SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
25 d’Abril sempre!




                                              S
25 de Abril                                                        2007


As coisas estão a mudar? À medida que o tradicional desfile dos Cravos
terminava, para espanto de muitos (?), já não ao som do Grândola mas
ao som nacionalista do hino português, deu-se início à resposta de
centenas de pessoas numa manifestação contra o Fascismo e o
Capitalismo. Centenas fartas da treta nacionalista e da teia que o
capitalismo dela tece, a mesma que nos encerra todos os dias num mar
de propaganda nos jornais, nas televisões, nas conversas de café e à mesa
do jantar… Foi a partir desse dia-a-dia sufocante que Anarquistas e
Anti-Autoritários apelaram com sucesso à participação activa, e de uma
forma não partidária, a todas as pessoas num acto de resistência ao
fascismo e ao capitalismo.
A brutal repressão policial que se lhe seguiu nesse “Dia da Liberdade”
deixa claro a todos de que essa resistência não é nem será nunca a tarefa
de qualquer polícia ou instituição estatal, pelas suas afinidades e
cumplicidades. As mentiras e as montagens policiais, o silêncio auto-
imposto dos jornalistas, o silencia e embaraço da quase totalidade das
esquerdas de Abril aos acontecimentos demonstraram de uma vez por
todas que:
Ÿ    A actuação policial foi premeditada e destinada a instalar o medo, em passar a
                                                                           continua na próxima página
ideia do papão anarquista, do vândalo, e que cabe às pessoas “cívicas” desviar-se e
deixar a polícia fazer o seu trabalho face a esses “bandos de criminosos”…
Ÿexistem relações evidentes entre elementos da PSP e da extrema-direita. Se
      Que
já o denunciava o facto do armamento que levou detenção de elementos do PNR
por xenofobia e tráfico de armas, ser roubado do arsenal de Lisboa da PSP, agora é
evidente como a policia se substitui aos nazis na protecção dos seus interesses (ou o
cartaz do marquês) ou na caça ao preto ou ao anti-fascista pelas ruas de Lisboa…
Ÿ     A comunicação social não só está completamente domesticada, como é ela
mesma quem faz a cama ao fascismo. Cabe-lhe a ela, por outro lado, o papel
principal do discurso terrorista a todo aquele que, uma vez esclarecido que a resposta
deve ser popular e não pelos remendos judiciais, actua fora dos rótulos e das
condutas dirigidas. Se levanta e grita basta!
Ÿo silêncio das pessoas, e da esquerda de cravo na lapela em particular, aos
      Que
acontecimentos, é silêncio de morte. Pacto de quem não quer ver, pacto de quem
prefere esquecer vergonhosamente as suas próprias nódoas negras, a troco do
discurso populista onde não tem lugar os incontroláveis… os sem-partido, os sem-
nome. Consentem paternalmente na criminalização da dissidência anti-capitalista,
como se fosse crime isso ou o simples designar de «anarquista ou libertário»...Hoje
consentem na sua repressão, e amanhã na de quem mais?
ŸSalazar é de novo a Floribela deprimente que se segue neste grande reality
      Que
show português. Aí está uma vez mais o fascismo como a grande tábua de salvação
e necessidade dos governos em tempos de crise social, alimentando-a como desculpa
à sua democracia. O fermento de que é feito o bolo da festa parlamentar… olhem
para o lado, por favor!!

Terá a manifestação anti-fascista e anti-capitalista de 25 de Abril acertado no alvo?
A resposta poderá estar nas entrelinhas dos sempre operacionais agentes da ordem
pública e repressiva que selvaticamente espancaram companheiros e companheiras
que na sua espontaneidade aí se encontravam, ou do mesmo modo o transeunte ou
turista que por lá andava. Do Estado partiu a violência cega, a mesma que agora
querem atribuir e culpabilizar a quem indiscriminadamente deitaram a mão. A esses
a nossa solidariedade não pode parar.
Porque basta de apaziguar qualquer tipo de agressão por parte daqueles que na rua,
com ou sem uniforme, com ou sem caneta e câmara televisiva, fazem o trabalho
sujo que os capitalistas em gabinetes não querem fazer com as suas próprias mãos.
Que não nos esqueçamos quem financia tais grupos, quem os chama sempre que é
preciso instalar o medo e a insegurança ou amedrontar os oprimidos, são os
mesmos que controlam a economia, os estados e semearam a divisão, a
desconfiança, a miséria e mantêm-nos presos no nosso medo, divididos nas nossas
lutas, e “condenados” à derrota.

