Ditadura na argentina

580 visualizações

Publicada em

São 31 slides (Tirando as referências e capa), mostrando um histórico da política da argentina, focando principalmente na ditadura da argentina

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
580
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ditadura na argentina

  1. 1. ARGENTINA “Unámonos y no seremos bocado de la subversión”
  2. 2. GRUPOS POLÍTICOS A Argentina possuía uma Oligarquia Conservadora, que era composta em sua maioria de Latifundiários, que governam o país entre 1880 e 1916. Após 1916, um novo tipo de governo saiu, a “União Cívica Radical” (U.C.R.), que era composta por setores médios urbanos descendentes de Imigrantes. Eles não eram simpáticos ao sindicalismo dos anos 20 e governaram o país entre 1916 a 1930.
  3. 3. OS ANOS 20 São fundados três organizações: • Partido Comunista Argentino • Liga Patriótica • Ação Católica E em 1929 cria-se A “Central Geral dos Trabalhadores Argentinos” (CGT), Fusão das organizações anteriores.
  4. 4. A DÉCADA INFAME Em 1932, liderado por conservadores o governo da UCR é derrubado por meio de um Golpe de Estado(militar). Com isso muitos direitos trabalhistas alcançados foram reduzidos. Governaram o país durante 1932-1942, que foi marcada pelas fraudes eleitorais que prorrogam um Governo Conservador até 1943.(República Conservadora) Durante esse Governo houve uma divisão entre os militares Argentinos: • Pro-fascistas: Grêmio de Oficiais Unidos(G.O.U.) • Anti-fascistas: ligados aos exportadores.
  5. 5. GOLPE MILITAR DE 1943 Em 1943 os Pró-Facistas, entram no governo por meio de um golpe de estado, ela era caracterizado por ser: • Anti-oligárquico (dissolução dos partidos políticos) • Anti-liberal (Limita a ação dos sindicatos) • Anti-comunista (Intervenção na Imprensa e nas Universidades) Eles propunham a modernização industrial, guerra e defesa e investimentos na Indústria.
  6. 6. REPÚBLICA DAS MASSAS Agora A Argentina recebe um novo um tipo de governo, governado pelo Coronel Juan Domingos Perón (Ministro da Guerra) e dentre as mudanças deste governo, estão: • A inclusão de sindicatos para dentro do governo: os Rurais e os Urbanos • Aumento dos salários, • instituiu o 13º salário. • Aposentadorias, férias e garantias nos acidentes de trabalho. E em1945 alcançou a 6ª posição de renda per capita do Mundo
  7. 7. REPÚBLICA DAS MASSAS Para o governo de Perón ficar mais forte, ele permitiu o aumentou de filiados nos sindicatos. CGT em 1945: 500 mil filiados CGT em 1949: 1,9 milhões de filiados CGT em 1954: 2,3 milhões de filiados
  8. 8. NOVO ORDENAMENTO AO GOVERNO Apoiado por: A Igreja católica pelo seu discurso anticomunista e concessões na área educacional. Pelo exército, pela liderança e contenção do movimento operário e pelo discurso nacionalista. Apoiado pelos operários pelas concessões trabalhistas instituídas. Sofre oposição de: Dos sindicatos não peronistas, sobretudo os comunistas e socialistas Parte do Exército que preferiria ver a Argentina no lado aliado, e não no lado do Eixo Roma-Berlim-Tóquio.
  9. 9. O GOLPE DE MESTRE Em Março de 1945, na iminência da derrota da Alemanha, a Argentina declara Guerra ao Eixo. Perón é destituído do cargo, mas solicita permissão para um discurso de despedida que anunciava • Aumentos escalares do salário mínimo • Participação dos trabalhadores nos Lucros das empresas • Aumentos das indenizações nas demissões Ele foi preso, porém recebe o apoio popular insuflado por sua esposa, Evita, que através do Rádio, convoca uma greve geral e Com apoio total da CGT em 17 de outubro de 1945 se tornou o dia do Peronismo.
