SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
TERMOS DA ORAÇÃO
1. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
1.1. SUJEITO
Sujeito é o termo da oração sobre o qual se afirma algo no predicado.
TIPOS DE SUJEITO
Simples
um núcleo
Implícito
sugerido pelo contexto
Tipos de
Determinado Composto
mais de um núcleo
Explícito
escrito na oração
Sujeito
Indeterminado
Inexistente
DETERMINADO INDETERMINADO INEXISTENTE
A terminação do verbo e o
contexto permitem reconhecer
que há um elemento ao qual o
predicado se refere e identificar
que(m) é esse elemento.
A terminação do verbo e o
contexto permitem reconhecer
que há um elemento ao qual o
predicado se refere. No entanto,
não se pode identificar que(m),
nem quantos são esse(s)
elemento(s).
Não há elemento ao qual o
predicado se refere.
Especialmente, tem-se orações
sem sujeito com verbos
onomatopaicos ou que indicam
fenômenos da natureza.
1.2. PREDICADO
Predicado é o termo que diz alguma coisa do sujeito. Será núcleo do predicado a
informação mais importante que ele tiver a respeito do sujeito. O predicado abrange tudo
que não for sujeito. Assim, para reconhecê-lo, basta identificar, primeiramente, o sujeito da
oração.
Ex: Contou-me isso o homem velho.
Sujeito: Quem contou? R: o homem velho
Predicado: O que não é sujeito. R: Contou-me isso
Colégio Pedro II - Unidade Tijuca II
Departamento de Língua Portuguesa
Coordenadora: Rosângela Abraão
Professores: Vanessa Gomes e Rosângela Abraão
TIPOS DE PREDICADO
Verbal Núcleo: verbo
Ex: O dia anterior passara muito rápido.
TIPOS DE
PREDICADO
Nominal Núcleo: nome (predicativo do sujeito)
Ex: O dia anterior tinha sido muito ruim.
Verbo-nominal Núcleos: verbo + nome (predicativo do
sujeito ou do objeto)
Ex: O meu pai considerou o livro chato.
O meu pai chegou cansado.
2. TERMOS INTERNOS DO SUJEITO E DO PREDICADO
2.1 TERMOS RELACIONADOS AO NOME
A) PREDICATIVO DO SUJEITO
Exprime, no predicado, qualidade ou estado do sujeito. Quando a frase vai para o
plural, o predicativo se flexiona conforma se flexiona o nome ao qual se refere.
Ex.: Eva parece doente. Eva participou da corrida doente.
B) ADJUNTO ADNOMINAL
Quanto ao significado, o adjunto adnominal pode exprimir:
 qualidade: As coisas inúteis são sempre descartadas.
 quantidade: Duas meninas entraram na sala.
 posse: Minha irmã é uma péssima cantora.
 especificação: Gosto muito da minha bolsa de couro.
Quanto à sua relação com o nome, o adjunto adnominal modifica exclusivamente
substantivos – pois essa função é desempenhada por numeral, adjetivo, locução adjetiva,
artigo e pronome – podendo vir ou não com preposição.
Quanto à sua posição dentro dos termos maiores, estará sempre relacionado ao núcleo
do termo em que estiver.
Os meus dois irmãos de Taubaté comem muitas calorias inúteis.
A cadeira de madeira foi quebrada.
A população do Rio está apavorada.
C) APOSTO
Função sintática que repete outra, vindo sempre após dela.
O aposto pode ser:
 EXPLICATIVO – Separado por vírgulas, explicará alguma coisa do nome a que se
refere, podendo ser substituído por ele, constituindo geralmente uma espécie de
alcunha.
Ex: Rio de Janeiro, a cidade maravilhosa, espera você.
Pode-se dizer Rio de Janeiro espera você ou A cidade maravilhosa espera você.
