SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 181
Baixar para ler offline
TREINAMENTOS
Rev.00_03/2020
SEGURANÇA DO
TRABALHO
QUEM SOMOS
A Quality Seg é uma empresa especializada em Engenharia de Segurança e Medicina do
trabalho com atuação desde o ano de 2008, trabalhando e desenvolvendo política sustentável
em gestão ocupacional.
NOSSOS SERVIÇOS
MEDICINA DO TRABALHO CONSULTORIAS GESTÃO DE OBRAS
SEGURANÇA DO TRABALHO TREINAMENTOS
NR 12
Segurança em Máquinas e Equipamentos
Rev.00_03/2020
O QUE É NR?
NORMAS REGULAMENTADORAS
Instrumentos legais editados pelo Ministério do Trabalho e Emprego que
regulamentam e fornecem orientações sobre procedimentos obrigatórios relacionados
à segurança e medicina do trabalho no Brasil, elas norteiam as obrigações dos
estabelecimentos de qualquer natureza (regidos pela CLT) em relação a saúde e
segurança do trabalhador.
São de observância obrigatória por todas as empresas brasileiras regidas pela (CLT).
Seu descumprimento poderá resultar em notificação, autuação, interdição ou
embargo e penalidades de ambiente especifico ou do estabelecimento inteiro e,
também, em ações regressivas (Lei 8.213 / 91) por parte do INSS.
NR 12 – CONCEITO BÁSICO:
O homem não é apto, por si só, em seu meio de trabalho, a se proteger sem
dispositivos de segurança. As máquinas e Equipamentos devem se integrar, aos
dispositivos de segurança. Dispositivos de segurança normalizados diminuem
sensivelmente os riscos existentes, mas não os eliminam totalmente.
Ações adicionais tais como capacitação contínua para operadores e pessoal da
manutenção se faz sempre necessário bem como manutenções preventivas conforme
manuais são imprescindíveis.
Os 3 pilares Básicos da Segurança : Proteções adequadas, Procedimentos e
Capacitação
MÁQUINA:
“Conjunto de peças ou de órgãos ligados entre eles, em que pelo menos um é móvel,
e se for o caso, acionadores, circuitos de comando e de potência, etc., reunidos de
maneira solidária em vista de uma aplicação definida, notadamente para a
transformação, o tratamento, o deslocamento e o acondicionamento de um material.
É igualmente considerado como “máquina” um conjunto de máquinas que, afim de
concorrer à um único e mesmo resultado, são dispostos e comandados de maneira à
ser solidários em seu funcionamento.”
MÁQUINA:
NR 12 – Princípios Gerais:
12.1.1 Esta Norma Regulamentadora - NR e seus anexos definem referências técnicas,
princípios fundamentais e medidas de proteção para resguardar a saúde e a integridade física
dos trabalhadores e estabelece requisitos mínimos para a prevenção de acidentes e doenças do
trabalho nas fases de projeto e de utilização de máquinas e equipamentos, e ainda à sua
fabricação, importação, comercialização, exposição e cessão a qualquer título, em todas as
atividades econômicas, sem prejuízo da observância do disposto nas demais NRs aprovadas
pela Portaria MTb n.º 3.214, de 8 de junho de 1978, nas normas técnicas oficiais ou nas normas
internacionais aplicáveis e, na ausência ou omissão destas, opcionalmente, nas normas
Europeias tipo “C” harmonizadas.
ARRANJO FÍSICO E INSTALAÇÕES:
Áreas de circulação:
 Ser demarcadas;
 Vias principais e as que conduzem a saída deve ter no mínimo 1,20 m de largura;
 Permanentemente desobstruídas;
Pisos:
 Devem ser nivelados e resistentes às cargas a que estão sujeitos.
As áreas de circulação e armazenamento de materiais e os espaços em torno de máquinas
devem ser projetados, dimensionados e mantidos de forma que os trabalhadores e os
transportadores de materiais, mecanizados e manuais, movimentem-se com segurança.
ARRANJO FÍSICO E INSTALAÇÕES:
INSTALAÇÕES E DISPOSITIVOS ELÉTRICOS:
INSTALAÇÕES E DISPOSITIVOS ELÉTRICOS:
As instalações elétricas das máquinas e equipamentos devem ser projetadas e mantidas de
modo a prevenir, por meios seguros, os perigos de choque elétrico, incêndio, explosão e outros
tipos de acidentes, conforme previsto na NR 10.
Devem ser aterrados, conforme as normas técnicas oficiais vigentes, as instalações, carcaças,
invólucros, blindagens ou partes condutoras das máquinas e equipamentos que não façam
parte dos circuitos elétricos, mas que possam ficar sob tensão.
INSTALAÇÕES E DISPOSITIVOS ELÉTRICOS:
INSTALAÇÕES E DISPOSITIVOS ELÉTRICOS:
São proibidas nas máquinas e equipamentos :
 A utilização de chave geral como dispositivo de partida e
parada;
 A utilização de chaves tipo faca nos circuitos elétricos ;
 A existência de partes energizadas expostas de circuitos que
utilizam energia elétrica.
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
Os dispositivos de partida, acionamento e parada das máquinas devem ser projetados,
selecionados e instalados de maneira que :
 não se localizem em zonas perigosas;
 possam ser acionados e desligados em caso de emergência por outra pessoa que não seja
o Operador;
 impeçam o acionamento ou o desligamento involuntário
pelo Operador ou qualquer outra forma acidental;
 não acarretem riscos adicionais;
 não possam ser burlados.
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
12.4.2 Os comandos de partida ou acionamento das máquinas devem possuir dispositivos que
impeçam seu funcionamento automático ao serem energizadas.
12.4.3 Quando forem utilizados dispositivos de acionamento bimanual, visando a manter as
mãos do operador fora da zona de perigo, esses devem atender aos seguintes requisitos
mínimos do comando:
a) possuir atuação síncrona, ou seja, um sinal de saída deve ser gerado somente quando os
dois dispositivos de atuação do comando - botões - forem atuados com um retardo de tempo
menor ou igual a 0,5 s (meio segundo);
b) estar sob monitoramento automático por interface de segurança, se indicado pela
apreciação de risco;
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
c) ter relação entre os sinais de entrada e saída, de modo que os sinais de entrada aplicados
a cada um dos dois dispositivos de atuação devem juntos se iniciar e manter o sinal de saída
somente durante a aplicação dos dois sinais;
d) o sinal de saída deve terminar quando houver desacionamento de qualquer dos
dispositivos de atuação;
e) possuir dispositivos de atuação que exijam intenção do operador em acioná-los a fim de
minimizar a probabilidade de acionamento acidental;
f) possuir distanciamento, barreiras ou outra solução prevista nas normas técnicas oficiais ou
nas normas internacionais aplicáveis entre os dispositivos de atuação para dificultar a burla do
efeito de proteção;
g) tornar possível o reinício do sinal de saída somente após a desativação dos dois
dispositivos de atuação.
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
Botões de comando
bimanual
Botões de comando
bimanual
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
Botões de comando
bimanual
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
12.4.4 Nas máquinas e equipamentos operados por dois ou mais dispositivos de acionamento
bimanual, a atuação síncrona é requerida somente para cada um dos dispositivos de
acionamento bimanual e não entre dispositivos diferentes, que devem manter simultaneidade
entre si.
12.4.5 Os dispositivos de acionamento bimanual devem ser posicionados a uma distância
segura da zona de perigo, levando em consideração:
a) a forma, a disposição e o tempo de resposta do dispositivo de acionamento bimanual;
b) o tempo máximo necessário para a paralisação da máquina ou para a remoção do perigo,
após o término do sinal de saída do dispositivo de acionamento bimanual; e
c) a utilização projetada para a máquina.
12.4.6 Os dispositivos de acionamento bimanual móveis instalados em pedestais devem:
a) manter-se estáveis em sua posição de trabalho; e
b) possuir altura compatível com o alcance do operador em sua posição de trabalho.
12.4.7 Nas máquinas e equipamentos cuja operação requeira a participação de mais de uma
pessoa, o número de dispositivos de acionamento bimanual simultâneos deve corresponder ao
número de operadores expostos aos perigos decorrentes de seu acionamento, de modo que o
nível de proteção seja o mesmo para cada trabalhador.
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
12.4.7.1 Deve haver seletor do número de dispositivos de acionamento em utilização, com
bloqueio que impeça a sua seleção por pessoas não autorizadas.
12.4.7.2 O circuito de acionamento deve ser projetado de modo a impedir o funcionamento dos
dispositivos de acionamento bimanual habilitados pelo seletor enquanto os demais dispositivos
de acionamento bimanuais não habilitados não forem desconectados.
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
12.4.7.3 Quando utilizados dois ou mais dispositivos de acionamento bimanual simultâneos,
devem possuir sinal luminoso que indique seu funcionamento.
12.4.8 As máquinas ou equipamentos concebidos e fabricados para permitir a utilização de
vários modos de comando ou de funcionamento que apresentem níveis de segurança diferentes
devem possuir um seletor que atenda aos seguintes requisitos:
a) possibilidade de bloqueio em cada posição, impedindo a sua mudança por pessoas não
autorizadas;
b) correspondência de cada posição a um único modo de comando ou de funcionamento;
c) modo de comando selecionado com prioridade sobre todos os outros sistemas de comando,
com exceção da parada de emergência; e
d) a seleção deve ser visível, clara e facilmente identificável.
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
12.4.9 As máquinas e equipamentos, cujo acionamento por pessoas não autorizadas possam
oferecer risco à saúde ou integridade física de qualquer pessoa, devem possuir sistema que
possibilite o bloqueio de seus dispositivos de acionamento.
12.4.13 Os componentes de partida, parada, acionamento e controles que compõem a interface
de operação das máquinas e equipamentos fabricados a partir de 24 de março de 2012 devem:
a) possibilitar a instalação e funcionamento do sistema de parada de emergência, quando
aplicável, conforme itens e subitens do capítulo sobre dispositivos de parada de emergência,
desta NR; e
b) operar em extrabaixa tensão de até 25VCA (vinte e cinco volts em corrente alternada) ou de
até 60VCC (sessenta volts em corrente contínua).
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
Chave de
bloqueio
Botões
liga/desliga
Botão de
Emergência
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
12.5.1 As zonas de perigo das máquinas e equipamentos devem possuir sistemas de
segurança, caracterizados por proteções fixas, proteções móveis e dispositivos de segurança
interligados, que resguardem proteção à saúde e à integridade física dos trabalhadores.
12.5.1.1 Quando utilizadas proteções que restringem o acesso do corpo ou parte dele, devem
ser observadas as distâncias mínimas conforme normas técnicas oficiais ou normas
internacionais aplicáveis.
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
12.5.2 Os sistemas de segurança devem ser selecionados e instalados de modo a atender aos
seguintes requisitos:
a) Ter categoria de segurança conforme apreciação de riscos prevista nas normas técnicas
oficiais;
b) Estar sob a responsabilidade técnica de profissional legalmente habilitado;
c) Possuir conformidade técnica com o sistema de comando a que são integrados;
d) Instalação de modo que dificulte a sua burla;
e) Manterem-se sob vigilância automática, ou seja, monitoramento, se indicado pela apreciação
de risco, de acordo com a categoria de segurança requerida, exceto para dispositivos de
segurança exclusivamente mecânicos; e
f) Paralisação dos movimentos perigosos e demais riscos quando ocorrerem falhas ou
situações anormais de trabalho.
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
12.5.2.1 A instalação de sistemas de segurança deve ser realizada por profissional legalmente
habilitado ou profissional qualificado ou capacitado, quando autorizados pela empresa.
12.5.4 Para fins de aplicação desta NR, considera-se proteção o elemento especificamente
utilizado para prover segurança por meio de barreira física, podendo ser:
a) proteção fixa, que deve ser mantida em sua posição de maneira permanente ou por meio
de elementos de fixação que só permitam sua remoção ou abertura com o uso de
ferramentas;
b) proteção móvel, que pode ser aberta sem o uso de ferramentas, geralmente ligada por
elementos mecânicos à estrutura da máquina ou a um elemento fixo próximo, e deve se
associar a dispositivos de intertravamento.
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
PORTA BASCULANTE
PROTEÇÃO MÓVEL:
DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
12.5.4 Para fins de aplicação desta NR, considera-se proteção o elemento especificamente
utilizado para prover segurança por meio de barreira física, podendo ser:
a) proteção fixa, que deve ser mantida em sua posição de maneira permanente ou por meio de
elementos de fixação que só permitam sua remoção ou abertura com o uso de ferramentas;
b) proteção móvel, que pode ser aberta sem o uso de ferramentas, geralmente ligada por
elementos mecânicos à estrutura da máquina ou a um elemento fixo próximo, e deve se
associar a dispositivos de intertravamento.
Dispositivo gerenciador de sensores de segurança para monitorar as proteções ou guarda de
máquinas.
Função : verificar se as proteções ou guardas estão fechadas para garantir o funcionamento das
máquinas com segurança e a interrupção em caso da segurança
estar comprometida.
Característica : redundância, diversidade e monitoração,
conforme NBR 14153 (IN 954).
RELE DE SEGURANÇA:
RELE DE SEGURANÇA:
CONTROLADOR CONFIGURÁVEL DE SEGURANÇA (CCS):
Equipamento eletrônico computadorizado que usa memória configurável para armazenar e
executar internamente intertravamento de funções especificas de programa (software)
controlado e monitorando entradas e saídas de segurança de maquinas ou processos.
Dispositivo utilizado em uma proteção para interromper o movimento de perigo e
manter a máquina desligada enquanto a proteção ou guarda estiver aberta.
SENSORES INDUTIVOS DE SEGURANÇA:
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
Sensores de Segurança:
Dispositivos detectores de presença mecânicos e não mecânicos que atuam quando uma
pessoa ou parte de seu corpo adentra a zona de perigo.
Cortinas de luz;
 Detectores de presença optoeletrônicos;
 Laser de múltiplos feixes;
 Barreiras opticas;
 Monitores de áreas;
 Scanners;
 Batentes;
 Tapetes ...
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
Cortinas de luz:
Dispositivo que produz uma cortina de luz infravermelha que
supervisiona a área útil compreendida entre as unidades de
transmissão e recepção.
Detectores de Presença Optoeletrônicos:
Deve ser monitorado por interface de segurança.
CORTINAS DE LUZ:
CORTINAS DE LUZ:
SACANNER DE SEGURANÇA A LASER:
É um dispositivo optoeletrônicos que usa reflexão difusa da luz de laser infravermelha
emitida para determinar a intrusão de uma pessoa ou pessoa dentro de uma área definida.
PROTEÇÃO DA ÁREA COM DISPOSITIVOS DE DETECÇÃO:
LASER DE MULTIPLOS FEIXES DE SEGURANÇA:
É um dispositivo de proteção que cria um campo tridimensional para detecção de mãos e dedos
através de feixes de luz laser. Deve ser monitorado por interface de segurança (RS, CCS ou
CLP).
É um dispositivo de proteção sensível à pressão de contato projetado para detectar a presença de
pessoas na sua superfície de detecção. Quando o tapete é pisado, as placas condutivas se tocam
e a resistência do circuito cai para zero. Isto é monitorado pela unidade de controle, que envia um
sinal de parada à máquina.
Deve ser monitorado por interface de segurança (RS, CCS ou CLP).
TAPETE DE SEGURANÇA :
TAPETE DE SEGURANÇA :
TAPETE DE SEGURANÇA :
Aplicação em calandra
BATENTE DE SEGURANÇA:
É um dispositivo de proteção sensível a pressão de contato (depende de uma força de contato)
destinado a proteger portas automáticas e máquinas com conjuntos emmovimento. Deve ser
monitorado por interface de segurança (RS, CCS ou CLP).
EXTENSÃO DA
DETECÇÃO
UNIDADE DE
CONTROLE
SUPERFICIE DE
DETECÇÃO
ANGULO DE
DETECÇÃO
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
Dispositivo de retenção mecânica:
Dispositivo que tem por função inserir em um mecanismo um obstáculo mecânico.
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
Aplicações Diversas:
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
Distâncias de segurança para impedir o acesso a zonas de perigo quando utilizada barreira física.
ALCANCE SOBRE ESTRUTURAS DE PROTEÇÃO:
.
Legenda:
a. Altura da zona de perigo
b. Altura da estrutura de proteção
c. Distância horizontal à zona de perigo
ALCANCE DAS ZONAS DE PERIGO SUPERIORES:
Legenda:
 h: a altura da zona de perigo.
 Acima de 2,5 m não necessita proteção.
 Para alto risco na zona de perigo deve ser, no
mínimo, de 2,7 m.
ALCANCE AO REDOR:
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
12.5.2 Os sistemas de segurança devem ser selecionados e instalados de modo a atender aos
seguintes requisitos:
a) Ter categoria de segurança conforme apreciação de riscos prevista nas normas técnicas
oficiais;
b) Estar sob a responsabilidade técnica de profissional legalmente habilitado;
c) Possuir conformidade técnica com o sistema de comando a que são integrados;
d) Instalação de modo que dificulte a sua burla;
e) Manterem-se sob vigilância automática, ou seja, monitoramento, se indicado pela
apreciação de risco, de acordo com a categoria de segurança requerida, exceto para
dispositivos de segurança exclusivamente mecânicos; e
f) Paralisação dos movimentos perigosos e demais riscos quando ocorrerem falhas ou
situações anormais de trabalho.
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
12.40. Os sistemas de segurança, de acordo com a categoria de segurança requerida, devem
exigir rearme, ou reset manual, após a correção da falha ou situação anormal de trabalho
que provocou a paralisação da máquina.
12.5.4 Para fins de aplicação desta NR, considera-se proteção o elemento especificamente
utilizado para prover segurança por meio de barreira física, podendo ser:
a) Proteção fixa, que deve ser mantida em sua posição de maneira permanente ou por meio de
elementos de fixação que só permitam sua remoção ou abertura com o uso de ferramentas;
b) Proteção móvel, que pode ser aberta sem o uso de ferramentas, geralmente ligada por
elementos mecânicos à estrutura da máquina ou a um elemento fixo próximo, e deve se
associar a dispositivos de intertravamento.
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
VÁLVULA DE SEGURANÇA:
É um dispositivo de proteção ativa aplicado em circuitos
com fluídos compressíveis que tem por finalidade
interromper o funcionamento de uma máquina ou processo
quando detectada uma anormalidade operacional com
potencial de causar acidente.
Deve ser monitorado por interface de segurança (RS, CCS
ou CLP).
DISPOSITIVOS DE RETENÇÃO MECÂNICOS:
Projetados para evitar o chicoteamento caso a
mangueira se solte da conexão, evitando acidentes no
entorno.
VÁLVULA DE SEGURANÇA:
Aplicação em prensa mecânica de freio / embreagem pneumático
CHAVE SECCIONADORA DE SEGURANÇA:
Dispositivo de proteção utilizado para isolar a máquina de modo a garantir um acesso
seguro a mesma. Deve ser monitorado por interface de segurança (RS, CCS ou CLP).
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
12.5.5 Os componentes relacionados aos sistemas de segurança e comandos de acionamento e
parada das máquinas, inclusive de emergência, devem garantir a manutenção do estado seguro
da máquina ou equipamento quando ocorrerem flutuações no nível de energia além dos limites
considerados no projeto, incluindo o corte e restabelecimento do fornecimento de energia.
12.5.6 A proteção deve ser móvel quando o acesso a uma zona de perigo for requerido mais de
uma vez por turno de trabalho, observando-se que:
a) a proteção deve ser associada a um dispositivo de intertravamento quando sua abertura não
possibilitar o acesso à zona de perigo antes da eliminação do risco; e
b) a proteção deve ser associada a um dispositivo de intertravamento com bloqueio quando sua
abertura possibilitar o acesso à zona de perigo antes da eliminação do risco.
CHAVE DE INTERTRAVAMENTO DE PROTEÇÃO:
Operada por lingueta, de modo positivo, que trava a proteção na posição
fechada até que a alimentação da máquina seja isolada, garantindo que a
máquina permaneça parada enquanto a proteção estiver aberta.
Aplicação em máquina industrial
CHAVE DE INTERTRAVAMENTO DE PROTEÇÃO:
Aplicação em máquina industrial
CHAVE DE INTERTRAVAMENTO DE PROTEÇÃO:
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
12.5.7 As máquinas e equipamentos dotados de proteções móveis associadas a dispositivos de
intertravamento devem:
a) operar somente quando as proteções estiverem fechadas;
b) paralisar suas funções perigosas quando as proteções forem abertas durante a operação; e
c) garantir que o fechamento das proteções por si só não possa dar início às funções
perigosas.
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
12.5.8 Os dispositivos de intertravamento com bloqueio associados às proteções móveis das
máquinas e equipamentos devem:
a) permitir a operação somente enquanto a proteção estiver fechada e bloqueada;
b) manter a proteção fechada e bloqueada até que tenha sido eliminado o risco de lesão devido
às funções perigosas da máquina ou do equipamento; e
c) garantir que o fechamento e bloqueio da proteção por si só não possa dar início às funções
perigosas da máquina ou do equipamento.
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
12.5.9 As transmissões de força e os componentes móveis a elas interligados, acessíveis ou
expostos, desde que ofereçam risco, devem possuir proteções fixas, ou móveis com
dispositivos de intertravamento, que impeçam o acesso por todos os lados.
12.5.9.1 Quando utilizadas proteções móveis para o enclausuramento de transmissões de força
que possuam inércia, devem ser utilizados dispositivos de intertravamento com bloqueio.
12.5.10 As máquinas e equipamentos que ofereçam risco de ruptura de suas partes, projeção
de materiais, partículas ou substâncias, devem possuir proteções que garantam a segurança e
a saúde dos trabalhadores.
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
Proteções físicas das partes móveis
perigosas em prensa mecânica excêntrica
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
