O 2º reinado 1840 - 1889

217 visualizações

Publicada em

Slides sobre o 2º Reinado de 1840 até 1863

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
217
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O 2º reinado 1840 - 1889

  1. 1. O SEGUNDO REINADO 1840 - 1889
  2. 2. Bandeira do 2º Reinado:
  3. 3. • O Segundo Reinado é a fase da História do Brasil que corresponde ao governo de D. Pedro II. Teve início em 23 de julho de 1840, com a mudança na Constituição que declarou Pedro de Alcântara maior de idade com 14 anos e, portanto, apto para assumir o governo. O 2º Reinado terminou em 15 de novembro de 1889, com a Proclamação da República.
  4. 4. Declaração da Maioridade – 1840:
  5. 5. A Política no Segundo Reinado: • A política no Segundo Reinado foi marcada pela disputa entre o Partido Liberal e o Conservador. Estes dois partidos defendiam quase os mesmos interesses, pois eram elitistas. Neste período o imperador escolhia o presidente do Conselho de Ministros entre os integrantes do partido que possuía maioria na Assembléia Geral.
  6. 6. • Nas eleições eram comuns as fraudes, compras de votos e até atos violentos para garantir a eleição. • A situação era tão complicada que as eleições de 1840 foram chamadas de “Eleições do Cacete”, por causa da violência.
  7. 7. O fim da Guerra dos Farrapos • Quando assumiu o império a Revolução Farroupilha estava em pleno desenvolvimento. Havia uma grande possibilidade da região sul conseguir a independência do restante do país. Para evitar o sucesso da revolução, D.Pedro II nomeou o barão de Caxias como chefe do exército.
  8. 8. Caxias:
  9. 9. • Caxias utilizou a diplomacia para negociar o fim da revolta com os líderes. Em 1845, obteve sucesso através do Tratado de Ponche Verde e conseguiu colocar um fim na Revolução Farroupilha.
  10. 10. A Revolução Praieira • A Revolução Praieira foi uma revolta liberal e federalista que ocorreu na província de Pernambuco, entre os anos de 1848 e 1850. Dentre as várias revoltas ocorridas durante o Brasil Império, esta foi a última. Ganhou o nome de praieira, pois a sede do jornal dirigido pelos liberais revoltosos (chamados de praieiros) situava-se na rua da Praia.
  11. 11. O Ciclo do café: • O café (planta) vem da Etiópia,porém a bebida foi inventada pelos árabes.
  12. 12. África:
  13. 13. Etiópia:
  14. 14. Senhora etíope torrando café:
  15. 15. • No século XVIII o café conquistou a Europa e seus aristocratas, filósofos, intelectuais e burgueses.
  16. 16. Filósofos Iluministas tomando café:
  17. 17. • Chegou ao Brasil no fim do séc. XVIII. As plantações se espalhavam pelo vale do Paraíba região que fica entre Rio de Janeiro e São Paulo.
  18. 18. Cafeeiro:
  19. 19. • No final do séc. XIX o Brasil era o maior exportador de café do mundo, abastecendo a Europa e os Estados Unidos. Mais tarde os cafezais se expandiram para oeste de São Paulo, onde o trabalho também era realizado por imigrantes livres. Graças às riquezas do café, o poder central não pôde mais ser contestado pelos federalistas e a região sudeste tornou-se a mais importante.
  20. 20. Oeste Paulista:
  21. 21. Escravos transportando café até o porto:
  22. 22. • Os cafeicultores se tornaram os homens mais ricos do Brasil, sendo a base da autoridade do Imperador. Os lucros do café levaram a uma recuperação econômica e a uma modernização do país. A expansão das lavouras para o interior de São Paulo levou à construção de ferrovias e também ao progresso tecnológico
  23. 23. Embarque de Café no Porto de Santos:
  24. 24. • As fazendas de café desbancaram o nordeste e incentivaram a vinda de imigrantes europeus que foram quase escravizados O café estimulava a circulação de dinheiro e o mercado consumidor, favorecendo o surgimento de empresários capitalistas brasileiros.
  25. 25. Fazenda Santa Clara:
  26. 26. • Vivendo seu auge entre 1850 e 1870, o regime imperial entrou em declínio com o desenrolar de várias transformações. O fim do tráfico negreiro em 1850, a introdução da mão de imigrante, as brigas com militares e religiosos e a manutenção do escravismo foram questões fundamentais no abalo da monarquia.
  27. 27. • Aos poucos, membros das elites econômicas e intelectuais passaram a compreender a república como um passo necessário para a modernização das instituições políticas nacionais.
