SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
CANTANDO CANTO GREGORIANO Nota e Modo Tutorial Básico.
Cantando Canto Gregoriano O Canto Gregoriano é uma oração cantada em uníssono. Para cantar nós temos que controlar três coisas: nota, ritmo e expressão.  Para ajudar a controlar a nota, seria útil ter uma maneira de representar as notas e, graficamente, os momentos que as cantamos.  Para esse efeito: digamos que a linha acima representa uma nota .  Se nós queremos cantar “kyrie eleison” neste tom, nós podemos indicar as sílabas que queremos cantar colocando marcas no linha abaixo delas.
Cantando Canto Gregoriano Para indicar qualquer uma melodia mais elaborada, precisamos de uma forma de indicar uma variedade de notas, e de uma forma precisa .  Podemos começar a fazer isso usando ambas as linhas e os espaços acima e abaixo delas .  Para indicar uma nota  abaixo  do campo indicado pela linha, nós simplesmente desenhamos uma marca  abaixo da linha.
Cantando Canto Gregoriano A solução, claro, é adicionar mais linhas.  A coleção de linhas é chamada de  partitura .  Com uma partitura, nós podemos indicar uma maior variedade de notas.
Cantando Canto Gregoriano O que devemos fazer para especificar a exata diferença  entre  cada nota?
Cantando Canto Gregoriano Marcamos a nota DÓ na partitura, neste caso, indicado na 4ª linha, agora podemos cantá-la com confiança.  Sabemos que ele começa em RÉ Cante-a.
Cantando Canto Gregoriano Assim temos um FÁ. A localização dos meio tons evidentemente gera efeitos diferentes.
Cantando Canto Gregoriano Nós poderíamos mudar a clave de DÓ até a terceira linha, preservando, assim, quase o mesmo arranjo de tons e semitons, mas a clave de DÓ na terceira linha não é tão comum como uma clave para indicar FA, mostrado acima. Por quê usá-lo? Simplesmente uma questão de conveniência visual: cantos usando a clave de FÁ, muitas vezes ficam em torno de FÁ, tanto acima como abaixo dela.
Cantando Canto Gregoriano: Neumas No canto gregoriano, a sequência de notas são indicadas com marcas chamadas de  neumas . Mais de um neuma associado a uma dada sílaba é chamada de  melisma . Como você pode ver, neumas podem ter diferentes formas.
Cantando Canto Gregoriano: Punctum e Podatus A nota quadrada ou em forma de diamante é chamada de  punctum . Observe que alguns punctums estão ligados entre si por uma linha vertical.  Por exemplo, o terceiro neuma acima (chamado  Podatus ) combina duas notas, uma em cima da outra. A nota de baixo é sempre cantada primeiro. Os pontos adjacentes a alguns neumas acima são marcas rítmicas e expressivas,  não são notas. O mesmo vale para as pequenas linhas verticais abaixo de alguns neumas.
Cantando Canto Gregoriano: Distropha, etc. Punctums consecutivos na mesma altura (tom), colocados juntos, são chamados um bistropha (dois punctums) ou tristropha (três punctums). O número de punctums indica duração: dois indicam o dobro da duração de um, três indicam a duração três vezes, etc.
Cantando Canto Gregoriano: Torculus e Clivis Observe que há dois  punctums  para a direita, que também são ligados por linhas verticais (em vermelho), mas o punctums fundo são colocadas à direita do punctums superior.  Não há nenhum problema em cantar: você segue o costume de cantar as notas da esquerda para a direita.  Fraseado cuidadoso é muito importante para fazer soar o canto como uma parte integrada da música.
Cantando Canto Gregoriano: o Porrectus Um neuma que se parece com um Z de lado é chamado de  porrectus . Ele é composto de três notas: você deve cantar a primeira nota superior esquerda, em seguida a do canto inferior direito e depois a do canto superior direito. O  porrectus  abaixo mostra uma distância maior entre a segunda e terceira nota, mas é cantado na mesma ordem: esquerda,  abaixo, acima.
Cantando Canto Gregoriano: Liquescentes O neuma em vermelho é igual a um podatus o qual é composto de duas notas,  mas observe que a nota máxima é menor em tamanho. Isso é chamado de um  neuma liquescente . A menor nota é sempre cantada  após  a maior, mesmo se ela aparecer abaixo dela. Também é cantada mais suavemente.
Cantando Canto Gregoriano: o Quilisma A linha (nota) dentada em vermelho é chamada de  quilisma  e também denota um tom cantado. Neste exemplo, o Quilisma liga o  punctum  à sua esquerda com o  porrectus  à sua direita. Deve ser tratado como tendo menor duração do que a nota anterior, e que se move através dela de forma rápida e leve para a nota seguinte.
Cantando Canto Gregoriano: o Custos O que parece ser uma meia nota no fim de cada partitura (tetragrama) (acima, em vermelho) é chamada de  custos ou guião .  Ela não é cantada.  Em vez disso, seu objetivo é indicar a primeira nota da partitura seguinte. É uma nota de sinalização - uma cortesia para com os cantores.
Cantando Canto Gregoriano: O sinal de bemol A nota  b  oca acima não é uma nota em si, mas ela reduz meio tom da nota seguinte à metade do tempo. Isto é chamado de  bemol .