12.5.11 As proteções devem ser projetadas e construídas de modo a atender aos seguintes
requisitos de segurança:
a) cumprir suas funções apropriadamente durante a vida útil da máquina ou possibilitar a
reposição de partes deterioradas ou danificadas;
b) ser constituídas de materiais resistentes e adequados à contenção de projeção de peças,
materiais e partículas;
c) fixação firme e garantia de estabilidade e resistência mecânica compatíveis com os esforços
requeridos;
d) não criar pontos de esmagamento ou agarramento com partes da máquina ou com outras
proteções;
e) não possuir extremidades e arestas cortantes ou outras saliências perigosas;
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
f) resistir às condições ambientais do local onde estão instaladas;
g) dificulte-se a burla;
h) proporcionar condições de higiene e limpeza;
i) impedir o acesso à zona de perigo;
j) ter seus dispositivos de intertravamento protegidos adequadamente contra sujidade, poeiras e
corrosão, se necessário;
k) ter ação positiva, ou seja, atuação de modo positivo; e
l) não acarretar riscos adicionais.
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
12.5.12 Quando a proteção for confeccionada com material descontínuo, devem ser observadas
as distâncias de segurança para impedir o acesso às zonas de perigo, conforme previsto nas
normas técnicas oficiais ou nas normas internacionais aplicáveis.
12.5.13 Sempre que forem utilizados sistemas de segurança, inclusive proteções distantes, com
possibilidade de alguma pessoa ficar na zona de perigo, deve ser adotada uma das seguintes
medidas adicionais de proteção coletiva para impedir a partida da máquina enquanto houver
pessoas nessa zona:
a) sensoriamento da presença de pessoas;
b) proteções móveis ou sensores de segurança na entrada ou acesso à zona de perigo,
associadas a rearme (“reset”) manual
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
12.5.14 As proteções também utilizadas como meio de acesso por exigência das características
da máquina ou do equipamento devem atender aos requisitos de resistência e segurança
adequados a ambas as finalidades.
12.5.15 Deve haver proteção no fundo dos degraus da escada, ou seja, nos espelhos, sempre
que uma parte saliente do pé ou da mão possa contatar uma zona perigosa.
SISTEMAS DE SEGURANÇA:
12.5.16 As proteções, dispositivos e sistemas de segurança são partes integrantes das
máquinas e equipamentos e não podem ser considerados itens opcionais para qualquer fim.
12.5.17 Em função do risco, poderá ser exigido projeto, diagrama ou representação
esquemática dos sistemas de segurança de máquinas, com respectivas especificações
técnicas em língua portuguesa, elaborado por profissional legalmente habilitado.
 Quando a máquina não possuir a documentação técnica exigida, o seu proprietário deve
constituí-la, sob a responsabilidade de profissional legalmente habilitado e com respectiva
ART/CREA.
DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA:
12.6.1 As máquinas devem ser equipadas com um ou mais dispositivos de parada de
emergência, por meio dos quais possam ser evitadas situações de perigo latentes e existentes.
12.6.1.1 Os dispositivos de parada de emergência não devem ser utilizados como dispositivos
de partida ou de acionamento.
Dispositivo de parada de emergência:
chave operada por cabo (corda)
Dispositivo de parada de emergência:
botão operado manualmente por impacto
DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA:
DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA:
CHAVE DE PARADA DE EMERGÊNCIA COM ACIONADOR TIPO CABO:
Aplicaçãoem esteira transportadora
Aplicação em calandra
CHAVE DE PARADA DE EMERGÊNCIA COM ACIONADOR TIPO CABO:
DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA:
12.6.2 Os dispositivos de parada de emergência devem ser posicionados em locais de fácil
acesso e visualização pelos operadores em seus postos de trabalho e por outras pessoas, e
mantidos permanentemente desobstruídos.
12.6.3 Os dispositivos de parada de emergência devem:
a) ser selecionados, montados e interconectados de forma a suportar as condições de operação
previstas, bem como as influências do meio;
b) ser usados como medida auxiliar, não podendo ser alternativa a medidas adequadas de
proteção ou a sistemas automáticos de segurança;
c) possuir acionadores projetados para fácil atuação do operador ou outros que possam
necessitar da sua utilização;
d) prevalecer sobre todos os outros comandos;
e) provocar a parada da operação ou processo perigoso em período de tempo tão reduzido
quanto tecnicamente possível, sem provocar riscos suplementares; e
f) ter sua função disponível e operacional a qualquer tempo, independentemente do modo de
operação;
DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA:
12.6.4 A função parada de emergência não deve:
a) prejudicar a eficiência de sistemas de segurança ou dispositivos com funções relacionadas
com a segurança;
b) prejudicar qualquer meio projetado para resgatar pessoas acidentadas; e
c) gerar risco adicional.
12.6.5 O acionamento do dispositivo de parada de emergência deve também resultar na
retenção do acionador, de tal forma que, quando a ação no acionador for descontinuada, este
se mantenha retido até que seja desacionado.
12.6.5.1 O desacionamento deve ser possível apenas como resultado de uma ação manual
intencionada sobre o acionador, por meio de manobra apropriada.
DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA:
12.6.6 Quando usados acionadores do tipo cabo, deve-se:
a) utilizar chaves de parada de emergência que trabalhem tracionadas, de modo acessarem
automaticamente as funções perigosas da máquina em caso de ruptura
ou afrouxamento dos cabos;
b) considerar o deslocamento e a força aplicada nos acionadores, necessários para a atuação
das chaves de parada de emergência; e
c) obedecer à distância máxima entre as chaves de parada de emergência recomendada pelo
fabricante.
DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA:
12.6.8 A parada de emergência deve exigir rearme ou reset manual a ser realizado somente
após a correção do evento que motivou o acionamento da parada de emergência.
12.6.8.1 A localização dos acionadores de rearme deve permitir uma visualização completa da
área protegida pelo cabo.
MEIOS DE ACESSO PERMANENTES:
As máquinas e equipamentos devem possuir acessos permanentemente fixados e seguros a
todos os seus pontos de operação, abastecimento, inserção de matérias- primas e retirada
de produtos trabalhados, preparação, manutenção e intervenção constante.
Consideram-se meios de acesso elevadores, rampas, passarelas, plataformas ou escadas
de degraus.
Nas máquinas e equipamentos, os meios de acesso permanentes devem ser localizados e
instalados de modo a prevenir riscos de acidente e facilitar o seu acesso e utilização pelos
trabalhadores.
O emprego dos meios de acesso deve considerar o ângulo de lance conforme Figura 1 do
Anexo III.
Os locais ou postos de trabalho acima do nível do solo em que haja acesso de trabalhadores,
para comando ou quaisquer outras intervenções habituais nas máquinas e equipamentos, como
operação, abastecimento, manutenção, preparação e inspeção, devem possuir plataformas de
trabalho estáveis e seguras.
MEIOS DE ACESSO PERMANENTES:
Legenda:
 A: rampa.
 B: rampa com peças transversais
para evitar o escorregamento.
 C: escada com espelho.
 D: escada sem espelho.
 E: escada do tipo marinheiro.
MEIOS DE ACESSO PERMANENTES:
EXEMPLO DE ESCADA FIXA DO TIPO MARINHEIRO:
MEIOS DE ACESSO PERMANENTES:
As passarelas, plataformas, rampas e escadas de degraus devem propiciar condições seguras
de trabalho
 Ser dimensionadas, construídas e fixadas de modo seguro e resistente,
 Ter pisos e degraus constituídos de materiais ou revestimentos antiderrapantes, ser
mantidas desobstruídas;
 Ser localizadas e instaladas de modo a prevenir riscos de queda, escorregamento,
tropeçamento e dispêndio excessivo de esforços físicos pelos trabalhadores ao utilizá-las.
 O travessão superior não deve possuir superfície plana, a fim de evitar a colocação de
objetos; e
 Possuir rodapé de, no mínimo, 0,20 m (vinte centímetros) de altura e travessão intermediário
a 0,70 m (setenta centímetros) de altura em relação ao piso, localizado entre o rodapé e o
travessão superior.
MEIOS DE ACESSO PERMANENTES:
DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA:
Havendo risco de queda de objetos e materiais, o vão entre o rodapé e o travessão superior do
guarda corpo deve receber proteção fixa, integral e resistente.
 A proteção mencionada pode ser constituída de tela resistente,desde que sua malha não
permita a passagem de qualquer objeto.
As passarelas, plataformas e rampas devem ter as seguintes características:
a) largura útil mínima de 0,60 cm;
b) meios de drenagem, se necessário;
c) não possuir rodapé no vão de acesso.
AS ESCADAS DE DEGRAUS SEM ESPELHO DEVEM TER:
a) largura de 0,60 cm a 0,80 cm;
b) degraus com profundidade mínima de 0,15 cm
c) degraus e lances uniformes, nivelados e sem saliências;
d) altura máxima entre os degraus de 0,25 cm ;
e) plataforma de descanso com 0,60cm a 0,80 cm de largura e comprimento a intervalos de, no
máximo, 3,00 metros de altura;
f) projeção mínima de 0,01 m (dez milímetros) de um degrau sobreo outro;
AS ESCADAS DE DEGRAUS SEM ESPELHO DEVEM TER:
Escada sem Espelho
Escada com Espelho
AS ESCADAS DE DEGRAUS COM ESPELHO DEVEM TER:
a) largura de 0,60 cm a 0,80 cm ;
b) degraus com profundidade mínima de 0,20 cm ;
c) degraus e lances uniformes, nivelados e sem saliências;
d) altura entre os degraus de 0,20 cm a 0,25 cm;
e) plataforma de descanso de 0,60 cm a 0,80 cm de largura e comprimento a intervalos de, no
máximo, 3,00 m (três metros) de altura.
COMPONENTES PRESSURIZADOS:
12.7.1 Devem ser adotadas medidas adicionais de proteção das mangueiras, tubulações e
demais componentes pressurizados sujeitos a eventuais impactos mecânicos e outros agentes
agressivos, quando houver risco.
12.7.2 As mangueiras, tubulações e demais componentes pressurizados devem ser localizados
ou protegidos de tal forma que uma situação de ruptura destes componentes e vazamentos de
fluidos não possa ocasionar acidentes de trabalho.
12.7.3 As mangueiras utilizadas nos sistemas pressurizados devem possuir indicação da
pressão máxima de trabalho admissível especificada pelo fabricante.
12.7.4 Os sistemas pressurizados das máquinas devem possuir meios ou dispositivos
destinados a garantir que:
a) a pressão máxima de trabalho admissível nos circuitos não possa ser excedida; e
b) quedas de pressão progressivas ou bruscas e perdas de vácuo não possam gerar
perigo.
COMPONENTES PRESSURIZADOS:
COMPONENTES PRESSURIZADOS:
12.7.6 Os recipientes contendo gases comprimidos utilizados em máquinas e equipamentos
devem permanecer em perfeito estado de conservação e funcionamento e ser armazenados
em depósitos bem ventilados, protegidos contra quedas, calor e impactos acidentais.
12.7.7 Nas atividades de montagem e desmontagem de pneumáticos das rodas das máquinas
e equipamentos não estacionários, que ofereçam riscos de acidentes, devem ser observadas
as seguintes condições:
a) os pneumáticos devem ser completamente despressurizados, removendo o núcleo da
válvula de calibragem antes da desmontagem e de qualquer intervenção que possa
acarretar acidentes; e
b) o enchimento de pneumáticos só poderá ser executado dentro de dispositivo de clausura ou
gaiola adequadamente dimensionada, até que seja alcançada uma pressão suficiente para
forçar o talão sobre o aro e criar uma vedação pneumática.
TRANSPORTADORES DE MATERIAIS:
12.8.1 Os movimentos perigosos dos transportadores contínuos de materiais, acessíveis
durante a operação normal, devem ser protegidos, especialmente nos pontos de esmagamento,
agarramento e aprisionamento.
12.8.1.1 Os transportadores contínuos de correia cuja altura da borda da correia que transporta
a carga esteja superior a 2,70 m (dois metros e setenta centímetros) do piso estão dispensados
da observância do subitem 12.8.1, desde que não haja circulação nem permanência de
pessoas nas zonas de perigo.
12.8.1.2 Os transportadores contínuos de correia em que haja proteção fixa distante, associada
a proteção móvel intertravada que restrinja o acesso a pessoal especializado para a realização
de inspeções, manutenções e outras intervenções necessárias, estão dispensados da
observância do subitem 12.8.1, desde que atendido o disposto no subitem 12.5.13.
12.8.2 Os transportadores contínuos de correia, cuja altura da borda da correia que transporta
a carga esteja superior a 2,70 m (dois metros e setenta centímetros) do piso, devem possuir,
em toda a sua extensão, passarelas em ambos os lados, atendidos os requisitos do item 3 do
Anexo III desta NR.
12.8.2.1 Os transportadores cuja correia tenha largura de até 762 mm (setecentos e sessenta
e dois milímetros) ou 30 (trinta) polegadas podem possuir passarela em apenas um dos lados,
devendo-se adotar o uso de plataformas móveis ou elevatórias para quaisquer intervenções e
inspeções.
TRANSPORTADORES DE MATERIAIS:
12.8.2.2 Os transportadores móveis articulados em que haja possibilidade de realização de
quaisquer intervenções e inspeções a partir do solo ficam dispensados da exigência do subitem
12.8.2.
12.8.4 Os cabos de aço, correntes, eslingas, ganchos e outros elementos de suspensão ou
tração e suas conexões devem ser adequados ao tipo de material e dimensionados para
suportar os esforços solicitantes.
12.8.5 Nos transportadores contínuos de materiais que necessitem de parada durante o
processo é proibida a reversão de movimento para esta finalidade.
12.8.6 É proibida a permanência e a circulação de pessoas sobre partes em movimento, ou que
possam ficar em movimento, dos transportadores de materiais, quando não projetadas para
essas finalidades.
TRANSPORTADORES DE MATERIAIS:
TRANSPORTADORES DE MATERIAIS:
12.8.6.1 Nas situações em que haja inviabilidade técnica do cumprimento do disposto no
subitem 12.8.6, devem ser adotadas medidas que garantam a paralisação e o bloqueio dos
movimentos de risco, conforme o disposto nos subitens 12.11.3 e 12.11.3.1.
12.8.6.2 A permanência e a circulação de pessoas sobre os transportadores contínuos devem
ser realizadas por meio de passarelas com sistema de proteção contra quedas, conforme item
7 do Anexo III desta NR.
12.8.7 Os transportadores contínuos acessíveis aos trabalhadores devem dispor, ao longo de
sua extensão, de dispositivos de parada de emergência, de modo que possam ser acionados
em todas as posições de trabalho.
TRANSPORTADORES DE MATERIAIS:
12.8.7.1 Os transportadores contínuos acessíveis aos trabalhadores ficam dispensados do
cumprimento da exigência do subitem 12.8.7 se a análise de risco assim indicar.
12.8.8 Nos transportadores contínuos de correia cujo desalinhamento anormal da correia ou
sobrecarga de materiais ofereçam riscos de acidentes, devem existir dispositivos que garantam
a segurança em caso de falha durante sua operação normal e interrompam seu funcionamento
quando forem ultrapassados os limites de segurança, conforme especificado em projeto.
12.8.9 Durante o transporte de materiais suspensos, devem ser adotadas medidas de
segurança visando a garantir que não haja pessoas sob a carga.
12.8.9.1 As medidas de segurança previstas no subitem 12.8.9 devem priorizar a existência de
áreas exclusivas para a circulação de cargas suspensas devidamente delimitadas e sinalizadas.
ASPECTOS ERGONÔMICOS:
12.9.1 Para o trabalho em máquinas e equipamentos devem ser respeitadas as disposições
contidas na Norma Regulamentadora n.º 17 - Ergonomia.
12.9.2 Com relação aos aspectos ergonômicos, as máquinas e equipamentos nacionais ou
importadas fabricadas a partir da vigência deste item devem ser projetadas e construídas de
modo a atender às disposições das normas técnicas oficiais ou normas técnicas internacionais
aplicáveis.
ASPECTOS ERGONÔMICOS:
 As máquinas e equipamentos ter a observância aos os seguintes aspectos:
a) atendimento da variabilidade das características antropométricas dos operadores;
b) respeito às exigências posturais, cognitivas, movimentos e esforços físicos demandados
pelos operadores;
c) os componentes como monitores de vídeo, sinais e comandos, devem possibilitar a
interação clara e precisa com o operador de forma a reduzir possibilidades de erros de
interpretação ou retorno de informação;
d) os comandos e indicadores devem representar, sempre que possível, a direção do
movimento e demais efeitos correspondentes;
e) os sistemas interativos, como ícones, símbolos e instruções devem ser coerentes em sua
aparência e função;
ASPECTOS ERGONÔMICOS:
e) favorecimento do desempenho e a confiabilidade das operações, com redução da
probabilidade de falhas na operação;
g) redução da exigência de força, pressão, preensão, flexão, extensão ou torção dos segmentos
corporais;
h) a iluminação deve ser adequada e ficar disponível em situações de emergência, quando
exigido o ingresso em seu interior.
ASPECTOS ERGONÔMICOS:
 Os comandos devem ter observância aos seguintes itens:
a) localização e distância de forma a permitir manejo fácil e seguro;
b) instalação dos comandos mais utilizados em posições acessíveis
c) visibilidade, identificação e sinalização que permita serem distinguíveis entre si;
d) instalação dos elementos de acionamento manual ou a pedal de forma a facilitar a execução
da manobra;
e) garantia de manobras seguras e rápidas e proteção de forma a evitar movimentos
involuntários.
RISCOS ADICIONAIS:
12.10.1 Para fins de aplicação desta NR, devem ser considerados os seguintes riscos adicionais:
a) substâncias perigosas quaisquer, sejam agentes biológicos ou agentes químicos em estado
sólido, líquido ou gasoso, que apresentem riscos à saúde ou integridade física dos
trabalhadores por meio de inalação, ingestão ou contato com a pele, olhos ou mucosas;
b) radiações ionizantes geradas pelas máquinas e equipamentos ou provenientes de
substâncias radiativas por eles utilizadas, processadas ou produzidas;
c) radiações não ionizantes com potencial de causar danos à saúde ou integridade física dos
trabalhadores;
RISCOS ADICIONAIS:
d) vibrações;
e) ruído;
f) calor;
g) combustíveis, inflamáveis, explosivos e substâncias que reagem perigosamente; e
h) superfícies aquecidas acessíveis que apresentem risco de queimaduras causadas pelo
contato com a pele.
RISCOS ADICIONAIS:
12.10.2 Devem ser adotadas medidas de controle dos riscos adicionais provenientes da
emissão ou liberação de agentes químicos, físicos e biológicos pelas máquinas e
equipamentos, com prioridade à sua eliminação, redução de sua emissão ou liberação e
redução da exposição dos trabalhadores, conforme Norma Regulamentadora n.º 9 - Programa
de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA.
12.10.3 As máquinas e equipamentos que utilizem, processem ou produzam combustíveis,
inflamáveis, explosivos ou substâncias que reagem perigosamente devem oferecer medidas de
proteção contra sua emissão, liberação, combustão, explosão e reação acidentais, bem como a
ocorrência de incêndio.
12.10.4 Devem ser adotadas medidas de proteção contra queimaduras causadas pelo contato
da pele com superfícies aquecidas de máquinas e equipamentos, tais como a redução da
temperatura superficial, isolação com materiais apropriados e barreiras, sempre que a
temperatura da superfície for maior do que o limiar de queimaduras do material do qual é
constituída, para um determinado período de contato.
MANUTENÇÃO, INSPEÇÃO, PREPARAÇÃO, AJUSTES E REPAROS:
12.11.1 As máquinas e equipamentos devem ser submetidos a manutenções na forma e
periodicidade determinada pelo fabricante, por profissional legalmente habilitado ou por
profissional qualificado, conforme as normas técnicas oficiais ou normas técnicas internacionais
aplicáveis.
12.11.2 As manutenções devem ser registradas em livro próprio, ficha ou sistema informatizado
interno da empresa, com os seguintes dados:
a) intervenções realizadas;
b) data da realização de cada intervenção;
c) serviço realizado;
d) peças reparadas ou substituídas;
e) condições de segurança do equipamento;
f) indicação conclusiva quanto às condições de segurança da máquina; e
g) nome do responsável pela execução das intervenções.
MANUTENÇÃO, INSPEÇÃO, PREPARAÇÃO, AJUSTES E REPAROS:
12.11.2.1 O registro das manutenções deve ficar disponível aos trabalhadores envolvidos na
operação, manutenção e reparos, bem como à Comissão Interna de Prevenção de Acidentes -
CIPA, ao Serviço de Segurança e Medicina do Trabalho - SESMT e à Auditoria Fiscal do
Trabalho.
12.11.3 A manutenção, inspeção, reparos, limpeza, ajuste e outras intervenções que se fizerem
necessárias devem ser executadas por profissionais capacitados, qualificados ou legalmente
habilitados, formalmente autorizados pelo empregador, com as máquinas e equipamentos
parados e adoção dos seguintes procedimentos:
a) isolamento e descarga de todas as fontes de energia das máquinas e equipamentos,
de modo visível ou facilmente identificável por meio dos dispositivos de comando;
b) bloqueio mecânico e elétrico na posição “desligado” ou “fechado” de todos os
dispositivos de corte de fontes de energia, a fim de impedir a reenergização, e
sinalização com cartão ou etiqueta de bloqueio contendo o horário e a data do
bloqueio, o motivo da manutenção e o nome do responsável;
MANUTENÇÃO, INSPEÇÃO, PREPARAÇÃO, AJUSTES E REPAROS:
c) medidas que garantam que à jusante dos pontos de corte de energia não exista possibilidade
de gerar risco de acidentes;
d) medidas adicionais de segurança, quando for realizada manutenção, inspeção e reparos de
máquinas ou equipamentos sustentadas somente por sistemas hidráulicos e pneumáticos; e
e) sistemas de retenção com trava mecânica, para evitar o movimento de retorno acidental de
partes basculadas ou articuladas abertas das máquinas e equipamentos.
12.11.3.1 Para situações especiais de manutenção, regulagem, ajuste, limpeza, pesquisa de
defeitos e inconformidades, em que não seja possível o cumprimento das condições
estabelecidas no subitem 12.11.3, e em outras situações que impliquem a redução do nível de
segurança das máquinas e equipamentos e houver necessidade de acesso às zonas de perigo,
deve ser possível selecionar um modo de operação que:
