Hipertensao Arterial - NASF/APAH

2.069 visualizações

Publicada em

saiba o que é a hipertensão arterial e seu tratamento

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.069
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
126
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hipertensao Arterial - NASF/APAH

  1. 1. O TAMANHO DO PROBLEMA
  2. 2. Quantos hipertensos existem no Brasil?  Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) • 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmHg • 30 milhões se considerar cifras entre 140-159 e/ou 90-94 mmHg • 15 milhões nem sabem que são hipertensos UFRGS- A. Achuti.
  3. 3. Qual o custo social da hipertensão?Óbitos: 929.023 (Brasil- 1998) Doenças Cardiovasculares : 256.333 (32,43%) • Hipertensão: 20.875 ( 8,14% das DCV) • Doença cérebro vascular: 81.632 (32,56% das DCV) • 80% HA: 66.772 • Doença isquêmica do coração:75.745 (29,55% das DCV) • 40% HA: 30.298Hipertensão Arterial: Total 117.945 (46,01% dasA.DCV) UFRGS- Achuti.
  4. 4. Qual o custo social da hipertensão? INTERNAÇÕES (SUS) → 07/ 2000 - 06/ 2001 Todas as causas: 11.800.155 Doenças Cardiovasculares : 1.143.955 (9,69%) • Hipertensão: 171.009 ( 14,95% das DCV) • Doença cérebro vascular: 157.052 (13,72% das DCV) • 80% HA: 125.642 • Doença isquêmica do coração: 155.718 (13,61% das DCV) • 40% HA: 62.287 Hipertensão Arterial: Total 358.938 (31,37% das DCV) UFRGS - A. Achuti.
  5. 5. O QUE ÉHIPERTENSÃO ARTERIAL OU PRESSÃO ALTA?
  6. 6. H i p e r te n s ã o A r te r i a l o u P r e s s ã o A lt a é q u a n d o a p re s s ã o q u e o s a n g u e fa z n a p a r e d e d a s a r t é r i a s , p a r a e le s e m o v i m e n t a r, é m u i t o fo r te , fi c a n d o a c i m a d o s li m i t e s n o r m a i s . E x p li c a r e i : M IN IS T É R IO D A S A Ú D EC o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  7. 7. O s a n g u e c i r c u la p e lo c o r p oh u m a n o g r a ç a s a o e fe i toi m p u ls o r d o c o r a ç ã o . . . . . . Q u e a tu a c o m o s e fo s s e u m a b o m b a . M IN IS T É R IO D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  8. 8. O coração trabalha em dois tempos Q u a n d o s e d il a t a Qu an d o s e c o n t r ai (d iá s t o l e ) (s ís t o l e )e n c h e -s e d e s a n g u e expuls a o s an gue DIÁSTOLE SÍSTOLEG r a ç a s a e s s e s m o v im e n t o s d e c o n t r a ç ã o e d il a t a ç ã o o s a n g u e c ir c u l a p e r m a n e n t e m e n t e p e l o s v a s o s s a n g ü ín e o s (a r t é r ia s e v e ia s ).
  9. 9. A p r e s s ã o a rte r i a l é a p r e s s ã o q u e o s a n g u e e x e r c en a p a r e d e d a s a r t é r i a s . E é m e d i d a e m m i lí m e t r o sd e m e rc ú rio .A o s e m e d i r e s ta p r e s s ã os e d e te r m i n a m d u a s p r e s s õ e s : Q u a n d o o c o ra ç ã o s e c o n tr a i te m o s u m a M Á X IM A p re s s ã o m á x im a ( s i s t ó li c a ) M ÍN IM A Q u a n d o e le s e d i la t a te m o s u m a p r e s s ã o m ín im a ( d i a s t ó li c a ) M IN IS T É R IO D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  10. 10. EXISTEUM NÚMERO MÁGICO?
  11. 11. Segundo as V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial paraadultos considera-se pressões normais abaixo de 130 mmHg para pressão máxima e abaixo de 85 mmHg para mínima Os níveis pressóricos considerados ÓTIMOS são 120/80 mmHg
  12. 12. QUAL A CAUSA DAHIPERTENSÃO ARTERIAL OU PRESSÃO ALTA?
  13. 13. N a m a io r ia d a s v e z e s n ã o c o n s e g u im o s s a b e r c o m p r e c is ã oa c a u s a d a h ip e r t e n s ã o a r t e r ia l , m a s s a b e m o s q u e m u it o s f a t o r e s t a n t o n o s m o d if ic á v e is c o m o o s ão m o d if ic á v e p o d e m s e r is ig u a l m e n t e r e s p o n s á v e is .
  14. 14. FATORES NÃO MODIFICÁVEIS H E R E D IT AR IE D AD E ID AD E R A ÇAu m a s p e s s o a s h e r d a m a p r e d is p o seiç ã o l h e c im e n t o A h ip e r t e n s ã o é O nve p e r t e n s ã o a r t e r ia l , q u e p o d e a u m e n t a o r is c o d a a is c o m u m e m mr e s e n t a r -s e e m v á r io s m e m b r o s ip e r t e n s ã o a r t e r ia l s s o a s d a r a ç a h ped e u m a f a m íl ia . em am bo s o s s exo s . negra
