EMRC, NO STRESSSumário: A dignidade da Pessoa Humana         A Vida como o Valor.
O início da vida humanaA taxonomia — ciência que tem por finalidade aclassificação dos seres vivos — cataloga o ser humano...
Toda a pessoa — independentemente da suacor, religião, nacionalidade ou condição social— encontra nesta organização taxonó...
Para alguns, a vida humana tem o seu início quando ocorre a nidação, porque,nos estádios anteriores, as células que vão co...
A vida humana – Um valor a defenderDe entre todos os valores, a vida humana é o valor primordial, sendo este o pontode par...
A vida — dádiva de DeusNa perspectiva judaico-cristã e islâmica, Deus é a origem da vida. É nele que seencontra a plenitud...
O valor da vida humana noHinduísmoEu não desejo matar os meusprofessores, tios, filhos, avós, sogros,netos,cunhados e outr...
A vida humana no AlcorãoÓ vós que credes, sede firmes na distribuição da justiça, mesmo contravós mesmos, vossos pais e vo...
Vida… no BudismoTudo o que existe no mundo possui uma alma, não só o ser humanoe os animais, como também as plantas, as pe...
Declaração Universal dos Direitos HumanosO reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da famíliahumana e dos ...
Um longo caminho a percorrerJoão Paulo II exerceu a sua acção como papa de forma incansável; dedicou todas as suas energia...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

1ª aula, dignidade da vida

4.296 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.296
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
26
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
97
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1ª aula, dignidade da vida

