite a bagagem histórica da sua marca, se tal for relevante e construa personalidade. K.I.S.S. – Keep it Simple Stupid. Ajude a tornar a sociedade menos complexa do que ela já é e sairá beneficiado com isso. A usabilidade e a facilidade de utilizar e beneficiar de algo, mesmo em alturas em que o multitasking está cada vez mais presente, é altamente relevante. Diversão & Faketastic – A diversão ainda é uma característica relevante para associar a uma marca. Especialmente se retirar, nem que por momentos, o utilizador do seu cenário presente. E pode perfeitamente ser descomprometida, desde que isso faça sentido dentro da sua marca. O “falso” é uma forma de escape ao real e pode ser combinado com sucesso com a diversão, desde que seja assumidamente “escapista”. Source: Dustin Diaz on flickr
  29. 29. ESCAPE? WHAT TO DO? Branded entertainment – Ofereça escapes temporários da realidade, através do entretenimento associado à sua marca. Associe-se a valores positivos, gerando entretenimento e não simplesmente comunicando-os. Home is hot – Não só é interessante para as marcas colocarem-se à disposição dos consumidores nas suas casas, como os espaços das marcas (lojas, cafés, restaurantes, cinemas) poderão beneficiar da replicação de valores caseiros. Source: Dustin Diaz on flickr
  30. 30. MUDANÇA? Source: David Reece on flickr
  31. 31. MUDANÇA? A MUDANÇA É DESEJADA. Em alturas de crise, sobressai o desejo de mudança. É um fenómeno relacionado com o desconforto que nos provocam as situações adversas. As pessoas sentem-se mais unidas na adversidade e com mais desejo de ajudar a tornar as coisas melhores, são mais solidárias, e mais predispostas a fazer a diferença. Esta mudança é desejada a nível pessoal, mas também ao nível das colectividades. Source: David Reece on flickr
  32. 32. MUDANÇA? ESPERO TRABALHAR MAIS DO QUE ACTUALMENTE PARA GERAR MAIS RENDIMENTOS E SEGURAR O MEU POSTO DE TRABALHO CONCORDO – 48% / NÃO CONCORDO – 26% / INDIFERENTE – 26% Notas: 55% dos inquiridos do sexo masculino concordam com a afirmação, contra 38% das mulheres que afirmam esperar trabalhar mais do que actualmente. GOSTAVA DE MUDAR DE CARREIRA PROFISSIONAL CONCORDO – 35% / NÃO CONCORDO – 48% / INDIFERENTE – 17% Notas: Nos inquiridos de idade compreendida entre os 31-37 anos, 50% afirma gostar de mudar de carreira profissional o que demonstra um certo desconforto perante a mesma e até inconformismo. Entre os 23-30 anos de idade, 36% dos inquiridos afirmaram gostar de mudar de carreira. Source: David Reece on flickr
  33. 33. MUDANÇA? GOSTAVA DE CONTRIBUIR DE FORMA MAIS ACTIVA PARA A SOCIEDADE CONCORDO – 67% / NÃO CONCORDO – 11% / INDIFERENTE – 22% Notas: Entre os inquiridos de idade compreendida entre os 23 e os 30 anos, 70% afirmam que gostavam de contribuir mais activamente para a sociedade. Entre os inquiridos compreendidos entre os 31 e os 37 anos de idade, este valor desce para os 58%. ESTARIA DISPOSTO A SACRIFICAR PARTE DOS MEUS RENDIMENTOS PARA TER MAIS TEMPO DE LAZER CONCORDO – 34% / NÃO CONCORDO – 35% / INDIFERENTE – 31% Notas: Estes resultados não variam conforme a idade ou sexo. Source: David Reece on flickr
  34. 34. MUDANÇA? INSIGHT. – Há, junto de uma grande parte do público, vontade de mudar – de sistema, de vida. – O inconformismo é um valor crescente nestas gerações. – A mudança não é só do “eu”, compreende outras dimensões sociais, ao nível das colectividades e das tribos. – Os consumidores beneficiarão aqueles que lhes proporcionarem possibilidade de mudar. – As marcas podem e devem mudar com as pessoas, já que não são estáticas. É no entanto crucial justificar esse processo, de forma a torná-lo mais real e profundo. Source: David Reece on flickr
  35. 35. MUDANÇA? WHAT TO DO? Crie mecanismos que possibilitem colectividades – Criar plataformas de comunicação entre as pessoas, agregadas ao conteúdo da marca, para que elas possam interagir entre si, cria comunidade e colectividade. Tenha uma alma – As marcas têm personalidade, que é construída em todos os processos de contacto com o exterior ou interior das mesmas. Aproveite cada momento de criação e comunicação para afirmar o que é que conduz a vontade da sua marca. Source: David Reece on flickr
  36. 36. MUDANÇA? WHAT TO DO? Facilite a mudança de vida – As marcas devem facilitar a vontade dos consumidores de mudar de vida, de acordo com as mais-valias que elas podem oferece dentro da sua ideia central. A mudança ocorre com todos – As pessoas respeitam as mudanças das marcas, porque, tal como elas, também as instituições mudam. No entanto, as mudanças devem ter um objectivo e serem lidadas com cautela. Mudar de logótipo não é mudar de atitude ou forma de estar. Um restyling nunca é um rebranding. Source: David Reece on flickr
