SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
Pesquisa Mensal de Emprego - PME
Dia Internacional da Mulher                                                                   08 de março de 2010


                     MULHER NO MERCADO DE TRABALHO:
                         PERGUNTAS E RESPOSTAS
                 A Pesquisa Mensal de Emprego – PME, implantada em 1980, produz indicadores para o
acompanhamento conjuntural do mercado de trabalho nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte,
Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. Trata-se de uma pesquisa domiciliar urbana realizada através de uma
amostra probabilística, planejada de forma a garantir os resultados para os níveis geográficos em que é realizada.

                 As grandes transformações ocorridas no mercado de trabalho brasileiro desde a implantação da PME
impuseram uma revisão completa, vigente desde março de 2002, abrangendo seus aspectos metodológicos e
processuais. A modernização da Pesquisa Mensal de Emprego visou a captação mais adequada das características
do trabalhador e de sua inserção no sistema produtivo, fornecendo, assim, informações mais adequadas para a
formulação e o acompanhamento de políticas públicas. No que diz respeito a conceitos e métodos, ocorreram
atualizações de forma a acompanhar as recomendações da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Uma das
grandes vantagens das mudanças implementadas foi a oportunidade de se fazer estudos mais detalhados de temas e
populações específicas.

                 O objetivo deste trabalho é, através do formato de perguntas e respostas, apresentar um panorama da
mulher no mercado de trabalho, vis-à-vis a situação do homem.




    Perguntas:

    A) Qual a participação das mulheres no mercado de trabalho?

    B) Qual a participação das mulheres nos grupamentos de atividade?

    C) Como as mulheres estão inseridas no mercado de trabalho?

    D) Qual o perfil educacional das mulheres no mercado de trabalho?

    E)   Qual a participação das mulheres no setor público?
    F)   A proporção de mulheres com carteira de trabalho assinada é maior ou menor que a de homens?

    G) A proporção de mulheres com contribuição para previdência é maior ou menor que a de homens?

    H) A jornada de trabalho das mulheres é maior ou menor que a dos homens?
    I)   Qual é a jornada de trabalho das mulheres considerando a escolaridade?

    J)   Qual a relação entre a remuneração das mulheres dos homens?

    K) Qual o percentual de mulheres ocupadas que gostariam de trabalhar mais horas?
    L)   Qual o percentual de mulheres com qualificação profissional?

    M) Qual a escolaridade das mulheres que querem se inserir no mercado de trabalho?

    N) Qual o perfil etário das mulheres que querem se inserir no mercado de trabalho?
A – Qual a participação das mulheres no mercado de trabalho?



      Embora as mulheres sejam maioria na população de 10 anos ou mais de idade, elas são
minoria na população ocupada, mas estão em maioria entre os desocupados. Acrescenta-se ainda,
que elas são maioria também na população não economicamente ativa. Em 2009, em média, eram
10,6 milhões de mulheres na força de trabalho, sendo 9,6 milhões ocupadas e 1,1 milhão
desocupadas. O contingente de mulheres na inatividade foi estimado em 11,3 milhões.

    Distribuição da população com 10 anos ou mais de idade, por condição de atividade,
                                 segundo o sexo – 2009*




      Cerca 64,2% do contingente de mulheres ocupadas tinha entre 25 e 49 anos de idade. Entre
os homens este percentual era de 61,5%. Destaca-se que embora a população de 50 anos ou mais
de idade feminina (30,2%) seja proporcionalmente maior que a masculina (26,1%), considerando a
população ocupada temos o inverso. Entre as mulheres ocupadas 19,7% tinham 50 anos ou mais
de idade, para os homens este percentual era de 21,5%.

    Distribuição da população com 10 anos ou mais de idade, por condição de atividade,
                                 segundo o sexo – 2009*




                                     *Média das estimativas mensais.
B – Qual a participação das mulheres nos grupamentos de atividade?



      Analisando a participação das mulheres ocupadas nos sete grupamentos de atividade
apontados pela PME, observou-se que nos grupamentos que incluem a Indústria, Construção,
Comércio, Serviços prestados a empresas e Outros serviços, elas eram minoria. A participação
delas era maior nos grupamentos que incluíam a Administração Pública e nos Serviços
domésticos, neste último elas eram quase maioria absoluta. O gráfico abaixo mostra a participação
de homens e mulheres nos sete grupamentos de atividade.


     Distribuição da população ocupada, por grupamentos de atividade, segundo o sexo
                                                2009*




                                     *Média das estimativas mensais.
C – Como as mulheres estão inseridas no mercado de trabalho?



      Aproximadamente 35,5% das mulheres estavam inseridas no mercado de trabalho como
empregadas com carteira de trabalho assinada, percentual inferior ao observado na distribuição
masculina (43,9%). As mulheres empregadas sem carteira e trabalhando por conta própria
correspondiam a 30,9%. Entre os homens este percentual era de 40%. O percentual de mulheres
inseridas como empregadores era de 3,6% enquanto na distribuição masculina era 7,0%.

    Distribuição da população ocupada, por formas de inserção, segundo o sexo – 2009*




                                    *Média das estimativas mensais.
D - Qual o perfil educacional das mulheres no mercado de trabalho?


      Enquanto 61,2% das trabalhadoras tinham 11 anos ou mais de estudo, ou seja, pelo menos
o ensino médio completo, para os homens este percentual era de 53,2%. Destaca-se ainda que a
parcela de mulheres ocupadas com curso de nível superior completo era de 19,6%, superior ao dos
homens, 14,2%. Por outro lado, nos grupos de anos de estudos com menos escolaridade, a
participação dos homens era superior a das mulheres.

  Participação da população ocupada masculina, por escolaridade, segundo as formas de
                                   ocupação – 2009*




   Participação da população ocupada feminina, por escolaridade, segundo as formas de
                                   ocupação – 2009*




                                     *Média das estimativas mensais.
Considerando as formas de inserção no mercado de trabalho, observou-se que a categoria
dos militares e funcionários públicos estatutários foi a que apresentou o maior percentual de
mulheres com 11 anos ou mais de estudos (92,2%) e com nível superior completo (58,0%). As
trabalhadoras domésticas foram as que apresentaram o menor percentual de pessoas com 11
anos ou mais de estudo (18,4%). Na comparação por sexo, verificou-se que em todas as
categorias apontadas pela PME, a exceção da de trabalhadores domésticos, o percentual de
mulheres com 11 anos ou mais de estudo ou com curso superior completo era maior que o dos
homens.
E – Qual a participação das mulheres no setor público?


            As mulheres eram a maioria das pessoas ocupadas no setor público, representavam
54,5% do total. Em 2003, elas correspondiam a 53,0%.