Cantando Canto Gregoriano Agora você pode ler este Kyrie, que é um trecho da Missa VIII (De Angelis) no Kyriale. Desde que DÓ é a segunda linha de cima, o canto começa em FÁ.  Um ponto sobre o ritmo: os pontos indicam que a duração da nota à esquerda deve ser alongada um pouco. Isso confere à frase como que o sentimento do canto e convida-nos a perceber a estrutura melódica e descanso.
Cantando Canto Gregoriano: I Modo, exemplo “ Senhor, perdoa o teu povo. Não fiques irado conosco para sempre.” (Joel 2:17).  Parte de uma ladainha cantada durante a Quaresma. Observe o uso acentuado do FÁ (a terceira menor sonoridade)  e LÁ (o tom recitativo).
Cantando Canto Gregoriano: I Modo, exemplo Um hino do século IX.  “Ave, estrela do mar, mãe de Deus, sempre virgem, feliz porta do céu.”  Observe que a nota mais alta do canto ressalta a palavra  stella (estrela).   Esta é a iluminação musical do texto, algo em que o canto sobressai.
Cantando Canto Gregoriano: Modo II, exemplo “ O Senhor me disse: Vocé é meu filho, hoje eu Te gerei.”  Antífona do Intróito da noite antes do Natal.
Cantando Canto Gregoriano: Modo III, exemplo Da Missa XVI no  Kyriale Romanum .  Observe como os centros de SI em torno da melodia e SOL (soando  maior ) antes de mergulhar misteriosamente até MI na frase final.
Cantando Canto Gregoriano: Modo III, exemplo O famoso canto  Tantum Ergo é parte de um outro famoso canto, Pange lingua gloriosi. O movimento de meio-tom através de MI deu à palavra final um senso de incompleto.
Cantando Canto Gregoriano:Modo III, exemplo “ Desde o nascer do sol no Oriente até às remotas fronteiras da terra, cantemos o Cristo Rei, nascido da Virgem Maria.”  Um bom exemplo da beleza do III Modo, de caráter contemplativo,  este hino é tradicionalmente usado durante as Laudes na manhã de Natal.
Cantando Canto Gregoriano:IV Modo, exemplo “ Vimos sua estrela no Oriente e viemos, com presentes, adorar o Senhor.”  Antífona da Comunhão na Epifania do Senhor.
Cantando Canto Gregoriano: Modo IV, exemplo Da Missa X,  Kyriale Romanum
Cantando Canto Gregoriano: Modo V exemplo “ Onde o amor é verdadeiro, Deus aí está.  Todos juntos congregados num só corpo: não sejamos separados pela mente.  Cessem lutas, cessem rixas, discussões, mas esteja em nosso meio Cristo Deus.”
Cantando Canto Gregoriano: Modo V exemplo O primeiro verso de uma famoso canto escrito por São Tomás de Aquino. “ Com devoção Te adoro, oculta divindade. Em verdade escondida sob estas figuras. A Ti meu coração todo confia, porque ao contemplar-Te cai e desfalece.”
Cantando Canto Gregoriano: V Modo: exemplo Este canto ilustra um fato curioso e útil sobre música. Observe que seu modo é indicado para ser V, mas o seu final está em DÓ. O que dá? Acontece que as melodias baseadas em um tom pode ser mudadas por completo e com base em outro campo - e ainda assim manter o seu padrão original de tons inteiros e meio tons. Isto é chamado de  transposição .
Cantando Canto Gregoriano: Modo V exemplo Aqui esta a melodia do “Salve Regina” que foi modificado de sua forma original, baseado em FÁ, para o novo, baseado em DÓ. Uma vez que o padrão de toda a melodia e as seus meio tons  permanece o mesmo, podemos dizer que a melodia foi transposta de FÁ para DÓ. O modo permanece o mesmo.
Cantando Canto Gregoriano: Modo V exemplo “ Salve, Rainha, Mãe de misericórdia, vida doçura e esperança nossa, salve. A vós bradamos, degredados filhos de Eva. A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas. Eia, pois, advogada nossa, estes vossos olhos a nós volvei  e depois deste desterro mostrai-nos o filho do vosso ventre, Jesus.  O clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria.”
Cantando Canto Gregoriano: Modo VI exemplo Um bom exemplo do VI Modo é este Alleluia familiar.
Cantando Canto Gregoriano:Modo VI, exemplo “ Minha alma engrandece ao Senhor e meu espírito exulta em Deus, meu Salvador.”
Cantando Canto Gregoriano:Modo VI, exemplo “ Louvai ao Senhor todas as pessoas, louvai-O juntos todos os povos.”
Cantando Canto Gregoriano: Modo VII, exemplo “ Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja.”
Cantando Canto Gregoriano: Modo VII, exemplo “ Aspergi-me com um hissope e ficarei puro. Lavai-me e me tornarei mais branco do que a neve. Tende piedade de mim Senhor, segundo a vossa bondade.” Pode ser cantado nos domingos da Páscoa no lugar do rito penitencial.
Cantando Canto Gregoriano: Modo VIII exemplo “ Ó, vinde, Espírito Criador, a nossa alma visitai e enchei o nosso coração com vossos dons celestiais.”
Cantando Canto Gregoriano: Modo VIII, exemplo “ O hóstia que salva, que abre abre as portas do céu . Lutas adversas, oprimem-nos. Dai-nos  força, traga auxílio. Ao Deus, uno e trino, glória seja para sempre. Que nos dê a vida eterna na Pátria Celestial”
Cantando Canto Gregoriano: Modo VIII, exemplo Estes são os dois últimos versos de “Verbum Supernum,” um dos cinco hinos eucarísticos escritos por São Tomás de Aquino para a festa de Corpus Christi.
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O renascimento italiano
O renascimento italianoO renascimento italiano
O renascimento italianoSusana Simões
 
