SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
PARA
PROBLEMAS COM BEBIDA
Em Center City, Minnesota
“Hazelden” conta com seis anos de experiência em recuperação
de homens com problemas com bebida. Seus diretores foram "ao olho
do furacão" de si mesmos e desenvolveram um programa baseado em
leitura, meditação, educação audiovisual, consultas e discussões, que
possibilitam aos hóspedes residentes entenderem os “porquês” deste
problema, e como paralisar esta doença.
Uma atenção especial é dada, servindo refeições apetitosas,
visando o bem-estar físico, que é reconhecido como um dos mais
importantes passos ao longo da caminhada para a recuperação.
Descanso e meditação também são importantes, e os visitantes
estarão autorizados apenas a pedido do hóspede residente.
Pesca, canoagem, piscina são algumas das possíveis diversões.
Médicos e enfermeiros disponíveis 24 horas por dia, e consultas
psiquiátricas serão agendadas mediante solicitação.
Preços razoáveis... para mais informações escreva para
341 North Dale Street Saint Paul 3, Minn.
(or) Center City, Minnesota
Uma organização sem fins lucrativos
O QUE É
ESPIRITUALIDADE?
Paul E. Bjorklund
Hazelden Foundation
Editora JCB Publicações Ltda
ii
Copyright © 2014, Paul E. Bjorklund
O que é Espiritualidade?
Título em Inglês: WHAT IS SPIRITUALITY?
Publicado originalmente por: Hazelden
Foundation
Todos os direitos de tradução e
publicação para o território brasileiro
reservados por Editora JCB Publicações
Ltda
PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU
PARCIAL POR QUAISQUER MEIOS, SEM
PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DA EDITORA
IMPRESSO NO BRASIL
Printed in Brazil
1ª Edição Brasileira
Junho de 2014
Infinite Loop Avenue,#304
California Place
Patos de Minas, MG CEP 38700-000
Telefax: (34) 6963-4958
URL: www.jcbpublicacoes.com.br
E-mail: editora@jcbpublicacoes.com
Coordenação Editorial: AMMB Syncro
Projeto Gráfico: MFMB Ilustra
Edição de texto: AMMB Syncro
Diagramação: JCB Desing
Revisão: JCB Desing
Adaptação da Capa: JCB Desing
Ilustração: MFMB Ilustra
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Bjorklund, Paul E.
O que é Espiritualidade?/Paul E. Bjorklund / Tradução
AMMB Syncro/. – 1ª. Ed. – Minas Gerais: Editora
JCB Publicações Ltda., 2014. – (Dependência química)
Título original: What is Spirituality?
Bibliografia.
ISBN 972-8272-15-7
1. Dependência Química. 2. Espiritualidade. 3. Tratamento
I. Título II. Série
CDD-717.5 07-7207
iii
Nota dos Editores à Tradução Brasileira:
Uma adicção consiste no uso habitual de substâncias alteradoras
do humor (medicamentos, álcool, drogas) ou de comportamentos
(excesso de trabalho, jogos, abuso de comida, internet, falar
demais, sexo, mania de limpeza, consumismo) que é caracterizado
pela tolerância à substância ou comportamento (sendo que um
crescente e contínuo uso à substância ou comportamento se
tornam necessários para obter o mesmo efeito) e pela perda de
controle (o uso continuado apesar de suas consequências
negativas).
A dependência química consiste na adicção ao álcool e/ou
outras drogas. É uma doença progressiva e, se não for tratada,
mortal.
Sobre a Fundação Hazelden:
Os “Materiais Educacionais da Hazelden”, editados no
Brasil pela Editora JCB Publicações Ltda., oferecem uma grande
variedade de informação sobre a dependência química e as áreas
com ela relacionadas. As nossas publicações não representam
necessariamente os programas da Fundação Hazelden, nem se
pronunciam oficialmente por nenhuma organização dos Doze
Passos.
Sobre este livro:
Será que a espiritualidade se refere somente a Deus e à religião,
ou terá um significado maior? Será a dependência química uma
expressão destrutiva da nossa natureza espiritual? Este livro explora
as relações com pessoas e situações, e analisa a diferença entre
religião e espiritualidade no Programa de A.A.
Sobre o autor:
Paul Edward Bjorklund é um clérigo e faz parte dos profissionais
da Hazelden Pioneer House, um centro de reabilitação para jovens
adultos em Plymouth, Minnesota. O Sr. Bjorklund recebeu o seu
treino da Hazelden no “Clergy Training Program”.
v
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO ..................................................................................... 7
DESPERTAR ESPIRITUAL ..................................................................... 8
RELAÇÕES ESPIRITUAIS DESTRUTIVAS .............................................. 12
O FOCO ESPIRITUAL ............................................................................. 18
CONCLUSÃO ........................................................................................ 23
Página | 7
INTRODUÇÃO
Em relação a programas de Doze Passos ouvimos com
frequência que “o nosso programa é programa
espiritual”, mas, o que significa “espiritual”? Será uma
palavra que se refere só a Deus, ou talvez à religião, ou
terá um significado mais abrangente? Muitas pessoas,
ao saberem que o programa de Doze Passos de A.A. é
espiritual, desanimam e ficam pensando: “Será que
tenho que tornar-me religioso para poder me
recuperar?” É preciso que as pessoas em recuperação
compreendam o que significa a palavra “espiritual” e
“espiritualidade”, e que percebam que a espiritualidade
já faz parte das nossas vidas mesmo sem percebemos
isto.
Página | 8
DESPERTAR ESPIRITUAL
No programa de Doze Passos de A.A., a palavra
“espiritual” aparece ligada a palavra “despertar”. Isto
ocorre depois de fazer o nosso caminho ao longo dos
passos, e experimentarmos um despertar espiritual. Se a
maneira de lidar com o problema que aparece no Passo
Um deve ter um caráter espiritual e seu enunciado diz
que “admitimos que éramos impotentes perante a nossa
adicção, e que nossas vidas tinham se tornado
incontroláveis”. Apesar de não parecer um problema
espiritual, na verdade é. Para podermos ver isso
claramente, precisamos começar a desenvolver uma
definição de espiritualidade com a qual iremos
trabalhar. Uma das maneiras de definir espiritualidade é
constatando as áreas da vida com as quais ela se liga.
Espiritualidade tem que ver com a qualidade do nosso
relacionamento seja lá com quem for, ou o que quer que
seja mais importante na nossa vida.
Esta definição simples pode ajudar a perceber como a
espiritualidade faz parte de qualquer pessoa.
Consideramos o seguinte raciocínio. Todos nós temos
pessoas ou coisas importantes para nós. Uma vez que
temos estas relações importantes nas nossas vidas,
alguma deve ser “a mais importante”. Seja um objeto,
uma pessoa ou um grupo de pessoas, tem que existir
Página | 9
alguma coisa que seja prioritária em nossa vida. O que
quer seja mais “importante”, define o principal foco da
nossa “espiritualidade”.
Podemos dizer que a espiritualidade faz parte da
condição humana. Assim como todos nós temos um lado
físico e um lado emocional também temos um lado
espiritual. Reconhecermos que somos pessoas com um
lado espiritual abre a possibilidade de descobrirmos o
quanto este lado nos afeta. É um erro pensarmos que
não temos um lado espiritual por não acreditarmos em
Deus. Deus é apenas um dos muitos focos espirituais
possíveis. Podemos vir a descobrir na nossa vida alguns
focos e efeitos espirituais surpreendentes, se tivermos a
coragem de explorar essa parte do nosso ser.
Uma vez que está relacionado com o que ou quem é
importante para nós, a espiritualidade está intimamente
ligada a valores, prioridades, objetivos e preocupações.
Tem que ver com o que está no centro da nossa vida.
Gastamos muito do nosso tempo e energia pensando e
entregando-nos ao nosso foco ou centro espiritual.
Porque a espiritualidade tem que ver com relações, e
está intimamente ligada a sentimentos como amor,
confiança e compromisso. Um resultado espiritual pode
ser qualquer coisa que torne a nossa relação com os
outros mais amorosa e dedicada. Como foi dito, há
muitos focos espirituais possíveis. O foco da nossa
Página | 10
espiritualidade podia ser o álcool ou as drogas. Quando
a droga é o foco da nossa espiritualidade temos
tendência para descrever a drogadição como uma
doença espiritual. Assim a drogadição poderia ser
descrita como uma expressão destrutiva da
espiritualidade. Assim, uma maneira de descrever o
problema com drogas é que se tornou muito