           Distribuição da população ocupada no setor público, por sexo – 2009*




                                                    45,5%

                                                                       Homens
                             53,5%
                                                                       Mulheres




                                     *Média das estimativas mensais.
F – A proporção de mulheres com carteira de trabalho assinada é maior ou
                      menor que a de homens??


      A análise considerou a posse de carteira de trabalho assinada para homens e mulheres,
segundo os grupamentos de atividade nos quais estavam ocupados. Os resultados mostraram que
dentre as mulheres ocupadas no grupamento que incluía a Indústria e no grupamento dos Outros
serviços, o percentual delas com carteira de trabalho assinada era inferior ao verificado entre os
homens. Dentre as mulheres ocupadas na Indústria, o percentual das que possuíam carteira era de
53,0%, para os homens, esta estimativa era superior cerca de 20 pontos percentuais.
      Dentre as mulheres ocupadas nos Outros serviços, 42,9% tinham carteira assinada, dentre
os homens, 51,6%. Na Construção, grupamento com 93,8% do seu contingente formado por
homens, 65,2% das mulheres tinham carteira assinada, para os homens esta estimativa era 32,3%.
      No Comércio, nem metade das mulheres tinham carteira assinada (49,7%), o mesmo se
confirmou para os homens (44,6%). Nos Serviços prestados a empresas, 68,8% delas tinham
carteira assinada, entre os homens o percentual era 64,3%. No grupamento da Administração
Pública, enquanto 39,2% das mulheres tinham carteira assinada, dentre os homens esta estimativa
era de 27,5%. Ressalta-se que nos Serviços domésticos, grupamento onde as mulheres
representavam 94,2% do contingente, 36,1% delas tinha carteira assinada, ou seja, este foi o
grupamento com o menor percentual de mulheres com posse de carteira assinada.


  Proporção de pessoas ocupadas com carteira de trabalho assinada por sexo, segundo os
                           grupamentos de atividade – 2009*




                                      *Média das estimativas mensais.
G – A proporção de mulheres com contribuição para a previdência é
                    maior ou menor que a de homens?


      O percentual de mulheres contribuintes para a previdência (64,7%) era inferior ao de
homens (68,5%). O grupamento da Administração pública era o que tinha o maior percentual de
mulheres contribuintes (86,7%). Registrou-se ainda que menos da metade (41,2%) das
Trabalhadoras domésticas eram contribuintes.


Proporção de pessoas ocupadas que contribuíam para a previdência, por sexo, segundo os
                          grupamentos de atividade – 2009*




                                    *Média das estimativas mensais.
H – A jornada de trabalho das mulheres é maior ou menor que a dos
                                      homens?

          Apesar da redução, desde 2003, de aproximadamente 36 minutos na diferença da média de
horas trabalhadas entre homens e mulheres, as mulheres continuaram trabalhando, em 2009, em
média, menos do que os homens. Cabe esclarecer que essa queda na diferença foi ocasionada
pela redução na média de horas trabalhadas pelos homens. As mulheres, em 2009, trabalharam
em média 38,9 horas, uma média inferior a dos homens em 4,6 horas.
          As mulheres trabalhavam menos que os homens em todos os grupamentos de atividade.
Com a exceção das mulheres ocupadas nos Outros Serviços, as demais atividades apresentaram
aumento da média de horas trabalhadas para as mulheres.
          No grupamento da Administração Pública, as mulheres trabalharam, em média, 36,4 horas
semanais.




          Número médio de horas semanais trabalhadas, por grupamento de atividade, segundo
                                    o sexo – 2003/2009*
 Sexo e              Administração                                       Intermediação    Outros     Serviços
             Total                   Comércio   Construção   Indústria
  Ano                  Pública                                             Financeira    Serviços   Domésticos


Homens
  2003       44,2         39,6         46,1        43,7        43,9          43,1          46,4        45,3
  2009       43,5         39,0         45,5        43,2        43,3          42,3          45,4        43,4
Mulheres
   2003      39,0         35,7         41,2        38,6        39,9          39,2          40,6        38,5
   2009      38,9         36,4         41,7        39,8        40,0          39,3          40,2        36,9
Diferença
    2003     5,2          3,9          4,9         5,1          4,0           3,9          5,8         6,8
    2009     4,6          2,6          3,8         3,4          3,3           3,0          5,2         6,5
*Média das estimativas mensais.
I – Qual é a jornada de trabalho das mulheres considerando a
                                     escolaridade?


       As mulheres com 8 a 10 anos de estudo, em 2009, foram as que declararam trabalhar mais
horas semanais, 39,4. No entanto, aquelas com 11 anos ou mais de estudo foram as que
apresentaram a menor diferença na média de horas trabalhadas em relação aos homens, 3,6
horas. Em 2003, esta diferença era de 4,4 horas.
       As mulheres com 1 até 3 anos de estudo foram as que apresentaram a maior diferença (7,2
horas) na média de horas trabalhadas entre homens e mulheres. Em 2003, esta diferença foi
similar (7,3 horas).
       O número de horas trabalhadas pelas mulheres que possuíam curso superior completo
somente ultrapassava ao das que tinham até 3 anos de estudos.
       As mulheres com 11 anos ou mais de estudo foram as únicas a aumentar a média de horas
trabalhadas semanalmente, em todo o mercado de trabalho, de 38,8 horas em 2003 para 39,1
horas em 2009.


         Número médio de horas semanais trabalhadas, por grupos de anos de estudo,
segundo o sexo e diferença da quantidade de horas trabalhadas entre os sexos – 2003/2009*




                                                              2003                                   2009

                                                                          37,2                                             37,8
              Concluiu o nível superior                                          42,1                                         41,3
                                          4,9                                            3,5
                                                                           38,8                                             39,1
       Com 11 anos ou mais de estudo                                           43,2                                            42,7
                                          4,4                                            3,6
                                                                            39,8                                            39,4
            Com 8 a 10 anos de estudo                                           44,8                                               44,2
                                          5,0                                             4,8
                                                                           39,1                                            38,3
             Com 4 a 7 anos de estudo                                             45,2                                             44,6
                                           6,1                                              6,3
                                                                          37,9                                         37,3
             Com 1 a 3 anos de estudo                                             45,2                                             44,5
                                            7,3                                                7,2
      S/ Instrução e menos de 1 ano de                                     38,1                                        37,2
                                                                                  44,8                                             43,9
                    estudo                  6,7                                                6,7
                                                                                         Mulheres     Homens   Diferença

                                                  *Média das estimativas mensais.
J – Qual a relação entre a remuneração das mulheres dos homens?


