SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Os árabes:
• A Arábia é uma península da Ásia Ocidental,
  próxima da África. Limita-se a noroeste com a
  Palestina, ao sul com o oceano Índico, a leste
  com o golfo Pérsico e a oeste com o mar
  Vermelho.
• O litoral do mar Vermelho é a região que
  apresenta melhores condições geográficas,
  permitindo até mesmo uma razoável prática
  da agricultura, se bem que em áreas restritas.
  É ali que se localizam antigas cidades como
  Meca e Medina (anteriormente, Iatreb).
• Esses núcleos urbanos eram importantes
  centros comerciais, de onde partiam
  caravanas em direção a Aden, no sul da
  Arábia, ou a Bassorah, no golfo Pérsico. Nos
  referidos portos, os mercadores adquiriam
  especiarias orientais, que ali chegavam através
  da navegação de cabotagem, e as revendiam
  no Oriente Médio e Próximo. Os lucros eram
  enormes e fizeram a fortuna dos
  comerciantes, principalmente de Meca.
• Além do comércio externo, havia um ativo
  comércio interno entre os árabes do
  deserto, conhecidos como beduínos, e os do
  litoral. As práticas
  comerciais, contudo, circunscreviam-se aos
  meses finais do ano (setembro a
  dezembro), quando os beduínos se
  deslocavam em direção às cidades.
• Além de seus objetivos mercantis, essa migração
  possuía também um caráter religioso, tendo
  Meca como ponto de convergência. A atração da
  cidade era um templo, a célebre Caaba, que
  abrigava numerosos ídolos adorados pelas tribos
  do deserto, assim como uma Pedra Negra, sobre
  a qual, segundo a tradição, repousou Ismael,
  considerado o ancestral do povo árabe. Havia
  ainda em Meca uma fonte sagrada (Zem-Zem),
  um vale onde o demônio (Iblis) era apedrejado
  pelos fiéis e o Monte Arafat, local de meditação
  noturna.
A pedra negra:
• Os beduínos preferiam Meca a Iatreb porque a
  visita lhes dava satisfação espiritual e material,
  devido ao comércio das feiras. Por isso
  mesmo, existia entre as duas cidades uma
  rivalidade que era simultaneamente comercial
  e religiosa.
Meca:
Maomé:
• Maomé nasceu em Meca, por volta do ano
  570, e pertencia à tribo que dominava a
  cidade: os Coraixitas. No entanto, era de uma
  família pobre, os Hexemitas. Ficou órfão aos
  seis anos de idade, sendo criado pelo avô e
  em seguida pelo tio Abu Taleb.
• Aos 15 anos de idade, já trabalhava nas caravanas
  que viajavam pela Palestina e a Síria. Foi assim
  que tomou contato com povos e regiões
  diferentes e conheceu novas religiões,
  principalmente o cristianismo e o judaísmo.
  Assimilando os ensinamentos dessas duas
  doutrinas monoteístas, criou uma integração de
  elementos retirados do cristianismo, do judaísmo
  e do paganismo árabe.
• Porém, a vida agitada de Maomé não lhe
  permitia estruturar seu sistema religioso. Daí a
  importância de seu casamento com
  Khadidja, uma rica viúva que lhe proporcionou a
  estabilidade material necessária para seu
  desenvolvimento intelectual. Maomé começou a
  fazer retiros espirituais no Monte Arafat, até que
  no ano 610 teve “três visões” do anjo Gabriel. Na
  última, o anjo ter-lhe-ia dito: “Maomé, tu és o
  único profeta do verdadeiro Deus (Alá)!” A
  missão de Maomé estava implícita nessas
  palavras.