E é contra esses que dirigimos a nossa luta, ontem, hoje e enquanto existirem… os
dias não estão para divisões, nem para apatia.
COMUNICADO SOBRE A MANIFESTAÇÃO ANTIAUTORITÁRIA
                                                CONTRA O FASCISMO E O CAPITALISMO

Com o intuito de protestar contra a crescente visibilidade da           pessoas alheias ao protesto. Foi mobilizado um aparato policial desmedido
extrema-direita e a sua componente racista e xenófoba, contra a         (dezenas de carrinhas do corpo de intervenção da PSP com certamente
cada vez maior exploração capitalista, contra a precariedade social     mais de uma centena de elementos) que impôs o terror na baixa de
imposta pelo capitalismo, contra o crescente totalitarismo              Lisboa por várias horas. Um grupo de indivíduos que se queria juntar à
democrático, pela liberdade,                                            manifestação e que tinha ficado para trás foi cercado e escoltado até ao
solidariedade e dignidade humana, por um mundo sem fronteiras           Cais do Sodré (possivelmente pela sua cor de pele).
uma plataforma de grupos e indivíduos de várias tendências anti         Os detidos foram levados para a esquadra da 1ª divisão da PSP na Rua
autoritárias, anarquistas, anti capitalistas e antifascistas convocou   Gomes Freire onde foi negada qualquer informação aos seus amigos e
para o dia 25 de Abril pelas 18:00H na praça da figueira uma            durante muito tempo foi impedida a entrada aos advogados. Houve uma
manifestação anti autoritária.                                          tentativa de levar os detidos a constituírem-se arguidos sem a presença dos
                                                                        advogados o que é legal. Em solidariedade com os detidos cerca de 50
A manifestação reuniu cerca de 400 pessoas que percorreram o            pessoas concentraram-se em frente à esquadra aguardando a sua
Rossio, a Rua do Carmo e a Rua Garrett até ao Largo de                  transferência para os calabouços do comando da PSP de Lisboa. Mesmo
Camões num ambiente contestatário mas festivo e sem incidentes.         em frente à esquadra a polícia continuou com o abuso de poder e
Muitos transeuntes aplaudiram e aderiram à manifestação. Após           expulsou as pessoas aos empurrões impedindo que estas pudessem
um breve período em que a manifestação permaneceu no largo              continuar a demonstrar a sua solidariedade.
Camões esta continuou espontaneamente pela Rua Garrett em               O que tem vindo a ser noticiado nos variados órgãos de comunicação
direcção ao Rossio.                                                     social está repleto de incoerências e desvios daquilo que realmente
A meio da Rua do Carmo, duas hordas de elementos do corpo               aconteceu na baixa de Lisboa. Nomeadamente, a confusão com outras
de intervenção da PSP encurralaram os manifestantes na rua              manifestações, a aceitação da versão policial dos acontecimentos e a
fechando as saídas e sem qualquer ordem ou aviso de dispersão           necessidade de caracterizar como ilegal uma característica natural das
começaram a agredir brutal e indiscriminadamente manifestantes,         pessoas que é o ajuntamento e a manifestação, que a democracia diz
transeuntes e até mesmo turistas.Com isto a polícia não tentou          defender. Num período em que foram muitos os ajuntamentos,
dispersar ninguém, mas por outro lado quis bater, espancar e            manifestações, acções e encontros este era também um protesto de
atacar os manifestantes. Pessoas que caíram no chão indefesas           repúdio aos tempos que se vivem e aos ataques constantes do poder às
foram ainda agredidas por vários polícias à bastonada e ao              pessoas.
pontapé. Aqueles que tentaram fugir foram perseguidas por toda          Caricatamente é no dia 25 de Abril que a polícia defende cartazes de
a baixa e muitos transeuntes e lojistas somaram-se aos                  partidos fascistas e ataca manifestações antifascistas. Num momento em
manifestantes no fundo da Rua do Carmo em protesto contra a             que já se sabia que os cravos estão murchos todos estes acontecimentos
brutalidade policial. As únicas agressões à polícia foram em            servem para o reconfirmar.
legítima defesa, que é um direito ao qual não renunciamos.
Foram detidas doze pessoas de forma bastante violenta e é               Plataforma antiautoritária contra o
impossível contabilizar todos os feridos entre manifestantes e          fascismo e o capitalismo.26.04.2007
S


