SlideShare uma empresa Scribd logo
Desenvolvimento Pessoal Social

HIV/SIDA
UM VIRUS BEM PRESENTE NAS NOSSAS
VIDAS
SIDA
A SIDA é provocada pelo Vírus da
Imunodeficiência Humana (VIH), que penetra
no organismo por contacto com uma pessoa
infetada. A transmissão pode acontecer de três
formas: relações sexuais desprotegidas;
contacto com sangue infetado e de mãe para
filho, durante a gravidez, parto amamentação.
O VIH é um vírus bastante poderoso que, ao
entrar no organismo, dirige-se ao sistema
sanguíneo, onde começa de imediato a
replicar-se, atacando o sistema imunológico,
destruindo as células defensoras do organismo
e deixando a pessoa infetada (seropositiva),
mais debilitada e sensível a outras doenças, as
chamadas infeções oportunistas que são
provocadas por micróbios e que não afetam as
pessoas cujo sistema imunológico funciona
convenientemente. Provoca ainda
perturbações como a perda de peso, tumores
no cérebro e outros problemas de saúde que,
sem tratamento, podem levar à morte. Esta
síndrome manifesta-se e evolui de modo
diferente de pessoa para pessoa.

Cristiana Pinho

SINTOMAS
A fase aguda da infeção com VIH ocorre
uma a quatro semanas após o momento do
contágio. Algumas pessoas apresentam
sintomas semelhantes aos de uma gripe
como a febre, suores, dor de cabeça, de
estomago, nos músculos e nas articulações,
fadiga, dificuldades em engolir, gânglios
linfáticos inchados e um leve prurido.
Algumas pessoas também perdem peso e
outras, ocasionalmente, podem perder a
mobilidade dos braços e pernas, mas
recuperam passado pouco tempo. Todos
recuperam desta fase, em resposta à
reação do sistema imunológico. Os
seropositivos vivem, depois da fase aguda,
um período em que não apresentam
sintomas, embora o vírus esteja a
multiplicar-se no seu organismo o que pode
prolongar-se por diversos anos. É neste
período que se encontram, atualmente, 70
a 80 por cento dos infetados em todo o
mundo. Na fase sintomática da infeção
(mas ainda sem critérios de SIDA), o doente
começa a ter sintomas e sinais de doença,
indicativos da existência de uma depressão
do sistema imunológico. O doente pode
referir cansaço não habitual, perda de
peso, suores noturnos, falta de apetite,
diarreia, queda de cabelo, pele seca e
descamativa, entre outros sintomas.
Desenvolvimento Pessoal Social

Contagio
Através de sangue, sémen, fluidos vaginais e leite
materno dos seropositivos. É necessário haver uma
ferida ou um corte para penetrar no organismo. A forma
mais perigosa de transmissão é através de uma seringa
com sangue contaminado. A transmissão por via sexual
nas relações heterossexuais é mais comum do homem
para a mulher, do que o contrário, porque o sémen é
mais virulento do que as secreções vaginais ou esperma,
mesmo que não entrem no organismo, podem
facilmente contactar com pequenas feridas e cortes
existentes na vagina, ânus, pénis e boca. As relações
sexuais com mais riscos são as anais. O VIH pode
encontrar-se nas lágrimas, no suor e na saliva de uma
pessoa infetada, contudo, a quantidade de vírus é
demasiado pequena para conseguir transmitir a infeção.
Atualmente, a transmissão por transfusão de sangue ou
de produtos derivados do sangue apresenta poucos, uma
vez que são feitos testes a todos os dadores.

[Cite a sua fonte aqui.]

Comportamentos de Risco
 Toxicodependentes que se injetam e partilham
agulhas, seringas e outro material usado na
preparação da droga para injeção.
 Pessoas que não praticam sexo seguro, isto é, que
não usam preservativos e têm mais do que um
parceiro sexual.
 Profissionais de saúde - acidentes com contacto com
objetos cortantes contaminados (agulhas) ou com
sangue, ou outros líquidos orgânicos, contaminados.

