SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
SEMÂNTICA
RELAÇÕES DE SIGNIFICAÇÃO GRÁFICAS E SONORAS
CAMPO LEXICAL
PALAVRAS DERIVADAS UMAS DAS OUTRAS.
EX: FLOR, FLORA, FLORICULTURA, FLORISTA.
EX: TECER, TECELAGEM, TECIDO.
CAMPO SEMÂNTICO
As palavras podem associar-se de várias maneiras. Quando se relacionam
pelo sentido, temos um campo semântico. Não se trata de sinônimos ou
antônimos, mas de aproximação de sentido num dado contexto. Ex.:
- perna, braço, cabeça, olhos, cabelos, nariz (partes do corpo humano)
- azul, verde, amarelo, cinza, marrom, lilás (cores)
- martelo, serrote, alicate, torno, enxada (ferramentas)
- batata, abóbora, aipim, berinjela, beterraba (legumes)
CAMPO SEMÂNTICO
• Observações:
a) Também constituem campos semânticos palavras como flor, jardim,
perfume, terra, espinho, embora não pertençam a um grupo delimitado; mas
a associação entre elas é evidente.
b) As palavras podem pertencer a campos semânticos diferentes. Veja o caso
de abóbora: ela também serve para indicar cor, o que a colocaria no segundo
grupo de palavras.
CAMPO SEMÂNTICO
• Hiperônimo é uma palavra pertencente ao mesmo campo semântico de outra, mas com o
sentido mais abrangente. Exemplo: A palavra “flor”, que está associada aos diversos tipos de
flores, como rosa, violeta etc.
• Hipônimo é um vocábulo mais específico, possui o sentido mais restrito que os hiperônimos.
Exemplo: “Observar”, “olhar”, “enxergar” são hipônimos de “ver”.
“Automóvel” é o hiperônimo de “carro”, pois podemos dizer que, na hierarquia dos
significados, tal palavra está "acima" da segunda, uma vez que é mais "generalizante",
entende? Por outro lado, a palavra “formiga” é hipônimo de “inseto”, pois expressa ou
determina apenas uma das espécies de inseto existente no mundo.
SINONÍMIA
• SINÔNIMOS “diz-se de ou palavra que tem com outra uma semelhança de significação que permite que uma
seja escolhida pela outra em alguns contextos, sem alterar a significação literal da sentença”.
Portanto, sinônimos são palavras que mantêm relações de sinonímia e que representam, basicamente, uma
mesma ideia. Veja a relação a seguir:
• casa, moradia, lar, abrigo.
• residência, sobrado, apartamento, cabana
Todas essas palavras representam a mesma ideia: lugar onde se mora. Logo, trata-se de uma família de ideias.
Observe outros exemplos:
• revista, jornal, biblioteca, livro.
• casaco, paletó, roupa, blusa, camisa, jaqueta.
• serra, rio, montanha, lago, ilha, riacho, planalto.
• telefonista, motorista, costureira, escriturário, professor.
“Assim como as flores vivem
A minha Lília viveu;
Assim como as flores morrem
A minha Lilia morreu.
(…)
Em parte da minha essência
Minha essência pereceu;
Não vivo senão metade:
A minha Lilia morreu.(…)”
Poderia ainda ter optado
por expirar, falecer, entregar a
alma ao Criador (lançando mão
de um eufemismo) ou
ainda esticar as canelas, bater
as botas (usando construções
disfêmicas – só para lembrar:
disfemismo é o oposto de
eufemismo).
No trecho do poema, existe a ideia de sofrimento, o que justifica a escolha
do perecer, e não do falecer, para referir-se à essência, à alma do eu-lírico. Como
o texto tem alto grau de lirismo, os eufemismos também seriam adequados.
O que impossibilita a simples substituição de uma por qualquer outra das
demais são pequenas nuances no significado, nuances essas que podem estar
relacionadas ao sentido ou ao grau de formalidade da situação em que serão
empregadas. Analisemo-las então:
• Morrer – é o termo mais genérico, indicando ‘deixar de viver’;
• Perecer – este termo implica violência ou sofrimento;
• Falecer – costuma ser mais formal
Quanto mais amplo for o vocabulário do emissor, menor a chance de empregar
um termo inadequado ao contexto.
ANTONÍMIA
Antônimos são estabelecidos pela relação entre duas ou mais palavras que
apresentam significados diferentes, contrários, ou seja, os antônimos.
Exemplos:
• bondoso – maldoso;
• bom – ruim;
• economizar – gastar.
• É um menino corajoso. versus É um menino medroso.
ANTONÍMIA
Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e
nenhuma força jamais o resgata!
(...)
Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.
Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.
Fácil é dar um beijo.
Difícil é entregar a alma. Sinceramente, por inteiro.
Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.
(...)
Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
Difícil é mentir para o nosso coração.
Fácil é dizer "oi" ou "como vai"?
Difícil é dizer "adeus". Principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas...
(...)
Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente sentimos.
HOMONÍMIA
A homonímia é a relação estabelecida entre duas ou mais palavras
que, embora possuam significados diferentes, apresentam a mesma
estrutura fonológica, ou seja, os homônimos. Do grego homos, “o
mesmo”, mais onyma, “nome, palavra”, podemos
definir homônimos como as palavras iguais na forma, porém diferentes
na significação. Os homônimos subdividem-se em palavras
homógrafas, homófonas e perfeitas.
HOMONÍMIA
Homógrafas: São as palavras iguais na escrita, porém diferentes na pronúncia. Exemplos: gosto
(substantivo) – gosto (1ª pessoa do singular do presente indicativo) / conserto (substantivo) –
conserto (1ª pessoa do singular do presente indicativo);
• Almoço (substantivo) / almoço (verbo)
• O almoço estava muito saboroso!
• Eu almoço com minha irmã.
• Colher (substantivo) / colher (verbo)
• Essa colher é pequena para você tomar a sopa?
• Os agricultores precisam colher os grãos na época certa.
• Jogo (substantivo) / jogo (verbo)
• O jogo envolveu as crianças por várias horas.
• Eu não jogo tênis porque meu joelho já foi operado.
HOMONÍMIA
Homófonas – São as palavras iguais na pronúncia, porém diferentes na escrita. Exemplos: cela (substantivo) –
sela (verbo) / cessão (substantivo) – sessão (substantivo);
• Sessão (reunião) / seção (repartição) / cessão (ato de ceder)
• A sessão no fórum durou a tarde toda.
• Laura, pegue seu desodorante na seção de cosméticos.
• Marta fez a cessão dos direitos de sua parte na herança.
• Concerto (harmonia de instrumentos ou vozes) / conserto (reparo, remendo)
• A praça estava cheia devido ao concerto de violinos.
• Quanto custará o conserto do computador?
• Censo (recenseamento) / senso (juízo)
• O censo do IBGE aponta que houve melhoras no nível de emprego.
• Juliano não teve bom senso ao fazer aquela brincadeira com o Fábio!
HOMONÍMIA
Perfeitas: São as palavras iguais tanto na pronúncia como na escrita. Exemplos: cura (verbo) – cura
(substantivo); cedo (verbo) – cedo (advérbio).
• São (sadio) / são (verbo ser)
• O veterinário disse que o fígado de meu cachorro está são!
• Meus primos são meus melhores amigos!
• Meio (numeral) / meio (substantivo) / meio (advérbio)
• Tome meio comprimido após o jantar.
• Você lembra o meio que usou para saber essa resposta?
• Plínio esteve meio triste nos últimos dias.
• Somem (verbo somar) / somem (verbo sumir)
• Alunos, peguem a calculadora e somem sua notas, por favor.
• Meus gatinhos somem durante o dia!
PARONÍMIA
Paronímia é a relação estabelecida entre duas ou mais
palavras que possuem significados diferentes, porém são
muito semelhantes na pronúncia e na escrita, ou seja, os
parônimos. Do grego para, “ao lado”, mais onymos,
“nome”. Exemplos: emigrar – imigrar; cavaleiro –
cavalheiro; comprimento – cumprimento.
PARONÍMIA
• Comprimento (saudação) e cumprimento (extensão)
o A costureira mediu o comprimento do tecido usado para a saia.
o Os moradores nem sempre cumprimentavam o porteiro.
• Soar (produzir som) e suar (transpirar)
o Ao final do dia de trabalho, a campainha soava.
o Elias sempre suava muito na academia.
• Descrição (representação, ato de descrever) / discrição (ato de ser discreto)
o A vítima fez a descrição do suspeito à polícia.
o A discrição de Vilma fazia com que todos a procurassem para contar segredos.
• Ratificar (confirmar) e retificar (corrigir)
o O atendente solicitou à Carmem que ratificasse os dados do formulário.