                                                              O que realmente se passou ?
                                            ?               no dia 25 de Abril de 2oo7
                                                                                                                             deos
                                                                                            links para sites comsfotos, ví esteve.
                                                                                             e testemunho
                                                                                                                  de quem lá
      links:
Fotoreportagem da manifestação com fotografias da carga   RTP1 (notícia completa com vídeo amador, ver o Telejornal, 1ª e   Comunicado sobre a Manifestação Anti-Autoritária:
policial:                                                 2ª parte):                                                        http://pt.indymedia.org/ler.php?numero=124557&cidade=1
http://galerias.escritacomluz.com/ajlborges/album06/aao   http://multimedia.rtp.pt/index.php?vid=1
                                                                                                                            Anti-PNR (blog de uma nova quot;associaçãoquot; contra o fascismo e
Relato e Fotografias:                                     TVI (notícia com vídeo amador, qualidade de imagem péssima, e     contra o PNR, tendo uma quot;megaquot;-manifestação prevista para 28
http://spectrum.weblog.com.pt/arquivo/2007/04/na_rua_     sempre à boa maneira sensacionalista da TVI):                     de Setembro no Terreiro do Paço, às 19:30h):
do_carmo_1.html                                           http://www.tvi.iol.pt/mediacenter/home.php?tipo=2&art_id=
                                                          &mul_id=5695797&pagina=1&psec_id=                                 Público (nóticia: Manifestantes detidos no Chiado sujeitos ao
Vídeo Amador :                                            Expresso (fotografias da manifestação e da repressão):            termo de identidade e residência):
http://www.youtube.com/watch?v=gJXuWvsUdr0                http://expresso.clix.pt/Multimedia/Interior.aspx?content_id=38    http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1292250&idCan
                                                          9405                                                              al=95
SIC (vídeo da PSP afirmar não ter feito carga sobre
manifestantes):                                           Expresso (vídeo da repressão):                                    Diário Digital (25 de Abril: Arguidos libertados com TIR (act. 2)):
http://xl.sapo.pt/?play=/MTE3NzU5NjYyOA==/MjAwNz          http://expresso.clix.pt/Multimedia/Interior.aspx?content_id=38    http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=273542
A0MjZfcHNw/YmE5MDc4ODhjZjFkNzViMDc1ZDUyYmVl               9398
MjdhZjY0MmY=

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Economía fácil con Bernal y Royo
Economía fácil con Bernal y RoyoEconomía fácil con Bernal y Royo
Economía fácil con Bernal y Royo
Juan Royo Abenia
 
Rox iexamen
Rox iexamenRox iexamen
Rox iexamen
roxxipop
 
Prueba de computacion
Prueba de computacionPrueba de computacion
Prueba de computacion
Juan Amoroso
 

Destaque (6)

Economía fácil con Bernal y Royo
Economía fácil con Bernal y RoyoEconomía fácil con Bernal y Royo
Economía fácil con Bernal y Royo
 
Jim Conroy, Vice President EMEA, Sopheon
Jim Conroy, Vice President EMEA, SopheonJim Conroy, Vice President EMEA, Sopheon
Jim Conroy, Vice President EMEA, Sopheon
 
Rox iexamen
Rox iexamenRox iexamen
Rox iexamen
 
Prueba de computacion
Prueba de computacionPrueba de computacion
Prueba de computacion
 
Fatwire vs drupal 2008
Fatwire vs drupal 2008Fatwire vs drupal 2008
Fatwire vs drupal 2008
 
