As guerras greco pérsicas

2.375 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.375
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As guerras greco pérsicas

  1. 1. As Guerras Greco-Pérsicas:
  2. 2. • No início do século V a.C., os gregos tiveram que enfrentar a ameaça dos persas, cujo Império chegou a abranger a Lídia, as cidades gregas da Ásia Menor, o Egito, a Trácia e a Macedônia, controlando importantes regiões fornecedoras de trigo. Em 492 a.C., os persas atacaram diretamente a Grécia continental, tendo sido derrotados pelos atenienses nas batalhas de Maratona (490 a.C.), provando a superioridade da forma hoplítica de combate.
  3. 3. Batalha de Maratona:
  4. 4. Formação Hoplítica:
  5. 5. • Numa outra investida, os persas foram novamente derrotados por Atenas na batalha naval de Salamina (480 a.C.), e na batalha de Platéia pelas forças coligadas de Atenas e Esparta.
  6. 6. Batalha de Salamina:
  7. 7. • Para defender as pólis do mar Egeu e da Ásia Menor de possíveis novas invasões persas, Atenas organizou uma liga de cidades sob sua liderança, denominada Liga de Delos (477 a.C.). Todas as cidades membros contribuíram com homens, navios e dinheiro, para o tesouro da Liga, localizada na ilha de Delos.
  8. 8. • Mesmo quando o perigo dos ataques persas diminuiu, Atenas não permitiu que qualquer cidade se retirasse da Liga, tornando-se, assim, uma cidade imperialista. O símbolo da transformação foi a mudança da sede e do tesouro da Liga de Delos para Atenas, em 454 a.C., sendo seus recursos utilizados na reconstrução e embelezamento da cidade e na melhoria do nível de vida de sua população.
  9. 9. A Batalha de Termópilas: • Termópilas é um desfiladeiro localizado na Grécia Central que serviu de palco para a batalha entre persas e espartanos. O conflito foi provocado pelo anseio do persa Xerxes de dominar o território e o povo espartano, o que foi negado pelo povo, juntamente com seu rei Leônidas.
  10. 10. Desfiladeiro das Termópilas:
  11. 11. • Para o conflito, Leônidas encontrou grandes dificuldades já que o exército persa já se aproximava e os espartanos comemoravam as honrarias ao deus Apolo e o resto da Grécia comemorava os Jogos Olímpicos, o que impedia qualquer tipo de guerra naquele momento. Sem outros recursos, Leônidas partiu para o conflito com apenas 300 homens de sua guarda pessoal.
  12. 12. Leônidas:
  13. 13. • Distribuição – As tropas Gregas constituíam-se de 300 Hoplitas Espartanos, a elite da elite guerreira helênica, e mais 7000 aliados de outras cidades gregas. As tropas gregas eram mestras no uso da formação de falange (Phalanx), ou seja, uma massa de soldados, alinhados em linha e colunas coesas, protegidos por um grande escudo e lanças apontadas para frente, tornando-se uma barreira virtualmente intransponível quando combatida frente á frente.
  14. 14. Falange:
  15. 15. Soldado espartano:
  16. 16. • Dentre as tropas de Xerxes, encontravam-se os famosos Immortais, a tropa de elite do Rei, que prometia causar o terror nas tropas inimigas quando requisitadas pra combate. • Os batedores Persas informaram a Xerxes que, os espartanos estavam aguardando, com uma força militar infinitamente menor, porém, ainda assim pareciam despreocupados pois penteavam seus cabelos, passavam óleo no corpo, sem aparente ansiedade. Esperando que os gregos se rendessem, Xerxes esperou 04 dias e, quando viu que ninguém estava disposto a sair de lá sem antes lutar ou morrer, ordenou um ataque no quinto dia.
  17. 17. • Como citado acima, os gregos se dispuseram em Falanges, formando uma muralha de lança e escudos de ponta a ponta da passagem de Termópilas. Os persas, com roupas leves, lanças leves e flechas não conseguiam passar pela muralha grega, que lutava bravamente, onde não podiam ser flanqueados ou cercados devido ao terreno, portanto reduzindo brutalmente a vantagem dos números nitidamente maiores do exército Persa.