o O atendente solicitou à Sofia que retificasse os dados do formulário.
• Estada (permanência de pessoa) e estadia (permanência de veículo)
o A dona da pousada nos desejou uma boa estada!
o A estadia do carro no estacionamento era uma cortesia do hotel.
• Emigrante (aquele que sai) e imigrante (aquele que entra)
o Os emigrantes apresentaram seus documentos em território espanhol.
o Os imigrantes ajudam a compor a atual mão de obra do Brasil.
EXERCÍCIO
POLISSEMIA
O sentido que se faz prevalecer antes de todos os outros é
aquele descrito pelo dicionário, concebido como o sentido
original de um dado vocábulo. Depois dele, em razão de
aspectos antes mencionados, outros sentidos vão se
incorporando a esse vocábulo e, para compreendê-los, faz-se
necessária uma análise contextual. A tal fato linguístico
atribuímos a denominação de polissemia, que literalmente
indica os vários sentidos que se aplicam a um determinado
vocábulo.
POLISSEMIA
• Ele deu cabo à própria vida.
Aqui a palavra em questão adquire o sentido de dar fim à vida.
• O melhor amigo da família foi promovido a cabo recentemente.
Nesse contexto, o sentido se faz efetivado pela mudança de patente.
• O cabo da vassoura está quebrado.
Nessa situação linguística, a palavra em voga assume o sentido de parte do objeto.
• Nossa, ele é um gato!
A situação nos permite concluir que se trata de um homem atraente, bonito.
• O gato da vizinha vive importunando os vizinhos.
Analisando a palavra em destaque, temos que ela assume o sentido voltado para o animal doméstico.
• O morador daquela residência fez um gato na fiação elétrica.
O sentido aqui indica que se trata de um posicionamento mal visto, improcedente, não adequado a uma conduta considerada
viável.
EXERCÍCIO
AMBIGUIDADE
A ambiguidade faz com que a mensagem não se
apresente de forma assim tão clara, objetiva como
deveria, haja vista que dá margens para o interlocutor
se sentir questionado acerca das reais intenções a que
se propôs o emissor ao proferir uma determinada
expressão. A polissemia gera ambiguidade.
AMBIGUIDADE
• Colocação inadequada de algumas palavras:
O vizinho espantado resolveu ver o que estava acontecendo àquela hora
da noite.
Tal colocação nos dá margens para nos sentirmos questionados se o vizinho
estar “espantado” é realmente uma característica do vizinho sempre, ou se
ele se mostrou espantado num dado momento apenas. Dessa forma,
retificando o enunciado, temos: O vizinho, espantado, resolveu ver o que
estava acontencendo àquela hora da noite.
AMBIGUIDADE
• Uso de forma indistinta entre palavras
O turista disse ao guia que era pernambucano.
Daí nos perguntamos acerca de quem era pernambucano: o guia
ou o turista? De modo a retificar o enunciado, obtemos: O turista
disse que era pernambucano ao guia.
AMBIGUIDADE
• Uso inadequado das formas nominais:
O supervisor de turma pegou o aluno correndo no pátio da
escola.
Quem realmente estava correndo? O supervisor de turma ou o
aluno? Dessa forma, de modo a retirar a dupla interpretação,
temos: O supervisor de turma pegou o aluno que corria no pátio
da escola.
AMBIGUIDADE
• Uso indevido dos elementos coordenativos:
Beatriz e Paulo desejam noivar-se.
A má interpretação reside no fato de não conseguirmos identificar
muito bem se Paulo deseja noivar-se com Beatriz ou se ambos
desejam ficar noivos de pessoas distintas. De modo a desfazermos
esse mal entendido, obtemos: Beatriz deseja noivar-se com
Pedro, e Paulo com Cristina.
AMBIGUIDADE
• Dentre as seguintes frases, assinale aquela que não contém ambiguidade:
• a) Peguei o ônibus correndo.
• b) Esta palavra pode ter mais de um sentido.
• c) O menino viu o incêndio do prédio.
• d) Deputado fala da reunião no Canal 2.
• e) Vi um desfile andando pela cidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Oracao subordinada adjetiva e adverbial
Oracao subordinada adjetiva e adverbialOracao subordinada adjetiva e adverbial
Oracao subordinada adjetiva e adverbial
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
 