importante. Muito tempo e energia são gastos no
processo de usar, que se torna um fardo destrutivo. Esta
qualidade destrutiva cresce, e à medida que cresce,
destrói o adicto.
A adicção é descrita como uma doença progressiva.
Nos termos da definição de espiritualidade isto implica
que a droga vai se tornando mais importante à medida
que a doença progride. Na nossa definição de
espiritualidade, quando alguma coisa aumenta sua
importância, as outras coisas diminuem de importância
e ficam para trás. A família, por exemplo, passa a ser
negligenciada.
O trabalho será afetado. Em vez de se dedicar tempo
e energia ao trabalho o adicto é capaz de beber ou usar
outras drogas durante o trabalho. Talvez o fato de beber
na noite anterior comprometerá a capacidade de ser
pontual. Se for um estudante, as festas se tornarão mais
importantes que o estudo. As horas de aulas podem
tornar-se uma oportunidade para planejar festas, beber
Página | 11
ou usar outras drogas, ou até vendê-las para ser
financeiramente possível continuar o uso. Estas são
apenas algumas das áreas da vida afetadas, à medida
que o álcool e as drogas se tornam cada vez mais
importantes. À medida que a adicção se torna crônica,
relacionamentos de toda espécie serão alteradas na vida
do adicto. Sabemos que a doença progride sem ser
reconhecida, causando perdas enormes, talvez a da
própria vida.
Os membros da família tornam-se vítimas de uma
mudança da sua própria espiritualidade. Os valores,
objetivos e relacionamentos são afetados à medida que
a doença progride. Enquanto o adicto se torna menos
responsável, a família desprende cada vez mais energia
para “endireita-lo”. Um adicto perturba o equilíbrio
numa família, e encontrar a solução para este problema
demanda uma grande perda de tempo e energia.
Enquanto se preocupam com o adicto, outros aspectos
de suas vidas começam a sofrer com isso, desviando a
família de uma vida normal. A “coisa mais importante”
na vida da família de um adicto se transforma num
doloroso foco espiritual. Organizações de apoio ajudam
os membros da família a recuperar o equilíbrio e a
serenidade.
Página | 12
RELAÇÕES ESPIRITUAIS DESTRUTIVAS
A palavra “espiritualidade” tem na sua raiz a palavra
“espírito”. Outra maneira de pensar em espiritualidade é
perguntar a nós mesmos onde se foca o espírito de cada
um, neste sentido não fará nenhuma diferença se o
considerarmos, por exemplo, como o espírito de equipe
num jogo de futebol. Um grupo de jogadores e
torcedores poderá estar muito entusiasmado com a
vitória de um jogo, a torcida pode dar mais entusiasmo e
espírito. O foco espiritual é energicamente dirigido para
“ganhar o jogo”. Em outras áreas da espiritualidade
encontraremos espírito e entusiasmo como sendo o
reflexo de onde se centra a espiritualidade desta pessoa.
As coisas que na vida fazem nossos olhos brilharem está
intimamente ligadas à espiritualidade. Espiritualidade
tem que ver com as coisas que são grandes “amores” da
nossa vida. Descobriremos que o nosso coração, esta
fortemente ligado às áreas espirituais da vida.
O espírito e entusiasmo pela bebida ou outra droga
são, às vezes, óbvio na vida de um adicto. A adicção,
quando começa, pode ser comparado a um namoro.
Para o adicto, nada mais se compara ao ato de usar. Um
estudante pode sentir um alívio da ansiedade quando
usa; pode ter passado o último horário de aula
desejando ansiosamente a oportunidade de usar. Para
Página | 13
outros adictos esta relação pode crescer lenta e
gradualmente até que, anos depois se dê conta desta
necessidade permanente de usar. O entusiasmo e
espírito permanecem mesmo quando o relacionamento
com o álcool se tornou destrutivo; beber torna-se a
coisa mais importante de sua vida, mesmo já não dando
prazer, apenas ajudando a se sentir-se bem em um
determinado momento. Neste ponto a pessoa esta
literalmente “agarrada” à bebida; agarrada pela
impotência, dependente da própria causa da sua
destruição.
Como se desenvolvem essas relações
espirituais destrutivas tão poderosas?
Como alguém se envolve num relacionamento como
esse, que pode levar a morte, suicídio ou loucura se não
tiver ajuda?
Os relacionamentos espirituais evoluem conforme a
pessoa vive e lida com as situações em sua vida, e a
espiritualidade pode ter um foco diferente, de acordo
com as experiências de vida. Ter o álcool como foco
espiritual é o resultado da nossa experiência com o
álcool e a capacidade que ele tem de ir ao encontro de
algumas das necessidades básicas humanas. Nem todo
mundo reage ao álcool da mesma maneira, e por isso
Página | 14
nem todo mundo desenvolve o mesmo tipo de
relacionamento. Quando uma pessoa liga-se ao álcool
pode ser por aquilo que ele viu ou ouviu da experiência
dos outros; os amigos podem encorajar a beber...
Eventualmente existiu o momento em que a pessoa
bebeu pela primeira vez, e dependendo dessa
experiência, pode desenvolver ou não um padrão de uso
abusivo. Se a experiência for muito negativa, a pessoa
pode nunca mais beber. Se o interesse aumenta, é
porque, de alguma maneira, o álcool vai de encontro a
uma necessidade. O etilismo foi descrito por Carl Jung
ao fundador dos A.A. Bill W., como uma “doença
espiritual que tem na sua base um impulso para a
plenitude...”. Sentir-se pleno e completo é uma
necessidade humana básica.
A maneira como o álcool vai de encontro à nossa
necessidade de nos sentirmos satisfeitos não é difícil de
compreender. Para uma pessoa naturalmente tímida, o
álcool pode ajudá-la a ser mais desinibida e ousada. Se
uma pessoa esta com raiva e ressentimento, o álcool
pode ajudá-la a encontrar alguma paz. Se estiver
deprimida pode ir a um bar e “esquecer tudo”. Uma
pessoa pode beber porque gosta da imagem de uma
pessoa que bebe. À medida que o etilismo progride
beber torna-se necessário para viver e sentir-se
Página | 15
“normal”. Todos estes comportamentos são uma
tentativa para encontrar ou manter a “plenitude”.
Outra necessidade humana básica é o
relacionamento com os outros. Beber é uma atividade
social. O álcool ou as drogas tendem a unir as pessoas.
Olhando de outro foco, podemos ver esses amigos
apenas como “amigos do uso” ou “dos copos”, mais pelo
menos há uma espécie de se ”estar juntos”, de
“camaradagem”. Beber era uma maneira de ter um
contato social.
O álcool ou as drogas enganam as pessoas por irem
de encontro, até certo ponto, com as necessidades
humanas. Mas a longo prazo não o fazem da melhor
maneira para o etilista. A busca espiritual que acaba no
alcoolismo pode ter começado como uma tentativa de
ser saudável e feliz, e isso nos ajuda a evitar alguns
julgamentos e críticas que possamos usar com outros
adictos em recuperação.
Um olhar mais atento para algumas das palavras que
são usadas para definir espiritualidade ajudam a
compreender melhor a definição desta palavra. Definir
espiritualidade como qualquer coisa que tem que ver
com o mais importante em nossa vida. Se alguma coisa é
importante para nós, isso significa que a damos valor e
importância. O processo de dar valor a qualquer coisa
chama-se veneração ou adoração. Quando veneramos
Página | 16
alguma coisa estamos falando de uma relação com o
objeto da adoração, do tipo da adoração que temos com
Deus. Por vezes no programa, ouvimos alguém dizer que
“o álcool tinha se tornado meu Deus”. Muitas vezes isso
é uma afirmação de um relacionamento que nunca
havíamos pensado. Conforme o etilismo progride,
podemos dizer que o relacionamento com o álcool é um
relacionamento com um deus que esquece o individuo.
Este relacionamento já não é a solução perfeita, porque
já não vai de encontro às necessidades da pessoa.
Mesmo em insistir que não se quer um
relacionamento com Deus, assim como é impossível
evitar a espiritualidade como um fato na nossa vida,
também é impossível evitar relacionamentos do tipo que
se tem com um deus. Quer os reconheçamos claramente
ou não, eles fazem parte de nossa vida e nos afetam.
Uma relação do tipo que temos com Deus tem que
ver com a palavra “entusiasmo”, palavra essa que já
ligamos à espiritualidade. A palavra entusiasmo vem do
grego “em-theus” que pode significar ”em Deus”. Outra
maneira de vermos as coisas pelas quais temos um
grande entusiasmo e dizermos que elas refletem na
nossa compreensão e relação com o nosso Deus. Para o
