1
Apicultura II Prof.: Antonio Abreu da Silveira Neto
Agronegócio V Semestre
Manejo paraProdução de Pólen
Introdução
O pól...
2
Agronegócio V Semestre
Centec Fatec
Desta forma pólen de mesma origem vegetal, mas de regiões diferentes tem composição
...
3
Apicultura II Prof.: Antonio Abreu da Silveira Neto
Agronegócio V Semestre
apiário.Desta maneira a produtividade média d...
4
Agronegócio V Semestre
Centec Fatec
As réguas coletoras não podem reter todopólen que entra nacolônia, se isso aconteces...
5
Apicultura II Prof.: Antonio Abreu da Silveira Neto
Agronegócio V Semestre
freezer.Deve permanecer por pelo menos 48 hor...
6
Agronegócio V Semestre
Centec Fatec
Introdução
PRÓ ʹ significa em frente ou em prol;
POLIS ʹ significa cidade ou povoado...
7
Apicultura II Prof.: Antonio Abreu da Silveira Neto
Agronegócio V Semestre
Assim como outros produtos apícolas a maioria...
8
Agronegócio V Semestre
Centec Fatec
O que supostamente explica a seletividade por determinadas fontes seria a capacidade...
9
Apicultura II Prof.: Antonio Abreu da Silveira Neto
Agronegócio V Semestre
vitamina C. Apresentam atividade antimicrobia...
10
Agronegócio V Semestre
Centec Fatec
Pode-se encontrar efeitos indesejados como alergias e irritações localizadas. Não e...
11
Apicultura II Prof.: Antonio Abreu da Silveira Neto
Agronegócio V Semestre
Métodos de Produção
Método da Raspagem
Vanta...
12
Agronegócio V Semestre
Centec Fatec
Vantagem: Facilidade de manejo, boa produtividade, obtenção de placas bem aceitas
c...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manejo para produção de pólem

611 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Manejo para produção de pólem

  1. 1. 1 Apicultura II Prof.: Antonio Abreu da Silveira Neto Agronegócio V Semestre Manejo paraProdução de Pólen Introdução O pólen nada mais é que o gameta masculinoda maioria das plantas;Uma flor pode produzir até 4 milhões de grãosde pólen;Cada grão tem de 10 a 140 micras. O pólen vai ter sua coloração variando de acordocom suaorigem floral,podendo ser: ʹ Vermelho; ʹ Castanho; ʹ Verde; ʹ Cinza; ʹ Amarelo (mais comum). Uso do Pólen a Nível de Colônia A nível de colônia o pólen é usado naalimentação das larvas e nutrição de abelhasjovens, a principal fonte de proteínas, lipídeos, minerais e vitaminas para a colônia. Fica localizado próximo as crias. Fornece as larvas e abelhas jovens osnutrientes necessários ao desenvolvimentodos tecidos, desenvolvimento de glândulas, fonte de nitrogênio. Sem pólen não há estimulo a postura darainha, a presença de crias abertas estimula a coletade pólen pelas abelhas campeiras. O maior horário de coleta de pólen é entre 9 eas 11 horas da manhã. Ao chegar a colônia o pólen é uma mistura dogameta masculino aglutinado com néctar e substâncias salivares, em seguida as abelhas mais jovens vãocompactar o pólen com a ajuda da cabeça eda mandíbula. Por fim adicionam enzimas (ácido fitocidalprincipalmente), néctar ou mel, que vãoprevenir a germinação, esse processo também vai aumentar operíodo de armazenamento dentro dosalvéolos. Devido a adição de ácidos e a compactação opólen vai sofrer uma fermentação lácticaÁcida, neste momento o pólen passa a ser conhecidocomo pão de abelha. Quantidade de Pólen Necessária àColônia Uma colônia consome em média de 40 a 60 Kganuais de pólen, este calculo é baseado na necessidade daslarvas de 100 a 120mg de pólen para seudesenvolvimento, leva em conta também o número de larvascriadas na colônia em uma ano e a necessidade de pólen para abelhas jovens. Composição Média do Pólen A composição vai variar de acordo com aorigem vegetal, também vai depender de fatores como:Temperatura do ar e composição química do solo.