      O rendimento de trabalho das mulheres, estimado em R$ 1.097,93, continua sendo inferior
ao dos homens (R$ 1.518,31). Em 2009, comparando a média anual dos rendimentos dos homens
e das mulheres, verificou-se que, em média, as mulheres ganham em torno de 72,3% do
rendimento recebido pelos homens. Em 2003, esse percentual era 70,8%.
      Considerando um grupo mais homogêneo, com a mesma escolaridade e do mesmo
grupamento de atividade, a diferença entre os rendimentos persiste. Tanto para as pessoas que
possuíam 11 anos ou mais de estudo quanto para as que tinham curso superior completo, os
rendimentos da população masculina eram superiores aos da feminina.
      Verificou-se que nos diversos grupamentos de atividade econômica, a graduação superior
não aproxima os rendimentos recebidos por homens e mulheres, pelo contrário, a diferença
acentua-se. No caso do Comércio, por exemplo, a diferença de rendimentos para a escolaridade
de 11 anos ou mais de estudo é de R$ 616,80 a mais para os homens. Quando a comparação é
feita para o nível superior, ela é de R$ 1.653,70 para eles.


 Rendimento médio habitual da população ocupada masculina, por escolaridade, segundo
                          grupamentos de atividade – 2009*.
Rendimento médio habitual da população ocupada feminina, por escolaridade, segundo os
                          grupamentos de atividade – 2009*.




   Razão do rendimento médio habitual da população ocupada feminina em relação a
      masculina, por escolaridade, segundo os grupamentos de atividade – 2009*.




                                *Média das estimativas mensais.
K – Qual o percentual de mulheres ocupadas que gostariam de trabalhar
                               mais horas?


      As mulheres apresentaram o maior percentual de pessoas ocupadas interessadas em
elevar a quantidade de horas trabalhadas, foram 5,8% contra 4,7% dos homens em 2009. Esses
valores interrompem a tendência de queda do percentual de pessoas ocupadas que gostariam de
trabalhar mais. Em 2003, um maior percentual de mulheres estavam interessadas em aumentar a
quantidade de horas que trabalhavam, 9,8%, 1,2 ponto percentual a mais que os homens.
      As mulheres, historicamente, sempre apresentaram um percentual maior de pessoas que
declararam querer aumentar a sua jornada de trabalho média semanal.

  Percentual de homens que gostariam de trabalhar mais horas semanais – 2003 a 2009*.




   Percentual de mulher que gostariam de trabalhar mais horas semanais – 2003 a 2009*.




                                    *Média das estimativas mensais.
L – Qual o percentual de mulheres com qualificação profissional?


      Na população ocupada (PO), a proporção de homens e mulheres, que frequentou ou
concluiu curso de qualificação profissional, foi semelhante. Entre a população desocupada (PD) o
percentual de mulheres que frequentou ou concluiu curso de qualificação profissional é menor que
o dos homens.




 Proporção de pessoas que frequentaram ou concluíram curso de qualificação profissional,
                   por sexo, segundo a condição na ocupação – 2009*




                                     *Média das estimativas mensais.
M – Qual a escolaridade das mulheres que querem se inserir no mercado
                               de trabalho?



      Em 2009, 1057 mil mulheres estavam desocupadas procurando por trabalho. Essa
população de mulheres registrou aumento na escolaridade, visto que, em 2003, em média, 5,0%
tinham nível superior e, em 2009, eram 8,1%. Esse crescimento é resultante do aumento da
escolaridade de uma forma geral.
      O aumento da escolaridade também pode ser verificado pela tabela a seguir. Em 2003, em
média, 44,7% das mulheres desocupadas tinham 11 anos ou mais de estudo, em 2009, essa
proporção ultrapassou, significativamente, a metade da população (59,8%). Verificou-se que a
população feminina desocupada é proporcionalmente mais escolarizada que a população feminina
acima de 10 anos. Enquanto, em média, 81,2% da população feminina desocupada tinham 8 anos
ou mais de escolaridade, na população em idade ativa, este percentual era de 61,1%. Apenas
1,2% da população desocupada era sem instrução ou tinha menos de 1 ano de estudo contra 4,2%
considerando a população em idade ativa.




  Proporção de mulheres desocupadas com nível superior completo, segundo as Regiões
                             Metropolitanas – 2003/2009*




                                    *Média das estimativas mensais.
Distribuição da população de mulheres desocupadas e em idade ativa por grupos de anos
                                de estudo – 2003/2009*
                        sem instrução e
          Ano           com menos de 1    1 a 3 anos     4 a 7 anos   8 a 10 anos   11 anos ou mais
                              ano
                                            População Desocupada

          2003                  2,2          4,9            22,4         25,5            44,7

          2009                  1,2          2,6            14,7         21,4            59,8

                                           Populção em Idade Ativa

          2003
                                6,0          9,4            30,6         18,8            35,1
          2009
                                4,2          7,4            27,2         17,5            43,6

    *Média das estimativas mensais.
N – Qual o perfil etário das mulheres que querem se inserir no mercado de
                                    trabalho?

      A população feminina desocupada (1.057 mil mulheres, em 2009) estava concentrada na
população de 25 a 49 anos. Em 2003, as mulheres pertencentes a esta faixa etária correspondiam
a 49,3% da população feminina desocupada. Em 2009, este percentual passou para 54,2%, ou
seja, mais da metade delas. A participação das mulheres na faixa etária de 50 anos ou mais de
idade também cresceu neste período, de 4,7% para 5,8%. Na população feminina em idade ativa, a
única faixa etária que apresentou aumento na participação foi esta última.


   Distribuição da população feminina desocupada e em idade ativa, segundo os grupos
                                   etários – 2003/2009*




                                       *Média das estimativas mensais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Dia Internacional Mulher
Palestra  Dia Internacional Mulher Palestra  Dia Internacional Mulher
Palestra Dia Internacional Mulher Andrea Palma Silva
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.Prof. Noe Assunção
 
Projeto Da Mandioca
Projeto Da MandiocaProjeto Da Mandioca
Projeto Da Mandiocaguest369ea8
 
Slide projeto de vida
Slide projeto de vidaSlide projeto de vida
Slide projeto de vidaIsabel Aguiar
 
Palestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino MédioPalestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino Médioangelavbecker
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoCassia Dias
 
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSOAULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSOelianecamera
 
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaClaudia Elisabete Silva
 
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe AssunçãoPLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaTurma Olímpica
 
Formação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da Educação
Formação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da EducaçãoFormação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da Educação
Formação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da EducaçãoSandraRombi
 
Atendimento a Mulheres em Situação de Violência
Atendimento a Mulheres em Situação de ViolênciaAtendimento a Mulheres em Situação de Violência
Atendimento a Mulheres em Situação de ViolênciaPatricio Brito
 
