SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
FAVASC- OFICINA PEDAGÓGICA

AUTOPOIÉSIS NO CONTEXTO
SÓCIO-EDUCACIONAL
NOVEMBRO de 2013
• "Dizem que nós, seres humanos, somos animais
racionais. Nossa crença nessa afirmação, nos leva a
menosprezar as emoções e a enaltecer a
racionalidade, a ponto de querermos atribuir
pensamento racional a animais não-humanos,
sempre que observamos neles comportamentos
complexos. Nesse processo, fizemos com que a noção
de realidade objetiva, se tornasse referência a algo
que supomos ser universal e independente do que
fazemos, e que usamos como argumento visando a
convencer alguém, quando não queremos usar a
força bruta." (extraído do livro "A Ontologia da
Realidade" de Humberto Maturana - Ed. UFMG,
1997)
CONCEITUANDO...
• Autopoiese ou autopoiesis (do grego auto
"próprio", poiesis "criação") é um termo cunhado
na década de 70 pelos biólogos e filósofos
chilenos Francisco Varela e Humberto Maturana
para designar a capacidade dos seres vivos de
produzirem a si próprios. Segundo esta teoria,
um ser vivo é um sistema autopoiético,
caracterizado como uma rede fechada de
produções moleculares (processos), onde as
moléculas produzidas geram com suas interações
a mesma rede de moléculas que as produziu.
• Acoplamentos estruturais
• Objetividade sem parenteses

• Objetividade entre parenteses
Histórias/analogias
•Onde está sua vaquinha?
A conservação da autopoiese e da adaptação de um
ser vivo ao seu meio são condições sistêmicas para a
vida. Por tanto um sistema vivo, como sistema
autônomo está constantemente se autoproduzindo,
autorregulando, e sempre mantendo interações com
o meio, onde este apenas desencadeia no ser vivo
mudanças determinadas em sua própria estrutura, e
não por um agente externo.
De origem biológica, o termo passou a ser usado em
outras áreas por Steven Rose na neurobiologia, por
Niklas Luhmann na sociologia, e por Gilles Deleuze e
Antonio Negri na filosofia.
....PicturesUm diálogo sobre infância, ética e amor -
• Origem
• Foi empregada inicialmente para designar os
elementos característicos de um sistema vivo e
sua estrutura. As pesquisas sobre tal objeto de
estudo apontaram uma definição de vida como
sendo a autonomia e a constância de uma
determinada organização, ou das relações em um
dado sistema entre os elementos constitutivos
desse mesmo sistema, organização essa que é
auto-referencial no sentido de que a sua ordem
interna é gerada a partir da interação dos seus
próprios elementos e auto-reprodutiva no
sentido de que tais elementos são produzidos a
partir dessa mesma rede de interação circular e
recursiva.
• A proposta da teoria autopoiética,
diferentemente da postura analítica, parte da
observação de determinado objeto pela
interação de seus elementos, possibilitando,
assim, a construção de um arcabouço
científico embasado nas relações entre os
elementos e as funções exercidas no todo
comunicativo dos sistemas. A autopoiese vem
sendo utilizada como marco teórico dos
Direitos Fundamentais.
• A Consciencia da Sua Missão.pps
Eu caçador de mim
Zé Ramalho - Caçador de Mim.mp3

• 1) Quem eu sou?
• 2) Aonde pretendo ir?
• 3) Uma história de vida/alegria ou mesmo , de
tristeza?
• 4)Qual a contribuição que quero dar a
sociedade?
• 5)Uma crítica
• 6)Uma sugestão
• 7) Em que e onde preciso mudar?
• 8) O que é e quem é o outro para mim?
"Vocês riem de mim por eu ser
diferente, e eu rio de vocês por
serem todos iguais."
Bob Marley
Leituras recomendadas
•
•
•
•
•
•

MATURANA R., Humberto; VARELA, Francisco J.. Autopoiesi e cognizione:
la realizzazione del vivente. 3. ed. Venezia: Marsilio Editori, 1992 205 p
ISBN 8831747789 (enc.)
MATURANA R., Humberto; VARELA, Francisco J.. Autopoiesis and
cognition : the realization of the living. Dordrecht: D. Reidel Publishing
Company, c1980. 141p. v.8) ISBN 9027710155 (enc.)
MATURANA R., Humberto; VARELA GARCIA, Francisco J; ACUÑA LLORENS,
Juan. De maquinas e seres vivos: autopoiese: a organização do vivo. 3.ed.
Porto Alegre: Artes Medicas: 1997. 138 p ISBN 8573073020 (broch.)
MATURANA R., Humberto; MAGRO, Cristina; GRACIANO, Miriam; VAZ,
Nelson.
TRINDADE, André. Para entender Luhmann e o Direito como sistema
autopoiético. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.
TRINDADE, André. Os direitos fundamentais em uma perspectiva
autopoiética. Porto Alegre: Livraria dos Advogados. 2007
Valeu!!!
Márcia Moreira de Araújo
marbio2@hotmail.com.br
www.recea.org.br
Blog
Pesquisandocommarciaaraujo.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

