Diuréticos 
Disciplina de Enfermagem Clínica 
Professores: Rubens Pereira 
Pollyana R. Gama 
Vassouras, 07 de Abril de 200...
5º. Período de Enfermagem 
Acadêmicos 
Neuza Pinto Furtado 
Patricia Crispim de Barros 
Luciana Maria dos Santos 
Valdete ...
Introdução 
Denomina – se diurético as substâncias que são capazes de 
aumentar a produção de urina. A água quando é inger...
Diuréticos 
São drogas que aumentam a excreção de sódio e 
de água do corpo através de uma ação sobre os 
rins. Seus efeit...
Diuréticos 
 Os diuréticos, de uma maneira geral, são classificados de acordo 
com o local, no rim, onde atuam, o que exi...
Cuidados gerais de Enfermagem 
 Os diuréticos devem ser administrados preferencialmente pela manhã, 
para que a diurese r...
. 
.
. 
.
Classificação dos Diuréticos 
 Diuréticos de Alça – São os mais poderosos de todos os 
diuréticos, capazes de provocar a ...
Furosemida 
 Assistência de Enfermagem 
 Administrar VO nas refeições para evitar 
desconforto GI 
 Administrar pela ma...
Furosemida 
A furosemida é um diurético de alça, sendo 
que os fármacos deste grupo são 
considerados os diuréticos mais p...
Furosemida 
 Apresentação - Comprimido de 20 e 40 mg, 
envelope com 20 e 40 mg, e em solução 
injetável de 2 ml. 
 Mecan...
Furosemida 
 Eliminação - A via de eliminação é renal, 
sendo excretado pela urina em 6 a 8 horas 
 Níveis sangüíneos – ...
Furosemida 
 Indicações – Edema : VO dose inicial 20 a 80 mg/dia em dose 
única. Se necessária a segunda dose, aumentar d...
Assistência de Enfermagem 
 Monitorizar o balanço hídrico, peso diário, hidratação, função 
hepática 
 atentar para que ...
Benzotiazídicos 
 Benzotiazídicos – possuem moderada potência, baixa toxicidade e 
atuam ao nível de segmento de diluição...
Hidroclorotiazida 
 Apresentação - Comprimido de 12,5 e de 
25 mg e 50 mg 
 Mecanismo de Ação –inibe a reabsorção 
de só...
Hidroclorotiazida 
 Indicação - É indicado na hipertensão 
arterial, edema ( 25 a 50 mg/dia 
inicialmente), doença renal ...
Hidroclorotiazida 
 Efeitos adversos 
 SNC: tontura, parestesia, fraqueza, cefaléia, sonolência, fadiga; 
 SCV: hipoten...
Hidroclorotiazida 
 Contra - indicação - Seu uso será contra - 
indicado nos indivíduos sensíveis às 
sulfonamidas 
 Iní...
Hidroclorotiazida 
 Assistência de Enfermagem 
 Se ocorrer desconforto GI, utilizar nas refeições 
 Para evitar distúrb...
Hidroclorotiazida 
 Nome comercial – Diclotride, Clorana, 
Diurepina, Diurezin, Drenol, 
Hidroclorotiazida 
 Via de Admi...
Espironolactona 
 A espironolactona possui ação diurética limitada. Trata – se de um 
antagonista da aldosterona, um mine...
Espironolactona 
 Apresentação - Comprimido de 25mg e de 100mg 
 Mecanismo de Ação - É um antagonista sintético da aldos...
Espironolactona 
 Indicação - Indicado em casos de hipertensão em 
combinação com diuréticos tiazídicos e em casos de ede...
Espironolactona 
 Contra – indicação - É contra - indicada para pacientes com 
hiperpotassemia e para queles com maior ri...
Espironolactona 
 Níveis sangüíneos – 2 a 4 horas 
 Nome comercial - Aldactone 
 Vias administração – oral
Osmóticos 
 São substancias farmacologicamente inertes, filtrados no 
glomérulo, mas que sofrem reabsorção incompleta ou ...
Manitol 
 Apresentação – frasco de 250 ou 500 ml 
 Mecanismo de ação – aumenta a filtração 
glomerular, na qual diminui ...
Manitol 
Reações adversas 
 SNC:tontura, cefaléia, convulsão, visão turva 
 SGI: náusea, anorexia, boca seca, sede 
 SG...
Manitol 
 Contra – indicações – em paciente 
hipersensível à droga, anúria em 
insuficiência renal aguda, congestão 
pulm...