  28. 28. • A questão agrária no Brasil, tão atual e discutida por diversos setores de nossa sociedade, remonta um longo processo histórico que assinala o problema da concentração de terras em nosso país. Durante o Segundo Reinado, destacamos um dos mais importantes marcos desse processo no momento em que o poder imperial estabelece a Lei de Terras de 1850, que favoreceu os fazendeiros.
  29. 29. • Essa lei surgiu em uma época de muitas transformações sociais e políticas do Império. Naquele mesmo ano, duas semanas antes da aprovação da Lei de Terras, o governo imperial criminalizou o tráfico negreiro no Brasil por meio da aprovação da Lei Euzébio de Queiroz.
  30. 30. • De fato, essas duas leis estavam intimamente ligadas, pois o fim da importação de escravos seria substituído por ações que incentivavam a utilização da mão de obra assalariada dos imigrantes europeus.
  31. 31. • Por esta lei, a terra se transformava em uma mercadoria de alto custo, acessível a uma pequena parte da população brasileira. Com isso, pessoas com condição financeira inferior – como ex-escravos, imigrantes e trabalhadores livres – tinham grandes dificuldades em obter um lote de terras.
  32. 32. • Apesar de regulamentar a propriedade agrária, a lei de terras não foi cumprida em boa parte das propriedades, legitimando o desmando e a ampliação de terras dos grandes proprietários.
  33. 33. Agricultores imigrantes:
  34. 34. A questão Christie: • Durante o século XIX, as relações diplomáticas entre Brasil e Inglaterra passaram por altos e baixos. No começo desse século, visando consolidar seus interesses econômicos, a Inglaterra reconheceu a independência do Brasil em troca do controle do seu mercado consumidor de produtos industrializados e a contração de vários empréstimos aos cofres públicos.
  35. 35. • Mas, essa relação de dependência que parecia se aprofundar com o passar do tempo sofreu um abalo na década de 1860. Nesse período, os ingleses pressionavam politicamente o Brasil para a escravidão fosse abolida.
  36. 36. • Os ingleses esperavam que a abolição aumentasse o número de consumidores para seus produtos, com os novos consumidores: os futuros ex-escravos, que passariam a receber salários. • Além disso, a expansão do capitalismo industrial para outras nações do mundo, estabeleceu novas parcerias comerciais que enfraqueciam o domínio britânico no comércio mundial.
  37. 37. • A tensão entre os interesses britânicos e brasileiros aumentou quando o embaixador William Christie denunciou o não cumprimento da Lei Regencial de 1831, que garantia a liberdade de todos os escravos que chegassem ao Brasil a partir daquele ano.
  38. 38. Willian Christie:
  39. 39. D. Pedro II
  40. 40. • A ação tomada pelo embaixador inglês causou um grande mal estar entre as elites brasileiras, que não abriam mão da utilização dos escravos. Em 1832 outro incidente abalou a já desgastada relação política entre Brasil e Inglaterra.
  41. 41. • Em abril de 1861, um navio inglês encalhou no Rio Grande do Sul. Nessa tragédia, um grupo de sobreviventes acabou se salvando e tratou de contar às autoridades brasileiras a situação do navio. Ao invés ajudar os ingleses, o governo brasileiro acabou ignorando o problema e deixou que a embarcação fosse saqueada por alguns moradores da região.
  42. 42. • Inconformados com o episódio, os marinheiros britânicos recorreram à ajuda do embaixador inglês, que exigiu uma multa a ser paga pelo Governo Brasileiro. O imperador Dom Pedro II não concordou com as exigências britânicas e não aceitou o pedido do diplomata inglês. Em 1862 a situação piorou com a prisão de três marinheiros ingleses, que promoviam arruaças na cidade do Rio de Janeiro.
  43. 43. • Mesmo depois que os oficiais britânicos foram soltos, o embaixador Christie insistia na indenização do navio saqueado, a demissão dos policiais brasileiros que haviam prendido os arruaceiros ingleses e um pedido de desculpas oficial.
  44. 44. • Mais uma vez, o governo brasileiro se negou a atender as exigências inglesas. No ano de 1863, buscando retaliar as ações brasileiras, uma esquadra britânica realizou a prisão de um conjunto de embarcações brasileiras que estavam em alto-mar.
  45. 45. • Inconformado com as ações do embaixador William Christie, o imperador Dom Pedro II decidiu romper relações diplomáticas com a Inglaterra. Para resolver o problema, o governo brasileiro pediu auxílio ao tribunal internacional, comandando pelo rei Leopoldo II da Bélgica.
  46. 46. • Após avaliar toda a situação, o rei Leopoldo II decidiu dar ganho de causa ao governo brasileiro. Contudo, somente com o início da Guerra do Paraguai, no ano de 1865, Brasil e Inglaterra reataram suas relações diplomáticas.

×