Ponto da Arte

211 visualizações

Publicada em

Projeto para a Prefeitura Municipal de Aracaju, incluindo artistas de rua contra a depredação do patrimônio público.

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
211
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ponto da Arte

  1. 1. Objetivo Criar um meio de interação com a sociedade através da arte realizada nos espaços urbanos, de maneira a estreitar a relação entre os cidadãos e o patrimônio público. Assim, é gerada uma consciência de pertencimento ao meio e, consequentemente, de conservação dos abrigos.
  2. 2. A ideia principal é reunir três artistas com estilos e técnicas diferentes, para realizarem uma intervenção em três pontos de ônibus na cidade. Estas intervenções acontecerão "ao vivo", ou seja: transeuntes e indivíduos que estarão no abrigo testemunharão pelo menos uma das obras, no exato momento em que estarão sendo criadas.
  3. 3. Além de gerar reações e comentários espontâneos dos espectadores, a ação será filmada em formato de documentário/making of, com depoimentos dos artistas e da população. O produto final deste vídeo circulará pela internet, mais precisamente, na fanpage da Prefeitura no Facebook (E-Aju), com a possibilidade de ser editado para formatos diversos - como televisão e jornal.
  4. 4. Será realizada uma seleção para escolher os três participantes, tendo como critérios, suas disponibilidades, obras anteriores e estilos. Os perfis ideais serão dois artistas plásticos de técnicas mistas e um grafiteiro. O cuidado com esta escolha deve-se ao fato de que a população precisa entender as intervenções urbanas como forma de arte, separando-as de atos de vandalismo. A presença de artistas mais "tradicionais" ajuda a criar esta nova percepção, principalmente quando há um representante do graffiti junto a estes exemplos: as pessoas começam a entender a diferença entre pichação e arte urbana, e como todas estas manifestações podem coexistir, transformando a cidade num lugar plural, com espaço suficiente para formas de expressão distintas - desde que benéficas para todos.
  5. 5. FASE 01 Os artistas selecionados enviarão um croquí/esboço do que pretenderão realizar no local, para uma pré-aprovação do conteúdo. Após aprovação, cada artista receberá uma verba de R$ 1.000,00, com a qual poderá buscar também a aquisição do material utilizado. No intervalo de uma semana, os três artistas - em três dias diferentes, se possível, seguidos - realizarão sua intervenção em um dos abrigos escolhidos. São eles os da Av. Beira Mar, Praça Camerino e Av. Gasoduto. A produção da agência estará presente nestes momentos, orientando a colagem de um papel adesivo branco nos locais corretos dos abrigos. Ao final da ação, os próprios artistas (ainda orientados pela produção), colarão um outro adesivo menor em cima da arte, como se fosse uma tag de assinatura que deixa uma mensagem, mas não prejudica em nada a visibilidade da obra final. As obras originais ficarão expostas nos abrigos durante um tempo mínimo, que será mensurado de acordo com o engajamento da população na FASE 02 e com a repercussão da ação em si.
  6. 6. FASE 02 No mesmo momento em que os artistas farão as intervenções, os totens laterais do abrigo receberão cartazes convocando a população a também fazer parte deste processo de reinvenção do patrimônio público. Estes cartazes comunicarão um concurso cultural onde todos poderão participar, de maneira colaborativa. Dois motivos serão criados: um, próprio para os pontos que estarão sofrendo a intervenção, e outro mais didático para os que somente receberão as obras desta fase.
  7. 7. Como funcionará Os cartazes comunicarão o passo-a- passo do concurso, que se dará da seguinte maneira: 01) A fanpage da Prefeitura criará uma aba "Ponto da Arte, contendo informações básicas sobre este concurso, como o regulamento, formatos, fichas de inscrição e um endereço eletrônico para envio. 02) A agência criará um e-mail específico para o recolhimento dos trabalhos. Estes, por sua vez, passarão por uma triagem realizada, também, pela própria agência. 03) Alguns trabalhos selecionados serão postados na fanpage da Prefeitura e passarão por uma votação, onde o público decidirá o escolhido da semana. 04) Serão três "escolhidos da semana" e, no fim do mês (quarta semana), os trabalhos serão impressos e plotados nos abrigos de maneira aleatória, porém, distribuídos por toda a cidade durante um período de 02 (dois) meses. Estes trabalhos já levarão a tag informativa contra o vandalismo; uma formatação simples que será produzida na agência.
  8. 8. Considerações e observações - Na FASE 02, nenhuma obra será criada "ao vivo": os materiais serão enviados de acordo com o regulamento, de forma digitalizada, para o e-mail sinalizado. - As obras recebidas podem ter diversas características e suportes: fotografia, ilustração, colagem, graffiti etc; contanto que sigam os formatos e especificações estabelecidos. - As obras das fases 01 e 02 não precisam seguir um tema fechado, mas podem ser baseadas em conceitos de preservação e na pergunta utilizada pela SMTT na Semana Nacional do Trânsito "Qual a cidade que queremos?". - Para a FASE 02, é interessante pensar em uma verba adicional para manutenção das obras impressas. - A fanpage da Prefeitura será o meio principal de engajamento e preparação para a ação, primeiramente através de posts mostrando os pontos depredados, em seguida, mostrando exemplos de intervenções e artes de rua e, já na fase final, servindo como a plataforma que irá expor a ação e as obras enviadas para votação.
  9. 9. PEÇAS
  10. 10. CARTAZ 01 CARTAZ 02
  11. 11. contEúdo da tag
  12. 12. exemplos de aPLICAÇÃO
  13. 13. esquema cartaz arte

×