Empowering Innovation Portfolio Decision-Making through Simulation
Empowering Innovation Portfolio Decision-Making through SimulationEmpowering Innovation Portfolio Decision-Making through Simulation
Empowering Innovation Portfolio Decision-Making through Simulation
 

Semelhante a Folheto25abril2007

Juventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dezJuventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dez
Elisio Estanque
 
Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008
Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008
Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)
Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)
Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)
João Camacho
 
A EXCLUSÃO SOCIAL NO RIO DE JANEIRO NO SÉC. XX E XXI
A EXCLUSÃO SOCIAL NO RIO DE JANEIRO NO SÉC. XX E XXIA EXCLUSÃO SOCIAL NO RIO DE JANEIRO NO SÉC. XX E XXI
A EXCLUSÃO SOCIAL NO RIO DE JANEIRO NO SÉC. XX E XXI
Zelma Alzareth Almeida
 
25.02.atividade.atualidades.2 a.32c.frenteverso
25.02.atividade.atualidades.2 a.32c.frenteverso25.02.atividade.atualidades.2 a.32c.frenteverso
25.02.atividade.atualidades.2 a.32c.frenteverso
DouglasElaine Moraes
 
Racismobau 100422191344-phpapp02
Racismobau 100422191344-phpapp02Racismobau 100422191344-phpapp02
Racismobau 100422191344-phpapp02
EE Cel. ABatista
 
Manifestações contra o aumento dos preços das passagens
Manifestações contra o aumento dos preços das passagensManifestações contra o aumento dos preços das passagens
Manifestações contra o aumento dos preços das passagens
Tommy Dota
 
“Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç...
 “Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç... “Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç...
“Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç...
Emerson Mathias
 
Os fascistas e os comportamentos fascizantes
Os fascistas e os comportamentos fascizantesOs fascistas e os comportamentos fascizantes
Os fascistas e os comportamentos fascizantes
GRAZIA TANTA
 

Semelhante a Folheto25abril2007 (20)

Quem te enfia as luvas? Blockupy 2013 – Apontamentos sobre as jornadas de pro...
Quem te enfia as luvas? Blockupy 2013 – Apontamentos sobre as jornadas de pro...Quem te enfia as luvas? Blockupy 2013 – Apontamentos sobre as jornadas de pro...
Quem te enfia as luvas? Blockupy 2013 – Apontamentos sobre as jornadas de pro...
 
Slides Motim do Vintém
Slides Motim do Vintém Slides Motim do Vintém
Slides Motim do Vintém
 
Pagina 2
Pagina   2Pagina   2
Pagina 2
 
Juventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dezJuventude e rebelioes s 2013 31dez
Juventude e rebelioes s 2013 31dez
 
A revolta dos vitens
A revolta dos vitensA revolta dos vitens
A revolta dos vitens
 
N 4 julho 2014 definitivo
N 4 julho 2014 definitivoN 4 julho 2014 definitivo
N 4 julho 2014 definitivo
 
Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008
Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008
Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008
 
Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)
Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)
Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)
 
A EXCLUSÃO SOCIAL NO RIO DE JANEIRO NO SÉC. XX E XXI
A EXCLUSÃO SOCIAL NO RIO DE JANEIRO NO SÉC. XX E XXIA EXCLUSÃO SOCIAL NO RIO DE JANEIRO NO SÉC. XX E XXI
A EXCLUSÃO SOCIAL NO RIO DE JANEIRO NO SÉC. XX E XXI
 
25.02.atividade.atualidades.2 a.32c.frenteverso
25.02.atividade.atualidades.2 a.32c.frenteverso25.02.atividade.atualidades.2 a.32c.frenteverso
25.02.atividade.atualidades.2 a.32c.frenteverso
 
Manifestações
ManifestaçõesManifestações
Manifestações
 
Racismobau 100422191344-phpapp02
Racismobau 100422191344-phpapp02Racismobau 100422191344-phpapp02
Racismobau 100422191344-phpapp02
 
Manifestações contra o aumento dos preços das passagens
Manifestações contra o aumento dos preços das passagensManifestações contra o aumento dos preços das passagens
Manifestações contra o aumento dos preços das passagens
 
Diz Jornal Edição 146
Diz Jornal Edição 146Diz Jornal Edição 146
Diz Jornal Edição 146
 
Boletim lgbt-2019
Boletim lgbt-2019Boletim lgbt-2019
Boletim lgbt-2019
 
“Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç...
 “Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç... “Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç...
“Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç...
 
