A crise do segundo reinado

1.179 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.179
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A crise do segundo reinado

  1. 1. A Crise do Segundo Reinado
  2. 2. • A crise do Império foi resultado das transformações processadas na economia e na sociedade, a partir do século XIX, que juntas conduziram importantes setores da sociedade a uma conclusão: a Monarquia precisava ser superada para dar lugar a um outro regime político mais adaptado aos problemas da época.
  3. 3. • A crise do Império foi marcada por uma série de questões que terminaram na Proclamação da República.
  4. 4. • As consequências da guerra do Paraguai: • Terminada a guerra, o império brasileiro passou a sofrer as consequências do • sangrento conflito: • A economia estava fortemente abalada em virtude dos prejuízos da guerra. • O Exército brasileiro passou a assumir posições contrárias à sociedade escravista brasileira e a demonstrar simpatia pela causa republicana.
  5. 5. • As etapas da campanha abolicionista • Após a extinção do tráfico negreiro (1850), cresceu no país a campanha • abolicionista, que foi um movimento público pela libertação dos escravos. A • abolição conquistou o apoio de vários setores da sociedade brasileira:
  6. 6. Luiz Gama – Advogado abolicionista
  7. 7. Cruz e Souza: poeta abolicionista.
  8. 8. • José do Patrocínio:
  9. 9. • Ex-escravo:
  10. 10. • parlamentares, imprensa, militares, artistas e intelectuais. Mas os defensores da escravidão ainda conseguiram sustentá-la por bom tempo. No Brasil, o sistema escravista foi sendo extinto lentamente, de maneira a não prejudicar os proprietários de escravos.
  11. 11. • As principais leis publicadas nesse sentido foram: • Lei do Ventre Livre (1871): declarava livres todos os filhos de escravos nascidos no Brasil. • Lei dos Sexagenários (1885):declarava livres os escravos com mais de 65 anos, o
  12. 12. • que significava libertar os donos de escravos da "inútil" obrigação de sustentar • alguns raros negros velhos que conseguiram sobreviver à brutal exploração de seu trabalho. Com leis desse tipo, que não resolviam o problema da escravidão, os proprietários de escravos conseguiram ganhar tempo e adiar, ao máximo, a abolição final.
  13. 13. • Somente em 13 de maio de 1888, com a Lei Áurea promulgada pela princesa Isabel, filha de D. Pedro II, a escravidão foi extinta no Brasil. • Quem fez a abolição? • A luta política pelo fim da escravidão é conhecida como Campanha Abolicionista.
  14. 14. • A abolição não foi obra só desta elite de intelectuais. O fim da escravidão era uma exigência do capitalismo industrial e do desenvolvimento econômico do país. • Como ficaram os negros? • Depois da Lei Áurea, a situação social dos negros continuou extremamente difícil.
  15. 15. • Não tinham dinheiro para trabalhar por conta própria, não tinham estudo para conseguir um melhor emprego, não tinham qualquer ajuda do governo. • Muitos dos ex-escravos ficaram trabalhando nas mesmas fazendas em que já estavam.
  16. 16. • E nelas o negro continuou sendo explorado maneira cruel e desumana. • Uma boa parte dos ex-escravos foram morar nas cidades (principalmente São Paulo e Rio de Janeiro), iniciando assim a formação das favelas brasileiras.
  17. 17. Questão abolicionista • Os senhores de escravos, principalmente do Vale do Paraíba e da Baixada • Fluminense, não se conformaram com a abolição da escravidão e com o fato de não terem sido indenizados pelo governo.
  18. 18. • Sentiram-se abandonados pela monarquia e acabaram também por abandoná-la. Passaram a apoiar a causa republicana. Por isso, eram chamados republicanos do 13 de maio (porque este dia é a data da Lei Áurea).
  19. 19. Questão republicana: • As idéias republicanas faziam parte de diversos movimentos históricos, como • inconfidência Mineira, a Conjuração Baiana, a Revolução Pernambucana, a • Confederação do Equador etc. • Contudo, só a partir de 1870, o movimento republicano ganhou uma formação mais sólida e concreta.
  20. 20. • Nesse ano, foi lançado no Rio de Janeiro um Manifesto Republicano que em um dos seus trechos afirmava: Somos da América e queremos ser americanos. • Três anos depois do aparecimento do Manifesto Republicano, foi fundado o Partido Republicano Paulista, na Convenção de Itu, em São Paulo.