Frações equivalente no power point
Frações equivalente no power pointFrações equivalente no power point
Frações equivalente no power pointricasom
 
Lista de exercícios – sistema de equações do 1° grau
Lista de exercícios – sistema de equações do 1° grauLista de exercícios – sistema de equações do 1° grau
Lista de exercícios – sistema de equações do 1° grauEverton Moraes
 
Descritores de matematica do 5º ao 3º ano do ensino médio
Descritores de matematica do 5º ao 3º ano do ensino médioDescritores de matematica do 5º ao 3º ano do ensino médio
Descritores de matematica do 5º ao 3º ano do ensino médioGabriel Angelo Oliveira
 

Mais procurados (20)

Palestra Dia Internacional Mulher
Palestra  Dia Internacional Mulher Palestra  Dia Internacional Mulher
Palestra Dia Internacional Mulher
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Protagonismo juvenil
Protagonismo juvenilProtagonismo juvenil
Protagonismo juvenil
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
 
Projeto Da Mandioca
Projeto Da MandiocaProjeto Da Mandioca
Projeto Da Mandioca
 
Slide projeto de vida
Slide projeto de vidaSlide projeto de vida
Slide projeto de vida
 
Palestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino MédioPalestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino Médio
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma Profissão
 
Projeto semana da juventude
Projeto semana da juventudeProjeto semana da juventude
Projeto semana da juventude
 
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSOAULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
 
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
 
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe AssunçãoPLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
 
Zumbi dos Palmares
Zumbi dos PalmaresZumbi dos Palmares
Zumbi dos Palmares
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
 
Formação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da Educação
Formação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da EducaçãoFormação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da Educação
Formação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da Educação
 
Atendimento a Mulheres em Situação de Violência
Atendimento a Mulheres em Situação de ViolênciaAtendimento a Mulheres em Situação de Violência
Atendimento a Mulheres em Situação de Violência
 
Lista de atividades 5ª serie
Lista de atividades 5ª serieLista de atividades 5ª serie
Lista de atividades 5ª serie
 
Frações equivalente no power point
Frações equivalente no power pointFrações equivalente no power point
Frações equivalente no power point
 
Lista de exercícios – sistema de equações do 1° grau
Lista de exercícios – sistema de equações do 1° grauLista de exercícios – sistema de equações do 1° grau
Lista de exercícios – sistema de equações do 1° grau
 
Descritores de matematica do 5º ao 3º ano do ensino médio
Descritores de matematica do 5º ao 3º ano do ensino médioDescritores de matematica do 5º ao 3º ano do ensino médio
Descritores de matematica do 5º ao 3º ano do ensino médio
 

Destaque

História da mulher no mercado de trabalho
História da mulher no mercado de trabalhoHistória da mulher no mercado de trabalho
História da mulher no mercado de trabalhoGustavo Tamagno Martins
 
Artigo papel da mulher na sociedade
Artigo papel da mulher na sociedadeArtigo papel da mulher na sociedade
Artigo papel da mulher na sociedadeIsabel Vitória
 
O trabalho da mulher
O trabalho da mulherO trabalho da mulher
O trabalho da mulherRose Oliveira
 
A evolução da mulher no mercado de trabalho
A evolução da mulher no mercado de trabalhoA evolução da mulher no mercado de trabalho
A evolução da mulher no mercado de trabalhoJéssica Martins
 
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxiMulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxiWAGNER OLIVEIRA
 
A mulher na sociedade.
A mulher na sociedade.A mulher na sociedade.
A mulher na sociedade.interatividade
 
A mulher e o mercado de trabalho
A mulher e o mercado de trabalhoA mulher e o mercado de trabalho
A mulher e o mercado de trabalhoIsabel Vitória
 
Os direitos das mulher como direitos humanos
Os direitos das mulher como direitos humanosOs direitos das mulher como direitos humanos
Os direitos das mulher como direitos humanosVanessa Ribeiro
 
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...MaisoDias
 
Relatório atividades-2007-SERTE
Relatório atividades-2007-SERTERelatório atividades-2007-SERTE
Relatório atividades-2007-SERTEhelioaf
 
O mundo do trabalho
O mundo do trabalho  O mundo do trabalho
O mundo do trabalho Sarah Bruck
 
Empregabilidade no feminino
Empregabilidade no femininoEmpregabilidade no feminino
Empregabilidade no femininopedro ferreira
 

Destaque (20)

A Trajetória do poder da mulher: do lar ao mercado de trabalho
A Trajetória do poder da mulher: do lar ao mercado de trabalho A Trajetória do poder da mulher: do lar ao mercado de trabalho
A Trajetória do poder da mulher: do lar ao mercado de trabalho
 
História da mulher no mercado de trabalho
História da mulher no mercado de trabalhoHistória da mulher no mercado de trabalho
História da mulher no mercado de trabalho
 
Artigo papel da mulher na sociedade
Artigo papel da mulher na sociedadeArtigo papel da mulher na sociedade
Artigo papel da mulher na sociedade
 
O trabalho da mulher
O trabalho da mulherO trabalho da mulher
O trabalho da mulher
 
A evolução da mulher no mercado de trabalho
A evolução da mulher no mercado de trabalhoA evolução da mulher no mercado de trabalho
A evolução da mulher no mercado de trabalho
 
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxiMulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
 
A mulher na sociedade.
A mulher na sociedade.A mulher na sociedade.
A mulher na sociedade.
 
Mulheres na História
Mulheres na HistóriaMulheres na História
Mulheres na História
 
A mulher e o mercado de trabalho
A mulher e o mercado de trabalhoA mulher e o mercado de trabalho
A mulher e o mercado de trabalho
 
A Mulher no Mercado de Trabalho
A Mulher no Mercado de TrabalhoA Mulher no Mercado de Trabalho
A Mulher no Mercado de Trabalho
 
Direitos da mulher
Direitos da mulherDireitos da mulher
Direitos da mulher
 
Os direitos das mulher como direitos humanos
Os direitos das mulher como direitos humanosOs direitos das mulher como direitos humanos
Os direitos das mulher como direitos humanos
 
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...
 