Metáfora & metonímia
Metáfora & metonímiaMetáfora & metonímia
Metáfora & metonímia
 
Concordância nominal
Concordância nominalConcordância nominal
Concordância nominal
 
Preposição
PreposiçãoPreposição
Preposição
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
 
Regência verbal
Regência verbalRegência verbal
Regência verbal
 
Morfossintaxe
MorfossintaxeMorfossintaxe
Morfossintaxe
 
Substantivo slide
Substantivo slideSubstantivo slide
Substantivo slide
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Funções do se
Funções do seFunções do se
Funções do se
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
 
7.2 adjetivos
7.2   adjetivos7.2   adjetivos
7.2 adjetivos
 
7.6 advérbios (estudo completo)
7.6   advérbios (estudo completo)7.6   advérbios (estudo completo)
7.6 advérbios (estudo completo)
 
Pronomes possessivos
Pronomes possessivosPronomes possessivos
Pronomes possessivos
 
Verbos - resumo
Verbos - resumoVerbos - resumo
Verbos - resumo
 
O artigo de divulgação científica
O artigo de divulgação científicaO artigo de divulgação científica
O artigo de divulgação científica
 
Pronomes demonstrativos
Pronomes demonstrativosPronomes demonstrativos
Pronomes demonstrativos
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
RegêNcia
RegêNciaRegêNcia
RegêNcia
 

Semelhante a Aula Semântica.pdf

Relações de palavras e de sentido
Relações de palavras e de sentidoRelações de palavras e de sentido
Relações de palavras e de sentidoma.no.el.ne.ves
 
Interpretação de textos apostila
Interpretação de textos   apostilaInterpretação de textos   apostila
Interpretação de textos apostilaefomm2013
 
Aula 01 denotação + conotação + figuras de linguagem
Aula 01   denotação + conotação + figuras de linguagemAula 01   denotação + conotação + figuras de linguagem
Aula 01 denotação + conotação + figuras de linguagemMiguel Luciano
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 03
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 03FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 03
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 03Jordano Santos Cerqueira
 
Slide port.
Slide   port.Slide   port.
Slide port.cepmaio
 
Slide port.
Slide   port.Slide   port.
Slide port.cepmaio
 
Slide port.
Slide   port.Slide   port.
Slide port.cepmaio
 
Verbos regulares e irregulares
Verbos regulares e irregularesVerbos regulares e irregulares
Verbos regulares e irregularespatrícia silva
 
Viajar através da língua portuguesa
Viajar através da língua portuguesaViajar através da língua portuguesa
Viajar através da língua portuguesatessvalente
 
Claudia pre alfa 3
Claudia pre alfa 3Claudia pre alfa 3
Claudia pre alfa 3Abner Silvio
 
Figuras de linguagem 01
Figuras de linguagem 01Figuras de linguagem 01
Figuras de linguagem 01nixsonmachado
 

Semelhante a Aula Semântica.pdf (20)

Relações de palavras e de sentido
Relações de palavras e de sentidoRelações de palavras e de sentido
Relações de palavras e de sentido
 
Interpretação de textos apostila
Interpretação de textos   apostilaInterpretação de textos   apostila
Interpretação de textos apostila
 
Aula 01 denotação + conotação + figuras de linguagem
Aula 01   denotação + conotação + figuras de linguagemAula 01   denotação + conotação + figuras de linguagem
Aula 01 denotação + conotação + figuras de linguagem
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 03
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 03FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 03
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 03
 
Slide port.
Slide   port.Slide   port.
Slide port.
 
Slide port.
Slide   port.Slide   port.
Slide port.
 
Slide port.
Slide   port.Slide   port.
Slide port.
 
Verbos regulares e irregulares
Verbos regulares e irregularesVerbos regulares e irregulares
Verbos regulares e irregulares
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Sons e letras 2
Sons e letras 2Sons e letras 2
Sons e letras 2
 
Relação semântica
Relação semânticaRelação semântica
Relação semântica
 
Viajar através da língua portuguesa
Viajar através da língua portuguesaViajar através da língua portuguesa
Viajar através da língua portuguesa
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
AULA 1
AULA 1 AULA 1
AULA 1
 
Hiperonimo
HiperonimoHiperonimo
Hiperonimo
 
Claudia pre alfa 3
Claudia pre alfa 3Claudia pre alfa 3
Claudia pre alfa 3
 
substantivo-160312155027.pdf
substantivo-160312155027.pdfsubstantivo-160312155027.pdf
substantivo-160312155027.pdf
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
Figuras de linguagem 01
Figuras de linguagem 01Figuras de linguagem 01
Figuras de linguagem 01
 