Manitol 
 Cuidados de Enfermagem 
 Não administrar manitol e sangue. Se for 
necessário adicionar no mínimo 20 mEq de 
c...
Inibidores da anidrase carbônica 
 Atuam sobre o túbulo proximal, causando 
aumento na excreção de bicabornato, 
acompanh...
Acetazolamida 
 Apresentação: comprimido de 250 mg, frasco – 
ampola de 250, 500 e 1000 UI 
 Mecanismo de ação: um inibi...
Acetazolamida 
 Glaucoma secundário de ângulo fechado 
Administrar em adultos VO 250 mg 4/4 horas ou 
250 mg 2 x ao dia; ...
Acetazolamida 
 Reações adversas 
 SNC: sonolência, parestesia, confusão 
 SGI: náusea, vômito, anorexia, gosto alterad...
Acetazolamida 
 Contra – indicações 
 Contra – indicado em pacientes na terapia 
prolongada para glaucoma não congênito ...
Acetazolamida 
 Assistência de Enfermagem 
 Orientar o paciente para não interromper o tratamento 
medicamentoso, mesmo ...
Assistência de Enfermagem 
O enfermeiro deve estar apto para perguntar bem como 
ouvir o paciente, devendo antes de entreg...
Considerações finais 
Como observado neste trabalho, os diuréticos são 
medicamentos (drogas) que tem por função aumentar ...
Bibliografia 
 RANG; H. P. – Farmacologia. Editora Guanabara 
Koogan, 4ª. Edição, 2001; 
 ASPERHEIM; Mary Kaye – Farmaco...
Obrigado pela atenção 
.
Diuréticos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Diuréticos

1.650 visualizações

Publicada em

Farmacologia, Diureticos

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Diuréticos

  1. 1. Diuréticos Disciplina de Enfermagem Clínica Professores: Rubens Pereira Pollyana R. Gama Vassouras, 07 de Abril de 2008
  2. 2. 5º. Período de Enfermagem Acadêmicos Neuza Pinto Furtado Patricia Crispim de Barros Luciana Maria dos Santos Valdete Moraes Wallas Bastos
  3. 3. Introdução Denomina – se diurético as substâncias que são capazes de aumentar a produção de urina. A água quando é ingerida se torna útil para que possa ocorrer a eliminação de substâncias tóxicas que possam trazer danos renais. Clinicamente falando, são considerados diuréticos somente os medicamentos capazes de produzir um balanço negativo de líquido no espaço extracelular. Estes são de extrema importância na ação sobre a excreção dos eletrólitos. Os diuréticos formam um grupo indispensável de agentes terapêuticos que são utilizados a fim de ajustar o volume ou a composição dos líquidos corporais em várias situações clínicas, incluindo hipertensão, insuficiência cardíaca, insuficiência renal, síndrome nefrótica e cirrose. Neste trabalho, serão abordados os diuréticos presentes na Atenção Básica de Saúde aqui no Brasil.
  4. 4. Diuréticos São drogas que aumentam a excreção de sódio e de água do corpo através de uma ação sobre os rins. Seus efeito primário consiste em diminuir a reabsorção de sódio e de cloreto do filtrado, sendo o aumento da perda de água secundário à excreção aumentada de sal. Isso pode ocorrer: *através de uma ação direta sobre as células do néfron *ao modificar indiretamente o conteúdo do filtrado
  5. 5. Diuréticos  Os diuréticos, de uma maneira geral, são classificados de acordo com o local, no rim, onde atuam, o que exige do médico um bom conhecimento da anatomia e fisiologia renal (Figura 1). Na alça de Henle, atuam os diuréticos de alça, a furosemida, a bumetamida e o ácido etacrínico; no túbulo contornado distal, os tiazídicos, a clortalidona e a metolazona; no duto coletor cortical, a amilorida e o triamtereno e no duto coletor medular, a espironolactona.  Outros diuréticos, como os inibidores da anidrase carbônica e os diuréticos osmóticos (manitol, em particular), atuam nas porções iniciais do nefron (glomérulo, túbulo contornado proximal) e são menos utilizados. Também aqueles diuréticos que afetam a hemodinâmica renal (cardiotônicos, vasodilatadores) e que aumentam o fluxo plasmático renal efetivo, têm que ser lembrados, embora não sejam usados a não ser em situações especiais.
