SlideShare uma empresa Scribd logo

Q. orgânica 2 preparação do corante alaranjado de metila

organica 2

1 de 13
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO
CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA DE QUÍMICA ORGÂNICA 2
Preparação do Corante Alaranjado de Metila
Eliana Dias dos Santos
Igor Oliveira de Mello
Naizillah de Oliveira Albuquerque
Paula Carolina Peruch
SÃO MATEUS - ES
2014
Eliana Dias dos Santos
Igor Oliveira de Mello
Naizillah de Oliveira Albuquerque
Paula Carolina Peruch
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA DE QUÍMICA ORGÂNICA 2
Preparação do Corante Alaranjado de Metila
SÃO MATEUS - ES
2014
Relatório de aula prática
apresentado como pré-requisito
para avaliação da disciplina de
Química Orgânica 2, sob
supervisão da Professora Leila
Aley Tavares.
SUMÁRIO
4
1. OBJETIVOS
O objetivo deste trabalho é obter o corante Alaranjado de Metila, que é um corante
sintético usado em roupas, alimentos e pigmentos de pinturas e impressões.
2. INTRODUÇÃO
Desde os primórdios da civilização, o homem faz uso de pigmentos naturais.
Pinturas e desenhos encontrados em cavernas podem ter mais de 4000 anos. Os
Egípcios utilizavam de substâncias coloridas extraídas da natureza como
maquiagem e para decoração do interior de seus palácios.
O homem, buscando de novas cores e meios mais fáceis de consegui-las,
desenvolveu os corantes sintéticos. O primeiro homem a sintetizar um corante foi
William Henry Perkin, químico inglês. O mais corante mais utilizado pela indústria
atual é o Índigo, ele que dá a cor característica do jeans que utilizamos.
3. MATERIAIS E REAGENTES
 Balança analítica;
 Água destilada;
 Carbonato de sódio anidro;
 Ácido sulfanílico;
 Nitrito de sódio;
 Ácido clorídrico;
 N,n-dimetilanilina;
 Ácido acético glacial;
 Hidróxido de sódio;
 Cloreto de sódio;
 Ácido acético 5%;
 Bicarbonato;
5
 Papel de tornassol;
 Espátula;
 Erlenmeyer;
 Provetas;
 Banho de gelo;
 Bastão de vidro;
 Pipeta de 10 ml;
 Pêra para pipeta;
 Pipeta pasteur;
 Pisseta;
 Béqueres;
 Manta aquecedora;
 Termômetro;
 Funil de büchner de porcelana;
 Kitassato;
 Papel filtro;
 Papel de tornassol;
 Cronômetro;
 Bomba para filtração a vácuo;
 Placa de Petri;
4. METODOLOGIA
4.1 Diazotização do Ácido Sulfanílico
Em um erlenmeyer de 125 mL foi dissolvido 0,3 g de carbonato de sódio em 25 mL
de água. Adicionou-se 1,0 g de ácido sulfanílico a solução que foi aquecida em
banho-maria até que se completou a dissolução do material. A solução foi deixada
até que atingisse a temperatura ambiente e se adicionou 0,4 g de nitrito de sódio,
agitando a mistura até a completa dissolução. A solução foi resfriada em banho de
gelo por 5-10 minutos, até que a temperatura ficasse abaixo de 10ºC. Em seguida,
se adicionaram 1,25 mL de ácido clorídrico, mantendo uma agitação manual. O sal
de diazônio do ácido sulfanílico separou-se como um precipitado branco finamente
dividido. A suspensão foi deixada em banho de gelo até ser utilizada.
6
4.2 Preparação do Alaranjado de Metila
Em um béquer de 50 mL foram adicionado 0,7 mL de N,N-dimetilanilina e 0,5 mL de
ácido acético glacial. Com a ajuda de uma pipeta Pasteur, foi adicionado à solução a
suspensão resfriada do ácido sulfanílico diazotizado preparado previamente. A
mistura foi agitada vigorosamente com um bastão de vidro. Em poucos minutos um
precipitado vermelho devia se formar. A mistura foi mantida resfriada em banho de
gelo por cerca de 10 minutos.
Foram adicionados 8,5 mL de hidróxido de sódio 10% de modo lento e com
agitação, enquanto a mistura era mantida resfriada em banho de gelo. Foi verificado
se a mistura estava básica, com auxilio de um papel de tornassol. Foi adicionado
mais 1,0 mL de base para que a mistura se tornasse básica. A solução foi levada a
ebulição por 10-15 minutos, para dissolver a maioria do alaranjado de metila recém-
formado. Em seguida, 2,5 g de cloreto de sódio foram adicionados e a mistura foi
deixada para atingir a temperatura ambiente. A cristalização do produto foi induzida
por resfriamento da mistura reacional e os sólidos formados foram recolhidos por
filtração em funil de Buchner.
4.3 Recristalização
O precipitado foi transferido juntamente com o papel filtro para um béquer de 125
mL, contendo cerca de 75 mL de água em ebulição. A mistura foi mantida em
ebulição branda por alguns minutos com agitação constante. Nem todo o corante se
dissolveu, mas os sais contaminantes foram dissolvidos. O papel filtro foi removido e
a mistura deixada par atingir a temperatura ambiente e em seguida foi resfriada em
banho de gelo. Após o resfriamento, foi filtrada a vácuo e lavada com uma porção de
água gelada. O produto foi seco, pesado e calculou-se o rendimento.
4.4 Teste com indicador de pH
Em um tubo de ensaio foi dissolvido uma pequena quantidade de alaranjado de
metila em água. Alternadamente, foram adicionados algumas gotas de uma solução
de HCl diluído, de NaOH diluído, Bicarbonato 0,1N e Ácido Acético 5%, observando

