SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
DIREITO CIVIL I – PARTE GERAL PROF. LUCY FIGUEIREDO 2012.1
1 A PESSOA NATURAL 1.1  Pessoas reconhecidas pela ordem jurídica: naturais e jurídicas. 1.2 A personalidade jurídica: modos de aquisição e perda. 1.2.1 Docimasia hidrostática de Galeno 1.3 Natureza jurídica do nascituro. 1.3.1 Teorias sobre a natureza jurídica do embrião.   DIREITO CIVIL I – Semana 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
Pessoas reconhecidas pela ordem jurídica: naturais e jurídicas A ordem jurídica reconhece duas espécies de pessoas que podem ser sujeitos de uma relação jurídica:  PESSOA ,[object Object],[object Object]
Pessoa Natural Pessoa  Natural  é o ser humano, também chamado pessoa física  considerado como sujeito de direitos e deveres.  Para qualquer pessoa ser assim designada, basta nascer com vida e, desse modo, adquirir personalidade. Pessoas reconhecidas pela ordem jurídica: naturais e jurídicas
Pessoa Jurídica Agrupamento de pessoas naturais, visando alcançar um interesse comum, também denominadas, em outros países, pessoa moral e pessoa coletiva . Pessoas reconhecidas pela ordem jurídica: naturais e jurídicas
A PESSOA NATURAL Pessoa  = do latim  persona =  máscara teatral  Pessoa é o ente capaz de exercer direitos  e submeter-se a deveres na órbita jurídica;  é aquele que poderá compor o pólo ativo ou passivo na relação jurídica. PESSOA É O SUJEITO DE DIREITO Art. 1 º  Código Civil -  “ Toda pessoa é capaz de direitos e deveres na ordem civil”.
Para o Direito : personalidade é a aptidão genérica para adquirir direitos e contrair obrigações e deveres na ordem civil.  A personalidade não é um atributo natural, isto é, não está necessariamente vinculado ao ser humano, se assim fosse, a pessoa jurídica não teria personalidade. Para a Psicologia :  personalidade é o conjunto de características psicológicas que determinam os padrões de pensar, sentir e agir, ou seja, a individualidade pessoal e social de alguém.  Personalidade
A personalidade jurídica Art. 2 o   do Código Civil  – “A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro”. Personalidade Jurídica é o  atributo reconhecido a uma pessoa para que possa atuar no plano jurídico, titularizando relações diversas, e reclamar a proteção jurídica dedicada a pessoa pelos direitos da personalidade. Personalidade   é a aptidão genérica para adquirir direitos e contrair obrigações e deveres na ordem civil.
Modos de aquisição e perda da personalidade  jurídica. Aquisição da personalidade jurídica :  dá-se com o nascimento com vida. Ocorre o nascimento com vida  quando a criança é separada do ventre materno, não importando tenha sido o parto natural, mesmo que não tenha sido cortado o cordão umbilical. (Para Washington de Barros Monteiro, somente após cortado o cordão umbilical).
Nascimento com vida:   é necessário que haja respirado, ainda que tenha perecido em seguida, lavrando-se nesse caso, dois assentos, o de nascimento e o de óbito (LRP, art 3°,§ 2°). A comprovação de que tenha ou não respirado é feita através de  exame médico legal  denominado  Docimasia Hidrostática de Galeno.
A pessoa natural se extingue com a morte, e, não poderia ser diferente, com a personalidade, pois a mesma acompanha o indivíduo durante toda sua vida, tendo início com o nascimento e logicamente tendo fim com sua morte.  A personalidade do indivíduo extingue-se com a morte. A das pessoas jurídicas, com a sua dissolução. Fim da personalidade jurídica C.C.- Art. 6 º  (primeira parte) “A existência da pessoa natural termina com a morte;...”
A palavra docimasia tem origem no grego  dokimasia  e no francês  docimasie  (experiência, prova). Trata-se de medida pericial, de caráter médico-legal, aplicada com a finalidade de verificar se uma criança nasce viva ou morta e, portanto, se chega a respirar.   Após a respiração o feto tem os pulmões cheios de ar e quando colocados numa vasilhame com água, flutuam; não acontecendo o mesmo com os pulmões que não respiram. Se afundarem, é porque não houve respiração; se não afundarem é porque houve respiração e, conseqüentemente, vida. Daí, a denominação docimasia pulmonar hidrostática de Galeno. Docimasia hidrostática de Galeno
Relevância Jurídica No âmbito jurídico a docimasia é relevante porque contribui para a determinação do momento da morte, pois se a pessoa vem à luz viva ou morta, as conseqüências jurídicas serão diferentes em cada caso. Tem muita importância no campo do direito sucessório,  Docimasia hidrostática de Galeno
Por exemplo , se o pai da criança falecer enquanto sua esposa está grávida. Se a criança nascer com vida, esta terá direito à sucessão. Caso contrário (se não nascer com vida), opera-se a sucessão normalmente. Docimasia hidrostática de Galeno Relevância Jurídica
Uma implicação importante :  e se o bebê morrer pouco após o nascimento?  Neste caso, a criança fará jus a sucessão e, logo em seguida, também será autora de herança. Situação diferente da que ocorreria se a morte fosse intra-uterina.  Docimasia hidrostática de Galeno