etilista que está se destruindo, o desafio da recuperação
é encontrar uma nova relação com Deus, um novo foco
para a sua espiritualidade, um novo norte de orientação.
Página | 17
Alguma coisa tem que substituir o álcool ou drogas
como um centro de interesse na vida de uma pessoa.
Esta é a razão pela qual a recuperação não consiste em
apenas parar de beber. Por a rolha na garrafa não quer
dizer necessariamente que outra coisa se tornou o centro
de interesse da vida de uma pessoa. Somente parar de
beber sem outro crescimento e mudança apenas
frustrará uma pessoa que não aprendeu outro modo de
ir ao encontro das necessidades humanas básicas.
Com a ajuda de adictos em recuperação de A.A., nas
reuniões, em novos relacionamentos com uma pessoa
sóbria, um adicto em recuperação começa a entregar-se
a um novo centro de interesse espiritual. A pessoa em
recuperação procura ir de encontro às suas
necessidades humanas de uma maneira completamente
nova à medida que descobre o modo de vida de A.A.
Página | 18
O FOCO ESPIRITUAL
O foco espiritual das pessoas em recuperação que
estão em A.A./N.A. tem muito que ver com um “Poder
Superior”, “Deus como nós o compreendemos”, e as
pessoas da irmandade. O Passo Dois de A.A. Começa
este novo relacionamento e inicia o foco espiritual. Para
o que quer que entreguemos nossas vontades e nossa
vida, isto tem que ser necessariamente importante para
nós. O Passo Três foi sabiamente deixado tão aberto
quanto possível para que ninguém seja excluído. Embora
a palavra Deus esteja escrita com letra maiúscula no
Passo Três, temos que entender que há alternativas para
este passo ser abordado.
Para aqueles que não compreendem Deus no sentido
tradicional, o Passo Três pode, por exemplo, ligar-se ao
grupo básico de A.A. Um grupo de pessoas é um poder
maior do que nós mesmos, e podemos dar-lhe o poder
de nos mostrar o que precisamos fazer. Podemos ver
que se aceitarmos ser guiados pelas pessoas do
programa pode ser melhor do que continuando no
caminho que levará a destruição. Outros recém-
chegados ao programa podem falar de Deus como
atuando através do seu grupo. Podem dizer que Deus é
um Espírito de amor que se mostra pelo amparo,
carinho e orientação que o grupo tem para oferecer.
Página | 19
Haverá outros que acreditam nisto. Também ligar-se por
outros caminhos, tais como a oração e a leitura
devotada nos mostra como o Passo Três permitem
variedades e flexibilidade na maneira como nos
relacionamos com um Poder Superior.
Quando as pessoas olham pela primeira vez para os
Passos Dois e Três, muitas vezes tomam atitudes
extremas; ou se rebelam e dizem que o programa não é
para elas (“Não quero ser um fanático religioso” ou “Não
acredito nesta historia de Deus”) ou passaram
rapidamente por estes passos dizendo a si mesmo:
“Sempre acreditei em Deus”! Nenhum destes extremos
ajudará muito; a espiritualidade é uma área em que
precisamos descobrir muito sobre nós mesmo. Não se
pede a ninguém que acredite em algo que não pode
acreditar. Acreditar não é algo que se pode forçar.
Acreditamos naquilo que acreditamos. Normalmente
aquilo em que acreditamos resulta das nossas
experiências, do que sabemos das experiências dos
outros, e do que elas nos ensinaram.
O segredo da mudança do foco espiritual é ter um
espírito aberto, experimentar algo diferente, fazer uma
experiência com a nossa vida espiritual. A maneira que
temos de experimentar algo diferente na nossa vida
espiritual provém da ajuda que pessoas em recuperação
oferecem umas ás outras. Em A.A., construímos
Página | 20
relacionamentos com outras pessoas; não estamos sós.
Estamos com pessoas que trabalham em sua
recuperação e que dá uma informação prática e preciosa
sobre o que precisamos fazer para se ter uma vida feliz e
sóbria. Dizem-nos coisas como: “Viva um dia de cada
vez”. Não se apresse nem se preocupe com as coisas do
amanhã. Outra maneira que as pessoas têm na
irmandade de se ajudarem é confrontarem mutuamente
com a realidade. Muitas vezes não conseguimos ver
claramente como magoamos a nós mesmos com as
nossas atitudes emocionais e com a maneira como
pensamos nas coisas. Outras pessoas podem ajudar-nos
a resolver problemas e a esclarecer a nossa situação.
Outra maneira simples de encontrar a nossa
plenitude está na capacidade de falar com outra pessoa
sobre como nos sentimos. Partilhar tem o efeito de
“dividir o nosso fardo” e “duplicar as nossas alegrias”.
Na partilha podemos encontrar alivio dos sentimentos
negativos de desanimo, medo e raiva.
As pessoas no programa, quase sem exceção, farão
igualmente parte da espiritualidade que descobrimos à
medida que recuperamos. O que aprendemos com elas
e o apoio emocional que nos podem dar são quase
impossíveis de atingir numa experiência solitária. Um
slogan popular no programa é: “Eu preciso das pessoas”.
Página | 21
Vamos olhar para a espiritualidade com relação à
religião. Há muita confusão no que diz respeito a essa
relação. Para complicar as coisas, as pessoas usam as
palavras, às vezes, com o mesmo significado. Melhor
que tentar definir o que é religioso o e que é espiritual, é
lembrar a nossa definição de espiritualidade. Quando
dizemos “espiritualidade tem que ver com a qualidade
da nossa relação com o que é mais importante na nossa
vida”, não excluímos nada nem ninguém associado à
religião como sendo um foco espiritual. Por exemplo, é
muito possível ter como as coisas mais importantes na
nossa vida um relacionamento com Deus como numa
tradição religiosa. A nossa definição de espiritualidade
não inclui ou exclui necessariamente tudo aquilo que na
nossa mente esta associada à religião.
Um exemplo pode ajudar a ver a diferença entre ser
aparentemente ”religioso” e estar espiritualmente
concentrado em outra coisa. Imagine um jovem de 15
anos que se vê envolvido pelo desejo e insistência dos
pais, de frequentar a catequese da igreja local. Ele abusa
de álcool ou drogas. Durante o intervalo das aulas da
catequese, sai da igreja para usar. Nesse caso, qual será
o foco espiritual deste jovem neste momento?
Provavelmente muito mais os químicos do que sua
instrução religiosa.
Página | 22
Outro exemplo. Uma jovem que trabalha e é devota à
sua igreja. Vai regularmente aos cultos, participa de um
grupo na igreja e reza todos os dias. Ela tem vários bons
amigos na igreja. Suponha que esta mulher está nos
primeiros passos do etilismo e é uma adicta em álcool na
sua casa, sem ninguém saber. Que podemos dizer da sua
espiritualidade?
Podemos dizer, no mínimo, que esta mulher está
espiritualmente dividida, e também podemos prever
que ela ira cada vez mais para o foco espiritual do álcool
à medida que a doença progride. A conclusão que
podemos tirar de uma pessoa que é aparentemente
religiosa e espiritualmente se concentra em outra coisa,
pode ser descrita como hipocrisia. Aquilo que a pessoa
diz que acredita e o que o seu comportamento revela
não condiz. Há falta de integridade. Muitas vezes aquilo
que as pessoas detestam nas organizações da igreja é a
visível hipocrisia de alguns membros. Aquilo a que
reagimos tão fortemente é a falta de espiritualidade
autêntica.
Página | 23
CONCLUSÃO
Espiritualidade é uma palavra convidativa quando é
compreendida. Convida-nos a descobrir o nosso mundo
de valores e coisas em que acreditamos para avaliar
nossos focos espirituais e vemos como eles nos ajudam
a ir de encontro das nossas necessidades. Isto pode
levar-nos a abandonar relacionamentos espirituais
destrutivos e procurar novos relacionamentos que sejam
honestos e saudáveis.
À medida que mudamos nosso foco espiritual,
desenvolvemos um estilo de vida diferente, porque o
que é importante para nós mudou. Pessoas e interesses
que eram importantes no relacionamento destrutivo
com o álcool ou drogas terminou. Uma espiritualidade
renovada conduz a uma sanidade restaurada. Além
disso, a espiritualidade renovada muda os princípios de
nossa vida por que fornece uma nova base para todas as
decisões e relações.
A espiritualidade com a qualidade da nosso
relacionamento com o que ou quem é mais importante
em nossa vida toma o seu lugar nos aspectos físicos e
emocionais do programa de recuperação como sendo o
alicerce necessário para a construção de um novo modo
de vida.
O que e spiritualidade

