SlideShare uma empresa Scribd logo

Primeiras 15 páginas:

1 de 19
Baixar para ler offline
Primeiras 15 páginas:
Nuvem Negra



Primeira Edição: Abril de 2012/RJ Edição de texto e Diagramação: Shirlei Di Tonini
                          Arte da Capa: Stéfanie Tonini
Agradecimentos:

Primeiramente agradeço a Deus pela divina inspiração. Somente
   Ele e mais ninguém é totalmente responsável por essa obra.
    Agradeço a toda minha família, pelo amor incondicional.
Principalmente ao meu amado esposo Ivan de Moura e aos meus
  amores de filhos, Miguel e Stéfanie. Não me esquecendo, de
claro, todos os meus amigos queridos, que sempre me apoiaram
e nunca me deixaram desistir dos meus sonhos. Todos vocês são
                      perfeitos pra mim.




        Em memória de Flávia Alves dos Santos,

                                 Um dia vamos nos encontrar... Amiga

                                                 Shirlei DiTonini
Sumário
Pensamento ........................................................................4
Prólogo................................................................................5
1-Perfeição .........................................................................7
2-Os Vitrais........................................................................17
3-Ondas Negras..................................................................24
4-O reflexo lunar................................................................31
5-O clarão...........................................................................49
6-O castelo Devour............................................................62
7-O esconderijo..................................................................80
8-Calor e Frio.....................................................................88
9-Demônios e Anjos..........................................................100
10-Os corações..................................................................109
11-Secreto..........................................................................116
12-A revelação...................................................................124
13-O convite dos Marfans..................................................137
14-Retiro Espiritual............................................................149
15-Inverno..........................................................................172
16-A morte.........................................................................190
17-Ritual da Meia-Noite....................................................198
18-Desaparecidos...............................................................218
19-Novo Esconderijo.........................................................236
20-Espíritos........................................................................248
21-Tulipas Congeladas.......................................................252
22-Livres............................................................................265
23-Inferno...........................................................................271
24-Céu................................................................................278
25-O Nuvem Negra: O Diário de Megan Augustin............283
Pensamento:

  Uma palavra se me disse em segredo e os meus ouvidos
perceberam um sussurro dela.

  Entre pensamentos de visões da noite, quando cai sobre os
homens, o sono profundo, sobreveio-me o espanto e o tremor e
todos os meus ossos estremeceram. Então um espírito passou
por diante de mim; fez- me arrepiar os cabelos da minha carne.

   Parou ele, mas não conheci sua feição; um vulto estava
diante de meus olhos: E calando-me, ouvi uma voz que me
dizia: Seria porventura o homem mais justo do que Deus? Seria
porventura o varão mais puro do que o seu Criador?




                 Livro de Jó Cap.4 verso: 12-17
Prólogo
                ϯ Décimo Sexto Aniversário

     Tomada por uma profunda depressão, sentia como se uma
densa nuvem pairasse sobre minha cabeça. Sob meus pés não
existia chão. Não conseguia achar razão, nem sentido para vida.
Meu único desejo era encontrar-me com a morte. Porém nem ao
menos cogitava a forma com que isso aconteceria. Chorava até
pressentir que meu tórax explodiria. As lágrimas vertidas seriam
de um alguém amargurado e angustiadíssimo. Em meio a estes
sentimentos aterradores, deitada de costas na cama, observava
os pingos de chuva, que escorriam pelo vidro da janela...

   Os relâmpagos que anunciavam a tempestade iluminavam
meu quarto e assemelhavam-se a flashes de uma câmera
fotográfica antiga. Fotos seriam reveladas de um ser
desesperado e confuso. Escorregando pelo vidro, do lado de fora
da janela, açoitada pela chuva contemplei a palma de uma mão.
Grande, bem maior que a minha e que possuía ossos finos e
pontiagudos no lugar das unhas. Esta espalmou me convidando
a fazer o mesmo. Estranhamente, não tive medo. Apenas a
observava por alguns segundos, meditando que talvez meu
desejo mórbido tivesse sido atendido.
Anúncio

Recomendados

9 desapontamento de um suicida
9   desapontamento de um suicida9   desapontamento de um suicida
9 desapontamento de um suicidaFatoze
 
