Vigitel 2013 | Após oito anos em ascensão, obesidade no Brasil para de crescer

8.806 visualizações

Publicada em

Levantamento mais recente do Ministério da Saúde revela que, pela primeira vez em oito anos consecutivos, o percentual de excesso de peso e de obesidade se manteve estável no país. A pesquisa Vigitel 2013 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) indica que 50,8% dos brasileiros estão acima do peso ideal e que, destes, 17,5% são obesos.

Publicada em: Notícias e política

Vigitel 2013 | Após oito anos em ascensão, obesidade no Brasil para de crescer

  1. 1. Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico
  2. 2.  Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26 capitais e DF  Cerca de 53 mil entrevistas (por telefone)  Metodologia: utilização dos parâmetros populacionais do Censo 2010 (IBGE) - população mais escolarizada e idosa  Parceria: Ministério da Saúde e Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da USP Avaliação
  3. 3. Excesso de peso e obesidade
  4. 4. Excesso de peso e obesidade por sexo 50,8 17,5 54,7 17,5 47,4 17,5 0 10 20 30 40 50 60 Excesso de peso Obesidade % Total Masculino Feminino *IMC > 25 IMC > 30 *Índice de Massa Corporal
  5. 5. Frequência de excesso de peso 42,6 47,5 38,5 43,4 48,8 38,7 44,9 49,8 40,7 46,0 50,2 42,4 48,2 52,4 44,6 48,8 53,4 44,9 51 54,5 48,1 50,8 54,7 47,4 0 10 20 30 40 50 60 Total Masculino Feminino % 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Aumento significativo entre homens e mulheres (2006-2013) p <0,01 * Imputação de dados faltantes sobre peso ou altura para todos os anos
  6. 6. Frequência de obesidade 11,8 11,4 12,1 13,3 13,6 13,1 13,7 13,4 13,914,3 13,9 14,715,1 14,4 15,616 15,5 16,5 17,4 16,5 18,217,5 17,5 17,5 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 Total Masculino Feminino % 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Aumento significativo entre homens e mulheres (2006-2013) p <0,01 * Imputação de dados faltantes sobre peso ou altura para todos os anos
  7. 7. Excesso de peso por sexo e escolaridade 58,1 57,8 58,3 47,3 50,4 44,545,5 56,9 36,6 0 10 20 30 40 50 60 70 Total Masculino Feminino % 0 a 8 9 a 11 12 e mais
  8. 8. Obesidade por sexo e escolaridade 22,3 19,9 24,4 15,1 15,2 15,114,3 17,5 11,8 0 5 10 15 20 25 30 Total Masculino Feminino % 0 a 8 9 a 11 12 e mais
  9. 9. Percentual de adultos com excesso de peso nas capitais 42 47 47 48 48 49 49 49 49 49 50 51 51 51 51 51 52 53 53 53 53 53 53 53 53 54 55 0 10 20 30 40 50 60
  10. 10. Percentual de adultos com obesidade nas capitais
  11. 11. Excesso de peso na comparação com outros países (BRICS) 50.8% Brasil China 25.4% África do Sul 65.4% Índia 11% Rússia 59.8%
  12. 12. Obesidade na comparação com outros países 17.5% Brasil Argentina 20.5% Chile 25.1% Paraguai 22.8% Uruguai 19.9%
  13. 13. Consumo alimentar
  14. 14. Frequência do consumo recomendado* de frutas e hortaliças por sexo *Consumo de 5 ou mais porções por dia, em 5 ou mais dias da semana Aumento significativo em homens, mulheres e ambos os sexos (2008-2013) p <0,05
  15. 15. *Consumo de 5 ou mais porções por dia, em 5 ou mais dias da semana Consumo recomendado* de frutas e hortaliças nas capitais %
  16. 16. Consumo alimentar por sexo *Consumo de 7 ou mais refeições das 14 possíveis *
  17. 17. Atividade física
  18. 18. Frequência de atividade física no tempo livre (lazer) por sexo Aumento significativo entre os homens, mulheres e ambos os sexos (2009-2013) p <0,05