Inconfidência nº 233/Edição histórica da intentona comunista de1935
Inconfidência nº 233/Edição histórica da intentona comunista de1935Inconfidência nº 233/Edição histórica da intentona comunista de1935
Inconfidência nº 233/Edição histórica da intentona comunista de1935
 
Manifesto aos brasileiros de boa vontade POR GABRIEL BIRKHANN
Manifesto aos brasileiros de boa vontade POR GABRIEL BIRKHANNManifesto aos brasileiros de boa vontade POR GABRIEL BIRKHANN
Manifesto aos brasileiros de boa vontade POR GABRIEL BIRKHANN
 
A revolta da vacina nicolau sevcenko- LIVRO PDF
A revolta da vacina  nicolau sevcenko- LIVRO PDFA revolta da vacina  nicolau sevcenko- LIVRO PDF
A revolta da vacina nicolau sevcenko- LIVRO PDF
 
Os fascistas e os comportamentos fascizantes
Os fascistas e os comportamentos fascizantesOs fascistas e os comportamentos fascizantes
Os fascistas e os comportamentos fascizantes
 

Mais de Moriae

The People United Will Never Be Defeated
The People United Will Never Be DefeatedThe People United Will Never Be Defeated
The People United Will Never Be Defeated
Moriae
 

Mais de Moriae (20)

Biosofia Nº28 Musicoterapia Marg Azevedo
Biosofia Nº28 Musicoterapia Marg AzevedoBiosofia Nº28 Musicoterapia Marg Azevedo
Biosofia Nº28 Musicoterapia Marg Azevedo
 
primeira alteração, por apreciação parlamentar, ao decreto-lei nº 3/2008, de ...
primeira alteração, por apreciação parlamentar, ao decreto-lei nº 3/2008, de ...primeira alteração, por apreciação parlamentar, ao decreto-lei nº 3/2008, de ...
primeira alteração, por apreciação parlamentar, ao decreto-lei nº 3/2008, de ...
 
Carta Aberta à Exmª Srª Ministra Da EducaçãO (GeóGrafo) Ler Até Ao Fim
Carta Aberta à Exmª Srª Ministra Da EducaçãO (GeóGrafo)   Ler Até Ao FimCarta Aberta à Exmª Srª Ministra Da EducaçãO (GeóGrafo)   Ler Até Ao Fim
Carta Aberta à Exmª Srª Ministra Da EducaçãO (GeóGrafo) Ler Até Ao Fim
 
Variations On The Song Happy Birthday Arranged For String Quartet
Variations On The Song Happy Birthday Arranged For String Quartet Variations On The Song Happy Birthday Arranged For String Quartet
Variations On The Song Happy Birthday Arranged For String Quartet
 
The People United Will Never Be Defeated
The People United Will Never Be DefeatedThe People United Will Never Be Defeated
The People United Will Never Be Defeated
 
Iniciativa do BE
Iniciativa do BE Iniciativa do BE
Iniciativa do BE
 
Comunicado da Escola de Música do Conservatório Nacional
Comunicado da Escola de Música do Conservatório NacionalComunicado da Escola de Música do Conservatório Nacional
Comunicado da Escola de Música do Conservatório Nacional
 
Dl 3 2008
Dl 3 2008Dl 3 2008
Dl 3 2008
 
"Evolução do ensino da matemática em Portugal"
"Evolução do ensino da matemática em Portugal""Evolução do ensino da matemática em Portugal"
"Evolução do ensino da matemática em Portugal"
 
Um Português Contribuinte
Um Português ContribuinteUm Português Contribuinte
Um Português Contribuinte
 