8 a fenomenologia-da_percepcao_a_partir_da_autopoiesis_de_humberto_maturana_e...
8 a fenomenologia-da_percepcao_a_partir_da_autopoiesis_de_humberto_maturana_e...8 a fenomenologia-da_percepcao_a_partir_da_autopoiesis_de_humberto_maturana_e...
8 a fenomenologia-da_percepcao_a_partir_da_autopoiesis_de_humberto_maturana_e...
Instituto de Filosofia
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
paraiba1974
 
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humanaEvolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
19121992
 

Mais procurados (18)

Epistemologia da Ciencia de Huberto Maturana e Francisco Varela
Epistemologia da Ciencia de Huberto Maturana e Francisco VarelaEpistemologia da Ciencia de Huberto Maturana e Francisco Varela
Epistemologia da Ciencia de Huberto Maturana e Francisco Varela
 
Teoria do conhecimento em maturana e varela
Teoria do conhecimento em maturana e varelaTeoria do conhecimento em maturana e varela
Teoria do conhecimento em maturana e varela
 
A natureza humana.
A natureza humana. A natureza humana.
A natureza humana.
 
Antropologia Filosófica e Educação - Prof. Dr. Jonas Bach Jr.
Antropologia Filosófica e Educação - Prof. Dr. Jonas Bach Jr.Antropologia Filosófica e Educação - Prof. Dr. Jonas Bach Jr.
Antropologia Filosófica e Educação - Prof. Dr. Jonas Bach Jr.
 
Antropologia filosófica
Antropologia filosóficaAntropologia filosófica
Antropologia filosófica
 
Para uma autoetnografia dos estados de vulnerabilidade: ensaio num caso de di...
Para uma autoetnografia dos estados de vulnerabilidade: ensaio num caso de di...Para uma autoetnografia dos estados de vulnerabilidade: ensaio num caso de di...
Para uma autoetnografia dos estados de vulnerabilidade: ensaio num caso de di...
 
8 a fenomenologia-da_percepcao_a_partir_da_autopoiesis_de_humberto_maturana_e...
8 a fenomenologia-da_percepcao_a_partir_da_autopoiesis_de_humberto_maturana_e...8 a fenomenologia-da_percepcao_a_partir_da_autopoiesis_de_humberto_maturana_e...
8 a fenomenologia-da_percepcao_a_partir_da_autopoiesis_de_humberto_maturana_e...
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
 
Amar e brincar - fundamentos esquecidos do humano - Humberto Maturana e Gerda...
Amar e brincar - fundamentos esquecidos do humano - Humberto Maturana e Gerda...Amar e brincar - fundamentos esquecidos do humano - Humberto Maturana e Gerda...
Amar e brincar - fundamentos esquecidos do humano - Humberto Maturana e Gerda...
 
Introdução às Ciências Humanas
Introdução às Ciências HumanasIntrodução às Ciências Humanas
Introdução às Ciências Humanas
 
Ensinar a Condição Humana - EDGAR MORIN, 2000
Ensinar a Condição Humana - EDGAR MORIN, 2000Ensinar a Condição Humana - EDGAR MORIN, 2000
Ensinar a Condição Humana - EDGAR MORIN, 2000
 
Antropologia filosófica 2- homo somaticus
Antropologia filosófica 2-     homo somaticusAntropologia filosófica 2-     homo somaticus
Antropologia filosófica 2- homo somaticus
 
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humanaEvolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
 
Antropologia e filosofia II
Antropologia e filosofia IIAntropologia e filosofia II
Antropologia e filosofia II
 
A condição humana
A condição humanaA condição humana
A condição humana
 
Ortega gasset
Ortega gassetOrtega gasset
Ortega gasset
 
SUBJETIVIDADE FILOSOFIA PSICOLOGIA
SUBJETIVIDADE FILOSOFIA PSICOLOGIASUBJETIVIDADE FILOSOFIA PSICOLOGIA
SUBJETIVIDADE FILOSOFIA PSICOLOGIA
 