Burned pccast pt
Burned pccast ptBurned pccast pt
Burned pccast ptbardolivro
 
Alysonnoel osimortais06-infinito-130428165846-phpapp02
Alysonnoel osimortais06-infinito-130428165846-phpapp02Alysonnoel osimortais06-infinito-130428165846-phpapp02
Alysonnoel osimortais06-infinito-130428165846-phpapp02Telma Costa
 
Alvorecer de um novo dia
Alvorecer de um novo diaAlvorecer de um novo dia
Alvorecer de um novo diaclaudiovcorreia
 
Contos de um coração quebrado
Contos de um coração quebradoContos de um coração quebrado
Contos de um coração quebradoRaquel Alves
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A arte de ser feliz
A arte de ser felizA arte de ser feliz
A arte de ser felizHelio Cruz
 
Desejos Obscuros- livro VI- O adeus
Desejos Obscuros- livro VI- O adeusDesejos Obscuros- livro VI- O adeus
Desejos Obscuros- livro VI- O adeusRaquel Alves
 
Diário de Kassandra: a marca da bruxa
Diário de Kassandra:  a marca da bruxaDiário de Kassandra:  a marca da bruxa
Diário de Kassandra: a marca da bruxaRaquel Alves
 
A petição de jesus
A petição de jesusA petição de jesus
A petição de jesusHelio Cruz
 
Oniris o grande desafio de Rita Vilela
Oniris o grande desafio de Rita VilelaOniris o grande desafio de Rita Vilela
Oniris o grande desafio de Rita VilelaRita Vilela
 
Os 12 Acordes da Liberdade
Os 12 Acordes da LiberdadeOs 12 Acordes da Liberdade
Os 12 Acordes da LiberdadeEscola Ecit
 
Jornal vórtice nº 44 janeiro 2012
Jornal vórtice nº 44 janeiro 2012Jornal vórtice nº 44 janeiro 2012
Jornal vórtice nº 44 janeiro 2012Klenze Soares
 

Mais procurados (17)

Memorando de Deus
Memorando de DeusMemorando de Deus
Memorando de Deus
 
A arte de ser feliz
A arte de ser felizA arte de ser feliz
A arte de ser feliz
 
Desejos Obscuros- livro VI- O adeus
Desejos Obscuros- livro VI- O adeusDesejos Obscuros- livro VI- O adeus
Desejos Obscuros- livro VI- O adeus
 
Diário de Kassandra: a marca da bruxa
Diário de Kassandra:  a marca da bruxaDiário de Kassandra:  a marca da bruxa
Diário de Kassandra: a marca da bruxa
 
Olhosestranhsovol5
Olhosestranhsovol5Olhosestranhsovol5
Olhosestranhsovol5
 
A petição de jesus
A petição de jesusA petição de jesus
A petição de jesus
 
In heaven
In heavenIn heaven
In heaven
 
Olhosestranhsovol4
Olhosestranhsovol4Olhosestranhsovol4
Olhosestranhsovol4
 
60 Momentos em Meia-Fase
60 Momentos em Meia-Fase60 Momentos em Meia-Fase
60 Momentos em Meia-Fase
 
A Luz e a Escuridão
A Luz e a Escuridão A Luz e a Escuridão
A Luz e a Escuridão
 
Olhosestranhosvol3
Olhosestranhosvol3Olhosestranhosvol3
Olhosestranhosvol3
 
Oniris o grande desafio de Rita Vilela
Oniris o grande desafio de Rita VilelaOniris o grande desafio de Rita Vilela
Oniris o grande desafio de Rita Vilela
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Olhos Estranhos 2
Olhos Estranhos 2Olhos Estranhos 2
Olhos Estranhos 2
 
Os 12 Acordes da Liberdade
Os 12 Acordes da LiberdadeOs 12 Acordes da Liberdade
Os 12 Acordes da Liberdade
 
Jornal vórtice nº 44 janeiro 2012
Jornal vórtice nº 44 janeiro 2012Jornal vórtice nº 44 janeiro 2012
Jornal vórtice nº 44 janeiro 2012
 
Olhos estranhos1
Olhos estranhos1Olhos estranhos1
Olhos estranhos1
 

Destaque (6)

Cânceres
CânceresCânceres
Cânceres
 
Teatro9Ano
Teatro9AnoTeatro9Ano
Teatro9Ano
 
Manga.pptx. horacio german garcia
Manga.pptx. horacio german garciaManga.pptx. horacio german garcia
Manga.pptx. horacio german garcia
 