Recomendados

Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoAna Morais Nascimento
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoDhion Meyg Fernandes
 
Padronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHPadronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHRodrigo Henrique
 
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos OrgânicosReações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos OrgânicosLuís Rita
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésiaDianna Grandal
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Dhion Meyg Fernandes
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICARELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICAEzequias Guimaraes
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaarceariane87
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕESJessica Amaral
 
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaRelatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaFernanda Borges de Souza
 
Texto nº 3 Volumetria de Neutralização
Texto nº 3   Volumetria de NeutralizaçãoTexto nº 3   Volumetria de Neutralização
Texto nº 3 Volumetria de NeutralizaçãoMarta Pinheiro
 
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Jenifer Rigo Almeida
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Paulo George
 
76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...
76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...
76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...Emílio Dos Santos
 
Titulação Potenciométrica
Titulação PotenciométricaTitulação Potenciométrica
Titulação PotenciométricaPriscila Siqueira
 
Relatorio - cromatografia liquida - Métodos Instrumentais
Relatorio -  cromatografia liquida -  Métodos Instrumentais Relatorio -  cromatografia liquida -  Métodos Instrumentais
Relatorio - cromatografia liquida - Métodos Instrumentais Juliana Teófilo
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDOEzequias Guimaraes
 
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...AlaydeSimedo
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioGabriela Begalli
 
Acidez do leite
Acidez do leiteAcidez do leite
Acidez do leitefcanico
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Ivys Antônio
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaMario Monteiro
 
Padronização naoh e h cl
Padronização naoh e h clPadronização naoh e h cl
Padronização naoh e h clLeandra Alencar
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃOEzequias Guimaraes
 

Mais procurados (20)

Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
 
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaRelatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
 
Texto nº 3 Volumetria de Neutralização
Texto nº 3   Volumetria de NeutralizaçãoTexto nº 3   Volumetria de Neutralização
Texto nº 3 Volumetria de Neutralização
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
 
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.
 
Titulação potenciométrica
Titulação potenciométricaTitulação potenciométrica
Titulação potenciométrica
 
76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...
76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...
76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...
 