• Começava agora a etapa mais difícil da vida do
  Profeta: a difusão da crença. De início,
  restringiu suas pregações aos familiares e
  amigos, tendo em dois anos feito mais ou
  menos 80 adeptos. Sentindo-se mais seguro,
  iniciou a pregação pública aos Coraixitas, de
  quem naturalmente adviria a maior oposição,
  visto que estavam ligados economicamente ao
  politeísmo existente na Arábia.
• No começo, os Coraixitas se surpreenderam
  com as revelações de Maomé, segundo as
  quais só havia um Deus, de quem ele, Maomé,
  era o Profeta. Depois, procuraram ridicularizá-
  lo. Por fim, começou a perseguição. Uma
  tentativa de assassinato ocorreu em 622,
  quando então Maomé fugiu de Meca para
  Iatreb. Essa foi a Héjira (“fuga”), que marca o
  início do calendário muçulmano.
• Em Iatreb (a partir de então chamada
  Medina), Maomé afastou a oposição de um
  grupo de judeus que habitavam a cidade e se
  negavam a aceitar a crença em Alá. Em
  seguida, começou a Guerra Santa (Djihad)
  contra Meca, atacando suas caravanas, cujos
  itinerários conhecia muito bem. Seus êxitos
  militares eram considerados provas da
  existência de Alá.
• Diante do crescente prestígio de Maomé, os Coraixitas
  procuraram um acordo (Tratado de Hodaibiya): Maomé
  voltaria para Meca, mas os ídolos da Caaba deveriam
  ser conservados. Mas em 630, com o apoio dos árabes
  do deserto, Maomé destruiu os ídolos, com exceção da
  Pedra Negra, que foi solenemente dedicada a Alá.
  Estava implantado o monoteísmo e com ele surgiu o
  Islamismo, o mundo dos submissos a Alá e obedientes
  ao seu representante, o Profeta Maomé. Organizou-se,
  assim, um Estado Teocrático.
• De 630 até 632, quando morreu, Maomé viveu
  em Medina. Converteu pela força das armas os
  árabes recalcitrantes. Construiu a Mesquita de
  Kuba, em Medina, e organizou a doutrina islâmica
  em seus pontos essenciais. Seu livro básico, o
  Corão ou Alcorão, só foi compilado mais tarde,
  com base nos escritos de Said, um escravo persa
  que sintetizava seus pensamentos. A Suna,
  conjunto de ditos e episódios atribuídos a
  Maomé, surgiu depois, para completar a tradição
  em torno da vida do Profeta.
• A doutrina islâmica prega a existência de um só
  Deus, com natureza exclusivamente divina, sem
  forma humana; daí a proibição a todos os crentes
  (muçulmanos) de representarem formas vivas.
  Maomé devia ser considerado o último e
  principal profeta, continuador de Moisés e Jesus,
  também considerados profetas. Os muçulmanos
  deveriam acreditar nos anjos, no Juízo Final, no
  Inferno e no Paraíso; estes últimos possuíam uma
  conotação profundamente materialista, com
  sofrimentos e prazeres literalmente materiais.
• A moral islâmica baseava-se no cristianismo e
  nas tradições árabes. As principais exigências
  do islamismo eram: crença em Alá, cinco
  orações diárias, jejum no mês de
  Ramadã, peregrinar a Meca uma vez na vida e
  dar esmolas. A Guerra Santa (Djihad) contra
  os infiéis era uma prática recomendável, mas
  não obrigatória.
Caaba:
Peregrinação em Meca:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Origem e expansão do islamismo
Origem e expansão do islamismoOrigem e expansão do islamismo
Origem e expansão do islamismo
 