Natureza jurídica do nascituro Nascituro  é aquele "que há de nascer,(...) o ser humano já concebido, cujo nascimento se espera como fato futuro certo", Dicionário Aurélio. É aquele que já está concebido, mas ainda não nasceu, é aquele que ainda está no corpo da genitora  O NASCITURO não é pessoa natural, tem apenas uma proteção jurídica. Art. 2 o   do Código Civil  – “A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida;  mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro ”.
Natureza jurídica do nascituro ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A parte final deste artigo diz que: "mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro“. A doutrina majoritária entende que esta disposição não se refere ao início da personalidade jurídica. Esta só ocorre com o nascimento com vida. Neste caso, a Lei busca proteger um ser que pode vir a se tornar pessoa (se nascer com vida).  Tem muita importância no campo do direito sucessório , por exemplo, se o pai da criança falecer enquanto sua esposa está grávida. Se a criança nascer com vida, esta terá direito à sucessão. Caso contrário (se não nascer com vida), opera-se a sucessão normalmente. Natureza jurídica do nascituro Art. 2 o   do Código Civil  – “A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida;  mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro ”.
O objetivo do Código é o de resguardar preventivamente os eventuais direitos que possam ser adquiridos, caso o nascituro nasça com vida.  Entretanto, se não ocorrer o nascimento com vida, torna-se inoperante a ressalva contida no Código Civil.  Portanto, o NASCITURO não é pessoa natural, tem apenas uma proteção jurídica. Natureza jurídica do nascituro
A maior parte dos civilistas entende ser a teoria natalista a adotada pelo Código Civil, que preconiza no art. 2º, primeira parte: " a personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida ". Ou seja, partir deste momento, começa a existência da pessoa natural e esta pode ser titular de direitos e obrigações.   Natureza jurídica do nascituro
É reconhecido ao nascituro o direito ao reconhecimento de sua filiação garantindo-lhe a perfilhação, como expressão da sua própria personalidade. Também é reconhecida ao nascituro a capacidade de ser parte ativa em uma relação jurídico-processual (ser autor de um processo) para propor  ação de alimentos  (alimentos gravídicos) contra o seu genitor reclamando o seu próprio direito à vida. É por isso que Maria Helena Diniz reconhece ao nascituro uma verdadeira “personalidade jurídica formal”, de modo a viabilizar o exercício e proteção dos direitos da personalidade. Observação
A natureza jurídica do embrião Embrião é o feto até nove semanas de gestação A necessidade de definir a partir de que momento um embrião passa a ser considerado ser humano influencia na legalidade do próprio processo de procriação artificial e das pesquisas com células-tronco embrionárias, vez que a vida e a dignidade da pessoa humana são bem jurídicos de relevância singular.
Não há consenso na doutrina nacional e internacional no que tange à natureza jurídica do embrião humano excedentário. Apesar de todo o dissenso, em uma coisa se afinam as diversas opiniões: há necessidade de uma tutela jurídica para esta entidade. Entretanto, o tipo de tutela é variável, ora mais, ora menos abrangente, dependendo de quando se constata a presença do ente personificado. A natureza jurídica do embrião
Se ao embrião fosse imputado o  status  de pessoa, legítima não seria a permissão da prática da fertilização  in vitro  pois esta ,  encerra a possibilidade de destruir embriões, seja porque é um risco do próprio procedimento, ou porque, quando constatada a inviabilidade, haverá impossibilidade de implantá-los. Logo, se a opção legislativa primasse por tratar o embrião como pessoa natural, deveria proibir a prática da fertilização  in vitro , em prol de não sujeitar o embrião (enquanto pessoa) a nenhum risco de destruição, inviabilidade ou congelamento.  A natureza jurídica do embrião
A  compreensão que melhor se desvincula dos ditames da Medicina (com as teorias desenvolvimentistas) e da categorização criada pelo Direito (com a exegese do artigo 2 o  do Código Civil), é a que atribui a ele  a característica de potencialidade de pessoa , ou  ser em potencial , observando que a sua existência não configura a imediata existência de uma pessoa, mas a capacidade para se tornar tal.  A natureza jurídica do embrião Embrião: potencialidade de pessoa
O Projeto de Lei 6.960/2002 do deputado Ricardo Fiuza (PP-PE) 276/2007, atual Projeto de Lei 276/2007 do deputado Léo Alcântara PSDB-CE, propõe a modificação de160 artigos do CC/2002, entre estas, a  que propõe a ampliação da tutela contemplada no art. 2 º , CC, resguardando, desde a concepção, não só os direitos do nascituro, mas também do embrião. Obs. Projeto de Lei arquivado em 31/01/2011 conforme despacho no site da Câmara dos Deputados A natureza jurídica do embrião
O deputado cita vários juristas que o auxiliaram na elaboração do projeto, entre eles a professora Maria Helena Diniz, que propôs mudanças na chamada parte geral do código. Uma delas inclui o termo "nascituro" no artigo 2º, que passaria a vigorar com a seguinte redação:  " A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do embrião e os do nascituro".  A natureza jurídica do embrião