Relatório atividades-2007-SERTE
Relatório atividades-2007-SERTERelatório atividades-2007-SERTE
Relatório atividades-2007-SERTE
 
A inserção da mulher no mercado de trabalho da RMPA – 2014
A inserção da mulher no mercado de trabalho da RMPA – 2014A inserção da mulher no mercado de trabalho da RMPA – 2014
A inserção da mulher no mercado de trabalho da RMPA – 2014
 
O mundo do trabalho
O mundo do trabalho  O mundo do trabalho
O mundo do trabalho
 
O Futuro da TV Aberta como Modelo de Negócio
O Futuro da TV Aberta como Modelo de NegócioO Futuro da TV Aberta como Modelo de Negócio
O Futuro da TV Aberta como Modelo de Negócio
 
Boletim PED RMS mulheres 2014
Boletim PED RMS mulheres 2014Boletim PED RMS mulheres 2014
Boletim PED RMS mulheres 2014
 
Empregabilidade no feminino
Empregabilidade no femininoEmpregabilidade no feminino
Empregabilidade no feminino
 
Mulher trabalho
Mulher trabalhoMulher trabalho
Mulher trabalho
 

Semelhante a Participação feminina no mercado de trabalho

Estatística da mulher no trabalho
Estatística da mulher no trabalhoEstatística da mulher no trabalho
Estatística da mulher no trabalhokanematador
 
Participação das Mulheres no Mercado de Trabalho
Participação das Mulheres no Mercado de TrabalhoParticipação das Mulheres no Mercado de Trabalho
Participação das Mulheres no Mercado de TrabalhoGleisi Hoffmann
 
Síntese de indicadores sociais 2013
Síntese de indicadores sociais 2013Síntese de indicadores sociais 2013
Síntese de indicadores sociais 2013Jose Aldemir Freire
 
PEC 06/2019: as mulheres, outra vez, na mira da reforma da Previdência
PEC 06/2019: as mulheres, outra vez, na mira da reforma da PrevidênciaPEC 06/2019: as mulheres, outra vez, na mira da reforma da Previdência
PEC 06/2019: as mulheres, outra vez, na mira da reforma da Previdênciatiagopereirasp85
 
Sesc santana degeneradas2 - consumidoras consumidas - 16 mar 16
Sesc santana   degeneradas2 - consumidoras consumidas - 16 mar 16Sesc santana   degeneradas2 - consumidoras consumidas - 16 mar 16
Sesc santana degeneradas2 - consumidoras consumidas - 16 mar 16Renata Frota
 
Desafios e Oportunidades de Carreira na Maturidade - Um Estudo com Profission...
Desafios e Oportunidades de Carreira na Maturidade - Um Estudo com Profission...Desafios e Oportunidades de Carreira na Maturidade - Um Estudo com Profission...
Desafios e Oportunidades de Carreira na Maturidade - Um Estudo com Profission...Edgard Almeida
 
Desigualdades de Gênero no Brasil
Desigualdades de Gênero no BrasilDesigualdades de Gênero no Brasil
Desigualdades de Gênero no BrasilReginaAlice3
 
Equidade de genero nas empresas
Equidade de genero nas empresasEquidade de genero nas empresas
Equidade de genero nas empresasRenata Zampronio
 
AF_CIG_FactSheet.pdf
AF_CIG_FactSheet.pdfAF_CIG_FactSheet.pdf
AF_CIG_FactSheet.pdfBeacarol
 
Sucesso de batom 10-03-2015
Sucesso de batom  10-03-2015Sucesso de batom  10-03-2015
Sucesso de batom 10-03-2015Cra-es Conselho
 
Diversidade de Gênero com Ênfase no Papel da Mulher na Sociedade.
Diversidade de Gênero com Ênfase no Papel da Mulher na Sociedade.Diversidade de Gênero com Ênfase no Papel da Mulher na Sociedade.
Diversidade de Gênero com Ênfase no Papel da Mulher na Sociedade.Luís Dias da Silva
 
Aula 3 desigualdades de gênero no brasil indicadores
Aula 3 desigualdades de gênero no brasil  indicadoresAula 3 desigualdades de gênero no brasil  indicadores
Aula 3 desigualdades de gênero no brasil indicadoresDaianaCorreia8
 
Mulheres no trabalho: tendências de 2016
Mulheres no trabalho: tendências de 2016Mulheres no trabalho: tendências de 2016
Mulheres no trabalho: tendências de 2016LinTrab
 
Inserção da População Negra na Região Metropolitana de Salvador
Inserção da População Negra na Região Metropolitana de SalvadorInserção da População Negra na Região Metropolitana de Salvador
Inserção da População Negra na Região Metropolitana de SalvadorTRAMPO Comunicação e Eventos Soares
 
IBGE-MULHERES-7.mar_.2018.pdf
IBGE-MULHERES-7.mar_.2018.pdfIBGE-MULHERES-7.mar_.2018.pdf
IBGE-MULHERES-7.mar_.2018.pdfTniaMiranda12
 

Semelhante a Participação feminina no mercado de trabalho (20)

Estatística da mulher no trabalho
Estatística da mulher no trabalhoEstatística da mulher no trabalho
Estatística da mulher no trabalho
 
Informe PED Especial - Jovens
Informe PED Especial - Jovens Informe PED Especial - Jovens
Informe PED Especial - Jovens
 
Participação das Mulheres no Mercado de Trabalho
Participação das Mulheres no Mercado de TrabalhoParticipação das Mulheres no Mercado de Trabalho
Participação das Mulheres no Mercado de Trabalho
 
Sis ibge
Sis ibgeSis ibge
Sis ibge
 
Síntese de indicadores sociais 2013
Síntese de indicadores sociais 2013Síntese de indicadores sociais 2013
Síntese de indicadores sociais 2013
 
PEC 06/2019: as mulheres, outra vez, na mira da reforma da Previdência
PEC 06/2019: as mulheres, outra vez, na mira da reforma da PrevidênciaPEC 06/2019: as mulheres, outra vez, na mira da reforma da Previdência
PEC 06/2019: as mulheres, outra vez, na mira da reforma da Previdência
 
Sesc santana degeneradas2 - consumidoras consumidas - 16 mar 16
Sesc santana   degeneradas2 - consumidoras consumidas - 16 mar 16Sesc santana   degeneradas2 - consumidoras consumidas - 16 mar 16
Sesc santana degeneradas2 - consumidoras consumidas - 16 mar 16
 
Desafios e Oportunidades de Carreira na Maturidade - Um Estudo com Profission...
Desafios e Oportunidades de Carreira na Maturidade - Um Estudo com Profission...Desafios e Oportunidades de Carreira na Maturidade - Um Estudo com Profission...
Desafios e Oportunidades de Carreira na Maturidade - Um Estudo com Profission...
 
MENOS JOVENS E MAIS IDOSOS NO MERCADO DE TRABALHO?
MENOS JOVENS E MAIS IDOSOS NO MERCADO DE TRABALHO?MENOS JOVENS E MAIS IDOSOS NO MERCADO DE TRABALHO?
MENOS JOVENS E MAIS IDOSOS NO MERCADO DE TRABALHO?
 