A EXPANSÃO ISLÂMICA
A EXPANSÃO ISLÂMICAA EXPANSÃO ISLÂMICA
A EXPANSÃO ISLÂMICA
 
Civilização árabe
Civilização árabeCivilização árabe
Civilização árabe
 
Professor Adail/ e o Mundo Árabe
Professor Adail/ e o Mundo Árabe Professor Adail/ e o Mundo Árabe
Professor Adail/ e o Mundo Árabe
 
Mundo islâmico
Mundo islâmicoMundo islâmico
Mundo islâmico
 
História Idade Média Árabes
História Idade Média ÁrabesHistória Idade Média Árabes
História Idade Média Árabes
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
Civilização árabe
Civilização árabeCivilização árabe
Civilização árabe
 
O nascimento do islamismo e a expansão muçulmana
O nascimento do islamismo e a expansão muçulmanaO nascimento do islamismo e a expansão muçulmana
O nascimento do islamismo e a expansão muçulmana
 
O mundo islâmico
O mundo islâmicoO mundo islâmico
O mundo islâmico
 
7 ano ul2_islamismo
7 ano ul2_islamismo7 ano ul2_islamismo
7 ano ul2_islamismo
 
1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe 1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe
 
Os árabes e o islamismo
Os árabes e o islamismoOs árabes e o islamismo
Os árabes e o islamismo
 
O mundo islâmico
O mundo islâmicoO mundo islâmico
O mundo islâmico
 
Mundoislamico
MundoislamicoMundoislamico
Mundoislamico
 
O cristianismo e o islamismo na idade média
O cristianismo e o islamismo na idade médiaO cristianismo e o islamismo na idade média
O cristianismo e o islamismo na idade média
 
Mundo árabe
Mundo árabeMundo árabe
Mundo árabe
 
O mundo islâmico na Alta Idade Média
O mundo islâmico na Alta Idade MédiaO mundo islâmico na Alta Idade Média
O mundo islâmico na Alta Idade Média
 
O império muçulmano
O império muçulmanoO império muçulmano
O império muçulmano
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 

Semelhante a A História dos Árabes e do Profeta Maomé em

Semelhante a A História dos Árabes e do Profeta Maomé em (20)

Os árabes
Os árabesOs árabes
Os árabes
 
Civilização muçulmana
Civilização muçulmanaCivilização muçulmana
Civilização muçulmana
 
A religião muçulmana
A religião muçulmanaA religião muçulmana
A religião muçulmana
 
Islã
IslãIslã
Islã
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
ISLAMISMO
ISLAMISMOISLAMISMO
ISLAMISMO
 
A história do islamismo na península ibérica
A história do islamismo na península ibéricaA história do islamismo na península ibérica
A história do islamismo na península ibérica
 
Ceb árabes
Ceb   árabesCeb   árabes
Ceb árabes
 
Ceb árabes
Ceb   árabesCeb   árabes
Ceb árabes
 
Resumão islã
Resumão islãResumão islã
Resumão islã
 
João santos, joão oliveira, lenora ferreira, criticado
João santos, joão oliveira, lenora ferreira, criticadoJoão santos, joão oliveira, lenora ferreira, criticado
João santos, joão oliveira, lenora ferreira, criticado
 
João santos, joão oliveira, lenora ferreira, criticado
João santos, joão oliveira, lenora ferreira, criticadoJoão santos, joão oliveira, lenora ferreira, criticado
João santos, joão oliveira, lenora ferreira, criticado
 
O islã
O islãO islã
O islã
 
Os Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península IbéricaOs Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península Ibérica
 
Islamismo (resumo)
Islamismo (resumo)Islamismo (resumo)
Islamismo (resumo)
 
3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi
 
História idade média arábes
História idade média arábesHistória idade média arábes
História idade média arábes
 
Árabes
ÁrabesÁrabes
Árabes
 
Os muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibéricaOs muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibérica
 
os muçulmanos
os muçulmanosos muçulmanos
os muçulmanos
 

Mais de Nelia Salles Nantes

A ditadura militar no brasil 2017
A ditadura militar no brasil   2017A ditadura militar no brasil   2017
A ditadura militar no brasil 2017Nelia Salles Nantes
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilNelia Salles Nantes
 
2 guerra japão e estados unidos - 2017
2 guerra   japão e estados unidos - 20172 guerra   japão e estados unidos - 2017
2 guerra japão e estados unidos - 2017Nelia Salles Nantes
 
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -20172ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017Nelia Salles Nantes
 
2ª guerra áfrica italia e alemanha
2ª guerra    áfrica italia e alemanha2ª guerra    áfrica italia e alemanha
2ª guerra áfrica italia e alemanhaNelia Salles Nantes
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilNelia Salles Nantes
 
Os regimes totalitários na europa
Os regimes totalitários na europaOs regimes totalitários na europa
Os regimes totalitários na europaNelia Salles Nantes
 
A crise de 1929 e o new deal 2017
A crise de 1929 e o new deal   2017A crise de 1929 e o new deal   2017
A crise de 1929 e o new deal 2017Nelia Salles Nantes
 

Mais de Nelia Salles Nantes (20)

A ditadura militar no brasil 2017
A ditadura militar no brasil   2017A ditadura militar no brasil   2017
A ditadura militar no brasil 2017
 
O período regencial 2017
O período regencial   2017O período regencial   2017
O período regencial 2017
 