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saude mental na APS rodder
Saude mental  na APS rodderSaude mental  na APS rodder
Saude mental na APS rodderIVSS
 
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completoPermanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completoNucleo Nacional
 
Psiquiatria e Religião - a prevalência de trastornos mentais em
Psiquiatria e Religião - a prevalência de trastornos mentais em Psiquiatria e Religião - a prevalência de trastornos mentais em
Psiquiatria e Religião - a prevalência de trastornos mentais em Rita Candeu
 
Grupos Terapêuticos: Grupos Focais para atendimento de Dependentes Químicos -...
Grupos Terapêuticos: Grupos Focais para atendimento de Dependentes Químicos -...Grupos Terapêuticos: Grupos Focais para atendimento de Dependentes Químicos -...
Grupos Terapêuticos: Grupos Focais para atendimento de Dependentes Químicos -...RenanMF
 
Apresentação saúde espiritual da liderança pr. roosevelt
Apresentação saúde espiritual da liderança   pr. rooseveltApresentação saúde espiritual da liderança   pr. roosevelt
Apresentação saúde espiritual da liderança pr. rooseveltSandra Fuso
 
Cartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaCartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaPatrícia Müller
 
Atendimento Fraterno - Entrevista com divaldo franco
 Atendimento Fraterno - Entrevista com divaldo franco Atendimento Fraterno - Entrevista com divaldo franco
Atendimento Fraterno - Entrevista com divaldo francoJorge Queiroz
 
45 fluiodoterapia- atendimento fraterno
45 fluiodoterapia- atendimento fraterno45 fluiodoterapia- atendimento fraterno
45 fluiodoterapia- atendimento fraternoAntonio SSantos
 
UFCD -6579- Cuidados de Saúde Mental
UFCD -6579-  Cuidados de Saúde MentalUFCD -6579-  Cuidados de Saúde Mental
UFCD -6579- Cuidados de Saúde MentalNome Sobrenome
 
Fatores de Riscos
Fatores de RiscosFatores de Riscos
Fatores de RiscosNet Viva
 
GestãO De Processos, Qualidade De Vida E
GestãO De Processos, Qualidade De Vida EGestãO De Processos, Qualidade De Vida E
GestãO De Processos, Qualidade De Vida EThiago de Almeida
 

Mais procurados (18)

Saude mental
Saude mentalSaude mental
Saude mental
 
Negação
NegaçãoNegação
Negação
 
Saude mental na APS rodder
Saude mental  na APS rodderSaude mental  na APS rodder
Saude mental na APS rodder
 
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completoPermanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
 
Psiquiatria e Religião - a prevalência de trastornos mentais em
Psiquiatria e Religião - a prevalência de trastornos mentais em Psiquiatria e Religião - a prevalência de trastornos mentais em
Psiquiatria e Religião - a prevalência de trastornos mentais em
 
Jovens Jornalistas
Jovens JornalistasJovens Jornalistas
Jovens Jornalistas
 
Grupos Terapêuticos: Grupos Focais para atendimento de Dependentes Químicos -...
Grupos Terapêuticos: Grupos Focais para atendimento de Dependentes Químicos -...Grupos Terapêuticos: Grupos Focais para atendimento de Dependentes Químicos -...
Grupos Terapêuticos: Grupos Focais para atendimento de Dependentes Químicos -...
 
Apresentação saúde espiritual da liderança pr. roosevelt
Apresentação saúde espiritual da liderança   pr. rooseveltApresentação saúde espiritual da liderança   pr. roosevelt
Apresentação saúde espiritual da liderança pr. roosevelt
 
Cartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaCartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escola
 
O luto
O lutoO luto
O luto
 
Atendimento Fraterno - Entrevista com divaldo franco
 Atendimento Fraterno - Entrevista com divaldo franco Atendimento Fraterno - Entrevista com divaldo franco
Atendimento Fraterno - Entrevista com divaldo franco
 
45 fluiodoterapia- atendimento fraterno
45 fluiodoterapia- atendimento fraterno45 fluiodoterapia- atendimento fraterno
45 fluiodoterapia- atendimento fraterno
 
Mediunidade o que é isso apostila 017
Mediunidade o que é isso   apostila 017Mediunidade o que é isso   apostila 017
Mediunidade o que é isso apostila 017
 
9º ano A (Grupo 2) - Pandemias
9º ano A (Grupo 2) - Pandemias9º ano A (Grupo 2) - Pandemias
9º ano A (Grupo 2) - Pandemias
 
UFCD -6579- Cuidados de Saúde Mental
UFCD -6579-  Cuidados de Saúde MentalUFCD -6579-  Cuidados de Saúde Mental
UFCD -6579- Cuidados de Saúde Mental
 
Fatores de Riscos
Fatores de RiscosFatores de Riscos
Fatores de Riscos
 
GestãO De Processos, Qualidade De Vida E
GestãO De Processos, Qualidade De Vida EGestãO De Processos, Qualidade De Vida E
GestãO De Processos, Qualidade De Vida E
 
Atendimento fraterno seminário
Atendimento fraterno  seminárioAtendimento fraterno  seminário
Atendimento fraterno seminário
 

Destaque

Os 12 passos ilustrados
Os 12 passos ilustradosOs 12 passos ilustrados
Os 12 passos ilustradosPaulo Couto
 
Psicanálise e drogas gabriela
Psicanálise e drogas gabrielaPsicanálise e drogas gabriela
Psicanálise e drogas gabrielaGabriela Haack
 
VI NACIONAL DE ALCOHÓLICOS ANÓNIMOS DE VENEZUELA 2015
VI NACIONAL DE ALCOHÓLICOS ANÓNIMOS  DE VENEZUELA  2015VI NACIONAL DE ALCOHÓLICOS ANÓNIMOS  DE VENEZUELA  2015
VI NACIONAL DE ALCOHÓLICOS ANÓNIMOS DE VENEZUELA 2015UNEFM adi
 
Trabalho Interdiciplinar Dirigido I - TIDIR - Políticas Públicas para as Mulh...
Trabalho Interdiciplinar Dirigido I - TIDIR - Políticas Públicas para as Mulh...Trabalho Interdiciplinar Dirigido I - TIDIR - Políticas Públicas para as Mulh...
Trabalho Interdiciplinar Dirigido I - TIDIR - Políticas Públicas para as Mulh...Bia Oliveira
 
La Naranja MecáNica
La  Naranja  MecáNicaLa  Naranja  MecáNica
La Naranja MecáNicanue
 
Apresentação - Estágio em Políticas Públicas
Apresentação - Estágio em Políticas Públicas Apresentação - Estágio em Políticas Públicas
Apresentação - Estágio em Políticas Públicas Bia Oliveira
 
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a naturezaCURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a naturezaAlexandre Simoes
 
Políticas públicas alm
Políticas públicas almPolíticas públicas alm
Políticas públicas almAntonio Medina
 
Políticas Públicas
Políticas PúblicasPolíticas Públicas
Políticas PúblicasSarah Mendes
 
Psicologia e Políticas Públicas
Psicologia e Políticas PúblicasPsicologia e Políticas Públicas
Psicologia e Políticas PúblicasArie Storch
 
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 2: Sexualidade e psicanálise: uma nov...
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 2: Sexualidade e psicanálise:  uma nov...CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 2: Sexualidade e psicanálise:  uma nov...
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 2: Sexualidade e psicanálise: uma nov...Alexandre Simoes
 
Acta de constitución del proyecto
Acta de constitución del proyectoActa de constitución del proyecto
Acta de constitución del proyectoRodolfo Torrado
 
Acta de constitucion del Proyecto
Acta de constitucion del ProyectoActa de constitucion del Proyecto
Acta de constitucion del ProyectoWidowmaker88
 
Presentación adicciónes
Presentación adicciónesPresentación adicciónes
Presentación adicciónesbeatboxerfer
 
Políticas públicas educacionais aula 1
Políticas públicas educacionais   aula   1Políticas públicas educacionais   aula   1
Políticas públicas educacionais aula 1Darlan Campos
 
Acta de constitución del proyecto (project charter)
Acta de constitución del proyecto (project charter)Acta de constitución del proyecto (project charter)
Acta de constitución del proyecto (project charter)Milena Giraldo
 

Destaque (20)

Os 12 passos ilustrados
Os 12 passos ilustradosOs 12 passos ilustrados
Os 12 passos ilustrados
 
Psicanálise e drogas gabriela
Psicanálise e drogas gabrielaPsicanálise e drogas gabriela
Psicanálise e drogas gabriela
 
VI NACIONAL DE ALCOHÓLICOS ANÓNIMOS DE VENEZUELA 2015
VI NACIONAL DE ALCOHÓLICOS ANÓNIMOS  DE VENEZUELA  2015VI NACIONAL DE ALCOHÓLICOS ANÓNIMOS  DE VENEZUELA  2015
VI NACIONAL DE ALCOHÓLICOS ANÓNIMOS DE VENEZUELA 2015
 
Adicciones
AdiccionesAdicciones
Adicciones
 
ESTO ES A A
ESTO ES A AESTO ES A A
ESTO ES A A
 
Adicciones
AdiccionesAdicciones
Adicciones
 
Trabalho Interdiciplinar Dirigido I - TIDIR - Políticas Públicas para as Mulh...
Trabalho Interdiciplinar Dirigido I - TIDIR - Políticas Públicas para as Mulh...Trabalho Interdiciplinar Dirigido I - TIDIR - Políticas Públicas para as Mulh...
Trabalho Interdiciplinar Dirigido I - TIDIR - Políticas Públicas para as Mulh...
 
