Saúde assina acordo para redução de sódio em alimentos industrializados

2.039 visualizações

Publicada em

Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA), Edmundo Klotz, assinaram o 4º acordo para redução de sódio nos alimentos industrializados. O elevado consumo de sódio é um dos fatores de risco para doenças crônicas. Na ocasião também foram apresentados dados inéditos da pesquisa Vigitel 2012 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) sobre a hipertensão arterial no Brasil.

  • Seja o primeiro a comentar

Saúde assina acordo para redução de sódio em alimentos industrializados

  1. 1. Termo de Compromisso para a Redução do Sódio em Alimentos Processados e divulgação dos dados do Vigitel 2012 - hipertensão
  2. 2. Cenário atual: grande participação das doenças crônicas não-transmissíveis no adoecimento e nos óbitos dos brasileiros DCNT     Mais de 70% dos óbitos Doenças cardiovasculares Doenças respiratórias crônicas Diabetes mellitus Neoplasias Quadro é decorrência do avanço de fatores de risco como tabagismo, consumo excessivo de bebidas alcoólicas, inatividade física e maus hábitos alimentares.
  3. 3. Plano DCNT Define e prioriza as ações e os investimentos necessários para preparar o país para enfrentar e deter as DCNT nos próximos dez anos.
  4. 4. Metas  Reduzir a taxa de mortalidade prematura (<70 anos) por DCNT em 2% ao ano  Reduzir a prevalência de obesidade em crianças e adolescentes  Deter o crescimento da obesidade em adultos  Reduzir a prevalência de consumo nocivo de álcool  Aumentar a prevalência de atividade física no lazer  Aumentar o consumo de frutas e hortaliças  Reduzir o consumo médio de sal  Reduzir a prevalência de tabagismo em adultos
  5. 5. Sistema de Monitoramento de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas Não Transmissíveis por meio de Inquérito Telefônico Objetivos:  Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira  Subsidiar ações de promoção da saúde e de prevenção de doenças Periodicidade: anual (2006 a 2012) População monitorada: adultos (≥ 18 anos) residentes em domicílios com telefone fixo nas capitais dos 26 estados brasileiros e DF Parceria: SVS/MS, NUPENS/USP
  6. 6. Vigitel 2012: 24,3% dos brasileiros são hipertensos Taxa, que é maior entre as mulheres, se mantém estável desde 2010 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 30 27,8 28,2 25,3 25,5 25 22,5 23,5 25,2 25,7 24,3 24,3 24,3 21,1 22,4 22,3 26,6 26,9 26,9 21,5 21,4 21,3 19,3 20 % 15 10 5 0 Total Masculino Feminino
  7. 7. Condição é mais comum entre aqueles com menor escolaridade Prevalência de diagnóstico referido de hipertensão arterial, segundo escolaridade (VIGITEL 2012) % 40 35 30 25 20 15 10 5 0 37,8 17,9 0a8 9 a 11 14,2 12 ou mais
  8. 8. Doença atinge 59,2% dos maiores de 65 anos Prevalência de diagnóstico referido de hipertensão arterial, segundo faixa etária (VIGITEL 2012) Hipertensão arterial 59,2 60 50 50 % 40 34,6 30 19,3 20 10 3,8 8,8 0 18 a 24 25 a 34 35 a 44 45 a 54 55 a 64 65 e mais
  9. 9. Morbidade referida 35 Prevalência de diagnóstico referido de hipertensão arterial, segundo capitais (VIGITEL 2012) 29,7 30 25 % 20 15 10 5 0 18,9 19 19,3 17,9 18,2 16,6 17,2 26,6 26,7 26,9 25,7 25,7 25,9 25,9 26,2 24,7 24,8 25,2 23,5 23,9 24,2 22,4 22,9 21,7 20,8 20,9
  10. 10. Saúde Não Tem Preço amplia acesso a tratamento Com distribuição gratuita, número de beneficiários cresceu mais que sete vezes  Jan/11: 658.648 pessoas  Set/13: 4.768.100 pessoas (+628%) Expansão da cobertura: rede conta com mais de 23.102 farmácias conveniadas, além de 546 unidades próprias Unidades estão presentes em 3.742 cidades. Destas, 1.324 são de extrema pobreza. Em 2011, eram apenas 578 municípios cobertos
  11. 11. Taxa de internação é a menor dos últimos 10 anos Taxa de internação por 100 mil habitantes 120 100 95,04 97,43 93,30 91,39 90,29 88,40 84,05 80 86,53 81,21 70,85 60 59,67 40 20 0 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Fonte: SIH/MS