Método Psicologia
Método PsicologiaMétodo Psicologia
Método Psicologia
 

Destaque

China lighting source industry report, 2010
China lighting source industry report, 2010China lighting source industry report, 2010
China lighting source industry report, 2010
ResearchInChina
 
Gabriel Estrada - My Life In A Nutshell
Gabriel Estrada - My Life In A NutshellGabriel Estrada - My Life In A Nutshell
Gabriel Estrada - My Life In A Nutshell
Gabriel Estrada
 
Discharge report - Marketing - AIESEC in Spain
Discharge report - Marketing - AIESEC in SpainDischarge report - Marketing - AIESEC in Spain
Discharge report - Marketing - AIESEC in Spain
Mohmmed El Sonbaty
 
Que planton
Que plantonQue planton
Que planton
lilymtzc
 

Destaque (20)

Preparing Java 7 Certifications
Preparing Java 7 CertificationsPreparing Java 7 Certifications
Preparing Java 7 Certifications
 
Intervención de Manolo Recio en el Foro Joly
Intervención de Manolo Recio en el Foro Joly Intervención de Manolo Recio en el Foro Joly
Intervención de Manolo Recio en el Foro Joly
 
Andrés Ramírez, Tierra Firme
Andrés Ramírez,  Tierra FirmeAndrés Ramírez,  Tierra Firme
Andrés Ramírez, Tierra Firme
 
Eyv2ict gu
Eyv2ict guEyv2ict gu
Eyv2ict gu
 
Teoria primera evaluacion primero_bach
Teoria primera evaluacion primero_bachTeoria primera evaluacion primero_bach
Teoria primera evaluacion primero_bach
 
eTourismus
eTourismuseTourismus
eTourismus
 
Proyecto ingles.
Proyecto ingles.Proyecto ingles.
Proyecto ingles.
 
Gvc gaesco renta variable objetivo zona euro fi
Gvc gaesco renta variable objetivo zona euro fiGvc gaesco renta variable objetivo zona euro fi
Gvc gaesco renta variable objetivo zona euro fi
 
Where IT works: IT & Business, DMS EXPO und CRM-expo
Where IT works: IT & Business, DMS EXPO und CRM-expoWhere IT works: IT & Business, DMS EXPO und CRM-expo
Where IT works: IT & Business, DMS EXPO und CRM-expo
 
China lighting source industry report, 2010
China lighting source industry report, 2010China lighting source industry report, 2010
China lighting source industry report, 2010
 
Smartapps
SmartappsSmartapps
Smartapps
 
"EL ARTE DEL ENGAÑO" POR ALEJANDRA GUALTEROS DUARTE LINA MARÍA PAEZ
"EL ARTE DEL ENGAÑO" POR ALEJANDRA GUALTEROS DUARTE LINA MARÍA PAEZ"EL ARTE DEL ENGAÑO" POR ALEJANDRA GUALTEROS DUARTE LINA MARÍA PAEZ
"EL ARTE DEL ENGAÑO" POR ALEJANDRA GUALTEROS DUARTE LINA MARÍA PAEZ
 
Gabriel Estrada - My Life In A Nutshell
Gabriel Estrada - My Life In A NutshellGabriel Estrada - My Life In A Nutshell
Gabriel Estrada - My Life In A Nutshell
 
maxine brooks cv..
maxine brooks cv..maxine brooks cv..
maxine brooks cv..
 
Led light iluminacion inteligente
Led light iluminacion inteligenteLed light iluminacion inteligente
Led light iluminacion inteligente
 
Bashkim Iseni, Albinfo.ch, Switzerland
Bashkim Iseni, Albinfo.ch, SwitzerlandBashkim Iseni, Albinfo.ch, Switzerland
Bashkim Iseni, Albinfo.ch, Switzerland
 
Princesas
PrincesasPrincesas
Princesas
 
Discharge report - Marketing - AIESEC in Spain
Discharge report - Marketing - AIESEC in SpainDischarge report - Marketing - AIESEC in Spain
Discharge report - Marketing - AIESEC in Spain
 
Engranajes helicoidales ing.jose-bustamante-__16094__elementos de mauinas
Engranajes helicoidales ing.jose-bustamante-__16094__elementos de mauinasEngranajes helicoidales ing.jose-bustamante-__16094__elementos de mauinas
Engranajes helicoidales ing.jose-bustamante-__16094__elementos de mauinas
 
Que planton
Que plantonQue planton
Que planton
 

Semelhante a Autopoiésis no contexto sócio educacional

Sentido da existência humana
Sentido da existência humanaSentido da existência humana
Sentido da existência humana
mluisavalente
 