  10. 10. A VITÓRIA DE PERÓN NAS URNAS: JUSTICIALISMO Após o coronel Juan Domingos Perón ser destituído de sue cargo, sua esposa Evita Perón se candidata, e ela ganha nas eleições e cria novos direitos a população
  11. 11. A VITÓRIA DE PERÓN NAS URNAS: JUSTICIALISMO • Justiça social (através do assistencialismo) • Previdência, escola publica, casas... • Independência Econômica • Soberania Nacional • Industrialização • Política Externa independente • Distributivismo • Harmonia entre as classes • Nacionalizou, ferrovias, telefones bondes e gás minérios, petróleo e carvão.
  12. 12. OS 9 ANOS DE SEU GOVERNO Após a segunda Guerra Mundial os países exportadores de gêneros primários tinham muitos créditos a receber, estes estoques de dinheiro facilitaram as importações de industrializados e impulsionamram o mercado consumidor argentino; A recuperação econômica européia se consolida após os efeitos do plano Marshall e os latinos como um todo, passam a ver suas reservas de créditos serem esgotadas nas transferências pelos déficits de balança comercial (importações maiores que as exportações). Economicamente o governo nunca se sustentou, manteve-se com as reservas obtidas com as exportações durante a 2ª Guerra.
  13. 13. A MORTE DE EVITA Evita morre de câncer em 1952 aos 33 anos Mesmo com a morte de Evita o governo de Perón é reeleito em 1951 com 64% dos votos, Pórem seu segundo mandato é economicamente um fiasco que levou a redução das exportações e ao FMI, empréstimos. Renuncia para não ser deposto em 1955. O corpo de Eva some. Exílio – vários países latinos e depois, Espanha. Só retorna em 1973 diante dos distúrbios contra os militares entre 1969 e 1972. Os montoneros exigem seu retorno.
  14. 14. GOVERNOS PÓS PERÓN: 1958 - 1973 • 1958/62: ArturoFrondizi, deposto • 1963/66 Arturo Ilia, eleito com ¼ dos votos, deposto. • NOVO GOLPE MILITAR: Junho De 1966 • 1966/70 General Carlos Ongânia (crise) • 1970/71 General Roberto Levingson (abertura) • 1971/73 General Alessandro Lanusse (transição) • Desnacionalização da Economia. • Abertura a capital estrangeiro (petróleo). • Devolução das empresas confiscadas. • Desnacionalização das empresas. • Empréstimos com o FMI e Banco Mundial e enfretamentos com o movimento operário (CGT peronista). • Deteriorização das conquistas pela inflação.
  15. 15. O ANO DE 1969: OS MOVIMENTOS SOCIAIS E A ABERTURA PARA O RETORNO DE PÉRON • O Cordobazo aconteceu em maio de 1969, sendo o motim de estudantes e trabalhadores da indústria automobilística. • Economicamente ,no início dos anos 70 deveriam ser pagos os empréstimos, porém houve redução nas exportações; • Crise social e na balança de pagamentos • O Governo Militar acusa a influência Cubana.(sentido da guerra fria)
  16. 16. O ANO DE 1969 OS MONTONEROS: DUAS INTERPRETAÇÕES • Peronismo Armado • Uma guerrilha peronista Movimento de caráter: • Nacionalista, • Católico, • Conservador das tradições Argentinas;
  17. 17. OS MONTONEROS: 1ª AÇÃO A primeira ação dos montoneros foi sequestrar o General Aramburu que havia deposto Perón em 1956 e expatriado o corpo de Evita para local desconhecido (O corpo só voltou para Argentina em 1974). Em Maio de 1970, foi organizada uma ação armada de esquerda contra o governo militar. O que fez a Argentina ficar divida entre a Abertura ou a Luta Armada que provocaria uma guerra civil.
  18. 18. O RETORNO DE PERÓN -1973 • Perón é o trunfo dos militares para conter a esquerda • 25 de março de 1973 eleições livres. • Abertura política consolidada na posse de héctor campora • “campora no governo, perón no poder” • Péron voltou de seu exílio na espanha, e câmpora renunciou (com 48 dias de governo). Perón foi eleito presidente nocamente tendo como vice, sua segunda esposa, isabelita.