  6. 6. Cuidados gerais de Enfermagem  Os diuréticos devem ser administrados preferencialmente pela manhã, para que a diurese resultante não interfira no repouso noturno do paciente  Manter – se um registro de ingesta e de secreção, uma vez que o paciente pode perder um grande volume de líquido após uma única dose de um determinado dirético  Como base para avaliar a eficácia da terapêutica, os pacientes que recebem medicamentos diuréticos são pesados diariamente na mesma hora. Além disso, examina – se o turgor da pele com vistas a evidências de edemas ou desidratação. Também deve se monitorar a freqüência do pulso.  A dosagem será determinada pelo peso diário do paciente, pelos achados físicos e por seus sintomas.  A avaliação periódica dos eletrolitos alertará para a hipotassemia e a hiponatremia  Profilaxia da hipopotassemia – ingesta de alimentos ricos em potássio (pêssegos, bananas, espinafre)
  7. 7. . .
  8. 8. . .
  9. 9. Classificação dos Diuréticos  Diuréticos de Alça – São os mais poderosos de todos os diuréticos, capazes de provocar a excreção de 15 – 25 % do sódio existente no filtrado. São denominados diuréticos de alto limiar, provocando um fluxo torrencial de urina. Seus principais exemplos são a Furosemida, a Bumetanida, a Piretanida, a Torasemida e o ácido etacrínico. Estes atuam principalmente na alça de Henle, inibindo o transporte de cloreto de sódio para fora do túbulo e para o interior do tecido intersticial ao inibir o transportador Na+/K+/2Cl- na membrana luminal. A furosemida, a bumetanida, a torasemida e a piretanida exercem efeito inibidor direto sobre o transportador, atuando sobre o sítio de ligação do cloreto.
  10. 10. Furosemida  Assistência de Enfermagem  Administrar VO nas refeições para evitar desconforto GI  Administrar pela manhã pois aumenta a eliminação de urina  Proteger a droga da luz porque pode causar descoloração; se esta ocorrer, não usar a droga  Não usar a droga diluída após 24 horas
  11. 11. Furosemida A furosemida é um diurético de alça, sendo que os fármacos deste grupo são considerados os diuréticos mais potentes de uso oral, tendo ação sobre a alça de Henle, agindo no ramo descendente desta, bloqueando a reabsorção de sódio e de cloro juntamente com o cloro e o sódio, ocorre também maior eliminação de de potássio.
  12. 12. Furosemida  Apresentação - Comprimido de 20 e 40 mg, envelope com 20 e 40 mg, e em solução injetável de 2 ml.  Mecanismo de Ação - Inibe o transporte de sódio, potássio e cloro da luz da membrana no ramo descendente da alça de Henle. Possui ação rápida, mesmo em pacientes com função renal diminuída. Também inibe a reabsorção de cálcio.
  13. 13. Furosemida  Eliminação - A via de eliminação é renal, sendo excretado pela urina em 6 a 8 horas  Níveis sangüíneos – VO ocorre em 60 a 120 minutos; IV e IM em 30 minutos  Nomes comerciais – Lasix, Furesin, Furosemida, hidroclorotiazida, Neosemid, Rovelan, Uripax  Via de Administração - Via Oral, IV e IM
  14. 14. Furosemida  Indicações – Edema : VO dose inicial 20 a 80 mg/dia em dose única. Se necessária a segunda dose, aumentar de 20 a 40 mg/dia de 6/6 a 8/8 horas; IV e IM de 20 a 40 mg. Edema agudo de pulmão: IV 40 mg lentamente; se a resposta for insatisfatória, aumentar para até 80 mg. Na hipertensão, VO iniciar dose inicial em 2 mg/kg; se necessário, 1 a 2 mg/kg de 6/6 a 8/8 horas. Não exceder a 6 mg  Efeitos adversos - Poderá ocorrer ototoxicidade, hiperuricemia, hipovolemia aguda e depleção de sódio e potássio corporal.  Contra – indicação - É contra - indicado a sua utilização em casos de depleção grave de sódio e de volume, hipersensibilidade ás sulfonamidas, anúria que não responde a uma dose - teste deste diurético.
  15. 15. Assistência de Enfermagem  Monitorizar o balanço hídrico, peso diário, hidratação, função hepática  atentar para que não ocorra distúrbio hidroeletrolítico  Observar para sinais de hipocalemia, como fraqueza e cãibra muscular  Monitorizar a glicose quando o paciente for diabético  Observar em pacientes idosos achados como excessiva diurese, complicações tromboembolíticas (este grupo é suscetível)  Orientar o paciente para se levantar lentamente a fim de evitar hipotensão postural  Orientar o paciente para sinais de toxicidade: zumbido, dor abdominal, dor de garganta e febre  IV: armazenar em temperatura ambiente e proteger da luz. Diluir em soro glicosado 5%. Infundir lentamente por 2 a 3 minutos.