  18. 18. • Xerxes não estava satisfeito com o resultado, e disse que iria fazer um chuva de flechas tão grande, que cobriria a luz do sol, sendo a resposta de um dos soldados Gregos : “Muito bem, lutaremos na sombra”. • No Segundo dia de batalha, os persas estavam sendo aniquilados assim como no primeiro dia e Xerxes ordenou o ataque da sua elite, os Immortais, pensando assim quebrar a formação Grega, porém, foi um ledo engano, e a falange espartana infligiu pesadíssimas baixas na elite persa, forçando-os a bater em retirada.
  19. 19. Xerxes:
  20. 20. • Ainda nesse segundo dia, Ephialtes, um dos gregos, desertou para o lado Persa e informou Xerxes de uma passagem alternativa por Termópilas, que resultaria num flanqueamento das tropas gregas. Alguns gregos, em torno de 100, guardavam essa passagem, porém foram atacados de surpresa pelo contingente persa, que passou e iniciou o começo do fim para os gregos. • Estava nítido que a derrota era certa e Leônidas dispensou os Gregos não-espartanos e não-tebanos, mas ainda assim, 600 outros soldados se recusaram a abandonar a batalha e decidiram morrer lutando para retardar o avanço persa.
  21. 21. • O combate foi brutal e os gregos foram empurrados para uma pequena montanha, enquanto seus números iam diminuindo cada vez mais. Os Espartanos eram soldados de elite, treinados desde de criança para dar suas vidas por Esparta e assim iriam fazer. Após um tempo de violentíssimo combate, Leônidas, o rei Espartano, é morto e batalha, o que normalmente iria desmoralizar sua tropa, mas o contrário aconteceu, os espartanos lutaram bravamente para proteger seu corpo.
  22. 22. • É dito que, quando suas lanças quebraram, os Espartanos lutaram com suas espadas (xiphos) e quando estas quebraram, o combate foi com as próprias mãos e dentes. Até que o último soldado espartano foi derrubado à flechadas. • Os gregos conseguiram causar um grande impacto sob as tropas de Xerxes, matando dois de seus irmãos e enfraquecendo enormemente a força invasora Persa, onde em posteriores batalhas, os persas foram facilmente derrotados, inclusive no mar, forçando o fim da campanha invasora Persa.
  23. 23. • Além de um grande feito, essa batalha mostrou como o terreno e a qualidade de tropas influencia num combate, sendo que até hoje ela é lembrada e estudada, pois é mais que uma batalha, é um marco da história.
  24. 24. • Leônidas foi decapitado, crucificado e sua cabeça foi empalada. No local do conflito hoje, há homenagens a Leônidas bem como para todo o exército que, apesar de ser em minúscula quantidade se comparada ao exército persa naquele tempo, guerreou com coragem pelo seu povo e pelo que acreditavam. Num monumento de homenagem há os dizeres “Digam aos espartanos, estranhos que passam, que aqui, obedientes às suas leis, jazemos”.
  25. 25. Estátua de Leônidas:
  26. 26. A Guerra do Peloponeso: • A Guerra do Peloponeso foi um conflito militar entre as cidades-estado de Atenas e Esparta. Ocorreu entre os anos de 431 e 404 a.C. • Para compreender melhor esta guerra é necessário entender as diferenças que existiam entre Esparta e Atenas na antiguidade. Enquanto Esparta era voltada para o militarismo, Atenas era o centro político e cultural do período. Esta guerra também envolveu outras cidades-estado que se alinharam com Atenas ou Esparta.
  27. 27. • As batalhas prolongaram por 27 anos, de 431 a 404 a.C, participaram nações do mundo grego e aconteceu não apenas na terra continental da Grécia, mas também na Sicília e Bizâncio. • O problema foi causado pela política. Atenas tinha se transformado na mais rica e poderosa da Grécia, e seu modo democrático de governo estava sendo todo copiado, para o alarme das oligarquias tradicionais como as da Esparta.
  28. 28. • Juntando aliados desde a região grega Dorian, Esparta criou a liga Peloponesa e foi para a guerra. Em resposta, Atenas se juntou aos gregos das regiões do Egeu e do oeste da Ásia Menor para lutar sob a Liga de Delos. • Foi uma guerra de atrito, com falta de tecnologia militar e progredindo lentamente e com dificuldades.
  29. 29. • As duas Ligas ganharam diversas batalhas, mas no final, Esparta acabou saindo vitoriosa, tomando o controle de uma Grécia exausta. • O fim da guerra derrubou o poder de Atenas na península e resultou na hegemonia política e economia de Esparta na região, com seu sistema voltado para o fortalecimento militar.

×