O Substantivo
 O Substantivo O Substantivo
O Substantivo
 

Mais de Natália Moura

DICAS DE ORTOGRAFIA.pdf
DICAS DE ORTOGRAFIA.pdfDICAS DE ORTOGRAFIA.pdf
DICAS DE ORTOGRAFIA.pdfNatália Moura
 
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxFICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxNatália Moura
 
Relato Pessoal e Diário.pdf
Relato Pessoal e Diário.pdfRelato Pessoal e Diário.pdf
Relato Pessoal e Diário.pdfNatália Moura
 
O que é literatura.pdf
O que é literatura.pdfO que é literatura.pdf
O que é literatura.pdfNatália Moura
 
Funções da Linguagem.pdf
Funções da Linguagem.pdfFunções da Linguagem.pdf
Funções da Linguagem.pdfNatália Moura
 
Diário de Aula - 14-03-22.pdf
Diário de Aula - 14-03-22.pdfDiário de Aula - 14-03-22.pdf
Diário de Aula - 14-03-22.pdfNatália Moura
 
Diário de Aula - 28-03-22 e 01-04-22.pdf
Diário de Aula - 28-03-22 e 01-04-22.pdfDiário de Aula - 28-03-22 e 01-04-22.pdf
Diário de Aula - 28-03-22 e 01-04-22.pdfNatália Moura
 
Diário de Aula - 11-03-22.pdf
Diário de Aula - 11-03-22.pdfDiário de Aula - 11-03-22.pdf
Diário de Aula - 11-03-22.pdfNatália Moura
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfNatália Moura
 
Diário de Aula - 21-03-22.pdf
Diário de Aula - 21-03-22.pdfDiário de Aula - 21-03-22.pdf
Diário de Aula - 21-03-22.pdfNatália Moura
 
Diário de Aula - 07-03-22.pdf
Diário de Aula - 07-03-22.pdfDiário de Aula - 07-03-22.pdf
Diário de Aula - 07-03-22.pdfNatália Moura
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS.pdfNatália Moura
 
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdfFICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdfNatália Moura
 
Diário de Aula - 18-03-22.pdf
Diário de Aula - 18-03-22.pdfDiário de Aula - 18-03-22.pdf
Diário de Aula - 18-03-22.pdfNatália Moura
 
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdfFICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdfNatália Moura
 
Diário de Aula - 04-04-22.pdf
Diário de Aula - 04-04-22.pdfDiário de Aula - 04-04-22.pdf
Diário de Aula - 04-04-22.pdfNatália Moura
 
Diário de Aula - 24-03-22.pdf
Diário de Aula - 24-03-22.pdfDiário de Aula - 24-03-22.pdf
Diário de Aula - 24-03-22.pdfNatália Moura
 

Mais de Natália Moura (19)

DICAS DE ORTOGRAFIA.pdf
DICAS DE ORTOGRAFIA.pdfDICAS DE ORTOGRAFIA.pdf
DICAS DE ORTOGRAFIA.pdf
 
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxFICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
 
Gêneros Textuais.ppt
Gêneros Textuais.pptGêneros Textuais.ppt
Gêneros Textuais.ppt
 
Relato Pessoal e Diário.pdf
Relato Pessoal e Diário.pdfRelato Pessoal e Diário.pdf
Relato Pessoal e Diário.pdf
 
Notícia.pdf
Notícia.pdfNotícia.pdf
Notícia.pdf
 
O que é literatura.pdf
O que é literatura.pdfO que é literatura.pdf
O que é literatura.pdf
 
Funções da Linguagem.pdf
Funções da Linguagem.pdfFunções da Linguagem.pdf
Funções da Linguagem.pdf
 
Diário de Aula - 14-03-22.pdf
Diário de Aula - 14-03-22.pdfDiário de Aula - 14-03-22.pdf
Diário de Aula - 14-03-22.pdf
 
Diário de Aula - 28-03-22 e 01-04-22.pdf
Diário de Aula - 28-03-22 e 01-04-22.pdfDiário de Aula - 28-03-22 e 01-04-22.pdf
Diário de Aula - 28-03-22 e 01-04-22.pdf
 
Diário de Aula - 11-03-22.pdf
Diário de Aula - 11-03-22.pdfDiário de Aula - 11-03-22.pdf
Diário de Aula - 11-03-22.pdf
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
 
Diário de Aula - 21-03-22.pdf
Diário de Aula - 21-03-22.pdfDiário de Aula - 21-03-22.pdf
Diário de Aula - 21-03-22.pdf
 