Titulação Potenciométrica
Titulação PotenciométricaTitulação Potenciométrica
Titulação Potenciométrica
 
Relatorio - cromatografia liquida - Métodos Instrumentais
Relatorio -  cromatografia liquida -  Métodos Instrumentais Relatorio -  cromatografia liquida -  Métodos Instrumentais
Relatorio - cromatografia liquida - Métodos Instrumentais
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 
Extracao acido-base
Extracao acido-baseExtracao acido-base
Extracao acido-base
 
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
 
Acidez do leite
Acidez do leiteAcidez do leite
Acidez do leite
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
 
Padronização naoh e h cl
Padronização naoh e h clPadronização naoh e h cl
Padronização naoh e h cl
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
 

Semelhante a Q. orgânica 2 preparação do corante alaranjado de metila

Semelhante a Q. orgânica 2 preparação do corante alaranjado de metila (15)

Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólicaRelatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
 
Materiais e reagente
Materiais e reagenteMateriais e reagente
Materiais e reagente
 
Cap8
Cap8Cap8
Cap8
 
Acidez e tampão
Acidez e tampãoAcidez e tampão
Acidez e tampão
 
7- sintese de dibenzilidenoacetona.pptx
7- sintese de dibenzilidenoacetona.pptx7- sintese de dibenzilidenoacetona.pptx
7- sintese de dibenzilidenoacetona.pptx
 
Ap1
Ap1Ap1
Ap1
 
Reagentes
ReagentesReagentes
Reagentes
 
Cap26
Cap26Cap26
Cap26
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Cap10
Cap10Cap10
Cap10
 
23286746 experiencias-de-fisico-quimica
23286746 experiencias-de-fisico-quimica23286746 experiencias-de-fisico-quimica
23286746 experiencias-de-fisico-quimica
 
Actividades[1]
Actividades[1]Actividades[1]
Actividades[1]
 
Actividades[1]
Actividades[1]Actividades[1]
Actividades[1]
 
Relatório experimental iorgânica2
Relatório experimental iorgânica2Relatório experimental iorgânica2
Relatório experimental iorgânica2
 

Último

1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...excellenceeducaciona
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdfPlanejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdfJanielleCristina1
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdfPlanejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 