 DENOMINATIVO OU ESPECIFICATIVO – Dá nome a um substantivo,
especificando-o. Não vem acompanhado por vírgulas.
Ex: A cidade do Rio de Janeiro é muito bonita.
 ENUMERATIVO – Enumera itens, ampliando o que seria dito por um substantivo.
Ex: Ela tem dois defeitos: inveja e preguiça.
 RESUMITIVO – Resume itens de uma enumeração geralmente numa palavra (o verbo
concorda com o aposto)
Ex: Os móveis, a casa, o carro, tudo é meu.
2.2 TERMOS RELACIONADOS AO VERBO
A) OBJETO DIRETO
Quanto ao significado, o objeto direto expressa o paciente da ação verbal, numa
construção em que o verbo esteja na voz ativa.
Quanto à sua relação com o verbo, virá diretamente ligado a ele, sem o intermédio
obrigatório de uma preposição, podendo ser substituídos pelos pronomes pessoais oblíquos
átonos o(s), a(s).
O reconhecimento do objeto direto deve acontecer como resposta à pergunta
estruturada com o sujeito e o verbo seguido de quem ou que. Observe o esquema:
Sujeito + Verbo + Quem / O Quê?
Ex.: Cordialmente, fizemos a entrega dos prêmios.
P1: Nós fizemos o quê?
R: a entrega dos prêmios (O.D)
P2: É o paciente da ação de fazer?
R: Sim.
B) OBJETO INDIRETO
Quanto ao significado, o objeto indireto pode ser o paciente, o destinatário, o
beneficiário ou a pessoa prejudicada pela ação verbal, tanto em construções em que o verbo
está na voz ativa, como em construções em que ele está na voz passiva.
Quanto à sua relação com o verbo, liga-se a ele com o auxílio obrigatório de uma
preposição – que, retirada, torna a linguagem telegráfica – podendo ser substituído pelos
pronomes pessoais oblíquos lhe(s) ou tônicos ele(s), ela(s) – estes últimos acompanhados
de preposição.
O reconhecimento do objeto indireto deve acontecer como resposta à pergunta
estruturada com o sujeito e o verbo seguido da preposição do contexto e quem ou que.
Observe o esquema:
Sujeito + Verbo + (preposição)
Quem ou O Quê?
Ex: Cordialmente, agradecemos aos colaboradores
P1: Nós agradeceremos a quem?
R: aos colaboradores (O.I.)
P2: O termo significa para quem se destinou o ato de agradecer, em benefício ou prejuízo
de quem ele ocorreu? R: Sim.
C) ADJUNTO ADVERBIAL
Quanto ao significado, amplia o significado de um verbo, adjetivo ou outro
advérbio, indicando circunstâncias de tempo, lugar, modo, companhia, assunto.
Quanto à sua relação com o verbo, liga-se a ele com ou sem preposição.
Quanto à sua posição na frase, possui a flexibilidade de estar no começo, meio ou
fim da oração.
Seu reconhecimento acontece como resposta às perguntas COMO? ONDE?
AONDE? QUANDO? COM QUEM? SOBRE O QUÊ?
Observe: Naquela pequena cidade rural, há festa todo os meses.
P: Quando as há festa?
R: Todos os meses (adjunto adverbial de tempo)
P: Onde há festa?
R: Naquela pequena cidade rural (adjunto adverbial de lugar)
Os adjuntos adverbiais são classificados de acordo com a circunstância que
desempenham. São os seguintes os principais adjuntos adverbiais:
ADJUNTO ADVERBIAL DE
Ela viajou muito.  intensidade
de avião.  meio
para a África  lugar
ontem.  tempo
lentamente.  modo
provavelmente.  dúvida
realmente.  afirmação
por(de) teimosia.  causa
com o pai.  companhi
Ela falou sobre o amor.  assunto
com o microfone.  instrumento