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 01 direito das obrigações - introdução
Aula 01   direito das obrigações - introduçãoAula 01   direito das obrigações - introdução
Aula 01 direito das obrigações - introduçãoLaisy Quesado
 
DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA - ASPECTOS GERAIS
DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA - ASPECTOS GERAISDESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA - ASPECTOS GERAIS
DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA - ASPECTOS GERAISGiuliano Fabricio Miotto
 
Direito civil pessoas juridicas
Direito civil pessoas juridicasDireito civil pessoas juridicas
Direito civil pessoas juridicasPitágoras
 
Princípios contratuais - CIVIL 3
Princípios contratuais - CIVIL 3Princípios contratuais - CIVIL 3
Princípios contratuais - CIVIL 3tuliomedeiross
 
Mapas mentais ponto constitucional
Mapas mentais ponto   constitucional Mapas mentais ponto   constitucional
Mapas mentais ponto constitucional Tatiana Nunes
 
Modalidades obrigações powerpoint
Modalidades obrigações powerpointModalidades obrigações powerpoint
Modalidades obrigações powerpointPedro Cechet
 
Direito Civil Parte Geral Aula 02
Direito Civil Parte Geral Aula 02Direito Civil Parte Geral Aula 02
Direito Civil Parte Geral Aula 02Tércio De Santana
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...A. Rui Teixeira Santos
 
Teoria geral dos contratos
Teoria geral dos contratosTeoria geral dos contratos
Teoria geral dos contratosPitágoras
 
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAISCONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAISWilliam Gonçalves
 
Classificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimesClassificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimesYara Souto Maior
 
Direito civil-i-parte-geral (1)
Direito civil-i-parte-geral (1)Direito civil-i-parte-geral (1)
Direito civil-i-parte-geral (1)Alzira Dias
 
Aula n ¦. 01 - Responsabilidade Civil, considerações iniciais.
Aula n ¦. 01 - Responsabilidade Civil, considerações iniciais.Aula n ¦. 01 - Responsabilidade Civil, considerações iniciais.
Aula n ¦. 01 - Responsabilidade Civil, considerações iniciais.Dimensson Costa Santos
 
2012.1 semana 9 negocio juridico
2012.1 semana 9   negocio juridico2012.1 semana 9   negocio juridico
2012.1 semana 9 negocio juridicoNilo Tavares
 

Mais procurados (20)

Aula 01 direito das obrigações - introdução
Aula 01   direito das obrigações - introduçãoAula 01   direito das obrigações - introdução
Aula 01 direito das obrigações - introdução
 
DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA - ASPECTOS GERAIS
DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA - ASPECTOS GERAISDESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA - ASPECTOS GERAIS
DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA - ASPECTOS GERAIS
 
Direito das obrigações slide
Direito das obrigações slideDireito das obrigações slide
Direito das obrigações slide
 
Da doação
Da doaçãoDa doação
Da doação
 
Direito civil pessoas juridicas
Direito civil pessoas juridicasDireito civil pessoas juridicas
Direito civil pessoas juridicas
 
Princípios contratuais - CIVIL 3
Princípios contratuais - CIVIL 3Princípios contratuais - CIVIL 3
Princípios contratuais - CIVIL 3
 
Mapas mentais ponto constitucional
Mapas mentais ponto   constitucional Mapas mentais ponto   constitucional
Mapas mentais ponto constitucional
 
Pagamento
PagamentoPagamento
Pagamento
 
Modalidades obrigações powerpoint
Modalidades obrigações powerpointModalidades obrigações powerpoint
Modalidades obrigações powerpoint
 
Direito Civil Parte Geral Aula 02
Direito Civil Parte Geral Aula 02Direito Civil Parte Geral Aula 02
Direito Civil Parte Geral Aula 02
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
 
Teoria geral dos contratos
Teoria geral dos contratosTeoria geral dos contratos
Teoria geral dos contratos
 
Direito do Trabalho
Direito do TrabalhoDireito do Trabalho
Direito do Trabalho
 
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAISCONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
 
Classificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimesClassificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimes
 
Direito civil-i-parte-geral (1)
Direito civil-i-parte-geral (1)Direito civil-i-parte-geral (1)
Direito civil-i-parte-geral (1)
 
Direito constitucional
Direito constitucionalDireito constitucional
Direito constitucional
 
Aula n ¦. 01 - Responsabilidade Civil, considerações iniciais.
Aula n ¦. 01 - Responsabilidade Civil, considerações iniciais.Aula n ¦. 01 - Responsabilidade Civil, considerações iniciais.
Aula n ¦. 01 - Responsabilidade Civil, considerações iniciais.
 
