A revolução francesa

334 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
334
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A revolução francesa

  1. 1. A Revolução Francesa 1789 - 1799
  2. 2. Europa:
  3. 3. • A situação da França no século XVIII era de extrema injustiça social na época do Antigo Regime. O Terceiro Estado era formado pelos trabalhadores urbanos, camponeses e a pequena burguesia comercial. Os impostos eram pagos somente pelo Terceiro Estado com o objetivo de manter os luxos da nobreza.
  4. 4. • A França era um país absolutista nesta época. O rei governava com poderes absolutos, controlando a economia, a justiça, a política e até mesmo a religião dos súditos. Havia a falta de democracia, pois os trabalhadores não podiam votar, nem mesmo dar opiniões na forma de governo. Os oposicionistas eram presos na Bastilha (prisão política da monarquia).
  5. 5. • A sociedade francesa do século XVIII era estratificada e hierarquizada. No topo da pirâmide social, estava o clero que também tinha o privilégio de não pagar impostos.
  6. 6. • Abaixo do clero, estava a nobreza formada pelo rei, sua família, condes, duques, marqueses e outros nobres que viviam de banquetes e muito luxo na corte.
  7. 7. A Nobreza Francesa:
  8. 8. O Clero Francês:
  9. 9. Os camponeses:
  10. 10. • A base da sociedade era formada pelo terceiro estado (trabalhadores, camponeses e burguesia) que, sustentava toda a sociedade com seu trabalho e com o pagamento de altos impostos. Pior era a condição de vida dos desempregados que aumentavam em larga escala nas cidades francesas.
  11. 11. • A vida dos trabalhadores e camponeses era de extrema miséria, portanto, desejavam melhorias na qualidade de vida e de trabalho. A burguesia, mesmo tendo uma condição social melhor, desejava uma participação política maior e mais liberdade econômica em seu trabalho.
  12. 12. A Nobreza Francesa:
  13. 13. Luís XVI:
  14. 14. Maria Antonieta:
  15. 15. Palácio de Versalhes:
  16. 16. Quarto de Maria Antonieta:
  17. 17. Galeria dos Espelhos:
  18. 18. As causas da Revolução Francesa: • Fatores econômicos e sociais: A França, no fim do século XVIII, ainda era um país com a economia agrária, com uma produção agrícola estruturada no modelo feudal, enquanto a Inglaterra, sua grande rival, desenvolvia o processo de Revolução Industrial e transformava-se no maior país capitalista.
  19. 19. • A população francesa era de aproximadamente 26 milhões de pessoas, das quais 20 milhões viviam no campo. Isso significa que a maioria da população francesa era constituída de camponeses. E uma parte desses camponeses ainda estava submetida a obrigações feudais. A frança estava dividida em 3 classes sociais:
  20. 20. • O Primeiro Estado - Formado pelo alto e baixo clero. Os membros do alto clero, bispos e abades, pertenciam à nobreza; os do baixo clero, padres e monges, tinham origem no 3.° Estado.
  21. 21. • O Segundo Estado – Composto pela nobreza, que detinha, juntamente com o rei, o poder político do país. Estava dividida em alta e baixa nobreza. Parte dela vivia na corte (nobreza cortesã), gozando dos privilégios concedidos pelo rei e aproveitando-se do dinheiro público; outra parte vivia explorando os camponeses no campo.
  22. 22. • O Terceiro Estado – Era composto pelos camponeses (livres ou servos), a população pobre da cidade, a burguesia(pequena, média e alta burguesia).
  23. 23. Causas da Revolução Francesa: • Fatores políticos - A Revolução Francesa foi consequência imediata do absolutismo de Luís XVI. No seu governo, a economia francesa passava por uma crise terrível. Essa crise, aumentou ainda mais por causa da participação da França na Guerra de Independência dos Estados Unidos.