  16. 16. Benzotiazídicos  Benzotiazídicos – possuem moderada potência, baixa toxicidade e atuam ao nível de segmento de diluição na alça de Henle e em porções do túbulo distal  Ação – envolve 2 mecanismos: bloqueador da anidrase carbônica e atuação nos túbulos renais impedindo a reabsorção de sódio, cloro, potássio e bicarbonato  Inibem a reabsorção de sódio acompanhada pelo cloreto no início do túbulo distal, resultando em 5 a 10% de sódio no filtrado excretado  Possuem também ação anti – hipertensiva, o que se deve inicialmente devido à perda de água e sódio e a diminuição subseqüente dos compartimentos extracelular e vascular  Possui ação direta sobre os vasos (em sua musculatura lisa) provocando diminuição de resposta aos estímulos das catecolaminas.
  17. 17. Hidroclorotiazida  Apresentação - Comprimido de 12,5 e de 25 mg e 50 mg  Mecanismo de Ação –inibe a reabsorção de sódio no túbulo distal, aumentando a excreção de sódio e água pelo rim.  Efeito – se inicia em 2 horas
  18. 18. Hidroclorotiazida  Indicação - É indicado na hipertensão arterial, edema ( 25 a 50 mg/dia inicialmente), doença renal insuficiência renal crônica e hipertensão arterial (25 mg/dia em dose única; 25 mg 2 x ao dia ou 50 mg em dose única)
  19. 19. Hidroclorotiazida  Efeitos adversos  SNC: tontura, parestesia, fraqueza, cefaléia, sonolência, fadiga;  SCV: hipotensão postural, trombose venosa, dor torácica;  SGI: náuseas, vômitos, anorexia, boca seca, diarréia, constipação  SGU: hipotassemia, poliúria, noctúria, impotência, perda da líbido  Sistema hematopoético: leucopenia, trombocitopenia, agranulocitose, anemia aplásica, neutropenia  Pele: fotossensibilidade, rash, púrpura, dermatite esfoliativa  Outros: cãibras musculares, espasmos musculares, febre, gota, rubor, perda de peso.
  20. 20. Hidroclorotiazida  Contra - indicação - Seu uso será contra - indicado nos indivíduos sensíveis às sulfonamidas  Início do efeito: 2 horas  Eliminação - Se dá através da urina, não sendo alterado pelo fígado de 6 a 12 horas  Níveis sangüíneos – 4 a 6 horas
  21. 21. Hidroclorotiazida  Assistência de Enfermagem  Se ocorrer desconforto GI, utilizar nas refeições  Para evitar distúrbios do sono, administrar pela manhã pois aumenta a eliminação de urina  Pesar o paciente diariamente  Monitorizar eletrólitros e balanço hídrico  Orientar o paciente para sinais de hipocalemia, como fraqueza e cãibra muscular  Orientar o paciente idoso que ele é mais suscetível a excessiva eliminação de urina  Orientar o paciente para usar protetor solar para evitar sensibilidade ao sol
  22. 22. Hidroclorotiazida  Nome comercial – Diclotride, Clorana, Diurepina, Diurezin, Drenol, Hidroclorotiazida  Via de Administração - Via oral
  23. 23. Espironolactona  A espironolactona possui ação diurética limitada. Trata – se de um antagonista da aldosterona, um mineralocorticóide que compete pelos receptores intracelulares de aldosterona nas células do túbulo distal. O complexo espironolactona – receptor aparentemente não se fixa ao DNA, e não ocorrem os processos subseqüentes de transcrição, tradução e produção de proteínas mediadoras. O resultado consiste em inibição da ação de retenção de sódio da aldosterona, com redução concomitante no seu efeito sobre a sécreção de potássio. A espironolactona exerce ações subsidiárias ao reduzir a secreção de íons de hidrogênio, bem como a excreção de ácido úrico. A espirolactona é bem absorvida pelo trato gastrintestinal. Sua meia – vida plasmática é de apenas dez minutosa, porém o seu metabólito ativo, a canrenona, possui meia – vida plasmática de 16 horas. Acredita – se que a ação da espirolactona seja devida, em grande parte, mas não totalmente. O início da ação é muito lento, exigindo vários dias para manifestar – se.