Gestao financeira (doc1)
Gestao financeira (doc1)Gestao financeira (doc1)
Gestao financeira (doc1)
 
Acct20-Chapter16
Acct20-Chapter16Acct20-Chapter16
Acct20-Chapter16
 
Jennifer, liss decimo a
Jennifer, liss decimo aJennifer, liss decimo a
Jennifer, liss decimo a
 

Semelhante a Primeiras 15 páginas:

Semelhante a Primeiras 15 páginas: (20)

Carlos henrique pereira_livro_voxifera_o_sonho_sem_dos_mortais
Carlos henrique pereira_livro_voxifera_o_sonho_sem_dos_mortaisCarlos henrique pereira_livro_voxifera_o_sonho_sem_dos_mortais
Carlos henrique pereira_livro_voxifera_o_sonho_sem_dos_mortais
 
A Bela e a Fera
A Bela e a FeraA Bela e a Fera
A Bela e a Fera
 
ESCRITOS
ESCRITOSESCRITOS
ESCRITOS
 
"A Destinada" - Paula Ottoni (Cap. 1)
"A Destinada" - Paula Ottoni (Cap. 1)"A Destinada" - Paula Ottoni (Cap. 1)
"A Destinada" - Paula Ottoni (Cap. 1)
 
Evangelho animais 33
Evangelho animais 33Evangelho animais 33
Evangelho animais 33
 
Noite profunda
Noite profundaNoite profunda
Noite profunda
 
Noite profunda
Noite profundaNoite profunda
Noite profunda
 
Nosso lar 04omédicoespiritual
Nosso lar 04omédicoespiritualNosso lar 04omédicoespiritual
Nosso lar 04omédicoespiritual
 
Escritos
EscritosEscritos
Escritos
 
Tambores de angola
Tambores de angolaTambores de angola
Tambores de angola
 
Tambores de angola
Tambores de angolaTambores de angola
Tambores de angola
 
Tambores de angola
Tambores de angolaTambores de angola
Tambores de angola
 
Figuras linguagem
Figuras linguagemFiguras linguagem
Figuras linguagem
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
A submissa
A submissaA submissa
A submissa
 
Vivendo a morte
Vivendo a morteVivendo a morte
Vivendo a morte
 
House Of Night 05 Hunted Pc Cast E Kristin Cast (Trad)
House Of Night 05 Hunted   Pc Cast E Kristin Cast (Trad)House Of Night 05 Hunted   Pc Cast E Kristin Cast (Trad)
House Of Night 05 Hunted Pc Cast E Kristin Cast (Trad)
 
House Of Night 05 Hunted Pc Cast E Kristin Cast (Trad)
House Of Night 05 Hunted   Pc Cast E Kristin Cast (Trad)House Of Night 05 Hunted   Pc Cast E Kristin Cast (Trad)
House Of Night 05 Hunted Pc Cast E Kristin Cast (Trad)
 
Evangelho animais 32
Evangelho animais 32Evangelho animais 32
Evangelho animais 32
 
Filipa Duarte
Filipa Duarte Filipa Duarte
Filipa Duarte
 

Último

c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...excellenceeducaciona
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoPaula Meyer Piagentini
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...manoelaarmani
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...manoelaarmani
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 

Último (20)

c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 

Primeiras 15 páginas:

  • 2. Nuvem Negra Primeira Edição: Abril de 2012/RJ Edição de texto e Diagramação: Shirlei Di Tonini Arte da Capa: Stéfanie Tonini
  • 3. Agradecimentos: Primeiramente agradeço a Deus pela divina inspiração. Somente Ele e mais ninguém é totalmente responsável por essa obra. Agradeço a toda minha família, pelo amor incondicional. Principalmente ao meu amado esposo Ivan de Moura e aos meus amores de filhos, Miguel e Stéfanie. Não me esquecendo, de claro, todos os meus amigos queridos, que sempre me apoiaram e nunca me deixaram desistir dos meus sonhos. Todos vocês são perfeitos pra mim. Em memória de Flávia Alves dos Santos, Um dia vamos nos encontrar... Amiga Shirlei DiTonini
  • 4. Sumário Pensamento ........................................................................4 Prólogo................................................................................5 1-Perfeição .........................................................................7 2-Os Vitrais........................................................................17 3-Ondas Negras..................................................................24 4-O reflexo lunar................................................................31 5-O clarão...........................................................................49 6-O castelo Devour............................................................62 7-O esconderijo..................................................................80 8-Calor e Frio.....................................................................88 9-Demônios e Anjos..........................................................100 10-Os corações..................................................................109 11-Secreto..........................................................................116 12-A revelação...................................................................124 13-O convite dos Marfans..................................................137 14-Retiro Espiritual............................................................149 15-Inverno..........................................................................172 16-A morte.........................................................................190 17-Ritual da Meia-Noite....................................................198 18-Desaparecidos...............................................................218 19-Novo Esconderijo.........................................................236 20-Espíritos........................................................................248 21-Tulipas Congeladas.......................................................252 22-Livres............................................................................265 23-Inferno...........................................................................271 24-Céu................................................................................278 25-O Nuvem Negra: O Diário de Megan Augustin............283
  • 5. Pensamento: Uma palavra se me disse em segredo e os meus ouvidos perceberam um sussurro dela. Entre pensamentos de visões da noite, quando cai sobre os homens, o sono profundo, sobreveio-me o espanto e o tremor e todos os meus ossos estremeceram. Então um espírito passou por diante de mim; fez- me arrepiar os cabelos da minha carne. Parou ele, mas não conheci sua feição; um vulto estava diante de meus olhos: E calando-me, ouvi uma voz que me dizia: Seria porventura o homem mais justo do que Deus? Seria porventura o varão mais puro do que o seu Criador? Livro de Jó Cap.4 verso: 12-17
  • 6. Prólogo ϯ Décimo Sexto Aniversário Tomada por uma profunda depressão, sentia como se uma densa nuvem pairasse sobre minha cabeça. Sob meus pés não existia chão. Não conseguia achar razão, nem sentido para vida. Meu único desejo era encontrar-me com a morte. Porém nem ao menos cogitava a forma com que isso aconteceria. Chorava até pressentir que meu tórax explodiria. As lágrimas vertidas seriam de um alguém amargurado e angustiadíssimo. Em meio a estes sentimentos aterradores, deitada de costas na cama, observava os pingos de chuva, que escorriam pelo vidro da janela... Os relâmpagos que anunciavam a tempestade iluminavam meu quarto e assemelhavam-se a flashes de uma câmera fotográfica antiga. Fotos seriam reveladas de um ser desesperado e confuso. Escorregando pelo vidro, do lado de fora da janela, açoitada pela chuva contemplei a palma de uma mão. Grande, bem maior que a minha e que possuía ossos finos e pontiagudos no lugar das unhas. Esta espalmou me convidando a fazer o mesmo. Estranhamente, não tive medo. Apenas a observava por alguns segundos, meditando que talvez meu desejo mórbido tivesse sido atendido.