  15. 15. FATORES MODIFICÁVEIS OBESIDADE É u m f a t o r d e r is c o p a r a h ip e r t e n s ã o a r t e r ia l
  16. 16. FATORES MODIFICÁVEIS
  17. 17. FATORES MODIFICÁVEIS
  18. 18. FATORES MODIFICÁVEIS ES TRES S E Ex c e s s o d e t r a b a l h o , a n g ú s t ia , p r e o c u p a ç õ e s e a n s ie d a d e , p o d e m s e r r e s p o n s á v e is p e l a elevação d a p r e s s ã o a r t e r ia l .
  19. 19. M IN IS T É R IO D A S A Ú D EC o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  20. 20. D o r e s d e c a b e ç a , h e m o r r a g i a n a s a l, c a n s a ç o e x c e s s i v o , p o d e m s e r a lg u n s . Q u a n t o à s c o n s e q u ê n c i a s a lg u m a s p o d e m s e r b a s ta n te g r a v e s ta i s c o m o : M IN IS T É R IO D A S A Ú D EC o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  21. 21. Por que é importante fazero diagnóstico precoce e otratamento adequado dahipertensão arterial oupressão alta?
  22. 22. CONSEQUÊNCIAS DA PRESSÃO ALTA Derrame D im in u iç ã o Ce r e b r a l d a v is ã o po r les ões n a r e t in a Des gas te acelerad o n o co ração po r Do en ças n o Co r açã o (in f a r t o , in s u f ic iê n c ia c a r d ía c a e a r r it m ia s ) Le s ã o D a n o s é r io n as n o s r in s a r t é r ia s
  23. 23. C O N SEQ U N C IA D A P R E S S Ã O A LTA “A u m e n to d a m a s s a m u s c u la r d o c o r a ç ã o . “ IS TO É R U IM ! M IN IS T É R IO D A S A Ú D EC o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  24. 24. C O N S E Q U N C IA D A P R E S S Ã O AL T A “Ar t é r ia e n t u p id a .“Ar t é r ia n o r m a l Ar t é r ia c o m atero s clero s e
  25. 25. C O N SEQ U N C IA D A P R E S S Ã O A LTA “ D a n o s é rio n o s rin s .“ M IN IS T É R IO D A S A Ú D EC o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  26. 26. C O N SEQ U N C IA D A P R E S S Ã O A LTA “A u m e n ta o r i s c o d e d e r r a m e “ M IN IS T É R IO D A S A Ú D EC o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  27. 27. C O N SEQ U N C IA D A P R E S S Ã O A LTA “ D im in u iç ã o d a v is ã o .“ M IN IS T É R IO D A S A Ú D EC o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  28. 28. Como tratar?
  29. 29. Bem, primeiro, para o indivíduo saber se éhipertenso, basta medir sua pressão arterial Após confirmado o aumento da pressão arterial: você é hipertenso. Vamos ao tratamento!
  30. 30. Como pode ser o tratamento? Não medicamentoso ou mudanças no estilo de vida Medicamentoso
  31. 31. S e n d o h ip e r t e n s o , E s s e etsrta t a m e n t eo ppoord e r á e n d e r -sc o m um tratamen to t o d a a v id a . a d e q u a d o , p o d e -s e No s c as o s em q u e o c o n tro lar a in d iv íd u o n ã o p o s s a c u r a r -s e . p r e s s ã o a r t e r ia ll e v a n d o o p a c ie n t e a t e r u m a v id a abs o lutamen te n o rmal.
  32. 32. S EGUN D O : R e d u z a a in g e s t ã oP R AC O M E ÇAR : Fu ja d o s a l . d e a l im e n t o s c o m m u it a s c a l o r ia s e d im in u a m o s a l im e n t o s r ic o s e m g o r d u r a a n im a l .
  33. 33. T E R C E IR O : Q U AR T O :P r e f ir a a l im e n t o s Re l a x e ! f r e s c o s .E q u e M u it a s p e s s o a sten h am po uco s al. conseguem co n tro lar s ua pres s ão apen as c o m a l im e n t a ç ã o a p r o p r ia d a .
  34. 34. P e r m it a -m e a g o r a , d e m o n s t r a r o q u es e r ia u m a d ie t a p a r a h ip e r t e n s ã o a r t e r ia l . AL IM E N T O S RECOMENDADOS -Fr u t a s f r e s c a s e s u c o s - Ve r d u r a s f r e s c a s - Av e s -Pe s c a d o s -Ca r n e s m a g r a s - C e r e a is