História da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoHistória da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoMaiara Giordani
 
A arte barroca na europa
A arte barroca na europaA arte barroca na europa
A arte barroca na europaCEF16
 
Maneirismo, barroco e rococo
Maneirismo, barroco e rococoManeirismo, barroco e rococo
Maneirismo, barroco e rococovictorosa
 
Arte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - EsculturaArte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - EsculturaCarlos Vieira
 
Historia do teatro de rua no brasil finalização1
Historia do teatro de rua no brasil finalização1Historia do teatro de rua no brasil finalização1
Historia do teatro de rua no brasil finalização1andredejesus
 
Arquitetura Renascentista
Arquitetura RenascentistaArquitetura Renascentista
Arquitetura RenascentistaDeaaSouza
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barrocacattonia
 
escultura romana
escultura romanaescultura romana
escultura romanajojotyu
 
ARTE - Conceitos básicos e definições. Estudo introdutório de Artes Visuais
ARTE - Conceitos básicos e definições. Estudo introdutório de Artes VisuaisARTE - Conceitos básicos e definições. Estudo introdutório de Artes Visuais
ARTE - Conceitos básicos e definições. Estudo introdutório de Artes VisuaisSheila Soarte
 
Arte Renascentista
Arte RenascentistaArte Renascentista
Arte RenascentistaMaria Gomes
 
O Período Barroco e a Música
O Período Barroco e a MúsicaO Período Barroco e a Música
O Período Barroco e a MúsicaJoão Costa
 

Mais procurados (20)

O renascimento italiano
O renascimento italianoO renascimento italiano
O renascimento italiano
 