Brasil 1945 1964 -
Brasil 1945   1964 -Brasil 1945   1964 -
Brasil 1945 1964 -
 
O 1º reinado
O 1º reinadoO 1º reinado
O 1º reinado
 
A independência do brasil
A independência do brasilA independência do brasil
A independência do brasil
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
2 guerra japão e estados unidos - 2017
2 guerra   japão e estados unidos - 20172 guerra   japão e estados unidos - 2017
2 guerra japão e estados unidos - 2017
 
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -20172ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017
 
2ª guerra 1942 a 1945 imagens
2ª guerra 1942 a 1945   imagens2ª guerra 1942 a 1945   imagens
2ª guerra 1942 a 1945 imagens
 
2ª guerra áfrica italia e alemanha
2ª guerra    áfrica italia e alemanha2ª guerra    áfrica italia e alemanha
2ª guerra áfrica italia e alemanha
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
A 2ª guerra mundial 2017
A 2ª guerra mundial   2017A 2ª guerra mundial   2017
A 2ª guerra mundial 2017
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Os regimes totalitários na europa
Os regimes totalitários na europaOs regimes totalitários na europa
Os regimes totalitários na europa
 
A crise de 1929 e o new deal 2017
A crise de 1929 e o new deal   2017A crise de 1929 e o new deal   2017
A crise de 1929 e o new deal 2017
 
O despotismo esclarecido 2017
O despotismo esclarecido   2017O despotismo esclarecido   2017
O despotismo esclarecido 2017
 
O iluminismo 2017
O iluminismo   2017O iluminismo   2017
O iluminismo 2017
 
A república velha 2017
A república velha   2017A república velha   2017
A república velha 2017
 

