Os francos, imp. carolingio

756 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
756
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
136
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os francos, imp. carolingio

  1. 1. Os Francos
  2. 2. • No ano de 476 o Império Romano do Ocidente chegou ao fim. Em seu lugar encontramos a partir de então diversos Reinos Bárbaros. É verdade que esses reinos não surgiram ao mesmo tempo; desde o século III vários povos bárbaros ocuparam partes do território romano. Os reinos formaram-se lentamente e de maneira desigual.
  3. 3. • O início da Idade Média é marcado pela queda do Império Romano em 476 d.C. A Era Medieval é dividida em Alta e Baixa Idade Média. A Alta Idade Média vai do século V ao século XI d.C., o período medieval inicia com o surgimento de diversos reinos no território do antigo império romano.
  4. 4. Povos bárbaros invasores ao Império Romano: • Germanos: francos, visigodos, saxões e vândalos. • Eslavos: sérvios, russos e croatas. • Tártaros - Mongóis: turcos e húngaros.
  5. 5. • Principais Reinos Bárbaros: • Reino dos Vândalos: Península Ibérica • Reino dos Ostrogodos: Península Itálica • Reino dos Anglo-Saxões: Inglaterra • Reino dos Francos: França e Alemanha
  6. 6. O Reino dos Francos: • Os Francos eram tribos de origem germânica que habitavam a região onde hoje é a Alemanha. • Em busca de novas terras, os francos invadem a GÁLIA, atual França. • No século V, o rei Clóvis I unifica as tribos francas tornando-se seu primeiro rei.
  7. 7. Clóvis I:
  8. 8. • O primeiro rei merovíngio foi Clovis (neto de Meroveu), que governou durante vinte nove anos (482-511). Clovis conseguiu promover a unificação dos francos, expandiu seus domínios territoriais e converteu-se ao cristianismo católico.
  9. 9. O batismo de Clóvis:
  10. 10. • Depois da morte de Clovis, seus quatro filhos dividiram o reino franco, enfraquecendo-o politicamente. Somente com o rei Dagoberto (629-639) houve uma nova reunificação dos francos. Entretanto, após sua morte surgiram novas lutas internas que aceleraram o desmoronamento do poder dos reis merovíngios.
  11. 11. • Os sucessores de Dagoberto tiveram seus poderes absorvidos por um alto funcionário da corte, o prefeito do palácio ou mordomo do paço (Major Domus) que, na prática, desempenhava o papel do verdadeiro rei. Quando aos reis merovíngios, assumiram uma vida de prazeres e de ociosidade, o que lhe valeu o título de reis indolentes.
  12. 12. • No final do século VII, o mordomo do paço Pepino de Herstal (679-714) tornou seu cargo hereditário. Seu sucessor, Carlos Martel (714- 741), adquiriu grande prestígio e poder, principalmente depois de conseguir deter o avanço dos árabes muçulmanos em direção à Europa Ocidental.
  13. 13. Pepino de Heristal:
  14. 14. A Expansão Muçulmana:
  15. 15. Carlos Martel:
  16. 16. A batalha de Poitiers:
  17. 17. • Foi na famosa Batalha de Poitiers, em 732 que Carlos Martel venceu o emir árabe Abderramã, contando com os esforços da infantaria dos francos. Interrompendo o avanço dos muçulmanos em direção à Europa, Carlos Martel ficou conhecido como o salvador da cristandade ocidental.
  18. 18. • Em 751, Pepino destronou o último e enfraquecido rei merovíngio, Childerico III, e fundou a dinastia carolíngia. Ele expulsa os lombardos da Itália doando suas terras à Igreja Católica, esta se torna aliada dos Francos.
  19. 19. • Pepino, o Breve, obteve o reconhecimento do papa Zacarias para o destronamento do último rei merovíngio, que se recolheu a um mosteiro. Eleito rei de todos os francos, Pepino foi abençoado solenemente pelo arcebispo Bonifácio, representante do papa.
  20. 20. Childerico III:
  21. 21. Pepino o Breve:
  22. 22. • A importância do reinado de Pepino III, o breve, residiu no fato de reunificar os povos e territórios francos, consolidar a aliança com a Igreja Católica ao combater os lombardos na Itália e centralizar o poder.
  23. 23. Carlos Magno:
  24. 24. O Império Carolíngio: • Em 768, Carlos Magno, filho de Pepino, sobe ao trono dos francos. Carlos Magno Manteve a política expansionista iniciada pelo pai, assim como a aliança com a Igreja Católica. Derrotou os lombardos e os saxões e do lado oriental dominou a Baviera e submeteu todas as tribos germânicas ocidentais.
  25. 25. • O império Franco não tinha capital fixa. Sua sede dependia do lugar onde se encontrava o imperador e sua corte. De modo geral, Carlos Magno permanecia por maior tempo na cidade de Aquisgrã (Aix-la-Chapelle).
  26. 26. Palácio de Carlos Magno:
  27. 27. • Procurando dar uma organização mais adequada aos usos e costumes vigentes no império, Carlos Magno baixou leis escritas conhecidas como capitulares.