La Naranja MecáNica
La  Naranja  MecáNicaLa  Naranja  MecáNica
La Naranja MecáNica
 
FOTOS DE BILL Y BOB
FOTOS DE BILL Y BOBFOTOS DE BILL Y BOB
FOTOS DE BILL Y BOB
 
Apresentação - Estágio em Políticas Públicas
Apresentação - Estágio em Políticas Públicas Apresentação - Estágio em Políticas Públicas
Apresentação - Estágio em Políticas Públicas
 
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a naturezaCURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
 
Políticas públicas alm
Políticas públicas almPolíticas públicas alm
Políticas públicas alm
 
Políticas Públicas
Políticas PúblicasPolíticas Públicas
Políticas Públicas
 
Psicologia e Políticas Públicas
Psicologia e Políticas PúblicasPsicologia e Políticas Públicas
Psicologia e Políticas Públicas
 
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 2: Sexualidade e psicanálise: uma nov...
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 2: Sexualidade e psicanálise:  uma nov...CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 2: Sexualidade e psicanálise:  uma nov...
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 2: Sexualidade e psicanálise: uma nov...
 
Acta de constitución del proyecto
Acta de constitución del proyectoActa de constitución del proyecto
Acta de constitución del proyecto
 
Acta de constitucion del Proyecto
Acta de constitucion del ProyectoActa de constitucion del Proyecto
Acta de constitucion del Proyecto
 
Presentación adicciónes
Presentación adicciónesPresentación adicciónes
Presentación adicciónes
 
Políticas públicas educacionais aula 1
Políticas públicas educacionais   aula   1Políticas públicas educacionais   aula   1
Políticas públicas educacionais aula 1
 
Acta de constitución del proyecto (project charter)
Acta de constitución del proyecto (project charter)Acta de constitución del proyecto (project charter)
Acta de constitución del proyecto (project charter)
 

Semelhante a O que e spiritualidade

Lição 1 – Enfrentando e Vencendo as Adversidades
Lição 1 – Enfrentando e Vencendo as AdversidadesLição 1 – Enfrentando e Vencendo as Adversidades
Lição 1 – Enfrentando e Vencendo as AdversidadesÉder Tomé
 
Palestra comportamento alimentar e cognição - Patricia
Palestra comportamento alimentar e cognição - Patricia Palestra comportamento alimentar e cognição - Patricia
Palestra comportamento alimentar e cognição - Patricia Emanoel Freire
 
A Mente Vencendo o Humor by Dennis Greenberger (z-lib.org) (1).pdf
A Mente Vencendo o Humor by Dennis Greenberger (z-lib.org) (1).pdfA Mente Vencendo o Humor by Dennis Greenberger (z-lib.org) (1).pdf
A Mente Vencendo o Humor by Dennis Greenberger (z-lib.org) (1).pdfwilldesiqueira
 
saude mental Trabalho 01,02,2023.pptx
saude mental Trabalho 01,02,2023.pptxsaude mental Trabalho 01,02,2023.pptx
saude mental Trabalho 01,02,2023.pptxRaissaMarySilva1
 
Guia pratico psicoses
Guia pratico psicosesGuia pratico psicoses
Guia pratico psicosesCreise Paula
 
A Comunicação e os Relacionamentos de Sucesso
A Comunicação e os Relacionamentos de SucessoA Comunicação e os Relacionamentos de Sucesso
A Comunicação e os Relacionamentos de SucessoHuman Pro Solutions
 
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 5 - O convívio familiar
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 5 - O convívio familiarSchiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 5 - O convívio familiar
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 5 - O convívio familiarSchiz Ophrenic
 
Como melhorar sua qualidade de vida
Como melhorar sua qualidade de vidaComo melhorar sua qualidade de vida
Como melhorar sua qualidade de vidaMaria Cristina Lopes
 
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..josytds1
 
Guia pratico sobre psicoses
Guia pratico sobre psicosesGuia pratico sobre psicoses
Guia pratico sobre psicosesSUELI SANTOS
 
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnóstico
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnósticoSchiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnóstico
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnósticoSchiz Ophrenic
 
Cartilha saude mental
Cartilha saude mentalCartilha saude mental
Cartilha saude mentalkarol_ribeiro
 
Problemas psico na terceira idade - IDOSO.pdf
Problemas psico na terceira idade - IDOSO.pdfProblemas psico na terceira idade - IDOSO.pdf
Problemas psico na terceira idade - IDOSO.pdfTHIALYMARIASILVADACU
 

Semelhante a O que e spiritualidade (20)

Lição 1 – Enfrentando e Vencendo as Adversidades
Lição 1 – Enfrentando e Vencendo as AdversidadesLição 1 – Enfrentando e Vencendo as Adversidades
Lição 1 – Enfrentando e Vencendo as Adversidades
 
Pensamento destrutivo
Pensamento destrutivo Pensamento destrutivo
Pensamento destrutivo
 
Palestra comportamento alimentar e cognição - Patricia
Palestra comportamento alimentar e cognição - Patricia Palestra comportamento alimentar e cognição - Patricia
Palestra comportamento alimentar e cognição - Patricia
 
O luto
O luto O luto
O luto
 
Negação
NegaçãoNegação
Negação
 
A Mente Vencendo o Humor by Dennis Greenberger (z-lib.org) (1).pdf
A Mente Vencendo o Humor by Dennis Greenberger (z-lib.org) (1).pdfA Mente Vencendo o Humor by Dennis Greenberger (z-lib.org) (1).pdf
A Mente Vencendo o Humor by Dennis Greenberger (z-lib.org) (1).pdf
 
saude mental Trabalho 01,02,2023.pptx
saude mental Trabalho 01,02,2023.pptxsaude mental Trabalho 01,02,2023.pptx
saude mental Trabalho 01,02,2023.pptx
 
Guia pratico psicoses
Guia pratico psicosesGuia pratico psicoses
Guia pratico psicoses
 
A Comunicação e os Relacionamentos de Sucesso
A Comunicação e os Relacionamentos de SucessoA Comunicação e os Relacionamentos de Sucesso
A Comunicação e os Relacionamentos de Sucesso
 
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 5 - O convívio familiar
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 5 - O convívio familiarSchiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 5 - O convívio familiar
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 5 - O convívio familiar
 
O que é qualidade de vida
O que é qualidade de vidaO que é qualidade de vida
O que é qualidade de vida
 
Como melhorar sua qualidade de vida
Como melhorar sua qualidade de vidaComo melhorar sua qualidade de vida
Como melhorar sua qualidade de vida
 
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
 
Mitos sobre a psicoterapia
Mitos sobre a psicoterapiaMitos sobre a psicoterapia
Mitos sobre a psicoterapia
 
Ir ao psicólogo é coisa de doidos?
Ir ao psicólogo é coisa de doidos?Ir ao psicólogo é coisa de doidos?
Ir ao psicólogo é coisa de doidos?
 
Guia pratico sobre psicoses
Guia pratico sobre psicosesGuia pratico sobre psicoses
Guia pratico sobre psicoses
 
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnóstico
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnósticoSchiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnóstico
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnóstico
 
Cartilha saude mental
Cartilha saude mentalCartilha saude mental
Cartilha saude mental
 
E-BOOK ACONSELHAMENTO CRISTÃO.pdf
E-BOOK ACONSELHAMENTO CRISTÃO.pdfE-BOOK ACONSELHAMENTO CRISTÃO.pdf
E-BOOK ACONSELHAMENTO CRISTÃO.pdf
 
Problemas psico na terceira idade - IDOSO.pdf
Problemas psico na terceira idade - IDOSO.pdfProblemas psico na terceira idade - IDOSO.pdf
Problemas psico na terceira idade - IDOSO.pdf
 

Mais de Nucleo Nacional

A preveno da recada apostila
A preveno da recada apostila A preveno da recada apostila
A preveno da recada apostila Nucleo Nacional
 
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08Nucleo Nacional
 
Doze passos elementos terapêuticos para codependência
Doze passos  elementos terapêuticos para codependênciaDoze passos  elementos terapêuticos para codependência
Doze passos elementos terapêuticos para codependênciaNucleo Nacional
 
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindPrimeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindPrimeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Terceira e-quarta-ferramentas-freemind
Terceira e-quarta-ferramentas-freemindTerceira e-quarta-ferramentas-freemind
Terceira e-quarta-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemindQuinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Setima e-oitava-ferramentas-freemind
Setima e-oitava-ferramentas-freemindSetima e-oitava-ferramentas-freemind
Setima e-oitava-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Nona e-decima-ferramentas-freemind
Nona e-decima-ferramentas-freemindNona e-decima-ferramentas-freemind
Nona e-decima-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemindDecima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticasRelatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticasNucleo Nacional
 
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abusoFolheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abusoNucleo Nacional
 
Guia estratégico drogas
Guia estratégico drogasGuia estratégico drogas
Guia estratégico drogasNucleo Nacional
 