  19. 19. Atividade física por sexo 33,8 12,1 16,2 28,6 49,4 41,2 12,2 16,8 28,1 39,9 27,4 11,9 15,7 29,0 57,4 0 10 20 30 40 50 60 70 Ativos no tempo livre Ativos no deslocamento Inatividade física Assistir televisão 3h/dia Insuficientemente ativos % Total Masculino Feminino ¹Ativo Tempo Livre: Pelo menos 150 minutos semanais de atividade física de intensidade leve ou moderada ou pelo menos 75 minutos semanais de atividade física de intensidade vigorosa ²Insuficiente ativo: 0 a 149 minutos /semana em 3 dominios: lazer, trabalho, deslocamento para trabalho) ³Inatividade física: 0 de AF em 4 dominios ¹ ² ³
  20. 20. Adultos que praticam o nível recomendado* de atividade física no tempo livre % *Pelo menos 150 minutos semanais de atividade física de intensidade leve ou moderada ou pelo menos 75 minutos semanais de atividade física de intensidade vigorosa
  21. 21.  Atualmente, 491 pólos de Academia da Saúde estão em funcionamento em todo o país e 155 projetos pré-existentes foram adaptados e custeados pelo Ministério da Saúde. Outros 3.234 espaços gratuitos para incentivar prática de atividades físicas estão em construção. Até agora, já foram repassados R$ 241 milhões, de um total previsto de R$ 481 milhões;  Programa Saúde na Escola (PSE), com objetivo de promover a orientação nutricional em alunos da rede pública de ensino. Em 2013, aderiram ao Programa 4.864 municípios, beneficiando 18,7 milhões de alunos em todo o país. Para 2014, está previsto o financiamento de R$ 71 milhões;  Revisão do Guia Alimentar da Populaçao Brasileira, que traz recomendações que visam a prevenção de doenças crônicas relacionadas à alimentação (em consulta pública até 7 de maio). Ações do Ministério da Saúde
  22. 22. Tabagismo
  23. 23. Prevalência de fumantes por sexo Redução significativa entre homens e mulheres (2006-2013) p <0,01
  24. 24. Prevalência de fumantes com consumo de 20 ou mais cigarros por dia 4,6 6,3 3,2 4,7 6,3 3,3 4,6 6,2 3,2 4,2 5,4 3,1 4,3 5,4 3,4 4 5,2 3 4 5,5 2,8 3,4 4,5 2,4 0 1 2 3 4 5 6 7 Total Masculino Feminino % 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Redução significativa entre homens e mulheres (2006-2013) p <0,01
  25. 25. Prevalência de fumantes passivos no domicilio 12,7 11,9 13,4 11,5 9,9 12,8 11,3 9,9 12,5 10,2 9,3 11,0 10,2 9,6 10,7 0 2 4 6 8 10 12 14 16 Total Masculino Feminino % 2009 2010 2011 2012 2013 Redução significativa entre ambos os sexos e mulheres (2006-2013) p <0,01
  26. 26. Prevalência de fumantes passivos no trabalho 17 7,9 12,1 15,3 6,5 10,5 16,1 7,1 11,2 15,5 6 10,4 14,1 6,1 9,8 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 Masculino Feminino Total % 2009 2010 2011 2012 2013 Mudança não foi estatisticamente significante
  27. 27. Indicadores de tabagismo por sexo 11,3 22,0 3,4 10,2 9,8 14,4 25,6 4,5 9,6 14,1 8,6 18,9 2,4 10,7 6,1 0 5 10 15 20 25 30 Fumante Ex-fumante 20 ou mais cigarros Passivos no domicílio Passivos no trabalho % Total Masculino Feminino
  28. 28. Percentual de adultos fumantes nas capitais 5,7 6,2 7 7,2 7,3 7,6 7,7 7,9 8,1 8,2 8,8 9,2 9,6 10,1 10,4 10,7 10,7 10,8 11,7 11,8 12,4 12,7 12,8 13,7 14,9 16,5 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 %
  29. 29. Avaliação de saúde e doenças crônicas referidas
  30. 30. Adultos que autorreferem hipertensão arterial, diabetes e dislipidemia por sexo