  1. 1. EMRC, NO STRESSSumário: A dignidade da Pessoa Humana A Vida como o Valor.
  2. 2. O início da vida humanaA taxonomia — ciência que tem por finalidade aclassificação dos seres vivos — cataloga o ser humanoda seguinte forma:• Reino: Animalia (o homem é um animal)• Filo: Chordata (possui uma coluna vertebral)• Classe: Mammalia (classe dos que mamam; incluitodos os mamíferos)• Subclasse: Placentalia (é um mamífero cuja fêmeapossui placenta)• Ordem: Primata• Família: Hominidae (a este grupo pertencem tambémos gorilas e os chimpanzés)• Género: Homo• Espécie: Homo Sapiens• Subespécie: Homo Sapiens Sapiens
  3. 3. Toda a pessoa — independentemente da suacor, religião, nacionalidade ou condição social— encontra nesta organização taxonómica umalinha comum no seu processo evolutivo, que lhegarante um estatuto de pertença e dignidadedistinto dos outros seres vivos. Os dadoscientíficos remetem-nos para a singularidade doser humano, enquanto indivíduo que sedistanciou gradualmente dos outros seres vivos,em geral, e dos animais, em particular,conquistando uma inteligência superior, capazde criar mundos alternativos, de desenvolverconsciência ética e de se reconhecer numarelação social. No seu percurso, o ser humanofoi ganhando consciência da sua dignidade. Masa sua acção ora se orienta para a defesa damesma, ora a fere, pondo em causa a própriavida humana.
  4. 4. Para alguns, a vida humana tem o seu início quando ocorre a nidação, porque,nos estádios anteriores, as células que vão constituir o ser humano ainda nãose diferenciaram; para outros, a vida humana só se inicia quando começa aactividade cerebral, por analogia com a morte, que é determinada pela paragemdo funcionamento do cérebro. Outros defendem que o início da vida humanaocorre quando a actividade cerebral emite ondas tipicamente humanas, porque éeste aspecto que distingue o ser humano dos outros animais. Outros, ainda, sóestão dispostos a reconhecer o ser humano a partir do momento do parto, porqueo feto só assume personalidade jurídica quando nasce para a sociedade.Muitos, no entanto, defendem que a vida humana tem início no momento dafecundação, porque o desenvolvimento de um ser humano é um processocontínuo que não permite identificar com precisão saltos de qualidade. Étambém esta a posição da Igreja Católica.
  5. 5. A vida humana – Um valor a defenderDe entre todos os valores, a vida humana é o valor primordial, sendo este o pontode partida de todos os direitos da pessoa. Como poderíamos, por exemplo, exigir quese fizesse justiça a alguém se lhe negássemos o direito de existir? Se a vida humananão estiver assegurada, é simplesmente impossível a realização dos outros valores.A solidariedade, a verdade e a bondade só têm razão de ser se estiverem relacionadoscom a defesa da vida humana. É por isso que a vida é o valor primordial, sem o qualnão poderiam existir os restantes valores.Uma vez que o ser humano é — em variadas situações — agredido, negado eviolentado, ficando a vida humana seriamente comprometida, a humanidadeelaborou «códigos» que têm como objectivo defender expressamente a vida humanae a sua dignidade.Age de tal modo que trates
  6. 6. A vida — dádiva de DeusNa perspectiva judaico-cristã e islâmica, Deus é a origem da vida. É nele que seencontra a plenitude da vida, em toda a sua perfeição, a qual não conhece início nemterá ocaso. O ser humano é um ser vivente porque recebeu de Deus a vida como um dominestimável. A vida é, pois, o primeiro dom de Deus. Todo o crente sente que tem paracom ele uma enorme dívida de gratidão. Nada fez para merecer existir e, contudo, Deusquis que existisse. Por isso, através da oração, agradece a Deus esta dádiva fundamental.Mas a melhor maneira de a agradecer é cultivá-la e respeitá-la, como quem cuida damaior prenda que alguma vez lhe tenha sido oferecida. É por isso que o respeito pelavida faz parte do Decálogo, a lei fundamental da Bíblia: «Não matarás».
  7. 7. O valor da vida humana noHinduísmoEu não desejo matar os meusprofessores, tios, filhos, avós, sogros,netos,cunhados e outros parentes que estãoprestes a matar-nos, ó Krishna.Ó Senhor Krishna, que prazer há emmatar os nossos primos? Por mataros nossos semelhantes nós iremosincorrer num crime e,consequentemente,num pecado. Portanto, nós nãomataremos os nossos primos. Comopodealguém ser feliz depois de matar osseus parentes, ó Krishna?De qualquer modo, eles estão cegospela ambição e não vêem maldadena destruição da família ou pecado portraírem os seus amigos.Bhagavad-Gita
  8. 8. A vida humana no AlcorãoÓ vós que credes, sede firmes na distribuição da justiça, mesmo contravós mesmos, vossos pais e vossos parentes, trate-se de ricos ou indigentes.Deus vela sobre todos. (4, 135)Quem matar uma pessoa sem que esta tenha matado outra ou tenhaespalhado a corrupção sobre a Terra seja julgado como se houvesse matadotoda a humanidade e quem a ressuscitar seja recompensado como se tivesseressuscitado toda a humanidade. (5, 32)Dai o que é justo ao próximo, ao pobre e ao viajante. (17, 26)Não mateis os vossos filhos por temor da miséria. O seu assassínio é umagrande falta. (17, 31)
  9. 9. Vida… no BudismoTudo o que existe no mundo possui uma alma, não só o ser humanoe os animais, como também as plantas, as pedras, as gotas de água, etc.O respeito pela vida é o primeiro (e o mais importante) mandamentobudista.Por essa razão é que, ao andar, deve o monge varrer diante de si para nãocorrer o risco de matar algum animal pequeno. A doutrina budista proclamao respeito absoluto pela vida humana.
  10. 10. Declaração Universal dos Direitos HumanosO reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da famíliahumana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento daliberdade, da justiça e da paz no mundo.Artigo 1.º: Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidadee em direitos. Dotados de razão e consciência, devem agir uns para com osoutros em espírito de fraternidade.Artigo 2.º: Todos os seres humanos podem invocar os direitos e asliberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma,nomeadamente de raça, de cor, de sexo, de língua, de religião, de opiniãopolítica ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, de nascimento, Clicar na imagemou de qualquer outra situação.Artigo 3.º: Todo o indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Este documento foi proclamado a 10 de Dezembro de 1948, após a Segunda Guerra Mundial
  11. 11. Um longo caminho a percorrerJoão Paulo II exerceu a sua acção como papa de forma incansável; dedicou todas as suas energias a percorrer omundo, revelando o seu amor por toda a humanidade. Efectuou cento e quatro viagens apostólicas a cento e vinte enove países. Visitou hospitais, prisões, bairros pobres, leprosarias… chamando a atenção para a beleza davida e da pessoa humana.

×