A revolução de 1383 - 1385

4.362 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Turismo, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.362
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
74
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A revolução de 1383 - 1385

  1. 1. A Revolução de 1383 - 1385<br />A Revolução de 1383 - 1385<br />Inês Isabel da Silva Bastos<br />
  2. 2. Portugal na segunda metade do século XIV<br />Na segunda metade do século XIV, Portugal viveu, á semelhança dos outros países da Europa, um período de fomes, epidemias e guerras.<br />A instabilidade do clima originou uns maus anos agrícolas e fracas colheitas de cereais e fomes;<br />Os alimentos escasseavam e os seus preços aumentavam;<br />Os camponeses fugiam para as cidades á procura de melhores condições de vida , provocando a falta mão-de-obra para trabalhar nos campos.<br />A falta de higiene e uma má alimentação tornavam as pessoas menos resistentes ás doenças. Uma das mais terríveis foi a peste negra que afectou alguns dos grupos sociais (Clero e Nobreza) excepto um, a Burguesia.<br />
  3. 3. O problema de sucessão<br />D. Fernando tinha-se envolvido em várias guerras com Castela quer por se considerar com direito do trono deste reino quer por alianças que se fez e desfez. Após varias derrotas assinou em 1383 um tratado de paz em Salvaterra.Neste tratado constavam as condições do casamento de D. Beatriz sua filha única com D. João I rei de Castela.<br />«… porque a vontade d’ el rei Dom Fernando era que os reinos de Portugal nunca fossem juntos aos reinos de Castela… foi outorgado que até a Infanta D. Beatriz houvesse um filho e fosse a sua idade catorze anos a regência dos ditos reinos de Portugal pertencesse á rainha D. Leonor…»<br />Figura 1<br />Tratado de Salvaterra<br />
  4. 4. As movimentações populares<br />D. Leonor Teles favorecia os interesses de Castela e mandou aclamar D. Beatriz rainha de Portugal.A maior parte da Nobreza e do Clero aceitou D. Beatriz como rainha, mas o Povo, a Burguesia e um pequeno número de elementos da Nobreza, temendo pela independência do reino, não aceitaram esta solução e revoltaram-se.<br />Com a finalidade de afastar D. Leonor Teles da governação, organizou-se uma conspiração em Lisboa para matar o Conde Andeiro, conselheiro da rainha regente e defensor dos interesses do rei de Castela.Chefiou esta conspiração Álvaro Pais, respeitável dirigente da Burguesia. Para executar este plano, foi escolhido D. Mestre de Avis.<br />Esta revolta rapidamente se espalhou por todo país. Entretanto, em Lisboa, o Mestre de Avis era aclamado Regedor e Defensor do Reino, enquanto D. Leonor escrevia ao rei de Castela a pedir-lhe que invadisse Portugal.<br />
  5. 5. Os grupos em conforto<br />A agitação era enorme por todo o país . <br />A população dividiu-se.<br />De um lado os apoiantes do mestre de Avis:<br />O povo a burguesia e parte do clero e da Nobreza, pois não queriam ser governados por um rei estrangeiro e temiam a perda da independência.<br />Do outro os apoiantes de D. Beatriz:<br />Grande parte do alto clero e da alta nobreza, pois achavam que iam perder os seus privilégios e não aceitavam Mestre de Avis por ser filho legitimo de D. Pedro I.<br />

×