Q. orgânica 2 preparação do corante alaranjado de metila

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA DE QUÍMICA ORGÂNICA 2 Preparação do Corante Alaranjado de Metila Eliana Dias dos Santos Igor Oliveira de Mello Naizillah de Oliveira Albuquerque Paula Carolina Peruch SÃO MATEUS - ES 2014
  • 2. Eliana Dias dos Santos Igor Oliveira de Mello Naizillah de Oliveira Albuquerque Paula Carolina Peruch RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA DE QUÍMICA ORGÂNICA 2 Preparação do Corante Alaranjado de Metila SÃO MATEUS - ES 2014 Relatório de aula prática apresentado como pré-requisito para avaliação da disciplina de Química Orgânica 2, sob supervisão da Professora Leila Aley Tavares.
  • 4. 4 1. OBJETIVOS O objetivo deste trabalho é obter o corante Alaranjado de Metila, que é um corante sintético usado em roupas, alimentos e pigmentos de pinturas e impressões. 2. INTRODUÇÃO Desde os primórdios da civilização, o homem faz uso de pigmentos naturais. Pinturas e desenhos encontrados em cavernas podem ter mais de 4000 anos. Os Egípcios utilizavam de substâncias coloridas extraídas da natureza como maquiagem e para decoração do interior de seus palácios. O homem, buscando de novas cores e meios mais fáceis de consegui-las, desenvolveu os corantes sintéticos. O primeiro homem a sintetizar um corante foi William Henry Perkin, químico inglês. O mais corante mais utilizado pela indústria atual é o Índigo, ele que dá a cor característica do jeans que utilizamos. 3. MATERIAIS E REAGENTES  Balança analítica;  Água destilada;  Carbonato de sódio anidro;  Ácido sulfanílico;  Nitrito de sódio;  Ácido clorídrico;  N,n-dimetilanilina;  Ácido acético glacial;  Hidróxido de sódio;  Cloreto de sódio;  Ácido acético 5%;  Bicarbonato;
  • 5. 5  Papel de tornassol;  Espátula;  Erlenmeyer;  Provetas;  Banho de gelo;  Bastão de vidro;  Pipeta de 10 ml;  Pêra para pipeta;  Pipeta pasteur;  Pisseta;  Béqueres;  Manta aquecedora;  Termômetro;  Funil de büchner de porcelana;  Kitassato;  Papel filtro;  Papel de tornassol;  Cronômetro;  Bomba para filtração a vácuo;  Placa de Petri; 4. METODOLOGIA 4.1 Diazotização do Ácido Sulfanílico Em um erlenmeyer de 125 mL foi dissolvido 0,3 g de carbonato de sódio em 25 mL de água. Adicionou-se 1,0 g de ácido sulfanílico a solução que foi aquecida em banho-maria até que se completou a dissolução do material. A solução foi deixada até que atingisse a temperatura ambiente e se adicionou 0,4 g de nitrito de sódio, agitando a mistura até a completa dissolução. A solução foi resfriada em banho de gelo por 5-10 minutos, até que a temperatura ficasse abaixo de 10ºC. Em seguida, se adicionaram 1,25 mL de ácido clorídrico, mantendo uma agitação manual. O sal de diazônio do ácido sulfanílico separou-se como um precipitado branco finamente dividido. A suspensão foi deixada em banho de gelo até ser utilizada.
  • 6. 6 4.2 Preparação do Alaranjado de Metila Em um béquer de 50 mL foram adicionado 0,7 mL de N,N-dimetilanilina e 0,5 mL de ácido acético glacial. Com a ajuda de uma pipeta Pasteur, foi adicionado à solução a suspensão resfriada do ácido sulfanílico diazotizado preparado previamente. A mistura foi agitada vigorosamente com um bastão de vidro. Em poucos minutos um precipitado vermelho devia se formar. A mistura foi mantida resfriada em banho de gelo por cerca de 10 minutos. Foram adicionados 8,5 mL de hidróxido de sódio 10% de modo lento e com agitação, enquanto a mistura era mantida resfriada em banho de gelo. Foi verificado se a mistura estava básica, com auxilio de um papel de tornassol. Foi adicionado mais 1,0 mL de base para que a mistura se tornasse básica. A solução foi levada a ebulição por 10-15 minutos, para dissolver a maioria do alaranjado de metila recém- formado. Em seguida, 2,5 g de cloreto de sódio foram adicionados e a mistura foi deixada para atingir a temperatura ambiente. A cristalização do produto foi induzida por resfriamento da mistura reacional e os sólidos formados foram recolhidos por filtração em funil de Buchner. 