  24. 24. Espironolactona  Apresentação - Comprimido de 25mg e de 100mg  Mecanismo de Ação - É um antagonista sintético da aldosterona que compete com a mesma pelos sítios receptores citoplasmáticos intracelulares. O complexo receptor espironolactona é inativo, isto é, ele previne a translocação do complexo receptor em direção ao núcleo da célula - alvo e, dessa maneira não ocorre a união junto ao DNA. Isto resulta na ausência de produção de proteínas que são normalmente sintetizadas em resposta à aldosterona. Estes mediadores de proteínas normalmente estimulam os locais de troca de sódio e potássio do túbulo coletor. Assim, a falta de proteínas mediadoras impede a reabsorção de sódio e a conseqüente eliminação de K+ e H+.
  25. 25. Espironolactona  Indicação - Indicado em casos de hipertensão em combinação com diuréticos tiazídicos e em casos de edema  Efeitos adversos - Pode causar hiperpotassemia potencialmente fatal. Pode também induzir à acidose metabólica nos pacientes cirróticos. Pode causar dentre outros efeitos adversos ginecomastia, impotência, redução da libido, hirsutismo, engrossamento da voz e irregularidades menstruais, podendo também induzir a diarréia, gastrite, sangramento gástrico e úlceras pépticas. No SNC poderá causar ainda sonolência, letargia, ataxia, confusão e cefaléia. Na pele provoca erupções cutâneas.
  26. 26. Espironolactona  Contra – indicação - É contra - indicada para pacientes com hiperpotassemia e para queles com maior risco de desnvolver hiperpotassemia, devido à doença ou administração de outros medicamentos, sendo contra - indicada em pacientes com úlceras pépticas e com neoplasias.  Eliminação - É parcialmente absorvida, sofrendo metabolismo extenso, sendo submetida à recirculação êntero - hepática, sendo altamente ligada às proteínas e tem uma meia - vida curta de cerca de 1,4 hora. É um dos únicos diuréticos que não precisa atingir a luz tubular para induzir diurese.
  27. 27. Espironolactona  Níveis sangüíneos – 2 a 4 horas  Nome comercial - Aldactone  Vias administração – oral
  28. 28. Osmóticos  São substancias farmacologicamente inertes, filtrados no glomérulo, mas que sofrem reabsorção incompleta ou não são reabsorvidos de forma alguma pelo néfron.  Podem ser administrados em quantidades grandes o suficiente para constituírem uma fração considerável da osmolaridade plasmática  Seu principal efeito no interior do néfron é exercido sobre as partes permeáveis à água – o túbulo proximal, o ramo decendente da alça e os túbulos coletores.  O principal efeito dessa classe de diuréticos é aumentar a quantidade de água excretada, com aumento relativamente menor na excreção de sódio. Não são úteis no tratamento de patologias por retenção de sódio  Geralmente são administrados por via IV
  29. 29. Manitol  Apresentação – frasco de 250 ou 500 ml  Mecanismo de ação – aumenta a filtração glomerular, na qual diminui a reabsorção de água e aumenta a excreção de sódio. Aumenta a osmoralidade do plasma. Provoca diurese osmótica  Nível sangüíneo: 1 hora  Eliminação: 2 horas por via renal  Indicação: prevenção de oligúria: 250 ml a 20 %; redução; diurético: 500 ml a 20 %
  30. 30. Manitol Reações adversas  SNC:tontura, cefaléia, convulsão, visão turva  SGI: náusea, anorexia, boca seca, sede  SGU: retenção urinária  SCV: hipotensão, hipertensão, edema, trombocitopenia, taquicardia, dor no peito  Sistema hematológico: distúrbios hidroeletrolítico  Sistema respiratório: congestão pulmonar, rinite  Pele: urticária
  31. 31. Manitol  Contra – indicações – em paciente hipersensível à droga, anúria em insuficiência renal aguda, congestão pulmonar, sangramento intracraniano (exceto durante craniotomia) desidratação, ICC
  32. 32. Manitol  Cuidados de Enfermagem  Não administrar manitol e sangue. Se for necessário adicionar no mínimo 20 mEq de cloreto de sódio para cada litro de manitol  Pode ocorrer cristalização do manitol em baixa temperatura. Se ocorrer cristalização, aquecer a solução em banho – maria; após esfriar o manitol em temperatura ambiente  Relatar alterações neurológicas  Nome comercial: Manitol 20 %
  33. 33. Inibidores da anidrase carbônica  Atuam sobre o túbulo proximal, causando aumento na excreção de bicabornato, acompanhado de sódio, potássio e água, com conseqüente fluxo aumentado de urina alcalina e acidose metabólica leve.  Sua ação resulta em depleção do bicarbonato extracelular e seu efeito é autolimitado com a queda do bicarbonato sangüíneo.