  2. 2. 2 Agronegócio V Semestre Centec Fatec Desta forma pólen de mesma origem vegetal, mas de regiões diferentes tem composição diferentes. São encontrados no pólen apícola:Carboidratos, lipídeos e aminoácidos livres. Vitaminas como: ʹ Ácido pantotênico; ʹ Ácido nicotínico; ʹ Tiamina; ʹ Riboflavina; ʹ Ácido ascórbico; ʹ D e E; Composição Média do Pólen Aminoácidos São responsáveis por grande parte dacomposição protéica do pólen, os mais conhecidos são:Ácido glutâmico, arginina, cistina, histidina,isoleucina, leucina, lisina, metionina, fenilalanina,treonina, triptofano e valina. Açúcares e Ácidos Graxos O açúcar presente no pólen advêm do mel ounéctar utilizadospara aglutiná-lo, destacam-se a glicose e a Frutose. Os ácidos graxos mais importantes são: Linoléico, palmítico, linolênico e oleíco. Outros O aroma e o sabor dependem da origemfloral, opH varia de quatro a seis, contém no mínimo 2% de fibra bruta,originaria das celuloses recobrem o pólen. Manejo paraProdução dePólen Conhecimento da Flora Apícola A coleta de pólen vai variar de acordo com adisponibilidade da região onde se implanta oapiário, desta forma é interessante o conhecimento daflora para a implantação do local do
  3. 3. 3 Apicultura II Prof.: Antonio Abreu da Silveira Neto Agronegócio V Semestre apiário.Desta maneira a produtividade média decolônia com coletor de eficiência (64%)intermediária seria de:10 a 26 Kg por anoe de 56 g por dia. Localização dos Apiários paraProdução do Pólen Apícola Deve ser o mais próximo possível do local deprocessamento do pólen, deve ser limpo e protegido de ventos fortes,não pode ser muito ensolarado, as fontes deágua devem ser potáveis, e as colméias devemestar em cavaletes individuais. Manejo dasColméias Características das Colméias paraa Produção de Pólen Não existe um consenso sobre o estado dacolônia, porém deve ter mais que 4 quadros. O pólen é consumido em maior quantidade, quanto maior for o número de crias presentes.Quanto mais jovem a abelha maior a coleta Outro fator importante é a presença de umarainha jovem e prolifera, para que sempre haja larvas jovens e necessidadede coleta de pólen. Seleção de rainhas de alta produção,alcançando uma maior produtividade. Manejo das Colméias para aProdução de Pólen Além das tradicionais revisões periódicas,deve-se fazer o manejo semanal das colméias, neste manejo as crias e ovos devem sercolocados para o centro da colméia, desta forma as operárias vão perder menostempo mantendo a homeostase do ninho. Deverá ser efetuada a substituição de quadrosvelhos e com reservas, por novos paramaior uniformidade no tamanho das colônias e para dar espaço para postura da nova rainha. 20 % das colméias devem ser destinadas aoapoio das produtoras de pólen, vão servir para doação de quadros de criaaberta. Alimentação das Colméias para aProdução de Pólen Só se faz necessária quando não há fluxo denéctar, deve-se fornecer de 2 a 3 kg deaçúcar/colméia/semana, na proporção de 2:1e na forma de xarope, só deve ser fornecida se houver fluxo depólen. Obtenção do PólenApícola Coletores e Coleta de Pólen Os coletores são uma barreira a entradas dasabelhas dentro da colônia, são constituídos por uma régua coletoracontendo perfurações, cada perfuração tem 5mm.Estas passagens são suficientemente estreitaspara a retirada do pólen presente nascorbículas, esse pólen cai em uma gaveta, esta gaveta deve ser protegida para evitar oacesso das abelhas, deve também ser ventilada para evitar adeteriorização do pólen.