  28. 28. • Carlos Magno criou subdivisões administrativas, encarregando os condes, os marqueses e os missi-dominici de controlá- las.
  29. 29. Condados:
  30. 30. • Cabia aos condes, responsáveis pelos territórios do interior (condados), fazer cumprir as capitulares e cobrar os impostos em nome de Carlos Magno.
  31. 31. • Aos marqueses, cabia defender e administrar os territórios situados nas fronteiras do império, isto é, as marcas.
  32. 32. “Marcas” – Fronteiras:
  33. 33. • Os missi-dominici, inspetores reais, viajavam por todo o império e tinham plenos poderes para controlar a ação dos administradores locais. Ou seja, eles deveriam verificar e avisar ao imperador sobre a cobrança dos impostos, aplicação das leis e etc.
  34. 34. Missi Dominici:
  35. 35. O Beneficium e os Vassalos do Rei
  36. 36. • Durante o governo de Carlos Magno, muitas terras do império foram concedidas em beneficium a diversos nobres locais. Esses nobres tornavam-se, então, vassalos do rei, tendo para com ele dever de fidelidade. Por estarem na condição de vassalos diretos do rei, muitos desses nobres se recusavam a obedecer às instruções de autoridade administrativas, como os missi-dominici.
  37. 37. • Essa atitude dos nobres foi um importante elemento para a formação da sociedade feudal, com fragmentação do poder nas mãos de diversos nobres senhores de terra, unidos apenas pelos laços de vassalagem.
  38. 38. O Renascimento Carolíngio: • Guerreiro audacioso, Carlos Magno dedicou- se, durante toda a vida, muito à espada do que ao cultivo do espírito, permanecendo analfabeto praticamente até a idade adulta. Entretanto, na qualidade de administrador, preocupou-se em promover o desenvolvimento cultural de seu Império.
  39. 39. • Assessorado por intelectuais, como o monge Alcuíno, o bibliotecário Leidrade e os historiadores Paulo Diácomo e Eginardo, Carlos Magno abriu escolas e mosteiros, estimulou a tradução e a cópia de manuscritos antigos e protegeu artistas.
  40. 40. • Carlos Magno preocupou-se em preservar a cultura greco-romana, investiu na construção de escolas, criou um novo sistema monetário e estimulou o desenvolvimento das artes.
  41. 41. Educação:
  42. 42. • Na área educacional, o monge inglês Alcuíno foi o responsável pelo desenvolvimento do projeto escolar de Carlos Magno. A manutenção dos conhecimentos clássicos (gregos e romanos) tornou-se o objetivo principal desta reforma educacional. As escolas funcionavam junto aos mosteiros, aos bispados ou às cortes . Nestas escolas eram ensinadas as sete artes liberais: aritmética, geometria, astronomia, música, gramática, retórica e dialética.
  43. 43. Monge Alcuíno:
  44. 44. • A arte sofreu uma grande influência das culturas grega, romana e bizantina. Destacam- se a construção de palácios e igrejas
  45. 45. • As iluminuras (livros pequenos com muitas ilustrações, com detalhes em dourado)
  46. 46. Iluminuras:
  47. 47. • e os relicários (recipientes decorados para guardar relíquias sagradas) também marcaram este período.
  48. 48. Relicário:
  49. 49. Medalhão:
  50. 50. Coroação de Carlos Magno: • No ano de 800, um importante fato histórico representou o poder de Carlos Magno. Aproximou-se da Igreja Católica e foi coroado imperador, do Sacro Império Romano- Germânico, pelo papa Leão III. Ele foi um defensor da fé cristã e a espalhou pelas terras dominadas.
  51. 51. Coroa de Carlos Magno:
  52. 52. A Espada de Carlos Magno:
  53. 53. O Império Carolíngio:
  54. 54. Principais regiões conquistadas por Carlos Magno: • - Conquista da Germânia em 772. - Conquista da Pavia em 774. - Anexação do Ducado de Friuli (Itália). - Conquista das Ilhas Baleares em 779. - Conquista do Ducado de Spoleto na Itália em 780. - Tomada da cidade de Barcelona em 801.-
  55. 55. A Divisão e a Decadência do Império: • Ao morrer, em 814, Carlos Magno deixou o poder imperial para seu filho Luís I, o Piedoso, No reinado de Luís I, o Império Carolíngio ainda conseguiu manter sua unidade política, mas após sua morte, em 840, o império foi disputado por seus filhos, numa desgastante guerra civil.
  56. 56. Luís o Piedoso:
  57. 57. • Pelo Tratado de Verdun, assinado em 843, os filhos de Luís I firmaram a paz, estabelecendo a seguinte divisão do Império Franco: • Carlos II, o Calvo, ficou com a parte ocidental, compreendendo a região da França atual;
  58. 58. Carlos, o Calvo:
  59. 59. • Luís, o Germânico, ficou com a parte oriental, compreendendo a região da Alemanha atual;
  60. 60. Luís, o Germânico:
  61. 61. • Lotário ficou com a parte central, compreendendo regiões que estendiam da Itália até o mar do Norte.
  62. 62. Lotário I:
  63. 63. O Tratado de Verdún:

×