História da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoHistória da Arte - Barroco
História da Arte - Barroco
 
Arte paleocristã
Arte paleocristãArte paleocristã
Arte paleocristã
 
Rembrandt
RembrandtRembrandt
Rembrandt
 
miguel ângelo
miguel  ângelomiguel  ângelo
miguel ângelo
 
A arte barroca na europa
A arte barroca na europaA arte barroca na europa
A arte barroca na europa
 
Maneirismo, barroco e rococo
Maneirismo, barroco e rococoManeirismo, barroco e rococo
Maneirismo, barroco e rococo
 
Arte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - EsculturaArte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - Escultura
 
Historia do teatro de rua no brasil finalização1
Historia do teatro de rua no brasil finalização1Historia do teatro de rua no brasil finalização1
Historia do teatro de rua no brasil finalização1
 
Arquitetura Renascentista
Arquitetura RenascentistaArquitetura Renascentista
Arquitetura Renascentista
 
História da arte renascimento
História da arte   renascimentoHistória da arte   renascimento
História da arte renascimento
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
escultura romana
escultura romanaescultura romana
escultura romana
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
ARTE - Conceitos básicos e definições. Estudo introdutório de Artes Visuais
ARTE - Conceitos básicos e definições. Estudo introdutório de Artes VisuaisARTE - Conceitos básicos e definições. Estudo introdutório de Artes Visuais
ARTE - Conceitos básicos e definições. Estudo introdutório de Artes Visuais
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Arte Rococó
Arte RococóArte Rococó
Arte Rococó
 
Arte Renascentista
Arte RenascentistaArte Renascentista
Arte Renascentista
 
Musica
MusicaMusica
Musica
 
O Período Barroco e a Música
O Período Barroco e a MúsicaO Período Barroco e a Música
O Período Barroco e a Música
 

Destaque

Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portuguese
Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portugueseCurso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portuguese
Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portugueseAltair Costa
 
Curso de canto gregoriano em espanhol
Curso de canto gregoriano em espanholCurso de canto gregoriano em espanhol
Curso de canto gregoriano em espanholAltair Costa
 
Curso Canto Gregoriano - Tutorial In Gregorian Chant
Curso Canto Gregoriano - Tutorial In Gregorian ChantCurso Canto Gregoriano - Tutorial In Gregorian Chant
Curso Canto Gregoriano - Tutorial In Gregorian ChantAltair Costa
 
10 normas para cantar gregoriano
10 normas para cantar gregoriano10 normas para cantar gregoriano
10 normas para cantar gregorianoalbertoarbej
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românicaAna Barreiros
 
Nubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens Distribuídas
Nubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens DistribuídasNubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens Distribuídas
Nubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens DistribuídasGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIIIHistória da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIIIGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - Cruzadas
História da Igreja - CruzadasHistória da Igreja - Cruzadas
História da Igreja - CruzadasGlauco Gonçalves
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1Carla Teixeira
 
Curso de Canto Gregoriano - Portugal
Curso de Canto Gregoriano - PortugalCurso de Canto Gregoriano - Portugal
Curso de Canto Gregoriano - PortugalAltair Costa
 
História da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade MédiaHistória da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade MédiaGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteHistória da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império RomanoHistória da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império RomanoGlauco Gonçalves
 

Destaque (20)

Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portuguese
Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portugueseCurso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portuguese
Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portuguese
 
Curso de canto gregoriano em espanhol
Curso de canto gregoriano em espanholCurso de canto gregoriano em espanhol
Curso de canto gregoriano em espanhol
 
Curso Canto Gregoriano - Tutorial In Gregorian Chant
Curso Canto Gregoriano - Tutorial In Gregorian ChantCurso Canto Gregoriano - Tutorial In Gregorian Chant
Curso Canto Gregoriano - Tutorial In Gregorian Chant
 
10 normas para cantar gregoriano
10 normas para cantar gregoriano10 normas para cantar gregoriano
10 normas para cantar gregoriano
 
Canto Gregoriano
Canto GregorianoCanto Gregoriano
Canto Gregoriano
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
Nubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens Distribuídas
Nubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens DistribuídasNubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens Distribuídas
Nubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens Distribuídas
 