Carta aberta ao Senhor Presidente da República Portuguesa
Carta aberta ao Senhor Presidente da República PortuguesaCarta aberta ao Senhor Presidente da República Portuguesa
Carta aberta ao Senhor Presidente da República Portuguesa
 
Ana Cristina Pereira InsuficiêNcia Renal Netpress Spgl Manchete, 2001
Ana Cristina Pereira InsuficiêNcia Renal Netpress Spgl   Manchete, 2001Ana Cristina Pereira InsuficiêNcia Renal Netpress Spgl   Manchete, 2001
Ana Cristina Pereira InsuficiêNcia Renal Netpress Spgl Manchete, 2001
 
Ana Cristina Pereira
Ana Cristina PereiraAna Cristina Pereira
Ana Cristina Pereira
 
ConclusõEs Debate Julho
ConclusõEs Debate JulhoConclusõEs Debate Julho
ConclusõEs Debate Julho
 
Ana LuíSa EsperançA
Ana LuíSa EsperançAAna LuíSa EsperançA
Ana LuíSa EsperançA
 
Spgl Sindicato Dos Professores Da Grande Lisboa
Spgl   Sindicato Dos Professores Da Grande LisboaSpgl   Sindicato Dos Professores Da Grande Lisboa
Spgl Sindicato Dos Professores Da Grande Lisboa
 
Afinal Há Democracia
Afinal Há DemocraciaAfinal Há Democracia
Afinal Há Democracia
 
Cheira Ao Medo Do Antigamente
Cheira Ao Medo Do AntigamenteCheira Ao Medo Do Antigamente
Cheira Ao Medo Do Antigamente
 