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Predicado
PredicadoPredicado
Predicado
 
Sujeito e Predicado
Sujeito e PredicadoSujeito e Predicado
Sujeito e Predicado
 
Predicados e-termos-da-oracao1
Predicados e-termos-da-oracao1Predicados e-termos-da-oracao1
Predicados e-termos-da-oracao1
 
Predicado
PredicadoPredicado
Predicado
 
Sintaxe
SintaxeSintaxe
Sintaxe
 
Sujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividades
 
Predicado ppt
Predicado pptPredicado ppt
Predicado ppt
 
Análise sintática
Análise sintáticaAnálise sintática
Análise sintática
 
Revisão sintaxe
Revisão   sintaxeRevisão   sintaxe
Revisão sintaxe
 
Analise sintática
Analise sintáticaAnalise sintática
Analise sintática
 
Revisão 8º ano
Revisão 8º anoRevisão 8º ano
Revisão 8º ano
 
Aula de predicado verbal
Aula de predicado verbalAula de predicado verbal
Aula de predicado verbal
 
Sintaxe PortuguêS
Sintaxe   PortuguêSSintaxe   PortuguêS
Sintaxe PortuguêS
 
Transitividade verbal
Transitividade verbalTransitividade verbal
Transitividade verbal
 
Análise sintática
Análise sintáticaAnálise sintática
Análise sintática
 
Complementos verbais
Complementos verbaisComplementos verbais
Complementos verbais
 
Predicados e predicativos
Predicados e predicativosPredicados e predicativos
Predicados e predicativos
 
Termos da oração
Termos da oraçãoTermos da oração
Termos da oração
 
Complemento verbal
Complemento verbalComplemento verbal
Complemento verbal
 
Predicado
PredicadoPredicado
Predicado
 

Semelhante a Termos da oração

SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPT
SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPTSUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPT
SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPTSecretariaMundeEduca
 
Termos relacionados a nomes
Termos relacionados a nomesTermos relacionados a nomes
Termos relacionados a nomesanaclaramaria
 
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxfraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxBruna Dantas
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Keu Oliveira
 
Cefet/Coltec Aula 10 Termos da Oração
Cefet/Coltec Aula 10  Termos da OraçãoCefet/Coltec Aula 10  Termos da Oração
Cefet/Coltec Aula 10 Termos da OraçãoProfFernandaBraga
 
Termos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracaoTermos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracaoSandra Paula
 
14ª lista de exercícios português
14ª lista de exercícios   português14ª lista de exercícios   português
14ª lista de exercícios portuguêsJosé M Lourenço
 
Termos essenciais da oração
Termos essenciais da oraçãoTermos essenciais da oração
Termos essenciais da oraçãoJoão Mendonça
 
Sintaxe de concordância
Sintaxe de concordânciaSintaxe de concordância
Sintaxe de concordânciaEwerton Alves
 
Sujeito e predicado
Sujeito e predicadoSujeito e predicado
Sujeito e predicadoricardo melo
 
Aula 3 - Frase, oração e período_Análise Sintática_Termos Essenciais.pptx
Aula 3 - Frase, oração e período_Análise Sintática_Termos Essenciais.pptxAula 3 - Frase, oração e período_Análise Sintática_Termos Essenciais.pptx
Aula 3 - Frase, oração e período_Análise Sintática_Termos Essenciais.pptxLili Lod
 
PORTUGUÊS - REVISÃO
PORTUGUÊS - REVISÃOPORTUGUÊS - REVISÃO
PORTUGUÊS - REVISÃOvxctorwa
 

Semelhante a Termos da oração (20)

SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPT
SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPTSUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPT
SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPT
 
Termos relacionados a nomes
Termos relacionados a nomesTermos relacionados a nomes
Termos relacionados a nomes
 
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxfraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
 
Cefet/Coltec Aula 10 Termos da Oração
Cefet/Coltec Aula 10  Termos da OraçãoCefet/Coltec Aula 10  Termos da Oração
Cefet/Coltec Aula 10 Termos da Oração
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
 
Termos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracaoTermos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracao
 
14ª lista de exercícios português
14ª lista de exercícios   português14ª lista de exercícios   português
14ª lista de exercícios português
 
Português 1
Português 1Português 1
Português 1
 
ANÁLISE SINTÁTICA.ppt
ANÁLISE SINTÁTICA.pptANÁLISE SINTÁTICA.ppt
ANÁLISE SINTÁTICA.ppt
 
653
653653
653
 
SINTAXE
SINTAXESINTAXE
SINTAXE
 
Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2
 
Termos essenciais da oração
Termos essenciais da oraçãoTermos essenciais da oração
Termos essenciais da oração
 
Sintaxe de concordância
Sintaxe de concordânciaSintaxe de concordância
Sintaxe de concordância
 
Tipos de predicados
Tipos de predicadosTipos de predicados
Tipos de predicados
 
Sujeito e predicado
Sujeito e predicadoSujeito e predicado
Sujeito e predicado
 
Aula 3 - Frase, oração e período_Análise Sintática_Termos Essenciais.pptx
Aula 3 - Frase, oração e período_Análise Sintática_Termos Essenciais.pptxAula 3 - Frase, oração e período_Análise Sintática_Termos Essenciais.pptx
Aula 3 - Frase, oração e período_Análise Sintática_Termos Essenciais.pptx
 