Los 8 Modos Gregorianos
Los 8 Modos GregorianosLos 8 Modos Gregorianos
Los 8 Modos Gregorianos
 
Canto Gregoriano
Canto GregorianoCanto Gregoriano
Canto Gregoriano
 
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIIIHistória da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
 
História da Igreja - Cruzadas
História da Igreja - CruzadasHistória da Igreja - Cruzadas
História da Igreja - Cruzadas
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
Reconquista 2
Reconquista  2Reconquista  2
Reconquista 2
 
Apresentação 3
Apresentação 3Apresentação 3
Apresentação 3
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
 
Curso de Canto Gregoriano - Portugal
Curso de Canto Gregoriano - PortugalCurso de Canto Gregoriano - Portugal
Curso de Canto Gregoriano - Portugal
 
História da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade MédiaHistória da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade Média
 
História da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteHistória da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do Oriente
 
História da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império RomanoHistória da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império Romano
 

Semelhante a Cursocantogregoriano

aula-01-introducao-compasso1694223529.pdf
aula-01-introducao-compasso1694223529.pdfaula-01-introducao-compasso1694223529.pdf
aula-01-introducao-compasso1694223529.pdfKaiqueSalezz
 
Livro digital paulo zuben
Livro digital paulo zubenLivro digital paulo zuben
Livro digital paulo zubenRogerio Lima
 
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
 Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdfGuilherme Pereira
 
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton França
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton FrançaApostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton França
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton FrançaPartitura de Banda
 
314730703 metodo-simplificado-para-violao
314730703 metodo-simplificado-para-violao314730703 metodo-simplificado-para-violao
314730703 metodo-simplificado-para-violaoJOSÉ ROBERTO MURARI
 
Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
 Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_finalJosé Claudemiro Oliveira
 
Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)Adriana Martins
 
Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)Saulo Gomes
 
Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)Jozé Silva
 

Semelhante a Cursocantogregoriano (20)

aula-01-introducao-compasso1694223529.pdf
aula-01-introducao-compasso1694223529.pdfaula-01-introducao-compasso1694223529.pdf
aula-01-introducao-compasso1694223529.pdf
 
Livro digital paulo zuben
Livro digital paulo zubenLivro digital paulo zuben
Livro digital paulo zuben
 
Apostila - Leitura Ritmica
Apostila - Leitura RitmicaApostila - Leitura Ritmica
Apostila - Leitura Ritmica
 
Escalas maiores e menores
Escalas maiores e menoresEscalas maiores e menores
Escalas maiores e menores
 
Escalas maiores e menores
Escalas maiores e menoresEscalas maiores e menores
Escalas maiores e menores
 
Caderno de harmonia
Caderno de harmoniaCaderno de harmonia
Caderno de harmonia
 
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
 Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
 
Abcmusical
AbcmusicalAbcmusical
Abcmusical
 
Abc musical
Abc musicalAbc musical
Abc musical
 
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton França
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton FrançaApostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton França
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton França
 
Como ler partituras
Como ler partiturasComo ler partituras
Como ler partituras
 
314730703 metodo-simplificado-para-violao
314730703 metodo-simplificado-para-violao314730703 metodo-simplificado-para-violao
314730703 metodo-simplificado-para-violao
 
Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
 Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
 
Apostila teoria musical - Rose Andréia.pdf
Apostila teoria musical - Rose Andréia.pdfApostila teoria musical - Rose Andréia.pdf
Apostila teoria musical - Rose Andréia.pdf
 
Lendo partitura.docx
Lendo partitura.docxLendo partitura.docx
Lendo partitura.docx
 
Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)
 
Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)
 
Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)
 
Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)
 
Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)Apostila violao (versao 1)
Apostila violao (versao 1)
 

Mais de Cursos Católicos (20)

Dicas de Português
Dicas de PortuguêsDicas de Português
Dicas de Português
 
Publicações Martyria
Publicações MartyriaPublicações Martyria
Publicações Martyria
 
Lumen fidei
Lumen fideiLumen fidei
Lumen fidei
 
Tomás de Aquino e as 5 vias em quadrinhos
Tomás de Aquino e as 5 vias em quadrinhosTomás de Aquino e as 5 vias em quadrinhos
Tomás de Aquino e as 5 vias em quadrinhos
 