4.3 Recristalização O precipitado foi transferido juntamente com o papel filtro para um béquer de 125 mL, contendo cerca de 75 mL de água em ebulição. A mistura foi mantida em ebulição branda por alguns minutos com agitação constante. Nem todo o corante se dissolveu, mas os sais contaminantes foram dissolvidos. O papel filtro foi removido e a mistura deixada par atingir a temperatura ambiente e em seguida foi resfriada em banho de gelo. Após o resfriamento, foi filtrada a vácuo e lavada com uma porção de água gelada. O produto foi seco, pesado e calculou-se o rendimento. 4.4 Teste com indicador de pH Em um tubo de ensaio foi dissolvido uma pequena quantidade de alaranjado de metila em água. Alternadamente, foram adicionados algumas gotas de uma solução de HCl diluído, de NaOH diluído, Bicarbonato 0,1N e Ácido Acético 5%, observando
  • 7. 7 a mudança de cor no ponto de viragem, onde pH = 3,1 apresenta coloração vermelha e pH = 4,4 solução amarela. 5. RESULTADOS E DISCUSSÃO A obtenção de um corante azo conhecido como alaranjado de metila, que é também um indicador ácido-base, se dá a partir de ácido sulfanílico e de N,N-dimetilanilina, de acordo com o esquema simplificado abaixo: Em um erlenmeyer de 125 mL foi dissolvido 0,3 g de carbonato de sódio em 25 mL de água. Adicionou-se 1,0 g de ácido sulfanílico a solução que foi aquecida em banho-maria até que se completou a dissolução do material. A solução foi deixada até que atingisse a temperatura ambiente e se adicionou 0,4 g de nitrito de sódio, agitando a mistura até a completa dissolução. A solução foi resfriada em banho de gelo por 5-10 minutos, até que a temperatura ficasse abaixo de 10ºC. Em seguida, se adicionaram 1,25 mL de ácido clorídrico, mantendo uma agitação manual. O sal de diazônio do ácido sulfanílico separou-se como um precipitado branco finamente dividido. A suspensão foi deixada em banho de gelo até ser utilizada. O ácido sulfanílico é insolúvel em solução ácida, por isso deve-se dissolvê-lo em numa solução básica de carbonato de sódio, para que possa ocorrer a diazotização. A adição de ácido clorídrico à baixa temperatura objetivou acidificar a solução para a formação de ácido nitroso. Então, o ácido sulfanílico precipita como um sólido finamente dividido, que é rapidamente diazotizado.
  • 8. 8 Em um béquer de 50 mL foram adicionado 0,7 mL de N,N-dimetilanilina e 0,5 mL de ácido acético glacial a fim de manter a reação ácida e realizar o acoplamento da anilina e o ácido sulfanílico. Com a ajuda de uma pipeta Pasteur, foi adicionado à solução a suspensão resfriada do ácido sulfanílico diazotizado preparado previamente. A mistura foi agitada vigorosamente com um bastão de vidro. Em poucos minutos um precipitado vermelho devia se formar. A mistura foi mantida resfriada em banho de gelo por cerca de 10 minutos. Foram adicionados 8,5 mL de hidróxido de sódio 10% de modo lento e com agitação, enquanto a mistura era mantida resfriada em banho de gelo. Foi verificado se a mistura estava básica, com auxilio de um papel de tornassol. Foi adicionado mais 1,0 mL de base para que a mistura se tornasse básica. Nas reações de acoplamento o controle de pH do meio é fundamental. O reagente eletrofílico é o íon diazônio, ArN2 + . Quando o íon hidróxido está presente, o íon diazônio encontra-se em equilíbrio com um composto não ionizado, o diazo-hidróxido ou ácido diazóico, Ar-N=N-OH e, com sais, diazoatos (Ar-N=N-O- Na+ ) dele derivados. Assim, conclui-se que, pelo que toca ao agente eletrofílico, a reação de acoplamento é favorecida por um meio com baixa concentração de íon hidróxido, ou seja, sob pH ligeiramente ácido. Entretanto, duas situações podem ocorrer. Quando o agente de acoplamento é um fenol, soluções ácidas retardam a reação, pois deslocam o equilíbrio ácido para a