  4. 4. 4 Agronegócio V Semestre Centec Fatec As réguas coletoras não podem reter todopólen que entra nacolônia, se isso acontecesse em pouco tempo a colônia estaria debilitada. O coletor deve ter eficiência de 30 ʹ 50 %, ouseja reter de 30 a 50 % do pólen coletado. A eficiência é calculada da seguinte forma:Colocar o coletor de pólen, contar as 100 primeiras abelhas que entram nacolônia com pólen nas corbículas, retirar o coletor e contar o número de ͞bolotas͟de pólen na gaveta.% Eficiência = 100 xN° de ͞bolotas͟/ 200 Modelos de Coletores Existem vários modelos, todos tem vantagens e desvantagens. Modelo Frontal de Alvado É o mais comum e o mais utilizado, tem fácil manejo e higienização, por ficar no alvado, acaba por receber sujeirasresultantes da limpeza da colônia, pois asabelhas constantemente removem assujidades para fora. Modelo Interno É aberto um alvado secundário, sendo oprincipal fechado por uma tela de ventilação, tem como vantagem um índice menor desujidades e até mesmo de umidade. Mas como desvantagem existe o fato doaumento da defensividade da colônia, pelaobstrução do alvado principal. Desta forma um bom coletor de pólen deve: ʹ Ter fácil colocação e remoção; ʹ Facilitar o manejo; ʹ Facilite a higienização; ʹ Permita a ventilação; ʹ Tenha escape para zangões; ʹ E protegido contra alterações climáticas. Colheita Deve ser feita no final do dia para evitar a deteriorização, perda da produção e qualidade. Transporte do Pólen Fresco Deve ser feito em bandejas de plásticoatóxico, devem ser tampadas, o transporte deve ser cuidadoso, pois as͞bolotas͟ são frágeis e quebradiças, se transformando facilmente em pó,representando um perda significativa nomomento do beneficiamento. Beneficiamentodo PólenApícola Congelamento O pólen vindo do apiário deve ser transferidopara baldes de polietileno, os baldes devem ter a tampa de pressão, e capacidade máxima de 5Kg, deve ser imediatamente colocado no
  5. 5. 5 Apicultura II Prof.: Antonio Abreu da Silveira Neto Agronegócio V Semestre freezer.Deve permanecer por pelo menos 48 horaspara eliminação de ácaros, ovos ou larvas detraças da cera e de outros inseto. Após o congelamento o pólen deve serdescongelado gradativamente em geladeirapor um período de4 a 8 horas. Secagem Após o descongelamento o pólen deve sercolocado em estufa com ventilação forçada etemperatura controlada entre 40 a 42°C, o pólen deve ser colocado em bandejas inoxdentro da estufa.A distribuição do pólen deve ser em camadasfinas de 0,5cm, utilizando um garfo inox(desoperculador), o pólen deve permanecer na estufa por 8 a12horas, até atingir 3 a 4% de umidade. Uma maneira fácil de saber se a desidrataçãofoi bem sucedida é a desintegração das͞bolotas͟ de pólen quando pressionadas. Limpeza Deve ser feita imediatamente após adesidratação, caso não possa ser feita imediatamente opólen deve ser transferido para baldeshermeticamente fechados. O pólen deve ser passado por peneirasgranulométricas para que grumos maioressejam desfeitos e o pó do pólen seja retirado, deve ser aplicado um jato de ar seco e finalmente uma catação manual desujidades (asas, pernas, larvas de abelhas,etc.) e de própolis. Armazenamento Para que haja uma reidratação do pólen estedeve ser acondicionado em: ʹ Latas; ʹ Tambores; ʹ E sacos plásticos próprios para alimentos. Antes de fechar as embalagens o ar deve serretirado com o auxílio de uma bomba a vácuo. O armazenamento deve ser feito em ambienteseco, com temperatura amena e ao abrigo daluz. Comercialização Pode ser comercializado em sua forma originalou na forma desidratada. O produtor deve estar registrado em algumórgão competente (serviços de inspeçãofederal, estadual ou municipal). Utilização do Pólen pelo Homem Indicado para manter o equilíbrio metabólicodo organismo, aumenta a capacidade física e mental, previne envelhecimento precoce, regulador da flora intestinal.Tem efeito preventivo contra a hipertensãoarterial, regeneração da mucosa da pele, antidepressivo;. Carência nutricional:Raquitismo, atraso no crescimento, má dentição ,dentre outros. Manejo para Produçãode Própolis