  12. 12. Consumo de sódio é mais que o dobro do que recomenda a OMS Pesquisa do Orçamento Familiar (POF), do IBGE, aponta que consumo diário médio no Brasil chega a 12 gramas, enquanto a OMS recomenda o ideal de 5 gramas por dia Mudança de hábitos leva à tendência de aumento da participação dos alimentos processados e da alimentação fora do domicílio e grande prevalência de consumo excessivo de sódio, principalmente por adolescentes e adultos Principais fontes de sódio:  Sal adicionado na preparação e no consumo de alimentos  Sódio presente nos alimentos processados e nos alimentos produzidos e consumidos fora do domicílio
  13. 13. Consumo excessivo de sódio traz malefícios Atual: 12 gramas  15% menos óbitos por AVC  10% menos óbitos por infarto  1,5 milhão de pessoas livres de medicação para hipertensão Meta: 5 gramas  +4 anos na expectativa de vida de indivíduos hipertensos
  14. 14. Estratégias para redução do consumo excessivo de sódio  Promoção da alimentação saudável e aumento da oferta de alimentos saudáveis.  Redução voluntária dos níveis de sódio em alimentos processados e alimentos vendidos em estabelecimentos de food service e restaurantes.  Rotulagem e informação ao consumidor  Educação e sensibilização para consumidores, indústria, profissionais de saúde e outras partes interessadas.
  15. 15. Acordo para redução dos níveis de sódio de alimentos 1ª Etapa do acordo com Abia: Primeiras metas de redução do sódio em alimentos processados e cronograma para outras categorias prioritárias 2ª Etapa do acordo com Abia: Pactuação do Plano de Monitoramento, critérios para estabelecimento de metas e metas para novas categorias de alimentos Abril/2011 Out-Nov/2011 2011 3ª Etapa do acordo com Abia: Metas para novas categorias de alimentos Renovação do Acordo de Cooperação e 4ª Etapa do acordo com Abia: Metas para novas categorias de alimentos Ago/2012 Out/2013 2012 2013
  16. 16. Acordo para redução dos níveis de sódio de alimentos 1ª etapa (abril 2011) 2ª etapa (outubro 2011) 3ª etapa (agosto 2012) Categoria Massas instantâneas Pães de forma Bisnaguinhas Pão francês Batatas fritas Salgadinhos de milho Bolos recheados Bolos sem recheio Rocambole Mistura para bolo aerado Mistura para bolo cremoso Maionese Biscoitos salgados Biscoitos doces Biscoitos recheados Margarinas Cereais matinais Caldos em cubo Caldos em gel Temperos em pasta Tempero para arroz Outros temperos Já foram retiradas 11,3 mil toneladas de sódio até 2013 Com os quatro acordos, expectativa é de redução de 28,5 mil toneladas de sódio até 2020
  17. 17. Acordo para redução dos níveis de sódio de alimentos Alimento Metas 2014/15 – em mg Metas 2016/17 – em mg Empanados 690 (21,7% ao ano) 650 (3,0% ao ano) Hambúrguer 780 (17,55% ao ano) 740 (2,65% ao ano) Linguiça cozida- temperatura ambiente 1560 (9,15% ao ano) 1500 (1,95% ao ano) Linguiça cozida- resfriada 1310 (10,55% ao ano) 1210 (3,90% ao ano) Linguiça frescal 1080 (13,55% ano ano) 970 (5,20% ao ano) Mortadela refrigerada 1270 (7,55% ao ano) 1180 (3,60% ao ano) Mortadela temperatura ambiente 1980 (5,55% ao ano) 1350 (1,10% ao ano) Presuntaria Queijo muçarela Requeijão cremoso 1180 (13,15% ao ano) 559 (40,90% ao ano) 587 (36,80% ao ano) 1160 (0,85% ao ano) 512 (4,30% ao ano) 541 (4,0% ao ano) Salsicha 1140 (10,6% ao ano) 1120 (0,90% ao ano) Sopas instantâneas individuais 237 (6,60% ao ano) 314 (0,50% ao ano) Sopas 334 (11,40% ao ano) 330 (2,0% ao ano)
  18. 18. Monitoramento dos resultados do acordo Monitoramento do alcance das metas bianuais (rotulagem nutricional, análises laboratoriais e utilização de ingredientes à base de sódio). Objetivos:  Obter informações atualizadas para novas negociações;  Incentivar o controle social: Conselho Nacional de Saúde e Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, associações de consumidores;  Impactos da redução do sódio: consumo e indicadores de saúde.
  19. 19. Monitoramento dos resultados do acordo  Período de coleta e análise: início ao final do ano de referência da pactuação (ex: avaliação de metas para 2012 vem sendo realizada durante 2013).  Coleta de produtos nos estados – plano de amostragem e análises com representatividade regional (número de amostras e marcas regionais e nacionais).
  20. 20. Renovação do cooperação técnica entre MS e ABIA/indústria (2013-2015) Próximos passos:  Debate para reduzir teor de açúcar e gordura totais e saturadas  Monitoramento e repactuação das metas para redução de sódio
  21. 21. Melhorar sua vida, nosso compromisso

×