Cristiana Pinho

Prevenção
Usar sempre preservativo nas
relações sexuais, não partilhar
agulhas, seringas, material
usado na preparação de drogas
injetáveis e objetos cortantes
(instrumentos
para
fazer
tatuagens e piercings, de
manicura). É, também, preciso
ter atenção à utilização de
objetos, uma vez que, se
estiverem em contacto com
sémen, fluidos vaginais e
sangue
infetado,
podem
transmitir o vírus.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
Aids - Prevenir é melhor do que remediar!Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
leliaklausner
 
Aids (hiv)
Aids (hiv)Aids (hiv)
Aids (hiv)
heloisa19
 
Vih Sida
Vih SidaVih Sida
Vih Sida
Alfredo Garcia
 
Slides aids
Slides aidsSlides aids
Slides aids
Michelle Cirilo
 
Folder cacaueiro2
Folder cacaueiro2Folder cacaueiro2
Folder cacaueiro2
Júlia Moreira
 
AIDS
AIDSAIDS
Trab sida
Trab sidaTrab sida
Sida - Trabalho Ciências
Sida - Trabalho CiênciasSida - Trabalho Ciências
Sida - Trabalho Ciências
Melissa Matos
 
AIDS - The Skeletons
AIDS - The SkeletonsAIDS - The Skeletons
AIDS - The Skeletons
Leandro Mota
 
HIV vs. AIDS
HIV vs. AIDSHIV vs. AIDS
HIV vs. AIDS
Letícia R. Maia
 
4 hiv sida
4 hiv sida4 hiv sida
Cartilha de DST
Cartilha de  DST Cartilha de  DST
Cartilha de DST
Rafaela Bragança
 
HIV"Sida"
HIV"Sida"HIV"Sida"
HIV"Sida"
Tiago Porto
 
Aids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone TavaresAids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone Tavares
Simone
 
AIDS em pt
AIDS em ptAIDS em pt
AIDS em pt
João Freitas
 
Sida - 9ºA (Carlos Marques, Marco Silva, Rui Matos)
Sida - 9ºA (Carlos Marques, Marco Silva, Rui Matos)Sida - 9ºA (Carlos Marques, Marco Silva, Rui Matos)
Sida - 9ºA (Carlos Marques, Marco Silva, Rui Matos)
cmatos2010
 
Apresentacao dst aids
Apresentacao dst aidsApresentacao dst aids
Apresentacao dst aids
AlessandraAndrade
 
A Sida
A SidaA Sida
A Sida
tecazeitao
 
Sida
SidaSida
Aids
AidsAids

Mais procurados (20)

Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
Aids - Prevenir é melhor do que remediar!Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
 
Aids (hiv)
Aids (hiv)Aids (hiv)
Aids (hiv)
 
Vih Sida
Vih SidaVih Sida
Vih Sida
 
Slides aids
Slides aidsSlides aids
Slides aids
 
Folder cacaueiro2
Folder cacaueiro2Folder cacaueiro2
Folder cacaueiro2
 
AIDS
AIDSAIDS
AIDS
 
Trab sida
Trab sidaTrab sida
Trab sida
 
Sida - Trabalho Ciências
Sida - Trabalho CiênciasSida - Trabalho Ciências
Sida - Trabalho Ciências
 
AIDS - The Skeletons
AIDS - The SkeletonsAIDS - The Skeletons
AIDS - The Skeletons
 
HIV vs. AIDS
HIV vs. AIDSHIV vs. AIDS
HIV vs. AIDS
 
4 hiv sida
4 hiv sida4 hiv sida
4 hiv sida
 
Cartilha de DST
Cartilha de  DST Cartilha de  DST
Cartilha de DST
 
HIV"Sida"
HIV"Sida"HIV"Sida"
HIV"Sida"
 
Aids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone TavaresAids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone Tavares
 
AIDS em pt
AIDS em ptAIDS em pt
AIDS em pt
 
Sida - 9ºA (Carlos Marques, Marco Silva, Rui Matos)
Sida - 9ºA (Carlos Marques, Marco Silva, Rui Matos)Sida - 9ºA (Carlos Marques, Marco Silva, Rui Matos)
Sida - 9ºA (Carlos Marques, Marco Silva, Rui Matos)
 
Apresentacao dst aids
Apresentacao dst aidsApresentacao dst aids
Apresentacao dst aids
 
A Sida
A SidaA Sida
A Sida
 
Sida
SidaSida
Sida
 
Aids
AidsAids
Aids
 

Destaque

Sida
SidaSida
Vivendo Rio
Vivendo RioVivendo Rio
Vivendo Rio
Pela Vidda - RJ
 
Relatorio onusida
Relatorio onusidaRelatorio onusida
Relatorio onusida
Cipriano Sanca
 