  35. 35. A L IM E N T O S N Ã O RECO M EN D A D O S - F r i tu r a s - C r e m e d e le i t e - M a io n e s e - F rio s - E m b u t i d o s ( s a ls i c h a , li n g u i ç a , p r e s u n t o , m o r t a d e la , s a la m e , c o p a , e tc . ) - Banha - E n la t a d o s M IN IS T É R IO D A S A Ú D EC o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  36. 36. D e v e - s e p a r a r t o t a lm e n t e d e u s a r b e b i d a a lc o ó li c a . M IN IS T É R IO D A S A Ú D EC o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  37. 37. N o te b e m , o s e x e r c íc i o s fís i c o s d e v e m s e r o r i e n t a d o s p e lo E x e r c í c i o s q u e e x i ja m g r a n d e s m é d i c o p a r a q u e n ã o s e ja m e s fo rç o s fís i c o s n ã o s ã o p r e ju d i c i a i s . re c o m e n d a d o s . M IN IS T É R IO D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  38. 38. P R AT IQ U E C a m in h a d a p e l o b a ir r o
  39. 39. P o r s i s ó , e le s n ã o d i m i n u e m a te n s ã o a r t e r i a l, m a sc o n tri b u e m p a r a re d u z i r o e xce sso d e p e so . C o n s e rv a r o b o m e s ta d o d o c o r a ç ã o e a r t é r i a s , a li v i a r o e s tr e s s e fa v o r e c e r o r e la x a m e n t o . M IN IS T É R IO D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  40. 40. P a r a f i n a li z a r, f a la r e m o s s o b r e N ã o v á to m a r r e m é d i o s o s m e d i c a m e n to s q u e d im in u e m q u e d e v e rã o s e r a p r e s s ã o a r te r i a li n d i c a d o s p e lo m é d i c o , p o r c o n ta p r ó p r i a , h é i n ? p o is c a d a c a s o é u m caso . M IN IS T É R IO D A S A Ú D EC o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  41. 41. Éf u n d a m e n t a l n o t r a t a m e n t o s e g u ir t o d a s a s o r ie n t a ç õ e s m é d ic a s e d e t o d a a e q u ip e d e s a ú d e e n v o l v id a c o m o tratamen to Não p e r d e r as c o n s u lt as agen d ad asN ã o in t e r r o m p e r o t r a t a m e n t o C o n s id e r a r s e m p r e o m é d ic o et o d o s o s in t e g r a n t e s d a e q u ip e d e s a ú d e , p e s s o a s a m ig a s e q u e es tão preo cupad as co m s ua s a ú d e e q u a l id a d e d e v id a .
  42. 42. F a t o r e s i m p o r t aa n t e s n a aa d ee s ã o m a o tr a ta m e n to1 ) R e la c io n a d o s a o m é d ico : R e la ç ã o m é d i c o - p a c i e n t e d i f í c i l 2 ) R e la c io n a d o s à s m e d id a s I m p o s i ç ã o d e e s q u e m a s te r a p ê u ti c o s h ig ie n o - d ie té tic a s : c o m p le x o s D i e ta h i p o s s ó d i c a R e d u ç ã o d o p e s o c o rp o ra l3 ) R e la c io n a d o s a o m e d ica m e n to : A p r á ti c a d i á r i a d e e x e r c íc i o A i m p o r t â n c i a d a t r a n q u i li d a d e N ú m e ro e x a g e ra d o d e m e d i c a m e n to s O u s o d i s c r e t o d o á lc o o l N ú m e ro e x a g e ra d o d e c o m p rim id o s N e c e s s i d a d e d e t r a t a m e n t o p r o lo n g a d o E x i s t ê n c i a d e e f e i t o s c o la t e r a i s P r e ç o e le v a d o d o m e d i c a m e n t o M IN IS T É R IO D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  43. 43. F a t o r e s i m p o r t aa n t e s n a aa d ee s ã o m a o tr a ta m e n to4 ) R e la c io n a d o s à d o e n ç a : A u s ê n c i a d e s i n to m a s n a s h i p e r- t e n s õ e s li m í t r o f e , le v e a m o d e r a d a 5 ) R e la c io n a d o s à in s titu iç ã o : A u s ê n c i a d e c o n s e q ü ê n c i a s a c u r to G r a n d e d i s tâ n c i a d o d o m i c í li o p ra z o L o n g o i n t e r v a lo e n t r e a s c o n s u lt a s M u d a n ç a fr e q ü e n te d e m é d ic o6 ) R e la c io n a d o s a o p a cie n te : E s p e r a s m u i t o p r o lo n g a d as B a i x o p a d r ã o c u lt u r a l e d e e d u c a ç ã o M a u a te n d i m e n to Ig n o râ n c ia s o b re a s c o n s e q ü ê n c ia s d a h i p e r te n s ã o A u s ê n c i a d e a p o i o f a m i li a r I m p r e s s ã o d e já e s t a r c u r a d o M IN IS T É R IO D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
  44. 44. LEMBRE-SE: HIPERTENSÃO ARTERIAL NÃO TEM CURA, MAS TEM CONTROLE ! NÃO ABANDONE O TRATAMENTO !
  45. 45. MUITO OBRIGADO ! Carlos Alberto Machado carlos.a.machado@uol.com.br www.apah.org.brEste material foi idealizado pela Equipe Multiprofissional da Liga de Hipertensão Arterial doBelém -SP e da Associação Paulista de Assistência ao Hipertenso(APAH) com patrocíniodos Laboratórios PFIZER

×