Diário de Aula - 07-03-22.pdf
Diário de Aula - 07-03-22.pdfDiário de Aula - 07-03-22.pdf
Diário de Aula - 07-03-22.pdf
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS.pdf
 
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdfFICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
 
Diário de Aula - 18-03-22.pdf
Diário de Aula - 18-03-22.pdfDiário de Aula - 18-03-22.pdf
Diário de Aula - 18-03-22.pdf
 
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdfFICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
 
Diário de Aula - 04-04-22.pdf
Diário de Aula - 04-04-22.pdfDiário de Aula - 04-04-22.pdf
Diário de Aula - 04-04-22.pdf
 
Diário de Aula - 24-03-22.pdf
Diário de Aula - 24-03-22.pdfDiário de Aula - 24-03-22.pdf
Diário de Aula - 24-03-22.pdf
 

Último

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )MayaraDaSilvaAssis
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 

Último (20)

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 

Aula Semântica.pdf

  • 2. CAMPO LEXICAL PALAVRAS DERIVADAS UMAS DAS OUTRAS. EX: FLOR, FLORA, FLORICULTURA, FLORISTA. EX: TECER, TECELAGEM, TECIDO.
  • 3. CAMPO SEMÂNTICO As palavras podem associar-se de várias maneiras. Quando se relacionam pelo sentido, temos um campo semântico. Não se trata de sinônimos ou antônimos, mas de aproximação de sentido num dado contexto. Ex.: - perna, braço, cabeça, olhos, cabelos, nariz (partes do corpo humano) - azul, verde, amarelo, cinza, marrom, lilás (cores) - martelo, serrote, alicate, torno, enxada (ferramentas) - batata, abóbora, aipim, berinjela, beterraba (legumes)
  • 4. CAMPO SEMÂNTICO • Observações: a) Também constituem campos semânticos palavras como flor, jardim, perfume, terra, espinho, embora não pertençam a um grupo delimitado; mas a associação entre elas é evidente. b) As palavras podem pertencer a campos semânticos diferentes. Veja o caso de abóbora: ela também serve para indicar cor, o que a colocaria no segundo grupo de palavras.
  • 5. CAMPO SEMÂNTICO • Hiperônimo é uma palavra pertencente ao mesmo campo semântico de outra, mas com o sentido mais abrangente. Exemplo: A palavra “flor”, que está associada aos diversos tipos de flores, como rosa, violeta etc. • Hipônimo é um vocábulo mais específico, possui o sentido mais restrito que os hiperônimos. Exemplo: “Observar”, “olhar”, “enxergar” são hipônimos de “ver”. “Automóvel” é o hiperônimo de “carro”, pois podemos dizer que, na hierarquia dos significados, tal palavra está "acima" da segunda, uma vez que é mais "generalizante", entende? Por outro lado, a palavra “formiga” é hipônimo de “inseto”, pois expressa ou determina apenas uma das espécies de inseto existente no mundo.
  • 6. SINONÍMIA • SINÔNIMOS “diz-se de ou palavra que tem com outra uma semelhança de significação que permite que uma seja escolhida pela outra em alguns contextos, sem alterar a significação literal da sentença”. Portanto, sinônimos são palavras que mantêm relações de sinonímia e que representam, basicamente, uma mesma ideia. Veja a relação a seguir: • casa, moradia, lar, abrigo. • residência, sobrado, apartamento, cabana Todas essas palavras representam a mesma ideia: lugar onde se mora. Logo, trata-se de uma família de ideias. Observe outros exemplos: • revista, jornal, biblioteca, livro. • casaco, paletó, roupa, blusa, camisa, jaqueta. • serra, rio, montanha, lago, ilha, riacho, planalto. • telefonista, motorista, costureira, escriturário, professor.
  • 7. “Assim como as flores vivem A minha Lília viveu; Assim como as flores morrem A minha Lilia morreu. (…) Em parte da minha essência Minha essência pereceu; Não vivo senão metade: A minha Lilia morreu.(…)” Poderia ainda ter optado por expirar, falecer, entregar a alma ao Criador (lançando mão de um eufemismo) ou ainda esticar as canelas, bater as botas (usando construções disfêmicas – só para lembrar: disfemismo é o oposto de eufemismo).
  • 8. No trecho do poema, existe a ideia de sofrimento, o que justifica a escolha do perecer, e não do falecer, para referir-se à essência, à alma do eu-lírico. Como o texto tem alto grau de lirismo, os eufemismos também seriam adequados. O que impossibilita a simples substituição de uma por qualquer outra das demais são pequenas nuances no significado, nuances essas que podem estar relacionadas ao sentido ou ao grau de formalidade da situação em que serão empregadas. Analisemo-las então: • Morrer – é o termo mais genérico, indicando ‘deixar de viver’; • Perecer – este termo implica violência ou sofrimento; • Falecer – costuma ser mais formal Quanto mais amplo for o vocabulário do emissor, menor a chance de empregar um termo inadequado ao contexto.
