Gaston bachelard - Seminario

1.133 visualizações

Publicada em

Apresentação

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.133
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gaston bachelard - Seminario

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Curso de Licenciatura em Química Disciplina: Metodologia em Ensino de Química 2014.1 Gaston Bachelard Biografia e Pensamento NAURY N. OLIVEIRA
  2. 2. Biografia Gaston Bachelard, epistemólogo francês e filósofo da ciência, nasceu em Barsur-Aube. Foi funcionário dos serviços postais até 1913, quando obteve sua licença em Matemática e Ciências e se tornou um professor de Física e Química na Faculdade de Bar-sur- Aube. Em 1927, Bachelard doutorou-se em Letras, e por volta de 1930 se tornou professor de Filosofia na Universidade de Dijon. De 1940 a 1954 foi professor na Universidade de Sorbonne, em Paris.
  3. 3. Historicamente, vê-se que Bachelard viveu numa época de amadurecimento da Ciência, que podemos inferir por Revolução Científica do século XX, e por isso pôde presenciar toda a discussão sobre o surgimento e as implicações da física relativista. Por esta razão pode ser visto em seu trabalho a mesma ruptura trazida pela teoria da relatividade, a quebra do empirismo, uma vez que o objeto de estudo dependia agora do referencial, e assim não podia ser considerado absoluto e passar pelo método empírico único. Bachelard expôs um racionalismo dialético, ou o "diálogo" entre razão e experiência. Sua filosofia partia do ponto de vista da descoberta racional como um processo pelo qual um conhecimento novo é assimilado a um sistema que muda apenas na medida em que cresce. Ele rejeitou o conceito cartesiano de que as verdades científicas são partes imutáveis de uma "verdade total", que aos poucos são montadas como um quebra-cabeças.
  4. 4. A influência de Bachelard na metodologia educacional O conhecimento sobre obstáculos epistemológicos é fundamental pois pode ser a chave para o sucesso ou a liberação de um entrave em uma pesquisa científica. Dentro deste contexto podemos estabelecer relações entre o pensamento epistemológicos de Bachelard e o pensamento pedagógico na pesquisa em ensino de ciências atual. Para tal é necessário um recorte sobre o cenário da pesquisa em ensino da ciência. Nas décadas de setenta e oitenta duas vertentes de estudos sobre a construção do conhecimento tomaram destaque. Uma delas ficou conhecida como “movimento de concepções alternativas” (MCA). Ela revela o fato de as concepções de crianças e adolescentes permanecerem vivas mesmo depois de essas receberem instrução, e que a simples instrução não promovia bases fortes, necessitando assim do entendimento das razões desta. Assim com o crescente uso da epistemologia na didática de ensino de ciências, houve a necessidade de aprofundar-se nas propostas e analisar algumas críticas feitas ao construtivismo. Mathews (1994) critica a ideia construtivista do paradigma empirista, na qual a verdade corresponde em uma relação objeto e ideia, na qual a ideia vem pela observação do objeto, levando sempre a ciência a um empirismo obrigatório e necessário. Bachelard nega o empirismo cego, afirmando que os objetos científicos são resultados de uma reflexão teórica prévia.
  5. 5. Nota-se então, uma aproximação entre as idéias vigentes sobre epistemologia do ensino de ciências e a visão de Bachelard, O movimento de concepções alternativas trouxe muitas questões sobre a relação conteúdo e forma. A partir dessas discussões, Santos (1998) busca aprofundar estas discussões estabelecendo o conceito de “tendências do pensar”, que nada mais são do que características em comum, ou tendências, no ensino de diversos conteúdos, e como exemplos podemos tomar (Santos, 1998, pp104-110): A. Pensamento fixado somente em aspectos óbvios do problema (ex.: a água desaparece quando evapora) B. Coisificação (ex.: associar o calor a um fluido) C. Interpretar fenômenos somente a partir de suas características intrínsecas sem considerar o sistema (ex.: O peso seria um atributo do corpo) D. Explicações egoístas e superficiais (ex.: Os animais servem ao homem) E. Tendência para atribuir sentimentos a objetos inertes. (ex.: O fogo “gosta de ar”) Essas “tendências do pensar” são elementos de diferentes concepções e que mostram ligações nas “formas” de pensamento. Ainda podemos notar que são pessoais, compartilhadas por diferentes idades e culturas, possuem certa coerência, são resistentes à mudança, às vezes apresentam paralelos com concepções da história da ciência.
  6. 6. Gaston Bachelard e Edgar Morin Nas vertentes epistemológicas podemos encontrar cientistas que compartilham de ideias parecidas é o caso de Gastón Bachelard e Edgar Morin, onde eles não concordam com a visão determinista e simples da ciência clássica e acreditam que a ciência é construída por um pensamento complexo, onde se relaciona com a sua função na sociedade atual. A ciência clássica trabalhou com uma concepção determinista e separatista do mundo, onde a ideia da simplificação dos estudos era primordial, assim ocorreu a divisão das áreas de estudos. Em cima dessa visão foi construído o conhecimento científico moderno. Desse modo os dois cientistas mostram que o pensamento cientifico deve trabalhar com a realidade coletiva, sem desconsiderar as individualidades do objeto de estudo, levando assim a uma ciência mais complexa e abrangente.
  7. 7. Conclusão Neste trabalho procuramos apontar o contexto científico em que viveu Gaston Bachelard e algumas de suas contribuições de seu pensamento epistemológico para o pensamento científico e para o ensino de ciências, assim como a sua semelhança com alguns autores. A partir da análise de sua obra, com atenção especial para os conceitos de “obstáculos epistemológicos” e de “novo espírito científico” foi traçado um paralelo com outros pensadores de sua época e com pensadores atuais da área de ensino de ciências. Por ter tido um pensamento científico radical Bachelard acabou sendo considerado extremista e por esta razão ainda é visto com ressalvas. Acreditamos que ainda há muitos espaços a serem considerados na epistemologia bachelardiana que podem ser vistos em outros autores, porém, necessitando de uma ligação para se desenvolver melhor.
  8. 8. Bibliografia: - A construção do objeto da história das ciências em Gaston Bachelard. Disponível em: <http://cynthia_m_lima.sites.uol.com.br/gaston.htm>. Acesso em: 14/10/2009. - A importância de distintas compreensões de problemas ambientais a partir da epistemologia de Bachelard. Disponível em: <http://www.foco.fae.ufmg.br/conferencia/index.php/enpec/viienpec/paper/viewFile/6 47/316> . Acesso em: 23/10/2009. - Gaston Bachelard e Edgar Morin: problematizando o pensamento científico através do diálogo entre duas vertentes epistemológicas. Disponível em: <http://www.ufpel.tche.br/cic/2007/cd/pdf/CH/CH_00626.pdf> . Acesso em: 14/10/2009.

×