  24. 24. • A situação econômica exigia reformas urgentes e gerava uma grave crise política. • Foram vários os ministros das finanças francesas, tais durante o reinado de Luís XVI: Turgot, Necker e Calonne, que queriam forçar a nobreza e o clero a pagar impostos, mas o rei demitiu-os, porque também sofria pressão do Primeiro e do Segundo Estados.
  25. 25. Luís XVI:
  26. 26. Maria Antonieta:
  27. 27. • Não tendo solução para os problemas econômicos da França, Luís XVI recontratou Necker como ministro das finanças e propôs, para resolver os problemas econômicos do país a convocação dos Estados Gerais (uma Assembléia Nacional, representando os três Estados), que não se reuniam desde 1614.
  28. 28. Jacques Necker:
  29. 29. • Até 1614, cada Estado tinha trezentos deputados, e as decisões eram tomadas com base em um voto por Estado. Por isso, nas votações, as opiniões dos deputados do Terceiro Estado eram vencidas pelas dos deputados do Primeiro e do Segundo Estados que, unidos, tinham o dobro dos votos.
  30. 30. Estados Gerais:
  31. 31. • A burguesia fez duas grandes exigências na reunião dos Estados: primeiro, que o terceiro Estado tivesse um número de deputados igual ao dos dois outros Estados; segundo, que o voto, na Assembléia, fosse individual. A primeira exigência foi atendida, mas a segunda foi negada.
  32. 32. • O rei anunciou, na abertura dos trabalhos, em maio de 1789, que a finalidade daquele encontro político era resolver somente problemas financeiros, já determinando que o processo de votação dos projetos seria por Estado.
  33. 33. Reunião dos Estados Gerais:
  34. 34. • O Terceiro Estado, com apoio de membros do baixo clero e da nobreza de toga (burgueses que compraram títulos de nobreza), declarou- se Assembléia Nacional Constituinte. O rei reagiu, mandando fechar o Congresso Nacional e prender os deputados.
  35. 35. • Preocupado, o rei mobilizou tropas militares para reprimir as manifestações burguesas e populares. Mas foram organizadas milícias populares, financiadas pela burguesia, para enfrentar as tropas reais. No dia 14 de julho de 1789, a população parisiense tomou a Bastilha (prisão política, símbolo do autoritarismo e das arbitrariedades do rei).
  36. 36. A Bastilha antes da Revolução:
  37. 37. • A situação social era tão grave e o nível de insatisfação popular tão grande que o povo foi às ruas com o objetivo de tomar o poder e arrancar do governo a monarquia comandada pelo rei Luis XVI. O primeiro alvo dos revolucionários foi a Bastilha. A Queda da Bastilha em 14/07/1789 marca o início do processo revolucionário, pois a prisão política era o símbolo da monarquia francesa.
  38. 38. Praça da Bastilha
  39. 39. • A Tomada da Bastilha foi um marco da explosão popular. Depois dela, a agitação revolucionária espalhou-se por toda a França. O medo de a revolução camponesa espalhar- se e atingir também as propriedades burguesas levou à extinção dos direitos feudais, em agosto de 1789.
  40. 40. O grande Medo:
  41. 41. Marcha sobre Versalhes:
  42. 42. O rei e a Rainha são levados à Paris:
  43. 43. Palácio das Tulherias - Paris:
  44. 44. • No dia 26 de agosto de 1789, a Assembléia Nacional proclamou Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Os principais pontos defendidos por esse documento eram: a dignidade da pessoa humana; a liberdade e a igualdade perante a lei; o direito à propriedade privada; a resistência à opressão política; e a liberdade de pensamento.
  45. 45. • Em 1790, a Assembléia Constituinte confiscou várias propriedades da Igreja e subordinou o clero à autoridade do Estado (chamada de Constituição Civil do Clero). Os religiosos e a nobreza descontentes fugiram da França e, no exterior, organizaram exércitos para reagir à Revolução Francesa.
  46. 46. A 1ª Fase da Revolução: A Mon. Constitucional – 1789-1792: • Em 1791, após a elaboração da Constituição, a França tornou-se uma Monarquia Constitucional, dominada pela burguesia. Os principais pontos dessa constituição foram: • Igualdade jurídica de todos os cidadãos franceses. (mantendo-se a escravidão nas colônias).