  37. 37. EU? Source: ClickFlashPhotos on flickr
  38. 38. EU? EU QUERO FAZER PARTE. A democratização dos meios de comunicação e criação de conteúdos, dada a rápida evolução das diversas plataformas tecnológicas, tornou os consumidores mais desejosos de participar nos processos criativos, incluindo na criação de produtos das suas marcas preferidas, de forma a ver satisfeito cada vez mais as suas necessidades específicas. Uma vez que o amador passou a ter meios de produção e comunicação similares aos do profissional, sente que o poder da criação também está ao seu alcance. As marcas deverão incluí-lo e à sua vontade nos seus produtos e comunicações. Source: ClickFlashPhotos on flickr
  39. 39. EU? ESTOU DISPOSTO A PAGAR MAIS POR PRODUTOS CRIADOS ESPECIFICAMENTE PARA MIM CONCORDO – 57% / NÃO CONCORDO – 24% / INDIFERENTE – 18% Notas: Os homens inquiridos (68%) são o grupo que dá mais valor ao produto construído especificamente para si, face às inquiridas do sexo feminino (44%). 39% dos inquiridos com idades compreendidas entre os 31 e os 37 não concordam com a afirmação, contra 16% dos inquiridos com idades entre os 23-30 que escolheram discordar da afirmação. Source: ClickFlashPhotos on flickr
  40. 40. EU? GOSTARIA DE PARTICIPAR MAIS ACTIVAMENTE NO PROCESSO DE CRIAÇÃO DOS PRODUTOS CONCORDO – 52% / NÃO CONCORDO – 18% / INDIFERENTE – 30% Notas: 28% das mulheres afirmam não concordar com esta afirmação, face a 10% dos inquiridos do sexo masculino que também afirmam discordar da mesma. No grupo etário compreendido entre os 23 e os 30 anos, 53% concordam que gostariam de ter uma participação mais activa no processo de criação dos produtos e só 14% a rejeitam esse mesmo papel. Já nos inquiridos de idade compreendida entre os 31 e os 37 anos, essa vontade de participação diminui para os 39% de inquiridos que concordam com a afirmação, sendo que 30% dos mesmos discordam da mesma. Source: ClickFlashPhotos on flickr
  41. 41. EU? INSIGHT. – A maior parte dos inquiridos quer fazer parte das decisões de marca. Os consumidores acham e muitas vezes conseguem – ser tão bons quanto os profissionais e querem ser chamados nos processos de desenvolvimento de produto. – Interactividade e participação é mais relevante junto dos públicos mais novos. – Num mundo massificado, os produtos e serviços feitos à medida ganham relevância. A lógica do long tail nasce da vontade das pessoas em terem soluções construídas à medida de si e da sua tribo. – As pessoas sempre deixaram que as marcas as representem. Agora, querem também ver-- se representados nas marcas – a relação consumidor-marca evoluiu da unilateralidade para a bilateralidade, via interacção. Source: ClickFlashPhotos on flickr
  42. 42. EU? WHAT TO DO? Prosumption – Para algumas marcas, fenómenos como o prosumption – integração do consumidor no processo de desenvolvimento do produto – pode fazer especial relevância, estimulando também a transparência. No entanto, estas dinâmicas de interactividade têm de primar pela simplicidade, não se tornando cansativas. E só fazem sentido se coerentes com a história da marca – se a brand idea é acerca de mistério, o prosumption poderá não fazer tanto sentido. Integre os consumidores nas políticas de comunicação da marca – Dê-lhes a possibilidade de realizar o vídeo da sua campanha, partilhe conteúdo para que eles possam rever e partilhar o seu produto com as suas comunidades, etc. Source: ClickFlashPhotos on flickr
  43. 43. EU? WHAT TO DO? Crowdsourcing – Deixe a sua comunidade e os seus consumidores opinarem e desenvolverem o produto consigo. O universo da marca é o seu maior e mais relevante focus group. E crie laços, dando depois crédito a quem o ajuda a desenvolver a sua marca. Reconheça o seu consumidor – Crie laços com os consumidores, dando crédito a quem o ajuda a desenvolver a sua marca. Mecânicas de reconhecimento do esforço do consumidor são relevantes nestes processos, sejam eles de carácter monetário, através da atribuição de privilégios ou da simples atribuição de reconhecimento. Source: ClickFlashPhotos on flickr
  44. 44. MEIOS? Source: Frederic Poirot on flickr