  • 9. 9 direita. O íon fenóxido reage muito mais rapidamente que o fenol. Em meio ácido, a amina transforma-se no íon respectivo que, devido à carga positiva sobre o nitrogênio, é relativamente pouco reativo para substituição aromática eletrofílica. Assim, quanto maior for a concentração de íons hidrogênio, maior será a proporção de amina que se encontra protonada e menor será a velocidade da reação de acoplamento. Assim, reações que envolvem acoplamento de aminas devem constituir um meio- termo. A solução não deve ser demasiadamente alcalina de modo que a concentração do íon diazônio seja baixa, nem tão ácida de tal forma que a concentração de amina livre seja demasiadamente pequena. Verifica-se, na prática, que a reação de acoplamento se produz com maior eficiência em soluções moderadamente ácidas, no caso de aminas, e em soluções moderadamente alcalinas, no caso dos fenóis. Então, adicionou-se um ácido fraco, o ácido acético, ao meio para manter o pH da solução em torno de 4 e deslocar o equilíbrio da primeira etapa elementar para a esquerda. A solução foi levada a ebulição por 10-15 minutos, para dissolver a maioria do alaranjado de metila recém-formado. Em seguida, 2,5 g de cloreto de sódio foram adicionados e a mistura foi deixada para atingir a temperatura ambiente. A cristalização do produto foi induzida por resfriamento da mistura reacional e os sólidos formados foram recolhidos por filtração em funil de Buchner. O precipitado foi transferido juntamente com o papel filtro para um béquer de 125 mL, contendo cerca de 75 mL de água em ebulição. A mistura foi mantida em ebulição branda por alguns minutos com agitação constante. Nem todo o corante se
  • 10. 10 dissolveu, mas os sais contaminantes foram dissolvidos. O papel filtro foi removido e a mistura deixada par atingir a temperatura ambiente e em seguida foi resfriada em banho de gelo. Após o resfriamento, foi filtrada a vácuo e lavada com uma porção de água gelada. O produto foi seco, pesado e calculou-se o rendimento: • Peso do papel filtro = 1,0677g • Peso da amostra = 2,2533g • Peso do alaranjado de metila = peso da amostra – peso do papel filtro • Peso do alaranjado de metila = 1,1856g • N,N-dimetilanilina: C8H11N massa molar: 121,19 g.mol-1 ; densidade: 0,956 g.cm-3 • Alaranjado de metila: C14H14N3NaO3S massa molar: 327,33 g.mol-1 D = M / V e, portanto: M = D X V. C8H11N → m = 0,956 g.cm-3 x 0,7 mL = 0,6713 g utilizados Rendimento teórico: 121,19 g.mol-1 de C8H11N ------------ 327,33 g.mol-1 C14H14N3NaO3S 0,6713 g de C8H11N ------------ x g de C14H14N3NaO3S X = 1,813 g de C14H14N3NaO3S (teórico) Para cálculo consideramos: % do produto = m (experimental)/ m (teórica) X 100 % do produto = 1,1856g / 1,813 g X 100 % do produto = 65,39% Para finalizar a prática, em um tubo de ensaio foi dissolvida uma pequena quantidade de alaranjado de metila em água. Alternadamente, foram adicionados algumas gotas de uma solução de HCl diluído, de NaOH diluído, Bicarbonato 0,1N e
  • 11. 11 Ácido Acético 5%, observando a mudança de cor no ponto de viragem, onde em pH = 3,1 o alaranjado de metila é protonado para formar um íon dipolar de coloração vermelha e em pH = 4,4 o alaranjado de metila existe como um íon negativo que fornece a coloração amarela à solução.
  • 12. 12 6. CONCLUSÃO Mesmo com alguns os problemas obtidos durante a síntese, ainda assim foi possível preparar o corante. Foi feita a purificação do produto através da técnica de recristalização, porém ainda permaneceram impurezas visíveis. Realizado o teste que pH que qualifica o alaranjado de metila como um bom indicador ácido-base a substância obtida apresentou as características esperadas com as coloração conforme descritas na literatura. Com os dados iniciais, calculou-se o rendimento do alaranjado de metila obtido e constatou-se que foi obtido um bom rendimento do corante. Com base no que foi comprovado nessa prática, esse método se demonstrou eficaz para preparação do corante alaranjado de metila.
  • 13. 13 7. REFERÊNCIAS A.I. Vogel, “Vogel’s Textbook of Practical Organic Chemistry”, 5th Edition, Longman Scientific and Technical, 1989, London, UK, p. 951. SOLOMONS,T.W G., Química Orgânica. Volume 2. 10ª edição. Rio de Janeiro: LTC, 2013.