Recursos Proc Civl
Recursos Proc CivlRecursos Proc Civl
Recursos Proc Civl
 
2012.1 semana 9 negocio juridico
2012.1 semana 9   negocio juridico2012.1 semana 9   negocio juridico
2012.1 semana 9 negocio juridico
 

Destaque

Conhecendo a estrutura da Prefeitura de Porto Alegre (PMPA)
Conhecendo a estrutura da Prefeitura de Porto Alegre (PMPA)Conhecendo a estrutura da Prefeitura de Porto Alegre (PMPA)
Conhecendo a estrutura da Prefeitura de Porto Alegre (PMPA)CapacitaPOA - SistemaPGLP
 
2012.1 semana 2 a pessoa natural -capacidade civil
2012.1 semana 2    a pessoa natural -capacidade civil2012.1 semana 2    a pessoa natural -capacidade civil
2012.1 semana 2 a pessoa natural -capacidade civilNilo Tavares
 
Slides personalidade jurídica
Slides personalidade jurídicaSlides personalidade jurídica
Slides personalidade jurídicaILDA VALENTIM
 
2012.1 semana 1 o código civil
2012.1  semana 1   o código civil2012.1  semana 1   o código civil
2012.1 semana 1 o código civilNilo Tavares
 
Teste Personalidade
Teste PersonalidadeTeste Personalidade
Teste Personalidadeppmateus
 
A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...
A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...
A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...Iara Andriele Carvalho
 
2012.1 revisão av2 exercicios
2012.1 revisão av2  exercicios2012.1 revisão av2  exercicios
2012.1 revisão av2 exerciciosjacsf_direito
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos BásicosFelipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Teorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horneyTeorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horneyMicaella Gomes
 
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil I
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil Iantonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil I
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil IANTONIO INACIO FERRAZ
 
Livro do projeto bairros de Porto Alegre
Livro do projeto bairros de Porto AlegreLivro do projeto bairros de Porto Alegre
Livro do projeto bairros de Porto Alegreescolaevarista
 
Concursos civil - aula 02 pessoas naturais i
Concursos   civil - aula 02 pessoas naturais iConcursos   civil - aula 02 pessoas naturais i
Concursos civil - aula 02 pessoas naturais iEmanuel Goulart
 
Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1Nilo Tavares
 

Destaque (20)

Conhecendo a estrutura da Prefeitura de Porto Alegre (PMPA)
Conhecendo a estrutura da Prefeitura de Porto Alegre (PMPA)Conhecendo a estrutura da Prefeitura de Porto Alegre (PMPA)
Conhecendo a estrutura da Prefeitura de Porto Alegre (PMPA)
 
2012.1 semana 2 a pessoa natural -capacidade civil
2012.1 semana 2    a pessoa natural -capacidade civil2012.1 semana 2    a pessoa natural -capacidade civil
2012.1 semana 2 a pessoa natural -capacidade civil
 
Das Pessoas
Das Pessoas Das Pessoas
Das Pessoas
 
Slides personalidade jurídica
Slides personalidade jurídicaSlides personalidade jurídica
Slides personalidade jurídica
 
2012.1 semana 1 o código civil
2012.1  semana 1   o código civil2012.1  semana 1   o código civil
2012.1 semana 1 o código civil
 
Teste Personalidade
Teste PersonalidadeTeste Personalidade
Teste Personalidade
 
Pessoa Jurídica - Aula 004
Pessoa Jurídica - Aula 004Pessoa Jurídica - Aula 004
Pessoa Jurídica - Aula 004
 
A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...
A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...
A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...
 
2012.1 revisão av2 exercicios
2012.1 revisão av2  exercicios2012.1 revisão av2  exercicios
2012.1 revisão av2 exercicios
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
 
Teorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horneyTeorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horney
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil I
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil Iantonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil I
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil I
 
Infanticidio
InfanticidioInfanticidio
Infanticidio
 
Pessoa Jurídica
Pessoa JurídicaPessoa Jurídica
Pessoa Jurídica
 
Livro do projeto bairros de Porto Alegre
Livro do projeto bairros de Porto AlegreLivro do projeto bairros de Porto Alegre
Livro do projeto bairros de Porto Alegre
 
Concursos civil - aula 02 pessoas naturais i
Concursos   civil - aula 02 pessoas naturais iConcursos   civil - aula 02 pessoas naturais i
Concursos civil - aula 02 pessoas naturais i
 
Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1
 

Semelhante a 2012.1 semana 2 a pessoa natural-personalidade

antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil II
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil IIantonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil II
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil IIANTONIO INACIO FERRAZ
 
Apostila pessoas e_bens_4 (1)
Apostila pessoas e_bens_4 (1)Apostila pessoas e_bens_4 (1)
Apostila pessoas e_bens_4 (1)Sandra Silva
 
972a9ec757255260f420644b69c4820419906 pablo i
972a9ec757255260f420644b69c4820419906 pablo i972a9ec757255260f420644b69c4820419906 pablo i
972a9ec757255260f420644b69c4820419906 pablo iHenrique Araújo
 
Das Pessoas Para Aula ExposiçãO
Das Pessoas   Para Aula   ExposiçãODas Pessoas   Para Aula   ExposiçãO
Das Pessoas Para Aula ExposiçãOadvbonadio
 