Tipos de predicado
Tipos de predicadoTipos de predicado
Tipos de predicado
 
PORTUGUÊS - REVISÃO
PORTUGUÊS - REVISÃOPORTUGUÊS - REVISÃO
PORTUGUÊS - REVISÃO
 

Mais de NAPNE

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoNAPNE
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoNAPNE
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoNAPNE
 
Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento culturalNAPNE
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoNAPNE
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasNAPNE
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTANAPNE
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUANAPNE
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)NAPNE
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - RealismoNAPNE
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosNAPNE
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - FísicaNAPNE
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanosNAPNE
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)NAPNE
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonNAPNE
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaNAPNE
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - PaisagensNAPNE
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - AtividadeNAPNE
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaNAPNE
 
Apostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaApostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaNAPNE
 

Mais de NAPNE (20)

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - Naturalismo
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - Resumo
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - Resumo
 
Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento cultural
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTA
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUA
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - Física
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanos
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-História
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - Paisagens
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - Atividade
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e Cultura
 
Apostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaApostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e Roma
 

Último

TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 

Último (20)

TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 

Termos da oração

  • 1. TERMOS DA ORAÇÃO 1. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO 1.1. SUJEITO Sujeito é o termo da oração sobre o qual se afirma algo no predicado. TIPOS DE SUJEITO Simples um núcleo Implícito sugerido pelo contexto Tipos de Determinado Composto mais de um núcleo Explícito escrito na oração Sujeito Indeterminado Inexistente DETERMINADO INDETERMINADO INEXISTENTE A terminação do verbo e o contexto permitem reconhecer que há um elemento ao qual o predicado se refere e identificar que(m) é esse elemento. A terminação do verbo e o contexto permitem reconhecer que há um elemento ao qual o predicado se refere. No entanto, não se pode identificar que(m), nem quantos são esse(s) elemento(s). Não há elemento ao qual o predicado se refere. Especialmente, tem-se orações sem sujeito com verbos onomatopaicos ou que indicam fenômenos da natureza. 1.2. PREDICADO Predicado é o termo que diz alguma coisa do sujeito. Será núcleo do predicado a informação mais importante que ele tiver a respeito do sujeito. O predicado abrange tudo que não for sujeito. Assim, para reconhecê-lo, basta identificar, primeiramente, o sujeito da oração. Ex: Contou-me isso o homem velho. Sujeito: Quem contou? R: o homem velho Predicado: O que não é sujeito. R: Contou-me isso Colégio Pedro II - Unidade Tijuca II Departamento de Língua Portuguesa Coordenadora: Rosângela Abraão Professores: Vanessa Gomes e Rosângela Abraão