  19. 19. A MORTE DE PERÓN Perón promete um governo de 9 meses de sonhos de retorno a prosperidade. Com sua morte repentina de em Julho de 1974 (78 anos ), Isabelita, assume como Presidenta. Em março de 1976 ela é deposta por meio de um golpe militar.
  20. 20. DITADURAS DE 1976/1983 • Jorge Videla 1976/1981 – Causou a morte de mais de 30 mil civis e a tortura de 100 mil em 9 anos. • Roberto Viola 1981. • Leopoldo Galtieri 1981/82 – Responsavel pela guerra das Malvinas • Reynaldo Bignone 1982/83 – Devolveu o poder ao Civis.
  21. 21. O CANAL DE BEAGLE • O Conflito de Beagle envolveu uma região que divide a Argentina e o Chile na Terra do Fogo, o Estreito de Beagle. • Em 1900, Chile e Argentina assinaram um acordo sobre o Canal de Beagle: a "Paz de los estrechos". Entretanto, mesmo depois da assinatura deste tratado, sempre discutiram seus limites sobre o emaranhado de ilhas que cercam o canal, considerando além do aspecto geográfico (dividindo os oceanos atlântico e pacífico e dando acesso à Antártida), os recursos naturais ali existentes (urânio e petróleo). • Em 1977, a Inglaterra preparou um laudo arbitral que considerou chilenas as ilhas, abrindo para este país o acesso ao oceano Atlântico. Esse laudo quase levou os dois países a guerra em 1978, pois a arbitragem foi repudiada pela Argentina. • Em 1978, a questão foi submetida à mediação do Papa João Paulo II, ficando o Chile com as ilhas Nueva, Picton e Lennox, além de controlar o canal de Drake e a Argentina passou a controlar o mar territorial Atlântico e seus recursos pesqueiros e petrolíferos. Atualmente, essa questão não apresenta problemas.
  22. 22. O CANAL DE BEAGLE
  23. 23. ILHAS MALVINAS • O regime já estava desgastado, especialmente pela crise econômica a que arrastara o país • ataque às ilhas foi uma forma de estimular o nacionalismo dos argentinos, angariando simpatias ao governo do general Leopoldo Galtieri e canalizando os descontentamentos para um inimigo externo, no caso os ingleses.
  24. 24. ILHAS MALVINAS
  25. 25. RAUL ALFONSIN 1983/ 1989 Desenvolveu o Plano Austral em1985 para: • pagar a dívida externa • conter a inflação • Congelar os Preços e salários como medida de resolução dos problemas econômicos. Ele também tomou medidas como: • Troca da Moeda. Peso pelo Austral. • Congelamento da economia: Recessão e endividamento externo. Ele foi o único na América Latina a ter enfrentado a questão militar de frente: Julgamento e prisões Enfrentou os Levantes dos “Cara Pintadas” e diminuiu o número de processos contra os militares.
  26. 26. CARLOS MENEN 1989/1999 1º Mandato: Realizou algumas medidas como: • Privatizações do que havia sobrado (energia, Petróleo e Telefonia 1992) • Desvalorização da moeda – depois paridade 1 para 1. • Reajuste de tarifas Públicas • Redução da emissão de moeda • Corte de TODOS os subsídios e investimentos estatais • Redução das tarifas para produtos dos EUA, boicote ao Mercosul; • Conquista a redução da inflação de 200% ao mês para 10% ao mês • Dolarização espontânea da economia( produtos cotados e comercializados em dólar) que se tornou oficial com a paridade cambial (fevereiro de 1990)
  27. 27. CARLOS MENEN 1989/1999 2º Mandato:1995 / 2000 • Mudanças na Constituição para lhe permitir um 3 º mandato. • Escândalos de corrupção • Escândalos por contrabando de armas para a Croácia. • Em 1999, quando o Brasil desvaloriza o real, os produtos Argentinos ficam mais caros e perdem competitividade no Mercosul. • Quebra de empresas e desemprego atinge 20% Ele perdeu as eleições legislativas e não terminou o seu mandato, renunciando.