2012.2.lfg.parte geral01 (1)
2012.2.lfg.parte geral01 (1)2012.2.lfg.parte geral01 (1)
2012.2.lfg.parte geral01 (1)Michelle Lopes
 
A expectativa de direito
A expectativa de direitoA expectativa de direito
A expectativa de direitofelipe1914
 
2014.1.lfg.parte geral 01
2014.1.lfg.parte geral 012014.1.lfg.parte geral 01
2014.1.lfg.parte geral 01dracko drammer
 
Apostila pablo stolze
Apostila pablo stolzeApostila pablo stolze
Apostila pablo stolzeILDA VALENTIM
 
Apostila de civil parte geral 2015 pablo stolze lfg (parte 1)
Apostila de civil parte geral 2015   pablo stolze lfg (parte 1)Apostila de civil parte geral 2015   pablo stolze lfg (parte 1)
Apostila de civil parte geral 2015 pablo stolze lfg (parte 1)Chamber of Deputies
 
Meu artigo âmbito jurídico
Meu artigo âmbito jurídicoMeu artigo âmbito jurídico
Meu artigo âmbito jurídicoFlávia Wanzeler
 
Descriminalização do aborto: um desrespeito à vida_Flávia Wanzeler
Descriminalização do aborto: um desrespeito à vida_Flávia WanzelerDescriminalização do aborto: um desrespeito à vida_Flávia Wanzeler
Descriminalização do aborto: um desrespeito à vida_Flávia WanzelerFlávia Wanzeler
 
Meu artigo âmbito jurídico
Meu artigo âmbito jurídicoMeu artigo âmbito jurídico
Meu artigo âmbito jurídicoFlávia Wanzeler
 
Direito civil meu resumo parte geral
Direito civil meu resumo parte geralDireito civil meu resumo parte geral
Direito civil meu resumo parte geralAndre Vieira
 
Resumo direito civil parte geral
Resumo direito civil   parte geralResumo direito civil   parte geral
Resumo direito civil parte geralMateus Ranieri
 

Semelhante a 2012.1 semana 2 a pessoa natural-personalidade (20)

antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil II
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil IIantonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil II
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil II
 
Direito civil
Direito civilDireito civil
Direito civil
 
Apostila pessoas e_bens_4 (1)
Apostila pessoas e_bens_4 (1)Apostila pessoas e_bens_4 (1)
Apostila pessoas e_bens_4 (1)
 
972a9ec757255260f420644b69c4820419906 pablo i
972a9ec757255260f420644b69c4820419906 pablo i972a9ec757255260f420644b69c4820419906 pablo i
972a9ec757255260f420644b69c4820419906 pablo i
 
Das Pessoas Para Aula ExposiçãO
Das Pessoas   Para Aula   ExposiçãODas Pessoas   Para Aula   ExposiçãO
Das Pessoas Para Aula ExposiçãO
 
2013 1 lfg_parte_geral_01
2013 1 lfg_parte_geral_012013 1 lfg_parte_geral_01
2013 1 lfg_parte_geral_01
 
2012.2.lfg.parte geral01 (1)
2012.2.lfg.parte geral01 (1)2012.2.lfg.parte geral01 (1)
2012.2.lfg.parte geral01 (1)
 
2012.2.lfg.parte geral01 (1)
2012.2.lfg.parte geral01 (1)2012.2.lfg.parte geral01 (1)
2012.2.lfg.parte geral01 (1)
 
A expectativa de direito
A expectativa de direitoA expectativa de direito
A expectativa de direito
 
2014.1.lfg.parte geral 01
2014.1.lfg.parte geral 012014.1.lfg.parte geral 01
2014.1.lfg.parte geral 01
 
Apostila pablo stolze
Apostila pablo stolzeApostila pablo stolze
Apostila pablo stolze
 
Apostila de civil parte geral 2015 pablo stolze lfg (parte 1)
Apostila de civil parte geral 2015   pablo stolze lfg (parte 1)Apostila de civil parte geral 2015   pablo stolze lfg (parte 1)
Apostila de civil parte geral 2015 pablo stolze lfg (parte 1)
 
DIREITO CIVIL
DIREITO CIVILDIREITO CIVIL
DIREITO CIVIL
 
Estatuto do nascituro
Estatuto do nascituroEstatuto do nascituro
Estatuto do nascituro
 
Meu artigo âmbito jurídico
Meu artigo âmbito jurídicoMeu artigo âmbito jurídico
Meu artigo âmbito jurídico
 
Descriminalização do aborto: um desrespeito à vida_Flávia Wanzeler
Descriminalização do aborto: um desrespeito à vida_Flávia WanzelerDescriminalização do aborto: um desrespeito à vida_Flávia Wanzeler
Descriminalização do aborto: um desrespeito à vida_Flávia Wanzeler
 
Meu artigo âmbito jurídico
Meu artigo âmbito jurídicoMeu artigo âmbito jurídico
Meu artigo âmbito jurídico
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Direito civil meu resumo parte geral
Direito civil meu resumo parte geralDireito civil meu resumo parte geral
Direito civil meu resumo parte geral
 
Resumo direito civil parte geral
Resumo direito civil   parte geralResumo direito civil   parte geral
Resumo direito civil parte geral
 