  • 7. Seria a morte? Questionei-me. Mesmo sem obter a resposta decidida elevava a mão esquerda em direção ao suposto fim. Antes, porém, observando que ainda em meu dedo anelar pousava o anel que meu pai me presenteara no meu décimo sexto aniversário, diante de todos os amigos da cidade, na festa mais sem graça de todos os tempos. O observei por alguns segundos. Ele fez minha mente vagar em surrealidades incríveis. Ao alcançar finalmente a misteriosa mão, despenquei num pesadelo gelado e úmido, cheio de sentimentos confusos, do qual somente despertaria três dias depois... Anne Clair Gardner
  • 8. ϯ 01 Perfeição ... Sua perfeição beirava o irreal, era demasiada para o meu lento coração... Debaixo de uma nuvem de desespero. Dentro de um poço fundo. Onde tudo era sujo e imundo me encontrava. As roupas úmidas e manchadas de terra apegavam-se irritantemente ao meu corpo. Chorava irradiando uma compulsão muito dolorosa. Por vezes tentava sair daquele lugar. Porém não havia escadas, nenhum apoio para que me ajudasse a escapar. Agachei-me, enfiei minha cabeça entre os joelhos e me abracei forte. Sentia muito frio e uma solidão nauseante. Por vezes levantava um pouco a cabeça, tentando me acalmar. Procurando uma posição para respirar melhor. Sorvia o cheiro da terra molhada pelo sereno da noite passada. Acolhedor. Lembrei-me da minha família. Teria que ser forte por eles. Saudades... De um tempo... Saudades... De momentos. Mirei o céu, observava a lua, um breve luar se afiguraria na chegada daquela noite. Porém sua beleza foi ofuscada de uma só vez, por sua sinistra parceira, uma sombra estranha e obscura. O dia se tornou noite. A pequenina luz tornou-se densas trevas. Uma massa negra, espessa e
  • 9. sombria tomou toda a extensão do firmamento. Observava terríveis pingos de chuva, arderem no meu rosto, anunciando uma tempestade de proporções gigantescas. Desesperei-me. E a água da torrente, se misturou às minhas lágrimas na primeira tentativa em despertar... Não era do meu feitio, mas naquela manhã acordei cedo, por volta das sete horas. O despertador me ajudou na dura tarefa, pois mais uma vez não tinha dormido bem. Mas era raro mesmo ter uma boa noite de sono. Os pesadelos sempre me perseguiram. Desde a minha infância. Mas agora se tornavam cada vez mais constantes e intensos. Forçava-me a não pensar neles. Naquele dia acordara esperançosa e com desejo de encontrar razão para minha vida. Os questionamentos filosóficos, porém atormentavam-me: De onde viemos? Quem nós somos? Pra onde vamos? Não possuía as respostas. Mas obstinada como eu era, as buscaria com certeza. Necessitava fervorosamente ter objetivos, alvos e metas a serem cumpridas. Algo que me fizesse prosseguir, ir adiante, buscar e quem sabe conquistar. É eu sabia. Pensar assim aos dezesseis anos seria muito precoce. Mas “precoce” deveria ser o meu nome do meio. O lugar onde vivia desde criança ficava no hemisfério norte, numa pequena cidade chamada Vila de Blackville, localizada no centro da Província de New Brunswick, Canadá. Lugar muito aconchegante com apenas 931 habitantes. A cidade considera a capital da pesca do salmão no Miramichi. O clima apesar de quase sempre muito frio, não ofuscava a beleza do local, nem mesmo o jeito hospitaleiro dos habitantes. Pelo contrário, o
  • 10. tornava mais atrativo e charmoso. Sempre amei o Rio Miramichi. Repleto de peixes e de calmaria sossegadora. Apesar da água extremamente congelada, ele sempre foi meu refúgio preferido. Gostava de passear a beira do rio, solitária, absorvendo o vento frio rasgando na minha pele. Morava com meus pais, numa casa espaçosa e muito confortável nos arredores da cidade, há uns cinco minutos, viajando de carro. Anne Clair Gardner, este era meu nome. A filha única de um casal de missionários canadenses da Igreja Unida de Blackville. Pastor Abel Gardner, meu pai, era um homem rígido com suas regras e muito sisudo. Sarah Gardner, minha mãe, era uma mulher belíssima, doce e gentil. Personalidades distintas, que aparentavam se amarem de verdade e até se completarem. Arriscaria afirmar. Achava naquela época, que o único problema na vida deles era a filha: Complicada, geniosa, briguenta, com pouquíssimos amigos e atormentada por pesadelos. Que entrava e saia de hospitais por conta de dores no coração sem diagnóstico preciso e que já havia consultado todos os psicólogos da região. Não era mesmo exemplo de perfeição. Meus pais me contaram quando completei dez anos, que durante uma missão no Brasil, no interior do Mato Grosso, na cidade de Bonito, minha mãe estava grávida de mim, e aconteceram algumas complicações. E acabei nascendo antes do tempo certo, com sete meses. E em consequência disso, muito doente. Meus pais então tiveram que voltar para o Canadá, às pressas, para que me tratassem num hospital de confiança no