  45. 45. MEIOS? MENOS INTERRUPÇÕES, MAIS HISTÓRIAS. A publicidade perde cada vez mais relevância, à luz da vontade de ter as coisas feitas e comunicadas à medida do consumidor. Apesar de ser um meio com muito impacto e poder resultar de forma criativa, as pessoas preferem que lhes sejam contadas histórias, que depois são partilhadas entre familiares, amigos, em quem realmente acreditam na mensagem e mesmo através conhecidos e desconhecidos – via redes sociais – já que ainda dessa forma ainda se mantém a humanidade da história. Source: Frederic Poirot on flickr
  46. 46. MEIOS? CONFIANÇA NOS MEIOS NÃO CONFIO CONFIO POUCO CONFIO CONFIO MUITO MENSAGENS PUBLICITÁRIAS 47% 51% 2% 0% MEDIA 15% 69% 16% 0% AMIGOS, FAMILIA E CONHECIDOS 0% 5% 40% 55% BLOGS, REDES SOCIAIS, SITES DA 12% 46% 40% 2% ESPECIALIDADE E FÓRUNS ONLINE Source: Frederic Poirot on flickr
  47. 47. MEIOS? CONFIANÇA NOS MEIOS Sem surpresa, os familiares, amigos e conhecidos são os mais confiados no que diz respeito à mensagem partilhada – 55% dos inquiridos afirmam confiar muito nos mesmos. Os inquiridos consideram que os blogs, redes sociais, sites da especialidade e fóruns online são os segundos meios mais confiados para a transmissão de opiniões sobre marcas e produtos – 40% confiam nesses meios, apesar de 46% dos inquiridos admitirem confiar pouco nos mesmos. Ainda que haja uma diferença assinalável entre a confiança nestes grupos anteriormente referidos, constata-se que os meios de new media têm vantagem, junto destes inquiridos, sobre os media tradicionais, no que diz respeito à obtenção de informação. A publicidade é a menos confiada como veículo de mensagem. Não deixará de ser relevante, até porque a criatividade pode torná-la num esforço de comunicação excepcional, mas não deverá ser utilizada isoladamente, mas antes estar integrada com a restante comunicação e associada a valores profundos – de utilidade, de benefício – para o consumidor. Source: Frederic Poirot on flickr
  48. 48. HÁBITOS?
  49. 49. HÁBITOS? A UTILIDADE TEM VALOR EMOCIONAL. Em tempos de crise, a utilidade e a usabilidade ganham especial relevância nos atributos dos produtos pretendidos pelos consumidores. Tornam-se mais relevantes que valores emocionais. No entanto, a utilidade ela própria pode gerar laços emocionais muito fortes entre o produto e o consumidor.
  50. 50. HÁBITOS? INTENÇÕES DE COMPRA NÃO VALORIZO VALORIZO POUCO VALORIZO VALORIZO MUITO PREÇO 0% 7% 45% 48% UTILIDADE 0% 3% 29% 68% VALOR EMOCIONAL 10% 30% 43% 18% USABILIDADE 0% 2% 43% 55% ESTÉTICA 4% 15% 53% 28% DURABILIDADE 0% 13% 41% 44%
  51. 51. HÁBITOS? INTENÇÕES DE COMPRA Quando inquiridos sobre o que valorizavam mais na escolha de um produto, verificamos que a maioria respondeu preferir a utilidade, seguida da usabilidade, preço e durabilidade respectivamente, sendo que não valorizam, ou valorizam pouco o valor emocional e as qualidades estéticas. Os inquiridos do sexo feminino valorizam mais o preço do que os homens, sendo essa a sua variável preferencial para a compra de um produto.
  52. 52. HÁBITOS? INTENÇÕES DE COMPRA Em ambos os grupos etários, a utilidade é o benefício mais preponderante no acto de compra, mas os benefícios emocionais são mais importantes para os inquiridos compreendidos entre os 23 e os 27 anos de idade. É incorrecto dizer que os consumidores não valorizam a estética – até porque este valor está muitas vezes relacionado com a utilidade e usabilidade de um produto. Mas é relevante notar que as variáveis racionais são mais percepcionadas como mais relevantes que as emocionais. Isto porque é cada vez mais importante para a lógica de consumo do indivíduo justificar a sua opção de compra, de acordo com o aumento do custo de oportunidade da mesma.
  53. 53. PESSOAS?
  54. 54. PESSOAS? Na OAK, estudamos pessoas de forma a sermos relevantes para com as marcas com quem trabalhamos. É a única forma de nos mantermos relevantes enquanto consultores de tendências e marcas. O nosso objectivo com este documento não é ser coerente ou inovador. É tão somente estudar algumas pessoas e partilhar os seus pontos de vista com quem as querem impactar. De nenhuma forma estas conclusões e sugestões devem ser aplicadas linearmente, já que o estudo é limitado. O objectivo é simplesmente apresentar uma série de possibilidades, ideias, caminhos, que cada marca deve filtrar segundo o seu posicionamento, target, personalidade. Mas esperamos que funcione pelo menos como um lembrete de que as marcas não pertencem aos marketeers, mas às pessoas que as consumem, que as rejeitam, que as escolhem e que as partilham.
  55. 55. MAIS INFORMAÇÕES? FALE CONNOSCO. 
 E-mail pedro.rocha@oak-brands.com / Telefone 935 094 597 / Skype oak.brands www.oak-brands.com

×