Mais de Nilo Tavares

2012.1 semana 8 fato jurídico atualizado
2012.1 semana 8  fato jurídico atualizado2012.1 semana 8  fato jurídico atualizado
2012.1 semana 8 fato jurídico atualizadoNilo Tavares
 
2011.2 semana 6 bens i (1)
2011.2 semana 6   bens i (1)2011.2 semana 6   bens i (1)
2011.2 semana 6 bens i (1)Nilo Tavares
 
2011.2 semana 6 bens i (1)
2011.2 semana 6   bens i (1)2011.2 semana 6   bens i (1)
2011.2 semana 6 bens i (1)Nilo Tavares
 
Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1Nilo Tavares
 
2012.1 semana 5 pessoa jurídica
2012.1 semana 5 pessoa jurídica2012.1 semana 5 pessoa jurídica
2012.1 semana 5 pessoa jurídicaNilo Tavares
 
Objetividade e concisão
Objetividade e concisãoObjetividade e concisão
Objetividade e concisãoNilo Tavares
 
Modelos Textuais - Quadro
Modelos Textuais - QuadroModelos Textuais - Quadro
Modelos Textuais - QuadroNilo Tavares
 
Slides dpe i unidade 3
Slides dpe i   unidade 3Slides dpe i   unidade 3
Slides dpe i unidade 3Nilo Tavares
 
Slides dpe i unidade 2
Slides dpe i   unidade 2Slides dpe i   unidade 2
Slides dpe i unidade 2Nilo Tavares
 
Slides dpe i unidade 2
Slides dpe i   unidade 2Slides dpe i   unidade 2
Slides dpe i unidade 2Nilo Tavares
 
Slides dpe i unidade 1
Slides dpe i   unidade 1Slides dpe i   unidade 1
Slides dpe i unidade 1Nilo Tavares
 
2012.1 semana 3 aula 2 o fim da perssoa natural - comoriência, ausência, mo...
2012.1 semana 3 aula 2   o fim da perssoa natural - comoriência, ausência, mo...2012.1 semana 3 aula 2   o fim da perssoa natural - comoriência, ausência, mo...
2012.1 semana 3 aula 2 o fim da perssoa natural - comoriência, ausência, mo...Nilo Tavares
 
Caso dos explordores
Caso dos explordoresCaso dos explordores
Caso dos explordoresNilo Tavares
 

Mais de Nilo Tavares (18)

2012.1 semana 8 fato jurídico atualizado
2012.1 semana 8  fato jurídico atualizado2012.1 semana 8  fato jurídico atualizado
2012.1 semana 8 fato jurídico atualizado
 
2011.2 semana 6 bens i (1)
2011.2 semana 6   bens i (1)2011.2 semana 6   bens i (1)
2011.2 semana 6 bens i (1)
 
2011.2 semana 6 bens i (1)
2011.2 semana 6   bens i (1)2011.2 semana 6   bens i (1)
2011.2 semana 6 bens i (1)
 
Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1
 
2012.1 semana 5 pessoa jurídica
2012.1 semana 5 pessoa jurídica2012.1 semana 5 pessoa jurídica
2012.1 semana 5 pessoa jurídica
 
Objetividade e concisão
Objetividade e concisãoObjetividade e concisão
Objetividade e concisão
 
Modelos Textuais - Quadro
Modelos Textuais - QuadroModelos Textuais - Quadro
Modelos Textuais - Quadro
 
Modos textuais 2
Modos textuais 2Modos textuais 2
Modos textuais 2
 
Nj aula 4
Nj aula 4Nj aula 4
Nj aula 4
 
Nj aula 3
Nj aula 3Nj aula 3
Nj aula 3
 
Nj aula 2 ppt
Nj aula 2 pptNj aula 2 ppt
Nj aula 2 ppt
 
Nj aula 1 ppt
Nj aula 1 pptNj aula 1 ppt
Nj aula 1 ppt
 
Slides dpe i unidade 3
Slides dpe i   unidade 3Slides dpe i   unidade 3
Slides dpe i unidade 3
 
Slides dpe i unidade 2
Slides dpe i   unidade 2Slides dpe i   unidade 2
Slides dpe i unidade 2
 
Slides dpe i unidade 2
Slides dpe i   unidade 2Slides dpe i   unidade 2
Slides dpe i unidade 2
 
Slides dpe i unidade 1
Slides dpe i   unidade 1Slides dpe i   unidade 1
Slides dpe i unidade 1
 
2012.1 semana 3 aula 2 o fim da perssoa natural - comoriência, ausência, mo...
2012.1 semana 3 aula 2   o fim da perssoa natural - comoriência, ausência, mo...2012.1 semana 3 aula 2   o fim da perssoa natural - comoriência, ausência, mo...
2012.1 semana 3 aula 2 o fim da perssoa natural - comoriência, ausência, mo...
 