Transcender o concreto uma utopia contemporânea
Transcender o concreto   uma utopia contemporâneaTranscender o concreto   uma utopia contemporânea
Transcender o concreto uma utopia contemporânea
Francisco Brito Souza
 

Semelhante a Autopoiésis no contexto sócio educacional (20)

JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
 
O conhecimento slides
O conhecimento   slidesO conhecimento   slides
O conhecimento slides
 
Esquizofrenia Social - Elza Pádua
Esquizofrenia Social - Elza Pádua Esquizofrenia Social - Elza Pádua
Esquizofrenia Social - Elza Pádua
 
Relativizando- da matta
Relativizando- da matta Relativizando- da matta
Relativizando- da matta
 
Existencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismoExistencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismo
 
Introdução ao Existencialismo
Introdução ao ExistencialismoIntrodução ao Existencialismo
Introdução ao Existencialismo
 
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialPsicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
 
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno CarrascoFundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
 
Existencialismo: Kierkegaard, Nietzsche, Sartre
Existencialismo: Kierkegaard, Nietzsche, SartreExistencialismo: Kierkegaard, Nietzsche, Sartre
Existencialismo: Kierkegaard, Nietzsche, Sartre
 
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade  AULA 2.pdfPsicologia da personalidade  AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
 
Aula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA
Aula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIAAula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA
Aula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA
 
O que tem relação com o Existencialismo
O que tem relação com o ExistencialismoO que tem relação com o Existencialismo
O que tem relação com o Existencialismo
 
Existencial - Humanista
Existencial - HumanistaExistencial - Humanista
Existencial - Humanista
 
Entendimento de ser humano segundo o existencialismo
Entendimento de ser humano segundo o existencialismoEntendimento de ser humano segundo o existencialismo
Entendimento de ser humano segundo o existencialismo
 
Sentido da existência humana
Sentido da existência humanaSentido da existência humana
Sentido da existência humana
 
Filosofia e realidade2.pptx
Filosofia e realidade2.pptxFilosofia e realidade2.pptx
Filosofia e realidade2.pptx
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Carl Jung
 
Sartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismoSartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismo
 
Existencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slidesExistencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slides
 
Transcender o concreto uma utopia contemporânea
Transcender o concreto   uma utopia contemporâneaTranscender o concreto   uma utopia contemporânea
Transcender o concreto uma utopia contemporânea
 

Mais de Marcia Moreira

Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Marcia Moreira
 

Mais de Marcia Moreira (20)

Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Doc 09 01-2017 08-25-58
Doc 09 01-2017 08-25-58Doc 09 01-2017 08-25-58
Doc 09 01-2017 08-25-58
 
Doc 08 25-2017 07-22-15
Doc 08 25-2017 07-22-15Doc 08 25-2017 07-22-15
Doc 08 25-2017 07-22-15
 
1º ano membranas da célula
1º ano membranas da célula 1º ano membranas da célula
1º ano membranas da célula
 
Doc 08 11-2017 08-08-09
Doc 08 11-2017 08-08-09Doc 08 11-2017 08-08-09
Doc 08 11-2017 08-08-09
 
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
A biologia tem uma história que não é natural
A biologia tem uma história que não é naturalA biologia tem uma história que não é natural
A biologia tem uma história que não é natural
 
1ª lei de Mendel
1ª lei de Mendel1ª lei de Mendel
1ª lei de Mendel
 
Respostas vírus
Respostas vírusRespostas vírus
Respostas vírus
 
Respostas ciclos biogeoquímicos
Respostas ciclos biogeoquímicosRespostas ciclos biogeoquímicos
Respostas ciclos biogeoquímicos
 
Ciclos biogeoquimicos gabarito
Ciclos biogeoquimicos   gabaritoCiclos biogeoquimicos   gabarito
Ciclos biogeoquimicos gabarito
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
 
áCidos nucléicos
áCidos nucléicosáCidos nucléicos
áCidos nucléicos
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Protistas
ProtistasProtistas
Protistas
 