a) torne inoperante o modo de comando automático;
b) permita a realização dos serviços com o uso de dispositivo de acionamento de ação
continuada associado à redução da velocidade, ou dispositivos de comando por
movimento limitado;
c) impeça a mudança por trabalhadores não autorizados;
d) a seleção corresponda a um único modo de comando ou de funcionamento;
e) quando selecionado, tenha prioridade sobre todos os outros sistemas de comando, com
exceção da parada de emergência; e
f) torne a seleção visível, clara e facilmente identificável.
MANUTENÇÃO, INSPEÇÃO, PREPARAÇÃO, AJUSTES E REPAROS:
12.11.5 Nas manutenções das máquinas e equipamentos, sempre que detectado qualquer
defeito em peça ou componente que comprometa a segurança, deve ser providenciada sua
reparação ou substituição imediata por outra peça ou componente original ou equivalente, de
modo a garantir as mesmas características e condições seguras de uso.
MANUTENÇÃO, INSPEÇÃO, PREPARAÇÃO, AJUSTES E REPAROS:
SINALIZAÇÃO:
12.12.1 As máquinas e equipamentos, bem como as instalações em que se encontram, devem
possuir sinalização de segurança para advertir os trabalhadores e terceiros sobre os riscos a
que estão expostos, as instruções de operação e manutenção e outras informações necessárias
para garantir a integridade física e a saúde dos trabalhadores.
12.12.1.1 A sinalização de segurança compreende a utilização de cores, símbolos, inscrições,
sinais luminosos ou sonoros, entre outras formas de comunicação de mesma eficácia.
SINALIZAÇÃO NÃO É UMA PORTEÇÃO EFETIVA CONTRA UM RISCO, MAS
SOMENTE UMA ADVERTÊNCIA (UM ALERTA, UM AVISO, UMA
INFORMAÇÃO).
SINALIZAÇÃO:
12.12.1.3 A sinalização de segurança deve ser adotada em todas as fases de utilização e vida
útil das máquinas e equipamentos.
12.12.2 A sinalização de segurança deve:
a) ficar destacada na máquina ou equipamento;
b) ficar em localização claramente visível; e
c) ser de fácil compreensão.
MANUAIS:
12.12.7 As máquinas e equipamentos fabricados a partir de 24 de dezembro de 2011 devem
possuir em local visível as seguintes informações indeléveis:
a) razão social, CNPJ e endereço do fabricante ou importador;
b) informação sobre tipo, modelo e capacidade;
c) número de série ou identificação, e ano de fabricação;
d) número de registro do fabricante/importador ou do profissional legalmente habilitado no
Conselho Regional de Engenharia e Agronomia - CREA; e
e) peso da máquina ou equipamento.
12.13.1 As máquinas e equipamentos devem possuir manual de instruções fornecido pelo
fabricante ou importador, com informações relativas à segurança em todas as fases de
utilização.
12.13.2 Os manuais devem:
a) ser escritos na língua portuguesa (Brasil), com caracteres de tipo e tamanho que possibilitem
a melhor legibilidade possível, acompanhado das ilustrações explicativas;
b) ser objetivos, claros, sem ambiguidades e em linguagem de fácil compreensão;
c) ter sinais ou avisos referentes à segurança realçados; e
d) permanecer disponíveis a todos os usuários nos locais de trabalho.
MANUAIS:
12.13.4 Os manuais das máquinas e equipamentos fabricados ou importados entre 24 de junho
de 2012 e a data de entrada em vigor deste item devem conter, no mínimo, as seguintes
informações:
a) razão social, CNPJ e endereço do fabricante ou importador;
b) tipo, modelo e capacidade;
c) número de série ou número de identificação e ano de fabricação;
d) normas observadas para o projeto e construção da máquina ou equipamento;
e) descrição detalhada da máquina ou equipamento e seus acessórios;
f) diagramas, inclusive circuitos elétricos, em especial a representação esquemática das
funções de segurança;
g) definição da utilização prevista para a máquina ou equipamento;
h) riscos a que estão expostos os usuários, com as respectivas avaliações quantitativas de
emissões geradas pela máquina ou equipamento em sua capacidade máxima de utilização;
MANUAIS:
i) definição das medidas de segurança existentes e daquelas a serem adotadas pelos usuários;
j) especificações e limitações técnicas para a sua utilização com segurança;
k) riscos que podem resultar de adulteração ou supressão de proteções e dispositivos de
segurança;
l) riscos que podem resultar de utilizações diferentes daquelas previstas no projeto;
m)informações técnicas para subsidiar a elaboração dos procedimentos de trabalho e
segurança durante todas as fases de utilização;
n) procedimentos e periodicidade para inspeções e manutenção;
o) procedimentos a serem adotados em situações de emergência; e
p) indicação da vida útil da máquina ou equipamento e/ou dos componentes relacionados com
a segurança.
MANUAIS:
PROCEDIMENTOS DE TRABALHO E SEGURANÇA:
12.14.1 Devem ser elaborados procedimentos de trabalho e segurança para máquinas e
equipamentos, específicos e padronizados, a partir da apreciação de riscos.
12.14.1.1 Os procedimentos de trabalho e segurança não podem ser as únicas medidas de
proteção adotadas para se prevenir acidentes, sendo considerados complementos e não
substitutos das medidas de proteção coletivas necessárias para a garantia da segurança e
saúde dos trabalhadores
12.14.2 Ao início de cada turno de trabalho ou após nova preparação da máquina ou
equipamento, o operador deve efetuar inspeção rotineira das condições de operacionalidade e
segurança e, se constatadas anormalidades que afetem a segurança, as atividades devem ser
interrompidas, com a comunicação ao superior hierárquico.
12.14.3 Os serviços que envolvam risco de acidentes de trabalho em máquinas e
equipamentos, exceto operação, devem ser planejados e realizados em conformidade com os
procedimentos de trabalho e segurança, sob supervisão e anuência expressa de profissional
habilitado ou qualificado, desde que autorizados.
PROCEDIMENTOS DE TRABALHO E SEGURANÇA:
PROJETO, FABRICAÇÃO, IMPORTAÇÃO, VENDA, LOCAÇÃO,
LEILÃO, CESSÃO A QUALQUER TÍTULO E EXPOSIÇÃO. :
12.15.1 O projeto das máquinas e equipamentos fabricados a partir da publicação da Portaria
SIT n.º 197, de 17 de dezembro de 2010, D.O.U. de 24 de dezembro de 2010, deve levar em
conta a segurança intrínseca da máquina ou equipamento durante as fases de construção,
transporte, montagem, instalação, ajuste, operação, limpeza, manutenção, inspeção,
desativação, desmonte e sucateamento por meio das referências técnicas, a serem
observadas para resguardar a saúde e a integridade física dos trabalhadores.
12.15.1.1 O projeto da máquina ou equipamento não deve permitir erros na montagem ou
remontagem de determinadas peças ou elementos que possam gerar riscos durante seu
funcionamento, especialmente quanto ao sentido de rotação ou deslocamento.
PROJETO, FABRICAÇÃO, IMPORTAÇÃO, VENDA, LOCAÇÃO,
LEILÃO, CESSÃO A QUALQUER TÍTULO E EXPOSIÇÃO. :
12.15.1.2 O projeto das máquinas ou equipamentos fabricados ou importados após a vigência
desta NR deve prever meios adequados para o seu levantamento, carregamento, instalação,
remoção e transporte.
12.15.1.3 Devem ser previstos meios seguros para as atividades de instalação, remoção,
desmonte ou transporte, mesmo que em partes, de máquinas e equipamentos fabricados ou
importados antes da vigência desta NR.
12.15.2 É proibida a fabricação, importação, comercialização, leilão, locação, cessão a qualquer
título e exposição de máquinas e equipamentos que não atendam ao disposto nesta NR.
CAPACITAÇÃO:
12.16.1 A operação, manutenção, inspeção e demais intervenções em máquinas e
equipamentos devem ser realizadas por trabalhadores habilitados ou qualificados ou
capacitados, e autorizados para este fim.
12.16.2 Os trabalhadores envolvidos na operação, manutenção, inspeção e demais
intervenções em máquinas e equipamentos devem receber capacitação providenciada pelo
empregador e compatível com suas funções, que aborde os riscos a que estão expostos e as
medidas de proteção existentes e necessárias, nos termos desta NR, para a prevenção de
acidentes e doenças.
CAPACITAÇÃO:
12.16.3 A capacitação deve:
a) ocorrer antes que o trabalhador assuma a sua função;
b) ser realizada sem ônus para o trabalhador;
c) ter carga horária mínima, definida pelo empregador, que garanta aos trabalhadores
executarem suas atividades com segurança, sendo realizada durante a jornada de trabalho;
d) ter conteúdo programático conforme o estabelecido no Anexo II desta NR; e
e) ser ministrada por trabalhadores ou profissionais ou qualificados para este fim, com
supervisão de profissional legalmente habilitado que se responsabilizará pela adequação do
conteúdo, forma, carga horária, qualificação dos instrutores e avaliação dos capacitados.
CAPACITAÇÃO:
12.16.8 Deve ser realizada capacitação para reciclagem do trabalhador sempre que ocorrerem
modificações significativas nas instalações e na operação de máquinas ou troca de métodos,
processos e organização do trabalho, que impliquem em novos riscos.
12.16.10 Os operadores de máquinas autopropelidas devem portar cartão de identificação,
com nome, função e fotografia em local visível, renovado com periodicidade máxima de um
ano mediante exame médico, conforme disposições constantes da Norma Regulamentadora
n.º 07 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO e na Norma
Regulamentadora n.º 11 - Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais.
OUTROS REQUISITOS ESPECÍFICOS DE SEGURANÇA:
12.17.1 As ferramentas e materiais utilizados nas intervenções em máquinas e equipamentos
devem ser adequados às operações realizadas.
12.17.2 Os acessórios e ferramental utilizados pelas máquinas e equipamentos devem ser
adequados às operações realizadas.
12.17.3 É proibido o porte de ferramentas manuais em bolsos ou locais não apropriados a
essa finalidade.
DISPOSIÇÕES FINAIS:
12.18.1 O empregador deve manter à disposição da Auditoria-Fiscal do Trabalho relação
atualizada das máquinas e equipamentos.
12.18.2 Toda a documentação referida nesta NR deve ficar disponível para CIPA ou Comissão
Interna de Prevenção de Acidentes na Mineração - CIPAMIN, sindicatos representantes da
categoria profissional e Auditoria Fiscal do Trabalho, apresentado em formato digital ou meio
físico.
REFLEXÃO:
Rev.00_03/2020
Primeiros Socorros
“Básico”
SINAIS VITAIS
 Respiração: Movimentos realizados pelo pulmão sendo (Homem de 15 a 20 mrpm, Mulher 18 a 20
mrpm, Criança 20 a 24 mrpm e Lactantes 30 a 40 mrpm;
 Pulso: Contração e dilatação de artérias que correspondem aos batimentos do coração. (Radial,
Carótida e Femoral);
 Temperatura: Reações químicas do nosso organismo, no qual é vital para o bom funcionamento.
Hipertermia (Febre), Hipotermia (Baixa temperatura) e Normotermia (Temperatura normal).
 Pressão Arterial: Força exercida pelo sangue circulando sobre as paredes dos vasos e artérias.
SANGUE
 O sangue é um tecido conjuntivo líquido, produzido na medula
óssea vermelha, que flui pelas veias, artérias e capilares.
 Responsável pelo transporte de substâncias (nutrientes,
oxigênio, gás carbônico e toxinas), regulação e proteção de
nosso corpo.
URGÊNCIA X EMERGÊNCIA
►EMERGÊNCIA: Risco de morte.
►URGÊNCIA: Não tem risco de morte.
DEFINIÇÃO DE PRIMEIROS SOCORROS
Conjunto de avaliações e procedimentos voltados a atendimento imediato e provisório de uma
vítima de trauma ou doença, ocorrido fora do ambiente hospitalar, sendo ele de caráter simples, até a
chegada do socorro especializado.
LEGISLAÇÃO
Art. 135 – Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à crianças
abandonada ou extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave e
iminente perigo; ou não pedir, nesses casos o socorro da autoridade pública.
Pena: Detenção, de um a seis meses, ou multa.
Paragrafo único: A pena é aumentada de metade, se da omissão resulta lesão corporal de natureza
grave, e triplicada, se resultar a morte.
ATITUDES DO SOCORRISTA
Diante de uma situação de Urgência / Emergência o socorrista deve ter uma postura diferenciada
diante de outras pessoa que não receberam treinamento, sendo:
 Manter a tranquilidade;
 Verificar riscos no local e sinalizar;
 Ter liderança com ordens breves, claras e objetivas;
 Atender no local da ocorrência;
 Analisar e detectar situações de risco para a vida da vítima;
 Atendimento às prioridades com o objetivo de manter a vítima com vida ou impedir o
agravamento da situação;
 Acionar o serviço de emergência ou transportar com segurança até uma unidade hospitalar
próxima.
REGRAS BÁSICAS
Peça ajuda:
Solicite a presença de outras pessoas para ajudar, seja para acionar o serviço de emergência,
abrir portar e janelas, afrouxar roupas entre outras coisas.
Avaliar a segurança do local ou cena:
Cuidado ao se aproximar da vítima pois a segurança do cenário deve ser prioridade para o
socorrista.
RISCOS AMBIENTAIS E DIVERSOS
Tempestades e inundações Instabilidade de estruturas
Fogo, fumaça, Explosões Fio e rede elétrica
Produtos químicos Tráfego intenso
Árvores em risco de queda Animais perigosos
Baixa iluminação, Ventos, Nevoeiros Vítimas agressivas
SEJA SOCORRISTA E NÃO HERÓI
 Acionar o serviço de emergência:
Se necessário, mediante a situação da ocorrência, o auxilio de serviços especializados para o
atendimento é primordial.
Corpo de Bombeiro: 193
Policia Militar: 190
SAMU: 192
 Ao ligar, passar a seguintes informações:
- Se identificar, nome, telefone;
- Endereço exato do local onde está a vítima;
- O que ocorreu, o estado, e o que já foi feito.
REGRAS BÁSICAS
 Prevenção contra infecções:
A exposição ou contato com fluidos corporais: sangue e outras secreções, aumentam o risco do
socorrista contrair infecções. Sendo assim, faz necessário a utilização de algumas precauções:
• Lavar as mãos antes e após os procedimentos;
• Usar luvas;
• Não manusear objetos que tenham entrado em contato com sangue ou outras secreções, sem a devida
proteção.
REGRAS BÁSICAS
Impeça aglomerações:
Muitos curiosos podem se aproximar e isso poderá dificultar as ações de socorro. Sendo assim,
procure não se exaltar, pois sempre haverá muitos palpites e observações sobre a vítima e de como agir.
Peça a alguém para organizar o ambiente para que isso não o distraia.
REGRAS BÁSICAS
Avaliar a vítima sob o princípio da priorização:
Se a cena é segura, a prioridade é identificar situações que coloquem em risco a vida da vítima.
1. Sistema Respiratório;
2. Batimentos cardíacos (Coração);
3. Sangramentos.
REGRAS BÁSICAS
 Não ofereça medicamentos ou líquidos sem prescrição médica:
A ingestão de algo, pode causar complicações junto a vítima.
Caso a vítima tenha sede, e houver demora no
atendimento especializado, apenas umedeça com água
um pano ou algodão e passe nos lábios da vítima.
REGRAS BÁSICAS
Zele pelo conforto e privacidade da vítima:
Atitudes simples podem trazer conforto e privacidade para a vítima.
Afastar curioso;
Promova o aquecimento corporal;
Proteger de chuva e do sol;
Manter informada sobre tudo que está sendo feito;
Ouça as queixas e observações da vítima;
Preserve os pertences pessoais;
Mantenha o ambiente claro e arejado;
Afrouxe cintos, sapatos e roupas.
REGRAS BÁSICAS
ANÁLISE PRIMÁRIA
1. Responsividade;
2. Respiração;
3. Abertura das vias aérea;
4. Circulação;
5. Grandes hemorragias.
A Análise Primaria é uma avaliação realizada sempre que a vítima está inconsciente e se faz
necessário para detectar as condições que colocam em risco iminente a vida da vítima. Onde o tempo
para essa análise vai de 15 a 30 segundos avaliando:
Responsividade:
1. Aproximar-se da cabeça e tronco da vítima;
2. Chamar a vítima até três vezes, de preferencia pelo
nome;
3. Enquanto chama, toque-lhe os ombros com firmeza,
porém sem agressividade;
4. Pergunte “você está bem?”
ANÁLISE PRIMÁRIA
 Respiração:
1. Posicione próximo da vítima, e visualize a movimentação do diafragma, podendo aproximar a
sua face junto à vítima.
ANÁLISE PRIMÁRIA
Abertura das vias aéreas:
1. Posicione uma de suas mãos sobre a testa da vítima;
2. Posicione dois dedos da outra mão sob o queixo da
vítima;
3. Realize um leve movimento de inclinação da cabeça da
vítima para trás, elevando –lhe o queixo;
ANÁLISE PRIMÁRIA
 Circulação:
Com auxilio dos 2 (dois) dedos, indicador e médio, verificar a presença de circulação, realizando
pequenas compreensões junto as artérias.
ANÁLISE PRIMÁRIA
Artéria Carótida Artéria Radial Artéria Femoral Artéria Pedial
Grandes hemorragias:
É a perda de sangue em decorrência de um ferimento, que pode ser externo ou interno, no qual
poderá levar a vítima a um estado de choque e à morte.
ANÁLISE PRIMÁRIA
SINTOMAS E AÇÕES
DESMAIO
É a perda súbita e temporária da consciência por diminuição da circulação e da oxigenação
cerebral.
 Sintomas:
Tontura, vista escura, Náuseas, sudorese;
 Ação:
Acalmar a vitima, afrouxar as roupas, deita-la,
e elevar as pernas.
É a perda súbita da consciência, acompanhada de contrações musculares bruscas e involuntárias
dentre as causas temos: Epilepsia, trauma no crânio, febre alta, drogas, tumores cerebrais e choque
elétrico.
Sintomas:
Perda da consciência, Espasmos musculares,
babar ou espumar pela boca,
Ação:
Proteger a vítima de uma lesão, Acondiciona-la ao chão,
Não formar a rigidez, Afrouxar a roupa,
Virar a cabeça da vítima na lateral;
CONVULSÕES
QUEIMADURAS
A queimadura caracteriza por lesões nos tecidos que envolvem diversas camadas do corpo. Elas
são causadas pelo contato direto com brasa, fogo, vapores quentes, sólidos, substâncias químicas,
biológicas, radiações e eletricidade.
 1º grau = Camada mais superficial da pele;
 2º grau = Camada localizada abaixo da epiderme;
 3º grau = Atinge toda as camadas da pela,
como musculo, sistemas nervos e ossos;
 Ação:
Lavar com água abundante e
procurar o atendimento médico;
 Ação:
Tampar o local com pano limpo e procurar atendimento médico hospitalar.
SANGRAMENTO / HEMORRAGIA
INTOXICAÇÕES
Causados pela ingestão, aspiração e introdução no organismo, acidental ou não, de substâncias
tóxicas de naturezas diversas.
Sintomas:
Náuseas, queimaduras na garganta,
Dificuldade de respirar, entre outras.
Ação:
Acalmar a vitima, e procura atendimento
médico hospitalar.
(Levar produto que foi inalado ou ingerido).
LUXAÇÃO
Deslocamento repentino do osso, onde se sai de sua posição normal, não rompendo ligamento.
 Sintomas:
Dor intensa no local.
 Ação:
Imobilizar e procurar atendimento
médico hospitalar.
ENTORSE
Uma lesão, atrela a ligamentos, onde ocorre o rompimento parcial ou completo dos mesmo.
Sintomas:
Dor intensa no local.
Ação:
Imobilizar e procurar atendimento médico hospitalar.
CONTUSÃO MUSCULAR
Uma lesão ocorrida no musculo, onde o mesmo recebe uma forma excessiva, podendo levar ao
rompimento da musculatura.
Sintomas:
Dor intensa no local.
Ação:
Imobilizar e procurar atendimento médico
Hospitalar, (colocar gelo no momento).
FRATURAS
Fechada: Quando osso quebra e
não rompe o tecido (pele).
Aberta: Quando osso quebra e
rompe o tecido (pele).
Ação:
Imobilizar da forma que estiver e procurar atendimento médico hospitalar.
Nunca remova objetos ou corpo estranho
que esteja junto a vítima.
IMOBILIZAÇÃO DE MEMBROS
Ao realizar a imobilização, considerar uma articulação acima e outra abaixo.
Imobilizar da forma que estiver o membro, nunca tentando retornar ao posicionamento normal.
ANIMAIS PEÇONHENTOS
AÇÃO:
Acalmar a vítima, lavar o local com água e procurar atendimento médico hospitalar.
OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS
Ação:
Acalmar a vítima e realizar a Manobra de
Haimlich.
PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR
Define-se como parada cardiorrespiratória (PCR) a interrupção súbita e brusca da circulação
sistêmica e ou da respiração.
Iniciar prontamente as manobras de reanimação, antes mesmo da chegada da equipe de suporte
avançado aumenta a chance de sobrevida e evita sequelas.
 SINAIS CLÍNICOS DE PCR:
• Inconsciência;
• Ausência de movimentos respiratórios;
• Ausência de pulso.
 CAUSAS:
Choque elétrico, Afogamento, Deficiência de Oxigênio,
Obstrução das vias aéreas, Envenenamento,
Entre outras.
RESSUSCITAÇÃO CÁRDIO PULMONAR - RCP
Conjunto de manobras emergenciais que permitem a recirculação do sangue junto ao sistema,
assim bombeando nutrientes e oxigênio para todo o corpo.
A falta de oxigênio pode provocar sequelas dentro de 3 a 5 minutos, caso não seja
atendido convenientemente.
RCP
Sem respiração, realizar 100 compressões por minuto.
RCP
AMBU
Realizar 2 insuflação.
RCP
30 compressões x 2 insuflações
RCP
30 compressões x 2 insuflações
 Em bebês utilizar apenas dois dedos para realizar as compressões.
 Que devem ser feitas mais rápidas e menos profundas do que nos adultos.
EQUIPAMENTOS DE PRIMEIROS SOCORROS
COLAR CERVICAL
O Colar Cervical é um dos equipamentos mais utilizados em casos de emergências e resgates.
Eles são essenciais para qualquer tipo de remoção, trazendo uma maior segurança a vítima,
assegurando que não ocorra o TRM (Traumatismo Raqui Medular).
Segurar a cabeça para a colocação do colar. E permanecer fixa
as mãos até a colocação da vítima na prancha.
DIVERSOS
São vários os equipamentos a ser utilizados em atendimento a vítimas. Tudo dependerá da
situação da ocorrência.
MOVIMENTAÇÃO DE VÍTIMAS
MOVIMENTAÇÃO LIVRE
Movimentar a vítima de forma cautelosa, a fim de evitar agravos a saúde e lesões.
MOVIMENTAÇÃO COM PRANCHA
A colocação da vítima sobre a prancha, pode ser realizado de varias formas.
ROLAMENTO / GIRO
CAVALEIRA
O número de socorrista e o estado da vítima que dirá
a forma que será utilizada.
EXERCÍCIO PRÁTICO
 Não atacar o fogo contra a fumaça. Isso pode causar asfixia;
 Caso você não saiba o que fazer peça ajuda.
AGENTES EXTINTORES
CHOQUE ELÉTRICO
TENSÃO DE TOQUE
 Tensão de passo;
 Tensão de toque é a tensão elétrica (diferença de potencial);
 existente entre os membros superiores e inferiores do indivíduo;
 devido a Circulação de corrente no objetos tocado.
TENSÃO DE PASSO
 Tensão de toque é a tensão elétrica (diferença de potencial) existente entre os membros superiores e
inferiores do indivíduo;
 Devido a Circulação de corrente no objetos tocado;
 A tensão de passo é a tensão elétrica (diferença de potencial) entre os dois pés no instante da
operação ou defeito tipo curto-circuito;
 Monofásico à terra no equipamento.
+ 55 14 99609-3737
atendimento@qualitysegconsultoria.com.br
14 -3264-3737 / 3264-1732
www.qualitysegconsultoria.com.br
Obrigado a todos!
Rua XV de novembro, 127 centro
Lençóis Paulista - SP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023José Valfrido
 
MODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docx
MODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docxMODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docx
MODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docxrosanavasconcelosdeo
 
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.docModelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.docInaraSantos12
 
Power+point+nr+35
Power+point+nr+35Power+point+nr+35
Power+point+nr+35Gil Mendes
 
Treinamento de Ordem de Serviço
Treinamento de Ordem de ServiçoTreinamento de Ordem de Serviço
Treinamento de Ordem de ServiçoTst_Thiago
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMateus Borges
 
Resumo de técnico de segurança do trabalho
Resumo de técnico de segurança do trabalhoResumo de técnico de segurança do trabalho
Resumo de técnico de segurança do trabalhoFIRE SUL PROTECTION
 
Folheto para visitantes
Folheto para visitantesFolheto para visitantes
Folheto para visitantesSergio Silva
 
Manual instrucoes-guincho-coluna
Manual instrucoes-guincho-colunaManual instrucoes-guincho-coluna
Manual instrucoes-guincho-colunarafael dias
 
Modelo de PGR.pdf
Modelo de PGR.pdfModelo de PGR.pdf
Modelo de PGR.pdfNelmaLeite1
 

Mais procurados (20)

Trabalho em altura
Trabalho em alturaTrabalho em altura
Trabalho em altura
 
Treinamento NR-12
Treinamento NR-12Treinamento NR-12
Treinamento NR-12
 
Prontuario nr 12
Prontuario nr 12Prontuario nr 12
Prontuario nr 12
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
 
MODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docx
MODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docxMODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docx
MODELO DE PGR PRONTO E COMPLETO192518-convertido.docx
 
O.S Ordem de Serviço - NR1
O.S   Ordem de Serviço - NR1O.S   Ordem de Serviço - NR1
O.S Ordem de Serviço - NR1
 
Treinamento NR 12
Treinamento NR 12Treinamento NR 12
Treinamento NR 12
 
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.docModelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
 
Power+point+nr+35
Power+point+nr+35Power+point+nr+35
Power+point+nr+35
 
Treinamento de Ordem de Serviço
Treinamento de Ordem de ServiçoTreinamento de Ordem de Serviço
Treinamento de Ordem de Serviço
 
NR - 18 Construção Civil (Oficial)
NR - 18 Construção Civil (Oficial)NR - 18 Construção Civil (Oficial)
NR - 18 Construção Civil (Oficial)
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
 
56115622 nr-11
56115622 nr-1156115622 nr-11
56115622 nr-11
 
Resumo de técnico de segurança do trabalho
Resumo de técnico de segurança do trabalhoResumo de técnico de segurança do trabalho
Resumo de técnico de segurança do trabalho
 
Folheto para visitantes
Folheto para visitantesFolheto para visitantes
Folheto para visitantes
 
Nr12 máquinas e equipamentos resumo
Nr12 máquinas e equipamentos resumoNr12 máquinas e equipamentos resumo
Nr12 máquinas e equipamentos resumo
 
Manual instrucoes-guincho-coluna
Manual instrucoes-guincho-colunaManual instrucoes-guincho-coluna
Manual instrucoes-guincho-coluna
 
Modelo de PGR.pdf
Modelo de PGR.pdfModelo de PGR.pdf
Modelo de PGR.pdf
 
Capacitação nr 12
Capacitação nr 12Capacitação nr 12
Capacitação nr 12
 

Semelhante a Treinamento NR12 segurança máquinas

171 nr122-110911200456-phpapp01
171 nr122-110911200456-phpapp01171 nr122-110911200456-phpapp01
171 nr122-110911200456-phpapp01Nilton Goulart
 
Questionário nr 12 nova 2015
Questionário nr 12 nova   2015Questionário nr 12 nova   2015
Questionário nr 12 nova 2015Leandro Lopes
 
Questionrionr12nova 2015-160209032329
Questionrionr12nova 2015-160209032329Questionrionr12nova 2015-160209032329
Questionrionr12nova 2015-160209032329Levi Elisei
 
Apresentação nr12-senai-rev.052
Apresentação nr12-senai-rev.052Apresentação nr12-senai-rev.052
Apresentação nr12-senai-rev.052Veras Reis Reis
 
Nr 12 - Principais tópicos
Nr 12 - Principais tópicosNr 12 - Principais tópicos
Nr 12 - Principais tópicosCIESP Oeste
 
Treinamento Ponte Rolante 2020
Treinamento  Ponte  Rolante 2020 Treinamento  Ponte  Rolante 2020
Treinamento Ponte Rolante 2020 Felipe TRAVASSOS
 
dokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptx
dokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptxdokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptx
dokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptxAndreLavor1
 
dokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptx
dokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptxdokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptx
dokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptxAndre Lavor Lavor
 
PALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdf
PALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdfPALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdf
PALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdfRodrigoMarcucci1
 
Palestra-NR12-22062017.pdf
Palestra-NR12-22062017.pdfPalestra-NR12-22062017.pdf
Palestra-NR12-22062017.pdftlgdmeno
 
NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - Copia.ppt
NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - Copia.pptNR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - Copia.ppt
NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - Copia.pptCLADESGOMES1
 
Treinamento Operação Segura em Ponte Rolante
Treinamento Operação Segura em Ponte RolanteTreinamento Operação Segura em Ponte Rolante
Treinamento Operação Segura em Ponte Rolantetaiscristianetcos
 
GESTÃO DR - TREINAMENTO NR 12, 18 E 35 NOVO.pptx
GESTÃO DR - TREINAMENTO NR 12, 18 E 35 NOVO.pptxGESTÃO DR - TREINAMENTO NR 12, 18 E 35 NOVO.pptx
GESTÃO DR - TREINAMENTO NR 12, 18 E 35 NOVO.pptxreinaldomartins9
 

Semelhante a Treinamento NR12 segurança máquinas (20)

171 nr122-110911200456-phpapp01
171 nr122-110911200456-phpapp01171 nr122-110911200456-phpapp01
171 nr122-110911200456-phpapp01
 
Questionário nr 12 nova 2015
Questionário nr 12 nova   2015Questionário nr 12 nova   2015
Questionário nr 12 nova 2015
 
Questionrionr12nova 2015-160209032329
Questionrionr12nova 2015-160209032329Questionrionr12nova 2015-160209032329
Questionrionr12nova 2015-160209032329
 
Apresentação nr12-senai-rev.052
Apresentação nr12-senai-rev.052Apresentação nr12-senai-rev.052
Apresentação nr12-senai-rev.052
 