Caso dos explordores
Caso dos explordoresCaso dos explordores
Caso dos explordores
 

2012.1 semana 2 a pessoa natural-personalidade

  • 1. DIREITO CIVIL I – PARTE GERAL PROF. LUCY FIGUEIREDO 2012.1
  • 2. 1 A PESSOA NATURAL 1.1  Pessoas reconhecidas pela ordem jurídica: naturais e jurídicas. 1.2 A personalidade jurídica: modos de aquisição e perda. 1.2.1 Docimasia hidrostática de Galeno 1.3 Natureza jurídica do nascituro. 1.3.1 Teorias sobre a natureza jurídica do embrião.   DIREITO CIVIL I – Semana 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
  • 3.
  • 4. Pessoa Natural Pessoa Natural é o ser humano, também chamado pessoa física considerado como sujeito de direitos e deveres. Para qualquer pessoa ser assim designada, basta nascer com vida e, desse modo, adquirir personalidade. Pessoas reconhecidas pela ordem jurídica: naturais e jurídicas
  • 5. Pessoa Jurídica Agrupamento de pessoas naturais, visando alcançar um interesse comum, também denominadas, em outros países, pessoa moral e pessoa coletiva . Pessoas reconhecidas pela ordem jurídica: naturais e jurídicas
  • 6. A PESSOA NATURAL Pessoa = do latim persona = máscara teatral Pessoa é o ente capaz de exercer direitos e submeter-se a deveres na órbita jurídica; é aquele que poderá compor o pólo ativo ou passivo na relação jurídica. PESSOA É O SUJEITO DE DIREITO Art. 1 º Código Civil - “ Toda pessoa é capaz de direitos e deveres na ordem civil”.
  • 7. Para o Direito : personalidade é a aptidão genérica para adquirir direitos e contrair obrigações e deveres na ordem civil. A personalidade não é um atributo natural, isto é, não está necessariamente vinculado ao ser humano, se assim fosse, a pessoa jurídica não teria personalidade. Para a Psicologia : personalidade é o conjunto de características psicológicas que determinam os padrões de pensar, sentir e agir, ou seja, a individualidade pessoal e social de alguém. Personalidade
  • 8. A personalidade jurídica Art. 2 o do Código Civil – “A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro”. Personalidade Jurídica é o atributo reconhecido a uma pessoa para que possa atuar no plano jurídico, titularizando relações diversas, e reclamar a proteção jurídica dedicada a pessoa pelos direitos da personalidade. Personalidade é a aptidão genérica para adquirir direitos e contrair obrigações e deveres na ordem civil.
  • 9. Modos de aquisição e perda da personalidade jurídica. Aquisição da personalidade jurídica : dá-se com o nascimento com vida. Ocorre o nascimento com vida quando a criança é separada do ventre materno, não importando tenha sido o parto natural, mesmo que não tenha sido cortado o cordão umbilical. (Para Washington de Barros Monteiro, somente após cortado o cordão umbilical).
  • 10. Nascimento com vida: é necessário que haja respirado, ainda que tenha perecido em seguida, lavrando-se nesse caso, dois assentos, o de nascimento e o de óbito (LRP, art 3°,§ 2°). A comprovação de que tenha ou não respirado é feita através de exame médico legal denominado Docimasia Hidrostática de Galeno.
  • 11. A pessoa natural se extingue com a morte, e, não poderia ser diferente, com a personalidade, pois a mesma acompanha o indivíduo durante toda sua vida, tendo início com o nascimento e logicamente tendo fim com sua morte. A personalidade do indivíduo extingue-se com a morte. A das pessoas jurídicas, com a sua dissolução. Fim da personalidade jurídica C.C.- Art. 6 º  (primeira parte) “A existência da pessoa natural termina com a morte;...”
  • 12. A palavra docimasia tem origem no grego dokimasia e no francês docimasie (experiência, prova). Trata-se de medida pericial, de caráter médico-legal, aplicada com a finalidade de verificar se uma criança nasce viva ou morta e, portanto, se chega a respirar.   Após a respiração o feto tem os pulmões cheios de ar e quando colocados numa vasilhame com água, flutuam; não acontecendo o mesmo com os pulmões que não respiram. Se afundarem, é porque não houve respiração; se não afundarem é porque houve respiração e, conseqüentemente, vida. Daí, a denominação docimasia pulmonar hidrostática de Galeno. Docimasia hidrostática de Galeno
  • 13. Relevância Jurídica No âmbito jurídico a docimasia é relevante porque contribui para a determinação do momento da morte, pois se a pessoa vem à luz viva ou morta, as conseqüências jurídicas serão diferentes em cada caso. Tem muita importância no campo do direito sucessório, Docimasia hidrostática de Galeno
  • 14. Por exemplo , se o pai da criança falecer enquanto sua esposa está grávida. Se a criança nascer com vida, esta terá direito à sucessão. Caso contrário (se não nascer com vida), opera-se a sucessão normalmente. Docimasia hidrostática de Galeno Relevância Jurídica
  • 15. Uma implicação importante : e se o bebê morrer pouco após o nascimento? Neste caso, a criança fará jus a sucessão e, logo em seguida, também será autora de herança. Situação diferente da que ocorreria se a morte fosse intra-uterina. Docimasia hidrostática de Galeno