Direitos humanos e hiv aids avanços e perspectivas para o enfrentamento da ep...
Direitos humanos e hiv aids avanços e perspectivas para o enfrentamento da ep...Direitos humanos e hiv aids avanços e perspectivas para o enfrentamento da ep...
Direitos humanos e hiv aids avanços e perspectivas para o enfrentamento da ep...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Impacto da discriminaçao e preconceito no tratamento e recuperaçao dos portad...
Impacto da discriminaçao e preconceito no tratamento e recuperaçao dos portad...Impacto da discriminaçao e preconceito no tratamento e recuperaçao dos portad...
Impacto da discriminaçao e preconceito no tratamento e recuperaçao dos portad...
Fernandes Esandra
 
Inclusão social
Inclusão socialInclusão social
Inclusão social
peterson32
 
Solidariedade
SolidariedadeSolidariedade
Solidariedade
blog9e
 
Inclusão social
Inclusão socialInclusão social
Inclusão social
Vanessa
 

Destaque (8)

Sida
SidaSida
Sida
 
Vivendo Rio
Vivendo RioVivendo Rio
Vivendo Rio
 
Relatorio onusida
Relatorio onusidaRelatorio onusida
Relatorio onusida
 
Direitos humanos e hiv aids avanços e perspectivas para o enfrentamento da ep...
Direitos humanos e hiv aids avanços e perspectivas para o enfrentamento da ep...Direitos humanos e hiv aids avanços e perspectivas para o enfrentamento da ep...
Direitos humanos e hiv aids avanços e perspectivas para o enfrentamento da ep...
 
Impacto da discriminaçao e preconceito no tratamento e recuperaçao dos portad...
Impacto da discriminaçao e preconceito no tratamento e recuperaçao dos portad...Impacto da discriminaçao e preconceito no tratamento e recuperaçao dos portad...
Impacto da discriminaçao e preconceito no tratamento e recuperaçao dos portad...
 
Inclusão social
Inclusão socialInclusão social
Inclusão social
 
Solidariedade
SolidariedadeSolidariedade
Solidariedade
 
Inclusão social
Inclusão socialInclusão social
Inclusão social
 

Semelhante a HIV/SIDA

Hiv sida
Hiv sidaHiv sida
Hiv sida
Tiago Porto
 
Cristiana
CristianaCristiana
IST1
IST1IST1
Sida
SidaSida
Sida nascimento
Sida nascimentoSida nascimento
Sida nascimento
rosacristinapalma
 
Primeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VIPrimeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VI
emanueltstegeon
 
Hiv sida
Hiv sidaHiv sida
Hiv sida
JoanaPaiva16
 
HISTÓRIA DA MEDICINA HIV PORTUGUES ret.pdf
HISTÓRIA DA MEDICINA HIV PORTUGUES ret.pdfHISTÓRIA DA MEDICINA HIV PORTUGUES ret.pdf
HISTÓRIA DA MEDICINA HIV PORTUGUES ret.pdf
KariP4
 
Dia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sidaDia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sida
BIBFJ
 
Dia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sidaDia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sida
BIBFJ
 
sida
sidasida
HIV/SIDA
HIV/SIDAHIV/SIDA
HIV/SIDA
MultimediaA
 
Agrupamento vertical de escolas dr
Agrupamento vertical de escolas drAgrupamento vertical de escolas dr
Agrupamento vertical de escolas dr
mariadorosarioboalpontes
 
A SIDA
A SIDAA SIDA
A SIDA
Pedro Dias
 
Aids
AidsAids
O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DST
O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DSTO QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DST
Dia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sidaDia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sida
BIBFJ
 
Apresentação sida
Apresentação sida  Apresentação sida
Apresentação sida
bibliotecacorga
 
Sida
SidaSida
Sida
SidaSida

Semelhante a HIV/SIDA (20)

Hiv sida
Hiv sidaHiv sida
Hiv sida
 
Cristiana
CristianaCristiana
Cristiana
 
IST1
IST1IST1
IST1
 
Sida
SidaSida
Sida
 
Sida nascimento
Sida nascimentoSida nascimento
Sida nascimento
 
Primeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VIPrimeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VI
 
Hiv sida
Hiv sidaHiv sida
Hiv sida
 
HISTÓRIA DA MEDICINA HIV PORTUGUES ret.pdf
HISTÓRIA DA MEDICINA HIV PORTUGUES ret.pdfHISTÓRIA DA MEDICINA HIV PORTUGUES ret.pdf
HISTÓRIA DA MEDICINA HIV PORTUGUES ret.pdf
 
Dia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sidaDia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sida
 
Dia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sidaDia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sida
 
sida
sidasida
sida
 
HIV/SIDA
HIV/SIDAHIV/SIDA
HIV/SIDA
 
Agrupamento vertical de escolas dr
Agrupamento vertical de escolas drAgrupamento vertical de escolas dr
Agrupamento vertical de escolas dr
 