Nr12 conceitos
Nr12 conceitosNr12 conceitos
Nr12 conceitos
 
Apresentação nr12-senai-rev.052
Apresentação nr12-senai-rev.052Apresentação nr12-senai-rev.052
Apresentação nr12-senai-rev.052
 
NR-12 - COMENTADA
NR-12 - COMENTADANR-12 - COMENTADA
NR-12 - COMENTADA
 
Nr 12 - Principais tópicos
Nr 12 - Principais tópicosNr 12 - Principais tópicos
Nr 12 - Principais tópicos
 
Treinamento Ponte Rolante 2020
Treinamento  Ponte  Rolante 2020 Treinamento  Ponte  Rolante 2020
Treinamento Ponte Rolante 2020
 
PONTES ROLANTES 005.pptx
PONTES ROLANTES 005.pptxPONTES ROLANTES 005.pptx
PONTES ROLANTES 005.pptx
 
dokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptx
dokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptxdokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptx
dokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptx
 
dokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptx
dokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptxdokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptx
dokumen.tips_treinamento-de-ponte-rolante.pptx
 
Seguranca maquinas
Seguranca maquinasSeguranca maquinas
Seguranca maquinas
 
PALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdf
PALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdfPALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdf
PALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdf
 
Palestra nr12-22062017
Palestra nr12-22062017Palestra nr12-22062017
Palestra nr12-22062017
 
Palestra-NR12-22062017.pdf
Palestra-NR12-22062017.pdfPalestra-NR12-22062017.pdf
Palestra-NR12-22062017.pdf
 
NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - Copia.ppt
NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - Copia.pptNR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - Copia.ppt
NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - Copia.ppt
 
Treinamento Operação Segura em Ponte Rolante
Treinamento Operação Segura em Ponte RolanteTreinamento Operação Segura em Ponte Rolante
Treinamento Operação Segura em Ponte Rolante
 
NR12.pptx
NR12.pptxNR12.pptx
NR12.pptx
 
GESTÃO DR - TREINAMENTO NR 12, 18 E 35 NOVO.pptx
GESTÃO DR - TREINAMENTO NR 12, 18 E 35 NOVO.pptxGESTÃO DR - TREINAMENTO NR 12, 18 E 35 NOVO.pptx
GESTÃO DR - TREINAMENTO NR 12, 18 E 35 NOVO.pptx
 

Mais de NewAge16

Primeiros Socorros_4hs- Rev-02 -_18_01_2021.pptx
Primeiros Socorros_4hs- Rev-02 -_18_01_2021.pptxPrimeiros Socorros_4hs- Rev-02 -_18_01_2021.pptx
Primeiros Socorros_4hs- Rev-02 -_18_01_2021.pptxNewAge16
 
Sistema LOTO.ppt
Sistema LOTO.pptSistema LOTO.ppt
Sistema LOTO.pptNewAge16
 
Bloqueios de energias
Bloqueios de energias Bloqueios de energias
Bloqueios de energias NewAge16
 
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.NewAge16
 
NR33 medidas de segu p3.1.pptx
NR33 medidas de segu p3.1.pptxNR33 medidas de segu p3.1.pptx
NR33 medidas de segu p3.1.pptxNewAge16
 
NR33 medidas de segu p2.pptx
NR33 medidas de segu p2.pptxNR33 medidas de segu p2.pptx
NR33 medidas de segu p2.pptxNewAge16
 
NR33 pt Riscos
NR33 pt Riscos  NR33 pt Riscos
NR33 pt Riscos NewAge16
 
NR33 medidas de segu.pptx
NR33 medidas de segu.pptxNR33 medidas de segu.pptx
NR33 medidas de segu.pptxNewAge16
 
NR33 pt2.
NR33 pt2. NR33 pt2.
NR33 pt2. NewAge16
 
00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx
00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx
00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptxNewAge16
 
Metodos de extinção
Metodos de extinção Metodos de extinção
Metodos de extinção NewAge16
 
Primeiros socorros e combate a incendio
Primeiros socorros e combate a incendioPrimeiros socorros e combate a incendio
Primeiros socorros e combate a incendioNewAge16
 
Queimaduras parte 1
Queimaduras parte 1 Queimaduras parte 1
Queimaduras parte 1 NewAge16
 
Treinmento Modulo 3
Treinmento Modulo 3 Treinmento Modulo 3
Treinmento Modulo 3 NewAge16
 
Riscos e cuidados
Riscos e cuidados Riscos e cuidados
Riscos e cuidados NewAge16
 
Trabalho a quente introdução
Trabalho a quente introdução Trabalho a quente introdução
Trabalho a quente introdução NewAge16
 

Mais de NewAge16 (20)

Primeiros Socorros_4hs- Rev-02 -_18_01_2021.pptx
Primeiros Socorros_4hs- Rev-02 -_18_01_2021.pptxPrimeiros Socorros_4hs- Rev-02 -_18_01_2021.pptx
Primeiros Socorros_4hs- Rev-02 -_18_01_2021.pptx
 
Sistema LOTO.ppt
Sistema LOTO.pptSistema LOTO.ppt
Sistema LOTO.ppt
 
Bloqueios de energias
Bloqueios de energias Bloqueios de energias
Bloqueios de energias
 
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
 
NR33 medidas de segu p3.1.pptx
NR33 medidas de segu p3.1.pptxNR33 medidas de segu p3.1.pptx
NR33 medidas de segu p3.1.pptx
 
NR33 medidas de segu p2.pptx
NR33 medidas de segu p2.pptxNR33 medidas de segu p2.pptx
NR33 medidas de segu p2.pptx
 
NR33 pt Riscos
NR33 pt Riscos  NR33 pt Riscos
NR33 pt Riscos
 
NR33 medidas de segu.pptx
NR33 medidas de segu.pptxNR33 medidas de segu.pptx
NR33 medidas de segu.pptx
 
NR33 pt2.
NR33 pt2. NR33 pt2.
NR33 pt2.
 
NR33 pt1
NR33 pt1NR33 pt1
NR33 pt1
 
00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx
00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx
00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx
 
Metodos de extinção
Metodos de extinção Metodos de extinção
Metodos de extinção
 
Primeiros socorros e combate a incendio
Primeiros socorros e combate a incendioPrimeiros socorros e combate a incendio
Primeiros socorros e combate a incendio
 
Queimaduras parte 1
Queimaduras parte 1 Queimaduras parte 1
Queimaduras parte 1
 
EPIS
EPIS EPIS
EPIS
 
Treinmento Modulo 3
Treinmento Modulo 3 Treinmento Modulo 3
Treinmento Modulo 3
 
Riscos e cuidados
Riscos e cuidados Riscos e cuidados
Riscos e cuidados
 
Trabalho a quente introdução
Trabalho a quente introdução Trabalho a quente introdução
Trabalho a quente introdução
 