  • 9. ANTONÍMIA Antônimos são estabelecidos pela relação entre duas ou mais palavras que apresentam significados diferentes, contrários, ou seja, os antônimos. Exemplos: • bondoso – maldoso; • bom – ruim; • economizar – gastar. • É um menino corajoso. versus É um menino medroso.
  • 10. ANTONÍMIA Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata! (...) Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade. Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria. Fácil é dar um beijo. Difícil é entregar a alma. Sinceramente, por inteiro. Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida. Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro. (...) Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar. Difícil é mentir para o nosso coração. Fácil é dizer "oi" ou "como vai"? Difícil é dizer "adeus". Principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas... (...) Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião. Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente sentimos.
  • 11. HOMONÍMIA A homonímia é a relação estabelecida entre duas ou mais palavras que, embora possuam significados diferentes, apresentam a mesma estrutura fonológica, ou seja, os homônimos. Do grego homos, “o mesmo”, mais onyma, “nome, palavra”, podemos definir homônimos como as palavras iguais na forma, porém diferentes na significação. Os homônimos subdividem-se em palavras homógrafas, homófonas e perfeitas.
  • 12. HOMONÍMIA Homógrafas: São as palavras iguais na escrita, porém diferentes na pronúncia. Exemplos: gosto (substantivo) – gosto (1ª pessoa do singular do presente indicativo) / conserto (substantivo) – conserto (1ª pessoa do singular do presente indicativo); • Almoço (substantivo) / almoço (verbo) • O almoço estava muito saboroso! • Eu almoço com minha irmã. • Colher (substantivo) / colher (verbo) • Essa colher é pequena para você tomar a sopa? • Os agricultores precisam colher os grãos na época certa. • Jogo (substantivo) / jogo (verbo) • O jogo envolveu as crianças por várias horas. • Eu não jogo tênis porque meu joelho já foi operado.
  • 13. HOMONÍMIA Homófonas – São as palavras iguais na pronúncia, porém diferentes na escrita. Exemplos: cela (substantivo) – sela (verbo) / cessão (substantivo) – sessão (substantivo); • Sessão (reunião) / seção (repartição) / cessão (ato de ceder) • A sessão no fórum durou a tarde toda. • Laura, pegue seu desodorante na seção de cosméticos. • Marta fez a cessão dos direitos de sua parte na herança. • Concerto (harmonia de instrumentos ou vozes) / conserto (reparo, remendo) • A praça estava cheia devido ao concerto de violinos. • Quanto custará o conserto do computador? • Censo (recenseamento) / senso (juízo) • O censo do IBGE aponta que houve melhoras no nível de emprego. • Juliano não teve bom senso ao fazer aquela brincadeira com o Fábio!
  • 14.
  • 15. HOMONÍMIA Perfeitas: São as palavras iguais tanto na pronúncia como na escrita. Exemplos: cura (verbo) – cura (substantivo); cedo (verbo) – cedo (advérbio). • São (sadio) / são (verbo ser) • O veterinário disse que o fígado de meu cachorro está são! • Meus primos são meus melhores amigos! • Meio (numeral) / meio (substantivo) / meio (advérbio) • Tome meio comprimido após o jantar. • Você lembra o meio que usou para saber essa resposta? • Plínio esteve meio triste nos últimos dias. • Somem (verbo somar) / somem (verbo sumir) • Alunos, peguem a calculadora e somem sua notas, por favor. • Meus gatinhos somem durante o dia!
  • 16. PARONÍMIA Paronímia é a relação estabelecida entre duas ou mais palavras que possuem significados diferentes, porém são muito semelhantes na pronúncia e na escrita, ou seja, os parônimos. Do grego para, “ao lado”, mais onymos, “nome”. Exemplos: emigrar – imigrar; cavaleiro – cavalheiro; comprimento – cumprimento.