Moneras completa
Moneras completa Moneras completa
Moneras completa
 
Moneras
MonerasMoneras
Moneras
 
Virus
VirusVirus
Virus
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 

Autopoiésis no contexto sócio educacional

  • 1. FAVASC- OFICINA PEDAGÓGICA AUTOPOIÉSIS NO CONTEXTO SÓCIO-EDUCACIONAL NOVEMBRO de 2013
  • 2. • "Dizem que nós, seres humanos, somos animais racionais. Nossa crença nessa afirmação, nos leva a menosprezar as emoções e a enaltecer a racionalidade, a ponto de querermos atribuir pensamento racional a animais não-humanos, sempre que observamos neles comportamentos complexos. Nesse processo, fizemos com que a noção de realidade objetiva, se tornasse referência a algo que supomos ser universal e independente do que fazemos, e que usamos como argumento visando a convencer alguém, quando não queremos usar a força bruta." (extraído do livro "A Ontologia da Realidade" de Humberto Maturana - Ed. UFMG, 1997)
  • 3. CONCEITUANDO... • Autopoiese ou autopoiesis (do grego auto "próprio", poiesis "criação") é um termo cunhado na década de 70 pelos biólogos e filósofos chilenos Francisco Varela e Humberto Maturana para designar a capacidade dos seres vivos de produzirem a si próprios. Segundo esta teoria, um ser vivo é um sistema autopoiético, caracterizado como uma rede fechada de produções moleculares (processos), onde as moléculas produzidas geram com suas interações a mesma rede de moléculas que as produziu.
  • 4.
  • 5.
  • 6. • Acoplamentos estruturais • Objetividade sem parenteses • Objetividade entre parenteses
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 11. A conservação da autopoiese e da adaptação de um ser vivo ao seu meio são condições sistêmicas para a vida. Por tanto um sistema vivo, como sistema autônomo está constantemente se autoproduzindo, autorregulando, e sempre mantendo interações com o meio, onde este apenas desencadeia no ser vivo mudanças determinadas em sua própria estrutura, e não por um agente externo. De origem biológica, o termo passou a ser usado em outras áreas por Steven Rose na neurobiologia, por Niklas Luhmann na sociologia, e por Gilles Deleuze e Antonio Negri na filosofia. ....PicturesUm diálogo sobre infância, ética e amor -
  • 12. • Origem • Foi empregada inicialmente para designar os elementos característicos de um sistema vivo e sua estrutura. As pesquisas sobre tal objeto de estudo apontaram uma definição de vida como sendo a autonomia e a constância de uma determinada organização, ou das relações em um dado sistema entre os elementos constitutivos desse mesmo sistema, organização essa que é auto-referencial no sentido de que a sua ordem interna é gerada a partir da interação dos seus próprios elementos e auto-reprodutiva no sentido de que tais elementos são produzidos a partir dessa mesma rede de interação circular e recursiva.
  • 13. • A proposta da teoria autopoiética, diferentemente da postura analítica, parte da observação de determinado objeto pela interação de seus elementos, possibilitando, assim, a construção de um arcabouço científico embasado nas relações entre os elementos e as funções exercidas no todo comunicativo dos sistemas. A autopoiese vem sendo utilizada como marco teórico dos Direitos Fundamentais. • A Consciencia da Sua Missão.pps
  • 14. Eu caçador de mim Zé Ramalho - Caçador de Mim.mp3 • 1) Quem eu sou? • 2) Aonde pretendo ir? • 3) Uma história de vida/alegria ou mesmo , de tristeza? • 4)Qual a contribuição que quero dar a sociedade? • 5)Uma crítica • 6)Uma sugestão • 7) Em que e onde preciso mudar? • 8) O que é e quem é o outro para mim?
  • 15. "Vocês riem de mim por eu ser diferente, e eu rio de vocês por serem todos iguais." Bob Marley
  • 16. Leituras recomendadas • • • • • • MATURANA R., Humberto; VARELA, Francisco J.. Autopoiesi e cognizione: la realizzazione del vivente. 3. ed. Venezia: Marsilio Editori, 1992 205 p ISBN 8831747789 (enc.) MATURANA R., Humberto; VARELA, Francisco J.. Autopoiesis and cognition : the realization of the living. Dordrecht: D. Reidel Publishing Company, c1980. 141p. v.8) ISBN 9027710155 (enc.) MATURANA R., Humberto; VARELA GARCIA, Francisco J; ACUÑA LLORENS, Juan. De maquinas e seres vivos: autopoiese: a organização do vivo. 3.ed. Porto Alegre: Artes Medicas: 1997. 138 p ISBN 8573073020 (broch.) MATURANA R., Humberto; MAGRO, Cristina; GRACIANO, Miriam; VAZ, Nelson. TRINDADE, André. Para entender Luhmann e o Direito como sistema autopoiético. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008. TRINDADE, André. Os direitos fundamentais em uma perspectiva autopoiética. Porto Alegre: Livraria dos Advogados. 2007
  • 17. Valeu!!! Márcia Moreira de Araújo marbio2@hotmail.com.br www.recea.org.br Blog Pesquisandocommarciaaraujo.blogspot.com