  47. 47. • Completa liberdade de produção e de comércio e proibição das greves dos trabalhadores. • Liberdade de crença religiosa e a separação entre Estado e Religião. • Divisão do Estado em três poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário. Nas eleições, foi instituído o voto censitário.
  48. 48. Monarquia Constitucional:
  49. 49. A invasão da França: • O rei Luís XVI não aceitou perder seus poderes absolutos e conspirou contra a revolução. Fez contato com os reis da Áustria e da Prússia com o objetivo de formar um exército e invadir a França para restabelecer o absolutismo.
  50. 50. • Em julho de 1791, o rei tentou fugir da França e foi preso sob a acusação de traição. No mesmo mês, o exército austro-prussiano invadiu a França, contando com o apoio secreto da família real, que fornecia segredos militares às tropas invasoras. O país foi defendido pelo exército composto pelos sans- culottes (pequenos negociantes, artesãos e operários) sob a liderança de Danton e Marat.
  51. 51. • Em 20 de setembro, o exército estrangeiro foi expulso da França.
  52. 52. A volta do Rei e sua família à Paris:
  53. 53. Sans Cullote:
  54. 54. Jean Paul Marat:
  55. 55. Georges Danton:
  56. 56. 2ª Fase da Revolução: A Convenção Nacional • A partir desse momento, foi proclamada a República Francesa, que passou a ser governada pela Assembléia Nacional, chamada de Convenção. Nesse período, as mais importantes forças políticas do país eram as seguintes:
  57. 57. • Partido Feuillants (representantes da burguesia financeira), defensores da monarquia constitucional. • Partido Girondino (representantes da burguesia comercial e industrial), representantes da República.
  58. 58. • Partido Jacobino (a pequena burguesia) e os Cordeliers (representantes das camadas populares), ambos defendiam a execução do rei e a instauração da República. • Partido da Planície, representando, uma parte, a burguesia financeira, e uma outra, a burguesia industrial.
  59. 59. Girondinos:
  60. 60. Danton, Marat e Robespierre:
  61. 61. • O rei foi julgado na Convenção, acusado por Robespierre, e condenado como traidor à execução por guilhotina. Foi executado em 21 de janeiro de 1793.
  62. 62. Luís XVI:
  63. 63. A Prisão do rei e da rainha:
  64. 64. Guilhotina:
  65. 65. Prisão do Templo:
  66. 66. A Execução de Luís XVI:
  67. 67. O Período do Terror : • A execução do rei provocou revoltas internas e uma reorganização das forças absolutistas estrangeiras. Para enfrentar a ameaça, os jacobinos criaram uma série de órgãos encarregados da defesa da revolução. Entre esses órgãos, destacam-se:
  68. 68. • Organização dos seguintes comitês: o Comitê de Salvação Pública, formado por nove (mais tarde doze) membros e encarregado de governar a França. • Tribunal Revolucionário – Encarregado de vigiar, prender e punir os traidores da causa revolucionária
  69. 69. • Vejamos os mais importantes pontos da Constituição Jacobina: • Voto Universal ou Sufrágio Universal - Todos os cidadãos homens maiores de idade, votam. • Lei do Máximo ou Lei do Preço Máximo – estabeleceu um teto máximo para preços e salários.
  70. 70. • Venda de bens públicos e dos nobres fugitivos para recuperar a economia. • Reforma Agrária – confisco de terras da nobreza emigrada e da Igreja Católica, que foram divididas em lotes menores e vendida a preços baixos para os camponeses pobres que puderam pagar num prazo de até 10 anos.
  71. 71. • Extinção da Escravidão Negra nas Colônias Francesas – que acabou por motivar a Revolução Haitiana em 1794 e que durou até 1804 quando no Haiti aboliu-se a escravidão.