A SIDA
A SIDAA SIDA
A SIDA
 
Aids
AidsAids
Aids
 
O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DST
O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DSTO QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DST
O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DST
 
Dia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sidaDia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sida
 
Apresentação sida
Apresentação sida  Apresentação sida
Apresentação sida
 
Sida
SidaSida
Sida
 
Sida
SidaSida
Sida
 

HIV/SIDA

  • 1. Desenvolvimento Pessoal Social HIV/SIDA UM VIRUS BEM PRESENTE NAS NOSSAS VIDAS SIDA A SIDA é provocada pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH), que penetra no organismo por contacto com uma pessoa infetada. A transmissão pode acontecer de três formas: relações sexuais desprotegidas; contacto com sangue infetado e de mãe para filho, durante a gravidez, parto amamentação. O VIH é um vírus bastante poderoso que, ao entrar no organismo, dirige-se ao sistema sanguíneo, onde começa de imediato a replicar-se, atacando o sistema imunológico, destruindo as células defensoras do organismo e deixando a pessoa infetada (seropositiva), mais debilitada e sensível a outras doenças, as chamadas infeções oportunistas que são provocadas por micróbios e que não afetam as pessoas cujo sistema imunológico funciona convenientemente. Provoca ainda perturbações como a perda de peso, tumores no cérebro e outros problemas de saúde que, sem tratamento, podem levar à morte. Esta síndrome manifesta-se e evolui de modo diferente de pessoa para pessoa. Cristiana Pinho SINTOMAS A fase aguda da infeção com VIH ocorre uma a quatro semanas após o momento do contágio. Algumas pessoas apresentam sintomas semelhantes aos de uma gripe como a febre, suores, dor de cabeça, de estomago, nos músculos e nas articulações, fadiga, dificuldades em engolir, gânglios linfáticos inchados e um leve prurido. Algumas pessoas também perdem peso e outras, ocasionalmente, podem perder a mobilidade dos braços e pernas, mas recuperam passado pouco tempo. Todos recuperam desta fase, em resposta à reação do sistema imunológico. Os seropositivos vivem, depois da fase aguda, um período em que não apresentam sintomas, embora o vírus esteja a multiplicar-se no seu organismo o que pode prolongar-se por diversos anos. É neste período que se encontram, atualmente, 70 a 80 por cento dos infetados em todo o mundo. Na fase sintomática da infeção (mas ainda sem critérios de SIDA), o doente começa a ter sintomas e sinais de doença, indicativos da existência de uma depressão do sistema imunológico. O doente pode referir cansaço não habitual, perda de peso, suores noturnos, falta de apetite, diarreia, queda de cabelo, pele seca e descamativa, entre outros sintomas.
  • 2. Desenvolvimento Pessoal Social Contagio Através de sangue, sémen, fluidos vaginais e leite materno dos seropositivos. É necessário haver uma ferida ou um corte para penetrar no organismo. A forma mais perigosa de transmissão é através de uma seringa com sangue contaminado. A transmissão por via sexual nas relações heterossexuais é mais comum do homem para a mulher, do que o contrário, porque o sémen é mais virulento do que as secreções vaginais ou esperma, mesmo que não entrem no organismo, podem facilmente contactar com pequenas feridas e cortes existentes na vagina, ânus, pénis e boca. As relações sexuais com mais riscos são as anais. O VIH pode encontrar-se nas lágrimas, no suor e na saliva de uma pessoa infetada, contudo, a quantidade de vírus é demasiado pequena para conseguir transmitir a infeção. Atualmente, a transmissão por transfusão de sangue ou de produtos derivados do sangue apresenta poucos, uma vez que são feitos testes a todos os dadores. [Cite a sua fonte aqui.] Comportamentos de Risco  Toxicodependentes que se injetam e partilham agulhas, seringas e outro material usado na preparação da droga para injeção.  Pessoas que não praticam sexo seguro, isto é, que não usam preservativos e têm mais do que um parceiro sexual.  Profissionais de saúde - acidentes com contacto com objetos cortantes contaminados (agulhas) ou com sangue, ou outros líquidos orgânicos, contaminados. Cristiana Pinho Prevenção Usar sempre preservativo nas relações sexuais, não partilhar agulhas, seringas, material usado na preparação de drogas injetáveis e objetos cortantes (instrumentos para fazer tatuagens e piercings, de manicura). É, também, preciso ter atenção à utilização de objetos, uma vez que, se estiverem em contacto com sémen, fluidos vaginais e sangue infetado, podem transmitir o vírus.