  • 11. nosso país. Eles me contaram que foi um tempo difícil e que escapei da morte por muita sorte. Diziam-me que era mimada e inconsequente, em decorrência desses fatos. Não concordava que fosse mimada, apenas opiniosa. Entretanto sempre achei que havia algo a mais. Algo escondido. Um segredo por trás da minha vida. Algo que me incomodava no fundo da alma. Uma coisa era verdade, tinha muito problemas na escola: Detenção, castigo, suspensões e algumas faltas. Confesso que minha fama não era das melhores. Porém minhas notas eram excelentes e isso devia compensar um pouco meu comportamento ruim. Apesar dos meus professores não entenderem como conseguia me sair bem em todas as atividades escolares. Mas era algo natural pra mim... Aprender. Quem cruzasse comigo pelos corredores da escola, não se intimidaria. Não como uma adolescente esguia, de cabelos longos e lisos, castanhos claros, belos por eles mesmos, pois vaidade não era uma de minhas virtudes ou defeito. Sei lá. Possuía a pele alva e os olhar endurecido cor de castanho-mel. Vestia-me de jeans, camiseta e grossos casacos de inverno. Com tênis surrados ou grosseiras botas cobrindo os pés. Não era de assustar ninguém. Mas naquela época, não possuía consciência de que poderia existir um monstro dentro de mim, pronto pra ser despertado e doido pra sair. Apesar de muitas vezes experimentar sentimentos terríveis e pensamentos malignos, que me faziam ficarem a ponto de em algumas ocasiões... Perder a noção dos meus limites. (...) O coração doía de tensão e ansiedade. O caminhar lento,
  • 12. era pra tentar disfarçar os desejos mórbidos que se apoderavam do espírito dela. No corredor a meia luz, cruzara com um menino, um NERD, que usava óculos grandes e andava de um jeito engraçado, enquanto lia um livro. Vinha em sua direção de cabeça baixa e em meio a distração com a leitura, esbarrara no ombro dela, sem querer, com força. Fora o suficiente para desencadear um misto de sentimentos ruins, que resultaram em muitas pancadas e em mais uma suspensão (...). Apesar de ter a cabeça repleta de orações e versículos da bíblia desde criança, ir a congregação, nunca foi algo que me desse realmente prazer. Porém se existia uma regra inquebrável na minha casa, era essa. “Domingo é dia do Senhor, dia de participar das reuniões da igreja”. Essa era a frase pronta predileta do Pr. Gardner. Então sempre comparecia, mesmo contra minha vontade. Ia apenas para agradar meus pais. Acho que não conseguirei explicar melhor, mas uma das razões, era porque sempre tive muito amor por eles e fazê-los sofrer, também me causaria sofrimento. Na verdade, não conseguia encontrar nas reuniões dominicais, as respostas que procurava. Tentava entender Deus, mas Ele era subjetivo demais pra mim. Uma incógnita. Alguém inalcançável. De quem sempre ouvia falar, mas que não havia conhecido pessoalmente ainda. Discursavam sobre sua perfeição. Excelso amor. Proteção... Mas se Ele era isso tudo mesmo, porque o mundo que Ele mesmo criou, a humanidade, que Ele formou com suas mãos, se tornou tão imperfeita e cruel? Ele não deveria fazer alguma coisa pra concertar e tornar tudo novamente... Perfeito?
  • 13. Perfeição... Perfeito... Sempre foi Franco Marfan. Não posso falar de perfeição, sem me lembrar dele. Como se algum dia da minha vida, conseguisse passar, sem que eu me lembrasse dele. Nós nos conhecíamos desde a infância. Ele era um rapaz lindo e o mais encantador de Blackville. Sua pele morena refletia hipnoticamente nos raros dias de sol. Os seus olhos verdes brilhantes pareciam duas piscinas de perdição e encanto. Os cabelos negros cerrados na cabeça lhe proporcionavam um aspecto másculo que seu corpo rígido e alto, de um metro e oitenta e cinco apenas confirmavam. As expressões grosseiras de seu rosto contrastavam com a suavidade do seu jeito sedutor de falar. Um perfeito Adônis, tão perfeito quanto poderia ser irreal. Estudava numa cidade distante de Blackville, em Freddericton, na universidade de New Brunswick. Tinha a idade de dezoito anos. Cursava faculdade de Direito. Era um aluno adiantado e inteligentíssimo. Nunca se interessaria por uma garota sem graça do colegial... Ahr!... Porém sempre nutria uma paixonite por Franco. Um amor platônico, impossível. Tinha a absoluta certeza de que ele jamais me notaria. Sua família morava nos arredores da cidade, Os Marfans. Muito conhecidos por sua gentileza e solidariedade. Sempre engajados em projetos sociais, colaborando diretamente com a Congregação religiosa local, as escolas e as instituições filantrópicas. Com certeza, era a família mais rica da cidade. E não faziam economia quando se dispunham em conceder auxílio a alguém. Proprietários de uma grande empresa de advocacia prestavam vários serviços para as cidades vizinhas. Empregavam a quase todos os jovens aspirantes a advogados da