A História dos Árabes e do Profeta Maomé em

  • 2.
  • 3. • A Arábia é uma península da Ásia Ocidental, próxima da África. Limita-se a noroeste com a Palestina, ao sul com o oceano Índico, a leste com o golfo Pérsico e a oeste com o mar Vermelho.
  • 4.
  • 5. • O litoral do mar Vermelho é a região que apresenta melhores condições geográficas, permitindo até mesmo uma razoável prática da agricultura, se bem que em áreas restritas. É ali que se localizam antigas cidades como Meca e Medina (anteriormente, Iatreb).
  • 6.
  • 7.
  • 8. • Esses núcleos urbanos eram importantes centros comerciais, de onde partiam caravanas em direção a Aden, no sul da Arábia, ou a Bassorah, no golfo Pérsico. Nos referidos portos, os mercadores adquiriam especiarias orientais, que ali chegavam através da navegação de cabotagem, e as revendiam no Oriente Médio e Próximo. Os lucros eram enormes e fizeram a fortuna dos comerciantes, principalmente de Meca.
  • 9. • Além do comércio externo, havia um ativo comércio interno entre os árabes do deserto, conhecidos como beduínos, e os do litoral. As práticas comerciais, contudo, circunscreviam-se aos meses finais do ano (setembro a dezembro), quando os beduínos se deslocavam em direção às cidades.
  • 10.
  • 11. • Além de seus objetivos mercantis, essa migração possuía também um caráter religioso, tendo Meca como ponto de convergência. A atração da cidade era um templo, a célebre Caaba, que abrigava numerosos ídolos adorados pelas tribos do deserto, assim como uma Pedra Negra, sobre a qual, segundo a tradição, repousou Ismael, considerado o ancestral do povo árabe. Havia ainda em Meca uma fonte sagrada (Zem-Zem), um vale onde o demônio (Iblis) era apedrejado pelos fiéis e o Monte Arafat, local de meditação noturna.
  • 12.
  • 14. • Os beduínos preferiam Meca a Iatreb porque a visita lhes dava satisfação espiritual e material, devido ao comércio das feiras. Por isso mesmo, existia entre as duas cidades uma rivalidade que era simultaneamente comercial e religiosa.
  • 15. Meca:
  • 17. • Maomé nasceu em Meca, por volta do ano 570, e pertencia à tribo que dominava a cidade: os Coraixitas. No entanto, era de uma família pobre, os Hexemitas. Ficou órfão aos seis anos de idade, sendo criado pelo avô e em seguida pelo tio Abu Taleb.
  • 18. • Aos 15 anos de idade, já trabalhava nas caravanas que viajavam pela Palestina e a Síria. Foi assim que tomou contato com povos e regiões diferentes e conheceu novas religiões, principalmente o cristianismo e o judaísmo. Assimilando os ensinamentos dessas duas doutrinas monoteístas, criou uma integração de elementos retirados do cristianismo, do judaísmo e do paganismo árabe.
  • 19. • Porém, a vida agitada de Maomé não lhe permitia estruturar seu sistema religioso. Daí a importância de seu casamento com Khadidja, uma rica viúva que lhe proporcionou a estabilidade material necessária para seu desenvolvimento intelectual. Maomé começou a fazer retiros espirituais no Monte Arafat, até que no ano 610 teve “três visões” do anjo Gabriel. Na última, o anjo ter-lhe-ia dito: “Maomé, tu és o único profeta do verdadeiro Deus (Alá)!” A missão de Maomé estava implícita nessas palavras.
  • 20. • Começava agora a etapa mais difícil da vida do Profeta: a difusão da crença. De início, restringiu suas pregações aos familiares e amigos, tendo em dois anos feito mais ou menos 80 adeptos. Sentindo-se mais seguro, iniciou a pregação pública aos Coraixitas, de quem naturalmente adviria a maior oposição, visto que estavam ligados economicamente ao politeísmo existente na Arábia.
  • 21. • No começo, os Coraixitas se surpreenderam com as revelações de Maomé, segundo as quais só havia um Deus, de quem ele, Maomé, era o Profeta. Depois, procuraram ridicularizá- lo. Por fim, começou a perseguição. Uma tentativa de assassinato ocorreu em 622, quando então Maomé fugiu de Meca para Iatreb. Essa foi a Héjira (“fuga”), que marca o início do calendário muçulmano.
  • 22.
  • 23. • Em Iatreb (a partir de então chamada Medina), Maomé afastou a oposição de um grupo de judeus que habitavam a cidade e se negavam a aceitar a crença em Alá. Em seguida, começou a Guerra Santa (Djihad) contra Meca, atacando suas caravanas, cujos itinerários conhecia muito bem. Seus êxitos militares eram considerados provas da existência de Alá.
  • 24. • Diante do crescente prestígio de Maomé, os Coraixitas procuraram um acordo (Tratado de Hodaibiya): Maomé voltaria para Meca, mas os ídolos da Caaba deveriam ser conservados. Mas em 630, com o apoio dos árabes do deserto, Maomé destruiu os ídolos, com exceção da Pedra Negra, que foi solenemente dedicada a Alá. Estava implantado o monoteísmo e com ele surgiu o Islamismo, o mundo dos submissos a Alá e obedientes ao seu representante, o Profeta Maomé. Organizou-se, assim, um Estado Teocrático.
  • 25. • De 630 até 632, quando morreu, Maomé viveu em Medina. Converteu pela força das armas os árabes recalcitrantes. Construiu a Mesquita de Kuba, em Medina, e organizou a doutrina islâmica em seus pontos essenciais. Seu livro básico, o Corão ou Alcorão, só foi compilado mais tarde, com base nos escritos de Said, um escravo persa que sintetizava seus pensamentos. A Suna, conjunto de ditos e episódios atribuídos a Maomé, surgiu depois, para completar a tradição em torno da vida do Profeta.
  • 26. • A doutrina islâmica prega a existência de um só Deus, com natureza exclusivamente divina, sem forma humana; daí a proibição a todos os crentes (muçulmanos) de representarem formas vivas. Maomé devia ser considerado o último e principal profeta, continuador de Moisés e Jesus, também considerados profetas. Os muçulmanos deveriam acreditar nos anjos, no Juízo Final, no Inferno e no Paraíso; estes últimos possuíam uma conotação profundamente materialista, com sofrimentos e prazeres literalmente materiais.
  • 27.
  • 28.
  • 29. • A moral islâmica baseava-se no cristianismo e nas tradições árabes. As principais exigências do islamismo eram: crença em Alá, cinco orações diárias, jejum no mês de Ramadã, peregrinar a Meca uma vez na vida e dar esmolas. A Guerra Santa (Djihad) contra os infiéis era uma prática recomendável, mas não obrigatória.