Livro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogasLivro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogasNucleo Nacional
 
A arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoriaA arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoriaNucleo Nacional
 
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída Nucleo Nacional
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosNucleo Nacional
 

Mais de Nucleo Nacional (20)

A preveno da recada apostila
A preveno da recada apostila A preveno da recada apostila
A preveno da recada apostila
 
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
 
Doze passos elementos terapêuticos para codependência
Doze passos  elementos terapêuticos para codependênciaDoze passos  elementos terapêuticos para codependência
Doze passos elementos terapêuticos para codependência
 
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindPrimeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
 
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindPrimeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
 
Terceira e-quarta-ferramentas-freemind
Terceira e-quarta-ferramentas-freemindTerceira e-quarta-ferramentas-freemind
Terceira e-quarta-ferramentas-freemind
 
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemindQuinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
 
Setima e-oitava-ferramentas-freemind
Setima e-oitava-ferramentas-freemindSetima e-oitava-ferramentas-freemind
Setima e-oitava-ferramentas-freemind
 
Nona e-decima-ferramentas-freemind
Nona e-decima-ferramentas-freemindNona e-decima-ferramentas-freemind
Nona e-decima-ferramentas-freemind
 
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemindDecima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
 
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticasRelatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
13 princpios nida
13 princpios nida13 princpios nida
13 princpios nida
 
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abusoFolheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
 
Guia estratégico drogas
Guia estratégico drogasGuia estratégico drogas
Guia estratégico drogas
 
Livro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogasLivro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogas
 
A arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoriaA arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoria
 