  • 14. região. Todos os anos se reuniam num grande congresso, em um clube privadíssimo e secreto, localizado dentro da floresta da colina. Sempre foram populares e queridos por todos, porém possuíam um ar de soberba, que procuravam disfarçar muito bem. Poucos observadores e desatentos fãs, não conseguiriam perceber. Percepção que eu possuía como por dom ou maldição, não sabia ao certo ainda. Suas áureas sombrias, sentidas no ar, os perseguiam enquanto passeavam com seus carros luxuosos pelo centro da cidade. Gente mórbida fazendo esforço pra aparentar angelical. Por uma ou duas vezes comentei com meus pais sobre eles, mas os Marfans pareciam assunto proibido na nossa casa. Mais uma das regras do meu pai. A obscuridade pairava sobre a casa deles. Uma bela mansão situada quase no topo da floresta da colina, cercada de altas árvores, de onde podia se observar todo o vale com um belo lago azul e o Rio Miramichi com suas lindas águas cristalinas e repletas de salmões. Pela manhã, bem cedo a neblina descia e cobria parcialmente as três janelas grandes de madeira da casa, laqueadas de branco neve, que ficavam no segundo andar. À noite havia pontos de luz, que podiam ser vistos da praça da cidade, que de longe aparentavam mais serem estrelas caídas no jardim dos Marfans. Construção imponente, convidativa e até atraente. A casa se comportava como se instasse as pessoas hipnoticamente a entrarem por suas portas. Os Marfans organizavam grandiosas recepções. Comparecemos a uma delas, eu e meus pais. As pessoas retornavam de lá, descrevendo a beleza da mansão, a excelência
  • 15. do Buffet e do serviço e como os anfitriões eram impressionantemente elegantes e admiráveis. Sim, eles eram isso tudo mesmo. Não posso negar: O Sr. Ivan Marfan, de pele alva e límpida, com seus fios grisalhos caindo pelo pescoço e com suas duas janelas azuis irresistíveis, dificilmente passaria despercebido. Homem garboso, que ostentava ser uma estátua rara e intocável, de um porte encantador, tanto quando movia seus lábios finos e avermelhados, quanto quando caminhava firme e elegante nas ruas de Blackville com seus ternos bem cortados. O chefe da família era um senhor jovem, de palavras sólidas, porém gentis. Sempre sorridente, porém um sorriso contido, controlado e bem direcionado a determinadas pessoas e na medida apropriada. Sua estonteante esposa, a jovial Sra. Havana Marfan, era o tipo de mulher de corpo escultural e sorriso fresco. Com o olhar marcante de seus belos olhos verdes- água, fulminava seus inimigos e enchia de desejo os mais aflitos homens no recinto onde se encontrava. Sua outra arma de sedução eram os belos cabelos negros encaracolados, que pousavam em seus ombros, ela os manipulava de maneira que exalavam o perfume doce de Amêndoa do seu xampu. Os vestidos elegantes e caros cobriam o seu sinuoso corpo de dama, revelando partes de sua pele de cor morena jambo, e combinavam perfeitamente com seus sapatos valiosíssimos. Evelyn Marfan, irmã de Franco, não fugia a regra de perfeição. Moça de traços delicados, a primeira vista, aparentava muita ingenuidade e doçura, porém detrás de seus lindos olhos azuis, os mesmos do pai, refletia uma malignidade terrível. Debruçada no corrimão da escada, a primeira vez que a vi, ela estava