Desigualdades de Gênero no Brasil
Desigualdades de Gênero no BrasilDesigualdades de Gênero no Brasil
Desigualdades de Gênero no Brasil
 
Equidade de genero nas empresas
Equidade de genero nas empresasEquidade de genero nas empresas
Equidade de genero nas empresas
 
Emprego doméstico - PED RMS abril2014
Emprego doméstico - PED RMS abril2014Emprego doméstico - PED RMS abril2014
Emprego doméstico - PED RMS abril2014
 
AF_CIG_FactSheet.pdf
AF_CIG_FactSheet.pdfAF_CIG_FactSheet.pdf
AF_CIG_FactSheet.pdf
 
Sucesso de batom 10-03-2015
Sucesso de batom  10-03-2015Sucesso de batom  10-03-2015
Sucesso de batom 10-03-2015
 
Diversidade de Gênero com Ênfase no Papel da Mulher na Sociedade.
Diversidade de Gênero com Ênfase no Papel da Mulher na Sociedade.Diversidade de Gênero com Ênfase no Papel da Mulher na Sociedade.
Diversidade de Gênero com Ênfase no Papel da Mulher na Sociedade.
 
Aula 3 desigualdades de gênero no brasil indicadores
Aula 3 desigualdades de gênero no brasil  indicadoresAula 3 desigualdades de gênero no brasil  indicadores
Aula 3 desigualdades de gênero no brasil indicadores
 
Mulheres no trabalho: tendências de 2016
Mulheres no trabalho: tendências de 2016Mulheres no trabalho: tendências de 2016
Mulheres no trabalho: tendências de 2016
 
Inserção da População Negra na Região Metropolitana de Salvador
Inserção da População Negra na Região Metropolitana de SalvadorInserção da População Negra na Região Metropolitana de Salvador
Inserção da População Negra na Região Metropolitana de Salvador
 
IBGE-MULHERES-7.mar_.2018.pdf
IBGE-MULHERES-7.mar_.2018.pdfIBGE-MULHERES-7.mar_.2018.pdf
IBGE-MULHERES-7.mar_.2018.pdf
 
DIEESE ESTUDOS E PESQUISAS 106 Trabalho Doméstico
DIEESE ESTUDOS E PESQUISAS 106 Trabalho DomésticoDIEESE ESTUDOS E PESQUISAS 106 Trabalho Doméstico
DIEESE ESTUDOS E PESQUISAS 106 Trabalho Doméstico
 