  21. 21. A Questão religiosa: • Desde o período colonial, a igreja católica era uma instituição submetida ao Estado, pelo regime do padroado. • Ocorre que, em 1872, D. Vidal e D. Macedo, bispos de Olinda e de Belém, • respectivamente resolveram seguir ordens do papa Pio IX, punindo irmandades religiosas que apoiavam os maçons (Bula Syllabus).
  22. 22. • D. Pedro II, influenciado pela • maçonaria, decidiu intervir na questão, solicitando aos bispos que suspendessem as punições. Em 1 875,os bispos receberam o perdão imperial e foram colocados em liberdade. Este fato serviu para afastar a igreja do imperador.
  23. 23. A Questão militar: • Depois da Guerra do Paraguai, o Exército brasileiro foi adquirindo maior importância na sociedade. Nas decisões políticas, o poder dos civis era enorme em relação ao • dos militares. Inconformados com a situação, cresceu nos oficiais do Exército o desejo de ser tratados com mais dignidade e de possuir voz mais ativa na vida pública.
  24. 24. • Os ideais republicanos contagiaram os oficiais, divulgados por homens como o coronel Benjamin Constant, professor da Escola Militar do Rio de Janeiro. • Foi em meio a essa situação que surgiu, em 1884, a questão militar, provocada por por vários problemas e conseguindo apoio
  25. 25. • de grandes chefes do Exército (como o marechal Deodoro da Fonseca) contra as • punições ao tenente-coronel Antônio Sena Madureira (favorável à abolição dos • escravos) e ao coronel Ernesto Augusto da Cunha Matos (que denunciou corrupção encobertada por políticos).
  26. 26. O FIM DO IMPÉRIO: • A oposição de tantos setores da sociedade à monarquia tornou possível o tranquilo sucesso do golpe político que instaurou a república no Brasil. O governo imperial, percebendo, embora tardiamente, a difícil situação em que se encontrava com o isolamento da monarquia, apresentou à Câmara dos Deputados um programa de reformas políticas, do qual constavam itens como:
  27. 27. • liberdade de fé religiosa; • liberdade de ensino e seu aperfeiçoamento; • autonomia para as províncias; • mandato temporário para os senadores.
  28. 28. • Entretanto, as reformas chegaram tarde demais. No dia 15 de novembro de 1889, o Marechal Deodoro da Fonseca assumiu o comando das tropas revoltadas, ocupando o Quartel General do Rio de Janeiro. Na noite de do dia 15, constituiu-se o Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil.
  29. 29. • D. Pedro II, que estava em Petrópolis durante esses acontecimentos, recebeu, no dia seguinte, um respeitoso documento do novo Governo, solicitando que ele se retirasse do País, juntamente com sua família. • Proclamada a República, no mesmo dia 15 de novembro de 1889, forma-se um governo provisório, sendo o chefe do governo Marechal Deodoro da Fonseca.
  30. 30. • Proclamação da República:
  31. 31. • Castelo da Ilha Fiscal:
  32. 32. • Roupas usadas no baile:
  33. 33. • Reconstituição de uma sala de jantar da época:
  34. 34. • Vitrais ingleses:
  35. 35. • Salão onde houve a troca de bandeiras entre Brasil e Chile:
  36. 36. O Baile da Ilha Fiscal: • O último Baile do Império, ocorrido em 09 de novembro de 1889, 6 dias antes da Proclamação da República, foi oferecido pelo Visconde de Ouro Preto à nação chilena e aos comandantes e oficiais, através do encouraçado
  37. 37. • “Almirante Cochrane”, que se encontrava atracado na Baía de Guanabara, o evento acontecia como forma de agradecimento à recepção do navio brasileiro, quando este chegou a Valparaíso, no Chile. • Na realidade, o baile deveria ter acontecido no dia 19 de outubro, mas em virtude da morte do Rei de Portugal, D. Luis, que era sobrinho de D. Pedro II, a Família Imperial resolveu adiar o evento.
  38. 38. • O reconhecido Baile da Ilha Fiscal foi programado para receber 2.000 convidados e é conhecido como o último baile da Monarquia, realizado tanto na parte interna como na parte externa do castelo. D. Pedro II, D. Teresa Cristina, Princesa Isabel e o Conde D’Eu recepcionaram os convidados.
  39. 39. • A chegada à Ilha foi feita por embarcações ornamentadas com bandeirinhas do Chile e do Brasil e lanterninhas venezianas. • Nessa noite, na parte de trás da ilha, foram montadas duas mesas, em formato de ferradura, onde foi servido um jantar para 500 convidados, sendo 250 em cada mesa.
  40. 40. • Calcula-se que estiveram presentes ao evento mais de 5.000 pessoas.

×