  6. 6. 6 Agronegócio V Semestre Centec Fatec Introdução PRÓ ʹ significa em frente ou em prol; POLIS ʹ significa cidade ou povoado; Interpretação ʹ em defesa e proteção da colônia. Função da Própolis na Colméia As abelhas utilizam a própolis na colméia para: Manter o ninho fechado, evitar as mudanças bruscas de temperatura, poiso ninho tem que manter a temperatura entre 34 a 36° C, defesa contra inimigos.Como substância embalsamadora para cobrir a carcaça de inimigos mortos dentro da colônia e que não puderam ser colocados para fora, fortalecer os favos, poderoso anti-séptico, ajuda na fixação de odores. Porém o ambiente fechado da colméia é um local propício ao desenvolvimento de microrganismos, desta forma a própolis vai oferecer proteçãocontra eles ajudando também a absorver o excesso de umidade. Origem As primeiras abelhas construíam um favo único e exposto, para protegê-los eram necessáriasaproximadamente 80% das abelhas da colônia, desta forma apenas 20% das abelhas ficavamativas para coleta de alimentos e cuidados com as crias. A produção de própolis provavelmente estárelacionada ao hábito de nidificar em cavidades, pois era necessária a vedação da cavidadepara facilitar a comunicação por sinais químicos os feromônios. Cavidades naturais são cheias de imperfeiçõeso que atrapalha a eficiência dos sinais químicos.Estes sinais vão provocar respostascomportamentais ou fisiológicas nos outros indivíduos da mesma espécie. Histórico É conhecida do homem desde a antiguidade, porém era usada como: ʹ Adesivo; ʹ Selador de fendas; ʹ Proteção de madeiras. Nos dias atuais esta sendo usada desde oestudo no combate a células cancerígenas, ao tratamento de simples cáries dentárias. Suas propriedades tem mais de 60 efeitosdiferentes. É usada no tratamento de aproximadamente300 doenças. A própolis deixou de ser jogada fora e passoua ser em algumas regiões do Brasil o principal produto da colméia, mas o crescimento quantitativo, não foiacompanhado de um crescimento qualitativo.
  7. 7. 7 Apicultura II Prof.: Antonio Abreu da Silveira Neto Agronegócio V Semestre Assim como outros produtos apícolas a maioria dos produtores brasileiros ainda tem uma baixa produtividade média e desconhece técnicas de manejo que visem o aumento da produtividade. Começou a ser explorada no Brasil na década de 80, logo ganhou grande destaque pela ausência de metais pesados, pesticidas e antibióticos. Em 1995 chegou a ser comercializada por US$120,00/Kg, estimulando a produção. Porém a própolis brasileira era obtida das tampas e alvados, que eram raspados e a produtividade não ultrapassava as 300 gramas anuais. Para que o mercado não fosse perdido foramcriados novos métodos de produção que elevaram a qualidade e a produtividade para 700a 1000 gramas/colméias/ano. Assim como outros produtos apícolas é muitodifícil precisar quanto é produzido e consumido pelo mercado interno e quanto é exportado.Estimasse que as exportações variem emtorno de 49 a 150 toneladas por ano. A expectativa é de um mercado mais exigentecom relação as características da própolis e com a queda dos valores pagos pelo Kg, quehoje já estão mais baixos chegando de US$ 45 a 70/Kg. Coleta de Própolis pelas Abelhas Dentro da colônia de 0,5 a 3% das campeiras estão envolvidas na coleta de própolis, as abelhas vão coletar as resinas utilizando as mandíbulas e as pernas. A própolis é retirada aos pedaços com asmandíbulas e é manuseada com o primeiro par de pernas e depois é depositada nas corbículas. A idade com a qual as campeiras coletamprópolis vai variar de 41 a 63 dias. As abelhas que vão receber e manipular esta própolis vai variar de 15 a 39 dias e a proporção de abelhas que vão manipular a própolis é de 8 a 16 para cada campeira. A coleta de própolis vai estar relacionada as condições da colônia;, porém as condições ambientais vão afetar mais a coleta do que o grau dedesenvolvimento da colônia. O horário de coleta vai variar de acordo com atemperatura do dia: ʹ 11 as 15, para os dias mais quentes. ʹ 10 as 16, para os dias de maior pluviosidade. Isso ocorre porque em dias mais quentes ocorre avolatilização de alguns compostos das resinas tornando mais fácil sua localização e coleta. A distância que as abelhas percorrem para coleta de própolis é bem menor que para procura de alimentos, isso ocorre devido ao alto gasto energéticopara coleta, ficando restrito as proximidadesda colônia. As abelhas são extremamente seletivas na coletada resina, verificando-se uma fidelidade amatéria-prima, a escolha da matéria-prima esta relacionada comsuas propriedades antimicrobianas. Esta só será trocada se acabar nas proximidadesde colônia, mesmo que exista matéria-prima adistâncias maiores.