LegislaçãO Proposta
LegislaçãO PropostaLegislaçãO Proposta
LegislaçãO Proposta
 
Manig5julho
Manig5julhoManig5julho
Manig5julho
 

Folheto25abril2007

  • 1. 25 d’Abril sempre! S 25 de Abril 2007 As coisas estão a mudar? À medida que o tradicional desfile dos Cravos terminava, para espanto de muitos (?), já não ao som do Grândola mas ao som nacionalista do hino português, deu-se início à resposta de centenas de pessoas numa manifestação contra o Fascismo e o Capitalismo. Centenas fartas da treta nacionalista e da teia que o capitalismo dela tece, a mesma que nos encerra todos os dias num mar de propaganda nos jornais, nas televisões, nas conversas de café e à mesa do jantar… Foi a partir desse dia-a-dia sufocante que Anarquistas e Anti-Autoritários apelaram com sucesso à participação activa, e de uma forma não partidária, a todas as pessoas num acto de resistência ao fascismo e ao capitalismo. A brutal repressão policial que se lhe seguiu nesse “Dia da Liberdade” deixa claro a todos de que essa resistência não é nem será nunca a tarefa de qualquer polícia ou instituição estatal, pelas suas afinidades e cumplicidades. As mentiras e as montagens policiais, o silêncio auto- imposto dos jornalistas, o silencia e embaraço da quase totalidade das esquerdas de Abril aos acontecimentos demonstraram de uma vez por todas que: Ÿ A actuação policial foi premeditada e destinada a instalar o medo, em passar a continua na próxima página
  • 2. ideia do papão anarquista, do vândalo, e que cabe às pessoas “cívicas” desviar-se e deixar a polícia fazer o seu trabalho face a esses “bandos de criminosos”… Ÿexistem relações evidentes entre elementos da PSP e da extrema-direita. Se Que já o denunciava o facto do armamento que levou detenção de elementos do PNR por xenofobia e tráfico de armas, ser roubado do arsenal de Lisboa da PSP, agora é evidente como a policia se substitui aos nazis na protecção dos seus interesses (ou o cartaz do marquês) ou na caça ao preto ou ao anti-fascista pelas ruas de Lisboa… Ÿ A comunicação social não só está completamente domesticada, como é ela mesma quem faz a cama ao fascismo. Cabe-lhe a ela, por outro lado, o papel principal do discurso terrorista a todo aquele que, uma vez esclarecido que a resposta deve ser popular e não pelos remendos judiciais, actua fora dos rótulos e das condutas dirigidas. Se levanta e grita basta! Ÿo silêncio das pessoas, e da esquerda de cravo na lapela em particular, aos Que acontecimentos, é silêncio de morte. Pacto de quem não quer ver, pacto de quem prefere esquecer vergonhosamente as suas próprias nódoas negras, a troco do discurso populista onde não tem lugar os incontroláveis… os sem-partido, os sem- nome. Consentem paternalmente na criminalização da dissidência anti-capitalista, como se fosse crime isso ou o simples designar de «anarquista ou libertário»...Hoje consentem na sua repressão, e amanhã na de quem mais? ŸSalazar é de novo a Floribela deprimente que se segue neste grande reality Que show português. Aí está uma vez mais o fascismo como a grande tábua de salvação e necessidade dos governos em tempos de crise social, alimentando-a como desculpa à sua democracia. O fermento de que é feito o bolo da festa parlamentar… olhem para o lado, por favor!! Terá a manifestação anti-fascista e anti-capitalista de 25 de Abril acertado no alvo? A resposta poderá estar nas entrelinhas dos sempre operacionais agentes da ordem pública e repressiva que selvaticamente espancaram companheiros e companheiras que na sua espontaneidade aí se encontravam, ou do mesmo modo o transeunte ou turista que por lá andava. Do Estado partiu a violência cega, a mesma que agora querem atribuir e culpabilizar a quem indiscriminadamente deitaram a mão. A esses a nossa solidariedade não pode parar. Porque basta de apaziguar qualquer tipo de agressão por parte daqueles que na rua, com ou sem uniforme, com ou sem caneta e câmara televisiva, fazem o trabalho sujo que os capitalistas em gabinetes não querem fazer com as suas próprias mãos. Que não nos esqueçamos quem financia tais grupos, quem os chama sempre que é preciso instalar o medo e a insegurança ou amedrontar os oprimidos, são os mesmos que controlam a economia, os estados e semearam a divisão, a desconfiança, a miséria e mantêm-nos presos no nosso medo, divididos nas nossas lutas, e “condenados” à derrota. E é contra esses que dirigimos a nossa luta, ontem, hoje e enquanto existirem… os dias não estão para divisões, nem para apatia.