Participação feminina no mercado de trabalho

  • 1. Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2010 MULHER NO MERCADO DE TRABALHO: PERGUNTAS E RESPOSTAS A Pesquisa Mensal de Emprego – PME, implantada em 1980, produz indicadores para o acompanhamento conjuntural do mercado de trabalho nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. Trata-se de uma pesquisa domiciliar urbana realizada através de uma amostra probabilística, planejada de forma a garantir os resultados para os níveis geográficos em que é realizada. As grandes transformações ocorridas no mercado de trabalho brasileiro desde a implantação da PME impuseram uma revisão completa, vigente desde março de 2002, abrangendo seus aspectos metodológicos e processuais. A modernização da Pesquisa Mensal de Emprego visou a captação mais adequada das características do trabalhador e de sua inserção no sistema produtivo, fornecendo, assim, informações mais adequadas para a formulação e o acompanhamento de políticas públicas. No que diz respeito a conceitos e métodos, ocorreram atualizações de forma a acompanhar as recomendações da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Uma das grandes vantagens das mudanças implementadas foi a oportunidade de se fazer estudos mais detalhados de temas e populações específicas. O objetivo deste trabalho é, através do formato de perguntas e respostas, apresentar um panorama da mulher no mercado de trabalho, vis-à-vis a situação do homem. Perguntas: A) Qual a participação das mulheres no mercado de trabalho? B) Qual a participação das mulheres nos grupamentos de atividade? C) Como as mulheres estão inseridas no mercado de trabalho? D) Qual o perfil educacional das mulheres no mercado de trabalho? E) Qual a participação das mulheres no setor público? F) A proporção de mulheres com carteira de trabalho assinada é maior ou menor que a de homens? G) A proporção de mulheres com contribuição para previdência é maior ou menor que a de homens? H) A jornada de trabalho das mulheres é maior ou menor que a dos homens? I) Qual é a jornada de trabalho das mulheres considerando a escolaridade? J) Qual a relação entre a remuneração das mulheres dos homens? K) Qual o percentual de mulheres ocupadas que gostariam de trabalhar mais horas? L) Qual o percentual de mulheres com qualificação profissional? M) Qual a escolaridade das mulheres que querem se inserir no mercado de trabalho? N) Qual o perfil etário das mulheres que querem se inserir no mercado de trabalho?
  • 2. A – Qual a participação das mulheres no mercado de trabalho? Embora as mulheres sejam maioria na população de 10 anos ou mais de idade, elas são minoria na população ocupada, mas estão em maioria entre os desocupados. Acrescenta-se ainda, que elas são maioria também na população não economicamente ativa. Em 2009, em média, eram 10,6 milhões de mulheres na força de trabalho, sendo 9,6 milhões ocupadas e 1,1 milhão desocupadas. O contingente de mulheres na inatividade foi estimado em 11,3 milhões. Distribuição da população com 10 anos ou mais de idade, por condição de atividade, segundo o sexo – 2009* Cerca 64,2% do contingente de mulheres ocupadas tinha entre 25 e 49 anos de idade. Entre os homens este percentual era de 61,5%. Destaca-se que embora a população de 50 anos ou mais de idade feminina (30,2%) seja proporcionalmente maior que a masculina (26,1%), considerando a população ocupada temos o inverso. Entre as mulheres ocupadas 19,7% tinham 50 anos ou mais de idade, para os homens este percentual era de 21,5%. Distribuição da população com 10 anos ou mais de idade, por condição de atividade, segundo o sexo – 2009* *Média das estimativas mensais.
  • 3. B – Qual a participação das mulheres nos grupamentos de atividade? Analisando a participação das mulheres ocupadas nos sete grupamentos de atividade apontados pela PME, observou-se que nos grupamentos que incluem a Indústria, Construção, Comércio, Serviços prestados a empresas e Outros serviços, elas eram minoria. A participação delas era maior nos grupamentos que incluíam a Administração Pública e nos Serviços domésticos, neste último elas eram quase maioria absoluta. O gráfico abaixo mostra a participação de homens e mulheres nos sete grupamentos de atividade. Distribuição da população ocupada, por grupamentos de atividade, segundo o sexo 2009* *Média das estimativas mensais.
  • 4. C – Como as mulheres estão inseridas no mercado de trabalho? Aproximadamente 35,5% das mulheres estavam inseridas no mercado de trabalho como empregadas com carteira de trabalho assinada, percentual inferior ao observado na distribuição masculina (43,9%). As mulheres empregadas sem carteira e trabalhando por conta própria correspondiam a 30,9%. Entre os homens este percentual era de 40%. O percentual de mulheres inseridas como empregadores era de 3,6% enquanto na distribuição masculina era 7,0%. Distribuição da população ocupada, por formas de inserção, segundo o sexo – 2009* *Média das estimativas mensais.
  • 5. D - Qual o perfil educacional das mulheres no mercado de trabalho? Enquanto 61,2% das trabalhadoras tinham 11 anos ou mais de estudo, ou seja, pelo menos o ensino médio completo, para os homens este percentual era de 53,2%. Destaca-se ainda que a parcela de mulheres ocupadas com curso de nível superior completo era de 19,6%, superior ao dos homens, 14,2%. Por outro lado, nos grupos de anos de estudos com menos escolaridade, a participação dos homens era superior a das mulheres. Participação da população ocupada masculina, por escolaridade, segundo as formas de ocupação – 2009* Participação da população ocupada feminina, por escolaridade, segundo as formas de ocupação – 2009* *Média das estimativas mensais.
  • 6. Considerando as formas de inserção no mercado de trabalho, observou-se que a categoria dos militares e funcionários públicos estatutários foi a que apresentou o maior percentual de mulheres com 11 anos ou mais de estudos (92,2%) e com nível superior completo (58,0%). As trabalhadoras domésticas foram as que apresentaram o menor percentual de pessoas com 11 anos ou mais de estudo (18,4%). Na comparação por sexo, verificou-se que em todas as categorias apontadas pela PME, a exceção da de trabalhadores domésticos, o percentual de mulheres com 11 anos ou mais de estudo ou com curso superior completo era maior que o dos homens.
  • 7. E – Qual a participação das mulheres no setor público? As mulheres eram a maioria das pessoas ocupadas no setor público, representavam 54,5% do total. Em 2003, elas correspondiam a 53,0%. Distribuição da população ocupada no setor público, por sexo – 2009* 45,5% Homens 53,5% Mulheres *Média das estimativas mensais.
  • 8. F – A proporção de mulheres com carteira de trabalho assinada é maior ou menor que a de homens?? A análise considerou a posse de carteira de trabalho assinada para homens e mulheres, segundo os grupamentos de atividade nos quais estavam ocupados. Os resultados mostraram que dentre as mulheres ocupadas no grupamento que incluía a Indústria e no grupamento dos Outros serviços, o percentual delas com carteira de trabalho assinada era inferior ao verificado entre os homens. Dentre as mulheres ocupadas na Indústria, o percentual das que possuíam carteira era de 53,0%, para os homens, esta estimativa era superior cerca de 20 pontos percentuais. Dentre as mulheres ocupadas nos Outros serviços, 42,9% tinham carteira assinada, dentre os homens, 51,6%. Na Construção, grupamento com 93,8% do seu contingente formado por homens, 65,2% das mulheres tinham carteira assinada, para os homens esta estimativa era 32,3%. No Comércio, nem metade das mulheres tinham carteira assinada (49,7%), o mesmo se confirmou para os homens (44,6%). Nos Serviços prestados a empresas, 68,8% delas tinham carteira assinada, entre os homens o percentual era 64,3%. No grupamento da Administração Pública, enquanto 39,2% das mulheres tinham carteira assinada, dentre os homens esta estimativa era de 27,5%. Ressalta-se que nos Serviços domésticos, grupamento onde as mulheres representavam 94,2% do contingente, 36,1% delas tinha carteira assinada, ou seja, este foi o grupamento com o menor percentual de mulheres com posse de carteira assinada. Proporção de pessoas ocupadas com carteira de trabalho assinada por sexo, segundo os grupamentos de atividade – 2009* *Média das estimativas mensais.