Mariologia
MariologiaMariologia
Mariologia
 
9 mariologia
9 mariologia9 mariologia
9 mariologia
 
7 mariologia
7 mariologia7 mariologia
7 mariologia
 
6 mariologia
6 mariologia6 mariologia
6 mariologia
 
5 mariologia
5 mariologia5 mariologia
5 mariologia
 
4 mariologia
4 mariologia4 mariologia
4 mariologia
 
3 mariologia
3 mariologia3 mariologia
3 mariologia
 
2 mariologia
2 mariologia2 mariologia
2 mariologia
 
1 mariologia
1 mariologia1 mariologia
1 mariologia
 
8 mariologia
8 mariologia8 mariologia
8 mariologia
 
Introdução às Sagradas Escrituras
Introdução às Sagradas EscriturasIntrodução às Sagradas Escrituras
Introdução às Sagradas Escrituras
 
Curso iniciação teológica
Curso iniciação teológicaCurso iniciação teológica
Curso iniciação teológica
 
Cateq pt 59
Cateq pt 59Cateq pt 59
Cateq pt 59
 
Cateq pt 58
Cateq pt 58Cateq pt 58
Cateq pt 58
 
Cateq pt 57
Cateq pt 57Cateq pt 57
Cateq pt 57
 
Cateq pt 56
Cateq pt 56Cateq pt 56
Cateq pt 56
 

Último

Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 

Último (11)

Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 

Cursocantogregoriano

  • 1. CANTANDO CANTO GREGORIANO Nota e Modo Tutorial Básico.
  • 2. Cantando Canto Gregoriano O Canto Gregoriano é uma oração cantada em uníssono. Para cantar nós temos que controlar três coisas: nota, ritmo e expressão. Para ajudar a controlar a nota, seria útil ter uma maneira de representar as notas e, graficamente, os momentos que as cantamos. Para esse efeito: digamos que a linha acima representa uma nota . Se nós queremos cantar “kyrie eleison” neste tom, nós podemos indicar as sílabas que queremos cantar colocando marcas no linha abaixo delas.
  • 3. Cantando Canto Gregoriano Para indicar qualquer uma melodia mais elaborada, precisamos de uma forma de indicar uma variedade de notas, e de uma forma precisa . Podemos começar a fazer isso usando ambas as linhas e os espaços acima e abaixo delas . Para indicar uma nota abaixo do campo indicado pela linha, nós simplesmente desenhamos uma marca abaixo da linha.
  • 4. Cantando Canto Gregoriano A solução, claro, é adicionar mais linhas. A coleção de linhas é chamada de partitura . Com uma partitura, nós podemos indicar uma maior variedade de notas.
  • 5. Cantando Canto Gregoriano O que devemos fazer para especificar a exata diferença entre cada nota?
  • 6. Cantando Canto Gregoriano Marcamos a nota DÓ na partitura, neste caso, indicado na 4ª linha, agora podemos cantá-la com confiança. Sabemos que ele começa em RÉ Cante-a.
  • 7. Cantando Canto Gregoriano Assim temos um FÁ. A localização dos meio tons evidentemente gera efeitos diferentes.
  • 8. Cantando Canto Gregoriano Nós poderíamos mudar a clave de DÓ até a terceira linha, preservando, assim, quase o mesmo arranjo de tons e semitons, mas a clave de DÓ na terceira linha não é tão comum como uma clave para indicar FA, mostrado acima. Por quê usá-lo? Simplesmente uma questão de conveniência visual: cantos usando a clave de FÁ, muitas vezes ficam em torno de FÁ, tanto acima como abaixo dela.
  • 9. Cantando Canto Gregoriano: Neumas No canto gregoriano, a sequência de notas são indicadas com marcas chamadas de neumas . Mais de um neuma associado a uma dada sílaba é chamada de melisma . Como você pode ver, neumas podem ter diferentes formas.
  • 10. Cantando Canto Gregoriano: Punctum e Podatus A nota quadrada ou em forma de diamante é chamada de punctum . Observe que alguns punctums estão ligados entre si por uma linha vertical. Por exemplo, o terceiro neuma acima (chamado Podatus ) combina duas notas, uma em cima da outra. A nota de baixo é sempre cantada primeiro. Os pontos adjacentes a alguns neumas acima são marcas rítmicas e expressivas, não são notas. O mesmo vale para as pequenas linhas verticais abaixo de alguns neumas.
  • 11. Cantando Canto Gregoriano: Distropha, etc. Punctums consecutivos na mesma altura (tom), colocados juntos, são chamados um bistropha (dois punctums) ou tristropha (três punctums). O número de punctums indica duração: dois indicam o dobro da duração de um, três indicam a duração três vezes, etc.
  • 12. Cantando Canto Gregoriano: Torculus e Clivis Observe que há dois punctums para a direita, que também são ligados por linhas verticais (em vermelho), mas o punctums fundo são colocadas à direita do punctums superior. Não há nenhum problema em cantar: você segue o costume de cantar as notas da esquerda para a direita. Fraseado cuidadoso é muito importante para fazer soar o canto como uma parte integrada da música.
  • 13. Cantando Canto Gregoriano: o Porrectus Um neuma que se parece com um Z de lado é chamado de porrectus . Ele é composto de três notas: você deve cantar a primeira nota superior esquerda, em seguida a do canto inferior direito e depois a do canto superior direito. O porrectus abaixo mostra uma distância maior entre a segunda e terceira nota, mas é cantado na mesma ordem: esquerda, abaixo, acima.
  • 14. Cantando Canto Gregoriano: Liquescentes O neuma em vermelho é igual a um podatus o qual é composto de duas notas, mas observe que a nota máxima é menor em tamanho. Isso é chamado de um neuma liquescente . A menor nota é sempre cantada após a maior, mesmo se ela aparecer abaixo dela. Também é cantada mais suavemente.
  • 15. Cantando Canto Gregoriano: o Quilisma A linha (nota) dentada em vermelho é chamada de quilisma e também denota um tom cantado. Neste exemplo, o Quilisma liga o punctum à sua esquerda com o porrectus à sua direita. Deve ser tratado como tendo menor duração do que a nota anterior, e que se move através dela de forma rápida e leve para a nota seguinte.
  • 16. Cantando Canto Gregoriano: o Custos O que parece ser uma meia nota no fim de cada partitura (tetragrama) (acima, em vermelho) é chamada de custos ou guião . Ela não é cantada. Em vez disso, seu objetivo é indicar a primeira nota da partitura seguinte. É uma nota de sinalização - uma cortesia para com os cantores.
  • 17. Cantando Canto Gregoriano: O sinal de bemol A nota b oca acima não é uma nota em si, mas ela reduz meio tom da nota seguinte à metade do tempo. Isto é chamado de bemol .