Apostila PPR
Apostila PPRApostila PPR
Apostila PPR
 
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
 

O que e spiritualidade

  • 1.
  • 2. PARA PROBLEMAS COM BEBIDA Em Center City, Minnesota “Hazelden” conta com seis anos de experiência em recuperação de homens com problemas com bebida. Seus diretores foram "ao olho do furacão" de si mesmos e desenvolveram um programa baseado em leitura, meditação, educação audiovisual, consultas e discussões, que possibilitam aos hóspedes residentes entenderem os “porquês” deste problema, e como paralisar esta doença. Uma atenção especial é dada, servindo refeições apetitosas, visando o bem-estar físico, que é reconhecido como um dos mais importantes passos ao longo da caminhada para a recuperação. Descanso e meditação também são importantes, e os visitantes estarão autorizados apenas a pedido do hóspede residente. Pesca, canoagem, piscina são algumas das possíveis diversões. Médicos e enfermeiros disponíveis 24 horas por dia, e consultas psiquiátricas serão agendadas mediante solicitação. Preços razoáveis... para mais informações escreva para 341 North Dale Street Saint Paul 3, Minn. (or) Center City, Minnesota Uma organização sem fins lucrativos
  • 3. O QUE É ESPIRITUALIDADE? Paul E. Bjorklund Hazelden Foundation Editora JCB Publicações Ltda
  • 4. ii Copyright © 2014, Paul E. Bjorklund O que é Espiritualidade? Título em Inglês: WHAT IS SPIRITUALITY? Publicado originalmente por: Hazelden Foundation Todos os direitos de tradução e publicação para o território brasileiro reservados por Editora JCB Publicações Ltda PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL POR QUAISQUER MEIOS, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DA EDITORA IMPRESSO NO BRASIL Printed in Brazil 1ª Edição Brasileira Junho de 2014 Infinite Loop Avenue,#304 California Place Patos de Minas, MG CEP 38700-000 Telefax: (34) 6963-4958 URL: www.jcbpublicacoes.com.br E-mail: editora@jcbpublicacoes.com Coordenação Editorial: AMMB Syncro Projeto Gráfico: MFMB Ilustra Edição de texto: AMMB Syncro Diagramação: JCB Desing Revisão: JCB Desing Adaptação da Capa: JCB Desing Ilustração: MFMB Ilustra Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Bjorklund, Paul E. O que é Espiritualidade?/Paul E. Bjorklund / Tradução AMMB Syncro/. – 1ª. Ed. – Minas Gerais: Editora JCB Publicações Ltda., 2014. – (Dependência química) Título original: What is Spirituality? Bibliografia. ISBN 972-8272-15-7 1. Dependência Química. 2. Espiritualidade. 3. Tratamento I. Título II. Série CDD-717.5 07-7207
  • 5. iii Nota dos Editores à Tradução Brasileira: Uma adicção consiste no uso habitual de substâncias alteradoras do humor (medicamentos, álcool, drogas) ou de comportamentos (excesso de trabalho, jogos, abuso de comida, internet, falar demais, sexo, mania de limpeza, consumismo) que é caracterizado pela tolerância à substância ou comportamento (sendo que um crescente e contínuo uso à substância ou comportamento se tornam necessários para obter o mesmo efeito) e pela perda de controle (o uso continuado apesar de suas consequências negativas). A dependência química consiste na adicção ao álcool e/ou outras drogas. É uma doença progressiva e, se não for tratada, mortal. Sobre a Fundação Hazelden: Os “Materiais Educacionais da Hazelden”, editados no Brasil pela Editora JCB Publicações Ltda., oferecem uma grande variedade de informação sobre a dependência química e as áreas com ela relacionadas. As nossas publicações não representam necessariamente os programas da Fundação Hazelden, nem se pronunciam oficialmente por nenhuma organização dos Doze Passos. Sobre este livro: Será que a espiritualidade se refere somente a Deus e à religião, ou terá um significado maior? Será a dependência química uma expressão destrutiva da nossa natureza espiritual? Este livro explora as relações com pessoas e situações, e analisa a diferença entre religião e espiritualidade no Programa de A.A. Sobre o autor: Paul Edward Bjorklund é um clérigo e faz parte dos profissionais da Hazelden Pioneer House, um centro de reabilitação para jovens adultos em Plymouth, Minnesota. O Sr. Bjorklund recebeu o seu treino da Hazelden no “Clergy Training Program”.
  • 6. v SUMÁRIO INTRODUÇÃO ..................................................................................... 7 DESPERTAR ESPIRITUAL ..................................................................... 8 RELAÇÕES ESPIRITUAIS DESTRUTIVAS .............................................. 12 O FOCO ESPIRITUAL ............................................................................. 18 CONCLUSÃO ........................................................................................ 23
  • 7. Página | 7 INTRODUÇÃO Em relação a programas de Doze Passos ouvimos com frequência que “o nosso programa é programa espiritual”, mas, o que significa “espiritual”? Será uma palavra que se refere só a Deus, ou talvez à religião, ou terá um significado mais abrangente? Muitas pessoas, ao saberem que o programa de Doze Passos de A.A. é espiritual, desanimam e ficam pensando: “Será que tenho que tornar-me religioso para poder me recuperar?” É preciso que as pessoas em recuperação compreendam o que significa a palavra “espiritual” e “espiritualidade”, e que percebam que a espiritualidade já faz parte das nossas vidas mesmo sem percebemos isto.
  • 8. Página | 8 DESPERTAR ESPIRITUAL No programa de Doze Passos de A.A., a palavra “espiritual” aparece ligada a palavra “despertar”. Isto ocorre depois de fazer o nosso caminho ao longo dos passos, e experimentarmos um despertar espiritual. Se a maneira de lidar com o problema que aparece no Passo Um deve ter um caráter espiritual e seu enunciado diz que “admitimos que éramos impotentes perante a nossa adicção, e que nossas vidas tinham se tornado incontroláveis”. Apesar de não parecer um problema espiritual, na verdade é. Para podermos ver isso claramente, precisamos começar a desenvolver uma definição de espiritualidade com a qual iremos trabalhar. Uma das maneiras de definir espiritualidade é constatando as áreas da vida com as quais ela se liga. Espiritualidade tem que ver com a qualidade do nosso relacionamento seja lá com quem for, ou o que quer que seja mais importante na nossa vida. Esta definição simples pode ajudar a perceber como a espiritualidade faz parte de qualquer pessoa. Consideramos o seguinte raciocínio. Todos nós temos pessoas ou coisas importantes para nós. Uma vez que temos estas relações importantes nas nossas vidas, alguma deve ser “a mais importante”. Seja um objeto, uma pessoa ou um grupo de pessoas, tem que existir
  • 9. Página | 9 alguma coisa que seja prioritária em nossa vida. O que quer seja mais “importante”, define o principal foco da nossa “espiritualidade”. Podemos dizer que a espiritualidade faz parte da condição humana. Assim como todos nós temos um lado físico e um lado emocional também temos um lado espiritual. Reconhecermos que somos pessoas com um lado espiritual abre a possibilidade de descobrirmos o quanto este lado nos afeta. É um erro pensarmos que não temos um lado espiritual por não acreditarmos em Deus. Deus é apenas um dos muitos focos espirituais possíveis. Podemos vir a descobrir na nossa vida alguns focos e efeitos espirituais surpreendentes, se tivermos a coragem de explorar essa parte do nosso ser. Uma vez que está relacionado com o que ou quem é importante para nós, a espiritualidade está intimamente ligada a valores, prioridades, objetivos e preocupações. Tem que ver com o que está no centro da nossa vida. Gastamos muito do nosso tempo e energia pensando e entregando-nos ao nosso foco ou centro espiritual. Porque a espiritualidade tem que ver com relações, e está intimamente ligada a sentimentos como amor, confiança e compromisso. Um resultado espiritual pode ser qualquer coisa que torne a nossa relação com os outros mais amorosa e dedicada. Como foi dito, há muitos focos espirituais possíveis. O foco da nossa
  • 10. Página | 10 espiritualidade podia ser o álcool ou as drogas. Quando a droga é o foco da nossa espiritualidade temos tendência para descrever a drogadição como uma doença espiritual. Assim a drogadição poderia ser descrita como uma expressão destrutiva da espiritualidade. Assim, uma maneira de descrever o problema com drogas é que se tornou muito importante. Muito tempo e energia são gastos no processo de usar, que se torna um fardo destrutivo. Esta qualidade destrutiva cresce, e à medida que cresce, destrói o adicto. A adicção é descrita como uma doença progressiva. Nos termos da definição de espiritualidade isto implica que a droga vai se tornando mais importante à medida que a doença progride. Na nossa definição de espiritualidade, quando alguma coisa aumenta sua importância, as outras coisas diminuem de importância e ficam para trás. A família, por exemplo, passa a ser negligenciada. O trabalho será afetado. Em vez de se dedicar tempo e energia ao trabalho o adicto é capaz de beber ou usar outras drogas durante o trabalho. Talvez o fato de beber na noite anterior comprometerá a capacidade de ser pontual. Se for um estudante, as festas se tornarão mais importantes que o estudo. As horas de aulas podem tornar-se uma oportunidade para planejar festas, beber
  • 11. Página | 11 ou usar outras drogas, ou até vendê-las para ser financeiramente possível continuar o uso. Estas são apenas algumas das áreas da vida afetadas, à medida que o álcool e as drogas se tornam cada vez mais importantes. À medida que a adicção se torna crônica, relacionamentos de toda espécie serão alteradas na vida do adicto. Sabemos que a doença progride sem ser reconhecida, causando perdas enormes, talvez a da própria vida. Os membros da família tornam-se vítimas de uma mudança da sua própria espiritualidade. Os valores, objetivos e relacionamentos são afetados à medida que a doença progride. Enquanto o adicto se torna menos responsável, a família desprende cada vez mais energia para “endireita-lo”. Um adicto perturba o equilíbrio numa família, e encontrar a solução para este problema demanda uma grande perda de tempo e energia. Enquanto se preocupam com o adicto, outros aspectos de suas vidas começam a sofrer com isso, desviando a família de uma vida normal. A “coisa mais importante” na vida da família de um adicto se transforma num doloroso foco espiritual. Organizações de apoio ajudam os membros da família a recuperar o equilíbrio e a serenidade.
  • 12. Página | 12 RELAÇÕES ESPIRITUAIS DESTRUTIVAS A palavra “espiritualidade” tem na sua raiz a palavra “espírito”. Outra maneira de pensar em espiritualidade é perguntar a nós mesmos onde se foca o espírito de cada um, neste sentido não fará nenhuma diferença se o considerarmos, por exemplo, como o espírito de equipe num jogo de futebol. Um grupo de jogadores e torcedores poderá estar muito entusiasmado com a vitória de um jogo, a torcida pode dar mais entusiasmo e espírito. O foco espiritual é energicamente dirigido para “ganhar o jogo”. Em outras áreas da espiritualidade encontraremos espírito e entusiasmo como sendo o reflexo de onde se centra a espiritualidade desta pessoa. As coisas que na vida fazem nossos olhos brilharem está intimamente ligadas à espiritualidade. Espiritualidade tem que ver com as coisas que são grandes “amores” da nossa vida. Descobriremos que o nosso coração, esta fortemente ligado às áreas espirituais da vida. O espírito e entusiasmo pela bebida ou outra droga são, às vezes, óbvio na vida de um adicto. A adicção, quando começa, pode ser comparado a um namoro. Para o adicto, nada mais se compara ao ato de usar. Um estudante pode sentir um alívio da ansiedade quando usa; pode ter passado o último horário de aula desejando ansiosamente a oportunidade de usar. Para
  • 13. Página | 13 outros adictos esta relação pode crescer lenta e gradualmente até que, anos depois se dê conta desta necessidade permanente de usar. O entusiasmo e espírito permanecem mesmo quando o relacionamento com o álcool se tornou destrutivo; beber torna-se a coisa mais importante de sua vida, mesmo já não dando prazer, apenas ajudando a se sentir-se bem em um determinado momento. Neste ponto a pessoa esta literalmente “agarrada” à bebida; agarrada pela impotência, dependente da própria causa da sua destruição. Como se desenvolvem essas relações espirituais destrutivas tão poderosas? Como alguém se envolve num relacionamento como esse, que pode levar a morte, suicídio ou loucura se não tiver ajuda? Os relacionamentos espirituais evoluem conforme a pessoa vive e lida com as situações em sua vida, e a espiritualidade pode ter um foco diferente, de acordo com as experiências de vida. Ter o álcool como foco espiritual é o resultado da nossa experiência com o álcool e a capacidade que ele tem de ir ao encontro de algumas das necessidades básicas humanas. Nem todo mundo reage ao álcool da mesma maneira, e por isso