NR 18
NR 18NR 18
NR 18
 
EPI 2.0
EPI 2.0 EPI 2.0
EPI 2.0
 

Treinamento NR12 segurança máquinas

  • 2. QUEM SOMOS A Quality Seg é uma empresa especializada em Engenharia de Segurança e Medicina do trabalho com atuação desde o ano de 2008, trabalhando e desenvolvendo política sustentável em gestão ocupacional.
  • 3. NOSSOS SERVIÇOS MEDICINA DO TRABALHO CONSULTORIAS GESTÃO DE OBRAS SEGURANÇA DO TRABALHO TREINAMENTOS
  • 4. NR 12 Segurança em Máquinas e Equipamentos Rev.00_03/2020
  • 5. O QUE É NR? NORMAS REGULAMENTADORAS Instrumentos legais editados pelo Ministério do Trabalho e Emprego que regulamentam e fornecem orientações sobre procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho no Brasil, elas norteiam as obrigações dos estabelecimentos de qualquer natureza (regidos pela CLT) em relação a saúde e segurança do trabalhador. São de observância obrigatória por todas as empresas brasileiras regidas pela (CLT). Seu descumprimento poderá resultar em notificação, autuação, interdição ou embargo e penalidades de ambiente especifico ou do estabelecimento inteiro e, também, em ações regressivas (Lei 8.213 / 91) por parte do INSS.
  • 6. NR 12 – CONCEITO BÁSICO: O homem não é apto, por si só, em seu meio de trabalho, a se proteger sem dispositivos de segurança. As máquinas e Equipamentos devem se integrar, aos dispositivos de segurança. Dispositivos de segurança normalizados diminuem sensivelmente os riscos existentes, mas não os eliminam totalmente. Ações adicionais tais como capacitação contínua para operadores e pessoal da manutenção se faz sempre necessário bem como manutenções preventivas conforme manuais são imprescindíveis. Os 3 pilares Básicos da Segurança : Proteções adequadas, Procedimentos e Capacitação
  • 7. MÁQUINA: “Conjunto de peças ou de órgãos ligados entre eles, em que pelo menos um é móvel, e se for o caso, acionadores, circuitos de comando e de potência, etc., reunidos de maneira solidária em vista de uma aplicação definida, notadamente para a transformação, o tratamento, o deslocamento e o acondicionamento de um material. É igualmente considerado como “máquina” um conjunto de máquinas que, afim de concorrer à um único e mesmo resultado, são dispostos e comandados de maneira à ser solidários em seu funcionamento.”
  • 9. NR 12 – Princípios Gerais: 12.1.1 Esta Norma Regulamentadora - NR e seus anexos definem referências técnicas, princípios fundamentais e medidas de proteção para resguardar a saúde e a integridade física dos trabalhadores e estabelece requisitos mínimos para a prevenção de acidentes e doenças do trabalho nas fases de projeto e de utilização de máquinas e equipamentos, e ainda à sua fabricação, importação, comercialização, exposição e cessão a qualquer título, em todas as atividades econômicas, sem prejuízo da observância do disposto nas demais NRs aprovadas pela Portaria MTb n.º 3.214, de 8 de junho de 1978, nas normas técnicas oficiais ou nas normas internacionais aplicáveis e, na ausência ou omissão destas, opcionalmente, nas normas Europeias tipo “C” harmonizadas.
  • 10. ARRANJO FÍSICO E INSTALAÇÕES:
  • 11. Áreas de circulação:  Ser demarcadas;  Vias principais e as que conduzem a saída deve ter no mínimo 1,20 m de largura;  Permanentemente desobstruídas; Pisos:  Devem ser nivelados e resistentes às cargas a que estão sujeitos. As áreas de circulação e armazenamento de materiais e os espaços em torno de máquinas devem ser projetados, dimensionados e mantidos de forma que os trabalhadores e os transportadores de materiais, mecanizados e manuais, movimentem-se com segurança. ARRANJO FÍSICO E INSTALAÇÕES:
  • 13. INSTALAÇÕES E DISPOSITIVOS ELÉTRICOS: As instalações elétricas das máquinas e equipamentos devem ser projetadas e mantidas de modo a prevenir, por meios seguros, os perigos de choque elétrico, incêndio, explosão e outros tipos de acidentes, conforme previsto na NR 10. Devem ser aterrados, conforme as normas técnicas oficiais vigentes, as instalações, carcaças, invólucros, blindagens ou partes condutoras das máquinas e equipamentos que não façam parte dos circuitos elétricos, mas que possam ficar sob tensão.
  • 15. INSTALAÇÕES E DISPOSITIVOS ELÉTRICOS: São proibidas nas máquinas e equipamentos :  A utilização de chave geral como dispositivo de partida e parada;  A utilização de chaves tipo faca nos circuitos elétricos ;  A existência de partes energizadas expostas de circuitos que utilizam energia elétrica.
  • 16. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA: Os dispositivos de partida, acionamento e parada das máquinas devem ser projetados, selecionados e instalados de maneira que :  não se localizem em zonas perigosas;  possam ser acionados e desligados em caso de emergência por outra pessoa que não seja o Operador;  impeçam o acionamento ou o desligamento involuntário pelo Operador ou qualquer outra forma acidental;  não acarretem riscos adicionais;  não possam ser burlados.
  • 17. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA: 12.4.2 Os comandos de partida ou acionamento das máquinas devem possuir dispositivos que impeçam seu funcionamento automático ao serem energizadas. 12.4.3 Quando forem utilizados dispositivos de acionamento bimanual, visando a manter as mãos do operador fora da zona de perigo, esses devem atender aos seguintes requisitos mínimos do comando: a) possuir atuação síncrona, ou seja, um sinal de saída deve ser gerado somente quando os dois dispositivos de atuação do comando - botões - forem atuados com um retardo de tempo menor ou igual a 0,5 s (meio segundo); b) estar sob monitoramento automático por interface de segurança, se indicado pela apreciação de risco;
  • 18. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA: c) ter relação entre os sinais de entrada e saída, de modo que os sinais de entrada aplicados a cada um dos dois dispositivos de atuação devem juntos se iniciar e manter o sinal de saída somente durante a aplicação dos dois sinais; d) o sinal de saída deve terminar quando houver desacionamento de qualquer dos dispositivos de atuação; e) possuir dispositivos de atuação que exijam intenção do operador em acioná-los a fim de minimizar a probabilidade de acionamento acidental; f) possuir distanciamento, barreiras ou outra solução prevista nas normas técnicas oficiais ou nas normas internacionais aplicáveis entre os dispositivos de atuação para dificultar a burla do efeito de proteção; g) tornar possível o reinício do sinal de saída somente após a desativação dos dois dispositivos de atuação.
  • 19. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
  • 20. Botões de comando bimanual Botões de comando bimanual DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
  • 21. Botões de comando bimanual DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
  • 22. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA: 12.4.4 Nas máquinas e equipamentos operados por dois ou mais dispositivos de acionamento bimanual, a atuação síncrona é requerida somente para cada um dos dispositivos de acionamento bimanual e não entre dispositivos diferentes, que devem manter simultaneidade entre si. 12.4.5 Os dispositivos de acionamento bimanual devem ser posicionados a uma distância segura da zona de perigo, levando em consideração: a) a forma, a disposição e o tempo de resposta do dispositivo de acionamento bimanual; b) o tempo máximo necessário para a paralisação da máquina ou para a remoção do perigo, após o término do sinal de saída do dispositivo de acionamento bimanual; e c) a utilização projetada para a máquina.
  • 23. 12.4.6 Os dispositivos de acionamento bimanual móveis instalados em pedestais devem: a) manter-se estáveis em sua posição de trabalho; e b) possuir altura compatível com o alcance do operador em sua posição de trabalho. 12.4.7 Nas máquinas e equipamentos cuja operação requeira a participação de mais de uma pessoa, o número de dispositivos de acionamento bimanual simultâneos deve corresponder ao número de operadores expostos aos perigos decorrentes de seu acionamento, de modo que o nível de proteção seja o mesmo para cada trabalhador. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
  • 24. 12.4.7.1 Deve haver seletor do número de dispositivos de acionamento em utilização, com bloqueio que impeça a sua seleção por pessoas não autorizadas. 12.4.7.2 O circuito de acionamento deve ser projetado de modo a impedir o funcionamento dos dispositivos de acionamento bimanual habilitados pelo seletor enquanto os demais dispositivos de acionamento bimanuais não habilitados não forem desconectados. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA: 12.4.7.3 Quando utilizados dois ou mais dispositivos de acionamento bimanual simultâneos, devem possuir sinal luminoso que indique seu funcionamento.
  • 25. 12.4.8 As máquinas ou equipamentos concebidos e fabricados para permitir a utilização de vários modos de comando ou de funcionamento que apresentem níveis de segurança diferentes devem possuir um seletor que atenda aos seguintes requisitos: a) possibilidade de bloqueio em cada posição, impedindo a sua mudança por pessoas não autorizadas; b) correspondência de cada posição a um único modo de comando ou de funcionamento; c) modo de comando selecionado com prioridade sobre todos os outros sistemas de comando, com exceção da parada de emergência; e d) a seleção deve ser visível, clara e facilmente identificável. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
  • 26. 12.4.9 As máquinas e equipamentos, cujo acionamento por pessoas não autorizadas possam oferecer risco à saúde ou integridade física de qualquer pessoa, devem possuir sistema que possibilite o bloqueio de seus dispositivos de acionamento. 12.4.13 Os componentes de partida, parada, acionamento e controles que compõem a interface de operação das máquinas e equipamentos fabricados a partir de 24 de março de 2012 devem: a) possibilitar a instalação e funcionamento do sistema de parada de emergência, quando aplicável, conforme itens e subitens do capítulo sobre dispositivos de parada de emergência, desta NR; e b) operar em extrabaixa tensão de até 25VCA (vinte e cinco volts em corrente alternada) ou de até 60VCC (sessenta volts em corrente contínua). DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
  • 27. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA: Chave de bloqueio Botões liga/desliga Botão de Emergência
  • 28. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA: 12.5.1 As zonas de perigo das máquinas e equipamentos devem possuir sistemas de segurança, caracterizados por proteções fixas, proteções móveis e dispositivos de segurança interligados, que resguardem proteção à saúde e à integridade física dos trabalhadores. 12.5.1.1 Quando utilizadas proteções que restringem o acesso do corpo ou parte dele, devem ser observadas as distâncias mínimas conforme normas técnicas oficiais ou normas internacionais aplicáveis.
  • 29. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA: 12.5.2 Os sistemas de segurança devem ser selecionados e instalados de modo a atender aos seguintes requisitos: a) Ter categoria de segurança conforme apreciação de riscos prevista nas normas técnicas oficiais; b) Estar sob a responsabilidade técnica de profissional legalmente habilitado; c) Possuir conformidade técnica com o sistema de comando a que são integrados; d) Instalação de modo que dificulte a sua burla; e) Manterem-se sob vigilância automática, ou seja, monitoramento, se indicado pela apreciação de risco, de acordo com a categoria de segurança requerida, exceto para dispositivos de segurança exclusivamente mecânicos; e f) Paralisação dos movimentos perigosos e demais riscos quando ocorrerem falhas ou situações anormais de trabalho.
  • 30. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
  • 31. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA: 12.5.2.1 A instalação de sistemas de segurança deve ser realizada por profissional legalmente habilitado ou profissional qualificado ou capacitado, quando autorizados pela empresa. 12.5.4 Para fins de aplicação desta NR, considera-se proteção o elemento especificamente utilizado para prover segurança por meio de barreira física, podendo ser: a) proteção fixa, que deve ser mantida em sua posição de maneira permanente ou por meio de elementos de fixação que só permitam sua remoção ou abertura com o uso de ferramentas; b) proteção móvel, que pode ser aberta sem o uso de ferramentas, geralmente ligada por elementos mecânicos à estrutura da máquina ou a um elemento fixo próximo, e deve se associar a dispositivos de intertravamento.
  • 32. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA:
  • 33. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA: PORTA BASCULANTE PROTEÇÃO MÓVEL:
  • 34. DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA: 12.5.4 Para fins de aplicação desta NR, considera-se proteção o elemento especificamente utilizado para prover segurança por meio de barreira física, podendo ser: a) proteção fixa, que deve ser mantida em sua posição de maneira permanente ou por meio de elementos de fixação que só permitam sua remoção ou abertura com o uso de ferramentas; b) proteção móvel, que pode ser aberta sem o uso de ferramentas, geralmente ligada por elementos mecânicos à estrutura da máquina ou a um elemento fixo próximo, e deve se associar a dispositivos de intertravamento.
  • 35. Dispositivo gerenciador de sensores de segurança para monitorar as proteções ou guarda de máquinas. Função : verificar se as proteções ou guardas estão fechadas para garantir o funcionamento das máquinas com segurança e a interrupção em caso da segurança estar comprometida. Característica : redundância, diversidade e monitoração, conforme NBR 14153 (IN 954). RELE DE SEGURANÇA:
  • 37. CONTROLADOR CONFIGURÁVEL DE SEGURANÇA (CCS): Equipamento eletrônico computadorizado que usa memória configurável para armazenar e executar internamente intertravamento de funções especificas de programa (software) controlado e monitorando entradas e saídas de segurança de maquinas ou processos.
  • 38. Dispositivo utilizado em uma proteção para interromper o movimento de perigo e manter a máquina desligada enquanto a proteção ou guarda estiver aberta. SENSORES INDUTIVOS DE SEGURANÇA:
  • 39. SISTEMAS DE SEGURANÇA: Sensores de Segurança: Dispositivos detectores de presença mecânicos e não mecânicos que atuam quando uma pessoa ou parte de seu corpo adentra a zona de perigo. Cortinas de luz;  Detectores de presença optoeletrônicos;  Laser de múltiplos feixes;  Barreiras opticas;  Monitores de áreas;  Scanners;  Batentes;  Tapetes ...
  • 40. SISTEMAS DE SEGURANÇA: Cortinas de luz: Dispositivo que produz uma cortina de luz infravermelha que supervisiona a área útil compreendida entre as unidades de transmissão e recepção. Detectores de Presença Optoeletrônicos: Deve ser monitorado por interface de segurança.
  • 43. SACANNER DE SEGURANÇA A LASER: É um dispositivo optoeletrônicos que usa reflexão difusa da luz de laser infravermelha emitida para determinar a intrusão de uma pessoa ou pessoa dentro de uma área definida.
  • 44. PROTEÇÃO DA ÁREA COM DISPOSITIVOS DE DETECÇÃO:
  • 45. LASER DE MULTIPLOS FEIXES DE SEGURANÇA: É um dispositivo de proteção que cria um campo tridimensional para detecção de mãos e dedos através de feixes de luz laser. Deve ser monitorado por interface de segurança (RS, CCS ou CLP).
  • 46. É um dispositivo de proteção sensível à pressão de contato projetado para detectar a presença de pessoas na sua superfície de detecção. Quando o tapete é pisado, as placas condutivas se tocam e a resistência do circuito cai para zero. Isto é monitorado pela unidade de controle, que envia um sinal de parada à máquina. Deve ser monitorado por interface de segurança (RS, CCS ou CLP). TAPETE DE SEGURANÇA :
  • 48. TAPETE DE SEGURANÇA : Aplicação em calandra
  • 49. BATENTE DE SEGURANÇA: É um dispositivo de proteção sensível a pressão de contato (depende de uma força de contato) destinado a proteger portas automáticas e máquinas com conjuntos emmovimento. Deve ser monitorado por interface de segurança (RS, CCS ou CLP). EXTENSÃO DA DETECÇÃO UNIDADE DE CONTROLE SUPERFICIE DE DETECÇÃO ANGULO DE DETECÇÃO
  • 50. SISTEMAS DE SEGURANÇA: Dispositivo de retenção mecânica: Dispositivo que tem por função inserir em um mecanismo um obstáculo mecânico.
  • 52. SISTEMAS DE SEGURANÇA: Distâncias de segurança para impedir o acesso a zonas de perigo quando utilizada barreira física.
  • 53. ALCANCE SOBRE ESTRUTURAS DE PROTEÇÃO: . Legenda: a. Altura da zona de perigo b. Altura da estrutura de proteção c. Distância horizontal à zona de perigo
  • 54. ALCANCE DAS ZONAS DE PERIGO SUPERIORES: Legenda:  h: a altura da zona de perigo.  Acima de 2,5 m não necessita proteção.  Para alto risco na zona de perigo deve ser, no mínimo, de 2,7 m.
  • 56. SISTEMAS DE SEGURANÇA: 12.5.2 Os sistemas de segurança devem ser selecionados e instalados de modo a atender aos seguintes requisitos: a) Ter categoria de segurança conforme apreciação de riscos prevista nas normas técnicas oficiais; b) Estar sob a responsabilidade técnica de profissional legalmente habilitado; c) Possuir conformidade técnica com o sistema de comando a que são integrados; d) Instalação de modo que dificulte a sua burla; e) Manterem-se sob vigilância automática, ou seja, monitoramento, se indicado pela apreciação de risco, de acordo com a categoria de segurança requerida, exceto para dispositivos de segurança exclusivamente mecânicos; e f) Paralisação dos movimentos perigosos e demais riscos quando ocorrerem falhas ou situações anormais de trabalho.
  • 57. SISTEMAS DE SEGURANÇA: 12.40. Os sistemas de segurança, de acordo com a categoria de segurança requerida, devem exigir rearme, ou reset manual, após a correção da falha ou situação anormal de trabalho que provocou a paralisação da máquina. 12.5.4 Para fins de aplicação desta NR, considera-se proteção o elemento especificamente utilizado para prover segurança por meio de barreira física, podendo ser: a) Proteção fixa, que deve ser mantida em sua posição de maneira permanente ou por meio de elementos de fixação que só permitam sua remoção ou abertura com o uso de ferramentas; b) Proteção móvel, que pode ser aberta sem o uso de ferramentas, geralmente ligada por elementos mecânicos à estrutura da máquina ou a um elemento fixo próximo, e deve se associar a dispositivos de intertravamento.
  • 58. SISTEMAS DE SEGURANÇA: VÁLVULA DE SEGURANÇA: É um dispositivo de proteção ativa aplicado em circuitos com fluídos compressíveis que tem por finalidade interromper o funcionamento de uma máquina ou processo quando detectada uma anormalidade operacional com potencial de causar acidente. Deve ser monitorado por interface de segurança (RS, CCS ou CLP). DISPOSITIVOS DE RETENÇÃO MECÂNICOS: Projetados para evitar o chicoteamento caso a mangueira se solte da conexão, evitando acidentes no entorno.
  • 59. VÁLVULA DE SEGURANÇA: Aplicação em prensa mecânica de freio / embreagem pneumático
  • 60. CHAVE SECCIONADORA DE SEGURANÇA: Dispositivo de proteção utilizado para isolar a máquina de modo a garantir um acesso seguro a mesma. Deve ser monitorado por interface de segurança (RS, CCS ou CLP).
  • 61. SISTEMAS DE SEGURANÇA: 12.5.5 Os componentes relacionados aos sistemas de segurança e comandos de acionamento e parada das máquinas, inclusive de emergência, devem garantir a manutenção do estado seguro da máquina ou equipamento quando ocorrerem flutuações no nível de energia além dos limites considerados no projeto, incluindo o corte e restabelecimento do fornecimento de energia. 12.5.6 A proteção deve ser móvel quando o acesso a uma zona de perigo for requerido mais de uma vez por turno de trabalho, observando-se que: a) a proteção deve ser associada a um dispositivo de intertravamento quando sua abertura não possibilitar o acesso à zona de perigo antes da eliminação do risco; e b) a proteção deve ser associada a um dispositivo de intertravamento com bloqueio quando sua abertura possibilitar o acesso à zona de perigo antes da eliminação do risco.
  • 62. CHAVE DE INTERTRAVAMENTO DE PROTEÇÃO: Operada por lingueta, de modo positivo, que trava a proteção na posição fechada até que a alimentação da máquina seja isolada, garantindo que a máquina permaneça parada enquanto a proteção estiver aberta.
  • 63. Aplicação em máquina industrial CHAVE DE INTERTRAVAMENTO DE PROTEÇÃO:
  • 64. Aplicação em máquina industrial CHAVE DE INTERTRAVAMENTO DE PROTEÇÃO:
  • 65. SISTEMAS DE SEGURANÇA: 12.5.7 As máquinas e equipamentos dotados de proteções móveis associadas a dispositivos de intertravamento devem: a) operar somente quando as proteções estiverem fechadas; b) paralisar suas funções perigosas quando as proteções forem abertas durante a operação; e c) garantir que o fechamento das proteções por si só não possa dar início às funções perigosas.
  • 66. SISTEMAS DE SEGURANÇA: 12.5.8 Os dispositivos de intertravamento com bloqueio associados às proteções móveis das máquinas e equipamentos devem: a) permitir a operação somente enquanto a proteção estiver fechada e bloqueada; b) manter a proteção fechada e bloqueada até que tenha sido eliminado o risco de lesão devido às funções perigosas da máquina ou do equipamento; e c) garantir que o fechamento e bloqueio da proteção por si só não possa dar início às funções perigosas da máquina ou do equipamento.
  • 67. SISTEMAS DE SEGURANÇA: 12.5.9 As transmissões de força e os componentes móveis a elas interligados, acessíveis ou expostos, desde que ofereçam risco, devem possuir proteções fixas, ou móveis com dispositivos de intertravamento, que impeçam o acesso por todos os lados. 12.5.9.1 Quando utilizadas proteções móveis para o enclausuramento de transmissões de força que possuam inércia, devem ser utilizados dispositivos de intertravamento com bloqueio. 12.5.10 As máquinas e equipamentos que ofereçam risco de ruptura de suas partes, projeção de materiais, partículas ou substâncias, devem possuir proteções que garantam a segurança e a saúde dos trabalhadores.
  • 68. SISTEMAS DE SEGURANÇA: Proteções físicas das partes móveis perigosas em prensa mecânica excêntrica