  • 9. G – A proporção de mulheres com contribuição para a previdência é maior ou menor que a de homens? O percentual de mulheres contribuintes para a previdência (64,7%) era inferior ao de homens (68,5%). O grupamento da Administração pública era o que tinha o maior percentual de mulheres contribuintes (86,7%). Registrou-se ainda que menos da metade (41,2%) das Trabalhadoras domésticas eram contribuintes. Proporção de pessoas ocupadas que contribuíam para a previdência, por sexo, segundo os grupamentos de atividade – 2009* *Média das estimativas mensais.
  • 10. H – A jornada de trabalho das mulheres é maior ou menor que a dos homens? Apesar da redução, desde 2003, de aproximadamente 36 minutos na diferença da média de horas trabalhadas entre homens e mulheres, as mulheres continuaram trabalhando, em 2009, em média, menos do que os homens. Cabe esclarecer que essa queda na diferença foi ocasionada pela redução na média de horas trabalhadas pelos homens. As mulheres, em 2009, trabalharam em média 38,9 horas, uma média inferior a dos homens em 4,6 horas. As mulheres trabalhavam menos que os homens em todos os grupamentos de atividade. Com a exceção das mulheres ocupadas nos Outros Serviços, as demais atividades apresentaram aumento da média de horas trabalhadas para as mulheres. No grupamento da Administração Pública, as mulheres trabalharam, em média, 36,4 horas semanais. Número médio de horas semanais trabalhadas, por grupamento de atividade, segundo o sexo – 2003/2009* Sexo e Administração Intermediação Outros Serviços Total Comércio Construção Indústria Ano Pública Financeira Serviços Domésticos Homens 2003 44,2 39,6 46,1 43,7 43,9 43,1 46,4 45,3 2009 43,5 39,0 45,5 43,2 43,3 42,3 45,4 43,4 Mulheres 2003 39,0 35,7 41,2 38,6 39,9 39,2 40,6 38,5 2009 38,9 36,4 41,7 39,8 40,0 39,3 40,2 36,9 Diferença 2003 5,2 3,9 4,9 5,1 4,0 3,9 5,8 6,8 2009 4,6 2,6 3,8 3,4 3,3 3,0 5,2 6,5 *Média das estimativas mensais.
  • 11. I – Qual é a jornada de trabalho das mulheres considerando a escolaridade? As mulheres com 8 a 10 anos de estudo, em 2009, foram as que declararam trabalhar mais horas semanais, 39,4. No entanto, aquelas com 11 anos ou mais de estudo foram as que apresentaram a menor diferença na média de horas trabalhadas em relação aos homens, 3,6 horas. Em 2003, esta diferença era de 4,4 horas. As mulheres com 1 até 3 anos de estudo foram as que apresentaram a maior diferença (7,2 horas) na média de horas trabalhadas entre homens e mulheres. Em 2003, esta diferença foi similar (7,3 horas). O número de horas trabalhadas pelas mulheres que possuíam curso superior completo somente ultrapassava ao das que tinham até 3 anos de estudos. As mulheres com 11 anos ou mais de estudo foram as únicas a aumentar a média de horas trabalhadas semanalmente, em todo o mercado de trabalho, de 38,8 horas em 2003 para 39,1 horas em 2009. Número médio de horas semanais trabalhadas, por grupos de anos de estudo, segundo o sexo e diferença da quantidade de horas trabalhadas entre os sexos – 2003/2009* 2003 2009 37,2 37,8 Concluiu o nível superior 42,1 41,3 4,9 3,5 38,8 39,1 Com 11 anos ou mais de estudo 43,2 42,7 4,4 3,6 39,8 39,4 Com 8 a 10 anos de estudo 44,8 44,2 5,0 4,8 39,1 38,3 Com 4 a 7 anos de estudo 45,2 44,6 6,1 6,3 37,9 37,3 Com 1 a 3 anos de estudo 45,2 44,5 7,3 7,2 S/ Instrução e menos de 1 ano de 38,1 37,2 44,8 43,9 estudo 6,7 6,7 Mulheres Homens Diferença *Média das estimativas mensais.
  • 12. J – Qual a relação entre a remuneração das mulheres dos homens? O rendimento de trabalho das mulheres, estimado em R$ 1.097,93, continua sendo inferior ao dos homens (R$ 1.518,31). Em 2009, comparando a média anual dos rendimentos dos homens e das mulheres, verificou-se que, em média, as mulheres ganham em torno de 72,3% do rendimento recebido pelos homens. Em 2003, esse percentual era 70,8%. Considerando um grupo mais homogêneo, com a mesma escolaridade e do mesmo grupamento de atividade, a diferença entre os rendimentos persiste. Tanto para as pessoas que possuíam 11 anos ou mais de estudo quanto para as que tinham curso superior completo, os rendimentos da população masculina eram superiores aos da feminina. Verificou-se que nos diversos grupamentos de atividade econômica, a graduação superior não aproxima os rendimentos recebidos por homens e mulheres, pelo contrário, a diferença acentua-se. No caso do Comércio, por exemplo, a diferença de rendimentos para a escolaridade de 11 anos ou mais de estudo é de R$ 616,80 a mais para os homens. Quando a comparação é feita para o nível superior, ela é de R$ 1.653,70 para eles. Rendimento médio habitual da população ocupada masculina, por escolaridade, segundo grupamentos de atividade – 2009*.
  • 13. Rendimento médio habitual da população ocupada feminina, por escolaridade, segundo os grupamentos de atividade – 2009*. Razão do rendimento médio habitual da população ocupada feminina em relação a masculina, por escolaridade, segundo os grupamentos de atividade – 2009*. *Média das estimativas mensais.
  • 14. K – Qual o percentual de mulheres ocupadas que gostariam de trabalhar mais horas? As mulheres apresentaram o maior percentual de pessoas ocupadas interessadas em elevar a quantidade de horas trabalhadas, foram 5,8% contra 4,7% dos homens em 2009. Esses valores interrompem a tendência de queda do percentual de pessoas ocupadas que gostariam de trabalhar mais. Em 2003, um maior percentual de mulheres estavam interessadas em aumentar a quantidade de horas que trabalhavam, 9,8%, 1,2 ponto percentual a mais que os homens. As mulheres, historicamente, sempre apresentaram um percentual maior de pessoas que declararam querer aumentar a sua jornada de trabalho média semanal. Percentual de homens que gostariam de trabalhar mais horas semanais – 2003 a 2009*. Percentual de mulher que gostariam de trabalhar mais horas semanais – 2003 a 2009*. *Média das estimativas mensais.
  • 15. L – Qual o percentual de mulheres com qualificação profissional? Na população ocupada (PO), a proporção de homens e mulheres, que frequentou ou concluiu curso de qualificação profissional, foi semelhante. Entre a população desocupada (PD) o percentual de mulheres que frequentou ou concluiu curso de qualificação profissional é menor que o dos homens. Proporção de pessoas que frequentaram ou concluíram curso de qualificação profissional, por sexo, segundo a condição na ocupação – 2009* *Média das estimativas mensais.
  • 16. M – Qual a escolaridade das mulheres que querem se inserir no mercado de trabalho? Em 2009, 1057 mil mulheres estavam desocupadas procurando por trabalho. Essa população de mulheres registrou aumento na escolaridade, visto que, em 2003, em média, 5,0% tinham nível superior e, em 2009, eram 8,1%. Esse crescimento é resultante do aumento da escolaridade de uma forma geral. O aumento da escolaridade também pode ser verificado pela tabela a seguir. Em 2003, em média, 44,7% das mulheres desocupadas tinham 11 anos ou mais de estudo, em 2009, essa proporção ultrapassou, significativamente, a metade da população (59,8%). Verificou-se que a população feminina desocupada é proporcionalmente mais escolarizada que a população feminina acima de 10 anos. Enquanto, em média, 81,2% da população feminina desocupada tinham 8 anos ou mais de escolaridade, na população em idade ativa, este percentual era de 61,1%. Apenas 1,2% da população desocupada era sem instrução ou tinha menos de 1 ano de estudo contra 4,2% considerando a população em idade ativa. Proporção de mulheres desocupadas com nível superior completo, segundo as Regiões Metropolitanas – 2003/2009* *Média das estimativas mensais.
  • 17. Distribuição da população de mulheres desocupadas e em idade ativa por grupos de anos de estudo – 2003/2009* sem instrução e Ano com menos de 1 1 a 3 anos 4 a 7 anos 8 a 10 anos 11 anos ou mais ano População Desocupada 2003 2,2 4,9 22,4 25,5 44,7 2009 1,2 2,6 14,7 21,4 59,8 Populção em Idade Ativa 2003 6,0 9,4 30,6 18,8 35,1 2009 4,2 7,4 27,2 17,5 43,6 *Média das estimativas mensais.
  • 18. N – Qual o perfil etário das mulheres que querem se inserir no mercado de trabalho? A população feminina desocupada (1.057 mil mulheres, em 2009) estava concentrada na população de 25 a 49 anos. Em 2003, as mulheres pertencentes a esta faixa etária correspondiam a 49,3% da população feminina desocupada. Em 2009, este percentual passou para 54,2%, ou seja, mais da metade delas. A participação das mulheres na faixa etária de 50 anos ou mais de idade também cresceu neste período, de 4,7% para 5,8%. Na população feminina em idade ativa, a única faixa etária que apresentou aumento na participação foi esta última. Distribuição da população feminina desocupada e em idade ativa, segundo os grupos etários – 2003/2009* *Média das estimativas mensais.