  • 14. Página | 14 nem todo mundo desenvolve o mesmo tipo de relacionamento. Quando uma pessoa liga-se ao álcool pode ser por aquilo que ele viu ou ouviu da experiência dos outros; os amigos podem encorajar a beber... Eventualmente existiu o momento em que a pessoa bebeu pela primeira vez, e dependendo dessa experiência, pode desenvolver ou não um padrão de uso abusivo. Se a experiência for muito negativa, a pessoa pode nunca mais beber. Se o interesse aumenta, é porque, de alguma maneira, o álcool vai de encontro a uma necessidade. O etilismo foi descrito por Carl Jung ao fundador dos A.A. Bill W., como uma “doença espiritual que tem na sua base um impulso para a plenitude...”. Sentir-se pleno e completo é uma necessidade humana básica. A maneira como o álcool vai de encontro à nossa necessidade de nos sentirmos satisfeitos não é difícil de compreender. Para uma pessoa naturalmente tímida, o álcool pode ajudá-la a ser mais desinibida e ousada. Se uma pessoa esta com raiva e ressentimento, o álcool pode ajudá-la a encontrar alguma paz. Se estiver deprimida pode ir a um bar e “esquecer tudo”. Uma pessoa pode beber porque gosta da imagem de uma pessoa que bebe. À medida que o etilismo progride beber torna-se necessário para viver e sentir-se
  • 15. Página | 15 “normal”. Todos estes comportamentos são uma tentativa para encontrar ou manter a “plenitude”. Outra necessidade humana básica é o relacionamento com os outros. Beber é uma atividade social. O álcool ou as drogas tendem a unir as pessoas. Olhando de outro foco, podemos ver esses amigos apenas como “amigos do uso” ou “dos copos”, mais pelo menos há uma espécie de se ”estar juntos”, de “camaradagem”. Beber era uma maneira de ter um contato social. O álcool ou as drogas enganam as pessoas por irem de encontro, até certo ponto, com as necessidades humanas. Mas a longo prazo não o fazem da melhor maneira para o etilista. A busca espiritual que acaba no alcoolismo pode ter começado como uma tentativa de ser saudável e feliz, e isso nos ajuda a evitar alguns julgamentos e críticas que possamos usar com outros adictos em recuperação. Um olhar mais atento para algumas das palavras que são usadas para definir espiritualidade ajudam a compreender melhor a definição desta palavra. Definir espiritualidade como qualquer coisa que tem que ver com o mais importante em nossa vida. Se alguma coisa é importante para nós, isso significa que a damos valor e importância. O processo de dar valor a qualquer coisa chama-se veneração ou adoração. Quando veneramos
  • 16. Página | 16 alguma coisa estamos falando de uma relação com o objeto da adoração, do tipo da adoração que temos com Deus. Por vezes no programa, ouvimos alguém dizer que “o álcool tinha se tornado meu Deus”. Muitas vezes isso é uma afirmação de um relacionamento que nunca havíamos pensado. Conforme o etilismo progride, podemos dizer que o relacionamento com o álcool é um relacionamento com um deus que esquece o individuo. Este relacionamento já não é a solução perfeita, porque já não vai de encontro às necessidades da pessoa. Mesmo em insistir que não se quer um relacionamento com Deus, assim como é impossível evitar a espiritualidade como um fato na nossa vida, também é impossível evitar relacionamentos do tipo que se tem com um deus. Quer os reconheçamos claramente ou não, eles fazem parte de nossa vida e nos afetam. Uma relação do tipo que temos com Deus tem que ver com a palavra “entusiasmo”, palavra essa que já ligamos à espiritualidade. A palavra entusiasmo vem do grego “em-theus” que pode significar ”em Deus”. Outra maneira de vermos as coisas pelas quais temos um grande entusiasmo e dizermos que elas refletem na nossa compreensão e relação com o nosso Deus. Para o etilista que está se destruindo, o desafio da recuperação é encontrar uma nova relação com Deus, um novo foco para a sua espiritualidade, um novo norte de orientação.
  • 17. Página | 17 Alguma coisa tem que substituir o álcool ou drogas como um centro de interesse na vida de uma pessoa. Esta é a razão pela qual a recuperação não consiste em apenas parar de beber. Por a rolha na garrafa não quer dizer necessariamente que outra coisa se tornou o centro de interesse da vida de uma pessoa. Somente parar de beber sem outro crescimento e mudança apenas frustrará uma pessoa que não aprendeu outro modo de ir ao encontro das necessidades humanas básicas. Com a ajuda de adictos em recuperação de A.A., nas reuniões, em novos relacionamentos com uma pessoa sóbria, um adicto em recuperação começa a entregar-se a um novo centro de interesse espiritual. A pessoa em recuperação procura ir de encontro às suas necessidades humanas de uma maneira completamente nova à medida que descobre o modo de vida de A.A.
  • 18. Página | 18 O FOCO ESPIRITUAL O foco espiritual das pessoas em recuperação que estão em A.A./N.A. tem muito que ver com um “Poder Superior”, “Deus como nós o compreendemos”, e as pessoas da irmandade. O Passo Dois de A.A. Começa este novo relacionamento e inicia o foco espiritual. Para o que quer que entreguemos nossas vontades e nossa vida, isto tem que ser necessariamente importante para nós. O Passo Três foi sabiamente deixado tão aberto quanto possível para que ninguém seja excluído. Embora a palavra Deus esteja escrita com letra maiúscula no Passo Três, temos que entender que há alternativas para este passo ser abordado. Para aqueles que não compreendem Deus no sentido tradicional, o Passo Três pode, por exemplo, ligar-se ao grupo básico de A.A. Um grupo de pessoas é um poder maior do que nós mesmos, e podemos dar-lhe o poder de nos mostrar o que precisamos fazer. Podemos ver que se aceitarmos ser guiados pelas pessoas do programa pode ser melhor do que continuando no caminho que levará a destruição. Outros recém- chegados ao programa podem falar de Deus como atuando através do seu grupo. Podem dizer que Deus é um Espírito de amor que se mostra pelo amparo, carinho e orientação que o grupo tem para oferecer.
  • 19. Página | 19 Haverá outros que acreditam nisto. Também ligar-se por outros caminhos, tais como a oração e a leitura devotada nos mostra como o Passo Três permitem variedades e flexibilidade na maneira como nos relacionamos com um Poder Superior. Quando as pessoas olham pela primeira vez para os Passos Dois e Três, muitas vezes tomam atitudes extremas; ou se rebelam e dizem que o programa não é para elas (“Não quero ser um fanático religioso” ou “Não acredito nesta historia de Deus”) ou passaram rapidamente por estes passos dizendo a si mesmo: “Sempre acreditei em Deus”! Nenhum destes extremos ajudará muito; a espiritualidade é uma área em que precisamos descobrir muito sobre nós mesmo. Não se pede a ninguém que acredite em algo que não pode acreditar. Acreditar não é algo que se pode forçar. Acreditamos naquilo que acreditamos. Normalmente aquilo em que acreditamos resulta das nossas experiências, do que sabemos das experiências dos outros, e do que elas nos ensinaram. O segredo da mudança do foco espiritual é ter um espírito aberto, experimentar algo diferente, fazer uma experiência com a nossa vida espiritual. A maneira que temos de experimentar algo diferente na nossa vida espiritual provém da ajuda que pessoas em recuperação oferecem umas ás outras. Em A.A., construímos
  • 20. Página | 20 relacionamentos com outras pessoas; não estamos sós. Estamos com pessoas que trabalham em sua recuperação e que dá uma informação prática e preciosa sobre o que precisamos fazer para se ter uma vida feliz e sóbria. Dizem-nos coisas como: “Viva um dia de cada vez”. Não se apresse nem se preocupe com as coisas do amanhã. Outra maneira que as pessoas têm na irmandade de se ajudarem é confrontarem mutuamente com a realidade. Muitas vezes não conseguimos ver claramente como magoamos a nós mesmos com as nossas atitudes emocionais e com a maneira como pensamos nas coisas. Outras pessoas podem ajudar-nos a resolver problemas e a esclarecer a nossa situação. Outra maneira simples de encontrar a nossa plenitude está na capacidade de falar com outra pessoa sobre como nos sentimos. Partilhar tem o efeito de “dividir o nosso fardo” e “duplicar as nossas alegrias”. Na partilha podemos encontrar alivio dos sentimentos negativos de desanimo, medo e raiva. As pessoas no programa, quase sem exceção, farão igualmente parte da espiritualidade que descobrimos à medida que recuperamos. O que aprendemos com elas e o apoio emocional que nos podem dar são quase impossíveis de atingir numa experiência solitária. Um slogan popular no programa é: “Eu preciso das pessoas”.
  • 21. Página | 21 Vamos olhar para a espiritualidade com relação à religião. Há muita confusão no que diz respeito a essa relação. Para complicar as coisas, as pessoas usam as palavras, às vezes, com o mesmo significado. Melhor que tentar definir o que é religioso o e que é espiritual, é lembrar a nossa definição de espiritualidade. Quando dizemos “espiritualidade tem que ver com a qualidade da nossa relação com o que é mais importante na nossa vida”, não excluímos nada nem ninguém associado à religião como sendo um foco espiritual. Por exemplo, é muito possível ter como as coisas mais importantes na nossa vida um relacionamento com Deus como numa tradição religiosa. A nossa definição de espiritualidade não inclui ou exclui necessariamente tudo aquilo que na nossa mente esta associada à religião. Um exemplo pode ajudar a ver a diferença entre ser aparentemente ”religioso” e estar espiritualmente concentrado em outra coisa. Imagine um jovem de 15 anos que se vê envolvido pelo desejo e insistência dos pais, de frequentar a catequese da igreja local. Ele abusa de álcool ou drogas. Durante o intervalo das aulas da catequese, sai da igreja para usar. Nesse caso, qual será o foco espiritual deste jovem neste momento? Provavelmente muito mais os químicos do que sua instrução religiosa.
  • 22. Página | 22 Outro exemplo. Uma jovem que trabalha e é devota à sua igreja. Vai regularmente aos cultos, participa de um grupo na igreja e reza todos os dias. Ela tem vários bons amigos na igreja. Suponha que esta mulher está nos primeiros passos do etilismo e é uma adicta em álcool na sua casa, sem ninguém saber. Que podemos dizer da sua espiritualidade? Podemos dizer, no mínimo, que esta mulher está espiritualmente dividida, e também podemos prever que ela ira cada vez mais para o foco espiritual do álcool à medida que a doença progride. A conclusão que podemos tirar de uma pessoa que é aparentemente religiosa e espiritualmente se concentra em outra coisa, pode ser descrita como hipocrisia. Aquilo que a pessoa diz que acredita e o que o seu comportamento revela não condiz. Há falta de integridade. Muitas vezes aquilo que as pessoas detestam nas organizações da igreja é a visível hipocrisia de alguns membros. Aquilo a que reagimos tão fortemente é a falta de espiritualidade autêntica.
  • 23. Página | 23 CONCLUSÃO Espiritualidade é uma palavra convidativa quando é compreendida. Convida-nos a descobrir o nosso mundo de valores e coisas em que acreditamos para avaliar nossos focos espirituais e vemos como eles nos ajudam a ir de encontro das nossas necessidades. Isto pode levar-nos a abandonar relacionamentos espirituais destrutivos e procurar novos relacionamentos que sejam honestos e saudáveis. À medida que mudamos nosso foco espiritual, desenvolvemos um estilo de vida diferente, porque o que é importante para nós mudou. Pessoas e interesses que eram importantes no relacionamento destrutivo com o álcool ou drogas terminou. Uma espiritualidade renovada conduz a uma sanidade restaurada. Além disso, a espiritualidade renovada muda os princípios de nossa vida por que fornece uma nova base para todas as decisões e relações. A espiritualidade com a qualidade da nosso relacionamento com o que ou quem é mais importante em nossa vida toma o seu lugar nos aspectos físicos e emocionais do programa de recuperação como sendo o alicerce necessário para a construção de um novo modo de vida.