  • 69. SISTEMAS DE SEGURANÇA: 12.5.11 As proteções devem ser projetadas e construídas de modo a atender aos seguintes requisitos de segurança: a) cumprir suas funções apropriadamente durante a vida útil da máquina ou possibilitar a reposição de partes deterioradas ou danificadas; b) ser constituídas de materiais resistentes e adequados à contenção de projeção de peças, materiais e partículas; c) fixação firme e garantia de estabilidade e resistência mecânica compatíveis com os esforços requeridos; d) não criar pontos de esmagamento ou agarramento com partes da máquina ou com outras proteções; e) não possuir extremidades e arestas cortantes ou outras saliências perigosas;
  • 70. SISTEMAS DE SEGURANÇA: f) resistir às condições ambientais do local onde estão instaladas; g) dificulte-se a burla; h) proporcionar condições de higiene e limpeza; i) impedir o acesso à zona de perigo; j) ter seus dispositivos de intertravamento protegidos adequadamente contra sujidade, poeiras e corrosão, se necessário; k) ter ação positiva, ou seja, atuação de modo positivo; e l) não acarretar riscos adicionais.
  • 71. SISTEMAS DE SEGURANÇA: 12.5.12 Quando a proteção for confeccionada com material descontínuo, devem ser observadas as distâncias de segurança para impedir o acesso às zonas de perigo, conforme previsto nas normas técnicas oficiais ou nas normas internacionais aplicáveis. 12.5.13 Sempre que forem utilizados sistemas de segurança, inclusive proteções distantes, com possibilidade de alguma pessoa ficar na zona de perigo, deve ser adotada uma das seguintes medidas adicionais de proteção coletiva para impedir a partida da máquina enquanto houver pessoas nessa zona: a) sensoriamento da presença de pessoas; b) proteções móveis ou sensores de segurança na entrada ou acesso à zona de perigo, associadas a rearme (“reset”) manual
  • 72. SISTEMAS DE SEGURANÇA: 12.5.14 As proteções também utilizadas como meio de acesso por exigência das características da máquina ou do equipamento devem atender aos requisitos de resistência e segurança adequados a ambas as finalidades. 12.5.15 Deve haver proteção no fundo dos degraus da escada, ou seja, nos espelhos, sempre que uma parte saliente do pé ou da mão possa contatar uma zona perigosa.
  • 73. SISTEMAS DE SEGURANÇA: 12.5.16 As proteções, dispositivos e sistemas de segurança são partes integrantes das máquinas e equipamentos e não podem ser considerados itens opcionais para qualquer fim. 12.5.17 Em função do risco, poderá ser exigido projeto, diagrama ou representação esquemática dos sistemas de segurança de máquinas, com respectivas especificações técnicas em língua portuguesa, elaborado por profissional legalmente habilitado.  Quando a máquina não possuir a documentação técnica exigida, o seu proprietário deve constituí-la, sob a responsabilidade de profissional legalmente habilitado e com respectiva ART/CREA.
  • 74. DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA: 12.6.1 As máquinas devem ser equipadas com um ou mais dispositivos de parada de emergência, por meio dos quais possam ser evitadas situações de perigo latentes e existentes. 12.6.1.1 Os dispositivos de parada de emergência não devem ser utilizados como dispositivos de partida ou de acionamento.
  • 75. Dispositivo de parada de emergência: chave operada por cabo (corda) Dispositivo de parada de emergência: botão operado manualmente por impacto DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA:
  • 76. DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA:
  • 77. CHAVE DE PARADA DE EMERGÊNCIA COM ACIONADOR TIPO CABO: Aplicaçãoem esteira transportadora
  • 78. Aplicação em calandra CHAVE DE PARADA DE EMERGÊNCIA COM ACIONADOR TIPO CABO:
  • 79. DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA: 12.6.2 Os dispositivos de parada de emergência devem ser posicionados em locais de fácil acesso e visualização pelos operadores em seus postos de trabalho e por outras pessoas, e mantidos permanentemente desobstruídos. 12.6.3 Os dispositivos de parada de emergência devem: a) ser selecionados, montados e interconectados de forma a suportar as condições de operação previstas, bem como as influências do meio; b) ser usados como medida auxiliar, não podendo ser alternativa a medidas adequadas de proteção ou a sistemas automáticos de segurança; c) possuir acionadores projetados para fácil atuação do operador ou outros que possam necessitar da sua utilização; d) prevalecer sobre todos os outros comandos; e) provocar a parada da operação ou processo perigoso em período de tempo tão reduzido quanto tecnicamente possível, sem provocar riscos suplementares; e f) ter sua função disponível e operacional a qualquer tempo, independentemente do modo de operação;
  • 80. DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA: 12.6.4 A função parada de emergência não deve: a) prejudicar a eficiência de sistemas de segurança ou dispositivos com funções relacionadas com a segurança; b) prejudicar qualquer meio projetado para resgatar pessoas acidentadas; e c) gerar risco adicional. 12.6.5 O acionamento do dispositivo de parada de emergência deve também resultar na retenção do acionador, de tal forma que, quando a ação no acionador for descontinuada, este se mantenha retido até que seja desacionado. 12.6.5.1 O desacionamento deve ser possível apenas como resultado de uma ação manual intencionada sobre o acionador, por meio de manobra apropriada.
  • 81. DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA: 12.6.6 Quando usados acionadores do tipo cabo, deve-se: a) utilizar chaves de parada de emergência que trabalhem tracionadas, de modo acessarem automaticamente as funções perigosas da máquina em caso de ruptura ou afrouxamento dos cabos; b) considerar o deslocamento e a força aplicada nos acionadores, necessários para a atuação das chaves de parada de emergência; e c) obedecer à distância máxima entre as chaves de parada de emergência recomendada pelo fabricante.
  • 82. DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA: 12.6.8 A parada de emergência deve exigir rearme ou reset manual a ser realizado somente após a correção do evento que motivou o acionamento da parada de emergência. 12.6.8.1 A localização dos acionadores de rearme deve permitir uma visualização completa da área protegida pelo cabo.
  • 83. MEIOS DE ACESSO PERMANENTES: As máquinas e equipamentos devem possuir acessos permanentemente fixados e seguros a todos os seus pontos de operação, abastecimento, inserção de matérias- primas e retirada de produtos trabalhados, preparação, manutenção e intervenção constante. Consideram-se meios de acesso elevadores, rampas, passarelas, plataformas ou escadas de degraus. Nas máquinas e equipamentos, os meios de acesso permanentes devem ser localizados e instalados de modo a prevenir riscos de acidente e facilitar o seu acesso e utilização pelos trabalhadores.
  • 84. O emprego dos meios de acesso deve considerar o ângulo de lance conforme Figura 1 do Anexo III. Os locais ou postos de trabalho acima do nível do solo em que haja acesso de trabalhadores, para comando ou quaisquer outras intervenções habituais nas máquinas e equipamentos, como operação, abastecimento, manutenção, preparação e inspeção, devem possuir plataformas de trabalho estáveis e seguras. MEIOS DE ACESSO PERMANENTES:
  • 85. Legenda:  A: rampa.  B: rampa com peças transversais para evitar o escorregamento.  C: escada com espelho.  D: escada sem espelho.  E: escada do tipo marinheiro. MEIOS DE ACESSO PERMANENTES:
  • 86. EXEMPLO DE ESCADA FIXA DO TIPO MARINHEIRO:
  • 87. MEIOS DE ACESSO PERMANENTES: As passarelas, plataformas, rampas e escadas de degraus devem propiciar condições seguras de trabalho  Ser dimensionadas, construídas e fixadas de modo seguro e resistente,  Ter pisos e degraus constituídos de materiais ou revestimentos antiderrapantes, ser mantidas desobstruídas;  Ser localizadas e instaladas de modo a prevenir riscos de queda, escorregamento, tropeçamento e dispêndio excessivo de esforços físicos pelos trabalhadores ao utilizá-las.  O travessão superior não deve possuir superfície plana, a fim de evitar a colocação de objetos; e  Possuir rodapé de, no mínimo, 0,20 m (vinte centímetros) de altura e travessão intermediário a 0,70 m (setenta centímetros) de altura em relação ao piso, localizado entre o rodapé e o travessão superior.
  • 88. MEIOS DE ACESSO PERMANENTES:
  • 89. DISPOSITIVOS DE PARADA DE EMERGÊNCIA: Havendo risco de queda de objetos e materiais, o vão entre o rodapé e o travessão superior do guarda corpo deve receber proteção fixa, integral e resistente.  A proteção mencionada pode ser constituída de tela resistente,desde que sua malha não permita a passagem de qualquer objeto. As passarelas, plataformas e rampas devem ter as seguintes características: a) largura útil mínima de 0,60 cm; b) meios de drenagem, se necessário; c) não possuir rodapé no vão de acesso.
  • 90. AS ESCADAS DE DEGRAUS SEM ESPELHO DEVEM TER: a) largura de 0,60 cm a 0,80 cm; b) degraus com profundidade mínima de 0,15 cm c) degraus e lances uniformes, nivelados e sem saliências; d) altura máxima entre os degraus de 0,25 cm ; e) plataforma de descanso com 0,60cm a 0,80 cm de largura e comprimento a intervalos de, no máximo, 3,00 metros de altura; f) projeção mínima de 0,01 m (dez milímetros) de um degrau sobreo outro;
  • 91. AS ESCADAS DE DEGRAUS SEM ESPELHO DEVEM TER: Escada sem Espelho Escada com Espelho
  • 92. AS ESCADAS DE DEGRAUS COM ESPELHO DEVEM TER: a) largura de 0,60 cm a 0,80 cm ; b) degraus com profundidade mínima de 0,20 cm ; c) degraus e lances uniformes, nivelados e sem saliências; d) altura entre os degraus de 0,20 cm a 0,25 cm; e) plataforma de descanso de 0,60 cm a 0,80 cm de largura e comprimento a intervalos de, no máximo, 3,00 m (três metros) de altura.
  • 93. COMPONENTES PRESSURIZADOS: 12.7.1 Devem ser adotadas medidas adicionais de proteção das mangueiras, tubulações e demais componentes pressurizados sujeitos a eventuais impactos mecânicos e outros agentes agressivos, quando houver risco. 12.7.2 As mangueiras, tubulações e demais componentes pressurizados devem ser localizados ou protegidos de tal forma que uma situação de ruptura destes componentes e vazamentos de fluidos não possa ocasionar acidentes de trabalho.
  • 94. 12.7.3 As mangueiras utilizadas nos sistemas pressurizados devem possuir indicação da pressão máxima de trabalho admissível especificada pelo fabricante. 12.7.4 Os sistemas pressurizados das máquinas devem possuir meios ou dispositivos destinados a garantir que: a) a pressão máxima de trabalho admissível nos circuitos não possa ser excedida; e b) quedas de pressão progressivas ou bruscas e perdas de vácuo não possam gerar perigo. COMPONENTES PRESSURIZADOS:
  • 95. COMPONENTES PRESSURIZADOS: 12.7.6 Os recipientes contendo gases comprimidos utilizados em máquinas e equipamentos devem permanecer em perfeito estado de conservação e funcionamento e ser armazenados em depósitos bem ventilados, protegidos contra quedas, calor e impactos acidentais. 12.7.7 Nas atividades de montagem e desmontagem de pneumáticos das rodas das máquinas e equipamentos não estacionários, que ofereçam riscos de acidentes, devem ser observadas as seguintes condições: a) os pneumáticos devem ser completamente despressurizados, removendo o núcleo da válvula de calibragem antes da desmontagem e de qualquer intervenção que possa acarretar acidentes; e b) o enchimento de pneumáticos só poderá ser executado dentro de dispositivo de clausura ou gaiola adequadamente dimensionada, até que seja alcançada uma pressão suficiente para forçar o talão sobre o aro e criar uma vedação pneumática.
  • 96. TRANSPORTADORES DE MATERIAIS: 12.8.1 Os movimentos perigosos dos transportadores contínuos de materiais, acessíveis durante a operação normal, devem ser protegidos, especialmente nos pontos de esmagamento, agarramento e aprisionamento. 12.8.1.1 Os transportadores contínuos de correia cuja altura da borda da correia que transporta a carga esteja superior a 2,70 m (dois metros e setenta centímetros) do piso estão dispensados da observância do subitem 12.8.1, desde que não haja circulação nem permanência de pessoas nas zonas de perigo.
  • 97. 12.8.1.2 Os transportadores contínuos de correia em que haja proteção fixa distante, associada a proteção móvel intertravada que restrinja o acesso a pessoal especializado para a realização de inspeções, manutenções e outras intervenções necessárias, estão dispensados da observância do subitem 12.8.1, desde que atendido o disposto no subitem 12.5.13. 12.8.2 Os transportadores contínuos de correia, cuja altura da borda da correia que transporta a carga esteja superior a 2,70 m (dois metros e setenta centímetros) do piso, devem possuir, em toda a sua extensão, passarelas em ambos os lados, atendidos os requisitos do item 3 do Anexo III desta NR. 12.8.2.1 Os transportadores cuja correia tenha largura de até 762 mm (setecentos e sessenta e dois milímetros) ou 30 (trinta) polegadas podem possuir passarela em apenas um dos lados, devendo-se adotar o uso de plataformas móveis ou elevatórias para quaisquer intervenções e inspeções. TRANSPORTADORES DE MATERIAIS:
  • 98. 12.8.2.2 Os transportadores móveis articulados em que haja possibilidade de realização de quaisquer intervenções e inspeções a partir do solo ficam dispensados da exigência do subitem 12.8.2. 12.8.4 Os cabos de aço, correntes, eslingas, ganchos e outros elementos de suspensão ou tração e suas conexões devem ser adequados ao tipo de material e dimensionados para suportar os esforços solicitantes. 12.8.5 Nos transportadores contínuos de materiais que necessitem de parada durante o processo é proibida a reversão de movimento para esta finalidade. 12.8.6 É proibida a permanência e a circulação de pessoas sobre partes em movimento, ou que possam ficar em movimento, dos transportadores de materiais, quando não projetadas para essas finalidades. TRANSPORTADORES DE MATERIAIS:
  • 99. TRANSPORTADORES DE MATERIAIS: 12.8.6.1 Nas situações em que haja inviabilidade técnica do cumprimento do disposto no subitem 12.8.6, devem ser adotadas medidas que garantam a paralisação e o bloqueio dos movimentos de risco, conforme o disposto nos subitens 12.11.3 e 12.11.3.1. 12.8.6.2 A permanência e a circulação de pessoas sobre os transportadores contínuos devem ser realizadas por meio de passarelas com sistema de proteção contra quedas, conforme item 7 do Anexo III desta NR. 12.8.7 Os transportadores contínuos acessíveis aos trabalhadores devem dispor, ao longo de sua extensão, de dispositivos de parada de emergência, de modo que possam ser acionados em todas as posições de trabalho.
  • 100. TRANSPORTADORES DE MATERIAIS: 12.8.7.1 Os transportadores contínuos acessíveis aos trabalhadores ficam dispensados do cumprimento da exigência do subitem 12.8.7 se a análise de risco assim indicar. 12.8.8 Nos transportadores contínuos de correia cujo desalinhamento anormal da correia ou sobrecarga de materiais ofereçam riscos de acidentes, devem existir dispositivos que garantam a segurança em caso de falha durante sua operação normal e interrompam seu funcionamento quando forem ultrapassados os limites de segurança, conforme especificado em projeto. 12.8.9 Durante o transporte de materiais suspensos, devem ser adotadas medidas de segurança visando a garantir que não haja pessoas sob a carga. 12.8.9.1 As medidas de segurança previstas no subitem 12.8.9 devem priorizar a existência de áreas exclusivas para a circulação de cargas suspensas devidamente delimitadas e sinalizadas.
  • 101. ASPECTOS ERGONÔMICOS: 12.9.1 Para o trabalho em máquinas e equipamentos devem ser respeitadas as disposições contidas na Norma Regulamentadora n.º 17 - Ergonomia. 12.9.2 Com relação aos aspectos ergonômicos, as máquinas e equipamentos nacionais ou importadas fabricadas a partir da vigência deste item devem ser projetadas e construídas de modo a atender às disposições das normas técnicas oficiais ou normas técnicas internacionais aplicáveis.
  • 102. ASPECTOS ERGONÔMICOS:  As máquinas e equipamentos ter a observância aos os seguintes aspectos: a) atendimento da variabilidade das características antropométricas dos operadores; b) respeito às exigências posturais, cognitivas, movimentos e esforços físicos demandados pelos operadores; c) os componentes como monitores de vídeo, sinais e comandos, devem possibilitar a interação clara e precisa com o operador de forma a reduzir possibilidades de erros de interpretação ou retorno de informação; d) os comandos e indicadores devem representar, sempre que possível, a direção do movimento e demais efeitos correspondentes; e) os sistemas interativos, como ícones, símbolos e instruções devem ser coerentes em sua aparência e função;
  • 103. ASPECTOS ERGONÔMICOS: e) favorecimento do desempenho e a confiabilidade das operações, com redução da probabilidade de falhas na operação; g) redução da exigência de força, pressão, preensão, flexão, extensão ou torção dos segmentos corporais; h) a iluminação deve ser adequada e ficar disponível em situações de emergência, quando exigido o ingresso em seu interior.
  • 104. ASPECTOS ERGONÔMICOS:  Os comandos devem ter observância aos seguintes itens: a) localização e distância de forma a permitir manejo fácil e seguro; b) instalação dos comandos mais utilizados em posições acessíveis c) visibilidade, identificação e sinalização que permita serem distinguíveis entre si; d) instalação dos elementos de acionamento manual ou a pedal de forma a facilitar a execução da manobra; e) garantia de manobras seguras e rápidas e proteção de forma a evitar movimentos involuntários.
  • 105. RISCOS ADICIONAIS: 12.10.1 Para fins de aplicação desta NR, devem ser considerados os seguintes riscos adicionais: a) substâncias perigosas quaisquer, sejam agentes biológicos ou agentes químicos em estado sólido, líquido ou gasoso, que apresentem riscos à saúde ou integridade física dos trabalhadores por meio de inalação, ingestão ou contato com a pele, olhos ou mucosas; b) radiações ionizantes geradas pelas máquinas e equipamentos ou provenientes de substâncias radiativas por eles utilizadas, processadas ou produzidas; c) radiações não ionizantes com potencial de causar danos à saúde ou integridade física dos trabalhadores;
  • 106. RISCOS ADICIONAIS: d) vibrações; e) ruído; f) calor; g) combustíveis, inflamáveis, explosivos e substâncias que reagem perigosamente; e h) superfícies aquecidas acessíveis que apresentem risco de queimaduras causadas pelo contato com a pele.
  • 107. RISCOS ADICIONAIS: 12.10.2 Devem ser adotadas medidas de controle dos riscos adicionais provenientes da emissão ou liberação de agentes químicos, físicos e biológicos pelas máquinas e equipamentos, com prioridade à sua eliminação, redução de sua emissão ou liberação e redução da exposição dos trabalhadores, conforme Norma Regulamentadora n.º 9 - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA. 12.10.3 As máquinas e equipamentos que utilizem, processem ou produzam combustíveis, inflamáveis, explosivos ou substâncias que reagem perigosamente devem oferecer medidas de proteção contra sua emissão, liberação, combustão, explosão e reação acidentais, bem como a ocorrência de incêndio. 12.10.4 Devem ser adotadas medidas de proteção contra queimaduras causadas pelo contato da pele com superfícies aquecidas de máquinas e equipamentos, tais como a redução da temperatura superficial, isolação com materiais apropriados e barreiras, sempre que a temperatura da superfície for maior do que o limiar de queimaduras do material do qual é constituída, para um determinado período de contato.
  • 108. MANUTENÇÃO, INSPEÇÃO, PREPARAÇÃO, AJUSTES E REPAROS: 12.11.1 As máquinas e equipamentos devem ser submetidos a manutenções na forma e periodicidade determinada pelo fabricante, por profissional legalmente habilitado ou por profissional qualificado, conforme as normas técnicas oficiais ou normas técnicas internacionais aplicáveis. 12.11.2 As manutenções devem ser registradas em livro próprio, ficha ou sistema informatizado interno da empresa, com os seguintes dados: a) intervenções realizadas; b) data da realização de cada intervenção; c) serviço realizado; d) peças reparadas ou substituídas; e) condições de segurança do equipamento; f) indicação conclusiva quanto às condições de segurança da máquina; e g) nome do responsável pela execução das intervenções.
  • 109. MANUTENÇÃO, INSPEÇÃO, PREPARAÇÃO, AJUSTES E REPAROS: 12.11.2.1 O registro das manutenções deve ficar disponível aos trabalhadores envolvidos na operação, manutenção e reparos, bem como à Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA, ao Serviço de Segurança e Medicina do Trabalho - SESMT e à Auditoria Fiscal do Trabalho. 12.11.3 A manutenção, inspeção, reparos, limpeza, ajuste e outras intervenções que se fizerem necessárias devem ser executadas por profissionais capacitados, qualificados ou legalmente habilitados, formalmente autorizados pelo empregador, com as máquinas e equipamentos parados e adoção dos seguintes procedimentos: a) isolamento e descarga de todas as fontes de energia das máquinas e equipamentos, de modo visível ou facilmente identificável por meio dos dispositivos de comando; b) bloqueio mecânico e elétrico na posição “desligado” ou “fechado” de todos os dispositivos de corte de fontes de energia, a fim de impedir a reenergização, e sinalização com cartão ou etiqueta de bloqueio contendo o horário e a data do bloqueio, o motivo da manutenção e o nome do responsável;
  • 110. MANUTENÇÃO, INSPEÇÃO, PREPARAÇÃO, AJUSTES E REPAROS: c) medidas que garantam que à jusante dos pontos de corte de energia não exista possibilidade de gerar risco de acidentes; d) medidas adicionais de segurança, quando for realizada manutenção, inspeção e reparos de máquinas ou equipamentos sustentadas somente por sistemas hidráulicos e pneumáticos; e e) sistemas de retenção com trava mecânica, para evitar o movimento de retorno acidental de partes basculadas ou articuladas abertas das máquinas e equipamentos.
  • 111. 12.11.3.1 Para situações especiais de manutenção, regulagem, ajuste, limpeza, pesquisa de defeitos e inconformidades, em que não seja possível o cumprimento das condições estabelecidas no subitem 12.11.3, e em outras situações que impliquem a redução do nível de segurança das máquinas e equipamentos e houver necessidade de acesso às zonas de perigo, deve ser possível selecionar um modo de operação que: a) torne inoperante o modo de comando automático; b) permita a realização dos serviços com o uso de dispositivo de acionamento de ação continuada associado à redução da velocidade, ou dispositivos de comando por movimento limitado; c) impeça a mudança por trabalhadores não autorizados; d) a seleção corresponda a um único modo de comando ou de funcionamento; e) quando selecionado, tenha prioridade sobre todos os outros sistemas de comando, com exceção da parada de emergência; e f) torne a seleção visível, clara e facilmente identificável. MANUTENÇÃO, INSPEÇÃO, PREPARAÇÃO, AJUSTES E REPAROS:
  • 112. 12.11.5 Nas manutenções das máquinas e equipamentos, sempre que detectado qualquer defeito em peça ou componente que comprometa a segurança, deve ser providenciada sua reparação ou substituição imediata por outra peça ou componente original ou equivalente, de modo a garantir as mesmas características e condições seguras de uso. MANUTENÇÃO, INSPEÇÃO, PREPARAÇÃO, AJUSTES E REPAROS:
  • 113. SINALIZAÇÃO: 12.12.1 As máquinas e equipamentos, bem como as instalações em que se encontram, devem possuir sinalização de segurança para advertir os trabalhadores e terceiros sobre os riscos a que estão expostos, as instruções de operação e manutenção e outras informações necessárias para garantir a integridade física e a saúde dos trabalhadores. 12.12.1.1 A sinalização de segurança compreende a utilização de cores, símbolos, inscrições, sinais luminosos ou sonoros, entre outras formas de comunicação de mesma eficácia. SINALIZAÇÃO NÃO É UMA PORTEÇÃO EFETIVA CONTRA UM RISCO, MAS SOMENTE UMA ADVERTÊNCIA (UM ALERTA, UM AVISO, UMA INFORMAÇÃO).
  • 114. SINALIZAÇÃO: 12.12.1.3 A sinalização de segurança deve ser adotada em todas as fases de utilização e vida útil das máquinas e equipamentos. 12.12.2 A sinalização de segurança deve: a) ficar destacada na máquina ou equipamento; b) ficar em localização claramente visível; e c) ser de fácil compreensão.
  • 115. MANUAIS: 12.12.7 As máquinas e equipamentos fabricados a partir de 24 de dezembro de 2011 devem possuir em local visível as seguintes informações indeléveis: a) razão social, CNPJ e endereço do fabricante ou importador; b) informação sobre tipo, modelo e capacidade; c) número de série ou identificação, e ano de fabricação; d) número de registro do fabricante/importador ou do profissional legalmente habilitado no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia - CREA; e e) peso da máquina ou equipamento.
  • 116. 12.13.1 As máquinas e equipamentos devem possuir manual de instruções fornecido pelo fabricante ou importador, com informações relativas à segurança em todas as fases de utilização. 12.13.2 Os manuais devem: a) ser escritos na língua portuguesa (Brasil), com caracteres de tipo e tamanho que possibilitem a melhor legibilidade possível, acompanhado das ilustrações explicativas; b) ser objetivos, claros, sem ambiguidades e em linguagem de fácil compreensão; c) ter sinais ou avisos referentes à segurança realçados; e d) permanecer disponíveis a todos os usuários nos locais de trabalho. MANUAIS:
  • 117. 12.13.4 Os manuais das máquinas e equipamentos fabricados ou importados entre 24 de junho de 2012 e a data de entrada em vigor deste item devem conter, no mínimo, as seguintes informações: a) razão social, CNPJ e endereço do fabricante ou importador; b) tipo, modelo e capacidade; c) número de série ou número de identificação e ano de fabricação; d) normas observadas para o projeto e construção da máquina ou equipamento; e) descrição detalhada da máquina ou equipamento e seus acessórios; f) diagramas, inclusive circuitos elétricos, em especial a representação esquemática das funções de segurança; g) definição da utilização prevista para a máquina ou equipamento; h) riscos a que estão expostos os usuários, com as respectivas avaliações quantitativas de emissões geradas pela máquina ou equipamento em sua capacidade máxima de utilização; MANUAIS:
  • 118. i) definição das medidas de segurança existentes e daquelas a serem adotadas pelos usuários; j) especificações e limitações técnicas para a sua utilização com segurança; k) riscos que podem resultar de adulteração ou supressão de proteções e dispositivos de segurança; l) riscos que podem resultar de utilizações diferentes daquelas previstas no projeto; m)informações técnicas para subsidiar a elaboração dos procedimentos de trabalho e segurança durante todas as fases de utilização; n) procedimentos e periodicidade para inspeções e manutenção; o) procedimentos a serem adotados em situações de emergência; e p) indicação da vida útil da máquina ou equipamento e/ou dos componentes relacionados com a segurança. MANUAIS:
  • 119. PROCEDIMENTOS DE TRABALHO E SEGURANÇA: 12.14.1 Devem ser elaborados procedimentos de trabalho e segurança para máquinas e equipamentos, específicos e padronizados, a partir da apreciação de riscos. 12.14.1.1 Os procedimentos de trabalho e segurança não podem ser as únicas medidas de proteção adotadas para se prevenir acidentes, sendo considerados complementos e não substitutos das medidas de proteção coletivas necessárias para a garantia da segurança e saúde dos trabalhadores
  • 120. 12.14.2 Ao início de cada turno de trabalho ou após nova preparação da máquina ou equipamento, o operador deve efetuar inspeção rotineira das condições de operacionalidade e segurança e, se constatadas anormalidades que afetem a segurança, as atividades devem ser interrompidas, com a comunicação ao superior hierárquico. 12.14.3 Os serviços que envolvam risco de acidentes de trabalho em máquinas e equipamentos, exceto operação, devem ser planejados e realizados em conformidade com os procedimentos de trabalho e segurança, sob supervisão e anuência expressa de profissional habilitado ou qualificado, desde que autorizados. PROCEDIMENTOS DE TRABALHO E SEGURANÇA:
  • 121. PROJETO, FABRICAÇÃO, IMPORTAÇÃO, VENDA, LOCAÇÃO, LEILÃO, CESSÃO A QUALQUER TÍTULO E EXPOSIÇÃO. : 12.15.1 O projeto das máquinas e equipamentos fabricados a partir da publicação da Portaria SIT n.º 197, de 17 de dezembro de 2010, D.O.U. de 24 de dezembro de 2010, deve levar em conta a segurança intrínseca da máquina ou equipamento durante as fases de construção, transporte, montagem, instalação, ajuste, operação, limpeza, manutenção, inspeção, desativação, desmonte e sucateamento por meio das referências técnicas, a serem observadas para resguardar a saúde e a integridade física dos trabalhadores. 12.15.1.1 O projeto da máquina ou equipamento não deve permitir erros na montagem ou remontagem de determinadas peças ou elementos que possam gerar riscos durante seu funcionamento, especialmente quanto ao sentido de rotação ou deslocamento.
  • 122. PROJETO, FABRICAÇÃO, IMPORTAÇÃO, VENDA, LOCAÇÃO, LEILÃO, CESSÃO A QUALQUER TÍTULO E EXPOSIÇÃO. : 12.15.1.2 O projeto das máquinas ou equipamentos fabricados ou importados após a vigência desta NR deve prever meios adequados para o seu levantamento, carregamento, instalação, remoção e transporte. 12.15.1.3 Devem ser previstos meios seguros para as atividades de instalação, remoção, desmonte ou transporte, mesmo que em partes, de máquinas e equipamentos fabricados ou importados antes da vigência desta NR. 12.15.2 É proibida a fabricação, importação, comercialização, leilão, locação, cessão a qualquer título e exposição de máquinas e equipamentos que não atendam ao disposto nesta NR.
  • 123. CAPACITAÇÃO: 12.16.1 A operação, manutenção, inspeção e demais intervenções em máquinas e equipamentos devem ser realizadas por trabalhadores habilitados ou qualificados ou capacitados, e autorizados para este fim. 12.16.2 Os trabalhadores envolvidos na operação, manutenção, inspeção e demais intervenções em máquinas e equipamentos devem receber capacitação providenciada pelo empregador e compatível com suas funções, que aborde os riscos a que estão expostos e as medidas de proteção existentes e necessárias, nos termos desta NR, para a prevenção de acidentes e doenças.
  • 124. CAPACITAÇÃO: 12.16.3 A capacitação deve: a) ocorrer antes que o trabalhador assuma a sua função; b) ser realizada sem ônus para o trabalhador; c) ter carga horária mínima, definida pelo empregador, que garanta aos trabalhadores executarem suas atividades com segurança, sendo realizada durante a jornada de trabalho; d) ter conteúdo programático conforme o estabelecido no Anexo II desta NR; e e) ser ministrada por trabalhadores ou profissionais ou qualificados para este fim, com supervisão de profissional legalmente habilitado que se responsabilizará pela adequação do conteúdo, forma, carga horária, qualificação dos instrutores e avaliação dos capacitados.
  • 125. CAPACITAÇÃO: 12.16.8 Deve ser realizada capacitação para reciclagem do trabalhador sempre que ocorrerem modificações significativas nas instalações e na operação de máquinas ou troca de métodos, processos e organização do trabalho, que impliquem em novos riscos. 12.16.10 Os operadores de máquinas autopropelidas devem portar cartão de identificação, com nome, função e fotografia em local visível, renovado com periodicidade máxima de um ano mediante exame médico, conforme disposições constantes da Norma Regulamentadora n.º 07 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO e na Norma Regulamentadora n.º 11 - Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais.
  • 126. OUTROS REQUISITOS ESPECÍFICOS DE SEGURANÇA: 12.17.1 As ferramentas e materiais utilizados nas intervenções em máquinas e equipamentos devem ser adequados às operações realizadas. 12.17.2 Os acessórios e ferramental utilizados pelas máquinas e equipamentos devem ser adequados às operações realizadas. 12.17.3 É proibido o porte de ferramentas manuais em bolsos ou locais não apropriados a essa finalidade.
  • 127. DISPOSIÇÕES FINAIS: 12.18.1 O empregador deve manter à disposição da Auditoria-Fiscal do Trabalho relação atualizada das máquinas e equipamentos. 12.18.2 Toda a documentação referida nesta NR deve ficar disponível para CIPA ou Comissão Interna de Prevenção de Acidentes na Mineração - CIPAMIN, sindicatos representantes da categoria profissional e Auditoria Fiscal do Trabalho, apresentado em formato digital ou meio físico.
  • 130. SINAIS VITAIS  Respiração: Movimentos realizados pelo pulmão sendo (Homem de 15 a 20 mrpm, Mulher 18 a 20 mrpm, Criança 20 a 24 mrpm e Lactantes 30 a 40 mrpm;  Pulso: Contração e dilatação de artérias que correspondem aos batimentos do coração. (Radial, Carótida e Femoral);  Temperatura: Reações químicas do nosso organismo, no qual é vital para o bom funcionamento. Hipertermia (Febre), Hipotermia (Baixa temperatura) e Normotermia (Temperatura normal).  Pressão Arterial: Força exercida pelo sangue circulando sobre as paredes dos vasos e artérias.
  • 131. SANGUE  O sangue é um tecido conjuntivo líquido, produzido na medula óssea vermelha, que flui pelas veias, artérias e capilares.  Responsável pelo transporte de substâncias (nutrientes, oxigênio, gás carbônico e toxinas), regulação e proteção de nosso corpo.
  • 132. URGÊNCIA X EMERGÊNCIA ►EMERGÊNCIA: Risco de morte. ►URGÊNCIA: Não tem risco de morte.
  • 133. DEFINIÇÃO DE PRIMEIROS SOCORROS Conjunto de avaliações e procedimentos voltados a atendimento imediato e provisório de uma vítima de trauma ou doença, ocorrido fora do ambiente hospitalar, sendo ele de caráter simples, até a chegada do socorro especializado.
  • 134. LEGISLAÇÃO Art. 135 – Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à crianças abandonada ou extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave e iminente perigo; ou não pedir, nesses casos o socorro da autoridade pública. Pena: Detenção, de um a seis meses, ou multa. Paragrafo único: A pena é aumentada de metade, se da omissão resulta lesão corporal de natureza grave, e triplicada, se resultar a morte.
  • 135. ATITUDES DO SOCORRISTA Diante de uma situação de Urgência / Emergência o socorrista deve ter uma postura diferenciada diante de outras pessoa que não receberam treinamento, sendo:  Manter a tranquilidade;  Verificar riscos no local e sinalizar;  Ter liderança com ordens breves, claras e objetivas;  Atender no local da ocorrência;  Analisar e detectar situações de risco para a vida da vítima;  Atendimento às prioridades com o objetivo de manter a vítima com vida ou impedir o agravamento da situação;  Acionar o serviço de emergência ou transportar com segurança até uma unidade hospitalar próxima.
  • 136.
  • 137. REGRAS BÁSICAS Peça ajuda: Solicite a presença de outras pessoas para ajudar, seja para acionar o serviço de emergência, abrir portar e janelas, afrouxar roupas entre outras coisas. Avaliar a segurança do local ou cena: Cuidado ao se aproximar da vítima pois a segurança do cenário deve ser prioridade para o socorrista. RISCOS AMBIENTAIS E DIVERSOS Tempestades e inundações Instabilidade de estruturas Fogo, fumaça, Explosões Fio e rede elétrica Produtos químicos Tráfego intenso Árvores em risco de queda Animais perigosos Baixa iluminação, Ventos, Nevoeiros Vítimas agressivas SEJA SOCORRISTA E NÃO HERÓI
  • 138.
  • 139.  Acionar o serviço de emergência: Se necessário, mediante a situação da ocorrência, o auxilio de serviços especializados para o atendimento é primordial. Corpo de Bombeiro: 193 Policia Militar: 190 SAMU: 192  Ao ligar, passar a seguintes informações: - Se identificar, nome, telefone; - Endereço exato do local onde está a vítima; - O que ocorreu, o estado, e o que já foi feito. REGRAS BÁSICAS
  • 140.  Prevenção contra infecções: A exposição ou contato com fluidos corporais: sangue e outras secreções, aumentam o risco do socorrista contrair infecções. Sendo assim, faz necessário a utilização de algumas precauções: • Lavar as mãos antes e após os procedimentos; • Usar luvas; • Não manusear objetos que tenham entrado em contato com sangue ou outras secreções, sem a devida proteção. REGRAS BÁSICAS
  • 141. Impeça aglomerações: Muitos curiosos podem se aproximar e isso poderá dificultar as ações de socorro. Sendo assim, procure não se exaltar, pois sempre haverá muitos palpites e observações sobre a vítima e de como agir. Peça a alguém para organizar o ambiente para que isso não o distraia. REGRAS BÁSICAS
  • 142.
  • 143. Avaliar a vítima sob o princípio da priorização: Se a cena é segura, a prioridade é identificar situações que coloquem em risco a vida da vítima. 1. Sistema Respiratório; 2. Batimentos cardíacos (Coração); 3. Sangramentos. REGRAS BÁSICAS
  • 144.  Não ofereça medicamentos ou líquidos sem prescrição médica: A ingestão de algo, pode causar complicações junto a vítima. Caso a vítima tenha sede, e houver demora no atendimento especializado, apenas umedeça com água um pano ou algodão e passe nos lábios da vítima. REGRAS BÁSICAS
  • 145. Zele pelo conforto e privacidade da vítima: Atitudes simples podem trazer conforto e privacidade para a vítima. Afastar curioso; Promova o aquecimento corporal; Proteger de chuva e do sol; Manter informada sobre tudo que está sendo feito; Ouça as queixas e observações da vítima; Preserve os pertences pessoais; Mantenha o ambiente claro e arejado; Afrouxe cintos, sapatos e roupas. REGRAS BÁSICAS
  • 146. ANÁLISE PRIMÁRIA 1. Responsividade; 2. Respiração; 3. Abertura das vias aérea; 4. Circulação; 5. Grandes hemorragias. A Análise Primaria é uma avaliação realizada sempre que a vítima está inconsciente e se faz necessário para detectar as condições que colocam em risco iminente a vida da vítima. Onde o tempo para essa análise vai de 15 a 30 segundos avaliando:
  • 147. Responsividade: 1. Aproximar-se da cabeça e tronco da vítima; 2. Chamar a vítima até três vezes, de preferencia pelo nome; 3. Enquanto chama, toque-lhe os ombros com firmeza, porém sem agressividade; 4. Pergunte “você está bem?” ANÁLISE PRIMÁRIA
  • 148.  Respiração: 1. Posicione próximo da vítima, e visualize a movimentação do diafragma, podendo aproximar a sua face junto à vítima. ANÁLISE PRIMÁRIA
  • 149. Abertura das vias aéreas: 1. Posicione uma de suas mãos sobre a testa da vítima; 2. Posicione dois dedos da outra mão sob o queixo da vítima; 3. Realize um leve movimento de inclinação da cabeça da vítima para trás, elevando –lhe o queixo; ANÁLISE PRIMÁRIA
  • 150.  Circulação: Com auxilio dos 2 (dois) dedos, indicador e médio, verificar a presença de circulação, realizando pequenas compreensões junto as artérias. ANÁLISE PRIMÁRIA Artéria Carótida Artéria Radial Artéria Femoral Artéria Pedial
  • 151. Grandes hemorragias: É a perda de sangue em decorrência de um ferimento, que pode ser externo ou interno, no qual poderá levar a vítima a um estado de choque e à morte. ANÁLISE PRIMÁRIA
  • 153. DESMAIO É a perda súbita e temporária da consciência por diminuição da circulação e da oxigenação cerebral.  Sintomas: Tontura, vista escura, Náuseas, sudorese;  Ação: Acalmar a vitima, afrouxar as roupas, deita-la, e elevar as pernas.
  • 154. É a perda súbita da consciência, acompanhada de contrações musculares bruscas e involuntárias dentre as causas temos: Epilepsia, trauma no crânio, febre alta, drogas, tumores cerebrais e choque elétrico. Sintomas: Perda da consciência, Espasmos musculares, babar ou espumar pela boca, Ação: Proteger a vítima de uma lesão, Acondiciona-la ao chão, Não formar a rigidez, Afrouxar a roupa, Virar a cabeça da vítima na lateral; CONVULSÕES
  • 155. QUEIMADURAS A queimadura caracteriza por lesões nos tecidos que envolvem diversas camadas do corpo. Elas são causadas pelo contato direto com brasa, fogo, vapores quentes, sólidos, substâncias químicas, biológicas, radiações e eletricidade.  1º grau = Camada mais superficial da pele;  2º grau = Camada localizada abaixo da epiderme;  3º grau = Atinge toda as camadas da pela, como musculo, sistemas nervos e ossos;  Ação: Lavar com água abundante e procurar o atendimento médico;
  • 156.  Ação: Tampar o local com pano limpo e procurar atendimento médico hospitalar. SANGRAMENTO / HEMORRAGIA
  • 157. INTOXICAÇÕES Causados pela ingestão, aspiração e introdução no organismo, acidental ou não, de substâncias tóxicas de naturezas diversas. Sintomas: Náuseas, queimaduras na garganta, Dificuldade de respirar, entre outras. Ação: Acalmar a vitima, e procura atendimento médico hospitalar. (Levar produto que foi inalado ou ingerido).
  • 158. LUXAÇÃO Deslocamento repentino do osso, onde se sai de sua posição normal, não rompendo ligamento.  Sintomas: Dor intensa no local.  Ação: Imobilizar e procurar atendimento médico hospitalar.
  • 159. ENTORSE Uma lesão, atrela a ligamentos, onde ocorre o rompimento parcial ou completo dos mesmo. Sintomas: Dor intensa no local. Ação: Imobilizar e procurar atendimento médico hospitalar.
  • 160. CONTUSÃO MUSCULAR Uma lesão ocorrida no musculo, onde o mesmo recebe uma forma excessiva, podendo levar ao rompimento da musculatura. Sintomas: Dor intensa no local. Ação: Imobilizar e procurar atendimento médico Hospitalar, (colocar gelo no momento).
  • 161. FRATURAS Fechada: Quando osso quebra e não rompe o tecido (pele). Aberta: Quando osso quebra e rompe o tecido (pele). Ação: Imobilizar da forma que estiver e procurar atendimento médico hospitalar.
  • 162. Nunca remova objetos ou corpo estranho que esteja junto a vítima.
  • 163. IMOBILIZAÇÃO DE MEMBROS Ao realizar a imobilização, considerar uma articulação acima e outra abaixo. Imobilizar da forma que estiver o membro, nunca tentando retornar ao posicionamento normal.
  • 164. ANIMAIS PEÇONHENTOS AÇÃO: Acalmar a vítima, lavar o local com água e procurar atendimento médico hospitalar.
  • 165. OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS Ação: Acalmar a vítima e realizar a Manobra de Haimlich.
  • 166. PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR Define-se como parada cardiorrespiratória (PCR) a interrupção súbita e brusca da circulação sistêmica e ou da respiração. Iniciar prontamente as manobras de reanimação, antes mesmo da chegada da equipe de suporte avançado aumenta a chance de sobrevida e evita sequelas.  SINAIS CLÍNICOS DE PCR: • Inconsciência; • Ausência de movimentos respiratórios; • Ausência de pulso.  CAUSAS: Choque elétrico, Afogamento, Deficiência de Oxigênio, Obstrução das vias aéreas, Envenenamento, Entre outras.
  • 167. RESSUSCITAÇÃO CÁRDIO PULMONAR - RCP Conjunto de manobras emergenciais que permitem a recirculação do sangue junto ao sistema, assim bombeando nutrientes e oxigênio para todo o corpo. A falta de oxigênio pode provocar sequelas dentro de 3 a 5 minutos, caso não seja atendido convenientemente.
  • 168. RCP Sem respiração, realizar 100 compressões por minuto.
  • 170. RCP 30 compressões x 2 insuflações
  • 171. RCP 30 compressões x 2 insuflações  Em bebês utilizar apenas dois dedos para realizar as compressões.  Que devem ser feitas mais rápidas e menos profundas do que nos adultos.
  • 173. COLAR CERVICAL O Colar Cervical é um dos equipamentos mais utilizados em casos de emergências e resgates. Eles são essenciais para qualquer tipo de remoção, trazendo uma maior segurança a vítima, assegurando que não ocorra o TRM (Traumatismo Raqui Medular). Segurar a cabeça para a colocação do colar. E permanecer fixa as mãos até a colocação da vítima na prancha.
  • 174. DIVERSOS São vários os equipamentos a ser utilizados em atendimento a vítimas. Tudo dependerá da situação da ocorrência.
  • 176. MOVIMENTAÇÃO LIVRE Movimentar a vítima de forma cautelosa, a fim de evitar agravos a saúde e lesões.
  • 177. MOVIMENTAÇÃO COM PRANCHA A colocação da vítima sobre a prancha, pode ser realizado de varias formas. ROLAMENTO / GIRO CAVALEIRA O número de socorrista e o estado da vítima que dirá a forma que será utilizada.
  • 179.  Não atacar o fogo contra a fumaça. Isso pode causar asfixia;  Caso você não saiba o que fazer peça ajuda. AGENTES EXTINTORES
  • 180. CHOQUE ELÉTRICO TENSÃO DE TOQUE  Tensão de passo;  Tensão de toque é a tensão elétrica (diferença de potencial);  existente entre os membros superiores e inferiores do indivíduo;  devido a Circulação de corrente no objetos tocado. TENSÃO DE PASSO  Tensão de toque é a tensão elétrica (diferença de potencial) existente entre os membros superiores e inferiores do indivíduo;  Devido a Circulação de corrente no objetos tocado;  A tensão de passo é a tensão elétrica (diferença de potencial) entre os dois pés no instante da operação ou defeito tipo curto-circuito;  Monofásico à terra no equipamento.
  • 181. + 55 14 99609-3737 atendimento@qualitysegconsultoria.com.br 14 -3264-3737 / 3264-1732 www.qualitysegconsultoria.com.br Obrigado a todos! Rua XV de novembro, 127 centro Lençóis Paulista - SP