  • 16. observando os convidados, sem transparecer nenhum tipo de reação. Os cabelos curtos e tingidos de vermelho escorriam por sua cabeça, numa ponta desregular que ultrapassava o queixo, cobrindo-lhe parcialmente os olhos e as orelhas deixando apenas o pescoço desnudo. Contrastando sombriamente com a pele muito clara. Quando caminhava, assemelhava-se a um gato passeando por sobre um muro, com uma graça e uma elegância invejável. A família Marfan possuía a aparência de prole perfeita. Da primeira vez que fui à casa dos Marfans, na ocasião em que me deparei com Evelyn, logo que cheguei me admirei- me com os dragões: Na entrada, encontravam-se dois, um de frente pro outro. Esculpidos na pedra, aparentavam guardar o imenso portão de ferro. Sobre grandes pedestais, as criaturas encontravam-se sentadas, com as patas dianteiras fincadas na frente e as traseiras agachadas, como que se de surpresa fossem saltar das colunas. A calda enrolava-se no suporte igual a uma serpente e na ponta dela se desenhava uma seta apontando pra baixo. Nas testas, sombriamente tatuado, observava-se uma insígnia em forma de um olho meio tribal, que no momento que vi achei difícil de definir. O sol quando tocava os olhos das esculturas, dava-lhes um tom avermelhado, com nuances alaranjado, que parecia conceder-lhes vida e movimentos para observar tudo e principalmente todos à sua volta. Atravessando o portão, logo se via um vasto jardim de grama verdíssima. De imensa beleza, com um caminho de luminárias e flores vistosas vermelhas, rosas. Flores elegantes amarelas, tulipas. E fartas flores rosadas, rosas colombianas. Que nos conduzia até a entrada principal da mansão. No alto ao longe podia se ver o
  • 17. brasão da família Marfan. Algo parecido com os dragões do portão, entre espadas e arcos, com um fundo de tapete fino, parecendo persa, de cor amarela, bordado por inúmeros triângulos, das cores vermelho, azul e branco. De frente a porta, esta de madeira de pinho, da cor branca, da qual podia ainda se sentir o seu aroma, mesmo debaixo do laqueado da pintura, ao alcance dos olhos, se encontrava uma campainha manual. Mais decorativa do que usual, em forma de uma coruja, talhada na madeira. Os olhos do animal me causavam arrepios, pareciam espionar qualquer um que chegasse perto da entrada. Nas suas patas havia um manete, para fazer soar a campainha. Adentrando a mansão, no espaçoso hall, logo a frente era possível avistar a escadaria dupla que conduzia até a parte superior da casa, onde localizavam-se as espaçosas cinco suítes belamente decoradas. Uma vasta sacada unia todos os ambientes e proporcionava aos moradores uma vista privilegiada de toda a cidade e da floresta da colina. O piso de toda mansão era composto de lâminas laqueadas de madeira de lei amarronzada. Possuía um aspecto de espelho, que refletia toda mobília antiga e bem conservada. Um lar aconchegante e perfeito, que exalava um aroma de lavanda suave, inebriante que proporcionava boas sensações. As paredes pontuadas de quadros extensos, assinados por artistas de renome, acrescentavam um charme e elegância dignos do lugar. Julguei também que a mobília era de altíssimo bom gosto, o piso-espelho, a madeira utilizada na construção do imóvel, eram todos da mais superior qualidade... Perfeitos. Na parte inferior, logo a esquerda se podia observar o vasto escritório do Sr. Marfan. Com uma biblioteca portando uma
  • 18. parede repleta de livros, apoiados nas retas prateleiras de madeira maciça escurecida. No piso, um macio carpete cinza, conjugava-se sutilmente com todo ambiente sóbrio. Observei alguns troféus destacados numa mesa de pés vitorianos e algumas esculturas situadas nos cantos do local. À direita, a grande sala de estar, espaçosa e elegante convidava ao descanso e ao relaxamento em seus macios sofás verde-oliva. Bem iluminada com uma ampla janela e cortinas off White que deixavam a luz penetrar e tornavam a sala indiscutivelmente agradável. Passando por debaixo das escadas, chegava-se até a cozinha da casa. Igualmente aos outros cômodos era muito ampla e arejada, com móveis claros e brilhantes. Ultrapassando uma mesa central que portava uma cesta gigante de frutas verdes, chegava-se até a área externa. Onde a seguir se descobria uma grandiosa piscina, em formato de feijão, de água azul cristalina. O fundo do ambiente ao ar livre mais parecia uma pintura: Com as extensas nuvens brancas no céu e as altas e vastas árvores verdes a baixo que se encontrava com a floresta da colina. Passeando pela mansão dos Marfans, notei algumas portas trancadas em que somente alguns empregados podiam entrar. Deviam ser adegas ou dispensas, mas uma voz dentro de mim alertava-me e fazia-me questionar. Existia algo oculto e de certa forma de ordem ruim, naquele lugar, podia sentir. Ninguém era tão excelente... Entretanto meu único alento era Franco. Apesar de pertencer àquela família, achava-o diferente e realmente especial. Ele pertencia à ordem do bem. No meu íntimo pressentia isso e aguardava desesperadamente que meu coração não me traísse...
  • 19. Mas algo oculto em breve se revelaria a mim, de uma forma trágica, dolorosa e extremamente inusitada.