  72. 72. Robespierre:
  73. 73. • Nessa época, Instalou-se uma verdadeira ditadura dos jacobinos, sob a liderança de Robespierre. Para que os Jacobinos pudessem alcançar o poder político do Estado e assumi- lo, tiveram que contar com um apoio fundamental: os sans-culottes. Os sans- culottes eram indivíduos populares – que eram identificados pelo frígio, ou barrete, vermelho que usavam sobre suas cabeças.
  74. 74. Saint-Just:
  75. 75. • No governo dos jacobinos, Robespierre mudou o calendário:
  76. 76. Maria Antonieta:
  77. 77. Maria Antonieta é levada para a Guilhotina:
  78. 78. A Execução de Maria Antonieta:
  79. 79. • O governo de Robespierre teve alguns sucessos, principalmente no setor militar. O exército francês conseguiu reprimir o ataque estrangeiro que pretendia invadir novamente a França. Robespierre, eliminou as oposições dentro do governo, condenou à morte alguns membros da própria Convenção, dentre os quais Danton, que discordavam de suas práticas radicais.
  80. 80. • Os girondinos(alta burguesia) e a planície uniram forças contra o governo de Robespierre, que por sua vez perdeu o apoio popular. O resultado foi a prisão e a execução por guilhotina de Robespierre.
  81. 81. Execução de Robespierre:
  82. 82. 3ª Fase da Revolução: O Diretório: • Após a morte de Robespierre, a Convenção passou a ser controlada pelos representantes da alta burguesia que, por sua vez, elaboraram uma nova Constituição. Essa constituição ficou pronta em 1795, estabelecendo a continuidade do regime republicano. Ele seria controlado pelo Diretório, composto por cinco membros eleitos pelo Legislativo.
  83. 83. • O diretório durou de 1795 a 1799. Foi um período de governo conturbado, em função do desemprego, a falta de abastecimento das cidades e a corrupção. O Estado tentava conter o descontentamento popular e reafirmar o poder político da burguesia sobre o país, mas a situação era preocupante.
  84. 84. Napoleão Bonaparte:
  85. 85. • A figura que sobressai no fim do período é a de Napoleão Bonaparte. Ele era o general francês mais popular e famoso da época. Quando estourou a revolução, era apenas um simples tenente e, como os oficiais da nobreza abandonaram o exército revolucionário ou foram demitidos, ele fez uma carreira rápida.
  86. 86. Aos 24 anos já era general de brigada. Após um breve período de entusiasmo pelos Jacobinos, chegando até mesmo a ser amigo dos familiares de Robespierre, afastou-se deles quando estavam sendo depostos. Lutou na Revolução contra os países absolutistas que invadiram a França e foi responsável pelo sufocamento do golpe de 1795.
  87. 87. O 18 Brumário: • Durante o período de guerra contra as tropas estrangeiras, o grande destaque foi o jovem general Napoleão Bonaparte. O jovem general, recém-chegado do Egito e com papel de destaque na campanha da Itália, foi o homem escolhido pela burguesia para pôr fim à instabilidade política e derrubar o Diretório.
  88. 88. • Apoiado pela burguesia e pelo exército, Napoleão deu o Golpe do 18 Brumário, em 10 de novembro de 1799. Com esse golpe, foi consolidado o poder da burguesia. Para defender seus interesses, a burguesia sacrificava a liberdade política por uma "mão forte" que lhe garantisse uma ordem econômica favorável.
  89. 89. • A Revolução Francesa foi um importante marco na História Moderna da nossa civilização. Significou o fim do sistema absolutista e dos privilégios da nobreza. O povo ganhou mais autonomia e seus direitos sociais passaram a ser respeitados. A vida dos trabalhadores urbanos e rurais melhorou significativamente.
  90. 90. • Por outro lado, a burguesia conduziu o processo de forma a garantir seu domínio social. As bases de uma sociedade burguesa e capitalista foram estabelecidas durante a revolução. A Revolução Francesa também influenciou, com seus ideais iluministas, a independência de alguns países da América Espanhola e o movimento de Inconfidência Mineira no Brasil.

×