  8. 8. 8 Agronegócio V Semestre Centec Fatec O que supostamente explica a seletividade por determinadas fontes seria a capacidade da abelha reconhecer compostos químicos presentes em determinados vegetais. Fontes Produtoras É importante para que possa fazer uma tipificação da própolis, isso ajudaria a determinar a composição química e direcionar as colônias para a produção deprópolis de interesse comercial. Essa tipificação é feita através da comparação da própolis produzida com a resina coletada nos vegetais, também pode ser feita pelos fragmentos defolhas, grãos de pólen e pedaços das plantas doadoras de resinas. Áreas Produtoras As principais regiões produtoras brasileiras estão no centro-sul de Minas Gerais, sul do Paraná, leste de São Paulo e algumas áreas serranas do Espírito Santo e do Rio de Janeiro. O Nordeste brasileiro a produzir a própolis vermelha que ocorre ao longo do litoral da Bahia, Sergipe e Alagoas. Propriedades Farmacológicas daPrópolis A composição básica da própolis: Destes componentes é a fração resinosa quevai conceder caráter medicinal a própolis. Quanto maior a diversidade vegetal maiorserá a amplitude farmacológica da própolis, desta maneira a própolis nordestina é superior a das regiões Sul e Sudeste. Os principais compostos químicos encontrados na própolis são:Açúcares, alcoóis, aldeídos, ácidos e ésteresalifáticos, ácidos graxos, aminoácidos, ácidos aromáticos, ésteres aromáticos, esteróides, cetonas, charconas, di-charconas, flavonóides, terpenóides e outros compostos. FLAVONÓIDES Compostos essenciais a alimentação. Tem como principal ação limitar a ação dosradicais livres (compostos oxidantes) noorganismo humano. Auxiliam o organismo humano na absorção da
  9. 9. 9 Apicultura II Prof.: Antonio Abreu da Silveira Neto Agronegócio V Semestre vitamina C. Apresentam atividade antimicrobiana, estimulam o sistema imunológico, auxiliam nos processos de cicatrização. Classificação da Própolis de Acordocom o Teor de Flavonóides Baixo teor: até 1,0%; Médio teor: > 1,0 ʹ 2,0%; Alto teor: > 2,0%. A própolis possui dezenas de vezes mais flavonóides do que qualquer vegetal. O flavonóide é um composto fenólico presente nos vegetais e estuda-se mundialmente a sua eficácia no combate a varias doenças humana. Possui atividade antiinflamatória, pois entreoutros compostos apresentam essa atividade se destaca o ácido acetilsalicílico (AAS); Atividade Antimicrobiana Exerce atividade antibacteriana em: ʹ Staphylococcus aureus; ʹ Bacillus subtilis; ʹ Salmonella typhimurium; ʹ Salmonellaenteritides. Tem maior ação sobre bactérias grampositivas, atividade antiviral, combatendo a proliferação do vírus da gripe, e inibição da atividade de replicação do vírus HIV, atividade antiprotista, na inibição aoTrypanosoma cruzi. Atividade Antitumor; Atividade antioxidativa; Propriedades hepatoprotetivas; Propriedades cicatrizantes na apiterapia. Uso da Própolis na Veterinária e naAgricultura Os animais domésticos são responsáveis por até 80% do consumo de medicamentos produzidos no mundo, desta maneira torna-se um mercado empotencial para própolis. Porém existem poucas pesquisas na área, estas estão mais voltadas para o tratamento da mastite, diarréia em bezerros, na doença de Aujesky para suínos, feridas em carneiros e no tratamento da Eimeriaem coelhos, na agricultura mostrou-se eficiente no controle da ferrugem do cafeeiro. Outras áreas podem ser estudadascomo: ʹ Banir o uso de antibióticos e promotores de crescimento utilizados principalmente em granjas de suínos e aves. Efeitos Indesejados