  • 16. Natureza jurídica do nascituro Nascituro é aquele "que há de nascer,(...) o ser humano já concebido, cujo nascimento se espera como fato futuro certo", Dicionário Aurélio. É aquele que já está concebido, mas ainda não nasceu, é aquele que ainda está no corpo da genitora O NASCITURO não é pessoa natural, tem apenas uma proteção jurídica. Art. 2 o do Código Civil – “A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro ”.
  • 17.
  • 18. A parte final deste artigo diz que: "mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro“. A doutrina majoritária entende que esta disposição não se refere ao início da personalidade jurídica. Esta só ocorre com o nascimento com vida. Neste caso, a Lei busca proteger um ser que pode vir a se tornar pessoa (se nascer com vida). Tem muita importância no campo do direito sucessório , por exemplo, se o pai da criança falecer enquanto sua esposa está grávida. Se a criança nascer com vida, esta terá direito à sucessão. Caso contrário (se não nascer com vida), opera-se a sucessão normalmente. Natureza jurídica do nascituro Art. 2 o do Código Civil – “A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro ”.
  • 19. O objetivo do Código é o de resguardar preventivamente os eventuais direitos que possam ser adquiridos, caso o nascituro nasça com vida. Entretanto, se não ocorrer o nascimento com vida, torna-se inoperante a ressalva contida no Código Civil. Portanto, o NASCITURO não é pessoa natural, tem apenas uma proteção jurídica. Natureza jurídica do nascituro
  • 20. A maior parte dos civilistas entende ser a teoria natalista a adotada pelo Código Civil, que preconiza no art. 2º, primeira parte: " a personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida ". Ou seja, partir deste momento, começa a existência da pessoa natural e esta pode ser titular de direitos e obrigações. Natureza jurídica do nascituro
  • 21. É reconhecido ao nascituro o direito ao reconhecimento de sua filiação garantindo-lhe a perfilhação, como expressão da sua própria personalidade. Também é reconhecida ao nascituro a capacidade de ser parte ativa em uma relação jurídico-processual (ser autor de um processo) para propor ação de alimentos (alimentos gravídicos) contra o seu genitor reclamando o seu próprio direito à vida. É por isso que Maria Helena Diniz reconhece ao nascituro uma verdadeira “personalidade jurídica formal”, de modo a viabilizar o exercício e proteção dos direitos da personalidade. Observação
  • 22. A natureza jurídica do embrião Embrião é o feto até nove semanas de gestação A necessidade de definir a partir de que momento um embrião passa a ser considerado ser humano influencia na legalidade do próprio processo de procriação artificial e das pesquisas com células-tronco embrionárias, vez que a vida e a dignidade da pessoa humana são bem jurídicos de relevância singular.
  • 23. Não há consenso na doutrina nacional e internacional no que tange à natureza jurídica do embrião humano excedentário. Apesar de todo o dissenso, em uma coisa se afinam as diversas opiniões: há necessidade de uma tutela jurídica para esta entidade. Entretanto, o tipo de tutela é variável, ora mais, ora menos abrangente, dependendo de quando se constata a presença do ente personificado. A natureza jurídica do embrião
  • 24. Se ao embrião fosse imputado o status de pessoa, legítima não seria a permissão da prática da fertilização in vitro pois esta , encerra a possibilidade de destruir embriões, seja porque é um risco do próprio procedimento, ou porque, quando constatada a inviabilidade, haverá impossibilidade de implantá-los. Logo, se a opção legislativa primasse por tratar o embrião como pessoa natural, deveria proibir a prática da fertilização in vitro , em prol de não sujeitar o embrião (enquanto pessoa) a nenhum risco de destruição, inviabilidade ou congelamento. A natureza jurídica do embrião
  • 25. A compreensão que melhor se desvincula dos ditames da Medicina (com as teorias desenvolvimentistas) e da categorização criada pelo Direito (com a exegese do artigo 2 o do Código Civil), é a que atribui a ele a característica de potencialidade de pessoa , ou ser em potencial , observando que a sua existência não configura a imediata existência de uma pessoa, mas a capacidade para se tornar tal. A natureza jurídica do embrião Embrião: potencialidade de pessoa
  • 26. O Projeto de Lei 6.960/2002 do deputado Ricardo Fiuza (PP-PE) 276/2007, atual Projeto de Lei 276/2007 do deputado Léo Alcântara PSDB-CE, propõe a modificação de160 artigos do CC/2002, entre estas, a que propõe a ampliação da tutela contemplada no art. 2 º , CC, resguardando, desde a concepção, não só os direitos do nascituro, mas também do embrião. Obs. Projeto de Lei arquivado em 31/01/2011 conforme despacho no site da Câmara dos Deputados A natureza jurídica do embrião
  • 27. O deputado cita vários juristas que o auxiliaram na elaboração do projeto, entre eles a professora Maria Helena Diniz, que propôs mudanças na chamada parte geral do código. Uma delas inclui o termo "nascituro" no artigo 2º, que passaria a vigorar com a seguinte redação: " A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do embrião e os do nascituro". A natureza jurídica do embrião