  31. 31. Prevalência de hipertensão arterial, diabetes e dislipidemia por faixa etária 0 10 20 30 40 50 60 70 18 a 24 25 a 34 35 a 44 45 a 54 55 a 64 65 e mais Hipertensão arterial Dislipidemia Diabetes
  32. 32. Evolução da frequência de diabetes autorreferido Aumento significativo em todos os estratos (2006-2013) p <0,05 5,5 4,6 6,3 5,8 5,4 6,26,2 5,7 6,7 6,3 5,8 6,86,8 6,1 7,4 6,3 5,9 6,6 7,4 6,5 8,1 6,8 6,5 7,2 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Total Masculino Feminino 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
  33. 33. O Ministério da Saúde lançou, em 2011, o Plano de Ações para Enfrentamento às Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), com objetivo de controlar doenças e prevenir fatores de risco: Doenças crônicas como:  câncer (todos os tipos)  diabetes,  doenças do aparelho circulatório  doenças respiratórias crônicas (asma, enfisema) E fatores de risco:  Tabagismo;  Álcool;  Inatividade física;  Alimentação inadequada,  obesidade Ações do Ministério da Saúde No Brasil, as doenças crônicas não transmissíveis correspondem a 72,4% das causas de mortes
  34. 34.  Em três anos de programa, mais de 19 milhões de brasileiros foram beneficiados com medicamentos gratuitos para asma, hipertensão e diabetes por meio do Saúde Não Tem Preço;  Levantamento feito em municípios que receberam profissionais do Mais Médicos mostrou que, em novembro de 2013, houve um crescimento de 27,3% no atendimento a pessoas com hipertensão e de 14,4% na assistência a pessoas com diabetes em comparação com o mês de junho do mesmo ano, antes da chegada dos profissionais. O levantamento foi feito em 688 municípios onde atuavam 1.592 médicos.  Ampliação e atualização das diretrizes de cuidado ao tabagista com a inclusão de medicamentos no Sistema Único de Saúde (reposição de nicotina e cloridrato de bupropiona). Ações do Ministério da Saúde
  35. 35. Detecção precoce e prevenção de câncer
  36. 36. Evolução das mulheres* que realizaram mamografia nos últimos dois anos 71,1 71,7 72,4 73,4 74,4 77,4 78 66 68 70 72 74 76 78 80 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 *50 a 69 anos * Aumento significativo p <0,01
  37. 37. Mulheres* que nos últimos três anos realizaram papanicolau 82,0 83,3 82,2 82,2 81,8 82,3 82,9 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 % *25 a 64 anos
  38. 38. Ações para prevenção do câncer Crescimento de 18% no investimento em oncologia no SUS: R$ 2,4 bilhões em 2012 para R$ 2,8 bilhões em 2013; Incorporação do Trastuzumabe (medicamento para tratamento do câncer de mama). Serão investidos R$ 130 milhões por ano para disponibilizar o medicamento à população. Além da incorporação, o Brasil passou a produzir o primeiro medicamento para o câncer.
  39. 39. Vigitel 2013  Tendência de crescimento contínuo de excesso de peso e obesidade pela primeira vez estabiliza entre 2012 e 2013;  Aumento no consumo recomendado (≥ 5 porções diárias) e regular (≥ 5 dias por semana) de frutas e hortaliças;  Aumento da prática de atividade física no lazer;  Aumento do percentual de mulheres que realizaram mamografia nos últimos 2 anos;
  40. 40. Vigitel 2013  Crescimento de homens e mulheres que se autorreferem com diabetes;  Redução progressiva do tabagismo;  Redução progressiva da prevalência de fumantes pesados (20 cigarros dia);  Redução de fumantes passivos no domicílio
  41. 41. Melhorar sua vida, nosso compromisso

×