  28. 28. FERNANDO DE LA RUA (UCR) 2000/01 • país em recessão • alto desemprego e fim dos benefícios trabalhistas votados pelo Senado • cancelamento de pensões e aumento da idade para a aposentadoria • Insatisfação popular: em protesto os sindicatos páram o país. • FMI libera 40 bilhões de dólares para a blindagem da economia argentina • Saem 9 Ministros (fim da aliança com a Frepaso) e Domingo Cavallo novamente é chamado para ocupar o cargo de Ministro da Economia • Menem é preso por contrabando de armas para a Croácia • Cavallo: atropela acordos do Mercosul, perda de dólares, troca de títulos; trabalhadores e sindicatos peronistas param o país. • Junho/2001: corte salarial dos funcionários públicos; elevação dos impostos • Outubro/2001: novo acordo com o FMI (8 bilhões de dólares empréstimos). • - Eleições: vencidas pela oposição • Renuncia em 20 de Dezembro de 2001,o Pior natal que um argentino já teve
  29. 29. OS GOVERNOS DA CRISE • 1999 - 2001 Fernando de la Rúa • 2001 Ramón Puerta (interino) • 2001 Adolfo Rodríguez Saá (interino) • 2001 - 2002 Eduardo Camaño (interino) • 2002 - 2003 Eduardo Alberto Duhalde • 2003 - 2007 Néstor Carlos Kirchner
  30. 30. NÉSTOR KIRCHINER MAIO DE 2003 /JAN 2008 • Revogação da anistia dos militares ( lei do ponto final) perdoados por Menem. • Crescimento de 9% ao ano, com fortes reduções dos índices de pobreza e desemprego, embora continuem altos. • liberou o país das inspeções e dos planos de ajuda do Fundo Monetário Internacional (FMI), • Pagamento da dívida de quase US$ 9 bilhões com o FMI. • promoveu a reabertura dos julgamentos contra dezenas de militares e policiais por crimes de lesa humanidade durante a última ditadura. • Elegeu sua esposa como sua sucessora e a empossou em (2007/2011) • Era candidato a suceder sua esposa quando morreu.
  31. 31. CRISTINA KIRCHINER • Puniu militares que atuaram durante a Ditadura Militar Argentina • Nacionalizou empresas ( Petróleo, Aviação) • Política externa independente. • Reduziu a pobreza e a inflação, aumentou empregos alterando dados do INDEC • E realizou Julgamentos dos líderes da ditadura de 1976
  32. 32. JULGAMENTOS • 1985: Em um julgamento contra as juntas militares que governaram a Argentina durante a ditadura, Videla foi condenado à prisão perpétua • 1990: O então presidente Carlos Menem concede um indulto a Videla • 1998: Apesar do indulto, o militar retorna à prisão por crimes que ficaram de fora da anistia concedida por Menem: o sequestro de bebês nascidos na prisão e a Operação Condor, uma aliança envolvendo países do Cone Sul – incluindo Brasil e Argentina - para eliminar líderes da esquerda. • 2007: A Corte Suprema da Argentina determina que o indulto de 1990 é inconstitucional • 2008: Videla é transferido para uma prisão militar próxima a Buenos Aires, após a Justiça revogar uma autorização para que ele cumprisse sua pena em prisão domiciliar, por causa da sua idade • 2010: Em um julgamento em Córdoba, é condenado à prisão perpétua em prisão comum por crimes contra a humanidade, entre os quais fuzilamento de dissidentes em 1976, além de diversos casos de sequestros e torturas • 2012: Condenado a 50 anos de prisão por seu "plano sistemático de roubar bebês", filhos de dissidentes desaparecidas
  33. 33. INFORMAÇÕES ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER CURSO TECNICO EM MEIO AMBIENTE PROFESSORA PATRICIA REALIZAÇÃO: ALYSON SOUTO, VINICIUS NYRRADLEY, WINICIUS MELLO Arenápolis, Maio de 2015
  34. 34. REFERÊNCIAS • Argentina, Civilização e Bárbarie – Francisco Viana. Editora Atual , 1990 • História Contemporânea da Argentina –Luiz Alberto Romero. Jorge Zahar Editor.2006 • BBC • Folha de São Paulo • Wikipedia • Professor Jorge Brandão • Professora

×