  • 18. Cantando Canto Gregoriano Agora você pode ler este Kyrie, que é um trecho da Missa VIII (De Angelis) no Kyriale. Desde que DÓ é a segunda linha de cima, o canto começa em FÁ. Um ponto sobre o ritmo: os pontos indicam que a duração da nota à esquerda deve ser alongada um pouco. Isso confere à frase como que o sentimento do canto e convida-nos a perceber a estrutura melódica e descanso.
  • 19. Cantando Canto Gregoriano: I Modo, exemplo “ Senhor, perdoa o teu povo. Não fiques irado conosco para sempre.” (Joel 2:17). Parte de uma ladainha cantada durante a Quaresma. Observe o uso acentuado do FÁ (a terceira menor sonoridade) e LÁ (o tom recitativo).
  • 20. Cantando Canto Gregoriano: I Modo, exemplo Um hino do século IX. “Ave, estrela do mar, mãe de Deus, sempre virgem, feliz porta do céu.” Observe que a nota mais alta do canto ressalta a palavra stella (estrela). Esta é a iluminação musical do texto, algo em que o canto sobressai.
  • 21. Cantando Canto Gregoriano: Modo II, exemplo “ O Senhor me disse: Vocé é meu filho, hoje eu Te gerei.” Antífona do Intróito da noite antes do Natal.
  • 22. Cantando Canto Gregoriano: Modo III, exemplo Da Missa XVI no Kyriale Romanum . Observe como os centros de SI em torno da melodia e SOL (soando maior ) antes de mergulhar misteriosamente até MI na frase final.
  • 23. Cantando Canto Gregoriano: Modo III, exemplo O famoso canto Tantum Ergo é parte de um outro famoso canto, Pange lingua gloriosi. O movimento de meio-tom através de MI deu à palavra final um senso de incompleto.
  • 24. Cantando Canto Gregoriano:Modo III, exemplo “ Desde o nascer do sol no Oriente até às remotas fronteiras da terra, cantemos o Cristo Rei, nascido da Virgem Maria.” Um bom exemplo da beleza do III Modo, de caráter contemplativo, este hino é tradicionalmente usado durante as Laudes na manhã de Natal.
  • 25. Cantando Canto Gregoriano:IV Modo, exemplo “ Vimos sua estrela no Oriente e viemos, com presentes, adorar o Senhor.” Antífona da Comunhão na Epifania do Senhor.
  • 26. Cantando Canto Gregoriano: Modo IV, exemplo Da Missa X, Kyriale Romanum
  • 27. Cantando Canto Gregoriano: Modo V exemplo “ Onde o amor é verdadeiro, Deus aí está. Todos juntos congregados num só corpo: não sejamos separados pela mente. Cessem lutas, cessem rixas, discussões, mas esteja em nosso meio Cristo Deus.”
  • 28. Cantando Canto Gregoriano: Modo V exemplo O primeiro verso de uma famoso canto escrito por São Tomás de Aquino. “ Com devoção Te adoro, oculta divindade. Em verdade escondida sob estas figuras. A Ti meu coração todo confia, porque ao contemplar-Te cai e desfalece.”
  • 29. Cantando Canto Gregoriano: V Modo: exemplo Este canto ilustra um fato curioso e útil sobre música. Observe que seu modo é indicado para ser V, mas o seu final está em DÓ. O que dá? Acontece que as melodias baseadas em um tom pode ser mudadas por completo e com base em outro campo - e ainda assim manter o seu padrão original de tons inteiros e meio tons. Isto é chamado de transposição .
  • 30. Cantando Canto Gregoriano: Modo V exemplo Aqui esta a melodia do “Salve Regina” que foi modificado de sua forma original, baseado em FÁ, para o novo, baseado em DÓ. Uma vez que o padrão de toda a melodia e as seus meio tons permanece o mesmo, podemos dizer que a melodia foi transposta de FÁ para DÓ. O modo permanece o mesmo.
  • 31. Cantando Canto Gregoriano: Modo V exemplo “ Salve, Rainha, Mãe de misericórdia, vida doçura e esperança nossa, salve. A vós bradamos, degredados filhos de Eva. A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas. Eia, pois, advogada nossa, estes vossos olhos a nós volvei e depois deste desterro mostrai-nos o filho do vosso ventre, Jesus. O clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria.”
  • 32. Cantando Canto Gregoriano: Modo VI exemplo Um bom exemplo do VI Modo é este Alleluia familiar.
  • 33. Cantando Canto Gregoriano:Modo VI, exemplo “ Minha alma engrandece ao Senhor e meu espírito exulta em Deus, meu Salvador.”
  • 34. Cantando Canto Gregoriano:Modo VI, exemplo “ Louvai ao Senhor todas as pessoas, louvai-O juntos todos os povos.”
  • 35. Cantando Canto Gregoriano: Modo VII, exemplo “ Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja.”
  • 36. Cantando Canto Gregoriano: Modo VII, exemplo “ Aspergi-me com um hissope e ficarei puro. Lavai-me e me tornarei mais branco do que a neve. Tende piedade de mim Senhor, segundo a vossa bondade.” Pode ser cantado nos domingos da Páscoa no lugar do rito penitencial.
  • 37. Cantando Canto Gregoriano: Modo VIII exemplo “ Ó, vinde, Espírito Criador, a nossa alma visitai e enchei o nosso coração com vossos dons celestiais.”
  • 38. Cantando Canto Gregoriano: Modo VIII, exemplo “ O hóstia que salva, que abre abre as portas do céu . Lutas adversas, oprimem-nos. Dai-nos força, traga auxílio. Ao Deus, uno e trino, glória seja para sempre. Que nos dê a vida eterna na Pátria Celestial”
  • 39. Cantando Canto Gregoriano: Modo VIII, exemplo Estes são os dois últimos versos de “Verbum Supernum,” um dos cinco hinos eucarísticos escritos por São Tomás de Aquino para a festa de Corpus Christi.
  • 40.