  • 3. COMUNICADO SOBRE A MANIFESTAÇÃO ANTIAUTORITÁRIA CONTRA O FASCISMO E O CAPITALISMO Com o intuito de protestar contra a crescente visibilidade da pessoas alheias ao protesto. Foi mobilizado um aparato policial desmedido extrema-direita e a sua componente racista e xenófoba, contra a (dezenas de carrinhas do corpo de intervenção da PSP com certamente cada vez maior exploração capitalista, contra a precariedade social mais de uma centena de elementos) que impôs o terror na baixa de imposta pelo capitalismo, contra o crescente totalitarismo Lisboa por várias horas. Um grupo de indivíduos que se queria juntar à democrático, pela liberdade, manifestação e que tinha ficado para trás foi cercado e escoltado até ao solidariedade e dignidade humana, por um mundo sem fronteiras Cais do Sodré (possivelmente pela sua cor de pele). uma plataforma de grupos e indivíduos de várias tendências anti Os detidos foram levados para a esquadra da 1ª divisão da PSP na Rua autoritárias, anarquistas, anti capitalistas e antifascistas convocou Gomes Freire onde foi negada qualquer informação aos seus amigos e para o dia 25 de Abril pelas 18:00H na praça da figueira uma durante muito tempo foi impedida a entrada aos advogados. Houve uma manifestação anti autoritária. tentativa de levar os detidos a constituírem-se arguidos sem a presença dos advogados o que é legal. Em solidariedade com os detidos cerca de 50 A manifestação reuniu cerca de 400 pessoas que percorreram o pessoas concentraram-se em frente à esquadra aguardando a sua Rossio, a Rua do Carmo e a Rua Garrett até ao Largo de transferência para os calabouços do comando da PSP de Lisboa. Mesmo Camões num ambiente contestatário mas festivo e sem incidentes. em frente à esquadra a polícia continuou com o abuso de poder e Muitos transeuntes aplaudiram e aderiram à manifestação. Após expulsou as pessoas aos empurrões impedindo que estas pudessem um breve período em que a manifestação permaneceu no largo continuar a demonstrar a sua solidariedade. Camões esta continuou espontaneamente pela Rua Garrett em O que tem vindo a ser noticiado nos variados órgãos de comunicação direcção ao Rossio. social está repleto de incoerências e desvios daquilo que realmente A meio da Rua do Carmo, duas hordas de elementos do corpo aconteceu na baixa de Lisboa. Nomeadamente, a confusão com outras de intervenção da PSP encurralaram os manifestantes na rua manifestações, a aceitação da versão policial dos acontecimentos e a fechando as saídas e sem qualquer ordem ou aviso de dispersão necessidade de caracterizar como ilegal uma característica natural das começaram a agredir brutal e indiscriminadamente manifestantes, pessoas que é o ajuntamento e a manifestação, que a democracia diz transeuntes e até mesmo turistas.Com isto a polícia não tentou defender. Num período em que foram muitos os ajuntamentos, dispersar ninguém, mas por outro lado quis bater, espancar e manifestações, acções e encontros este era também um protesto de atacar os manifestantes. Pessoas que caíram no chão indefesas repúdio aos tempos que se vivem e aos ataques constantes do poder às foram ainda agredidas por vários polícias à bastonada e ao pessoas. pontapé. Aqueles que tentaram fugir foram perseguidas por toda Caricatamente é no dia 25 de Abril que a polícia defende cartazes de a baixa e muitos transeuntes e lojistas somaram-se aos partidos fascistas e ataca manifestações antifascistas. Num momento em manifestantes no fundo da Rua do Carmo em protesto contra a que já se sabia que os cravos estão murchos todos estes acontecimentos brutalidade policial. As únicas agressões à polícia foram em servem para o reconfirmar. legítima defesa, que é um direito ao qual não renunciamos. Foram detidas doze pessoas de forma bastante violenta e é Plataforma antiautoritária contra o impossível contabilizar todos os feridos entre manifestantes e fascismo e o capitalismo.26.04.2007
  • 4. S O que realmente se passou ? ? no dia 25 de Abril de 2oo7 deos links para sites comsfotos, ví esteve. e testemunho de quem lá links: Fotoreportagem da manifestação com fotografias da carga RTP1 (notícia completa com vídeo amador, ver o Telejornal, 1ª e Comunicado sobre a Manifestação Anti-Autoritária: policial: 2ª parte): http://pt.indymedia.org/ler.php?numero=124557&cidade=1 http://galerias.escritacomluz.com/ajlborges/album06/aao http://multimedia.rtp.pt/index.php?vid=1 Anti-PNR (blog de uma nova quot;associaçãoquot; contra o fascismo e Relato e Fotografias: TVI (notícia com vídeo amador, qualidade de imagem péssima, e contra o PNR, tendo uma quot;megaquot;-manifestação prevista para 28 http://spectrum.weblog.com.pt/arquivo/2007/04/na_rua_ sempre à boa maneira sensacionalista da TVI): de Setembro no Terreiro do Paço, às 19:30h): do_carmo_1.html http://www.tvi.iol.pt/mediacenter/home.php?tipo=2&art_id= &mul_id=5695797&pagina=1&psec_id= Público (nóticia: Manifestantes detidos no Chiado sujeitos ao Vídeo Amador : Expresso (fotografias da manifestação e da repressão): termo de identidade e residência): http://www.youtube.com/watch?v=gJXuWvsUdr0 http://expresso.clix.pt/Multimedia/Interior.aspx?content_id=38 http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1292250&idCan 9405 al=95 SIC (vídeo da PSP afirmar não ter feito carga sobre manifestantes): Expresso (vídeo da repressão): Diário Digital (25 de Abril: Arguidos libertados com TIR (act. 2)): http://xl.sapo.pt/?play=/MTE3NzU5NjYyOA==/MjAwNz http://expresso.clix.pt/Multimedia/Interior.aspx?content_id=38 http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=273542 A0MjZfcHNw/YmE5MDc4ODhjZjFkNzViMDc1ZDUyYmVl 9398 MjdhZjY0MmY=