  • 2. TIPOS DE PREDICADO Verbal Núcleo: verbo Ex: O dia anterior passara muito rápido. TIPOS DE PREDICADO Nominal Núcleo: nome (predicativo do sujeito) Ex: O dia anterior tinha sido muito ruim. Verbo-nominal Núcleos: verbo + nome (predicativo do sujeito ou do objeto) Ex: O meu pai considerou o livro chato. O meu pai chegou cansado. 2. TERMOS INTERNOS DO SUJEITO E DO PREDICADO 2.1 TERMOS RELACIONADOS AO NOME A) PREDICATIVO DO SUJEITO Exprime, no predicado, qualidade ou estado do sujeito. Quando a frase vai para o plural, o predicativo se flexiona conforma se flexiona o nome ao qual se refere. Ex.: Eva parece doente. Eva participou da corrida doente. B) ADJUNTO ADNOMINAL Quanto ao significado, o adjunto adnominal pode exprimir:  qualidade: As coisas inúteis são sempre descartadas.  quantidade: Duas meninas entraram na sala.  posse: Minha irmã é uma péssima cantora.  especificação: Gosto muito da minha bolsa de couro. Quanto à sua relação com o nome, o adjunto adnominal modifica exclusivamente substantivos – pois essa função é desempenhada por numeral, adjetivo, locução adjetiva, artigo e pronome – podendo vir ou não com preposição. Quanto à sua posição dentro dos termos maiores, estará sempre relacionado ao núcleo do termo em que estiver. Os meus dois irmãos de Taubaté comem muitas calorias inúteis. A cadeira de madeira foi quebrada. A população do Rio está apavorada. C) APOSTO Função sintática que repete outra, vindo sempre após dela. O aposto pode ser:  EXPLICATIVO – Separado por vírgulas, explicará alguma coisa do nome a que se refere, podendo ser substituído por ele, constituindo geralmente uma espécie de alcunha. Ex: Rio de Janeiro, a cidade maravilhosa, espera você.
  • 3. Pode-se dizer Rio de Janeiro espera você ou A cidade maravilhosa espera você.  DENOMINATIVO OU ESPECIFICATIVO – Dá nome a um substantivo, especificando-o. Não vem acompanhado por vírgulas. Ex: A cidade do Rio de Janeiro é muito bonita.  ENUMERATIVO – Enumera itens, ampliando o que seria dito por um substantivo. Ex: Ela tem dois defeitos: inveja e preguiça.  RESUMITIVO – Resume itens de uma enumeração geralmente numa palavra (o verbo concorda com o aposto) Ex: Os móveis, a casa, o carro, tudo é meu. 2.2 TERMOS RELACIONADOS AO VERBO A) OBJETO DIRETO Quanto ao significado, o objeto direto expressa o paciente da ação verbal, numa construção em que o verbo esteja na voz ativa. Quanto à sua relação com o verbo, virá diretamente ligado a ele, sem o intermédio obrigatório de uma preposição, podendo ser substituídos pelos pronomes pessoais oblíquos átonos o(s), a(s). O reconhecimento do objeto direto deve acontecer como resposta à pergunta estruturada com o sujeito e o verbo seguido de quem ou que. Observe o esquema: Sujeito + Verbo + Quem / O Quê? Ex.: Cordialmente, fizemos a entrega dos prêmios. P1: Nós fizemos o quê? R: a entrega dos prêmios (O.D) P2: É o paciente da ação de fazer? R: Sim. B) OBJETO INDIRETO Quanto ao significado, o objeto indireto pode ser o paciente, o destinatário, o beneficiário ou a pessoa prejudicada pela ação verbal, tanto em construções em que o verbo está na voz ativa, como em construções em que ele está na voz passiva. Quanto à sua relação com o verbo, liga-se a ele com o auxílio obrigatório de uma preposição – que, retirada, torna a linguagem telegráfica – podendo ser substituído pelos pronomes pessoais oblíquos lhe(s) ou tônicos ele(s), ela(s) – estes últimos acompanhados de preposição. O reconhecimento do objeto indireto deve acontecer como resposta à pergunta estruturada com o sujeito e o verbo seguido da preposição do contexto e quem ou que. Observe o esquema:
  • 4. Sujeito + Verbo + (preposição) Quem ou O Quê? Ex: Cordialmente, agradecemos aos colaboradores P1: Nós agradeceremos a quem? R: aos colaboradores (O.I.) P2: O termo significa para quem se destinou o ato de agradecer, em benefício ou prejuízo de quem ele ocorreu? R: Sim. C) ADJUNTO ADVERBIAL Quanto ao significado, amplia o significado de um verbo, adjetivo ou outro advérbio, indicando circunstâncias de tempo, lugar, modo, companhia, assunto. Quanto à sua relação com o verbo, liga-se a ele com ou sem preposição. Quanto à sua posição na frase, possui a flexibilidade de estar no começo, meio ou fim da oração. Seu reconhecimento acontece como resposta às perguntas COMO? ONDE? AONDE? QUANDO? COM QUEM? SOBRE O QUÊ? Observe: Naquela pequena cidade rural, há festa todo os meses. P: Quando as há festa? R: Todos os meses (adjunto adverbial de tempo) P: Onde há festa? R: Naquela pequena cidade rural (adjunto adverbial de lugar) Os adjuntos adverbiais são classificados de acordo com a circunstância que desempenham. São os seguintes os principais adjuntos adverbiais: ADJUNTO ADVERBIAL DE Ela viajou muito.  intensidade de avião.  meio para a África  lugar ontem.  tempo lentamente.  modo provavelmente.  dúvida realmente.  afirmação por(de) teimosia.  causa com o pai.  companhi Ela falou sobre o amor.  assunto com o microfone.  instrumento