  10. 10. 10 Agronegócio V Semestre Centec Fatec Pode-se encontrar efeitos indesejados como alergias e irritações localizadas. Não existem relatos de pessoas com alta ou mesmo total intolerância à própolis, porém existem pessoas alérgicas aos composto da própolis. Desta maneira a potencialidade alérgica daprópolis é mais uma questão individual do queuma propriedade intrínseca. Por ser coletada na região em torno dacolméia, a própolis pode ser acidentalmente contaminada por: ʹ Asfalto; ʹ Excesso de ferro; ʹ Cobre, magnésio e chumbo. Características Sensoriais Aroma: ʹ Característico (balsâmico e resinoso) dependendoda espécie. Cor: ʹ Amarelada, parda, esverdeada, marrom, vermelhae outras variando conforme a origem botânica. Sabor: ʹ Característico de suave balsâmico a forte epicante, dependendo da origem botânica. Consistência: ʹ Maleável a rígida, dependendo da origembotânica (a temperatura ambiente). Características Físico-químicas Instalação do Apiários
  11. 11. 11 Apicultura II Prof.: Antonio Abreu da Silveira Neto Agronegócio V Semestre Métodos de Produção Método da Raspagem Vantagem: utiliza-se da revisão para fazer a coleta. Desvantagem: baixa granulometria, alto teorde cera, dificuldade de comercialização e a baixa produtividade. Coleta com Telas São as mesmas telas plásticas utilizadas em mosquiteiros. Vantagem: Facilidade de manejo. Desvantagem:Baixa granulométrica, alto teor de cera, dificuldade decomercialização e baixa produtividade. Sistemas de Sarrafos Vantagem: Facilidade de manejo, boa produtividade, visitasquinzenais, obtenção de própolis em fita (tiras) que são de boa aceitação pelo mercado, poucaimpureza, baixo custo. Desvantagens:Em períodos muito chuvosos a própolis pode oxidar, as abelhas produzem favos entre os espaços deixados na colméia, facilidade de pilhagem por outras abelhas. Coletor de Própolis Inteligente (C.P.I.) Desenvolvido pelo apicultor brasileiro AdomarCésar de Carvalho em 1995, é hoje o métodode coleta de própolis mais difundido eutilizado.
  12. 12. 12 Agronegócio V Semestre Centec Fatec Vantagem: Facilidade de manejo, boa produtividade, obtenção de placas bem aceitas comercialmente e com poucas impurezas; Desvantagens:Visitas periódicas para abrir os espaços, exposição por demasiado tempo até a formação da placa facilita a oxidação da própolis, custo dos coletores. Coletor Tipo Estojo Contém um estojo que se abrehorizontalmente do centro para fora. Vantagem:Facilidade de manejo, obtenção de placas bemaceitas comercialmente, poucas impurezas e menos estressante para as abelhas. Outros Métodos Método de asas: As laterais do ninho ou da melgueira de abrem para o exterior, de baixo para cima, tendo como vantagem evitar a oxidação da própolis. Tamprópolis: Tampa coletora de própolis que ao ser aclopadaao ninho deixa frestas que serão preenchidas com própolis. Moldura: É uma moldura de aproximadamente 2cmcolocada por debaixo da tampa. Classificação da Própolis Quanto a granulometria a própolis pode ser: ʹ Do tipo 1 ʹ que ficam nas malhas de até 8mm; ʹ Do tipo 2 ʹ que nãopassam nas malhas de4 mm ʹ Do tipo 3 ʹ que passam nas malhas de4 mm Classificação Quanto a Cor Quanto a cor a própolis pode ser classificada como: ʹ Do tipo A: cor verde e do tipo 1. ʹ Do tipo B: Cor marrom e tipo 1. ʹ Do tipo C: De consistência muito viscosa. Os outros tipos com granulométrica muitobaixa tem sua comercialização restrita ao mercado nacional.

×