  • 17. PARONÍMIA • Comprimento (saudação) e cumprimento (extensão) o A costureira mediu o comprimento do tecido usado para a saia. o Os moradores nem sempre cumprimentavam o porteiro. • Soar (produzir som) e suar (transpirar) o Ao final do dia de trabalho, a campainha soava. o Elias sempre suava muito na academia. • Descrição (representação, ato de descrever) / discrição (ato de ser discreto) o A vítima fez a descrição do suspeito à polícia. o A discrição de Vilma fazia com que todos a procurassem para contar segredos. • Ratificar (confirmar) e retificar (corrigir) o O atendente solicitou à Carmem que ratificasse os dados do formulário. o O atendente solicitou à Sofia que retificasse os dados do formulário. • Estada (permanência de pessoa) e estadia (permanência de veículo) o A dona da pousada nos desejou uma boa estada! o A estadia do carro no estacionamento era uma cortesia do hotel. • Emigrante (aquele que sai) e imigrante (aquele que entra) o Os emigrantes apresentaram seus documentos em território espanhol. o Os imigrantes ajudam a compor a atual mão de obra do Brasil.
  • 18.
  • 20. POLISSEMIA O sentido que se faz prevalecer antes de todos os outros é aquele descrito pelo dicionário, concebido como o sentido original de um dado vocábulo. Depois dele, em razão de aspectos antes mencionados, outros sentidos vão se incorporando a esse vocábulo e, para compreendê-los, faz-se necessária uma análise contextual. A tal fato linguístico atribuímos a denominação de polissemia, que literalmente indica os vários sentidos que se aplicam a um determinado vocábulo.
  • 21. POLISSEMIA • Ele deu cabo à própria vida. Aqui a palavra em questão adquire o sentido de dar fim à vida. • O melhor amigo da família foi promovido a cabo recentemente. Nesse contexto, o sentido se faz efetivado pela mudança de patente. • O cabo da vassoura está quebrado. Nessa situação linguística, a palavra em voga assume o sentido de parte do objeto. • Nossa, ele é um gato! A situação nos permite concluir que se trata de um homem atraente, bonito. • O gato da vizinha vive importunando os vizinhos. Analisando a palavra em destaque, temos que ela assume o sentido voltado para o animal doméstico. • O morador daquela residência fez um gato na fiação elétrica. O sentido aqui indica que se trata de um posicionamento mal visto, improcedente, não adequado a uma conduta considerada viável.
  • 23. AMBIGUIDADE A ambiguidade faz com que a mensagem não se apresente de forma assim tão clara, objetiva como deveria, haja vista que dá margens para o interlocutor se sentir questionado acerca das reais intenções a que se propôs o emissor ao proferir uma determinada expressão. A polissemia gera ambiguidade.
  • 24. AMBIGUIDADE • Colocação inadequada de algumas palavras: O vizinho espantado resolveu ver o que estava acontecendo àquela hora da noite. Tal colocação nos dá margens para nos sentirmos questionados se o vizinho estar “espantado” é realmente uma característica do vizinho sempre, ou se ele se mostrou espantado num dado momento apenas. Dessa forma, retificando o enunciado, temos: O vizinho, espantado, resolveu ver o que estava acontencendo àquela hora da noite.
  • 25. AMBIGUIDADE • Uso de forma indistinta entre palavras O turista disse ao guia que era pernambucano. Daí nos perguntamos acerca de quem era pernambucano: o guia ou o turista? De modo a retificar o enunciado, obtemos: O turista disse que era pernambucano ao guia.
  • 26. AMBIGUIDADE • Uso inadequado das formas nominais: O supervisor de turma pegou o aluno correndo no pátio da escola. Quem realmente estava correndo? O supervisor de turma ou o aluno? Dessa forma, de modo a retirar a dupla interpretação, temos: O supervisor de turma pegou o aluno que corria no pátio da escola.
  • 27. AMBIGUIDADE • Uso indevido dos elementos coordenativos: Beatriz e Paulo desejam noivar-se. A má interpretação reside no fato de não conseguirmos identificar muito bem se Paulo deseja noivar-se com Beatriz ou se ambos desejam ficar noivos de pessoas distintas. De modo a desfazermos esse mal entendido, obtemos: Beatriz deseja noivar-se com Pedro, e Paulo com Cristina.
  • 28. AMBIGUIDADE • Dentre as seguintes frases, assinale aquela que não contém ambiguidade: • a) Peguei o ônibus correndo. • b) Esta palavra pode ter mais de um sentido. • c) O menino viu o incêndio do prédio. • d) Deputado fala da reunião no Canal 2. • e) Vi um desfile andando pela cidade.