  34. 34. Acetazolamida  Apresentação: comprimido de 250 mg, frasco – ampola de 250, 500 e 1000 UI  Mecanismo de ação: um inibidor da enzima anidrase carbônica, eficaz no controle da secreção de fluidos  Nivel sangüíneo: VO 2 a 4 horas e IV em 15 minutos  Eliminação: VO de 8 a 12 horas, IV 4 a 5 horas
  35. 35. Acetazolamida  Glaucoma secundário de ângulo fechado Administrar em adultos VO 250 mg 4/4 horas ou 250 mg 2 x ao dia; IV opu IM 500 mg, 2 a 4 horas Administrar em criança VO de 10 a 15 mg/kg/dia, 6/6 ou 8/8 horas, ou IV ou IM 10mg/kg, 6/6 horas No tratamento de edema por ICC, em adulto VO 250 a 375 mg.
  36. 36. Acetazolamida  Reações adversas  SNC: sonolência, parestesia, confusão  SGI: náusea, vômito, anorexia, gosto alterado  Visão: miopia transitória  SGU: cristais na urina, cálculo renal, hematúria  Sistema hematológico: anemia aplásica, anemia hemolítica, leucopenia  Pele: rash cutâneo
  37. 37. Acetazolamida  Contra – indicações  Contra – indicado em pacientes na terapia prolongada para glaucoma não congênito agudo fechado, hiponametria, hipopotassemia, doença renal e hepática. Cuidados com o uso em paciente com acidose respiratória, enfisema, doença pulmonar e paciente em tratamento com outros diuréticos
  38. 38. Acetazolamida  Assistência de Enfermagem  Orientar o paciente para não interromper o tratamento medicamentoso, mesmo que se sinta melhor  Monitorizar balanço hídrico, eletrólitos, especialmente potássio, bicarbonato, cloro  Atenção à pacientes idosos em virtude da excessiva diurese que este é suscetível  Pesar o paciente diariamente, atentando para perda excessiva de líquido e conseqüente perda de peso e hipotensão  O efeito do diurético diminui quando a acidose ocorre, mas pode ser estabilizado, suspendendo a droga por vários dias e depois recomeçar a terapia  A excreção do bicarbonato faz a urina do paciente alcalina, podendo causar o teste de proteína na urina falso/positivo
  39. 39. Assistência de Enfermagem O enfermeiro deve estar apto para perguntar bem como ouvir o paciente, devendo antes de entregar – lhe a medicação ou administra – lo, realizar uma anamnese, explicando – lhe o procedimento, bem como perguntando – lhe sobre possíveis restrições medicamentosas (alergias, intolerância, contra – indicações). Deve – se sempre perguntar ao paciente se após a utilização do medicamento o mesmo tenha apresentado alguma reação adversa, bem como saber se o efeito do medicamento tem sido favorável, no caso dos diuréticos, se o volume de eliminação urinário tem aumentado. Orientar sobre a necessidade de continuar o tratamento sem interrompê – lo.
  40. 40. Considerações finais Como observado neste trabalho, os diuréticos são medicamentos (drogas) que tem por função aumentar o fluxo de urina. Porém, é necessário que seja empregado apenas sob prescrição médica, evitando deste modo a auto – medicação, que poderá trazer danos ao usuário. Deve – se esclarecer a população sobre os riscos de utilização exarcebada de diuréticos, bem como a atletas, que o utiliza a fim de mascarar o doping. Sendo assim, é preciso que se conheça o mecanismo de ação de cada diurético, bem como as reações adversas que esses podem causar, a fim de promover ao paciente um tratamento que venha realmente surtir, além de um efeito terapêutico desejado, a melhora de seu estado de saúde.
  41. 41. Bibliografia  RANG; H. P. – Farmacologia. Editora Guanabara Koogan, 4ª. Edição, 2001;  ASPERHEIM; Mary Kaye – Farmacologia para Enfermagem. Editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, Sétima Edição, 1994;  WILLIANS; W. – Enfermagem Médico – Hospitalar. Editora Rideel, São Paulo, 2005.
  42. 42. Obrigado pela atenção .

×